Página 1 dos resultados de 8460 itens digitais encontrados em 0.007 segundos

O contador de histórias : das representações literárias ao contexto educativo atual

Luciano, Ana Margarida Vieira
Fonte: Universidade Aberta de Portugal Publicador: Universidade Aberta de Portugal
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2014 POR
Relevância na Pesquisa
36.87%
Dissertação de Mestrado em Gestão da Informação e Bibliotecas Escolares apresentada à Universidade Aberta; A arte dos contadores de histórias foi algo que sempre nos interessou. Numa época em que a consciência da importância pedagógica e social do ato de contar histórias está a renascer, pareceu-nos relevante refletir acerca da ação do contador e das funções da narração oral e da leitura em voz alta em contexto educativo. A Biblioteca Escolar surge como potencial polo dinamizador e articulador, por excelência, de atividades relacionadas com o ato de narrar histórias na escola. Neste estudo cruzam-se duas perspetivas complementares sobre o contador de histórias: a visão transmitida em obras da literatura portuguesa e a visão de educadores e professores. Para isso efetuou-se um levantamento da figura do contador em obras de diversas épocas que remetem para o contexto do ato de contar, identificando vários aspetos da sua caracterização, em particular a questão de género, os objetivos do contador e as estratégias utilizadas, assim como os contextos de narração. Estes elementos são cruzados com os resultados de um questionário aplicado a um grupo de educadores e professores, analisando-se os dados que remetem também para as suas representações e práticas em relação aos elementos acima referidos...

A Menina, o Cavalo e a Chuva: A arte de contar histórias e a cibercultura; -

Ceschi, Cristiana Souza
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 18/11/2014 PT
Relevância na Pesquisa
36.9%
Este trabalho é uma reflexão acerca da Arte de Contar Histórias como uma importante ferramenta artística e educativa na formação do ser humano de todas as épocas, vista especialmente em suas relações com as questões trazidas pelo universo contemporâneo da cibercultura. Ao problematizar e dialogar com a emergência e complexidade desse universo, a função social do contador de histórias, sua arte e seu papel formador encontram visões divergentes, antagônicas e polêmicas trazendo assim discussões pertinentes para seu lugar e importância na vida atual. O que é importante saber para contar histórias no mundo de hoje? Qual a relevância da arte de contar histórias em um mundo mediado por telas? Qual o impacto da cibercultura no universo do contador de histórias e o impacto do trabalho do contador de histórias na Era Digital? Tais questões foram discutidas partindo de imagens significativas que serviram de metáforas para o aprofundamento dos problemas bem como do depoimento de contadores e ouvintes de histórias, teóricos da comunicação, antropólogos, filósofos, poetas e educadores.; This work is a reflection about the Art of Storytelling as a major artistic and educational tool in the educational process of human beings of all ages...

Do sabor de contar histórias ao saber sobre a história para o ouvinte : estudo sobre a contribuição da contação de histórias ao desenvolvimento do pensamento na criança

Follador, Simone Fátima Halabura
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Dissertação Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
36.94%
Esta dissertação tem como foco o estudo da contribuição da contação de histórias no desenvolvimento do pensamento na criança. Tendo a Epistemologia Genética como base teórica, pude vislumbrar, no meu fazer de contadora de histórias e professora, a possibilidade de também me constituir como pesquisadora, buscando, nas significações realizadas pelos meus alunos em relação às histórias que eu contava, possibilidades de compreender o percurso de seu pensamento. A investigação foi realizada com um grupo de alunos do 1º ano do Ensino Fundamental de 9 anos, de uma escola privada do município de Porto Alegre, na qual atuei como professora, em 2010. A contação de histórias, através do tempo e no espaço de sala de aula, torna-se elemento importante no estudo da constituição do sujeito que, entre pares e no convívio social, aprende a significar os acontecimentos e a acolher o ponto de vista do outro, enquanto constrói estruturas próprias do pensamento operatório.; Esta disertación tiene como objetivo principal el estudio de la contribución del contar historias – aquí: “contación de histórias” – en el desarrollo del pensamiento de los niños. Teniendo la Epistemología Genética como base teórica...

