Página 1 dos resultados de 956 itens digitais encontrados em 0.007 segundos

Ventilação mecânica não-invasiva em crianças com insuficiência respiratória aguda: uma revisão sistemática da literatura; Non invasive ventilation for children with acute respiratory failure: a systematic rewiew

Gonzaga, Carolina Silva
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 12/12/2007 PT
Relevância na Pesquisa
66.8%
INTRODUÇÃO: A ventilação não-invasiva consiste na aplicação de pressão positiva na via aérea do paciente através de máscaras e interfaces sem a utilização de uma cânula intratraqueal. A presença da cânula na traquéia e outros fatores relacionados à ventilação invasiva convencional são responsáveis por diversas complicações. O uso da ventilação não-invasiva e o desenvolvimento de estudos sobre o tema têm aumentado nos últimos anos, com o objetivo de prevenir ou amenizar as complicações da ventilação invasiva. Em grupos selecionados de pacientes adultos, a ventilação nãoinvasiva é responsável pela diminuição da necessidade de intubação, mortalidade e custos hospitalares. Em pediatria, o número de estudos ainda é reduzido. OBJETIVOS: 1) Descrever os aspectos gerais relacionados ao uso da ventilação não-invasiva (interfaces, ventiladores, modos, pressões, tempo de uso e cuidados) em crianças e adolescentes com insuficiência respiratória aguda. 2) Avaliar a eficácia e a efetividade do uso da ventilação não-invasiva em crianças e adolescentes com insuficiência respiratória aguda. 3) Descrever as complicações da ventilação não-invasiva em crianças e adolescentes com insuficiência respiratória aguda. METODOLOGIA: Foi realizada uma revisão sistemática da literatura nas seguintes bases de dados: Medline...

Ventilação mecânica não invasiva com pressão positiva em vias aéreas, em pacientes HIV/AIDS com lesão pulmonar aguda e insuficiência respiratória: estudo de avaliação do melhor valor de PEEP; Noninvasive ventilation with positive airway pressure in HIV/AIDS patients with acute lung injury and respiratory failure: study to assess the best level of PEEP

Anjos, Carlos Frederico Dantas
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 06/10/2011 PT
Relevância na Pesquisa
66.92%
INTRODUÇÃO: A síndrome da imunodeficiência adquirida (AIDS) é atualmente uma pandemia, e as doenças pulmonares são a principal causa de morbidade e mortalidade dos pacientes com AIDS. Nesse sentido, as infecções respiratórias são frequente causa de hipoxemia e morte. Os pacientes com AIDS e insuficiência respiratória hipoxêmica frequentemente necessitam de ventilação mecânica invasiva, a qual é independentemente associada com mortalidade. A ventilação não invasiva com pressão positiva refere-se à oferta de assistência ventilatória mecânica sem a necessidade de invasão artificial das vias aéreas, sendo reconhecida por melhorar a oxigenação e a dispneia dos pacientes com insuficiência respiratória hipoxêmica, principalmente se aplicada de forma sequencial e progressiva, e esta pode reduzir a necessidade de ventilação mecânica invasiva nestes pacientes. Tendo em vista as incertezas quanto à resposta da oxigenação a PEEP nos pacientes com AIDS com insuficiência respiratória aguda hipoxêmica e usando o racional da pressurização progressiva das vias aéreas e seu potencial benefício na oxigenação sanguínea, nós fizemos a hipótese de que o incremento sequencial dos níveis de PEEP até 15 cmH2O pode melhorar a oxigenação sanguínea sem afetar o conforto e a hemodinâmica do paciente. O objetivo principal deste estudo foi investigar os efeitos de diferentes sequências de níveis de PEEP aplicado de forma não invasiva sobre as trocas gasosas...

Perfil psicossocial de pacientes com insuficiencia respiratoria cronica, usuarios de oxigenoterapia domiciliar

