Página 1 dos resultados de 5 itens digitais encontrados em 0.095 segundos

Mapas do conhecimento e a criação do conhecimento organizacional

Canali, Edvilson Carlos
Fonte: Florianópolis, SC Publicador: Florianópolis, SC
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
75.91%
Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro Tecnológico. Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção e Sistemas.; Neste estudo, buscou-se o levantamento de dados e informações para mapear os capitais de conhecimento com vistas a identificar o estoque de conhecimento humano, estrutural e de relacionamento existente na Incubadora Tecnológica de Cascavel-PR. Utilizou-se a teoria de criação do conhecimento de Nonaka e Takeuchi (1997) para a criação e desenvolvimento de conhecimento nesta incubadora. Este trabalho também buscou evidenciar a importância de se mapear os ativos intangíveis da organização como estratégia para obter vantagem competitiva organizacional. Por meio da técnica de entrevista, verificou-se a existência na incubadora de projetos na área do empreendedorismo, para ser fomentados nas universidades locais. Estes projetos possibilitarão o surgimento de novos empreendimentos e a capacitação empreendedora. Identificou-se também a implantação em breve de um software de relacionamento com clientes, fornecedores e parceiros, visando melhorias amplas em rotinas, estoque de informações e melhorias de relacionamento em geral. Conclui-se, que os mapas do conhecimento são ferramentas importantes na identificação dos ativos intangíveis do conhecimento e que a utilização da teoria da criação do conhecimento fornece um método estratégico com rotinas e atividades que possibilitam a criação ou desenvolvimento do conhecimento na organização...

O impacto da informação de patentes no processo de inovação em Portugal

Lopes, Sérgio Paulo Maravilhas
Fonte: Porto : [Edição do Autor] Publicador: Porto : [Edição do Autor]
Tipo: Tese de Doutorado
POR
Relevância na Pesquisa
55.83%
A análise de vários indicadores, estudos nacionais e internacionais mostra que Portugal não está a utilizar de forma satisfatória os recursos dos registos de Propriedade Industrial (PI), não retirando daí as vantagens que lhe poderiam propiciar. Os dados publicados indiciam que os centros de investigação universitários não estão a rentabilizar as suas potencialidades no que respeita à utilização deste tipo de informação, a qual poderia, se devidamente integrada nos projetos de investigação, motivar mais inovação, mais vantagem competitiva e, também, maior número de registos de PI, originando mais empresas e maior crescimento económico. O presente trabalho procura responder à questão sobre a relação entre o grau de conhecimento e nível de utilização da informação de patentes pelos centros de investigação em Portugal e o seu contributo para o processo de inovação. A hipótese de trabalho de que se parte, e que procuramos validar, é a de que os centros de investigação universitários e politécnicos que conhecem e utilizam mais a informação de patentes são mais inovadores, pois patenteiam mais invenções e geram mais produtos e processos novos, originando mais spin-offs para a sua aplicação industrial. Realizaram-se inquéritos por entrevista a três gabinetes de apoio à propriedade industrial (GAPI)...

Incubadoras de empresas, inovação tecnológica e ação governamental: o caso de Santa Rita do Sapucaí (MG)

Ribeiro,Simone Abreu; Andrade,Raphael Medina Gomes de; Zambalde,André Luiz
Fonte: Fundação Getulio Vargas, Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas Publicador: Fundação Getulio Vargas, Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/2005 PT
Relevância na Pesquisa
155.98%
O processo de difusão de novas tecnologias tem transformado o atual cenário empresarial, uma vez que ameaça a sobrevivência de empresas e promove novos mercados. Para enfrentar novos desafios, portanto, empresas apóiam-se na inovação tecnológica para capturar mercados e criar vantagens competitivas. Entretanto, a despeito desse esforço, é necessário o incentivo por parte do Poder Público nas empresas. O presente artigo trata de um estudo de caso realizado num município inovador (Santa Rita do Sapucaí, parte integrante do "Vale da Eletrônica"), objetivando compreender o papel do Poder Público na promoção da inovação tecnológica em uma incubadora de empresas. A pesquisa conclui que a parceria entre o Poder Público e a incubadora de empresas pode ser uma tentativa de amenizar o problema de desemprego estrutural vivenciado no Brasil, além de propiciar vantagens para as empresas abrigadas e para a economia da região, uma vez que produz pesquisa e desenvolvimento econômico e social.

