Página 1 dos resultados de 90 itens digitais encontrados em 0.009 segundos

Frugivoria de Ficus (Moraceae) por aves em paisagens com diferentes níveis de fragmentação florestal no Estado de São Paulo; Frugivory of Ficus (Moraceae) by birds in areas with different levels of forest fragmentation in São Paulo State

Lapate, Mariana Esther
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 27/11/2009 PT
Relevância na Pesquisa
45.92%
Ficus (Moraceae) é o gênero mais importante para animais frugívoros nas florestas tropicais, considerado um recurso-chave durante períodos de escassez de frutos. Esses animais dispersam suas sementes e contribuem para a manutenção das populações de figueiras. A perda de hábitat e a fragmentação da paisagem podem afetar a sobrevivência de populações e a composição de comunidades e suas interações. Os objetivos deste trabalho foram (1) comparar a frugivoria e a dispersão de sementes por aves frugívoras entre espécies de Ficus encontradas em remanescentes de Floresta Estacional Semidecidual e (2) testar se a perda de hábitat influencia a frugivoria e dispersão de sementes dessas árvores. Estudamos três áreas de reservas florestais no Estado de São Paulo, sudeste do Brasil, com diferentes áreas e nível de fragmentação da paisagem: Parque Estadual do Morro do Diabo (33.845 ha), Estação Ecológica dos Caetetus (2.176 ha) e Estação Ecológica de Ribeirão Preto (180 ha). Ao longo de 443 h de observação árvore-focal, registramos todas as espécies de aves frugívoras se alimentando de figos e estimamos a taxa de remoção de figos e sementes. Como nossos dados não se adequaram a métodos estatísticos tradicionais...

Plantas nativas indesejáveis : suas conseqüências sobre a produção animal e métodos de controle; Undesirable native plants : its consequences upon animal production and methods of control

Crancio, Leonardo Araripe
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Dissertação Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
45.93%
A eficiência de diferentes métodos de controle de plantas indesejáveis já foi avaliada através de inúmeros estudos, porém, raramente inserem, neste contexto, o desempenho animal. Este trabalho tem como objetivo aportar conhecimento na referida área. Ele traz referências sobre o estado da arte no controle de plantas nativas indesejáveis, bem como de plantas tóxicas nativas do Rio Grande do Sul. O experimento foi conduzido com bovinos, numa pastagem natural na região da Serra do Sudeste (RS), de 15 de março a 8 de julho de 2003. Os tratamentos foram: testemunha (T); roçada de primavera (RP); roçada de outono (RO) e controle químico (Q), todos em duas ofertas de forragem, média (8%) e alta (14%). O delineamento utilizado foi de blocos completamente casualizados. Os tratamentos constituíram um esquema fatorial 4 x 2, com 2 repetições. Os parâmetros avaliados foram ganho médio diário (kg/an/dia), ganho de peso vivo por área (kg/ha) e taxa de acúmulo de forragem (kgMS/ha/dia). Submeteu-se os dados à análise de variância e teste F pelo pacote estatístico SAS (SAS, 2001). Ao detectar-se, entre os métodos de controle, diferenças ao nível de 10%, as médias foram comparadas pelo teste de Tukey, a 10 % de significância. Não houve interação entre níveis de oferta e métodos de controle. O tratamento 14 % apresentou menor perda de peso por hectare...

Plant diversity and galling arthropod diversity searching for taxonomic patterns in an animal plant interaction in the neotropics

