Página 1 dos resultados de 68860 itens digitais encontrados em 0.021 segundos

Possible interaction of gender and age on human swallowing behavior; Possível interação entre gênero e idade na deglutição

DANTAS, Roberto Oliveira; ALVES, Leda Maria Tavares; SANTOS, Carla Manfredi dos; CASSIANI, Rachel de Aguiar
Fonte: Instituto Brasileiro de Estudos e Pesquisas de Gastroenterologia - IBEPEGE Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva - CBCD Sociedade Brasileira de Motilidade Digestiva - SBMD Federação Brasileira de Gastroenterologia - FBGSociedade Brasileira de Hepatologia - SBHSociedade Brasileira de Endoscopia Digestiva - SOBED Publicador: Instituto Brasileiro de Estudos e Pesquisas de Gastroenterologia - IBEPEGE Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva - CBCD Sociedade Brasileira de Motilidade Digestiva - SBMD Federação Brasileira de Gastroenterologia - FBGSociedade Brasileira de Hepatologia - SBHSociedade Brasileira de Endoscopia Digestiva - SOBED
Tipo: Artigo de Revista Científica
ENG
Relevância na Pesquisa
36.33%
CONTEXT: The swallowing behavior is affected by age and possibly by gender. However, the interaction of the effects of age and gender on swallowing is not completely known. OBJECTIVES: To evaluate the possibility of interaction of gender and age on human swallowing behavior. METHOD: Swallowing was evaluated in 89 healthy subjects by the water swallowing test, 43 men and 46 women aged 20-40 years (younger, n = 38), 41-60 years (middle-aged, n = 31) and 61-80 years (older, n = 20). Each subject ingested in triplicate 50 mL of water while precisely timed and the number of swallows needed to ingest all the volume was counted. RESULTS: The interval between swallows was shorter and the volume in each swallow was smaller in women compared to men. In older subjects the time to ingest the 50 mL of water was longer, the interval between swallows was longer, and swallowing flow and volume in each swallow were smaller than in younger and middle-aged subjects. The swallowing flow was lower in women compared to men in younger subjects. The volume of each swallow was smaller in women than in men in younger and middle-aged subjects. There was no difference in swallowing flow and volume between older men and older women. CONCLUSION: Age and gender influence swallowing behavior...

Avaliação do crescimento físico de crianças nascidas com peso insuficiente, do nascimento até o início da idade escolar; Evaluation of the physical growth of insufficient birth weight children, from birth until the beginning of the scholar age

Yamamoto, Renato Minoru
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 13/03/2008 PT
Relevância na Pesquisa
36.33%
O peso de nascimento insuficiente é decorrente, principalmente em países em desenvolvimento, da restrição de crescimento intrauterino. Embora as crianças nascidas com peso insuficiente correspondam a 30% dos nascimentos, o seu crescimento até a idade escolar tem sido pouco estudado. Não há informações sobre as diferenças existentes entre o crescimento das crianças nascidas com peso insuficiente e as nascidas com peso adequado. Neste estudo, foi avaliado o crescimento alcançado na idade pré-escolar por 323 crianças nascidas com peso insuficiente, comparado-o com o crescimento de 886 crianças nascidas com peso adequado, tendo como referencial os valores do NCHS 2000. Foi analisada a influência do sexo, idade, idade materna ao nascimento da criança, tempo de aleitamento materno, morbidade, escolaridade materna, número de pessoas na casa e há quanto tempo freqüentava a creche no crescimento alcançado pelas crianças nascidas com peso insuficiente na idade pré-escolar. No conjunto, o crescimento alcançado pelas crianças com peso de nascimento insuficiente foi menor que o observado para as crianças com peso de nascimento adequado, tanto em peso quanto em estatura. O tempo que a criança freqüenta a creche e o número de pessoas na casa foram fatores de risco associados ao menor crescimento entre as crianças com peso de nascimento insuficiente. A idade da criança foi associada também...

