Página 1 dos resultados de 968 itens digitais encontrados em 0.005 segundos

Poder e iconografia no antigo Egipto

Sales, José das Candeias
Fonte: Livros Horizonte Publicador: Livros Horizonte
Tipo: Livro
Publicado em //2008 POR
Relevância na Pesquisa
37.18%
Neste livro reflecte-se directamente sobre o poder e a iconografia no antigo Egipto, dois vectores estruturantes do modus vivendi político desta civilização. Independentemente das formas que manifesta, dos domínios sobre que incide e das funções que preenche, há em todas as sociedades um considerável impulso para o poder. Anterior à própria obtenção do poder ou, uma vez alcançado, concomitante com o seu exercício, o desejo de poder sustenta um conjunto de práticas directamente preocupadas com a sua obtenção, manutenção e transmissão. Numa sociedade como a do antigo Egipto, o impulso do poder é particularmente notório nas elites, designadamente na poderosa e quase sempre omnipresente instituição real. A realeza egípcia de todas as épocas procurou sempre influenciar a sociedade no sentido de garantir a sua supremacia, para o que desenvolveu e aplicou ao longo dos séculos uma tipologia mais ou menos rígida de práticas e ritos para alcançar esse pretendido efeito. Na época dos Ptolomeus, as suas representações, as suas pinturas e os seus baixos-relevos pretenderam, de igual forma, impor concepções e práticas de poder. Utilizando um vocabulário artístico-iconográfico milenar, os Ptolomeus reivindicaram o antigo prestígio da noção de faraó através de atitudes político-ideológicas de total identificação e assunção dos dogmas...

As exéquias do Buda Sãkyamuni : morte, lamento e transcendência na iconografia indiano-budista de Gandhara; Buddha Sãkyamuni obsequies : death, lament and transcendence in the Indo-Buddhist iconography of Gandhãra

Aldrovandi, Cibele Elisa Viegas
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 06/11/2006 PT
Relevância na Pesquisa
37.18%
Esta tese tem por objetivo verificar se a incorporação do esquema iconográfico do Lamento Fúnebre presente no repertório do Ciclo do Mahãparinirvãna do Buda Sãkyamuni, possuiu uma origem estrangeira: a representação da próthesis - a exposição do morto - grega. Essa iconografia foi desenvolvida entre os séculos I e III d.C. em Gandhãra, na fronteira noroeste do subcontinente indiano. O Corpus Documental desta pesquisa é composto por uma vertente indiano-budista e outra greco-romana, sistematizadas em um Banco de Dados e Imagens. Foram utilizadas evidências arqueológicas assim como fontes textuais. A representação formal do Lamento Fúnebre é uma expressão imagética de um momento do ritual funerário entendido como um rito de passagem. Duas estruturas de análise distintas, a Arqueologia da Imagem e a Arqueologia da Morte, foram combinadas para fundamentar a análise e a interpretação do conjunto imagético de temática funerária investigado nesta pesquisa. A análise arqueológica foi realizada sob uma perspectiva de longa duração que permitiu inferir as mudanças fundamentais à compreensão dessa gênese iconográfica. Reconstruções da práxis funerária nas diferentes sociedades que forneceram elementos iconográficos para a formação do repertório imagético de Gandhãra foram elaboradas. As fontes gregas e védico-bramânicas apresentaram paralelos na lamentação do morto. As análises esquemática e temática do Corpus Documental possibilitaram verificar a dimensão da assimilação do esquema formal da próthesis grega na gênese da representação do Mahãparinirvãna...

Razão e afetividade: a iconografia Maxakali marcando a vida e colorindo os cantos.; Reason and affectivity: the Maxakali iconography recording life and brighten with colours the lay.