Mendonca Junior, Milton de Souza
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: application/pdf
ENG
Relevância na Pesquisa
45.97%
Diversidade de plantas e diversidade de artrópodes galhadores. procurando padrões taxonômicos numa interação animal-planta nos Neotrópicos. Os galhadores são uma guilda especial de herbívoros endofíticos geradores de estruturas distintas, as galhas. Galhadores são espécie-específicos, como as galhas que induzem: cada morfotipo de galha é único. A relação entre plantas e galhadores é estreita; algumas das hipóteses para explicar a diversidade de galhadores consideram as plantas diretamente; outras não. Aqui são revistas as correntes hipóteses sobre a diversidade de galhadores e suas hospedeiras, adicionando idéias sobre a interpretação de dados dos hospedeiros. Os exemplos advêm de um inventário de galhas no Estado do Rio Grande do Sul (RS), sul do Brasil. As questões aqui são: a) as galhas ocorrem consistentemente em alguns táxons de planta em diferentes áreas?, b) esses táxons são importantes para a composição da vegetação?, e c) o tamanho do táxon influencia a riqueza de seus galhadores? Famílias apresentando mais galhadores são usualmente as mesmas nos Neotrópicos (Fabaceae, Myrtaceae, e, no RS, Asteraceae), o que é esperado uma vez que são importantes componentes da vegetação. Famílias de planta maiores possuem mais galhas...

Mutualismo digestivo entre aranhas, cupins e a planta protocarnívora paelalanthus bromelioides (Eriocaulaceae)

Nishi, Aline Hiroko
Fonte: Universidade Estadual Paulista (UNESP) Publicador: Universidade Estadual Paulista (UNESP)
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: 68 f. : il. color.
POR
Relevância na Pesquisa
56.04%
Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP); Pós-graduação em Biologia Animal - IBILCE; A espécie de planta protocarnívora Paepalanthus bromelioides (Eriocaulaceae) assemelha-se a uma bromélia por possuir arquitetura em roseta e acumular água da chuva (e.g., fitotelmata). Enquanto suas rosetas são frequentemente habitadas por predadores (e.g., aranhas), suas raízes são envoltas por cupinzeiros construídos sob a planta. Portanto, estas plantas podem derivar nutrientes tanto de processos de reciclagem de nutrientes por cupins, como de atividades de predadores nas rosetas (fezes e carcaças de presas), e até mesmo de insetos que eventualmente caem no fitotelmata. Bactérias habitantes destes fitotelmatas podem acelerar a ciclagem de nutrientes derivados dos predadores. Para testar estas predições, desenvolvemos vários experimentos em campo utilizando métodos isotópicos de 15 N. Análises de abundância natural de 15 N mostram que a assinatura isotópica da P. bromelioides é semelhante à de plantas carnívoras e superior a das demais plantas não carnívoras da área de estudo, sugerindo a utilização de presas como fonte de nutrientes. Modelos lineares de mistura mostraram que insetos que eventualmente caem na roseta...

Efeitos indiretos de predadores e de herbívoros florais e foliares no comportamento de visitantes florais e sucesso reprodutivo de Rubus rosifolius

Antiqueira, Pablo Augusto Poleto
Fonte: Universidade Estadual Paulista (UNESP) Publicador: Universidade Estadual Paulista (UNESP)
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: 96 f. : il.
POR
Relevância na Pesquisa
46%
Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP); Pós-graduação em Biologia Animal - IBILCE; Neste estudo utilizamos a planta arbustiva Rubus rosifolius (Rosaceae) a fim de investigarmos os efeitos indiretos de danos florais e foliares, bem como do risco de predação por aranhas tomisídeos no comportamento de visita e fuga de insetos visitantes florais, e se estes efeitos atingem os componentes de aptidão da planta. Tanto herbívoros quanto predadores sobre flores podem decrescer a aptidão de plantas por efeitos indiretos através de decréscimo na visitação por polinizadores. Dessa maneira, espera-se que danos foliares e florais simulando respectivamente hebivoria foliar e florivoria, aliados ao risco de predação por aranhas da família Thomisidae sobre flores, afetem negativamente a aptidão de R. rosifolius por meio de efeitos indiretos na escolha de sítios de polinização por insetos visitantes florais. Adicionalmente, investigamos os efeitos de predadores não-crípticos no comportamento de diferentes grupos de insetos visitantes florais e a capacidade destes insetos em reconhecerem e evitar traços morfológicos de predadores. Foi registrada também a freqüência das formas de forrageamento das espécies de aranhas utilizadas no estudo em flores de R. rosifolius. Danos florais provocando assimetria decresceram o número de visitas da maioria dos grupos de insetos visitantes florais...