Estimativa de idade através dos estágios de mineralização dentária em indivíduos portadores do HIV; Estimativa de idade através dos estágios de mineralização dentária em indivíduos portadores do HIV

Batista, Mariana Trigueiro Viana
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 05/03/2009 PT
Relevância na Pesquisa
36.33%
O objetivo deste estudo foi estimar a idade dentária e compará-la com a idade cronológica de crianças HIV+ com finalidade odontolegal, utilizando o método de estimativa da idade, baseado no estudo dos estágios de desenvolvimento dos elementos dentários da dentição permanente. Além disso, verificamos a relação entre a infecção pelo HIV e os efeitos da terapia anti-retroviral na cronologia de mineralização dentária destas crianças. Foram analisados, retrospectivamente, prontuários odontológicos e radiografias panorâmicas de 50 pacientes pediátricos infectados pelo HIV, 25 do sexo feminino e 25 do sexo masculino, entre 37 a 168 meses de idade. Através dessas radiografias, a idade dentária foi estimada com o auxílio do software Cronologia de Mineralização, que utiliza o método de Nicodemo, Moraes e Médici Filho (1974) e, em seguida, comparada com a Idade Real (IE). A média da Idade Estimada (IE) foi significativamente menor do que a média da IR para o total da amostra (p<0,01), ocorrendo uma subestimativa. Houve diferença estatística entre as crianças que recebiam drogas anti-retrovirais e as que não faziam uso de qualquer droga (p=0,02), ou seja, os indivíduos não tratados apresentaram diferença entre IR e IE de praticamente zero...

Influência da restrição de crescimento intra-uterino na idade da menarca: estudo da coorte de nascidos vivos de Ribeirão Preto de 1978/9; Influence of intrauterine growth restriction on the age of menarche: the cohort study of live births of Ribeirao Preto in 1978/9

Leite, Francine
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 08/01/2009 PT
Relevância na Pesquisa
36.37%
LEITE, F. Influência da restrição de crescimento intra-uterino na idade da menarca: estudo da coorte de nascidos vivos de Ribeirão Preto de 1978/9. 2008. 85 p. Dissertação (Mestrado) apresentada à Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto/USP. A idade da menarca é um marco da puberdade e, quando antecipada, parece estar associada a um maior risco de desenvolvimento de câncer de mama, síndrome metabólica e obesidade. É possível que alterações no ambiente intrauterino, como a restrição de crescimento do feto, levem a interferências no sistema hipotálamo-hipófise-gonadal resultando em alterações na idade da menarca. Em vista da controvérsia dos fatores que influenciam na idade da menarca, este estudo testou a hipótese da associação entre restrição de crescimento intra-uterino (baixo peso ao nascer, pequeno para idade gestacional, restrição intra-uterina de Kramer) e antecipação da idade da menarca. Em uma sub-amostra foi testada a possível interação entre a restrição de crescimento intra-uterino e o índice de massa corpórea. Para esse estudo foram utilizadas informações coletadas nos seguimentos de 1987/9 e 2004/5 de 1056 meninas nascidas em Ribeirão Preto, provenientes do estudo de coorte dos nascidos vivos em Ribeirão Preto de 1978/9. Menarca antecipada foi definida como primeiro sangramento vaginal ocorrido antes dos 12 anos de idade. Análise univariada foi seguida de análise bivariada e multivariada por meio de modelo generalizado empregando distribuição de Poisson para estimativa de riscos relativos e erro padrão por meio de método robusto. Os fatores de confusão controlados foram idade...

Estimativa da idade cronológica por meio de avaliação radiográfica da mineralização de terceiros molares e altura do ramo da mandíbula; Age determination by means of radiographic evaluation of third molar mineralization and height of the mandibular ramus

Oliveira, Fernando Toledo de
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 23/09/2010 PT
Relevância na Pesquisa
36.35%
A estimativa da idade é um elemento importante na investigação antropológica, sendo uma das fontes preliminares dos dados para estabelecer a identidade de pessoas vivas ou restos mortais desconhecidos. Os métodos mais utilizados para este fim são os baseados no desenvolvimento ósseo e dentário dos indivíduos. Neste sentido, o presente trabalho apresentou como objetivo, estabelecer valores de referência na população brasileira para a estimativa da idade, por meio de dois métodos: a análise da mineralização dos terceiros molares; e a mensuração da altura do ramo mandibular. Para isso, foram escaneadas radiografias (407 panorâmicas e 289 cefalométricas em norma lateral) de pacientes, de 6 a 25 anos de idade, atendidos na Faculdade de Odontologia de Bauru. As imagens radiográficas panorâmicas foram utilizadas para análise da mineralização dos terceiros molares inferiores, através do método proposto por Demirjian, Goldstein e Tanner (1973), e as imagens radiográficas cefalométricas utilizadas para medir a altura do ramo da mandíbula. Os resultados indicam uma forte correlação entre a idade cronológica e ambos os métodos utilizados, proporcionando a elaboração de fórmulas para o cálculo da idade aproximada dos indivíduos na população estuda. Não houve diferença estatisticamente significante para o desenvolvimento dos terceiros molares entre os sexos. Já para a altura do ramo da mandíbula...