A contação de histórias na educação infantil

Mittmann, Edinei Rodrigues
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
36.92%
A Literatura Infantil é uma prática interdisciplinar que está relacionada com outros modos de expressão (o movimento, a imagem, a música) que formam a bagagem comunicativa da criança desde os seus primeiros anos. Este trabalho traz como tema “A CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL” e tem como objetivo compreender a importância da contação de histórias na Educação Infantil como incentivo a leitura, auxílio na aprendizagem e no desenvolvimento integral da criança. É importante para a formação de qualquer criança ouvir histórias, pois suscita o imaginário infantil, estimula o intelecto e a formulação de hipóteses desenvolvendo assim, o potencial e as habilidades da criança. Durante o Estágio, que foi realizado em uma escola de Educação Infantil da rede municipal com uma turma de pré-escola, inseri em vários momentos a contação de histórias infantis, utilizando a literatura como um recurso metodológico e também em atividades lúdicas, pois percebia que as crianças adoravam estes momentos de interação com os livros. Foi muito gostoso trabalhar com história, pois eles prestavam muita atenção no que estava sendo contado, e consequentemente se interessavam nas atividades seguintes, demonstrando prazer em executá-las...

Vozes da memória : o contador de histórias em narrativas orais urbanas

Flach, Alessandra Bittencourt
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
36.96%
Contar histórias é uma prática que atravessa os tempos e faz parte da natureza humana. Portanto, a área de Letras deve fazer desse tema objeto de estudo, com enfoque especial nas narrativas orais. Esta tese se propõe a discutir o papel do contador de histórias na pós-modernidade. Para tanto, serão analisados registros audiovisuais de um morador do bairro Restinga, em Porto Alegre (RS), com o intuito de demonstrar que ainda há espaço para ouvir e contar histórias, desde que isso seja pensado a partir de uma série de elementos das sociedades complexas contemporâneas, em detrimento das práticas de contar histórias que emergiam em culturas orais. Acredita-se que as narrativas que surgem em um ambiente de conversa também são constituídas de poeticidade, o que pode ser percebido mediante a análise da performance, ou seja, do evento comunicativo que envolve não só o texto, mas a linguagem, o corpo, os gestos, a voz, os interlocutores. Como suporte teórico, parte-se dos conceitos e dos estudos de Paul Zumthor, Richard Bauman e Ruth Finnegan acerca da performance, bem como das contribuições da Antropologia, da Sociologia e da Sociolinguística para compreender o alcance social dessas produções orais. Através das análises...

Contadora de histórias : elaboração de uma trajetória pessoal; Storyteller : development of a personal trajectory

Maria Isabel Alves Ramos
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 18/12/2013 PT
Relevância na Pesquisa
36.9%
Contar histórias pode ter sido uma das primeiras manifestações de expressão da subjetividade humana no processo do surgimento da linguagem, e os mitos e as histórias caminham ao lado da humanidade desde tempos remotos. Como contadora de histórias, há tempos trago comigo alguns questionamentos como "Por que essas narrativas continuam presentes até os dias de hoje?", "Por que as histórias despertam tantos sentimentos e emoções em quem as ouvem?". Esses e outros questionamentos me levaram a reflexões que resultaram no desenvolvimento deste trabalho. Os conteúdos aqui apresentados têm a intenção de promover um passeio sobre elementos míticos inseridos no contexto das histórias que se manifestam e estão interligados ao ato da contação. São apresentadas reflexões sobre a importância e necessidade de contar histórias e ouvi-las, a fim de despertar sentimentos e emoções e desenvolver a imaginação. Também é exposta a necessidade de uma preparação e consciência corporal do contador para que o mesmo possa qualitativamente se comunicar melhor, propondo assim, o contador como um interlocutor de mitos e histórias, esperança desta dissertação.; Telling stories may have been one of the first manifestations of expression of human subjectivity after the emergence of language and myths. Stories have been a part of humanity since remote times. As a story teller...

