Página 1 dos resultados de 5383 itens digitais encontrados em 0.073 segundos

Entre monárquicos e republicanos numa "Cidade de Deus" : história política e social de Braga no contexto nacional : 1890-1933

Sousa, Amadeu José Campos de
Fonte: Universidade de Coimbra Publicador: Universidade de Coimbra
Tipo: Tese de Doutorado
POR
Relevância na Pesquisa
95.82%
“Almejar mais e melhor”. Este poderá bem ser o lema que impulsionou a longa caminhada, iniciada anos atrás, direccionada para a compreensão da história política e social de Braga desde o declinar da Monarquia até aos primórdios do Estado Novo. Anteriormente, havíamos já desenvolvido uma investigação centrada na história política de Braga confinada ao período compreendido entre 1890 e 1926. Não obstante termos descortinado nesse trabalho uma realidade até então, no essencial, desconhecida, afigurou-se-nos pertinente, entretanto, analisar mais profunda e alargadamente a temática em causa. A aproximação do centenário da proclamação da República, impõe-se confessá-lo, constituiu-se num estímulo adicional para procurarmos compreender melhor uma realidade já esboçada, mas a nossa condição de minhoto residente em Braga desde há muitos anos não deixou de pesar no árduo projecto de investigação em que nos envolvemos. Conhecer o pulsar político da cidade de Braga e do seu espaço envolvente no percurso do republicanismo, manifesto nos últimos anos da Monarquia, até à clausura da República – na sequência da revolução de 28 de Maio de 1926, desencadeada justamente em Braga – e aferir das características da sociedade bracarense neste período estatui-se...

D. João I : um retrato épico : o mito do rei (re)fundador na epopeia setecentista Joanneida ou a liberdade de Portugal defendida pelo Senhor Rey D. João I

Ventura, Luís Miguel Martins
Fonte: Universidade Aberta de Portugal Publicador: Universidade Aberta de Portugal
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2009 POR
Relevância na Pesquisa
95.68%
Dissertação de Mestrado em Estudos Portugueses Interdisciplinares apresentada à Universidade Aberta

O desenvolvimento de competências específicas na área curricular de História e Geografia de Portugal em sete alunos com necessidades educativas especiais numa turma do 5º ano de escolaridade

Ginjeira, Sandra Maria de Almeida
Fonte: Repositório Científico Lusófona Publicador: Repositório Científico Lusófona
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
85.81%
O presente trabalho incide sobre a problemática do ensino/aprendizagem da História e Geografia de Portugal numa turma de 5ºano com sete alunos portadores de Necessidades Educativas Especiais : dois alunos com espectro do autismo; dois com Hiperactividade e Deficit de Atenção; um com Síndrome de Prader Willi; um com atraso global do desenvolvimento e outro com uma disfunção comportamental grave. A observação , o estudo e a pesquisa foi o caminho seguido no sentido de (re)produzir uma metodologia adequada a uma turma com tal diversidade, numa perspectiva de escola aberta a todos, onde todos aprendem juntos independentemente das suas dificuldades , no respeito pelos ritmos e estilos de aprendizagem de cada um. No sentido de superar as práticas tradicionais, isto é superar o ensinar a todos como se fossem um, seguimos as orientações de Perrenoud (2000) que propõe a adopção da pedagogia diferenciada como resposta pertinente às exigências de uma escola para todos. A gestão das diferentes necessidades e características dos alunos, e a reorganização /recriação de conteúdos e/ou metodologias e /ou materiais que melhor respondessem a essa diversidade permitiram a aquisição das competências curricularmente consideradas necessárias ao cumprimento da escolaridade obrigatória. Confirmamos assim...