Postconceptional age at the treatment of retinopathy of prematurity in inborn and referred preterm infants from the same institution=Idade pós-concepção no tratamento da retinopatia da prematuridade em pré-termos nascidos e em transferidos para o tratamento em uma mesma instituição; Idade pós-concepção no tratamento da retinopatia da prematuridade em pré-termos nascidos e em transferidos para o tratamento em uma mesma instituição

Fortes Filho, João Borges; Eckert, Gabriela Unchalo; Valiatti, Fabiana Borba; Santos, Paula Gabriela dos; Costa, Marlene Coelho da; Procianoy, Renato Soibelmann
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: application/pdf
ENG
Relevância na Pesquisa
36.35%
Objetivos: Os resultados do tratamento da retinopatia da prematuridade (ROP) parecem ser melhores em pacientes nascidos na mesma instituição onde o tratamento foi praticado do que naqueles pacientes transferidos para o tratamento em centros de referência. Este estudo tem como objetivos investigar o momento do tratamento e seus resultados em pacientes nascidos e em pacientes transferidos para o tratamento em uma mesma instituição. Métodos: Estudo de coorte institucional e prospectivo conduzido de 2002 a 2010 e incluiu no grupo 1 todos os prematuros tratados para a retinopatia da prematuridade nascidos na instituição e no grupo 2 todos os prematuros tratados para a retinopatia da prematuridade transferidos para o tratamento. Todos os pacientes incluídos tinham peso de nascimento (PN) ≤1.500 gramas e/ou idade gestacional (IG) ≤32 semanas. As principais consideradas foram a idade pós-concepção (IPC) por ocasião do tratamento e os resultados do tratamento ao final do 1º ano de vida dos pacientes nos 2 grupos. As variáveis consideradas foram: peso de nascimento, idade gestacional, estadiamento e localização da retinopatia da prematuridade por ocasião do tratamento. Resultados: O grupo 1 incluiu 24 prematuros nascidos na instituição. As médias do PN e da IG foram 918 ± 232 gramas e 28...

A cronologia de desenvolvimento do segundo molar e sua relação com a estimativa forense da idade

Castel-Branco, Ana Margarida Nunes F.
Fonte: Universidade Católica Portuguesa Publicador: Universidade Católica Portuguesa
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em 09/09/2014 POR
Relevância na Pesquisa
36.37%
Introdução: A estimativa da idade insere-se numa área de conhecimento científico que tem vindo a assumir especial importância no âmbito da Medicina Dentária Forense. Apresenta maior relevância em indivíduos vivos e o seu principal objeto de estudo são as crianças, constituindo uma ferramenta chave para o estabelecimento da sua identidade. O estudo da maturação dentária, através de radiografias panorâmicas, constitui um dos métodos mais credíveis para a estimativa da idade. Objetivos: Avaliar a aplicabilidade do método de Demirjian para a estimativa da idade em crianças e investigar a possível correlação entre o estadio de mineralização do dente 3.7 e a idade cronológica da criança, numa amostra populacional da Clínica Dentária da Universidade Católica Portuguesa de Viseu. Materiais e métodos: Para o efeito, serão examinadas as radiografias panorâmicas de todas as crianças constantes no ficheiro clínico da CDU – Viseu, entre os 5 e os 16 anos de idade. Este estudo foi baseado na escala de pontuações do segundo molar em ambos os sexos, para os diferentes estadios de desenvolvimento dentário, segundo o método de Demirjian. A diferença entre a idade dentária e a idade cronológica foi analisada e comparada através da utilização de modelos de regressão multilinear. Resultados: O desenvolvimento do dente 3.7 assente na metodologia desenvolvida por Demirjian é um indicador válido para prever a idade em crianças e adolescentes da população de Viseu...