Infância, criança, escola nas pesquisas educacionais sobre narração de histórias

Costa, Caroline Machado
Fonte: Universidade Federal de Santa Catarina Publicador: Universidade Federal de Santa Catarina
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: 129 p.| il., grafs., tabs.
POR
Relevância na Pesquisa
36.9%
Dissertação (mestrado) -Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências da Educação, Programa de Pós-graduação em Educação, Florianópolis, 2009; Buscou-se, neste estudo, caracterizado como uma "monografia de base", compreender como são abordadas as relações entre educação, criança, infância e narração de histórias na escola em dissertações de mestrado na área de Educação. Pela consulta ao Banco de Teses da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES, foi possível encontrar um universo de 22 (vinte dois) resumos que apresentavam narração de histórias, infância e criança como palavras-chave das dissertações e teses produzidas no período entre 1987 e 2007. Diante deste levantamento percebeu-se que a primeira pesquisa relacionada à prática de narrar histórias foi concluída no ano de 1995 e somente em 2004 a produção acadêmica sobre essa temática começou a aumentar no campo educacional. Deste universo apenas 4 (quatro) eram as pesquisas em nível de mestrado que tratavam da narração de histórias na escola. Considerando o conteúdo de 3 (três) destas dissertações constatou-se que em todas as pesquisas a narração de histórias é apresentada como uma atividade artística...

Geração de conhecimento para usuário surdo baseada em histórias em quadrinhos hipermidiáticas

Busarello, Raul Inácio
Fonte: Florianópolis, SC Publicador: Florianópolis, SC
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: 174 p.| il., tabs.
POR
Relevância na Pesquisa
36.9%
Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro Tecnológico, Programa de Pós-graduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento, Florianópolis, 2011; Partindo da problemática de como gerar conhecimento por meio de histórias em quadrinhos em ambiente hipermídia, observou-se a partir de uma busca sistemática na base Scopus, que não havia a utilização dessa mídia como ferramenta de educação inclusiva, com ênfase na aprendizagem do aluno surdo. Por outro lado, esta mesma pesquisa, mostrou a eficiência na utilização de imagens como meio de comunicação para o surdo, em detrimento de sua dificuldade em ler e interpretar textos escritos. Neste sentido os ambientes hipermídia também contribuem para a educação desses indivíduos, pois permitem o acesso as multimídias com características que facilitam o aprendizado desse público. A partir desses dados, buscou-se verificar se a linguagem das histórias em quadrinhos, somadas as características dos ambientes hipermídia, se apresentam como uma alternativa eficiente no processo de geração de conhecimento do indivíduo surdo. Para isso definiu-se como objetivo estabelecer diretrizes para a construção de narrativas em histórias em quadrinhos que favoreçam o aprendizado de pessoas com surdez ou deficiência auditiva. Adotou-se como metodologia a pesquisa qualitativa com caráter exploratório. A partir do resultado de duas buscas sistemáticas...

Contação de histórias para crianças

Raulino, Clarice Ivone
Fonte: Florianópolis Publicador: Florianópolis
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso
Relevância na Pesquisa
36.97%
TCC (graduação em Biblioteconomia) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis; Discorre sobre a contação de histórias realizada em duas Instituições de Florianópolis: a Livraria Catarinense e a Barca dos Livros. Ambas incentivam a leitura por meio da literatura infantil. O objetivo geral foi descrever a contação de histórias e, como objetivos específicos, observar as reações das crianças diante das histórias contadas, verificar quais as histórias mais contadas, verificar os métodos empregados na contação e observar se a contação de histórias desperta o gosto pela leitura. Para alcançar esses objetivos a acadêmica assistiu como observadora, as contações nos dois locais citados, no período de março a junho de 2011. Assim, a presente pesquisa é descritiva, bibliográfica e estudo de caso. A revisão de literatura contemplou as origens do conto, o conto infantil no Brasil, os célebres dos contos de fadas, a figura do contador de histórias e a importância das histórias infantis no imaginário das crianças. Por meio das observações in loco constatou que as atividades de #Hora do Conto# (nome dado ao momento de contação de histórias nos locais observados) têm efeito catártico nas crianças. Também foi observado...