Oliveira, Luciane Monteiro
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 25/04/2006 PT
Relevância na Pesquisa
37.18%
A presente tese objetiva apresentar a iconografia Maxakali como expressão da vida e da concepção do universo cosmológico. Os sinais dessa expressão são em especial, os desenhos em papel elaborados pelos indivíduos do grupo, sem distinção de idade, sexo ou status sociocósmico. A finalidade é demonstrar por meio da iconografia como os Maxakali percebem o mundo por meio da percepção sensorial do corpo próprio e como constroem relações de alteridade na intersecção de concepções cosmológicas distintas. Esse movimento é importante para a composição de um diálogo em que as diferenças são pontuadas e as tensões são amplificadas, em especial quando se colocam em cena discussões e práticas de políticas públicas. A metodologia empregada na pesquisa é a mitohermenêutica simbólica de cunho antropológico cujo princípio é um cuidado investido na reflexão e na prática do conhecimento que proporciona demarcar os caminhos percorridos pelo pesquisador na inserção do contexto de sua investigação.; This present thesis aims to introduce the Maxakali iconography as life's expression and of the universe cosmological conception. The signs of this expression are especially the paper drawings made by the individuals pertained to the group without any discrimination of age...

Representações de identidades da Cidade Necessária (modelos e configurações urbanas distintas) na iconografia do Recife colonial: planos de Pherman-buquo do ante-bellum à restauração; Representations of identities at Necessary City (different urban models and configurations) in colonial Recife iconography: plans to Phernam-buquo from antebellum until restoration.

Lins, André Gustavo da Silva Bezerra
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 04/07/2011 PT
Relevância na Pesquisa
37.29%
Apresenta e discute acervo iconográfico com foco no espaço urbano do Recife colonial e reflete se a análise dessa iconografia é suficiente para compreensão de mudanças na identidade urbana ligada a determinado empreendedor ou fase de governo colonial, do lusoibérico ao pós-neerlandês. Mostra através da iconografia, sistema de representação gráfica materializadora de informações e discursos, ser possível a invenção se contrapondo à verdade observada e a outras iconografias. Reflete suficiência da análise iconográfica para compreender mudanças na identidade urbana nas fases de governo luso-ibérico, neerlandêsholandês e pós-neerlandês, de acordo com as necessidades das etapas do empreendimento colonial. Numa inquietação científica, a tese impôs resultado divergente da hipótese inicial, entendendo que para a discussão aprofundada da distinção das identidades nos fatos urbanos e modelos urbanísticos, arquitetônicos e de investimentos, nos períodos de governo, de forma não subjetiva e sem juízos de valor, a leitura e entendimento através da iconografia só se mostrou suficiente a partir de base historiográfica. Esse aprofundamento permitiu questionar convenções sobre a construção da identidade urbana...

A fé, a imagem e as formas : a iconografia da talha dourada da igreja do Bom Jesus da Matosinhos

Silva, Liliana Maria Pereira da
Fonte: Porto : [Edição do Autor] Publicador: Porto : [Edição do Autor]
Tipo: Dissertação
POR
Relevância na Pesquisa
37.36%
A Presente Dissertação de Mestrado em Historia da Arte portuguesa tem como tema "A Fé, a Imagem e as formas. A Iconografia da talha dourada da igreja do Bom Jesus de Matosinhos ". Este estudo resulta da investigação que traçamos ao longo do último ano acerca da imagem do Bom Jesus de Matosinhos, o seu culto e a obra de talha dourada encomendada para enquadrar esta imagem e enaltecer o seu culto, temas que expomos ao longo de três capítulos No primeiro capitulo, partindo do estudo da lenda e da iconografia da imagem do Bom Jesus de Matosinhos, promovemos uma ligeira abordagem acerca da crucificação do Senhor entre os Seculos V e XII, conseguimos comprovar as visíveis influencias da iconografia da "Crucificação Simbólica" francesa do século XII presentes na imagem do Bom Jesus. A nossa reflexão permitiu elucidar a relação intrínseca entre os conceitos de Fé, de imagem e das formas. No segundo capitulo, e após o estudo iconográfico e iconológico da imagem do Bom Jesus esclarecemos os contornos da encomenda das obras de talha dos altares da igreja do Bom Jesus, descrevendo os três ciclos de obras, compreendidos entre 1579 e 1775, apontando os encomendantes das obras, os mestres que as executaram e as respectivas obras de talha. Este estudo foi sempre direccionado com o intuito de tentarmos esclarecer a origem e inspiração de todas as formas presentes nos retábulos. O terceiro capitulo e dedicado inteiramente ao estudo da iconografia da talha dourada da igreja de Matosinhos. Iniciamos este capítulo com uma breve exposição da influência da expressão e originalidade da talha portuense e dos seus mestres na execução da talha dourada da igreja que e inteiramente dedicada à imagem do Bom Jesus. [...]