As universidades da terceira idade: novas aprendizagens ou centros de convívio

Almeida, Marta Sofia Moreira de
Fonte: Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa Publicador: Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em /03/2012 POR
Relevância na Pesquisa
36.37%
Dissertação apresentada para cumprimento dos requisitos necessários à obtenção do grau de Mestre em Ciências da Educação; Este trabalho insere-se no âmbito do estudo da Terceira Idade portuguesa e de como esta interatua com a língua espanhola nas Universidades da Terceira Idade. Os principais objetivos do estudo foram: conhecer a diferença entre os diversos conceitos de Terceira Idade, estabelecer a diferença existente entre as Universidades da Terceira Idade e os Centros de Convívio, definir a importância e o impacto da aprendizagem ao longo da vida no idoso e explicar a função duma segunda língua, neste caso o espanhol, como um instrumento para interagir com outras culturas. O trabalho foi desenvolvido em duas partes. A primeira parte refere-se à fundamentação teórica do tema a investigar: a Terceira Idade, conjuntamente com a aprendizagem ao longo da vida e as Universidades da Terceira Idade. A Terceira Idade vai ser uma etapa mais da vida do homem, a forma de encarar depende de diversos aspetos em que pode estar inserido o idoso e também das suas condições físicas e mentais. A aprendizagem ao longo da vida permite que os indivíduos obtenham autonomia individual e capacidade para desempenhar a sua vida quotidiana...

Degenerescência macular relacionada com a idade

Rêgo, Sara Margarida Sousa de Faria
Fonte: Universidade da Beira Interior Publicador: Universidade da Beira Interior
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em /06/2012 POR
Relevância na Pesquisa
36.36%
A degenerescência macular relacionada com a idade é uma debilitante doença degenerativa da retina, de evolução crónica, que se manifesta clinicamente após os 50 anos de idade. Atinge a região central da retina, a mácula, responsável pela visão precisa [1]. A degenerescência macular relacionada com a idade é a principal causa de perda visual nos países industrializados e a terceira causa global de cegueira. Representa, portanto, um importante problema de saúde pública uma vez que a população está cada vez mais envelhecida e que a qualidade de vida dos idosos é uma preocupação central dos médicos e do governo [1]. A sua prevalência aumenta com a idade, ocorrendo em 14.4% das pessoas com idades compreendidas entre os 55 e os 64 anos de idade, 19.4% dos 65 aos 74 anos e 36.8% acima dos 75 anos de idade [2]. Desenvolve-se em duas fases: uma precoce (degenerescência macular relacionada com a idade precoce), representada por drusas moles e alterações pigmentares maculares, e uma tardia (degenerescência macular relacionada com a idade tardia) que compreende duas formas, uma atrófica e uma forma exsudativa, representada, ao nível do fundo ocular, por descolamentos serosos do epitélio pigmentado, neovascularização coroideia...

Alterações morfológicas placentárias de recém-nascidos pequenos para a idade gestacional

Oliveira,Lúcio H.; Xavier,César C.; Lana,Ana M.A.
Fonte: Sociedade Brasileira de Pediatria Publicador: Sociedade Brasileira de Pediatria
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/10/2002 PT
Relevância na Pesquisa
36.37%
Objetivo: verificar a morfologia placentária de recém-nascidos a termo pequenos para a idade gestacional, tendo como hipótese a existência mais freqüente de alterações placentárias em recém-nascidos pequenos para a idade gestacional do que em adequados para a idade gestacional. Métodos: realizou-se estudo transversal, na maternidade Terezinha de Jesus, em Juiz de Fora, MG, no período compreendido entre fevereiro e novembro de 1996, no qual foram coletados dados referentes a cinqüenta recém-nascidos a termo, estimados como pequenos para a idade gestacional. Como grupo controle, foram incluídos recém-nascidos a termo, estimados como adequados para a idade gestacional, randomizados na proporção de um controle para cada caso. Dos 100 recém-nascidos participantes do estudo, foram obtidas as placentas, cordão umbilical e membranas, que foram examinados no Laboratório de Histologia e Embriologia do Departamento de Morfologia da UFJF e no Departamento de Anatomia Patológica e Medicina Legal da UFMG. As mães foram entrevistadas, e os recém-nascidos avaliados quanto à idade gestacional, peso, comprimento e perímetro cefálico. Resultados: as placentas dos recém-nascidos pequenos para a idade gestacional apresentaram maior incidência de corioamnionite...

