Página 1 dos resultados de 1001 itens digitais encontrados em 0.003 segundos
Resultados filtrados por Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Polimorfismos nos genes DAT1 DRD4 e transtorno de déficits de atenção e hiperatividade (TDAH) em adultos

Marques, Francine Zanchetta Coelho
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Dissertação Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
37.35%
O transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) é um dos problemas psiquiátricos mais comuns na infância, o qual apresenta uma herdabilidade significativa e se caracteriza pela presença de desatenção, hiperatividade e impulsividade. Cerca da metade das crianças com TDAH permanecem com o transtorno durante a vida adulta. Embora os estudos em amostras de crianças tenham explorado diversos genes de suscetibilidade ao TDAH, os resultados são inconclusivos e há poucos estudos em adultos. A amostra aqui estudada é composta por 308 adultos portadores de TDAH e 233 doadores de sangue do Hemocentro do Rio Grande do Sul.Ambos os grupos são compostos por brasileiros descendentes de europeus. Os diagnósticos psiquiátricos foram realizados por uma equipe treinada, seguindo os critérios do DSM-IV. Este trabalho objetivou testar possíveis associações entre polimorfismos nos genes do receptor D4 de dopamina (DRD4) e da proteína transportadora de dopamina (DAT1) com o TDAH, tendo em conta os subtipos, gravidade, comorbidades e idade de início dos sintomas de TDAH. Não foi encontrada associação entre os dois polimorfismos estudados no gene DRD4 (duplicação de 120 pares de base da região 5’ e VNTR de 48 pares de base do éxon III) e o TDAH. Porém...

Eventos de vida em pacientes adultos com transtorno de déficit de atenção/hiperatividade

Garcia, Christiane Ribas
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Dissertação Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
37.35%
Os transtornos psiquiátricos estão associados a eventos de vida de várias maneiras, sendo que a ocorrência e gravidade destes transtornos e sua relação com os eventos de vida ainda não está completamente esclarecida. Muitos estudos associam os eventos de vida ao início ou desencadeamento de transtornos mentais, especialmente a depressão, enquanto outros colocam os eventos de vida como conseqüência dos transtornos mentais. O transtorno de déficit de atenção/hiperatividade (TDAH) é uma condição que inicia na infância e persiste em aproximadamente 50 a 75% dos casos, com uma prevalência de aproximadamente 4,4% na população adulta. A maioria dos adultos com TDAH apresenta desfechos negativos em diversas áreas da vida, como desempenho acadêmico e profissional, posição sócio-econômica e marital. Apesar das evidências de associação entre desfechos negativos e TDAH, não há relatos publicados de associação específica entre este transtorno e eventos de vida negativos no adulto. O objetivo do presente estudo é testar a hipótese de que eventos de vida negativos, ocorrendo vários anos após o início da doença, estão associados com a gravidade dos sintomas em ambas as dimensões do TDAH (desatenção e hiperatividade)...

Food intake and serum levels of iron in children and adolescents with attention-deficit/hyperactivity disorder; Ingestão alimentar e níveis séricos de ferro em crianças e adolescentes com transtorno de déficit de atenção/hiperatividade

Menegassi, Márcia; Mello, Elza Daniel de; Guimarães, Lísia Rejane; Matte, Breno Córdova; Driemeier, Fernanda Munhoz; Pedroso, Gabriela Lima; Rohde, Luis Augusto Paim; Schmitz, Marcelo
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: application/pdf
ENG
Relevância na Pesquisa
37.52%
Objetivo: Investigar as variáveis hematológicas relacionadas à deficiência de ferro e à ingestão alimentar no transtorno de déficit de atenção/hiperatividade. Método: Sessenta e duas crianças e adolescentes (6-15 anos) divididos em três grupos: Grupo 1: 19 (30,6%) pacientes com transtorno de déficit de atenção/hiperatividade com uso de metilfenidato durante três meses; Grupo 2: 22 (35,5%) pacientes com transtorno de déficit de atenção/hiperatividade sem uso de medicamento; e Grupo 3: 21 (33,9%) pacientes sem transtorno de déficit de atenção/hiperatividade. Ferro sérico, ferritina, transferrina, hemoglobina, volume corpuscular médio, amplitude de distribuição dos eritrócitos, concentração da hemoglobina corpuscular média, parâmetros de diagnóstico nutricional – Coeficiente de Índice de Massa Corporal, inquérito alimentar e a correlação entre os sintomas do transtorno e os níveis de ferritina foram avaliados. Resultados: O grupo com transtorno de déficit de atenção/ hiperatividade não medicado com metilfenidato apresentou maior amplitude de distribuição dos eritrócitos dentre os três grupos (p = 0,03). Nas outras variáveis hematológicas e inquéritos alimentares não encontramos diferença significativa entre os grupos. Não observamos correlação entre os sintomas do transtorno de déficit de atenção/hiperatividade e ferritina. Conclusão: Marcadores periféricos do estado nutricional de ferro e a ingestão alimentar de ferro não parecem estar modificados em crianças com transtorno de déficit de atenção/hiperatividade...

Um estudo de associação entre sintomas de tratamento de déficit de atenção/hiperatividade e medidas neuropsicológicas em crianças em idade escolar

Courel, Simone Fragoso
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
37.41%
O TDAH costuma estar associado a várias disfunções cognitivas. O presente estudo buscou associações entre medidas neuropsicológicas de atenção, controle inibitório, memória de curto prazo e operacional e sintomas de desatenção e hiperatividade /impulsividade identificados pela SNAP-IV, através de pais e professores de estudantes de escolas públicas de Porto Alegre com idades entre 8 e 12 anos. Encontrou-se correlações significativas entre medidas de atenção e controle inibitório, através do CPT II, e critérios de desatenção e hiperatividade da escala SNAP- IV. Houve uma pequena diferença nos itens correlacionados entre pais e professores, sendo os primeiros mais abrangentes nos aspectos de desatenção e hiperatividade e os segundos mais focados em sintomas de hiperatividade e medidas indiretas de atenção sustentada. Identificou-se correlação significativa entre medida de memória de curto prazo e hiperatividade, por tarefa de span de dígitos ordem direta, mas não em medida específica de memória operacional. Sugere-se mais estudos com enfoque dimensional do transtorno utilizando medidas neuropsicológicas que propiciem análise mais funcional de memória operacional e identificação de sintomas através de escalas que abarquem também pontos positivos do comportamento.; ADHD is usually associated with several cognitive dysfunctions. The present study sought associations between neuropsychological measures of attention...