Iconografia de esposas míticas na pintura portuguesa : análise casos

Bastos, Isabel da Conceição Ribeiro Soares
Fonte: Porto : [Edição do Autor] Publicador: Porto : [Edição do Autor]
Tipo: Dissertação
POR
Relevância na Pesquisa
37.18%
Este trabalho incide sobre a Iconografia de Esposas Místicas na pintura Portuguesa através da análise de casos específicos. Foram estudadas cinco Santas e Esposas de Cristo nas pinturas de Josefa de Óbidos, Bento Coelho e um pintor desconhecido: Santa Úrsula, Santa Catarina de Alexandria, Santa Catarina de Siena, Santa Teresa de Avila e Santa Rosa de Lima. Depois de esclarecido o complexo tema do Casamento Místico, e tendo em conta as fontes primárias hagiográficas, este trabalho revela aspectos particulares da iconografia de todas as pinturas em análise, eliminando erros efectuados em análises pictóricas anteriores. Utilizando também o método que chamamos de «Hagiografia comparada», realçamos as semelhanças hagiográficas existentes entre Santos e Santas, que em certos casos extravasaram para a pintura, criando uma modelo pictórico, repetido ao longo dos tempos e de pintores. Esperamos assim contribuir para a melhor compreensão e difusão do tema do Casamento Místico.

Iconografia das imagens das igrejas paroquiais do concelho de Espinho

Quintas, Diana Irene de Almeida
Fonte: Porto : [Edição do Autor] Publicador: Porto : [Edição do Autor]
Tipo: Dissertação
POR
Relevância na Pesquisa
37.18%
Iconografia das Imagens das Igrejas Paroquiais do Concelho de Espinho, tal como o título o indica, refere-se a todas as esculturas de grande devoção que se encontram no interior das principais igrejas do concelho. Cinco ao todo: Espinho, Anta, Silvalde e Guetim. Actualmente são edifícios religiosos que espelham o estilo de arquitectura que se estabelecia nos seculos XIX e XX. Ao todo são oitenta e cinco as imagens ou esculturas religiosas. Algumas se localizam em mais de uma igreja, sendo o número de entidades devocionais, as quais se encontram identificadas nas esculturas, quarenta e três. Cada uma tem a sua simbologia. Para saber a identificar deve-se analisar cada entidade ao pormenor. Para tal, tem-se que saber a sua história, bem como o seu culto. Só assim se consegue entender a sua iconografia, em especial, os atributos, pormenores artísticos que as identificam.

A antevisão do peregrino na iconografia de São Tiago no caminho português de Santiago entre Viseu e Chaves : subsídios para a criação de uma rota turística

Alves, Sandra Maria Pereira Paiva
Fonte: Universidade Católica Portuguesa Publicador: Universidade Católica Portuguesa
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em 10/01/2012 POR
Relevância na Pesquisa
37.02%
Considerando a importância do Caminho de Santiago, enquanto via de peregrinação e itinerário cultural, a presente dissertação de mestrado aborda historicamente a vida de São Tiago e a sua importante “acção” na Península Ibérica, tendo provocado um movimento de peregrinações até Compostela, desde a época medieval aos dias de hoje. Sintetizando a história das peregrinações, é apresentada a peregrinação a Santiago de Compostela, com as suas particularidades, entre as quais os seus singulares peregrinos. O Caminho de Santiago torna-se uma rede de caminhos espalhados por toda a Europa que, vivendo sob o mesmo espírito, se torna no Primeiro Itinerário Cultural Europeu e, posteriormente, em Património da Humanidade. A dicotomia entre turismo e peregrinação permite abordar os conceitos de turismo, turismo cultural e turismo religioso. Sendo um dos Caminhos Portugueses de Santiago, o Caminho que liga Viseu a Chaves é o ponto de partida para a apresentação de uma proposta de rota iconográfica, na qual se explora a iconografia associada a São Tiago, e que pode ser encontrada no Caminho.; Considering the importance of Saint James Way, as a pilgrimage route and also as a cultural itinerary, the present dissertation discusses historically Saint James life and his important “action” in the Iberian Peninsula...