Ser pequeno para a idade gestacional é um fator de risco para a retinopatia da prematuridade? Estudo com 345 pré-termos de muito baixo peso

Fortes Filho,João Borges; Valiatti,Fabiana Borba; Eckert,Gabriela Unchalo; Costa,Marlene Coelho da; Silveira,Rita C.; Procianoy,Renato Soibelmann
Fonte: Sociedade Brasileira de Pediatria Publicador: Sociedade Brasileira de Pediatria
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/02/2009 PT
Relevância na Pesquisa
36.4%
OBJETIVO: Comparar a prevalência e os fatores de risco para a retinopatia da prematuridade entre pré-termos pequenos para a idade gestacional e pré-termos apropriados para a idade gestacional. MÉTODOS: Estudo de coorte, prospectivo, incluindo pré-termos com peso de nascimento ≤ 1.500 g e idade gestacional ≤ 32 semanas divididos em dois grupos: apropriados para a idade gestacional ou pequenos para a idade gestacional. As prevalências da retinopatia da prematuridade e os fatores de risco foram estudados nos dois grupos. Regressão logística foi utilizada após análise univariada. RESULTADOS: Foram examinados um total de 345 pacientes: 199 no grupo apropriados para a idade gestacional e 146 no grupo pequenos para a idade gestacional. As médias do peso de nascimento e da idade gestacional na coorte de 345 pacientes foram 1.128,12 g (±239,9) e 29,7 semanas (±1,9), respectivamente. A prevalência da retinopatia da prematuridade em qualquer estadiamento e da retinopatia da prematuridade severa (necessitando tratamento) foi 29,6 e 7%, respectivamente. A retinopatia da prematuridade em qualquer estadiamento ocorreu em 66 apropriados para a idade gestacional (33,2%) e em 36 pequenos para a idade gestacional (24,7%) (p = 0...

Estimativa da prevalência de déficit de altura/idade a partir da prevalência de déficit de peso/idade em crianças brasileiras

Victora,Cesar G.; Gigante,Denise P.; Barros,Aluísio J. D.; Monteiro,Carlos Augusto; Onis,Mercedes de
Fonte: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo Publicador: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/08/1998 PT
Relevância na Pesquisa
36.36%
INTRODUÇÃO: A antropometria é amplamente utilizada para avaliação nutricional de indivíduos e de grupos populacionais. Em anos recentes, diagnósticos comunitários têm sido realizados por profissionais dos serviços de saúde em diversas regiões brasileiras, com o objetivo de complementar os dados obtidos através de vigilância nutricional. Um obstáculo importante à realização destes diagnósticos é a difícil mensuração da altura em inquéritos domiciliares. MÉTODO: Foram identificados 38 inquéritos antropométricos com crianças de 0 a 5 anos de idade, realizados no Brasil, que utilizaram o padrão de referência NCHS e o percentual de crianças abaixo de -2 escore Z para definição da prevalência de déficit de peso/idade e altura/idade. A análise foi realizada a partir das correlações entre as prevalências de déficits de altura/idade e peso/idade definidas. RESULTADOS: A análise mostrou que devido à baixa prevalência de déficits de peso/altura há forte correlação entre peso/idade e altura/idade, em nível populacional. Cerca de 90% da variabilidade de altura/idade (A/I) é explicada pelo peso/idade (P/I). CONCLUSÃO: Através da equação (Prev. A/I) = 0,74 + 2,34 (Prev. P/I) - 0,03 (Prev. P/I)2...

Idade materna como fator de risco para a hipertensão induzida pela gravidez: análise multivariada

Costa,Hélio de Lima Ferreira Fernandes; Costa,Cícero Ferreira Fernandes; Costa,Laura Olinda Bregieiro Fernandes
Fonte: Federação Brasileira das Sociedades de Ginecologia e Obstetrícia Publicador: Federação Brasileira das Sociedades de Ginecologia e Obstetrícia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/2003 PT
Relevância na Pesquisa
36.35%
OBJETIVO: verificar se a idade materna igual ou superior a 40 anos é fator de risco independente para o surgimento da hipertensão induzida pela gravidez (HIG). MÉTODO: foi realizado estudo tipo coorte retrospectivo, envolvendo a revisão dos prontuários médicos de 2047 parturientes, das quais 298 com idade igual ou superior a 40 anos e 1749 com idade inferior a 40 anos. Foi realizada análise de regressão logística múltipla para testar a associação da idade materna com a ocorrência de HIG, ajustando o resultado pela paridade, presença de hipertensão arterial crônica, diabete e gemelidade. RESULTADOS: entre as pacientes com idade igual ou superior a 40 anos a incidência de HIG foi de 22,1% (66/298), superior à das pacientes com idade inferior a 40 anos (16%, 286/1463). A HIG foi diagnosticada em 27,2% das primigestas (174/640), 47,6% das hipertensas crônicas (30/66) e 27,1% das diabéticas (13/48). A idade materna avançada, a primiparidade e a hipertensão arterial crônica estiveram associadas à ocorrência de HIG na análise bivariada com OR de 1,4, 2,58 e 4,69, respectivamente. Houve tendência estatisticamente não significante de associação com o diabete gestacional. Após o ajuste, observou-se aumento da força da associação da idade materna avançada com a HIG (OR ajustado = 1...

