Página 1 dos resultados de 1997 itens digitais encontrados em 0.003 segundos

O papel do treinamento físico resistido durante o periodo de hospitalização na melhora clínica, funcional e da qualidade de vida em pacientes com doença pulmonar obstrutiva crônica; The role of resistive physical training during the hospitalization in clinical, functional and quality of life improvement in patients with chronic obstructive pulmonary disease

Borges, Rodrigo Cerqueira
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 30/01/2012 PT
Relevância na Pesquisa
37.23%
INTRODUÇÃO: As exacerbações da doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) afetam profundamente a força muscular periférica e a capacidade funcional destes pacientes, entretanto, intervenções para prevenir estas perdas funcionais e sistêmicas são pobremente compreendidas. OBJETIVOS: Avaliar os efeitos do treinamento resistido sobre a força muscular periférica, capacidade funcional e a qualidade de vida em pacientes com DPOC durante a hospitalização. Além disso, avaliar a resposta desta intervenção sobre a inflamação sistêmica e a atividade física de vida diária. MÉTODOS: Vinte e nove pacientes hospitalizados na enfermaria de um Hospital Universitário por exacerbação da DPOC foram randomizados em dois grupos: controle (GC) e treinamento (GT). Eles foram avaliados no 2° dia de internação, na alta hospitalar e após 30 dias. Nestas avaliações foram verificadas a força muscular periférica dos membros inferiores e superiores, a distância percorrida no teste de caminha de 6 minutos (TC6min), a inflamação sistêmica (TNF-, PCR, IL1, IL-12p70, IL-6, IL-8, IL10), a saúde relacionada a qualidade de vida e a atividade física de vida diária. RESULTADOS: Nossos resultados demonstram que durante a hospitalização todos os pacientes...

Hospitalização integral para o tratamento de transtornos alimentares: características e resultados; Inpatient treatment of eating disorders: characteristics and results

Palma, Raphaela Fernanda Muniz
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 04/10/2012 PT
Relevância na Pesquisa
37.17%
Os transtornos alimentares (TA) são doenças graves de etiologia multifatorial, que cursam com alterações importantes no comportamento alimentar e complicações clínicas como desnutrição e distúrbios hidroeletrolíticos, além de comorbidades psiquiátricas. A hospitalização integral é uma modalidade terapêutica indicada quando o seguimento ambulatorial não atinge resultados satisfatórios associados à piora dos sintomas. O objetivo deste estudo foi descrever as características e resultados da hospitalização dos pacientes com TA atendidos pelo Grupo de Assistência em Transtornos Alimentares do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto-USP. Dados antropométricos, bioquímicos e clínicos foram coletados a partir da revisão de prontuários dos pacientes internados durante o período de 1982 a 2011. Como resultado, observou-se que das 186 pessoas que receberam atendimento pelo serviço, 44,6% deles (n=83) necessitaram de no mínimo, uma internação durante o tratamento. A predominância foi do sexo feminino (95,2%), da raça branca (94%), solteira (76%) e sem filhos (78,3%). Cursavam o ensino médio (50,6%) com idade de 23,3±10,8 anos. O diagnóstico era de anorexia do tipo restritivo (AN-R) para 54...