Predação de sementes do palmito juçara Euterpe edulis Martius em fragmentos florestais - testando o modelo Janzen-Connell

Silva, Eveline da Costa
Fonte: Universidade Estadual Paulista (UNESP) Publicador: Universidade Estadual Paulista (UNESP)
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso Formato: 41 f.
POR
Relevância na Pesquisa
46.12%
A extensa fragmentação das florestas tropicais e conseguinte perda da fauna de dispersores e predadores de sementes trazem importantes consequências às interações planta-animal. A predação de sementes, que representa uma etapa crítica no recrutamento de plantas tropicais, é um dos processos que sofrem com este impacto. A falta dos agentes dispersores e predadores de sementes pode alterar a dinâmica natural dessa interação trófica ao ponto de não corresponder mais ao modelo de Janzen-Connell, que prediz que quanto mais próximo da planta parental, maior a probabilidade de predação e, por conseqüência, menor será a dispersão. Esse estudo avaliou em três fragmentos com níveis diferenciado de defaunação (Mata São José, Reserva Municipal Santa Genebra e Estação Ecológica dos Caetetus) a predação (e/ou dispersão) de sementes de palmito juçara (Euterpe edulis Martius) abaixo e longe da planta-mãe, buscando testar o modelo Janzen-Connell. Em cada área cinco sementes foram dispostas em tratamento aberto e cinco em tratamento fechado, abaixo e distante 10 metros do parental em 15 palmeiras e avaliado o destino das sementes após 30 dias. Os resultados não oferecem suporte ao modelo, uma vez que apenas em um dos fragmentos pequenos e defaunados a predação abaixo do parental foi maior que distante...

Interações entre formigas e Urera baccifera (Urticaceae) medidas por atrativos distintos : corpos perolados e frutos

Humberto de Paula Dutra
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 29/06/2004 PT
Relevância na Pesquisa
46.13%
1. O presente trabalho investiga o papel protetor de formigas contra os insetos fitófagos de Urera baccifera em uma floresta semidecídua do sudeste do Brasil. V. baccifera é utilizada como planta hospedeira por 3 espécies de lepidópteros: Urbanus esmeraldus (Hesperiidae), Pleuroptya silicalis (Crambidae) e Smyma blomfildia (Nymphalidae) 2. Muitas espécies de formigas forrageiam intensivamente nos arbustos de V. baccifera, estando constantemente presentes na planta ao longo do ano, exceto durante o período de deciduidade da planta. Todas as estruturas aéreas, vegetativas e reprodutivas da planta, são visitadas por formigas, especialmente as folhas onde há uma grande produção de corpos perolados (CPs). Além de corpos perolados, formigas também utilizam os frutos de V. baccifera como fonte de alimento. 3. CPs são atrativos efetivos de formigas à planta. Arbustos de U. baccifera são proporcionalmente mais visitados por formigas do que plantas vizinhas sem CPs. A visitação de formigas a CPs reduz a sobrevivência de lagartas de S. blomfildia. Frutos também possuem uma função na atração de formigas aumentando o recrutamento de formigas à planta. 4. Os resultados do experimento mostram que plantas que tiveram suas formigas excluídas foram mais infestadas por herbívoros do que plantas visitadas por formigas no dois anos em que se realizou o experimento...

Interações entre formigas, frutos e sementes em solo de cerrado : o papel de formigas na biologia de sementes e plantulas; Interactions etween ants, fruits and seeds in the cerrado : the role of ants in the biology of seeds and seedlings

