Página 1 dos resultados de 249 itens digitais encontrados em 0.001 segundos

Caracterização fisiológica da hidroginástica

Barbosa, Tiago M.
Fonte: Secretaria de Estado do Desporto Publicador: Secretaria de Estado do Desporto
Tipo: Relatório
POR
Relevância na Pesquisa
37.84%
A presente investigação teve como principal objectivo, caracterizar as adaptações fisiológicas agudas e crónicas decorrentes da prática regular da Hidroginástica. Para a consecução deste projecto desenharam-se quatro estudos parcelares. Para os três primeiros estudos foram avaliados diversos parâmetros fisiológicos, como a percepção subjectiva de esforço (RPE), a frequência cardíaca máxima durante a exercitação (FC-máx), a percentagem de frequência cardíaca máxima estimada atingida (%FC-máx), a pressão arterial diastólica (PAD), a pressão arterial sistólica (PAS), a pressão arterial média (PAM), a lactatemia ([La]-), o máximo consumo de oxigénio durante a exercitação (máxVO2) e o dispêndio energético (EE). No primeiro estudo, o objectivo foi a caracterização e comparação das adaptações fisiológicas agudas de exercícios básicos de Hidroginástica realizados com diferentes técnicas de execução (sem acção dos membros superiores, com acção dos membros superiores e com halteres de espuma). Os valores médios da RPE foram significativamente superiores com a adopção de halteres de espuma, seguido da exercitação com acção simultânea dos MI e dos MS e, por fim da exercitação com acção exclusiva dos MI. Os valores médios da PAM foram significativamente inferiores com a adopção de halteres de espuma...

Influência do grupo etário na resposta fisiológica aguda durante a execução do movimento básico de hidroginástica “Cavalo Marinho”

Bartolomeu, Raul Filipe Barbosa
Fonte: Instituto Politécnico de Bragança Publicador: Instituto Politécnico de Bragança
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
37.72%
Introdução: Nos últimos anos a Hidroginástica tem sofrido um aumento significativo no número de praticantes, sendo hoje em dia uma das actividades físicas com maior espectro de idades entre os praticantes que procuram entre outros, uma melhoria da condição física. É no entanto não raramente conotada pela população mais jovem como sendo uma aula para populações idosas, que não podendo fazer parte de uma outra actividade física com uma maior intensidade, optam pela Hidroginástica. Para mudar esta mentalidade é necessário que o professor não só conheça as populações com quem trabalha mas também os níveis de intensidade que pode aplicar a cada uma delas, e como controlar esses níveis de modo a não correrem o risco de sistematicamente promoverem intensidades abaixo da capacidade de muitos praticantes. Objectivo: Aferir a influência do grupo etário nas respostas fisiológicas, durante a execução do exercício básico de Hidroginástica “Cavalo Marinho” com aumentos progressivos da cadência. Métodos: Foram submetidos a um protocolo de incremento progressivo da cadência musical de 15 bpm enquanto realizavam o exercício básico de Hidroginástica “cavalo marinho” 37 indivíduos. Estes estavam divididos estavam separados em dois grupos amostrais...

Avaliação Nutricional em Profissionais de Hidroginástica: Estudo Comparativo no Início e no Final da Semana

Grave, Filipa Cardeira
Fonte: Universidade de Coimbra Publicador: Universidade de Coimbra
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso
POR
Relevância na Pesquisa
37.72%
Devido à importância da avaliação das condições climatéricas, no sentido de haver condições de um arrefecimento corporal, sem prejudicar o desempenho físico do instrutor de hidroginástica, este deve tomar uma atitude nutricional consciente de forma a não pôr em causa a sua saúde. As piscinas fechadas apresentam condições extremas para um instrutor no deque. A temperatura do ar é mais elevada do que a temperatura da água e os índices de humidade ficam acima de 50%. O nosso trajecto de investigação tem como objectivo procurar obter um conhecimento da nutrição e hidratação dos instrutores de hidroginástica na primeira e na última aula da semana. Para o efeito, realizámos um estudo através da aplicação de um questionário de avaliação nutricional, onde a amostra registava toda a sua alimentação diária, em dois momentos da semana. Aplicámos o POMS – Perfil de estados de Humor e a escala perceptiva de esforço – Escala de BORG, onde os instrutores registavam as sensações sentidas no final da aula e a sua percepção de esforço. A nossa amostra foi constituída por 11 instrutores de hidroginástica, 7 do sexo feminino e 4 do sexo masculino, sendo a média de idades e o desvio padrão de 30 ± 5...