Comportamentos de coping no contexto da hospitalização infantil

Motta, Alessandra Brunoro; Perosa, Gimol Benzaquen; Barros, Luisa; Silveira, Kelly Ambrósio; Lima, Ana Sofia Da Silva; Carnier, Luciana Esgalha; Hostert, Paula Coimbra Da Costa Pereira; Caprini, Fernanda Rosalém
Fonte: Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Pontifícia Universidade Católica de Campinas Publicador: Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Pontifícia Universidade Católica de Campinas
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: 331-341
POR
Relevância na Pesquisa
37.23%
Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq); Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES); Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP); Child hospitalization needs to cope with the stressors that cause anxiety and suffering. Aiming at describing the coping behaviors of hospitalized children and their relationships to age, sex and the reason for hospitalization, 148 responses of children aged 6-12 were analyzed (M = 9.5 years old) to the Coping with Hospitalization Scale, from an integrated database. The results were analyzed by descriptive and inferential statistics. Taking some medicine, talking, watching television, praying and playing were the most referred to behaviors. There was a correlation between the coping behaviors and the differences caused by the hospitalization reason. Girls tend to sing more, and demonstrated more crying, sorrow and fear than boys. There were no differences as to age, but persuasion behavior decreases in older children. We suggest that sex, hospitalization reason and age have to be considered in interventions on coping with hospitalization.; A criança hospitalizada precisa lidar com estressores que geram ansiedade e sofrimento. Com o objetivo de descrever comportamentos de coping de crianças hospitalizadas e suas relações com idade...

Indicadores nutricionais e o risco de hospitalização em pacientes submetidos à hemodiálise

Szuck, Patrícia
Fonte: Universidade Federal de Santa Catarina Publicador: Universidade Federal de Santa Catarina
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: 117 p. | tabs., ils.
POR
Relevância na Pesquisa
37.35%
Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências da Saúde, Programa de Pós-Graduação em Nutrição, Florianópolis, 2014; Introdução: O comprometimento do estado nutricional, principalmente perda de massa magra, é uma situação prevalente nos pacientes em hemodiálise e está associada com outras complicações, sendo um dos fatores que contribui para o aumento nas taxas de hospitalização, que também é elevada nestes pacientes. O objetivo deste estudo foi verificar o poder de predição de indicadores do estado nutricional em relação ao risco de hospitalização de pacientes submetidos à hemodiálise. Métodos: Estudo de coorte prospectivo, realizado em duas clínicas de nefrologia de Florianópolis, onde foram avaliados 138 pacientes (55,4 ± 15,2 anos, 61,6% homens) submetidos à hemodiálise três vezes na semana e há pelo menos três meses. Nove indicadores nutricionais (avaliação subjetiva global - ASG, escore de desnutrição-inflamação (malnutrition inflammation score - MIS), rastreamento de risco nutricional 2002 (nutritional risk screnning 2002 - NRS 2002), porcentagem de massa de gordura - %MG, circunferência muscular do braço - CMB, força do aperto da mão - FAM...

Hospitalização em pessoas idosas : impacto na qualidade de vida

Santos, Gorete Maria Pereira do
Fonte: Universidade de Aveiro Publicador: Universidade de Aveiro
Tipo: Tese de Doutorado
POR
Relevância na Pesquisa
37.27%
As pessoas idosas são hospitalizadas com mais frequência e por períodos superiores por comparação com pessoas mais novas. A literatura indica que a interação entre idade, patologia e cuidados durante o internamento influencia a perceção de Qualidade de Vida (QV) pela pessoa idosa. Esta investigação analisa a influência da hospitalização na QV e espiritualidade das pessoas idosas e pretende contribuir para melhor compreender a hospitalização na velhice, ajudando a desenvolver medidas que promovam a qualidade dos cuidados a pessoas idosas durante a hospitalização. A amostra compreende 250 participantes (≥65 anos). Administrou-se o EASYcare (Sistema de Avaliação de Pessoas Idosas) e a Escala da Espiritualidade em 3 momentos: admissão, alta e follow-up (6 a 12 meses após a alta). Os principais resultados indicam: i) na admissão, as pessoas idosas mais dependentes tendem a ser viúvas, não praticar exercício físico, sentir-se sozinhas e deprimidas; os independentes tendem a estar mais satisfeitos com a sua habitação e a gerir de forma autónoma as suas finanças, apresentando maior escolaridade e sendo mais novos; ii) na alta, as pessoas idosas diminuem a perceção da qualidade de vida, principalmente com aumento da dependência...