Alexander Vicente Christianini
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 21/08/2007 PT
Relevância na Pesquisa
45.92%
Nosso conhecimento a respeito dos sistemas de dispersão de sementes tem aumentado consideravelmente nos últimos anos. Um número crescente de estudos tem mostrado que a regeneração de plantas é freqüentemente muito mais complexa do que pensávamos, incluindo vários agentes ao longo de etapas subseqüentes do processo de dispersão de sementes. Por exemplo, formigas podem rearranjar a sombra de sementes que cai ao solo, o que pode influenciar as probabilidades de transição do estágio de semente para plântula durante o recrutamento. Neste trabalho reportamos informações mostrando que formigas são importantes agentes de dispersão secundária de sementes na maior savana da América do Sul, o cerrado. Formigas interagiram com diásporos caídos de muitas plantas dispersas primariamente por vertebrados frugívoros. Formigas freqüentemente limparam as sementes da polpa dos frutos, o que aumentou sua germinação. As sementes de Erythroxylum pelleterianum (Erythroxylaceae), Xylopia aromatica (Annonaceae) e Miconia rubiginosa (Melastomataceae) são dispersas primariamente por aves, mas a maior parte de seus frutos cai ao solo sob a planta-mãe. Formigas removeram grande parte destes diásporos caídos, e promoveram dispersão direcionada a microsítios ricos em nutrientes onde houve maior sobrevivência de plântulas...

Efeitos da herbivoria na sobrevivência e reprodução de Actinocephalus polyanthus, uma espécie monocárpica de dunas

Tito Leon, Richard
Fonte: Universidade Federal de Santa Catarina Publicador: Universidade Federal de Santa Catarina
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: 113 p.| il., grafs., tabs.
POR
Relevância na Pesquisa
46.1%
Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências Biológicas, Programa de Pós-Graduação em Biologia de Fungos, Algas e Plantas, Florianópolis, 2013.; Fatores bióticos e abióticos atuam sobre a interação planta-herbívoro. Estes fatores podem influenciar na frequência de ocorrência assim como na resposta da planta aos efeitos do dano causado pelos herbívoros. Tendo como foco de estudo a planta monocárpica perene (Actinocephalus polyanthus), o presente estudo teve os seguintes objetivos gerais: (1) avaliar a variação estacional de herbivoria e registrar os herbívoros associados a A. polyanthus, e (2) avaliar o efeito da herbivoria no crescimento, supervivência e sucesso reprodutivo desta planta. O estudo foi realizado no Parque Municipal das Dunas da Lagoa da Conceição, Florianópolis, SC, Brasil. Para cumprir com o primeiro objetivo, em sete parcelas permanentes de 5 m2 foi avaliada estacionalmente, por um ano, a ocorrência de plantas danificadas, porcentagem de herbivoria e registrada a ocorrência dos herbívoros. Para cumprir com o segundo objetivo, foi realizado experimentos de herbivoria simulada e complementado com tratamentos de plantas danificadas naturalmente pelos herbívoros. Os experimentos foi conduzido em blocos aleatorizados com 16 réplicas (danificados e controles) para cada tratamento. A simulação do dano mecânico foi feita...

Reprodução sexuada de Dyckia tuberosa (Vell.) Beer (Bromeliaceae, Pitcairnioideae) e interação planta-animal

Vosgueritchian,Simone Bazarian; Buzato,Silvana
Fonte: Sociedade Botânica de São Paulo Publicador: Sociedade Botânica de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/09/2006 PT
Relevância na Pesquisa
46.14%
Bromeliaceae é um componente importante em vários Biomas, sendo notável a variedade de contextos ecológicos em que pode ser encontrada. Ocorre no grupo a combinação entre dois modos de reprodução: sexuada e propagação clonal. Neste estudo descrevemos vários atributos relacionados à reprodução sexuada de Dyckia tuberosa, bem como interações planta-animal que se estabelecem em suas estruturas reprodutivas. Ao longo de 11 meses, 55 % dos indivíduos na população estudada floresceram e frutificaram. As flores se desenvolvem da base para o ápice e apresentam diferenças morfométricas quanto à posição na inflorescência que acarretam diferenças na produção de sementes. A concentração de açúcares no néctar foi de 20% e a produção total de néctar foi de c. de 24 µL flor-1 dia-1, sendo esta última maior no período da manhã entre 8h00 e 9h00. Dyckia tuberosa é auto-incompatível e o índice de auto-incompatibilidade (ISI) foi de 0,08. Somente beija-flores exploraram as flores de modo legítimo, contatando anteras e estigma, sendo 3,9 flores visitadas por hora. Chlorostilbon aureoventris, Colibri serrirostris e Phaethornis eurynome foram as espécies registradas. Em D. tuberosa a reprodução sexuada depende das visitas dos beijaflores. Houve patrulhamento das inflorescências de D. tuberosa pelas formigas Camponotus rufipes...