Correção da idade para identificação do atraso no desenvolvimento motor grosso de lactentes nascidos pré-termo

Guerra, Miriam Queiroz de Farias; Eickmann, Sophie Helena (Orientadora)
Fonte: Universidade Federal de Pernambuco Publicador: Universidade Federal de Pernambuco
Tipo: Tese de Doutorado
BR
Relevância na Pesquisa
36.36%
Crianças nascidas pré-termo apresentam maior risco de atraso de desenvolvimento motor podendo ser decorrente apenas de sua imaturidade neuronal, mas também de injúrias permanentes do sistema nervoso central. Objetivando diferenciar esses dois processos, na avaliação do desenvolvimento neuropsicomotor desses lactentes pode-se utilizar tanto a idade cronológica, definida pelo nascimento, quanto à idade maturacional, admitindo correção parcial ou total da idade cronológica. A falta de consenso sobre o tema suscitou questionar qual o tipo de correção da idade mais adequado para identificar o atraso do desenvolvimento motor grosso de lactentes nascidos pré-termo. O objetivo deste estudo foi comparar o desenvolvimento motor grosso de lactentes nascidos pré-termo com o de lactentes nascidos a termo, utilizando como parâmetros a idade cronológica e as idades corrigidas total e parcialmente, de acordo com o grau de prematuridade. Este estudo transversal realizado entre agosto de 2011 e agosto de 2013, incluiu 606 avaliações em 306 lactentes nascidos pré-termo, acompanhados no Ambulatório de Recém-nascidos de Risco do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Pernambuco e do Ambulatório de Egressos do Método Canguru do Instituto de Medicina Integral Professor Fernando Figueira. O grupo controle consistiu de 589 crianças nascidas a termo cujos dados foram obtidos em banco secundário de uma tese de doutorado da Pós-graduação em Fisioterapia e Terapia Ocupacional da UFMG. O desenvolvimento motor grosso foi avaliado pela Alberta Infant Motor Scale (AIMS) em crianças com idade cronológica de 3 a 21 meses e para interpretação da pontuação foram consideradas as idades cronológica e as corrigidas total e parcialmente...

Risco fetal de anomalias congénitas com base na idade materna em Portugal

Braz, Paula; Machado, Ausenda; Dias, Carlos Matias
Fonte: Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge, IP Publicador: Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge, IP
Tipo: Conferência ou Objeto de Conferência
Publicado em /10/2012 POR
Relevância na Pesquisa
36.37%
Introdução A idade materna é um reconhecido fator de risco para a mortalidade e morbilidade fetais. O risco de ter um filho com uma anomalia cromossómica, nomeadamente trissomia 21, é maior entre as grávidas com mais de 35 anos. Já as grávidas adolescentes têm baixo risco de trissomias mas um maior risco de anomalias não cromossómicas, designadamente defeitos do encerramento da parede abdominal. Nos últimos anos, a idade materna à data do parto tem vindo a aumentar em Portugal como noutros países europeus. Este estudo tem como objectivo analisar a prevalência de Anomalias Congénitas (AC) de acordo com a idade materna em Portugal, entre 2002 e 2010. Material e métodos Analisaram-se os dados do Registo Nacional de Anomalias Congénitas (RENAC), registo de base populacional que visa a vigilância epidemiológica e a investigação das AC em Portugal. Os médicos especialistas registam AC diagnosticadas em recém-nascidos (até ao final do período neonatal), fetos mortos e interrupções médicas de gravidez. As AC são posteriormente codificadas de acordo com o capitulo Q da 10ª versão da Classificação Internacional de Doenças e causas de morte. Os dados do número de partos foram fornecidos pelo Instituto Nacional de Estatística. Resultados Entre 2002 e 2010...