Fatores de risco para hospitalização de crianças e adolescentes asmáticos

Lasmar,Laura; Goulart,Eugênio; Sakurai,Emília; Camargos,Paulo
Fonte: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo Publicador: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/08/2002 PT
Relevância na Pesquisa
37.17%
OBJETIVO: Verificar a ocorrência e os fatores de risco associados à hospitalização de um grupo de crianças asmáticas e realizar diagnóstico da assistência à saúde desses pacientes. MÉTODOS: Foram estudados 325 pacientes (crianças e adolescentes) asmáticos, registrados em um ambulatório de referência, sendo que 202 já haviam sido hospitalizados. O diagnóstico da assistência prestada foi feito por meio de formulário que abordou características gerais das hospitalizações e fatores biológicos, demográficos, socioeconômicos e os relacionados à asma. Análises univariada e multivariada foram empregadas para verificar a associação entre variáveis independentes e a ocorrência de hospitalização. RESULTADOS: Dos pacientes estudados, 62,2% já haviam sido hospitalizados durante sua moléstia, 64,9% iniciaram crises, e 60,9% se internaram no primeiro ano de vida. A maioria (76,0%) apresentava formas clínicas moderadas e graves. Apesar disto, 94,2% não estavam em uso de drogas profiláticas, recebendo assistência apenas durante o episódio agudo. Nenhum dos pacientes se encontrava vinculado à atenção primária para controle periódico da doença e profilaxia com corticosteróides inalados. Os familiares (97...

Fatores de risco associados à hospitalização por bronquiolite aguda no período pós-neonatal

Albernaz,Elaine P; Menezes,Ana Maria B; César,Juraci A; Victora,Cesar G; Barros,Fernando C; Halpern,Ricardo
Fonte: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo Publicador: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/08/2003 PT
Relevância na Pesquisa
37.17%
OBJETIVO: Investigar a relação entre fatores socioeconômicos, características maternas, aleitamento e hospitalização por bronquiolite no período pós-neonatal. MÉTODOS: Estudo caso-controle, aninhado a estudo de coorte de 5.304 crianças nascidas na cidade de Pelotas, RS. O estudo de coorte constitui-se de quatro subestudos, cada um com métodos e logística específicos. As mães foram entrevistadas por meio de questionário padronizado, em visitas hospitalares e domiciliares. Foram definidos como casos as crianças com idade entre 28 e 364 dias, que haviam sido hospitalizadas por bronquiolite. RESULTADOS: De 5.304 crianças da coorte, 113 (2,1%) foram hospitalizadas por bronquiolite. A análise multivariada hierarquizada, realizada pela regressão logística, mostrou os seguintes resultados: renda familiar, assim como idade gestacional, estiveram inversamente relacionadas ao risco de hospitalização por bronquiolite. O aleitamento materno desempenhou um fator protetor; crianças com tempo de aleitamento materno inferior a um mês tiveram risco 7 vezes maior de serem hospitalizadas por bronquiolite aguda nos primeiros três meses de vida. O risco de hospitalização por bronquiolite foi 57% maior naquelas expostas ao fumo materno. CONCLUSÕES: A hospitalização por bronquiolite está inversamente relacionada com renda familiar...

Hospitalização e mortalidade por insuficiência cardíaca em hospitais públicos no município de São Paulo