Memória e história no teatro de D. João da Câmara " O beijo do infante" e "Triste viuvinha; Memory and history in the theater of D. João da Câmara "O beijo do infante" and "Triste Viuvinha"

Bedeschi, Aurea Luiza
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 25/04/2011 PT
Relevância na Pesquisa
95.77%
Nesta dissertação, serão levantados na peça histórica O beijo do Infante alguns fatos relacionados às Grandes Navegações, a partir da memória de um velho marinheiro que enaltece os feitos de D. Henrique. O luto das famílias que ficaram em terra, as opiniões contrárias aos empreendimentos marítimos são analisados nas falas dos outros personagens e aproximados da crítica anti-expansionista, presente no episódio do Velho do Restelo. Na segunda peça, Triste viuvinha, serão levantadas as diversas leituras acerca da sociedade portuguesa, no final do século XIX. Essas considerações tomaram sentido a partir da análise das peças em conjunto com o suporte da história de Portugal, com os estudos da memória, da saudade e do saudosismo. Dessa forma, tem-se como objetivo interpretar as atribuições que o dramaturgo pretendeu enviar à comunidade quando leram ou assistiram as encenações; This dissertation studies some facts related to the Great Navigations, from the memory of an old sailor who praises the accomplishments of D. Henry, in the historic part of O beijo do Infante. The mourning of the families which stay ashore, opinions contrary to maritime enterprises are seen in the lines of the others characters.The second part deals with Triste viuvinha and studies various readings of the Portuguese society in the late nineteenth century. These considerations have taken place from the analysis of the pieces...

Gramaticalização do foco no português do Brasil e de Portugal: estudo de diferentes sincronias da construção sendo que; Grammaticalization of focus in Portuguese from Brazil and Portugal: study of different synchronicities of the construction being that

Rauber, André Luiz
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 26/02/2014 PT
Relevância na Pesquisa
85.8%
Esta pesquisa descreve os usos e funções da perífrase sendo que ao longo da sua história (século XVI ao XXI) em duas variedades do português: o português do Brasil (PB) e o português de Portugal (PP). Objetiva demonstrar, a partir de dados empíricos, que tal perífrase é uma construção polifuncional nas duas variedades linguísticas investigadas. No domínio pragmático (DIK, 1989, 1997), ela desempenha, em certos contextos, a função de um marcador de focalização da informação proeminente de um conteúdo comunicado. Essa é a hipótese para a tese aqui defendida: a construção sendo que revelaria a gramaticalização de uma espécie de focalizador no PP e no PB. A base teórica concentra-se numa concepção funcionalista da linguagem, conforme os estudos de Dik (1989, 1997), Halliday (2004), Lehmann (1982, 1985, 1991, 2002) e Givón (1985). O estudo da mudança linguística, sob o escopo da gramaticalização, segue o viés teórico de Heine, Claudi & Hünnemeyer (1991), Heine (1993, 1997), Hopper e Traugott (1993, 2003), Taylor (2006) e Heine e Kuteva (2002). A análise dos mecanismos de (inter)subjetivação, envolvidos na abstratização, segue os estudos de Traugott (1982, 1989, 1995, 2002, 2010), de Traugott & Dasher (2002) e de Langacker (1985...

História de Portugal no 1º ciclo do ensino básico : os programas, os manuais e a voz dos alunos

Freitas, Maria Luísa Amaral Varela de
Fonte: Universidade do Minho. Instituto de Educação e Psicologia. Centro de Investigação em Educação Publicador: Universidade do Minho. Instituto de Educação e Psicologia. Centro de Investigação em Educação
Tipo: Conferência ou Objeto de Conferência
Publicado em //2005 POR
Relevância na Pesquisa
115.88%
Ao replicar, em 2004, um estudo desenvolvido em 1998 sobre manuais de Estudo do Meio, fui confrontada com significativas alterações nesses manuais em relação aos conteúdos e metodologias de aprendizagem de história de Portugal. Não se tratou apenas da introdução de muitos conteúdos mas da forma como são apresentados e a concepção de história tradicional, factual, que evidenciam. Na análise que as crianças fizeram dos manuais que estavam a usar, através de questões sobre o que gostavam e não gostavam e da selecção de páginas preferidas ou não e das justificações para essas escolhas, foram surpreendentes as reacções, umas de verdadeira repulsa por esse tipo de história e da maneira como foi ensinada mas também outras de apreço. Assim, numa primeira secção reflecte-se sobre a natureza da História e brevemente sobre a História de Portugal proposta nos programas do Ensino Básico do 1º ciclo nas últimas décadas e sobre o papel dos manuais escolares na difusão e implementação, ou não, dessas orientações. Numa segunda secção analisa-se a posição de um grupo de crianças perante o tipo de história apresentada nos manuais actuais e a forma como o seu ensino terá sido promovido.; Centro de Investigação em Educação (CIEd).; Fundação Calouste Gulbenkian (FCG).; Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT).; Direcção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular (DGIDC).