Rogerio João Vassoler
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em //2002 PT
Relevância na Pesquisa
66.69%
Este trabalho pretendeu traçar o perfil psicossocial de pacientes com insuficiência respiratória crônica, usuários de oxigenoterapia domiciliar, do Ambulatório de Reabilitação Pulmonar do Hospital das Clínicas da Universidade Estadual de Campinas. A pesquisa propôs investigar as características psicossociais dos pacientes e o grau de ansiedade e depressão presentes ou não na amostra. A amostra estudada constituiu-se de dezoito pacientes do ambulatório, todos usuários de oxigenoterapia domiciliar. Os instrumentos utilizados foram o roteiro de entrevista, o teste projetivo da personalidade Pfister e a escala hospitalar de ansiedade e depressão para doentes orgânicos (HAD). Os dados revelaram um perfil psicossocial encontrado na amostra considerado como 67% de homens, com idade prevalecendo a faixa entre 51 a 60 anos, com 55,5% casado, com baixo nível de escolaridade, quase 80% aposentado e 72% adota a religião católica. Verificou-se através do teste Pfister que 78% dos pacientes possuem estrutura psicológica frágil, com imaturidade afetiva, baixo limiar para excitação, tendência a impulsividade com forte repressão. Quanto aos dados obtidos na HAD, observou-se que 17% dos pacientes encontram-se como possíveis ?casos? de ansiedade e 11% como ?casos? possíveis de depressão; Este trabalho pretendeu traçar o perfil psicossocial de pacientes com insuficiência respiratória crônica...

Esvaziamento gastrico na insuficiencia respiratoria aguda em recem-nascidos prematuros

Maria Aparecida Marques dos Santos Mezzacappa
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 10/04/2000 PT
Relevância na Pesquisa
66.77%
O principal objetivo desse estudo foi avaliar o esvaziamento gástrico (EG) em recém-nascidos (RN) com insuficiência respiratória (IR), conseqüente a doenças pulmonares, às 48 ± 24 h e 168 ± 24 h de vida. Utilizaram-se como critérios de inclusão a presença de IR iniciada nas primeiras 24 h de vida, de qualquer etiologia e intensidade, em RN com idade gestacional (IG) 35 semanas e peso ao nascer a 1750g. O grupo-controle foi emparelhado com os casos, por faixas de 250g de peso de nascimento. Os casos e os controles permaneceram sem dieta, por via entérica, até o momento da primeira prova de EG. Utilizou-se o método de tubagem com administração, por sonda gástrica, de uma refeição de prova composta por 3ml/kg de solução glicosada a 5%, marcada com fenolsulfonftaléina. A retenção gástrica (RG) foi avaliada após 30 minutos. Nos dois momentos estudados, foram realizadas a análise bivariada e por regressão linear múltipla dos valores da RG, segundo as variáveis maternas/obstétricas, perinatais e neonatais. A RG foi avaliada também, segundo a presença de dieta, de complicações digestivas e de intolerância alimentar. Estudaram-se 78 RN, sendo 39 em cada grupo. O peso de nascimento e IG médios:t desvios-padrão foram respectivamente 1327...

Insuficiência respiratória aguda: quando o tempo conta…

Fonte, M.; Braga, A.; Lopes, L.; Guedes, A.; Veloso, J.; Vaz, T.; Monterroso, J.; Rebelo, M.; Ferreira, M.; Pedro, A.; Proença, E.
Fonte: Nascer e Crescer Publicador: Nascer e Crescer
Tipo: Artigo de Revista Científica
Publicado em /03/2011 POR
Relevância na Pesquisa
66.69%
RESUMO A drenagem venosa pulmonar anómala total (DVPAT) é uma cardiopatia congénita rara em que as veias pulmonares não apresentam a normal conexão à aurícula esquerda. A sua classificação relaciona-se com o local de ligação. Na sua variante obstrutiva, tem uma evolução rapidamente fatal na ausência de tratamento cirúrgico emergente. Apresenta-se o caso clínico de um recém-nascido que iniciou dificuldade respiratória com gemido e necessidade de oxigénio suplementar aos quinze minutos de vida. Foi transferido para a Unidade de Cuidados Intensivos Neonatais por insuficiência respiratória com hipóxia aguda e instalação de hipertensão pulmonar. Iniciou ventilação mecânica e terapêutica com prostaglandina E1. A radiografia do tórax mostrou sinais sugestivos de edema pulmonar. O ecocardiograma revelou DVPAT para a veia cava superior com obstrução grave. Foi transferido com carácter de emergência para Centro especializado em cirurgia cardíaca neonatal, onde foi submetido a correcção cirúrgica nas primeiras 24 horas de vida. Actualmente, com doze meses, é uma criança saudável com crescimento e desenvolvimento adequados. A DVPAT obstrutiva é uma das raras verdadeiras emergências cirúrgicas cardíacas...