Godoy,Henrique L.; Silveira,José A.; Segalla,Eduardo; Almeida,Dirceu R.
Fonte: Sociedade Brasileira de Cardiologia - SBC Publicador: Sociedade Brasileira de Cardiologia - SBC
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/11/2011 PT
Relevância na Pesquisa
37.17%
FUNDAMENTO: Os avanços no tratamento da insuficiência cardíaca (IC) resultaram em redução da taxa de mortalidade e de hospitalização. Por outro lado, quando hospitalizados, os pacientes apresentam alto risco de óbito. OBJETIVO: Como são poucos os estudos com esse grupo de pacientes no Brasil, analisamos os números de internação e óbito por IC no SUS do município de São Paulo. MÉTODOS: Estudo prospectivo histórico realizado entre 1992 e 2010. Os dados foram obtidos no DATASUS. Utilizamos os testes qui-quadrado e T para a comparação entre os períodos 1992-1993 e 2008-2009 e modelos de regressão logística quando apropriado. O nível de significância considerado foi de 5%. RESULTADOS: Houve redução de 32% no número de internações por IC entre 1992-1993 e 2008-2009 (p = 0,002). A taxa de mortalidade hospitalar por IC foi de 15%, com aumento de 15% no período (p = 0,004). Entre 1992-1993, o tempo médio de hospitalização por IC foi de 8,8 dias. Entre 2008-2009, 11,3 dias (p = 0,001). Agosto foi o mês com maior incidência de internações por IC, 20% maior do que fevereiro, mês de menor incidência (p = 0,041). CONCLUSÃO: Este estudo apresentou as modificações nas tendências de hospitalização e mortalidade hospitalar por IC ao longo das duas últimas décadas. Ressaltamos importantes implicações: 1º: redução em 32% no número de internações por IC em hospitais do SUS no município de São Paulo; 2º: aumento de 25% no tempo de hospitalização; e 3º: padrão sazonal de internação por IC...

Câncer infantil: uma proposta de avaliação as estratégias de enfrentamento da hospitalização

Motta,Alessandra Brunoro; Enumo,Sônia Regina Fiorim
Fonte: Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Pontifícia Universidade Católica de Campinas Publicador: Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Pontifícia Universidade Católica de Campinas
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2004 PT
Relevância na Pesquisa
37.17%
A criança com câncer precisa se adaptar à hospitalização, utilizando estratégias de enfrentamento adequadas a fim de minimizar os efeitos negativos. Visando à elaboração de um instrumento de avaliação das estratégias de enfrentamento da hospitalização, 28 crianças, de 6 a 12 anos, inscritas no serviço de oncologia de um hospital público de Vitória, ES, foram submetidas à aplicação do instrumento: Avaliação das Estratégias de Enfrentamento da Hospitalização, com 41 pranchas ilustradas, divididas nos conjuntos: A: Enfrentamento da hospitalização, e B: Brincar no hospital. Os resultados referentes à adequação do instrumento mostraram um percentual de 88,4% e 94,6% de adequação das pranchas do Conjunto A e do Conjunto B, respectivamente. Os resultados das respostas ao instrumento indicaram um padrão de respostas de enfrentamento mais facilitador (brincar, conversar, tomar remédio e rezar) do que não-facilitador (esconder-se, brigar, sentir culpa, fazer chantagem). O instrumento mostrou-se adequado à compreensão e ao atendimento psicológico à criança hospitalizada.

A comunicação no processo da hospitalização do imigrante japonês

Chubaci,Rosa Yuka Sato; Merighi,Miriam Aparecida Barbosa
Fonte: Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto / Universidade de São Paulo Publicador: Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto / Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2002 PT
Relevância na Pesquisa
37.17%
A comunicação-verbal e não-verbal-no processo da hospitalização é um importante caminho para um novo olhar e agir dos profissionais de enfermagem. Partindo do pressuposto que a compreensão da doença e da hospitalização pode ser prejudicada pelo não entedimento da língua portuguesa, realizamos o presente estudo, que objetivou conhecer a importância da comunicação para o imigrante japonês durante o seu processo de hospitalização. Para desvelar a experiência vivida optamos pela pesquisa qualitativa com abordagem fenomenológica. Entrevistamos 17 pacientes imigrantes japoneses em um hospital na cidade de São Paulo. Resultados mostraram que a dificuldade com o idioma português interfere na compreensão da doença, do tratamento e no relacionamento com a equipe de saúde, fazendo suscitar o sentimento de insegurança, e que a cultura realmente exerce influência importante no comportamento e atitudes desses imigrantes japoneses em relação à doença e hospitalização.