Perfil de gerenciamento estratégico da informação das empresas incubadas no Programa de Incubação de Empresas da Universidade Federal de Goiás

Silva, Jaqueline Rocha da
Fonte: Universidade Federal de Goias; brasil; UFG; Faculdade de Informação e Comunicação (RG); Biblioteconomia (RG) Publicador: Universidade Federal de Goias; brasil; UFG; Faculdade de Informação e Comunicação (RG); Biblioteconomia (RG)
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso
POR
Relevância na Pesquisa
126.03%
No contexto da sociedade contemporânea as empresas estão se deparando com situações nunca vistas, são desafios que surgem com a questão econômica e ocasionalmente com o avanço tecnológico. Com isso, surge também uma nova forma de disposição social. A criação e desenvolvimento de incubadoras de empresas é uma das formas de transferência do conhecimento entre universidades e o setor produtivo, ou seja, as empresas. O governo também pode ser parceiro nessa transferência de várias formas para finalidades de desenvolvimento. No Brasil, as incubadoras de empresas estão instaladas junto a universidades, e possuem objetivos variados de acordo com a demanda ou necessidade de desenvolvimento da região onde está instalada. As empresas podem ser privilegiadas nesse contexto, a fim de poder participar de um processo inovador de crescimento. Este trabalho tem como foco principal a analisar as empresas incubadas pelo Programa de Incubação de Empresas (PROINE) da Universidade Federal de Goiás (UFG) observando como estas empresas lidam com o gerenciamento informacional de maneira estratégica. Isso porque a informação é um fator que gera vantagem competitiva para as organizações. A metodologia utilizada foi o estudo de caso do PROINE com abordagem qualitativa - descritiva devido à análise subjetiva da situação das empresas e quantitativa pelo fato da utilização do modelo AEI (Alinhamento Estratégico da Informação) proposto nos trabalhos de Marchand (2000) que utiliza fórmula matemática para calcular o nível de gerenciamento estratégico de informação das empresas.

REDES DE INOVAÇÃO ABERTA E COMPARTILHAMENTO DO CONHECIMENTO: APLICAÇÕES EM PEQUENAS EMPRESAS

Desidério, Paulo Henrique Martins; Popadiuk, Silvio
Fonte: Universidade de São Paulo. Economia, Administração e Contabilidade Publicador: Universidade de São Paulo. Economia, Administração e Contabilidade
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Formato: application/pdf
Publicado em 25/06/2015 POR
Relevância na Pesquisa
55.87%
Com essa pesquisa se objetiva mostrar os desafios e caminhos das pequenas empresas para captar inovações por meio de redes de inovação aberta que possibilitam o compartilhamento e transferência de conhecimento tecnológico. A participação de empresas em redes colaborativas mostra a iniciativa de compartilhamento de conhecimento para objetivos de vantagem competitiva. Em pequenos negócios, o processo de inovação não é algo curricular em suas práticas, por dificuldades de manter uma estrutura viável em um ritmo inovativo sustentável. A opção de transferência do conhecimento, na forma tácita ou explícita, possibilita aos pequenos empresários alavancarem oportunidades em negócios e incorporação de conhecimentos somente acessíveis em estruturas de grande porte. Nesse contexto, o trabalho buscou, por meio do estudo de casos múltiplos, identificar os perfis interativos em redes com incubadoras e parceiros para incorporação do conhecimento. Foram identificadas oportunidades geradas para pequenas empresas em ambientes interativos e abertos por meio de absorção tecnológica.