Quem conta um conto, aumenta um ponto : contadores de histórias no Distrito Federal (1991 a 2011)

Andrade, Aldanei Menegaz de
Fonte: Universidade de Brasília Publicador: Universidade de Brasília
Tipo: Dissertação
POR
Relevância na Pesquisa
36.92%
Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Instituto de Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em História, 2012.; Contar histórias é uma tradição que se mantém, sobretudo por meio da cultura oral, e tem sido ressignificada pelos contadores de histórias presentes na cidade capital, palco/cenário desta narrativa. Brasília é uma cidade moderna, criada sobre o signo das artes que traz em sua concepção as raízes culturais brasileiras; tradição e modernidade originando uma verdadeira narrativa do homo-brasiliensis. Por meio deste estudo procura-se identificar e evidenciar a presença de contadores de histórias e suas práticas no Distrito Federal. Nesta pesquisa couberam algumas indagações: Como se dá a atuação dos contadores de histórias no Distrito Federal? O que diferencia o contador moderno do contador tradicional? Quais as histórias ouvidas pelos narradores e em que contexto se deu esta prática? Qual a história deste território evidenciada pelos contos, mesmo antes da transferência da capital nacional? Essa narrativa, tecida sob a luz da história cultural, teve como fio condutor a metodologia da história oral e como aporte teórico a obra de Walter Benjamin...

Práticas educativas com crianças com PEA: «histórias sociais» que oportunidades de interação?

Brilha, Dina; Silva, Francisco Vaz da; Nunes, Clarisse
Fonte: CIED - Centro Interdisciplinar de Estudos Educacionais da Escola Superior de Educação de Lisboa, Publicador: CIED - Centro Interdisciplinar de Estudos Educacionais da Escola Superior de Educação de Lisboa,
Tipo: Parte de Livro
Publicado em /03/2015 POR
Relevância na Pesquisa
36.99%
O presente trabalho inscreve-se num Projeto de Intervenção mais amplo, motivado pela necessidade de promover comportamentos sociais mais adequados em alunos com Perturbação do Espectro do Autismo (PEA) que frequentavam uma Unidade de Ensino Estruturado (UEE). As estratégias seguidas incluem a criação e implementação de «Histórias SociaisTM» (Brilha, 2012). Pretendeu-se apresentar alguns dos dados apresentados no Projeto de Intervenção acima descrito com o propósito de compreender: a) a relação entre comportamentos de envolvimento passivo (atenção focada nas pessoas e nos materiais) e comportamentos de envolvimento ativo (comportamentos de interação simbólicos e não simbólicos) nos momentos da hora do conto; b) as diferenças nos comportamentos de interação dos alunos na hora do conto em função do tipo de histórias: histórias comuns e «Histórias SociaisTM»; c) a diferença nas estratégias usadas pela professora quando conta e explora histórias comuns e «Histórias SociaisTM». Os comportamentos de interação de seis alunos com PEA e da professora foram estudados durante oito sessões de hora do conto. Em quatro das sessões foram contadas histórias tradicionais, nas restantes quatro foram contadas «Histórias SociaisTM» especialmente elaboradas para o efeito. Resultados mostram uma associação positiva significativa entre envolvimento ativo e passivo nas duas situações - histórias comuns e «Histórias SociaisTM».A análise dos comportamentos de interação dos alunos em função do tipo de histórias...