Estratégias de enfrentamento da hospitalização em crianças avaliadas por instrumento informatizado

Moraes,Elissa Orlandi; Enumo,Sônia Regina Fiorim
Fonte: Universidade de São Francisco, Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Psicologia Publicador: Universidade de São Francisco, Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Psicologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2008 PT
Relevância na Pesquisa
37.27%
A hospitalização infantil pode desencadear problemas psicológicos, como depressão e estresse, sendo relevante, então, identificar as estratégias de enfrentamento utilizadas pelas crianças. Esta pesquisa analisou as estratégias de enfrentamento da hospitalização em 28 crianças hospitalizadas entre 5-20 dias, em hospital público da região Sudeste. Suas mães responderam o Child Behavior Checklist (CBCL 6-18 anos) e dados da rotina das crianças. Estas responderam, individualmente, um Instrumento de Avaliação Informatizada do Enfrentamento da Hospitalização (AEHcomp), composto por 20 cenas facilitadoras e não-facilitadoras, que permite identificar 13 estratégias de enfrentamento. No AEHcomp, ocorreram mais respostas facilitadoras à hospitalização (58,8%). Entre 10 estratégias de enfrentamento identificadas, ruminação (22%) e distração (15,5%) foram mais freqüentes. Não houve correlações entre problemas de comportamento anteriores à hospitalização e comportamentos não-facilitadores; mas estes se correlacionaram inversamente à idade e diretamente às mudanças na rotina. Esta avaliação pode subsidiar intervenções preventivas de danos emocionais gerados pela hospitalização.

Sentimentos de familiares acompanhantes de adultos face ao processo de hospitalização

Beuter,Margrid; Brondani,Cecília Maria; Szareski,Charline; Cordeiro,Franciele Roberta; Roso,Camila Castro
Fonte: Universidade Federal do Rio de Janeiro Publicador: Universidade Federal do Rio de Janeiro
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/03/2012 PT
Relevância na Pesquisa
37.17%
O estudo teve como objetivo descrever os sentimentos dos familiares acompanhantes durante a hospitalização de um membro da família e identificar as estratégias adotadas pela equipe de enfermagem para auxiliar o familiar acompanhante no enfrentamento da hospitalização do doente em uma unidade de clínica médica. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, utilizando-se o Método Criativo e Sensível para produção dos dados através da dinâmica "Almanaque". Os dados foram submetidos à análise de discurso francesa, emergindo dois temas: sentimentos de familiares acompanhantes oriundos do processo de hospitalização e estratégias da equipe de enfermagem para auxiliar o familiar acompanhante no enfrentamento da hospitalização do doente. Identificaram-se os sentimentos de solidão, abandono, apreensão, desespero e impotência. Constata-se que estratégias como a realização de grupos de apoio e de oração, a utilização da comunicação clara e coesa e o estabelecimento de uma relação solidária com o familiar acompanhante contribuirão na superação daqueles sentimentos.

Hospitalização do recém-nascido: freqüência e fatores associados

Araújo, Carla Adriane Fonseca Leal de; Lima, Marilia de Carvalho (Orientador)
Fonte: Universidade Federal de Pernambuco Publicador: Universidade Federal de Pernambuco
Tipo: Outros
PT_BR
Relevância na Pesquisa
37.27%
A ocorrência de doenças e a mortalidade neonatal constituem um importante problema de saúde pública e resultam da interação de múltiplos fatores que podem agir desde antes da gestação. Dentre as fontes de informação a respeito da morbidade, os estudos sobre hospitalização possibilitam o conhecimento das condições de vida da população e a avaliação do serviço onde à assistência está sendo prestada. Assim, com o objetivo de se compreender os fatores os quais contribuem para hospitalização do recém-nascido, estruturou-se esta dissertação em um capítulo de revisão da literatura e um artigo original. Durante a realização da revisão da literatura, foram pesquisados artigos sobre os fatores determinantes da hospitalização em crianças, nos bancos de dados Medline, Scielo e Lilacs, usando os decritores: hospitalization, emergency, hospitalization determinants, child, newborn, morbidity. Esses fatores, como condições sociodemográficas adversas, destacando-se a renda familiar, nível de escolaridade dos pais e a idade materna, o baixo peso ao nascimento, a má qualidade da assistência prestada à mãe durante a gestação e o parto assim como o não-estabelecimento do aleitamento materno, estão associados à ocorrência de doenças no período neonatal. Para o artigo original...