História Religiosa de Portugal, vol. 1

Azevedo, Carlos Moreira
Fonte: Círculo de Leitores Publicador: Círculo de Leitores
Tipo: Livro
Publicado em //2000 POR
Relevância na Pesquisa
85.84%
O 1º volume da História Religiosa de Portugal aborda o desafio multissecular das várias consciências religiosas com a cristandade em ascensão, no espaço correspondente ao território português, desde o fundo religioso autóctone e romanizado até ao confronto com o Islão e o diálogo difícil com o Judaísmo. O Portugal religioso tem uma história horizontal ao lado do cristianismo europeu, mas também possui uma singularíssima história religiosa, na qual se juntam mundos culturais em agitada relação na Península Ibérica.

História Religiosa de Portugal, vol. 2

Azevedo, Carlos Moreira
Fonte: Círculo de Leitores Publicador: Círculo de Leitores
Tipo: Livro
Publicado em //2000 POR
Relevância na Pesquisa
95.83%
O 2º volume da História Religiosa de Portugal, centrado na época moderna, aborda um período da história de Portugal marcado pelo esbatimento das diferenciações religiosas, de que é exemplo a “conversão forçada” dos judeus. A perspetiva dos Humanismos e Reformas é prolongada até à Revolução Liberal de 1820. É o tempo do catolicismo triunfante, no confronto com a renovação evangélica das ordens religiosas, a crítica dos humanistas, a presença das minorias protestantes, a reforma tridentina, os humanismos iluminados ou “racionais”. Época de viragem para o Cristianismo. Unido no princípio da época, o mundo cristão aparece agora dividido.

Dicionário de História Religiosa de Portugal, vol. A-C

Azevedo, Carlos Moreira
Fonte: Círculo de Leitores Publicador: Círculo de Leitores
Tipo: Livro
Publicado em //2000 POR
Relevância na Pesquisa
85.8%
1º volume de um dicionário historiográfico em 4 volumes sobre identidades, movimentos, instituições e práticas associadas ao fenómeno religioso na sociedade portuguesa. O Dicionário foi desenvolvidos em simultâneo e parte integrante da História Religiosa de Portugal. É um instrumento de trabalho que, através de 400 entradas, permite uma alargada visão e um conhecimento mais aprofundado sobre temas como: História das Dioceses, Ordens Religiosas, Missões, Arte Sacra, Hagiografia e Religiosidade Popular.

Dicionário de História Religiosa de Portugal, vol. C-I

Azevedo, Carlos Moreira
Fonte: Círculo de Leitores Publicador: Círculo de Leitores
Tipo: Livro
Publicado em //2000 POR
Relevância na Pesquisa
85.8%
2º volume de um dicionário historiográfico em 4 volumes sobre identidades, movimentos, instituições e práticas associadas ao fenómeno religioso na sociedade portuguesa. O Dicionário foi desenvolvido em simultâneo e parte integrante da História Religiosa de Portugal. É um instrumento de trabalho que, através de 400 entradas, permite uma alargada visão e um conhecimento mais aprofundado sobre temas como: História das Dioceses, Ordens Religiosas, Missões, Arte Sacra, Hagiografia e Religiosidade Popular.

Dicionário de História Religiosa de Portugal, vol. J-P

Azevedo, Carlos Moreira
Fonte: Círculo de Leitores Publicador: Círculo de Leitores
Tipo: Livro
Publicado em //2001 POR
Relevância na Pesquisa
85.8%
3º volume de um dicionário historiográfico em 4 volumes sobre identidades, movimentos, instituições e práticas associadas ao fenómeno religioso na sociedade portuguesa. O Dicionário foi desenvolvido em simultâneo e parte integrante da História Religiosa de Portugal. É um instrumento de trabalho que, através de 400 entradas, permite uma alargada visão e um conhecimento mais aprofundado sobre temas como: História das Dioceses, Ordens Religiosas, Missões, Arte Sacra, Hagiografia e Religiosidade Popular.