Efeitos do treinamento e destreinamento de hidroginástica no perfil lipídico e na remodelação óssea em mulheres pré-menopáusicas; Effects of training and detraining of aquatic gymnastics in the lipidic profile and in the bone remodelation in pre menopausal women

Tormen, Mari Lúcia Sbardelotto
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Dissertação Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
37.78%
O objetivo do presente estudo foi Identificar os efeitos do treinamento e destreinamento de Hidroginástica no perfil lipídico na remodelação óssea em mulheres pré-menopáusicas. As variáveis colesterol total (CT), lipoproteínas de alta densidade ligadas ao colesterol (HDL-C), lipoproteínas de baixa densidade ligadas ao colesterol (LDL-C), triglicerídeos (TG), força de extensores do joelho (F.EXT.J), extensores e flexores horizontais do ombro (F.EXT.HO e F.FLEX.HO), tempo de exaustão em teste de esteira (TE), osteocalcina (OST) e hidroxiprolina (HID) para remodelação óssea foram medidas em três períodos de tempo (avaliações 1, 2 e 3) em trinta e cinco mulheres divididas em dois grupos: grupo 1 (G1) e grupo 2 (G2). Na fase 1 do programa tanto o G1 como o G2 realizaram um treinamento concorrente (TC) periodizado, o treinamento teve uma duração de 20 semanas, com duas sessões semanais. Na fase 2 do programa o G1 realizou um destreinamento com duração de 20 semanas, que caracterizou-se pela ausência de atividade física regular, e o G2, realizou um treinamento de hidroginástica tradicional (THT) não-periodizado também por 20 semanas. Para a análise dos dados foi utilizada estatística descritiva, ANOVA para medidas repetidas com um fator (grupo) e post-hoc de Bonferroni...

O desempenho de idosos praticantes de hidroginástica e idosos não praticantes de exercícios físico nos testes de trilhas e nas tarefas de fluência verbal

Petry, Diogo Miranda
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
37.84%
O envelhecimento populacional está acontecendo mundialmente. E durante essa fase do ciclo de vida a capacidade funcional e cognitiva vão tendo um declínio, podendo diminuir a qualidade de vida. A perda de autonomia e independência pode ocorrer nos idosos, principalmente, através de doenças crônico-degenerativas. Algumas funções cognitivas vão diminuindo no envelhecimento, podendo levar a demência. O exercício físico é conhecido como um método de intervenção eficaz na prevenção de muitas patologias. Só nas últimas décadas que os cientistas estão correlacionando a prática de exercício físico com a melhora das funções cognitivas. Objetivo deste trabalho é comparar idosas que praticam hidroginástica com idosas que não realizam exercício físico no desempenho de testes neuropsicológico. Metodologia: Foi comparado dois grupos de idosos, primeiro foi idosos praticante de hidroginástica do projeto CELARI com a média de pratica de 6,8 anos (DP = 4,1). O segundo foi as idosas não praticantes de exercício físico. Para seleção e caracterização dos grupos utilizou-se Questionário sociodemográfico, aspectos gerais de saúde e escala de hábitos de leitura escrita, Mini-Exame de Estado Mental (MEEM) e Escala de Depressão de Yesavage - GDS-30. Para avaliar o desempenho das funções executivas foi realizado o Testes de Trilhas e a Tarefas de Fluência Verbal. Para análise estatístico dos dados foi utilizado Shapiro-whilk para normatização dos dados. Utilizou-se o teste de t Student e U-Mann Whitney para comparar duas médias de amostras independente . Resultados: Verificou-se que os dados como idade...