Interação solo-planta-animal no sistema Integração Lavoura-Pecuária.

VIANA, M. C. M.; SILVA, E. A. da; GONTIJO NETO, M. M.; ALVARENGA, R. C.; BOTELHO, W.
Fonte: Informe Agropecuário, Belo Horizonte, v. 28, n. 240, p. 104-111, set./out. 2007. Publicador: Informe Agropecuário, Belo Horizonte, v. 28, n. 240, p. 104-111, set./out. 2007.
Tipo: Artigo em periódico indexado (ALICE)
PT_BR
Relevância na Pesquisa
46.1%
As interações que ocorrem no sistema Integração Lavoura-Pecuária (ILP) são complexas, uma vez que, além da planta e do solo, existe a participação do animal. A desfolhação e o pisoteio animal podem afetar a cobertura vegetal e alterar a dinâmica da biomassa da pastagem, além de causar modificações nas propriedades físicas, químicas e biológicas do solo. Adequar alta produção e qualidade de forragem, com elevada produção animal e altos níveis de produtividade de grãos é um desafio para técnicos e produtores. Portanto, o sistema exige que o manejo da desfolha pelo animal seja feito de maneira que as características morfofisiológicas de cada espécie forrageira seja respeitadas. Dessa maneira, uma melhor compreensão sobre o efeito da entrada dos animais em áreas de pastagem rotacionadas com lavoura e as interações entre solo, planta e animal são determinantes para o sucesso da ILP.; 2007

Redes de interação Planta Beija-Flor em um Gradiente Altitudinal de Floresta Atlântica no Sul do Brasil.

Kohler, Glauco Ubiratan
Fonte: Universidade Federal do Paraná Publicador: Universidade Federal do Paraná
Tipo: Teses e Dissertações Formato: application/pdf
PORTUGUêS
Relevância na Pesquisa
66.18%
Resumo: Estudos da variação da composição das comunidades em gradientes de altitude informam sobre limitações da distribuição de espécies e estruturação comunitária. Os beija-flores, grupo de vertebrados de importância em comunidades animal-planta, são considerados os principais vetores de pólen em vários ecossistemas americanos. Estando estas relações coligadas na forma de redes de mutualismos, bjetivou-se a caracterização das redes de interação entre flores ornitófilas e beija-flores em um gradiente altitudinal de Floresta Atlântica no Sul do Brasil. Foram calculadas conectância de ligações, aninhamento das redes, grau de especialização destas, graus de dependência entre as espécies e correlacionados índices de especialização e força das espécies e o grau, além dos dois anteriores em três cotas altitudinais, sob as hipóteses de que a conectância aumenta com o aumento da altitude, as espécies com maiores dependências mútuas são encontradas nas regiões altas, o aninhamento diminui com o aumento da altitude e as redes mais especializadas encontrar-se-iam em menores altitudes. Foram também calculadas as centralidades dos graus para as espécies de plantas e animais nas três cotas. A estrutura das redes de interação iferiu entre as cotas altitudinais como produto da diminuição na riqueza comunitária com a altitude. Houve aumento na conectância e nas dependências mútuas com o aumento da altitude e ausência de aninhamento das redes...