Determinantes Cardíacas do Tempo de Ventilação Mecânica e Mortalidade de Doentes com Insuficiência Respiratória Crónica Exacerbada. A Importância dos Parâmetros Ecocardiográficos

Marcelino, P; Germano, N; Paiva Nunes, A; Flora, L; Moleiro, A; Marum, S; Fernandes, AP
Fonte: Sociedade Portuguesa de Pneumologia Publicador: Sociedade Portuguesa de Pneumologia
Tipo: Artigo de Revista Científica
Publicado em //2006 POR
Relevância na Pesquisa
66.69%
Objectivo: estudar determinantes cardiovasculares condicionantes do tempo de ventilação, mortalidade e gravidade de doença em doentes admitidos numa unidade de cuidados intensivos para ventilação mecânica por exacerbação de insuficiência respiratória crónica. Desenho e local: Estudo prospectivo, com duração de 30 meses numa unidade de cuidados intensivos médico-cirúrgica com 14 camas.Material e métodos: Estudados 59 doentes com idade média de 74,7 +/- 9,7 anos, tempo médio de ventilação de 10,8 +/- 12,6 dias, APACHE II médio de 23 +/- 8,3. Avaliaram-se parâmetros ecocardiográficos (dimensões das cavidades, débito cardíaco, estudo Doppler do fluxo transvalvular mitral, estudo da veia cava inferior) e electrocardiográficos(presença de ritmo sinusal ou fibrilhação auricular) nas primeiras 24 horas de internamento na Unidade e parâmetros gasimétricos à saída. Resultados: Um tempo de ventilação mais prolongado associou-se à presença de fibrilhação auricular (p=0,027), à presença conjunta de fibrilhação auricular e uma veia cava inferior dilatada (> 20mm p=0,004) e com níveis séricos de bicarbonato> 35mEq/l na gasimetria obtida à saída (p=0,04). Verificaram-se 12 óbitos. A mortalidade associou-se à presença de dilatação do ventrículo direito (p=0...

Ventilação não-invasiva com pressão positiva em pacientes com insuficiência respiratória aguda: fatores associados à falha ou ao sucesso

HOLANDA,MARCELO ALCANTARA; OLIVEIRA,CARLOS HENRIQUE; ROCHA,EMÍLIA MATOS; BANDEIRA,RITA MOARA; AGUIAR,ISABEL VERAS; LEAL,WALTÉRIA; CUNHA,ANA KARINA MONTE; SILVA,ALEXANDRE MEDEIROS
Fonte: Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia Publicador: Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/11/2001 PT
Relevância na Pesquisa
66.86%
Objetivo: Determinar a eficiência da ventilação não-invasiva com pressão positiva (VNIPP) na insuficiência respiratória aguda e identificar fatores associados ao sucesso ou falha. Pacientes e métodos: Estudo aberto e prospectivo analisando 60 episódios de uso de VNIPP em 53 pacientes em insuficiência respiratória. Resultados: Em 37 episódios (62%) obteve-se sucesso sem intubação (grupo Sucesso, GS), enquanto em 23 ocasiões (38%) os pacientes foram intubados (grupo Falha, GF). Os pacientes do GF apresentaram escore de Apache II mais elevado do que os do GS (30,4 ± 9 versus 22,2 ± 8, p = 0,001). Após 2h de VNIPP houve redução da freqüência respiratória, sendo menos intensa no GF (de 33 ± 9 para 30 ± 8irpm, p = 0,094) do que no GS (de 39 ± 11 para 28 ± 9irpm, p < 0,001). Houve aumento da PaO2 (de 62 ± 22 para 101 ± 65mmHg, p < 0,001), sem diferenças entre os grupos. Nos pacientes com hipercapnia houve redução da PaCO2 no GS (de 76 ± 20 para 68 ± 21mmHg, p = 0,032) e não no GF (de 89 ± 23 para 93 ± 40mmHg, p = 0,54). O pH se elevou de 7,25 ± 0,10 e 7,34 ± 0,11, p = 0,007 no GS, mas não no GF (7,24 ± 0,07 e 7,21 ± 0,12, p = 0,48). A VNIPP foi utilizada por mais tempo no GS (3,4 ± 2,5 versus 2,3 ± 2 dias...