Implicações no processo de hospitalização no cotidiano e nas relações familiares do idoso

Andreatta, Ana Paula Fabbris
Fonte: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul; Porto Alegre Publicador: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul; Porto Alegre
Tipo: Dissertação de Mestrado
PORTUGUêS
Relevância na Pesquisa
37.17%
A presente pesquisa, realizada em dois hospitais de Porto Alegre, tem por objetivo investigar quais as implicações dp processo de hospitalização na vida dos sujeitos entrevistados (15 idosos e 15 familiares). Para isso foram construídos dois formulários distintos, um para o idoso e o outro para o familiar. Durante a coleta de dados realizaram-se questionamentos referentes ao processo de hospitalização, adoecimento, período pós¬hospitalar, saúde, velhice e suporte social. A proposta investigativa foi submetida à Comissão Científica da Faculdade de Serviço Social e ao Comitê de Ética em Pesquisa da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Considerando a complexidade que envolve o processo de hospitalização do idoso, optou-se pela realização de um estudo que possibilitasse o desocultamento desta realidade. O referencial dialético-crítico orientou toda a construção do projeto de pesquisa e a sistematização dos resultados obtidos. As categorias do método utilizadas para a análise e interpretação dos dados foram: historicidade, contradição e totalidade. As categorias explicativas da realidade eleitas foram: hospitalização, envelhecimento populacional, família, independência e dependência. Durante o processo de interpretação dos resultados emergiram as seguintes categorias empíricas: adoecimento...

O exercício parental durante a hospitalização do filho : intencionalidades terapêuticas de enfermagem face à parceria de cuidados

Sousa, Paula Cristina Moreira Mesquita de
Fonte: Universidade Católica Portuguesa Publicador: Universidade Católica Portuguesa
Tipo: Tese de Doutorado
Publicado em 25/02/2013 POR
Relevância na Pesquisa
37.35%
Parentalidade pode ser entendida como o assumir das responsabilidades de ser pai de uma criança durante o seu desenvolvimento. Isso implica um papel ativo e eficaz em que os pais se sentem ligados à criança e possuem o conhecimento e as habilidades para desempenhar o papel de ser um pai ou uma mãe. Por vezes, a condição de saúde da criança requer um episódio de hospitalização. Viver a experiência de ter um filho internado muitas vezes é difícil e complexo. A atitude dos pais ao lidar com o internamento do seu filho depende das características pessoais dos pais, dos enfermeiros, bem como das características pessoais da própria criança. Nesta situação, a atitude dos pais depende também do tipo de assistência de enfermagem que recebem e da própria condição de saúde da criança. Estabelecer uma parceria de cuidados, entre enfermeiros e pais em unidades pediátricas hospitalares é visto como o melhor caminho para alcançar os melhores resultados. Assim, nos dias de hoje, a parceria de cuidados é exigida por pais e por enfermeiros, dado que muitos benefícios foram já identificados. A capacidade dos enfermeiros para trabalhar em parceria com os pais é uma competência essencial para alcançar melhores padrões de qualidade dos cuidados de enfermagem. Os pais devem ser vistos pelos enfermeiros como parceiros no cuidar da criança. No entanto...