Respostas cardiorrespiratórias, neuromuscularese e cinéticas de exercícios de hidroginástica; Cardiorespiratory, neuromuscular and kinetic responses of water aerobic exercises

Alberton, Cristine Lima
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
37.84%
O objetivo do presente estudo foi analisar as respostas cardiorrespiratórias, neuromusculares e cinéticas de mulheres realizando exercícios de hidroginástica em diferentes intensidades de esforço. No estudo I, 20 mulheres jovens (24,0 ± 2,5 anos; 163,3 ± 6,7 cm; 60,0 ± 6,7 kg) realizaram quatro sessões de testes progressivos, três correspondentes aos testes aquáticos (corrida estacionária (CE), chute frontal (CF), deslize frontal (DF)) e uma correspondente ao teste em esteira terrestre (EST), com o intuito de determinar e comparar as respostas de frequência cardíaca (FC), consumo de oxigênio ( 2 VO ) e ventilação (Ve ) no primeiro limiar ventilatório (LV1), no segundo limiar ventilatório (LV2) e no máximo esforço (MAX). No estudo II, 15 participantes da amostra realizaram duas sessões, uma no meio aquático (MA) e outra no meio terrestre (MT). O protocolo de testes consistiu na execução dos três exercícios de hidroginástica nas três intensidades pré-determinadas (LV1, LV2 e MAX) com o intuito de determinar o valor de pico da força de reação do solo vertical (Fzpico) e o impulso (IMP). No estudo III, 12 participantes da amostra realizaram uma sessão correspondente ao protocolo experimental, que consistia na execução dos três exercícios de hidroginástica nas três intensidades de esforço previamente avaliadas...

Envelhecimento : as motivações para a prática da hidroginástica

Vidal, Roberto Crossetti
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
37.72%
Este estudo quantitativo, de cunho descritivo e exploratório (GIL, 1999), tem como objetivo verificar os principais fatores motivacionais, extrínsecos e intrínsecos, a respeito da prática de hidroginástica por parte de mulheres com mais de 60 (sessenta) anos de idade. Participaram da pesquisa 64 (sessenta e quatro) pessoas do sexo feminino, praticantes de hidroginástica de um clube social da cidade de Porto Alegre (Grêmio Náutico Gaúcho), tendo sido utilizado como instrumento de coleta de dados o questionário proposto por Meneguzzi e Voser (2011) denominado “Questionário de Motivação para a Prática de Atividade Física Sistematizada” (Anexo B). Após diversas visitas realizadas no local da prática de hidroginástica a pergunta “Quais os motivos que levaram o indivíduo a praticar e permanecer na hidroginástica?” foi respondida. A relevância da pesquisa está atrelada ao fato da crescente aumento dos índices de longevidade do atual contexto histórico. Os resultados foram apresentados e analisados com uma estrutura descritiva, oportunidade em que o critério saúde foi o preponderante como elemento motivacional.; This quantitative study, a descriptive and exploratory (Gil, 1999), aims to determine the main motivational factors...

Caracterização e Comparação Cinemática de Movimentos Básicos de Hidroginástica a Diferentes Ritmos de Execução: Análise do “Balanço lateral”

Teixeira, Genoveva Manuela Lobo Marques Coelho
Fonte: Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro Publicador: Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
37.72%
Dissertação de Mestrado em Ciências do Desporto - Actividades de Academia; A Hidroginástica é uma actividade física que, reúne características que estimulam o desenvolvimento das principais componentes da aptidão física [100]. Para Rocha [90], esta é uma actividade que por ser realizada dentro de água, pode ser praticada por indivíduos de diversas faixas etárias, pois oferece uma reduzida carga mecânica sobre o aparelho locomotor, num ambiente supostamente descontraído e agradável do ponto de vista psicológico. O objectivo geral do presente estudo consistiu em analisar a associação entre a cadência e o padrão cinemático, um movimento básico de Hidroginástica “balanço lateral” a diferentes Cadências. A amostra estudada foi constituída por 6 instrutoras de Hidroginástica, do sexo feminino, com pelo menos um ano de experiência na leccionação deste tipo de programas, sem qualquer patologia músculo-esquelética nos últimos seis meses e não grávidas. A metodologia por nós utilizada, consistiu num registo em vídeo no plano frontal, do exercício básico de Hidroginástica “Balanço Lateral”, recorrendo a um par de câmaras, proporcionando assim uma dupla projecção do desempenho acima e abaixo do nível da água...