Uso do suporte ventilatório com pressão positiva contínua em vias aéreas (CPAP) por meio de máscara nasofacial no tratamento da insuficiência respiratória aguda

Scarpinella-Bueno,M.A.; Llarges,C.M.; Isola,A.M.; Holanda,M.A.; Rocha,R.T.; Afonso,J.E.
Fonte: Associação Médica Brasileira Publicador: Associação Médica Brasileira
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/09/1997 PT
Relevância na Pesquisa
66.85%
OBJETIVO. O objetivo dos autores foi avaliar o efeito da ventilação com CPAP oferecida por meio de máscara nasofacial como método de suporte ventilatório em pacientes com insuficiência respiratória aguda com critérios de indicação para intubação traqueal. CASUÍSTICA E MÉTODO. Foram estudados 11 pacientes com idade média de 41,3 anos em insuficiência respiratória aguda internados na Unidade Respiratória do Hospital São Paulo - Escola Paulista de Medicina. À admissão, era colhida gasometria arterial em ar ambiente e monitorizava-se freqüência respiratória (f), freqüência cardíaca (FC) e pressão arterial (PA). Os mesmos parâmetros eram avaliados após oxigenoterapia via máscara facial aberta e com máscara facial de CPAP usando PEEP de 5cm H2O. RESULTADOS. Com o uso de CPAP através de máscara nasofacial, houve melhora significativa dos níveis de PaO2 e diminuição da freqüência respiratória (p<0,05), quando comparados aos valores em ar ambiente e com máscara facial aberta. CONCLUSÃO. Este trabalho permitiu concluir que a máscara facial de CPAP com 5cm H2O foi eficiente em melhorar a oxigenação arterial e diminuir a freqüência respiratória dos pacientes com insuficiência respiratória aguda...

O papel da ventilação líquida no tratamento da insuficiência respiratória aguda em crianças - uma revisão sistemática

Góes,Patrícia Freitas; Troster,Eduardo Juan
Fonte: Associação Médica Brasileira Publicador: Associação Médica Brasileira
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/04/2006 PT
Relevância na Pesquisa
66.73%
OBJETIVO: A ventilação líquida consiste no preenchimento total ou parcial dos pulmões por líquido (perfluorocarbono), eliminando a interface ar-líquido da membrana alveolar e reduzindo a tensão superficial em pulmões com deficiência de surfactante. Este trabalho tem como objetivo avaliar o papel da ventilação líquida no tratamento da insuficiência respiratória aguda em crianças. MÉTODOS: A técnica empregada foi uma revisão sistemática da literatura sobre ventilação líquida. O levantamento bibliográfico utilizou os bancos de dados MEDLINE, LILACS, COCHRANE LIBRARY e referências de artigos. Os termos utilizados para pesquisa foram: liquid ventilation, respiratory distress syndrome, meconium aspiration syndrome, congenital diaphragmatic hernia e acute respiratory distress syndrome. Foram procurados ensaios clínicos randômicos, estudos de coorte, caso-controle e série de casos. Os desfechos avaliados foram resposta sobre a oxigenação sangüínea, mecânica respiratória e a sobrevida dos pacientes. RESULTADOS: Foram selecionadas 284 publicações relacionadas à ventilação líquida durante o período de estudo. Destas, 22 (7,7%) eram ensaios clínicos, e apenas seis referiam-se à utilização da ventilação líquida em crianças. Todas as seis publicações foram caracterizadas como série de casos e analisadas separadamente. CONCLUSÃO: A partir da análise dos estudos clínicos...

Insuficiência respiratória crônica nas doenças neuromusculares: diagnóstico e tratamento

Paschoal,Ilma Aparecida; Villalba,Wander de Oliveira; Pereira,Mônica Corso
Fonte: Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia Publicador: Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/02/2007 PT
Relevância na Pesquisa
66.8%
As doenças neuromusculares prejudicam a renovação do ar alveolar e, por esta razão, produzem insuficiência respiratória crônica. A instalação da insuficiência respiratória pode acontecer de modo agudo, como nos traumas, ou ser lenta ou rapidamente progressiva, como na esclerose lateral amiotrófica, distrofias musculares, doença da placa mioneural, etc. O comprometimento da musculatura respiratória prejudica também a eficiência da tosse e, no estado atual da terapêutica disponível no Brasil para estes doentes, pode-se dizer que a morbimortalidade nestes indivíduos está mais associada ao fato de que eles tossem mal do que de que ventilam mal. Nesta revisão, uma breve compilação histórica procura mostrar a evolução das órteses e próteses respiratórias, desde o final do século XIX até agora, com o objetivo de apresentar as opções de máquinas disponíveis para o suporte e substituição da ventilação nas doenças neuromusculares. Além disso, são enfatizados os elementos fundamentais para o diagnóstico da hipoventilação alveolar e da falência do mecanismo protetor da tosse: história clínica, determinação do pico de fluxo da tosse, medida da pressão expiratória máxima e da pressão inspiratória máxima...