Redoma aberta : iconografia tradicional reinterpretada pelo design no museu

Figueiredo, Andreia Raquel Silva
Fonte: Universidade de Aveiro Publicador: Universidade de Aveiro
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
37.18%
Esta dissertação explora de que modo pode o design reinterpretar a iconografia tradicional, preservando os seus significados inerentes, ou seja, as suas dimensões histórica e simbólica; desenvolve também o museu como uma oportunidade de aplicação da iconografia tradicional reinterpretada. Apoia-se em dois estudos de caso: "Espreita Aqui" e "Camisola Pobeira". ABSTRACT: This dissertation explores how design can reinterpret the traditional iconography, while preserving its inherent meanings, ie, its historical and symbolic dimensions; it also studies the museum as an opportunity to apply reinterpreted traditional iconography. It draws on two case studies: "Espreita Aqui" and "Camisola Pobeira”.; Mestrado em Design

Speculum Musicae - Iconografia Musical na Arte do final da Idade Média em Portugal

Sousa, Luís Manuel Correia de
Fonte: Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa Publicador: Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa
Tipo: Tese de Doutorado
Publicado em /04/2010 POR
Relevância na Pesquisa
37.02%
Dissertação de Doutoramento em História da Arte – Medieval; A Iconografia Musical, ponto de encontro entre a Musicologia e a História da Arte, reveste-se, em nosso entender, de uma importância fundamental para o aprofundamento dos estudos histórico-artísticos. Lugar de confluência de uma herança cultural rica e plural, as obras de arte devolvem-nos um conjunto significativo de informações que nos permitem acolher esse legado, apontando, de forma clara e abrangente, o lugar da música no pensamento e na sociedade. Partimos dum levantamento, tão exaustivo quanto possível, de textos e imagens, em variados suportes, produzidas no período final da Idade Média, para avaliar, na sua diversidade temática, o modo como a música se organiza e nos é apresentada, pela mão dos artistas. Centramos o nosso estudo em obras existentes nas colecções portuguesas ou que, encontrando-se no exterior, tenham uma forte relação com a cultura e sociedade lusas. A primeira parte procura, precisamente, fazer um breve enquadramento histórico, valorizando, sobretudo, os aspectos da dinâmica cultural; segue-se o núcleo central do trabalho, ordenado tematicamente, abordando, então, os diversos grupos de imagens. Optámos...

La construccion cultural de la identidad femenina: la iconografia del cuerpo como propuesta artística desde la sociología del género

Sosa Sánchez,Roxana
Fonte: Centro de Filosofia e Ciências Humanas e Centro de Comunicação e Expressão da Universidade Federal de Santa Catarina Publicador: Centro de Filosofia e Ciências Humanas e Centro de Comunicação e Expressão da Universidade Federal de Santa Catarina
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2013 ES
Relevância na Pesquisa
37.02%
En este artículo desarrollo la iconografía del cuerpo realizada por las mujeres artistas representativas de los años sesenta y setenta del siglo XX. Las artistas de este periodo proponen una reflexión en torno al cuerpo humano, junto con la adopción de comportamientos plásticos heterogéneos que, originándose en ese momento histórico, se mantendrán vigentes, cobrando incluso más vigor en décadas posteriores, dando origen a una diversidad de prácticas y temáticas artísticas.