Efeitos da hidroginástica na qualidade de vida e na satisfação e percepção da imagem corporal em idosas

Silva, Juliana David Pacheco da
Fonte: Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro Publicador: Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
37.72%
Dissertação de Mestrado em Educação Física, Área de especialização em Ensino de Educação Física; O envelhecimento torna-se mais frequente em idades avançadas, notando-se nos indivíduos um declínio acentuado a nível psicológico, morfológico e funcional (Matsudo, Matsudo, & Neto, 2000). Está descrito que a actividade física é considerada como uma componente muito importante na prevenção de doenças, da morte prematura, na adopção de um estilo de vida saudável e na melhoria da qualidade de vida (Heyward, 2004). Sendo a hidroginástica uma modalidade cada vez mais popular (Barbosa, Sousa, Silva, Reis, Marinho, & José, 2010), torna-se essencial a realização desta investigação. O seu objectivo geral é averiguar se existem efeitos na prática de hidroginástica na qualidade de vida, na satisfação e percepção da auto-imagem corporal dos seus praticantes idosos. Pretendemos comparar os grupos de não praticantes com praticantes nas variáveis qualidade de vida, percepção da imagem corporal e com o nível de satisfação com a imagem corporal. Foi também nosso objectivo verificar se existe relação entre a satisfação com a imagem corporal e o IMC. O estudo é predominantemente quantitativo e o paradigma que serviu de base a esta investigação foi o quasi-experimental. A amostra foi constituída por 90 idosas...

Percepção da imagem corporal de idosas praticantes de hidroginástica: um estudo com idosas de uma academia da zona norte da cidade do Rio de Janeiro

Mendes, Fernanda Augusta de Almeida
Fonte: Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro Publicador: Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
37.72%
Dissertação de Mestrado em Ciências do Desporto, Especialização em Atividades de Academia; A necessidade e o encorajamento de conhecer novas pessoas e ambientes, fugir da solidão, procurar atividades culturais e praticar atividades físicas, refletem a preocupação dos idosos em preencher o tempo livre, sair da rotina e procurar o bem estar geral. No decurso do envelhecimento, o papel da atividade física é muito significante, não só nos aspectos fisiológicos, mas também nos psicológicos e sociais. A presente pesquisa teve, como objetivo, analisar a forma como as mulheres idosas percebem seus corpos e as consequências da hidroginástica para suas qualidades de vida. Este estudo foi realizado em uma academia da zona Norte da cidade do Rio de Janeiro. A técnica de coleta de dados utilizada foi a entrevista semi estruturada, aplicada a 23 mulheres idosas, com idades compreendidas entre os 60 e 91 anos de idade, praticantes de hidroginástica na referida academia, com 3 sessões por semana a pelo menos 6 meses. Para o tratamento da informação utilizamos a técnica da análise de conteúdo. Após a análise do material recolhido, delineou - se um conjunto de categorias associadas à percepção do corpo das idosas: Corpo Funcional...

Treinamento de força versus hidroginástica: uma análise transversal comparativa da densidade mineral óssea em mulheres na pós-menopausa