Tempo, memórias e saberes: histórias de professores e suas tecnologias

Rodrigues, Maria de Fatima Baldez
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande Publicador: Universidade Federal do Rio Grande
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
36.9%
Neste trabalho dissertativo, vinculado ao Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências: Química da vida e saúde da Universidade Federal do Rio Grande - FURG, buscamos discutir como a participação no Grupo de Estudos Inclusão Tecnológica - GEITEC contribuiu na reconfiguração das histórias que constituem os professores que dele participam. O grupo de estudos visa buscar nas suas atividades, problematizar o imbricamento das tecnologias digitais e de metodologias de ensino/aprendizagem em ambientes educativos tendo na discussão e na experimentação, com ferramentas da tecnologia digital, seu foco de trabalho, buscando estabelecer condutas consensuais que sejam resultantes do estar juntos em interações recorrentes. Para sustentar a nossa busca por compreender o tempo, as memórias e os saberes que compõem as histórias dos professores e as suas tecnologias, propomos uma conversa teórica com Maturana, Lévy, Capra, Marques, Tardif, Rodrigues e Cunha. Observamos o conversar de professores da Educação Básica, graduandos de cursos de licenciatura e pós-graduandos da FURG nas reuniões mensais do grupo de estudos e nas postagens realizadas no blog do GEITEC. Encontramos na investigação narrativa uma metodologia que nos possibilitou estruturar o narrar dos participantes permitindo a análise e sua interpretação. Das conversas do grupo nos múltiplos espaços e de nossa ação de pesquisar o estar juntos em ações recorrentes emergiram as histórias intituladas “O estar na escola sem sentir-se parte dela”...

Era uma vez - coesão e legibilidade em histórias infantis para leitores iniciantes

Araújo, Everaldo Lima de
Fonte: Universidade Federal de Uberlândia Publicador: Universidade Federal de Uberlândia
Tipo: Dissertação
POR
Relevância na Pesquisa
36.9%
A presente pesquisa propõe-se observar como se organizam as histórias infantis modernas, enquanto textos, a partir de seu funcionamento textual, tendo por base a coesão referencial, a progressão temática e a referenciação, bem como verificar a relação desses elementos enquanto agentes facilitadores da compreensão textual (produzindo a coerência), tendo em vista o leitor iniciante, que se considera o leitor em potencial dessa categoria de texto. Acredita-se que essas histórias lançam mão de tipos de coesão referencial e de progressão temática, assim como de referenciação mais simples, como sendo recursos que facilitam a compreensão, tendo em vista o público-alvo pretendido desse texto - leitor iniciante -, de forma que o uso dessas histórias possam provocar conseqüências na formação do leitor e do produtor de textos futuros. O corpus da pesquisa é formado por 50 (cinqüenta) histórias infantis contemporâneas brasileiras, que são submetidas a uma análise quantitativa e qualitativa. Num dado momento, após já organizado o referencial teórico da pesquisa que trata de questões de coesão (coesão referencial, progressão temática e referenciação), as histórias infantis são analisadas observando-se o número de ocorrências e freqüência da coesão referencial...

A arte de contar historias e letramento literario : possiveis caminhos; The art of storytelling and literary literacy : possible paths

Viviane Silva Coentro
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 01/09/2008 PT
Relevância na Pesquisa
36.96%
A arte de contar histórias apresenta-se como um convite à imaginação e ao incentivo à leitura. A dimensão artística da linguagem através dos contos de tradição oral permite interação entre narrador-conto-ouvinte. O objetivo geral desta pesquisa foi investigar o impacto de vivências com contos da tradição oral como elemento de apropriação do letramento literário. A hipótese adotada na pesquisa é a de que os contos de tradição oral incentivam a leitura dos livros em que as histórias estão escritas. Para atingir este objetivo principal, a pesquisa buscou responder às questões: 1) Quais os letramentos locais dos participantes da pesquisa, que estão entremeados às experiências de (re)contagem de histórias no espaço escolar?; 2) Nos eventos de letramentos de (re)contagem de histórias em espaço escolar, como se relacionam culturas locais e cultura valorizada escolar?; 3) Que tipos de narrativas emergem nestes eventos?; 4) O que propõe o contador de histórias neste contexto?; 5) Qual a recepção dos alunos em relação a essas narrativas e eventos de letramento? e 6) O que os resultados apontam em relação à formação do leitor literário? A metodologia adotada foi de pesquisa bibliográfica qualificando-se como de observação participante na coleta...