Efeitos de duas técnicas de fisioterapia nas trocas gasosas e mecânica respiratória em crianças com insuficiência respiratória: estudo randomizado; Effects of two techniques of physiotherapy on gas exchange and respiratory mechanics in children with respiratory failure: clinical trial study

Martins, Letícia de Queiroz
Fonte: Universidade Federal de Uberlândia Publicador: Universidade Federal de Uberlândia
Tipo: Dissertação
POR
Relevância na Pesquisa
66.82%
Crianças são particularmente sensíveis ao desenvolvimento da insuficiência respiratória aguda e a utilização da ventilação mecânica invasiva pode levar a complicações respiratórias com acúmulo de secreção, nas quais a fisioterapia tem como objetivo minimizá-las por meio das manobras de higiene brônquica. Os efeitos dessas manobras são pouco conhecidos na população pediátrica e estudos são necessários para apontar respostas às freqüentes questões: as manobras de fisioterapia respiratória promovem modificações na mecânica respiratória das crianças? Existe superioridade nos efeitos de uma técnica sobre a outra? Foi desenvolvido um ensaio clínico prospectivo randomizado e avaliadas doze crianças com idade 31,17 ± 17,28 meses, randomizadas em dois grupos, seis no grupo Bag Squeezing (BS) e seis no grupo Vibrocompressão Torácia (VCT). A manobra BS utilizou dez manobras de hiperinsuflação manual intercaladas com dez manobras de vibrocompressão seguido de aspiração traqueal. Para a manobra VCT aplicaram-se dez manobras de vibrocompressão em cada decúbito lateral seguido de aspiração. As variáveis foram analisadas nos momentos pré e pós, 30,60 e 120 min. Para análise estatística foi utilizado teste T Student para as análises intragrupos e Anova para as análises intergrupos. A análise estatística demonstrou que os grupos foram homogêneos. Houve elevação do CO2 exalado no grupo VCT no momento pós-manobra (p=0...

Optimización de la mecánica respiratoria en el tratamiento de soporte ventilatorio de pacientes con insuficiencia respiratoria aguda grave

Morán Chorro, Indalecio
Fonte: Bellaterra : Universitat Autònoma de Barcelona, Publicador: Bellaterra : Universitat Autònoma de Barcelona,
Tipo: Tesis i dissertacions electròniques; info:eu-repo/semantics/doctoralThesis Formato: application/pdf
Publicado em //2013 SPA; SPA
Relevância na Pesquisa
66.8%
Esta tesis se articula como compendio de publicaciones. En ella se incluyen tres estudios originales y una revisión que se enmarcan en una misma línea de investigación clínica enfocada a analizar la implementación de diferentes estrategias durante la ventilación mecánica invasiva de pacientes con insuficiencia respiratoria aguda grave. Las maniobras estudiadas se han dirigido a la optimización individual de los parámetros ventilatorios, a la mejora del intercambio de gases y a la minimización los efectos de la carga mecánica asociados a la humidificación de los gases inspirados en el transcurso de la ventilación mecánica. En concreto, nos hemos centrado principalmente en tres aspectos. En primer lugar hemos estudiado los efectos fisiológicos agudos de las maniobras de reclutamiento alveolar (RM) a altas presiones de vía aérea en pacientes con lesión pulmonar aguda (LPA) y síndrome de distrés respiratorio agudo (SDRA). En segundo lugar, hemos evaluado los efectos en la mecánica respiratoria y el intercambio de gases del empleo de diferentes dispositivos de humidificación en la LPA y el SDRA. En tercer lugar hemos comparado los efectos de estos diferentes tipos de humidificación sobre la resistencia al flujo aéreo del tubo endotraqueal y el consecuente aumento del trabajo respiratorio durante la retirada de la ventilación mecánica. Los principales resultados obtenidos muestran que: - El uso de RM realizadas a altas presiones puede mejorar la oxigenación de los pacientes en fase precoz de la LPA y el SDRA. Sin embargo...

Disfunção dos músculos respiratórios de pacientes críticos sob ventilação mecânica por insuficiência respiratória aguda: revisão de literatura; Respiratory muscle dysfunction of critical patients receiving mechanical ventilation due to acute respiratory failure: a literature review