Balsamo,Sandor; Mota,Licia Maria Henrique da; Santana,Frederico Santos de; Nascimento,Dahan da Cunha; Bezerra,Lídia Mara Aguiar; Balsamo,Denise Osti Coscrato; Borges,João Lindolfo Cunha; Paula,Ana Patrícia de; Bottaro,Martim
Fonte: Sociedade Brasileira de Reumatologia Publicador: Sociedade Brasileira de Reumatologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/04/2013 PT
Relevância na Pesquisa
37.72%
INTRODUÇÃO: Há um grande número de estudos mostrando que o treinamento de força tem um efeito positivo sobre a densidade mineral óssea (DMO). Porém, existem poucos estudos comparando a DMO entre praticantes de hidroginástica e treinamento de força. OBJETIVO: Comparar, em uma análise transversal, a DMO de mulheres praticantes de treinamento de força com mulheres praticantes de hidroginástica, na pós-menopausa. MÉTODOS: A amostra foi composta de 63 mulheres, divididas em três grupos: treinamento de força (FORÇA: n = 15; 51,4 ± 2,7 anos), hidroginástica (HIDRO: n = 22; 54,5 ± 3,3 anos) e controles não treinadas (CONTROLE: n = 26; 52,0 ± 3,3 anos). Todas as voluntárias estavam em terapia de reposição hormonal há no mínimo um ano. Os grupos FORÇA e HIDRO treinavam há pelo menos um ano antes do início do estudo (média de anos de treinamento - FORÇA: 4,5 ± 2,0; HIDRO: 4,2 ± 2,2). RESULTADOS: O grupo FORÇA apresentou maior DMO de corpo total, colo femoral e coluna lombar L2-L4 quando comparado ao grupo-controle (todos P < 0,05). O grupo HIDRO apresentou maior DMO no corpo total, quadril total e coluna lombar L2-L4 quando comparado ao grupo-controle (todos P < 0,05). Entretanto, não foram observadas diferenças entre os grupos FORÇA e HIDRO em nenhum dos sítios avaliados. CONCLUSÕES: Estes achados sugerem que não apenas o treinamento de força...

Aptidão física relacionada à saúde de idosos: influência da hidroginástica

Alves,Roseane Victor; Mota,Jorge; Costa,Manoel da Cunha; Alves,João Guilherme Bezerra
Fonte: Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte Publicador: Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/02/2004 PT
Relevância na Pesquisa
37.72%
FUNDAMENTOS E OBJETIVOS: A prática de exercício físico, além de combater o sedentarismo, contribui de maneira significativa para a manutenção da aptidão física do idoso. O objetivo do estudo foi verificar o efeito da prática de hidroginástica sobre a aptidão física do idoso associada à saúde. METODOLOGIA: Foi realizado um ensaio controlado em 74 mulheres idosas, sem atividade física regular. Um grupo de 37 mulheres recebeu duas aulas semanais de hidroginástica durante três meses e outras 37 mulheres serviram como controle. A aptidão física foi avaliada através da bateria de testes de Rikli e Jones (1999), com avaliações de força e resistência de membros inferiores (levantar e sentar na cadeira), força e resistência de membros superiores (flexão do antebraço), flexão de membros inferiores (sentado, alcançar os membros inferiores com as mãos), mobilidade física - velocidade, agilidade e equilíbrio (levanta, caminha 2,44m e volta a sentar), flexibilidade dos membros superiores (alcançar atrás das costas com as mãos) e resistência aeróbica (andar seis minutos). A bateria de testes foi aplicada antes do início das aulas e no fim do programa após três meses. Os grupos foram semelhantes em relação a idade...

Investigação dos efeitos da hidroginástica sobre a qualidade de vida, a força de membros inferiores e a flexibilidade de idosas: um estudo no Serviço Social do Comércio - Fortaleza

Aguiar,Jaina Bezerra de; Gurgel,Luilma Albuquerque
Fonte: Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo Publicador: Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2009 PT
Relevância na Pesquisa
37.72%
Este trabalho, realizado no Serviço Social do Comércio, Fortaleza, CE, Brasil, teve como propósito verificar a influência da hidroginástica sobre a qualidade de vida, a força de membros inferiores e a flexibilidade de idosas. Foram avaliadas 26 mulheres com idade de 60 a 80 anos, que foram divididas em dois grupos: sedentário (n=13) e praticante de hidroginástica há pelo menos seis meses (n=13). Foram utilizados para coleta de dados o Instrumento Abreviado de Avaliação da Qualidade de Vida proposto pela Organização Mundial de Saúde, o teste de impulsão vertical para a avaliação indireta da força muscular de membros inferiores e o teste de sentar e alcançar para avaliação da flexibilidade. O grupo praticante de hidroginástica apresentou média de escores do domínio físico da qualidade de vida (4,5 ± 0,4 u.a.) significativamente (p < 0,05) maior que o grupo sedentário (3,8 ± 0,7 u.a.), bem como para impulsão vertical (13,8 ± 3,7 cm e 10,5 ± 2,7 cm, respectivamente; p < 0,05) e flexibilidade (41,3 ± 9,2 cm e 32,7 ± 4,6 cm, respectivamente; p < 0,05). Conclui-se que a prática regular de hidroginástica por mulheres na terceira idade contribui positivamente com a qualidade de vida, por influenciar o domínio físico desta...