Nueva visión sobre la iconografía musical en España a través de la pintura: itinerario por las colecciones y fondos del Museo del Prado

Martínez López, Víctor Javier
Fonte: Universidade de Múrcia Publicador: Universidade de Múrcia
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
SPA
Relevância na Pesquisa
37.18%
El presente trabajo estudia el uso de los instrumentos musicales durante un largo periodo de seiscientos años, entre los siglos XIV y XIX, valiéndose de su representación en la más rica colección de pintura de nuestro país y posiblemente de todas las existentes, el Museo Nacional del Prado. La elección de un campo de investigación tan poco frecuente no es arbitraria: las colecciones de la primera pinacoteca nacional, analizadas en su universal conjunto, con inclusión de la colección permanente, los fondos del museo y lo que se ha venido en llamar ‘el Prado disperso’ o ‘itinerante’, representan la reunión más completa de imágenes de instrumentos músicos de los siglos mencionados en el panorama mundial. Nuestro trabajo estudia la obra pictórica de sus colecciones a través de la ciencia organológica, sirviéndonos de la Iconografía Musical, para la identificación de los numerosos instrumentos que se dan cita en el amplio elenco del museo. La complejidad de tan inmenso legado se hace patente a través de la mirada que aquí se propone: la exploración de forma lógica y exhaustiva de las numerosas facetas musicales reflejadas en los cuadros que conserva el Museo del Prado. Cada objeto musical aporta valiosa información sobre aspectos fundamentales para la Organología...

O descanso dos naturalistas: uma análise de cenas na iconografia oitocentista

Antunes,Anderson Pereira; Moreira,Ildeu de Castro; Massarani,Luisa Medeiros
Fonte: Casa de Oswaldo Cruz, Fundação Oswaldo Cruz Publicador: Casa de Oswaldo Cruz, Fundação Oswaldo Cruz
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/09/2015 PT
Relevância na Pesquisa
37.02%
Durante o século XIX, expedições científicas percorreram o Brasil investigando fauna, flora e natureza geológica. Com base em cartas, relatórios, livros de viagens e ilustrações, é possível retratar essas expedições, os naturalistas e os auxiliares que os acompanhavam, assim como a sociedade oitocentista brasileira. Nosso foco é a iconografia dos viajantes. As imagens dão subsídios para compreendermos o olhar do naturalista viajante sobre a natureza, os homens do interior e as populações indígenas. A partir da comparação de oito imagens, selecionadas pelo fato de ilustrarem os acampamentos dos viajantes, buscamos observar suas semelhanças e diferenças, desvelando o que elas nos dizem a respeito desses viajantes, suas expedições e o contexto em que atuaram.

A Iconografia Mariana no Espaço Jesuíta Português: Culto e Devoção à Virgem Maria na Igreja do Colégio de Jesus de Coimbra

Pinto, Rooney Figueiredo
Fonte: Universidade de Coimbra Publicador: Universidade de Coimbra
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
37.29%
Enquadrada majoritariamente no âmbito da Arte Religiosa, nomeadamente no campo da arte sacra e da iconografia, esta pesquisa teve como objeto de estudo a iconografia mariana no espaço jesuíta português, o culto e a devoção à Virgem Maria na Igreja do Colégio de Jesus de Coimbra. Partindo da análise do contexto cristão europeu ao contexto cristão português, verificou-se a evolução da espiritualidade e da devoção à Virgem Maria. Constatou-se que a evolução da espiritualidade e os debates teológicos em torno da divina maternidade de Maria refletiram sobre os programas iconográficos marianos. Assim, buscou-se identificar os elementos iconográficos pertinentes às diversas representações da Virgem. As Ordens Religiosas tiveram um papel crucial na promoção da devoção à Maria. As muitas igrejas, capelas e ermidas dedicadas à Nossa Senhora em Portugal denunciam a forte presença deste elemento devocional. Esta trajetória de pesquisa culminou com a análise do papel da Companhia de Jesus sobre a promoção do culto e devoção mariano em Portugal, especialmente na Igreja do Colégio de Jesus de Coimbra. Com o apoio de D. João III, os jesuítas desenvolveram seu apostolado educativo em terras portuguesas, instalando colégios e estreitando sua relação com a sociedade. Assim como em outras igrejas da Companhia...