Alves, Gislaine Souza; Simões, Leonardo Assis; Caldeira, Josiane Alves
Fonte: Universidade de São Paulo. Faculdade de Medicina Publicador: Universidade de São Paulo. Faculdade de Medicina
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; ; ; ; ; Formato: application/pdf
Publicado em 31/08/2007 POR
Relevância na Pesquisa
66.7%
A disfunção dos músculos respiratórios é uma das conseqüências daventilação mecânica em paciente crítico. Em alguns casos a fraqueza muscular é decorrente de sua doença de base. Nota-se a redução da força diafragmática após 12 h de ventilação mecânica controlada de acordo com estudos experimentais em modelos animais. Entretanto, há vários fatores que podem ser responsáveis pela disfunção muscular respiratória e conseqüente dificuldade no desmame da VM. O objetivo desta revisão foi verificar as causas das alterações dos músculos respiratórios em pacientes que apresentam insuficiência respiratória aguda. A busca nas principais bases de dados eletrônicas resultou na seleção de estudos experimentais e de revisão dos últimos 10 anos, sendo a maioria realizada em modelos animais. Observou-se que a disfunção muscular respiratória é multifatorial, podendo estar relacionada à sepse, ao uso de medicamentos, à desnutrição e à própria ventilação mecânica controlada. É necessário identificar cada um desses fatores, visto que, isolados ou associados, potencializam a disfunção muscular respiratória.; Impairment of breathing muscles is one of many consequences of mechanical ventilation in critical patients. In some cases...

Reporte de caso: fístula traqueoesofágica e insuficiencia respiratoria tardía post stent metálico autoexpandible en esófago. Tratamiento con stent traqueal de Dumon

Barreto,Jaime A; Lizcano,Jaime H; Bolívar,Fabio; Mejía,Bibiana A; González,Hugo H; Plata,Reynaldo I; Serrano,Rafael
Fonte: Revista americana de medicina respiratoria Publicador: Revista americana de medicina respiratoria
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2013 ES
Relevância na Pesquisa
76.73%
En los últimos años se ha presentado un gran avance tecnológico en el tratamiento endoscópico de pacientes con carcinoma inoperable, lo que permitió mejorar ostensiblemente la calidad de vida de muchos pacientes. Sin embargo, también se han observado nuevos síndromes clínicos relacionados con la utilización de estos recursos, por ejemplo, los stent esofágicos son una herramienta muy valiosa en el tratamiento paliativo de pacientes con carcinoma esofágico, pero infortunadamente no están exentos de complicaciones, sobre todo los nuevos dispositivos metálicos autoexpandibles. Las fuerzas radiales generadas por estos, frecuentemente producen compresión extrínseca traqueal e insuficiencia respiratoria. Presentamos un caso de insuficiencia respiratoria y hemoptisis secundarias a la colocación de un stent esofágico autoexpandible y el tratamiento de esta complicación con un stent de Dumon.

Ventilación no invasiva en pacientes con enfermedad pulmonar obstructiva crónica e insuficiencia respiratoria aguda hipercápnica en una sala de hospitalización convencional

González Barcala,F. J.; Zamarrón Sanz,C.; Salgueiro Rodríguez,M.; Rodríguez Suárez,J. R.
Fonte: Anales de Medicina Interna Publicador: Anales de Medicina Interna
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; journal article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion Formato: text/html; application/pdf
Publicado em 01/08/2004 SPA
Relevância na Pesquisa
66.73%
Objetivo: Valorar el tratamiento con ventilación mecánica no invasiva (VNI) de pacientes con enfermedad pulmonar obstructiva crónica (EPOC) e insuficiencia respiratoria aguda hipercápnica en una planta de hospitalización. Método: Estudio prospectivo de 35 pacientes con EPOC agudizada que fueron tratados con ventilación con presión positiva intermitente mediante mascarilla oro-nasal en una sala de hospitalización convencional. En situación estable, los pacientes presentaban una relación FEV1/FVC del 55,3 ± 14,8% del teórico y 17 (48,5%) seguían oxigenoterapia continua domiciliaria. Hemos analizado los datos gasométricos basalmente y a diferentes periodos del inicio de la VNI, así como las complicaciones y fracasos de este tratamiento. Resultados: Se observa una mejoría significativa de los gases sanguíneos tras 24 horas de VNI con respecto a los niveles básales. Los pacientes presentaron una estancia hospitalaria media de 15,1 ± 9,1 días. 13 pacientes (37%) presentaron escaras faciales y 3 pacientes (8,5%) fallecieron. Conclusiones: La VNI en una planta de hospitalización es un medio terapéutico útil y seguro para los pacientes en insuficiencia respiratoria aguda hipercápnica tras una agudización de EPOC.