Degenerescência macular relacionada com a idade

Rêgo, Sara Margarida Sousa de Faria
Fonte: Universidade da Beira Interior Publicador: Universidade da Beira Interior
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em /06/2012 POR
Relevância na Pesquisa
36.36%
A degenerescência macular relacionada com a idade é uma debilitante doença degenerativa da retina, de evolução crónica, que se manifesta clinicamente após os 50 anos de idade. Atinge a região central da retina, a mácula, responsável pela visão precisa [1]. A degenerescência macular relacionada com a idade é a principal causa de perda visual nos países industrializados e a terceira causa global de cegueira. Representa, portanto, um importante problema de saúde pública uma vez que a população está cada vez mais envelhecida e que a qualidade de vida dos idosos é uma preocupação central dos médicos e do governo [1]. A sua prevalência aumenta com a idade, ocorrendo em 14.4% das pessoas com idades compreendidas entre os 55 e os 64 anos de idade, 19.4% dos 65 aos 74 anos e 36.8% acima dos 75 anos de idade [2]. Desenvolve-se em duas fases: uma precoce (degenerescência macular relacionada com a idade precoce), representada por drusas moles e alterações pigmentares maculares, e uma tardia (degenerescência macular relacionada com a idade tardia) que compreende duas formas, uma atrófica e uma forma exsudativa, representada, ao nível do fundo ocular, por descolamentos serosos do epitélio pigmentado, neovascularização coroideia...

Idade óssea na paralisia cerebral

Miranda,Eduardo Régis de Alencar Bona; Palmieri,Maurício D'arc; Assumpção,Rodrigo Montezuma César de; Yamada,Helder Henzo; Rancan,Daniela Regina; Fucs,Patrícia Maria de Moraes Barros
Fonte: Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia Publicador: Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/2013 PT
Relevância na Pesquisa
36.36%
OBJETIVOS: Determinar a idade óssea nos pacientes com paralisia cerebral (PC) espástica acompanhados no Ambulatório de Doenças Neuromusculares e comparar com a idade cronológica e correlacionar com os diferentes tipos (hemiparético, diparético, tetraparético), sexo e função motora. MÉTODOS: Analisados 401 pacientes com PC espástica, com idade entre três meses e 20 anos, submetidos a radiografias das mãos e punhos bilaterais e anotado a idade óssea por dois observadores independentes de acordo com o Atlas Greulich & Pyle. RESULTADOS: Quanto a distribuição topográfica, houve um atraso significante (p<0,005) nos tetraparéticos (17,7meses), nos hemiparéticos (10,1 meses) e diparéticos (7,9 meses). No grupo de hemiparéticos, a idade óssea média no lado acometido foi de 96,88 meses e no lado não acometido de 101,13 meses (p<0,005). Em relação ao estado funcional, os não deambuladores demonstraram atraso na idade óssea em relação à idade cronológica de 18,73 meses (p<0,005). Observou-se um maior atraso no sexo masculino (13,59 meses) do que no sexo feminino (9,63 meses), mas não estatisticamente significante (p=0,54). CONCLUSÕES: Há um atraso da idade óssea em relação à idade cronológica influenciado pelo tipo de topografia da espasticidade...

Estimativa da prevalência de déficit de altura/idade a partir da prevalência de déficit de peso/idade em crianças brasileiras; Estimating the prevalence of height for age deficits based on the prevalence of low weight for age among Brazilian children

Victora, Cesar G.; Gigante, Denise P.; Barros, Aluísio J. D.; Monteiro, Carlos Augusto; Onis, Mercedes de
Fonte: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública Publicador: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; ; ; ; Formato: application/pdf
Publicado em 01/08/1998 POR
Relevância na Pesquisa
36.36%
INTRODUÇÃO: A antropometria é amplamente utilizada para avaliação nutricional de indivíduos e de grupos populacionais. Em anos recentes, diagnósticos comunitários têm sido realizados por profissionais dos serviços de saúde em diversas regiões brasileiras, com o objetivo de complementar os dados obtidos através de vigilância nutricional. Um obstáculo importante à realização destes diagnósticos é a difícil mensuração da altura em inquéritos domiciliares. MÉTODO: Foram identificados 38 inquéritos antropométricos com crianças de 0 a 5 anos de idade, realizados no Brasil, que utilizaram o padrão de referência NCHS e o percentual de crianças abaixo de -2 escore Z para definição da prevalência de déficit de peso/idade e altura/idade. A análise foi realizada a partir das correlações entre as prevalências de déficits de altura/idade e peso/idade definidas. RESULTADOS: A análise mostrou que devido à baixa prevalência de déficits de peso/altura há forte correlação entre peso/idade e altura/idade, em nível populacional. Cerca de 90% da variabilidade de altura/idade (A/I) é explicada pelo peso/idade (P/I). CONCLUSÃO: Através da equação (Prev. A/I) = 0,74 + 2,34 (Prev. P/I) - 0,03 (Prev. P/I)2...