Aptidão física funcional de idosos praticantes de hidroginástica

Elias,Rui Gonçalves Marques; Gonçalves,Eliane Cristina de Andrade; Moraes,Augusto César Ferreira de; Moreira,Cibelly Formaggio; Fernandes,Carlos Alexandre Molena
Fonte: Universidade do Estado do Rio Janeiro Publicador: Universidade do Estado do Rio Janeiro
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/2012 PT
Relevância na Pesquisa
37.72%
O estudo teve como objetivo verificar a aptidão física funcional de idosos praticantes de hidroginástica. A amostra foi constituída por 18 mulheres idosas, com idade média de 65,5±5,84 praticantes das aulas de hidroginástica do Centro de Excelência em Atividade Física - CEAF. A aptidão física foi avaliada através da bateria de testes de Rikli e Jones (1999), adaptados por Morrow Jr. (2003), com avaliação de força de membros inferiores, força de membros superiores, flexibilidade dos membros inferiores, mobilidade física (potência, velocidade, agilidade e equilíbrio), flexibilidade dos membros superiores, resistência aeróbia e índice de massa corporal. Os resultados demonstram que os avaliados atingiram bons níveis de aptidão física nos testes de força de membros superior, flexibilidade de membros inferiores e mobilidade física. Já nos testes de força de membro inferior, capacidade aeróbia e flexibilidade de membros superiores, os níveis de aptidão física foram baixos. Sessenta e cinco por cento da amostra apresentaram excesso de peso e obtiveram resultados inferiores na maioria dos testes de aptidão física funcional. Conclui-se que os idosos praticantes de aulas de hidroginástica não apresentaram boa aptidão física funcional geral...

Efeitos de um programa de treinamento que combina hidroginástica e treinamento resistido sobre as respostas hemodinâmicas e metabólicas em idosos

Kura, Gustavo Graeff
Fonte: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul; Porto Alegre Publicador: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul; Porto Alegre
Tipo: Dissertação de Mestrado
PORTUGUêS
Relevância na Pesquisa
37.94%
Este estudo teve por objetivo verificar os efeitos da hidroginástica e do treinamento resistido combinado com a hidroginástica sobre as respostas hemodinâmicas, metabólicas e de força muscular em idosos. Portanto, vinte e quatro idosos de ambos os sexos, saudáveis, praticantes de hidroginástica, foram divididos em dois grupos: grupo treinamento resistido combinado com hidroginástica n = 14 (TR + Hidro) e grupo hidroginástica n = 10 (Hidro). O estudo teve a duração de doze semanas, quando o grupo Hidro treinou uma vez na semana, e o grupo TR + Hidro treinou com exercícios de resistência três vezes na semana e hidroginástica uma vez na semana. As variáveis metabólicas, hemodinâmicas e de força muscular foram analisadas pela análise de variância (ANOVA) de dois caminhos 2x2 com medidas repetidas, a fim de verificar se havia interação entre os grupos (Hidro e TR + Hidro) ao longo do tempo (pré e pós-tratamento). O nível de significância utilizado neste estudo foi de 5% (p < 0,05). Após as doze semanas de treinamento foi observada uma diferença significativa na interação grupo x tempo com relação ao limiar anaeróbio (Lan), demonstrando um comportamento diferenciado entre os grupos. As melhoras no Lan no grupo TR + Hidro variaram entre 20...