Insuficiencia respiratoria aguda como forma de debut de síndrome de Lambert-Eaton asociado a carcinoma pulmonar de células pequeñas

Jover,F.; Chiner,E.; Arriero,J. M.; Signes-Costa,J.; Marco,J.; Izura,V.
Fonte: Anales de Medicina Interna Publicador: Anales de Medicina Interna
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; journal article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion Formato: text/html; application/pdf
Publicado em 01/05/2002 SPA
Relevância na Pesquisa
66.82%
El síndrome de Lambert-Eaton (SLE) es un trastorno raro de la transmisión neuromuscular que se presenta habitualmente como un proceso paraneoplásico frecuentemente asociado al carcinoma pulmonar de células pequeñas. Varios estudios han demostrado la existencia de disfunción de la musculatura respiratoria en estos pacientes. La insuficiencia respiratoria aguda como presentación del SLE ha sido descrita de forma excepcional. Se describe un caso de insuficiencia respiratoria aguda como forma de debut de SLE asociado a un carcinoma microcítico de pulmón, repasando las principales características del cuadro y su tratamiento. El SLE debería ser considerado en casos de insuficiencia respiratoria aguda sin causa aparente y sospecha de enfermedad neoplásica de base. Proponemos la realización de estudios electromiográficos que detecten alteraciones en la función muscular respiratoria, incluyendo el diafragma, para descartar su existencia.

EFICIENCIA DE LA VENTILACIÓN MECÁNICA NO INVASIVA EN PACIENTES PEDIÁTRICOS CON INSUFICIENCIA RESPIRATORIA AGUDA

LULE MORALES,MARÍA SILVIA; DE LA ROSA RODRÍGUEZ,ARIADNA LUCÍA; ROBLEDO PASCUAL,JULIO CÉSAR; NARVÁEZ PORRAS,OCTAVIO; NIEBLA ÁLVAREZ,BENITO ARTURO
Fonte: Instituto Nacional de Enfermedades Respiratorias Publicador: Instituto Nacional de Enfermedades Respiratorias
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/09/2004 ES
Relevância na Pesquisa
66.88%
Introducción: Uno de los avances en el manejo de la insuficiencia respiratoria en adultos y niños es la ventilación no invasiva con presión positiva. El método disminuye el espacio muerto, mejora la ventilación alveolar, la función biventricular, disminuye la estancia hospitalaria, los procesos infecciosos nosocomiales y los costos. Conocidas sus ventajas, es importante decidir de manera temprana el inicio del método en la insuficiencia respiratoria de origen pulmonar y/o extrapulmonar en el niño, ya sea en la sala de urgencias o terapia intensiva por médicos capacitados, contando en cada paciente con la integridad del estado de conciencia, cooperación y apoyo de sus familiares. Material y métodos: Estudio experimental longitudinal, maniobra, retrospectivo-prospectivo. Constituido por dos grupos: 14 con ventilación no invasiva con presión positiva, y 12 con asistencia mecánica ventilatoria convencional, ambos con diagnóstico de insuficiencia respiratoria aguda (realizado en la Unidad de Cuidados Intensivos Respiratorios del Instituto Nacional de Enfermedades Respiratorias en el periodo comprendido entre julio de 1998 a noviembre de 2002). Resultados: En el grupo de ventilación mecánica no invasiva encontramos diferencias estadísticas significativas en frecuencia respiratoria ajustada...

Asistencia ventilatoria no invasiva en el tratamiento inicial de la insuficiencia respiratoria aguda

França,Ana Graciela; Formento,Carlos Ignacio; Olivera,Soledad; Bocchi,Alejandro Ebeid
Fonte: Revista Médica del Uruguay Publicador: Revista Médica del Uruguay
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/09/2014 ES
Relevância na Pesquisa
66.73%
Introducción: la ventilación mecánica invasiva connota riesgo de neumonía y daño traumático de vía aérea. La ventilación no invasiva (VNI) demostró beneficios en insuficiencia respiratoria aguda (IRA), en enfermedad pulmonar obstructiva crónica (EPOC) y en edema agudo pulmonar cardiogénico (EAP), pero disparidad en la insuficiencia respiratoria hipoxémica no EAP. Objetivos: evaluar VNI en IRA hipoxémica e hipercápnica como tratamiento inicial. Respuesta, evolución, riesgo de fracaso y muerte. Material y método: estudio de cohorte prospectivo que incluyó a adultos inmunocompetentes tratados con VNI. Período: enero de 2011 a julio de 2013. Fueron pacientes ingresados en UCI-CI polivalente de 16 camas con IRA hipercápnica: presión arterial de anhídrido carbónico (PaCO2) ≥45 mm Hg, y pH ≤7,35 y >7,25, o hipoxémica: presión arterial de oxígeno (PaO2) con máscara de oxígeno >80 y ≤150 mmHg. Se excluían si había: indicación de intubación inmediata, depresión sensorial, inestabilidad hemodinámica, broncoplejía. Resultados: fueron 61 pacientes, 62 ± 14 años (edad media ± 1 desvío estándar). Apache II 15 ± 5,5. Hubo 36 pacientes con IRA hipoxémica, fracasaron 9 (25%) y fallecieron 7 (19%); con IRA hipercápnica fueron 25 pacientes...