El retaule eucarístic de Vilafermosa i la iconografia del Corpus Christi a la Corona d’Aragó

Favà Monllau, Cèsar
Fonte: Universidade Autônoma de Barcelona Publicador: Universidade Autônoma de Barcelona
Tipo: Article; info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion Formato: application/pdf
Publicado em //2006 CAT
Relevância na Pesquisa
37.18%
La institució d’una nova solemnitat i la seva incorporació al calendari litúrgic acostuma a posar de relleu la necessitat de crear tota una infraestructura material al servei dels postulats ideològics que defensa. Per aquest fet, quan a principis de la catorzena centúria s’estableix la nova festa del Corpus Christi a la Corona d’Aragó, sorgeix la necessitat, entre d’altres, de bastir un repertori iconogràfic per als novells retaules que han de presidir, en la majoria de casos, els nous altars dedicats a Jesús Sagramentat. En el present article s’hi analitza la iconografia del retaule eucarístic de Vilafermosa (Castelló de la Plana), tot situant-lo en el context de la devoció al Corpus a la baixa edat mitjana i posant-lo en relació amb uns altres exponents homònims que n’hem conservat. El resultat d’aquest procés permet extrapolar un repertori temàtic genuí a la Corona d’Aragó, en el qual el protagonisme absolut recau en les santes espècies eucarístiques, el pa i el vi, per tal d’incidir en la veracitat del dogma de la transsubstanciació. Veiem que se sol insistir en les imatges evangèliques de marcat contingut eucarístic, però també en l’ús d’escenes litúrgiques com ara l’elevació de la sagrada forma i el tema nou de la processó del Corpus. A més...

A iconografia do Inferno na tradição artística medieval

Quírico, Tamara
Fonte: Universidade Autônoma de Barcelona Publicador: Universidade Autônoma de Barcelona
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: application/pdf
Publicado em //2011 POR
Relevância na Pesquisa
37.18%
O presente artigo discute de modo sucinto os modos de elaboração da representação visual do Inferno – tanto em pinturas como em encenações teatrais –, assim como alguns dos elementos iconográficos de maior destaque no tema. Tenciona-se mostrar como elementos escriturais foram associados a outros de origem mais popular para formatar a iconografia do tema ao longo do período medieval. O Inferno integra o imaginário cristão, e é parte essencial de uma das mais importantes questões que norteiam o Cristianismo: o destino do homem após a morte e após o fim do mundo. Ao absorver conceitos e tradições externas à religiosidade cristã, a iconografia do Inferno se tornou um dos principais suportes para a doutrinação dos fiéis, tanto quando apresentada como tema autônomo quanto associada à representação mais ampla do Juízo Final.; This article shall briefly discuss the elaboration of the visual representation of Hell – both in paintings as in plays –, as well as some of the most important iconographic elements of the theme. It is intended to show how Scriptural elements were associated to others of popular origin in order to create the iconography of the theme throughout medieval period. It must be considered that Hell forms Christian imaginary...

La iconografía de La Asunción de la Virgen María en la pintura del Quattrocento italiano a la luz de sus fuentes patrísticas y teológicas

Salvador González, José María
Fonte: Universidade Autônoma de Barcelona Publicador: Universidade Autônoma de Barcelona
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: application/pdf
Publicado em //2011 SPA
Relevância na Pesquisa
37.36%
El tema iconográfico de la Asunción de la Virgen María al cielo se basa en cierta tradición oral y en algunos escritos apócrifos, así como en muchos sermones e interpretaciones de varios Padres y Doctores de la Iglesia, tales como Juan de Tesalónica, San Juan Damasceno y San Andrés de Creta, y una gran cantidad de otros teólogos medievales. Todas esas fuentes literarias, apócrifas y canónicas, constituyen la base conceptual sobre la que la Iglesia ha basado las fiestas litúrgicas y la iconografía de la Muerte y la Asunción de la Madre de Dios. La iconografía de la Muerte de María, ampliamente expresada en el arte bizantino desde el siglo XI, comenzará a adquirir una cierta importancia en Europa desde el siglo XII, asociando el triunfo de la Virgen al de Jesucristo en tres temas característicos: la Muerte, la Asunción y la Coronación de María. Mediante el análisis de nueve pinturas italianas del Quattrocento, nuestro artículo apunta a poner en luz que tales fuentes patrísticas y teológicas constituyen el “modelo” conceptual que inspira de una manera directa y esencial la iconografía medieval de la Asunción de Maria.; The iconographic subject of the Assumption of the Virgin Mary to the heaven is based on a certain oral tradition and on some apocryphal writings...