Percepção de benefícios da hidroginástica de idosos participantes da cidade de Paranaiguara - GO

Silva, Cecília Celma Dourado da
Fonte: Universidade Federal de Goiás; brasil; UFG; Faculdade de Educação Física (RG); Educação Física (RG) Publicador: Universidade Federal de Goiás; brasil; UFG; Faculdade de Educação Física (RG); Educação Física (RG)
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso
POR
Relevância na Pesquisa
37.78%
A presente monografia visa apresentar os benefícios que a hidroginástica proporciona especialmente ao público idoso. A importância que a atividade física reflete na forma como o envelhecimento enfrenta seus receios e perspectivas perante a sociedade. Um dos fatores que levam o idoso a escolher esta atividade está relacionado com os aspectos gerais do envelhecimento como os aspectos fisiológicos e os aspectos psicossociais. A hidroginástica, também oferece um ambiente de socialização e relaxamento; auxiliando também na prevenção eou tratamento da depressão, estresse e melhora da autoestima. O objetivo desta pesquisa é analisar a percepção que os idosos praticantes possuem sobre os benefícios da hidroginástica no processo do envelhecimento a partir de pesquisa de campo e bibliográfica. Participaram desta pesquisa 20 idosos, de ambos os sexos. Foram realizados cinco encontros para aplicação do questionário, coleta dos dados, análise e reflexão do tema. Os resultados demonstram que os idosos relataram como principais objetivos para a prática da hidroginástica: melhora das dores nos membros inferiores e na região cervical, torácica e lombar. Em relação aos benefícios percebidos pelos idosos com a pratica da hidroginástica obteve-se respostas variadas...

Prática de exercício e capacidade funcional de pessoas idosas: comparação entre praticantes de hidroginástica e de yoga

Teixeira, João Manuel Raposo
Fonte: Universidade de Évora Publicador: Universidade de Évora
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
37.84%
Objetivos Este estudo teve como objetivo principal a comparação entre praticantes idosos de hidroginástica e de yoga em diversas variáveis de aptidão física funcional e qualidade de vida. Métodos A nossa amostra foi constituída por 30 pessoas, 15 praticantes de hidroginástica (64.7 ± 5.4 anos) e 15 praticantes de yoga (62.9 ± 5.0 anos). O recrutamento dos indivíduos foi feito por conveniência em diversas coletividades com cariz desportivo através de convite para a participação no estudo. Todos os participantes praticavam uma das atividades há pelo menos um ano, no mínimo duas vezes por semana. Os praticantes de hidroginástica não podiam participar em yoga e vice-versa. Avaliou-se a aptidão física funcional (bateria de testes de Fullerton), o estado de saúde (SF-36v2), e o equilíbrio (diversas tarefas efetuadas na plataforma de forças). Resultados Através dos testes aplicados verificou-se a existência de melhores resultados entre os praticantes de yoga em relação aos praticantes de hidroginástica em diversas medidas de qualidade de vida, designadamente função física, dor corporal, saúde geral e saúde emocional. Nos testes em que avaliámos o equilíbrio apenas obtivemos diferenças significativas em dois testes...

Perceção de mulheres idosas face aos benefícios em saúde decorrentes da prática de hidroginástica

Silva, Sandra Cristina Oliveira da
Fonte: Escola Superior de Enfermagem de Coimbra Publicador: Escola Superior de Enfermagem de Coimbra
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 19/06/2015 POR
Relevância na Pesquisa
37.91%
ENQUADRAMENTO: Viver por um maior período de tempo e numa sociedade cada vez mais envelhecida tornam-se preocupações constantes para a Saúde Pública. Com vista à obtenção de um envelhecimento saudável, estas premissas têm sido responsáveis pela elaboração de diversos programas em saúde e, em todos, a prática de exercício físico é considerada como fundamental para a proteção e promoção do estado de saúde dos indivíduos de mais idade. A hidroginástica é uma das modalidades mais recomendadas nesta faixa etária, proporcionando benefícios físicos, psicológicos e sociais, atuando como forma de prevenção e até mesmo na reabilitação do idoso. OBJETIVO: Conhecer a perceção das mulheres idosas de S. Mamede relativamente à prática de hidroginástica. MÉTODO: O estudo realizado enquadra-se num paradigma qualitativo, utilizando como referencial metodológico a fenomenografia, com observação participante. A população alvo foram mulheres idosas de S. Mamede, com mais de 65 anos, que frequentam as aulas de hidroginástica nas Piscinas Municipais de Penacova. O método de amostragem adotado foi não probabilístico (seleção racional) e a colheita de dados, efetuada através de entrevista semiestruturada...