Dicionário de História Religiosa de Portugal, vol. P-V

Azevedo, Carlos Moreira
Fonte: Círculo de Leitores Publicador: Círculo de Leitores
Tipo: Livro
Publicado em //2001 POR
Relevância na Pesquisa
85.8%
4º volume de um dicionário historiográfico em 4 volumes sobre identidades, movimentos, instituições e práticas associadas ao fenómeno religioso na sociedade portuguesa. O Dicionário foi desenvolvido em simultâneo e parte integrante da História Religiosa de Portugal. É um instrumento de trabalho que, através de 400 entradas, permite uma alargada visão e um conhecimento mais aprofundado sobre temas como: História das Dioceses, Ordens Religiosas, Missões, Arte Sacra, Hagiografia e Religiosidade Popular.

A utilização do friso cronológico no ensino e aprendizagem da história e geografia de Portugal

João, Andreia Sofia Lopes da Ponte
Fonte: Repositório Comum de Portugal Publicador: Repositório Comum de Portugal
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em /02/2015 POR
Relevância na Pesquisa
85.86%
O presente estudo tem como finalidade analisar de que modo os(as) alunos(as), de uma turma de 5.º ano de escolaridade do Agrupamento Vertical de Escolas Pinhal de Frades, utilizam o friso cronológico, de modo a clarificar a perceção temporal relativamente à disciplina de História e Geografia de Portugal. Nesse sentido, o mesmo insere-se numa dupla vertente, uma vez que se centra, não só, no desenvolvimento de competências específicas, como também no envolvimento com esta disciplina. Metodologicamente, o estudo segue uma abordagem qualitativa, de cariz interpretativo, baseada numa experiência de ensino. Em termos pedagógicos, encontra-se organizado em três fases: (1) construção da base do friso cronológico; (2) preparação das aulas com o friso cronológico e (3) aulas de exploração com o friso cronológico. A proposta pedagógica desenvolveu-se ao longo de quatro semanas. A análise dos dados recolhidos permite encarar com otimismo a utilização e o contributo do friso cronológico para a estruturação das noções de tempo em História e Geografia de Portugal. O estudo evidencia que o trabalho com o friso cronológico envolve um processo sistemático com os(as) alunos(as), que leva o seu tempo e obriga a uma certa persistência e continuidade da parte do(a) professor(a).; The present study’s target is to analyze the way 5th grade students from Agrupamento Vertical de Escolas Pinhal de Frades...

Portugal é o mar

Meneses, Avelino de Freitas de
Fonte: Universidade dos Açores Publicador: Universidade dos Açores
Tipo: Artigo de Revista Científica
Publicado em //2007 POR
Relevância na Pesquisa
85.83%
Conferência proferida no Palácio dos Capitães-Generais em Angra do Heroísmo, a 10 de Junho de 2006, na Sessão Solene Comemorativa do Dia de portugal, promovida pelo Representante da República para a Região Autónoma dos Açores; "[...]. No fim da Idade Média, é a necessidade de conhecimento do mar que motiva o descobrimento das ilhas. Com efeito, a ameaça do Islão obriga a Europa à exploração do Atlântico, que principia com o desvendar da costa africana e com incursões nos arquipélagos fronteiros, nas Canárias, na Madeira e nos Açores. Nas Idades Moderna e Contemporânea, é a relevância do mar que provoca o realce dos Açores. Em virtude de uma posição geográfica de privilégio, determinada pelas condições da natureza e pelo carácter da navegação, as ilhas assumem grande importância nas relações transatlânticas, quando o domínio dos oceanos equivale ao meio de engrandecimento dos estados. O mar português, mais do que o mar do passado, será o mar do futuro. Hoje, conserva uma importância inquestionável, como instrumento de acção política, como fonte de inúmeros recursos. Para a União Europeia, demasiado continentalizada, depois do mais recente alargamento, que possibilitou a inclusão de 10 países do centro e do leste...