O uso de estratégias lúdicas e o trabalho psicológico no processo de hospitalização infantil

Medeiros, Bárbara Ramos Peregrino
Fonte: Centro Universitário de Brasília Publicador: Centro Universitário de Brasília
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso
PT_BR
Relevância na Pesquisa
37.3%
Este estudo buscou analisar o trabalho do psicólogo a partir de revisão bibliográfica, enfatizando o uso de estratégias lúdicas como forma de minimização do sofrimento e sequelas emocionais da criança durante o processo de internação. No primeiro capítulo buscou-se descrever o processo da hospitalização e sua complexidade, em que é possível identificar as implicações que uma hospitalização traz para a vida do indivíduo e da criança. O segundo capítulo descreve o trabalho do psicólogo no cenário do hospital, em que este busca, por meio de diferentes estratégias, minimizar os sentimentos negativos advindos da hospitalização do paciente. O terceiro capítulo descreve o uso das estratégias lúdicas pelo psicólogo como facilitador para o enfrentamento da hospitalização e adesão ao tratamento neste cenário. O trabalho do psicólogo no contexto hospitalar, em acordo com o uso de estratégias lúdicas, conforme a necessidade que a criança apresenta, é fundamental para que a hospitalização não ocasione experiências unicamente negativas, e assim se busque visualizar melhores estratégias que atenuem o impacto da hospitalização. A partir do estudo sobre a temática da pediatria, são identificados diversos fatores que devem ser trabalhados na infância...

Fatores de risco para hospitalização de crianças e adolescentes asmáticos; Risk factors for hospital admissions among asthmatic children and adolescents

Lasmar, Laura; Goulart, Eugênio; Sakurai, Emília; Camargos, Paulo
Fonte: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública Publicador: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; ; ; ; Formato: application/.pdf
Publicado em 01/08/2002 POR
Relevância na Pesquisa
37.17%
OBJETIVO: Verificar a ocorrência e os fatores de risco associados à hospitalização de um grupo de crianças asmáticas e realizar diagnóstico da assistência à saúde desses pacientes. MÉTODOS: Foram estudados 325 pacientes (crianças e adolescentes) asmáticos, registrados em um ambulatório de referência, sendo que 202 já haviam sido hospitalizados. O diagnóstico da assistência prestada foi feito por meio de formulário que abordou características gerais das hospitalizações e fatores biológicos, demográficos, socioeconômicos e os relacionados à asma. Análises univariada e multivariada foram empregadas para verificar a associação entre variáveis independentes e a ocorrência de hospitalização. RESULTADOS: Dos pacientes estudados, 62,2% já haviam sido hospitalizados durante sua moléstia, 64,9% iniciaram crises, e 60,9% se internaram no primeiro ano de vida. A maioria (76,0%) apresentava formas clínicas moderadas e graves. Apesar disto, 94,2% não estavam em uso de drogas profiláticas, recebendo assistência apenas durante o episódio agudo. Nenhum dos pacientes se encontrava vinculado à atenção primária para controle periódico da doença e profilaxia com corticosteróides inalados. Os familiares (97...

A comunicação no processo da hospitalização do imigrante japonês; La comunicación en el proceso de la hospitalización del inmigrante japonés; Communication during the hospitalization of Japanese immigrant patients

Chubaci, Rosa Yuka Sato; Merighi, Miriam Aparecida Barbosa
Fonte: Universidade de São Paulo. Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto Publicador: Universidade de São Paulo. Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Formato: application/pdf
Publicado em 01/12/2002 POR
Relevância na Pesquisa
37.17%
A comunicação-verbal e não-verbal-no processo da hospitalização é um importante caminho para um novo olhar e agir dos profissionais de enfermagem. Partindo do pressuposto que a compreensão da doença e da hospitalização pode ser prejudicada pelo não entedimento da língua portuguesa, realizamos o presente estudo, que objetivou conhecer a importância da comunicação para o imigrante japonês durante o seu processo de hospitalização. Para desvelar a experiência vivida optamos pela pesquisa qualitativa com abordagem fenomenológica. Entrevistamos 17 pacientes imigrantes japoneses em um hospital na cidade de São Paulo. Resultados mostraram que a dificuldade com o idioma português interfere na compreensão da doença, do tratamento e no relacionamento com a equipe de saúde, fazendo suscitar o sentimento de insegurança, e que a cultura realmente exerce influência importante no comportamento e atitudes desses imigrantes japoneses em relação à doença e hospitalização.; La comunicación-verbal y no-verbal-en el proceso de la hospitalización es un importante camino para una nueva observación y acción de los profesionales de la enfermería. A partir del supuesto de que la comprensión de la enfermedad y de la hospitalización puede ser perjudicada por el no entendimiento del idioma portugués...