Efeito da hidroginástica nos fatores de risco para aterotrombose em mulheres com obesidade grau III

Borges Júnior, Laerte Honorato
Fonte: Universidade Federal de Uberlândia Publicador: Universidade Federal de Uberlândia
Tipo: Dissertação
POR
Relevância na Pesquisa
37.91%
O presente estudo investigou o efeito da hidroginástica nos fatores de risco para aterotrombose em mulheres com obesidade grau III. A amostra foi constituída de 28 voluntárias, distribuídas em dois grupos: grupo tratado (n=16, 37,7 + 7,5 anos) que participou do programa de hidroginástica, e um grupo controle (n=12, 35,6 + 7,2 anos). Os critérios de inclusão foram: ser do gênero feminino, ter idade entre 20 e 50 anos, possuir IMC 40 kg/m2, ser sedentária, ter liberação médica para prática de exercício físico, ter disponibilidade para participação nas aulas de hidroginástica, fazer acompanhamento no ambulatório de cirurgia bariátrica e residir em Uberlândia. O programa de hidroginástica foi desenvolvido em um período de dezesseis semanas, com uma freqüência de três vezes por semana, duração de cinqüenta minutos e intensidade moderada. Os grupos foram comparados pré e após o estudo quanto a composição corporal, perfil lipídico, glicemia de jejum, pressão arterial sistêmica, estresse, ansiedade e depressão. Para análise estatística foram utilizados os testes de U de Mann-Whitney, Wilcoxon, e qui-quadrado, consideraram-se significantes valores de p<0,05. Ao final da avaliação foi observado aumento da composição corporal no GC...

Evaluation of the subjective sensation of effort and cardiac frequency in adult women during aquatic exercises; Avaliação da percepção subjetiva de esforço e da freqüência cardíaca em mulheres adultas durante aulas de hidroginástica

Moreira Neves, Ana Rosa; Universidade Federal de Viçosa – UFV/MG.; A. Doimo, Leonice; Universidade Federal de Viçosa – UFV/MG.
Fonte: Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, SC. Brasil Publicador: Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, SC. Brasil
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; "Avaliado por Pares",; Avaliado por Pares; Descritiva Formato: application/pdf; application/pdf
Publicado em 23/11/2007 POR; ENG
Relevância na Pesquisa
37.84%
Aquatic exercises is one of many physical activity options, where the objective is to improve or maintain levels of health, especially in adults. However, one of aspect that merits attention is the intensity of exercise and the means by which it is controlled. The objective of this study was to compare the subjective sensation of effort (PSE) with heart rate (HR; bpm), in 49 to 53-year-old women, during aquatic exercises. Twelve women participated of this study (51,1 years + 1,6), all of whom had been participating in this modality for at least 3 months. The HR was measured by Polar and the PSE was arrived at using the Borg Scale. Data were collected at three distinct points (10, 20 and 30 minutes), during three aquatic exercise workouts. Statistical analysis employed Student’s t test and ANOVA to a level of signifi cance of 0,05. Significant differences were detected in HR between the fi rst and third workouts at 10 minutes and the fi rst and second workouts at 20 minutes. There were no signifi cant differences between mean PSE values. There was a correlation between HR and PSE at 30 minutes of the fi rst and second workouts. We therefore conclude that the Borg scale is not a good method for intensity control during aquatic exercises for this group.; A hidroginástica objetiva melhorar ou manter níveis de aptidão física relacionados à saúde...