Contar histórias

Suéki, Cassiana Beghetto
Fonte: Florianópolis, SC Publicador: Florianópolis, SC
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
36.96%
Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro Tecnológico. Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção.; Esse trabalho tem como tema central o contar histórias e relaciona-o ao fato de todo educador ser um eterno narrador, com histórias capazes de tocar sonhos e vencer medos. Contar histórias é uma atividade que não está somente relacionada ao universo da literatura infantil. O estudo mostra que o homem tem necessidade vital de se colocar com seus pensamentos e experiências diante do outro e, sendo assim, a atividade de contar histórias é essencial para que o indivíduo sinta-se como verdadeiro ser humano. Defende que as histórias não se constituem apenas como textos literários tradicionalmente iniciados por 'era uma vez' ou como contos de fadas. Embora estejam certamente relacionadas a estes dois itens, histórias são relatos de experiências de vida, segredos, testemunhos, conversas que estão presentes a todo instante. Histórias ficam arquivadas na mente e são revisitadas e reconstruídas ao longo da vida. O estudo apresenta uma teoria que defende que o contar histórias é uma atividade intrínseca ao ser humano, sendo a base formadora do pensamento. Com base nesses pressupostos...

As TIC na educação pré-escolar : contributos na criação de histórias digitais

Jasmins, Fátima Lúcia Freitas
Fonte: Universidade Católica Portuguesa Publicador: Universidade Católica Portuguesa
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em 21/09/2014 POR
Relevância na Pesquisa
36.96%
Com este projeto pretendemos investigar de que modo as TIC contribuem para a criação de histórias com crianças do pré-escolar e como é que o uso das TIC, na escola, promove a inclusão dos pais na aprendizagem dos filhos. Além disso, queremos descobrir como é que as crianças reagem ao ver histórias digitais no computador, se são capazes de inventar histórias digitais com ajuda das TIC, que competências as TIC podem ajudar a promover nas crianças e qual o papel das TIC no estreitamento da relação escola-família. Realizámos um questionário às crianças (através de uma conversa informal) e descobrimos que a maioria possui computador e internet. As crianças acedem à internet em casa e utilizam o computador, maioritariamente, para jogar. Quando iniciamos as atividades explicámos às crianças que iríamos trabalhar no computador e criar histórias (com base nas diferentes técnicas de inventar histórias de Rodari e através dos programas Go!Animate, Windows Live Movie Maker e Animoto). Durante as atividades, as crianças mostraram alguma dificuldade inicial em participar, que foi superada ao longo da criação das histórias. As crianças foram capazes de selecionar cenários e personagens, de dialogar e de resolver pequenos conflitos. Puseram muita criatividade nas suas atividades como...

Comportamentos de interação em alunos com perturbações do espectro do autismo: o contributo de histórias sociais na hora do conto

Brilha, Dina teresa Batista
Fonte: Instituto Politécnico de Lisboa Publicador: Instituto Politécnico de Lisboa
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em /12/2012 POR
Relevância na Pesquisa
36.9%
Dissertação apresentada à Escol a Superior de Educação de Lisboa para obtenção de grau de mestre em Ciências da Educação, especialidade Educação Especial: Problemas Graves de Cognição e Multideficiência; Este estudo pretende abordar e compreender o contributo das histórias sociaisTM na promoção de comportamentos de interação, num grupo de seis alunos com Perturbação de Espectro do Autismo (PEA) de uma Unidade de Ensino Estruturado (UEE). É um projeto de investigação-ação, classificado quanto ao método como um estudo de caso, com origem na seguinte situação problema: as inúmeras dificuldades de participação dos alunos com PEA nos diversos momentos e contextos da vida escolar, decorrentes dos problemas de interação social que lhes são inerentes. Estas dificuldades refletem-se de forma mais ou menos evidente em todos os contextos não estruturados, nomeadamente na biblioteca escolar, na hora do conto de histórias. Nesta situação, a presença dos alunos com PEA desencadeara alguns problemas de comportamento preocupantes, que mobilizaram uma reflexão sobre estratégias de intervenção, promotoras de melhorias do comportamento dos alunos neste contexto. Numa tentativa de minimizar este problema, as professoras da UEE introduziram a atividade da hora do conto nas rotinas da sala...