Oxigenoterapia de alto flujo en niños con infección respiratoria aguda baja e insuficiencia respiratoria

Alonso,Bernardo; Tejera,Jonathan; Dall´Orso,Patricia; Boulay,Marie; Ambrois,Gonzalo; Guerra,Laura; Bartel,Paolo; Torres,Fabio; Menchaca,Amanda; Pírez,Maria Catalina; Giachetto,Gustavo
Fonte: Archivos de Pediatría del Uruguay Publicador: Archivos de Pediatría del Uruguay
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2012 ES
Relevância na Pesquisa
66.85%
Resumen Introducción: la insuficiencia respiratoria es la complicación más importante de las infecciones agudas respiratorias bajas (IRAB). Los niños pequeños constituyen un problema terapéutico y representan el porcentaje mayor de los ingresos a cuidado intensivo. Los sistemas de oxigenación de alto flujo (OAF) han demostrado beneficios en estos pacientes. Objetivo: describir la experiencia de aplicación de OAF en 5 niños con IRAB con insuficiencia respiratoria en el Hospital Pediátrico del Centro Hospitalario Pereira Rossell en el año 2011. Metodología: se incluyeron lactantes menores de 15 meses cursando IRAB con escore de Tal modificado ³ 7 e insuficiencia respiratoria. Para la aplicación de OAF se utilizó un dispositivo confeccionado por el Departamento de Ingeniería Clínica, compuesto de un mezclador de aire y oxigeno con flujímetro acoplado a un calohumidificador MR850 de Fisher Paykel y una cánula nasal. La administración inicial de oxigeno se realizó a 8- 10 L/min con FiO2 de 0,6. En todos los casos se solicitó consentimiento informado. Resultados: se aplicó el protocolo en 5 niños, edad 2 meses a 13 meses, todos con peso inferior a 7.000 g (rango 3.040-6.080). En todos los casos se observó mejoría del escore de Tal a las 2 h; la duración de la oxigenoterapia fue 2 a 5 días. Ningún paciente presentó complicaciones. Conclusión: en estas condiciones el OAF mostró beneficios en niños < 7 kg. Futuras investigaciones son necesarias para definir el lugar que ocupa esta alternativa terapéutica en el manejo de las IRAB con insuficiencia respiratoria en niños pequeños

Escalas para evaluar la mortalidad de pacientes con trauma y síndrome de insuficiencia respiratoria progresiva del adulto

HERNÁNDEZ-GUTIÉRREZ,PATRICIA; GRIFÉ-COROMINA,ALEJANDRO; GARZA-ESTRADA,VÍCTOR A. DE LA
Fonte: Instituto Nacional de Salud Pública Publicador: Instituto Nacional de Salud Pública
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/05/1997 ES
Relevância na Pesquisa
66.77%
Objetivo. Comparar las distintas escalas y calificaciones que se usan para evaluar la mortalidad de los pacientes con trauma y síndrome de insuficiencia respiratoria progresiva del adulto. Material y métodos. Se revisaron los expedientes de 80 pacientes, 70 varones y 10 mujeres, atendidos en el Hospital Guillermo Barroso C., de la Cruz Roja Mexicana de la Ciudad de México, que sufrieron trauma y desarrollaron síndrome de insuficiencia respiratoria progresiva del adulto, en el periodo que va del 1 de enero de 1990 al 31 de diciembre de 1993. Se tomaron en cuenta los siguientes parámetros: sexo; edad; mecanismo productor de la lesión; enfermedades asociadas (choque, politransfusiones, fractura de huesos largos, contusión pulmonar y sepsis); criterios diagnósticos del síndrome; fallas sistémicas; falla orgánica múltiple; índice de severidad de las lesiones; sistema de calificación para la evaluación de la salud crónica y la fisiología aguda, versión II; lapso del diagnóstico; duración de la intubación, y tiempo de estancia en la unidad de cuidados intensivos. Resultados. Fallecieron 26 pacientes (32.5%), dos mujeres y 24 varones. Los mecanismos productores de lesión fueron: atropellamiento (31.3%), accidente automovilístico (27.5%)...