Tratado de pazes, entre os serenissimos e poderosissimos Principes D. Carlos II, Rey Catholico, e D. Afonso VI, Rey de Portugal, feito, e concluso no Convento de Sancto Eloy da Cidade de Lisboa, aos 13 de fevereiro de 1668 : sendo mediator o serenissimo, e poderosissimo Principe Carlos II, Rey da Gram Bretanha

Espanha. Tratados etc.; Portugal. Tratados etc.
Fonte: Na Impressão de Antonio Craesbeeck de Mello, Impressor Del Rey N.S. & Sua Alteza Publicador: Na Impressão de Antonio Craesbeeck de Mello, Impressor Del Rey N.S. & Sua Alteza
Tipo: livro Formato: 30 p.
PT_BR
Relevância na Pesquisa
85.8%
Analisa esse tratado que põe fim às guerras da Restauração de Portugal, mandando devolver a cada uma das partes as conquistas que à outra tiverem feito. Nas colônias, a paz passaria a vigorar um ano após a sua publicação, dado o tempo necessário para que a notícia chegasse à América e à Ásia.; Coleção Marcio Moreira Alves.

Historia de Portugal restaurado, offerecida ao Illustmo e Excellentmo Senhor D. Joseph Mascarenhas, do Conselhor de sua Magestade, seu mordomo mór... : escrita por D. Luiz de Menezes, conde da Ericeira, do Conselho de Estado de Sua Magestade.

Ericeira, Luiz de Menezes, Conde da, 1632-1690
Fonte: Lisboa : Na Officina de Domingos Rodrigues, Offic. dos Herd. de Antonio Pedrozo Galram Publicador: Lisboa : Na Officina de Domingos Rodrigues, Offic. dos Herd. de Antonio Pedrozo Galram
Tipo: livro Formato: 4 v.
PT_BR
Relevância na Pesquisa
95.89%
Luis de Menezes, terceiro Conde da Ericeira, nasceu em Lisboa em 1632 e suicidou-se em 1690. Foi chamado de Colbert português por ter estimulado a introdução das artes fabris e industriais em Portugal. Escreveu ‘Historia de Portugal restaurado offerecida ao Illustmo e Excellentmo Senhor D. Joseph Mascarenhas’ em duas partes: a primeira, em 1679 e a segunda, em 1698. A mesma historia obteve depois diversas reimpressões, a saber: Parte I, dividida nos tomos I e II, Lisboa, na Oficina de Domingos Rodrigues, em 1751; Parte II, dividida nos tomos III e IV, Lisboa, na Oficina dos herdeiros de Antonio Pedroso Galram, em 1751. Saiu uma terceira vez em Lisboa em 1759. Segundo Inocêncio, ‘compreende esta historia a narração de todos os sucessos militares e políticos ocorridos em Portugal, desde a restauração de 1640 até o ano de 1668, em que se celebraram as pazes com o reino de Castela’

Memória das águas de Alfama

Oliveira, Carlos Manuel de Barros Martins Beirão de
Fonte: Universidade Aberta de Portugal Publicador: Universidade Aberta de Portugal
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: 110369714 bytes; application/pdf
Publicado em //2008 POR
Relevância na Pesquisa
95.76%
Dissertação de Mestrado em Estudos do Património apresentada à Universidade Aberta; Resumo - Este trabalho pretende dar a conhecer a importância que as nascentes de Alfama tiveram na história de Lisboa. Articula-se em duas partes. Na primeira, que serve de contextualização, recuperam-se as memórias e a história do abastecimento de água a Lisboa, até à formação da 2.ª Companhia das Águas. A segunda é inteiramente dedicada a Alfama, às nascentes, bicas, fontes, chafarizes, assim como a outros locais que, directa ou indirectamente, estão ligados à memória da água no bairro e que tiveram um papel determinante na vida da população da cidade. Aborda-se ainda a temática das águas minerais, num passado ainda recente tão populares e hoje praticamente desconhecidas do grande público; descreve-se o modo como estas águas foram exploradas nos chamados “Banhos”, pequenos estabelecimentos termais, ainda em funcionamento durante as primeiras décadas do século passado. O trabalho inclui ainda uma breve abordagem ao estudo da hidrologia local, fundamental para a compreensão de toda a problemática relacionada com a água e as dificuldades na sua distribuição pelas diversas zonas sucessivamente ocupadas pela cidade ao longo dos vários séculos da sua existência; Résumé - L’objectif de ce travail...