Fatores envolvidos na estruturação das redes de polinização beja-flor-planta em um gradiente sucessional

Malucelli, Tiago Simões
Fonte: Universidade Federal do Paraná Publicador: Universidade Federal do Paraná
Tipo: Dissertação Formato: application/pdf
PORTUGUêS
Relevância na Pesquisa
55.99%
Resumo: Mudanças nos componentes bióticos e abióticos, que ocorrem ao longo do processo sucessional, se refletem em alterações das redes de polinização. Neste trabalho foram avaliadas as mudanças estruturais de redes de polinização beija flor-planta durante a sucessão secundária. Foram testados os fatores determinantes da estrutura da rede e da frequência das interações em quatro estádios sucessionais da Mata Atlântica brasileira. Em cada um dos quatro estádios sucessionais foram observados três transectos de 800m, durante onze meses. À partir das observações foram construídas matrizes de interação quantitativas para determinar as propriedades de rede e matrizes probabilísticas para gerar redes baseadas nos fatores abundância, acoplamento fenológico e morfológico. O índice de especialização dos beija-flores não variou, enquanto as plantas se tornaram mais generalistas no estádio mais avançado. Com o tempo a conectância aumentou, enquanto a modularidade diminuiu, possivelmente pelo papel do beija flor Ramphodon naevius como um melhor conector em idades mais avançadas. A variação da equitatividade de interações parece se relacionar com a dominância de algumas espécies de plantas dentro dos estádios. Tanto a estrutura como a frequência de interações nas redes foram preditas por fatores relacionados ao nicho e fatores neutros...

Interações ecológicas em Malpighiaceae no cerrado: compartilhamento de guildas de herbívoros e variações nos resultados da interação formiga-planta; Ecological interactions in Malpighiaceae in the Cerrado: sharing of guilds from herbivores and variations in the results of ant-plant interaction

Vilela, Andréa Andrade
Fonte: Universidade Federal de Uberlândia Publicador: Universidade Federal de Uberlândia
Tipo: Dissertação
POR
Relevância na Pesquisa
66.1%
Interações ecológicas representam ferramentas essenciais para a melhor compreensão das comunidades naturais, tendo nas relações animal-planta importantes modelos de estudo. Para isso, tornam-se necessárias análises fenológicas dos eventos vegetativos e reprodutivos das plantas, capazes de demonstrar as estratégias de floração e com isso, as formas de organização temporal dos recursos disponíveis para os herbívoros. A floração sequencial fornece recursos consecutivamente ao longo do ano, o que favorece o compartilhamento das plantas por guildas de insetos herbívoros. Esses animais geram impactos negativos no valor adaptativo das plantas, que em resposta desenvolvem defesas, tais como as associações de proteção com formigas através dos nectários extraflorais. Porém, essas relações representam sistemas de mutualismos condicionados às variações espaciais e temporais do ambiente, capazes de apresentar resultados que variam de positivos a negativos sobre o valor adaptativo das espécies interagentes. Diante disso, o presente estudo verificou se a fenologia sequencial entre espécies de malpighiáceas resulta no compartilhamento de guildas de herbívoros e se a associação com formigas é capaz de reduzir os danos da herbivoria foliar e floral. O trabalho de campo foi realizado no cerrado sensu stricto do Clube de Caça e Pesca Itororó de Uberlândia...

Diversidade e frugivoria por morcegos em um remanescente de floresta semidecidual de Uberlândia, MG; Diversity and frugivory by bats in a semidecidual forest remnant from Uberlândia, MG

Pires, Luís Paulo
Fonte: Universidade Federal de Uberlândia Publicador: Universidade Federal de Uberlândia
Tipo: Dissertação
POR
Relevância na Pesquisa
46.14%
Em ambientes tropicais, os morcegos podem representar mais de 50% da composição da comunidade de mamíferos. A importância destes animais, entretanto, vai muito além da sua grande contribuição para a biodiversidade. Eles apresentam também alta diversidade em suas funções ecológicas: são vetores de doenças de importância médica-veterinária, reduzem danos na agricultura, realizam a polinização de muitas espécies de plantas e dispersam as sementes de tantas outras. Assim, os morcegos são excelentes modelos de estudos de aspectos ecológicos teóricos e práticos, e os resultados destes estudos podem ser fundamentais para a conservação do meio ambiente, para a agricultura e a saúde pública e veterinária. Embora algumas espécies de morcegos sejam comuns em áreas urbanas, pouco se sabe a respeito da organização das comunidades de quirópteros nestes ambientes e como o processo de urbanização e redução do habitat afetam a estrutura e composição destas comunidades. Neste sentido, o primeiro capítulo desta dissertação traz informações sobre a organização de uma comunidade de morcegos em um parque urbano da cidade de Uberlândia, MG, tentando evidenciar padrões que possam ser importantes para a conservação dos morcegos nestas áreas. Com relação às interações mutualísticas entre morcegos frugívoros e plantas...