Padrões de crescimento na infância precoce e ocorrência de menarca antes de doze anos de idade; Patrones de crecimiento en la infancia precoz y ocurrencia de menarca antes de doce años de edad; Growth patterns in early childhood and the onset of menarche before age twelve

Martínez, Jeovany; Araújo, Cora; Horta, Bernardo Lessa; Gigante, Denise Petrucci
Fonte: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública Publicador: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; ; ; ; Formato: application/pdf
Publicado em 01/04/2010 ENG
Relevância na Pesquisa
36.37%
OBJETIVO: Avaliar a relação entre padrões de crescimento na infância precoce e ocorrência de menarca antes de 12 anos de idade. MÉTODOS: O estudo incluiu 2.083 mulheres do estudo de coorte de nascidos em Pelotas, RS, de 1982. Variáveis antropométricas, comportamentais e relacionadas à gestação foram coletadas por meio de entrevistas domiciliares. As análises estatísticas empregadas foram o qui-quadrado de Pearson e qui-quadrado para tendência linear. Além disso, análise multivariável foi realizada usando a regressão de Poisson, seguindo um modelo hierárquico. RESULTADOS: A média de idade da menarca foi de 12,4 anos e a prevalência de menarca antes dos 12 anos foi de 24,3%. Maiores valores de escores Z nos índices peso/idade, altura/idade e peso/altura aos 19,4 e 43,1 meses corresponderam a maiores riscos de apresentar menarca antes dos 12 anos. Esse risco foi sistematicamente maior na idade de 43,1 meses. Meninas que experimentaram rápido crescimento em escore Z de peso/idade entre o nascimento e 19,4 meses ou em escore Z de peso/idade ou altura/idade entre 19,4 e 43,1 meses, mostraram os maiores riscos. O risco de menarca antes dos 12 anos foi mais elevado quando o crescimento rápido em escore Z de peso/idade ocorreu em ambos os períodos; e ainda maior entre as meninas do primeiro tercil da curva de Williams. Crescimento rápido em escore Z de peso/altura não esteve associado com menarca antes dos 12 anos. CONCLUSÕES: A idade da menarca mostrou-se influenciada pelo estado nutricional e padrões de crescimento durante a infância precoce. Assim...

Estimativa da prevalência de déficit de altura/idade a partir da prevalência de déficit de peso/idade em crianças brasileiras

Victora,Cesar G.; Gigante,Denise P.; Barros,Aluísio J. D.; Monteiro,Carlos Augusto; Onis,Mercedes de
Fonte: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo Publicador: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/08/1998 PT
Relevância na Pesquisa
36.36%
INTRODUÇÃO: A antropometria é amplamente utilizada para avaliação nutricional de indivíduos e de grupos populacionais. Em anos recentes, diagnósticos comunitários têm sido realizados por profissionais dos serviços de saúde em diversas regiões brasileiras, com o objetivo de complementar os dados obtidos através de vigilância nutricional. Um obstáculo importante à realização destes diagnósticos é a difícil mensuração da altura em inquéritos domiciliares. MÉTODO: Foram identificados 38 inquéritos antropométricos com crianças de 0 a 5 anos de idade, realizados no Brasil, que utilizaram o padrão de referência NCHS e o percentual de crianças abaixo de -2 escore Z para definição da prevalência de déficit de peso/idade e altura/idade. A análise foi realizada a partir das correlações entre as prevalências de déficits de altura/idade e peso/idade definidas. RESULTADOS: A análise mostrou que devido à baixa prevalência de déficits de peso/altura há forte correlação entre peso/idade e altura/idade, em nível populacional. Cerca de 90% da variabilidade de altura/idade (A/I) é explicada pelo peso/idade (P/I). CONCLUSÃO: Através da equação (Prev. A/I) = 0,74 + 2,34 (Prev. P/I) - 0,03 (Prev. P/I)2...