Vivência dos pais durante a hospitalização do recém-nascido prematuro

Fernandes,Nelita Gonçalves Vieira; Silva,Ernestina Maria Batoca
Fonte: Escola Superior de Enfermagem de Coimbra - Unidade de Investigação em Ciências da Saúde - Enfermagem Publicador: Escola Superior de Enfermagem de Coimbra - Unidade de Investigação em Ciências da Saúde - Enfermagem
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/02/2015 PT
Relevância na Pesquisa
37.17%
Enquadramento: Assiste-se ao aumento do nascimento de bebés prematuros e os pais são confrontados com várias dificuldades e constrangimentos, principalmente se o prematuro requer hospitalização. Objetivos: Identificar os sentimentos vivenciados pelos pais perante o nascimento antecipado de um filho; demonstrar a influência da hospitalização na adaptação à parentalidade. Metodologia: Estudo qualitativo, exploratório-descritivo, numa amostra não probabilística constituída por 12 pais que tiveram o filho internado em cuidados intensivos neonatais. Utilizámos a entrevista semiestruturada e efetuámos análise de conteúdo. Resultados: Emergiram sete categorias: Impacto do nascimento prematuro; Sentimentos/ emoções dos pais; Parentalidade face à hospitalização de um filho; Acontecimentos marcantes para os pais relacionados com o recém-nascido; Apoios recebidos pelos pais; Opinião dos pais face à hospitalização; Aspetos institucionais a melhorar. Conclusão: Acreditamos que os resultados nos ajudam a compreender as dificuldades e significados atribuídos à vivência dos pais, no sentido de se fortalecerem medidas de humanização dos processos de adaptação à doença e promoção da parentalidade, otimizando os cuidados de Enfermagem.

Brincar no hospital: câncer infantil e avaliação doenfrentamento da hospitalização

Motta,Alessandra Brunoro; Enumo,Sônia Regina Fiorim
Fonte: Sociedade Portuguesa de Psicologia da Saúde Publicador: Sociedade Portuguesa de Psicologia da Saúde
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/2002 PT
Relevância na Pesquisa
37.27%
A hospitalização pode trazer prejuízos ao desenvolvimento da criança com câncer. Para lidar com essa situação, o brincar tem funcionado como estratégia de enfrentamento. Analisando a importância do brincar no hospital, esta pesquisa avaliou as estratégias de enfrentamento da hospitalização, a partir de relatos de 28 crianças, meninas e meninos (6 a 12 anos), inscritas no Serviço de Oncologia de um hospital público de Vitória, ES, Brasil. Propôs-se um instrumento de avaliação do enfrentamento da hospitalização: AEH (Avaliação das Estratégias de Enfrentamento da Hospitalização), com 41 pranchas ilustradas, divididas nos Conjuntos: A - Enfrentamento da Hospitalização e B - Brincar no Hospital. Os resultados indicaram respostas de enfrentamento mais positivas (brincar, ler gibi, conversar, rezar) do que negativas (esconder-se, sentir culpa, chantagear). Brincar correspondeu a 78,6% das respostas relacionadas ao que a criança hospitalizada gostaria de fazer, justificado pela função lúdica. O instrumento mostrou-se adequado à compreensão e atendimento psicológico da hospitalização.