Disponibilidade de recursos florais e o seu uso por beija-flores em uma área de cerrado de Uberlândia, MG; Floral resource availability and its use by hummingbirds in an area of cerrado of Uberlândia, MG

Maruyama, Pietro Kiyoshi
Fonte: Universidade Federal de Uberlândia Publicador: Universidade Federal de Uberlândia
Tipo: Dissertação
POR
Relevância na Pesquisa
45.99%
Apesar de os beija-flores serem apontados como um importante grupo de polinizadores, poucos estudos sobre a sua ecologia estão disponíveis para alguns ecossistemas. O bioma Cerrado é um ecossistema que apresenta uma das mais ricas floras vasculares do mundo, mas numa dada comunidade desse bioma, a proporção de espécies ornitófilas parece ser relativamente baixa. Talvez forçadas por esta condição, visitas oportunistas de beija-flores a flores com outras síndromes florais no Cerrado parecem ser freqüentes. Nesse sentido este estudo teve dois objetivos: 1) avaliar a disponibilidade de recursos florais utilizadas pelos beija-flores numa comunidade de cerrado sentido restrito e 2) avaliar possíveis efeitos que as visitas de beija-flores tem na reprodução de uma planta não ornitófila. Na primeira parte do estudo, foi caracterizada a assembléia de plantas utilizadas pelos beija-flores, a dinâmica temporal e espacial da oferta de néctar (energia), bem como o uso e os fatores que afetam a utilização das plantas pelos beija-flores. Os resultados mostram que a disponibilidade de recursos florais variou de maneira considerável durante o ano, em sincronia com a floração das espécies mais abundantes, e sem clara associação com a sazonalidade típica do Cerrado. A quantidade de recursos oferecida pela planta e a disponibilidade de recursos para a área como um todo parecem explicar a freqüência com que determinada espécie de planta recebe visitas de beija-flores. Amazilia fimbriata e Eupetomena macroura foram as espécies mais freqüentes entre os beija-flores. Na maioria dos casos...

Interação entre a espécie-chave Araucária angustifolia e pequenos mamíferos na Mata Atlântica do sul do Brasil

Fonte: UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS; DBI - Programa de Pós-graduação; UFLA; BRASIL Publicador: UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS; DBI - Programa de Pós-graduação; UFLA; BRASIL
Tipo: Dissertação
PT_BR
Relevância na Pesquisa
45.92%
Dissertação apresentada à Universidade Federal de Lavras, como parte das exigências do Programa de Pós-Graduação em Ecologia Aplicada, área de concentração em Ecologia e Conservação de Recursos Naturais em Ecossistemas Fragmentados e Agrossistemas, para a obtenção do título de Mestre.; Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)

Papéis ecológicos e papéis culturais de plantas conhecidas por comunidades quilombolas do litoral de Santa Catarina, Brasil

Valadares, Kênia Maria de Oliveira
Fonte: Universidade Federal de Santa Catarina Publicador: Universidade Federal de Santa Catarina
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: 249 p.| il., grafs., tabs.
POR
Relevância na Pesquisa
46.1%
Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências Biológicas, Programa de Pós-Graduação em Ecologia, Florianópolis, 2015.; Comunidades tradicionais, como os Quilombolas, são reconhecidas por possuírem saberes resultantes da evolução com seus ambientes, o que permite sua existência e manutenção, mesmo em meio à modernidade. A partir da abordagem etnoecológica, investigou-se o Conhecimento Ecológico Local (CEL) de três comunidades quilombolas (Aldeia  AL, Santa Cruz  SC e Morro do Fortunato  MF), do litoral sul de Santa Catarina, com o foco nos papéis ecológicos e culturais de plantas conhecidas localmente. Após obter Anuência Prévia, realizamos entrevistas semi-estruturadas e oficinas participativas, além de turnês guiadas para coleta de plantas. Analisamos os papéis ecológicos a partir das interações ecológicas percebidas, com posterior construção de redes. Os papéis culturais foram analisados a partir das métricas de Espécie-chave Cultural (ECC), Índices de Significado Cultural (ISC), de Priorização (IP) e de Saliência (IS). De 184 entrevistas, 141 descreveram interações ecológicas, classificadas a posteriori. Houve diferença significativa na proporção média citações com interações ecológicas...