Memória e império : comemorações em Portugal : 1880-1960

João, Maria Isabel
Fonte: Universidade Aberta de Portugal Publicador: Universidade Aberta de Portugal
Tipo: Tese de Doutorado
Publicado em //1999 POR
Relevância na Pesquisa
85.83%
Tese de Doutoramento em História Contemporânea apresentada à Universidade Aberta; Este estudo analisa as comemorações dos centenários relacionados com os descobrimentos, a expansão e o império. A única comemoração regular incluída é o 10 de Junho, Festa de Portugal desde 1925. As conotações de que se foi revestindo o feriado é uma história bem expressiva das apropriações ideológicas e políticas deste tipo de eventos. O período cronológico abordado situa-se entre 1880 e 1960. A delimitação decorre do próprio objecto de análise, visto que entre o primeiro ano e o último se situam os grandes centenários relacionados com os tópicos seleccionados. Depois de 1960, tais comemorações perderam o élan e tiveram uma projecção mais limitada. Mas mais importante ainda do que a questão dos centenários é a articulação que pode ser feita entre as duas datas no que se refere à edificação do Império Africano: em 1880, ainda dava os primeiros passos e, em 1960, estava a chegar ao princípio do fim. Assim, entre o tricentenário da morte de Camões e o quinto centenário da morte do Infante D. Henrique se situou o essencial da construção da memória e do imaginário nacionalista do país. Começamos, no primeiro capítulo...

A escola portuguesa ao serviço do Estado Novo: as lições de história de Portugal do boletim do ensino primário oficial e o projeto ideológico do salazarismo

Pereira, Maria Paula
Fonte: CIED – Centro Interdisciplinar de Estudos Educacionais/Escola Superior de Educação de Lisboa Publicador: CIED – Centro Interdisciplinar de Estudos Educacionais/Escola Superior de Educação de Lisboa
Tipo: Artigo de Revista Científica
Publicado em /03/2014 POR
Relevância na Pesquisa
85.84%
O presente ensaio considera o Boletim da Direção Geral do Ensino Primário, Escola Portuguesa, como um importante meio de comunicação da política educativa do Estado Novo junto do professorado primário, com objetivos de orientação e inculcação ideológica. Uma análise do lugar ocupado pela História de Portugal nas páginas da Escola Portuguesa é esboçada para o período compreendido entre 1934 e 1946. Os acontecimentos e as figuras da História portuguesa que são usados como elementos estruturantes do discurso políticoideológico do Salazarismo são identificados. Estas práticas discursivas têm como principais objetivos a legitimação do regime e a operacionalização do seu programa político junto dos agentes educativos, alunos e comunidade local.; Abstract: This essay considers the Bulletin of the General Directorate of Primary Education, EscolaPortuguesa, as an important means of communicating Estado Novo education policy towards primary school teachers in order to purpose them orientation and ideological indoctrination. Analysis of the role of Escola Portuguesa, between 1934 e 1946, in the Portuguese History is outlined. The role of relevant events and personages of Portuguese History, used as structural elements of the regime ideology...

Notas breves de uma visita ao futuro do primeiro rei de Portugal com comentário ao catálogo da exposição “D. Afonso - Marca Registada”

Martins,Humberto
Fonte: Centro em Rede de Investigação em Antropologia - CRIA Publicador: Centro em Rede de Investigação em Antropologia - CRIA
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2010 PT
Relevância na Pesquisa
85.8%
Tendo como ponto de partida uma visita à exposição D. Afonso® (Centro Cultural Vila Flor, Guimarães, 2009), que nos mostrava apropriações diversas, criativamente feitas ao longo do tempo, da imagem do primeiro rei de Portugal, procura-se reflectir sobre o impacte visual da mesma nos seus visitantes. O texto resulta, assim, numa breve etnografia da visita, com referência aos materiais expostos (visíveis e não visíveis), ao mesmo tempo que são projectadas reflexões questões em torno de como a história e as figuras da história de Portugal são (e podem ser) recordadas, contadas e (co)modificadas.