Los textos apócrifos en la iconografía Cristiana

Manzi, Ofelia; Grau-Dieckmann, Patricia
Fonte: Universidade Autônoma de Barcelona Publicador: Universidade Autônoma de Barcelona
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: application/pdf
Publicado em //2006 SPA
Relevância na Pesquisa
37.29%
En el siglo IV surge en el ámbito cristiano una iconografía rica y exuberante que no encuentra su inspiración únicamente en los Evangelios canónicos, cuyos relatos escuetos y sucintos permitían poco vuelo a la imaginación artística. La fecundidad de las novedosas escenas tiene su origen en textos que se constituyeron en fuente invalorable e ineludible para la iconografía cristiana tanto oriental como occidental: los Evangelios apócrifos. Aunque tempranamente rechazados por la Iglesia por extravagantes y delirantes, crecieron –paradójicamente– al amparo de las autoridades eclesiásticas, quienes les otorgaron un lugar preponderante dentro de los propios espacios sacros.

Una Iconografía polémica : los Magos de Oriente

Grau-Dieckmann, Patricia
Fonte: Universidade Autônoma de Barcelona Publicador: Universidade Autônoma de Barcelona
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: application/pdf
Publicado em //2002 SPA
Relevância na Pesquisa
37.18%
"…unos magos vinieron del Oriente a Jerusalén” dice escuetamente el Evangelio de Mateo sobre esos ilustres visitantes que - siguiendo una estrella - llegan desde Oriente para adorar al Niño Jesús. Y refiere que, postrados, “le ofrecieron presentes de oro, incienso y mirra”. Posteriores relatos apócrifos y narraciones populares embellecen y enjoyan las leyendas sobre estos misteriosos personajes. El arte refleja muy tempranamente la iconografía de la escena de la adoración de los magos, conocida como “La Epifanía”, la que mutará con el tiempo hasta convertirse en la suntuosa representación de los personajes regios devenidos en los tres reyes magos. El arte cristiano tardorromano puede aportar una clave para comprender quiénes eran, qué buscaban y qué motivos existieron para justificar la importancia que cobró la escena de la Epifanía en el marco de esta nueva religión - el cristianismo - que buscaba expandirse entre los gentiles.; "… there came wise men from the east to Jerusalem" briefly informs Mathews Gospel about these illustrious visitors that - following a star - arrive from the east to worship Baby Jesus. He further tells that they fell on their knees and "presented him with gifts - gold, incense and myrrh". Later apocryphal tales and popular narratives beautify and adorn the legends about these mysterious characters. Very early does art reflect the iconography of the worship of the magi...

Una primera aproximación a los motivos serpentiformes de la iconografía Aguada del NOA

Kligmann,Débora M.; Díaz País,Elena
Fonte: Intersecciones en antropología Publicador: Intersecciones en antropología
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2007 ES
Relevância na Pesquisa
37.18%
Si bien existen tres motivos recurrentes en la iconografía Aguada, los ofidios, a diferencia de los felinos y los personajes antropomorfos, no han sido estudiados en profundidad. En este trabajo se presenta una primera aproximación al análisis de los patrones de representación de los motivos serpentiformes correspondientes al Período de Integración Regional. Para ello se recopilaron figuras publicadas en la literatura arqueológica nacional. Los resultados obtenidos indican que en la iconografía Aguada los ofidios se representan solos o combinados con otras especies. En este último caso, los ofidios siempre constituyen el cuerpo (asociados a cabezas felínicas o humanas) o se utilizan a modo de accesorios de personajes antropomorfos. Por esta razón, las cabezas resultaron de mayor utilidad que los cuerpos a la hora de buscar patrones. El modo de representación más frecuente consiste en ofidios vistos en planta con cabezas triangulares y dos ojos. Trabajos futuros sobre serpentiformes y lagartijas de otros períodos permitirán analizar la evolución de la imagen de los reptiles a lo largo del tiempo en el NOA.