Estudo em um fitofago especialista, Tomoplagia reticulata (Diptera:Tephritidae), e sua planta hospedeira, Eremanthus glomerulatus (Asteraceae); A study in an specialist phytophagous, Tomoplagia reticulata (Diptera:Tephritidae), and its host plant, Eremanthus glomerulatus (Asteraceae)

Aluana Gonçalves de Abreu
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 09/02/2009 PT
Relevância na Pesquisa
46.02%
Tomoplagia reticulata (Diptera: Tephritidae) é um fitófago especialista em Eremanthus glomerulatus (Asteraceae). Os adultos ovipõem nas inflorescências da planta hospedeira, onde as larvas se desenvolvem. O histórico de coletas de T. reticulata mostra uma grande variação na quantidade de insetos infestando cada indivíduo de E. glomerulatus. A fim de verificar se a variação no número de herbívoros nas populações do hospedeiro é associada a alguma característica química e/ou genética deste, comparamos as variabilidades genética e química entre indivíduos de E. glomerulatus com diferentes níveis de infestação por T. reticulata (cap. 1). Eremanthus glomerulatus tem baixa variabilidade genética, provavelmente associada à distribuição restrita desta espécie. Apesar da distribuição fragmentada, há pouca estruturação entre as populações desta planta, explicada pelo maior fluxo gênico entre ambientes fragmentados em espécies anemocóricas. As características genéticas e químicas de E. glomerulatus não explicam a variação no nível de herbivoria das populações do hospedeiro. No capítulo 2, testamos a hipótese de que fitófagos especialistas apresentam maior diferenciação genética e menor diversidade do que generalistas...

Inferências sobre uma rede de interações abelha-planta : investigando o papel de polinizadores e pilhadores e a influência da complementaridade fenotípica e de interações proibidas sobre a estrutura e propriedades da rede

Amaral Neto, Laércio Peixoto do
Fonte: Universidade Federal do Paraná Publicador: Universidade Federal do Paraná
Tipo: Tese de Doutorado Formato: 120 f. : il., tabs.; application/pdf
PORTUGUêS
Relevância na Pesquisa
56.15%
Orientador : Prof. Dr. Gabriel A. R. Melo; Co-orientadora : Profa. Dra. Isabela G. Varassin; Tese (doutorado) - Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciências Biológicas, Programa de Pós-Graduação em Ciências Biológicas (Entomologia). Defesa: Curitiba, 20/03/2015; Inclui referências : f.87-91; Área de concentração : Entomologia; Resumo: A análise de redes mutual ísticas é uma ferramenta extremamente útil para a compreensão do nível de interação entre os di ferentes subsistemas existentes nos sistemas ecológicos e provê ferramentas que possibilitam a avaliação conjunta de um número grande de variáveis, permitem extrapolar propriedades da rede a sistemas ecológicos e possibili tam extrapolações e predições. Apesar de suas vantagens, alguns trabalhos alertam sobre alguns entraves que podem causar distorções na interpretação dos padrões observados nas redes, entre eles a presença de pilhadores, a variação temporal das interações e a premissa de que todas as interações são igualmente possíveis de acontecer. O presente trabalho explora o efeito destes entraves na estrutura e propriedades de uma rede de interações abelha-planta. As análises foram feitas a partir dos dados coletados ao longo de dois anos em uma área de campo natural no Parque Estadual de Vila Velha...