A contação de histórias na construção de autoria : papel & parceria

Campos, Fernanda Rodrigues
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
36.9%
Este trabalho aborda a contação de histórias na sala de aula como possível promotora de aprendizagem e enquanto uma aprendizagem em si. A contação de histórias permite a interação entre contador e ouvintes, já que contar histórias é uma ação que depende da relação entre os interlocutores. Quando todos os envolvidos na contação de histórias deixam sua imaginação ser conduzida pelas histórias, o ato de criação se realiza; cria-se à qualidade de rito, pois há a partilha de experiências, o viver e reviver delas e uma união temporária de mentes desejosas de participar do mesmo processo, este que transporta para outro lugar e para outro tempo. A contação se completa quando o público e o contador são atingidos/atravessados, quando esses dois momentos coincidem há um encontro único, que é uma condição de toda aprendizagem e fundamental para torná-la significativa. Para mostrar isso parte-se da análise de um questionário semiestruturado aplicado a professoras da educação pública sob o auxílio teórico de Bruno Bethelhein (2007) para falar sobre a possibilidade terapêutica da contação, de Maria de Lourdes Patrini (2005) para falar sobre o ofício do contador de histórias e de Nelly Novaes Coelho (2008) falando do desenvolvimento das histórias e sua contação.; The present work adresses storytelling in the classroom as a possible originator of learning...

Contadores de histórias – uma experiência de grupos de mulheres

Meneghel, Stela Nazareth
Fonte: Universidade Autônoma de Barcelona Publicador: Universidade Autônoma de Barcelona
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: application/pdf
Publicado em //2014 POR
Relevância na Pesquisa
36.92%
Este texto relata algumas intervenções psicossociais nas quais foi explorada a ferramenta “contar histórias” em oficinas dirigidas a trabalhadoras sociais e mulheres em situação de vulnerabilidade. As oficinas foram organizadas a partir de demandas de movimentos sociais para enfrentamento da violência e outras situações limite. O grupo foi o campo da intervenção, a partir das demandas, experiências e vivências dos participantes e a opção metodológica foi ancorada nas narrativas, histórias de vida e histórias da cultura oral. Acreditamos que grupos de contadores de histórias realizados com mulheres possibilitam um exercício de reflexão crítica e mudança, além de constituir uma opção metodológica para a prática e a pesquisa feminista.; Este artículo reporta algunas intervenciones psicosociales en las que se exploró la herramienta "contar historias" en talleres para trabajadores sociales y mujeres en situación de vulnerabilidad. Los talleres se organizaron a partir de las demandas de movimientos sociales para hacer frente a la violencia y otras situaciones extremas. El campo de intervención fue el grupo, a partir de las demandas, experiencias y vivencias de los participantes y la opción metodológica fueron las narrativas...

O direito de ouvir e de contar histórias, compartilhar memórias e recontar a História

Andrade, Aldanei Menegaz de; Universidade de Brasília (UnB)
Fonte: Em tempo de histórias Publicador: Em tempo de histórias
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Formato: application/pdf
Publicado em 17/08/2012 POR
Relevância na Pesquisa
46.87%
Apresento neste artigo reflexões a cerca da memória, da história e do direito de ouvir e de contar histórias. A História e a memória são Direitos Humanos? Será o conhecimento do passado, do presente e do futuro, um direito dos homens e dos diferentes grupos sociais? Procurei responder a estas questões com voz e visão de uma contadora de histórias que estudou para também tornar-se uma contadora da História. Estas reflexões partiram da pesquisa realizada para a elaboração da dissertação: “Quem conta um conto, aumenta um ponto: contadores de histórias no Distrito Federal (1991 a 2011). Conforme diz Walter Benjamin (1994): “Só é possível contar se houver uma comunidade de ouvintes”, pois contar e ouvir fazem parte da palavra, como explica Hassane Kouyaté: “A palavra pertence metade a quem fala e metade a quem ouve – assim se faz a palavra”. O contador de histórias é um personagem que pode ser encontrado nas entrelinhas, nas lacunas da história oficial que pouco valor deu aos sujeitos anônimos e secundários. Todas as pessoas têm direito de ouvir e de contar histórias, compartilhando suas memórias e recontando a História.