Página 1 dos resultados de 3069 itens digitais encontrados em 0.004 segundos

Estudo de polimorfismos associados ao aumento da expressão de Hemoglobina Fetal (HbF)

Pereira, Clara Inês Antunes
Fonte: Universidade de Coimbra Publicador: Universidade de Coimbra
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
37.15%
Hemoglobinopatias devidas a mutações no gene β-globínico são responsáveis por doenças monogénicas muito comuns no mundo, nomeadamente drepanocitose e β-talassemia. A forma de hemoglobina presente em maiores concentrações no adulto (cerca de 95%) é a hemoglobina A (HbA; α2β2), estando presentes em menor percentagem a hemoglobina A2 (HBA2; α2δ2) (2-3,5%) e a hemoglobina fetal (HbF; α2γ2) (<2%). Durante o desenvolvimento fetal e primeiros meses de vida, a hemoglobina que predomina é a HbF. Em alguns doentes com hemoglobinopatias por mutações no gene β-globínico, nomeadamente na drepanocitose e β-talassemia, verifica-se um aumento dos níveis de HbF. A síntese aumentada de cadeias gama globínicas também persiste para além do nascimento em alguns adultos com parâmetros hematológicos normais, levando a que os níveis de HbF permaneçam elevados durante toda a vida; esta condição é conhecida como persistência hereditária de HbF (HPFH). O estudo da regulação dos níveis de HbF nos glóbulos vermelhos tem elevada importância clínica, na medida em que a persistência de HbF em doentes com drepanocitose e β-talassemia se traduz num benefício clínico importante, pois a sua presença compensa a redução de outras hemoglobinas funcionais. Através de estudos de associação...

O laboratório clínico na investigação dos distúrbios da hemoglobina; The clinical laboratory in the investigation of hemoglobin disorders

ALMEIDA, Lais Pinto de; WENGERKIEVICZ, Annelise Corrêa; VIVIANI, Nilceia Maria; ALBUQUERQUE, Dulcinéia Martins de; MENDES, Maria Elizabete; SUMITA, Nairo Massakazu
Fonte: Sociedade Brasileira de Patologia ClínicaSociedade Brasileira de PatologiaSociedade Brasileira de Citopatologia Publicador: Sociedade Brasileira de Patologia ClínicaSociedade Brasileira de PatologiaSociedade Brasileira de Citopatologia
Tipo: Artigo de Revista Científica
POR
Relevância na Pesquisa
37.11%
As alterações na síntese da hemoglobina resultam em um grupo de distúrbios hereditários, os quais podem ser classificados como hemoglobina variante, se a alteração tiver origem em uma mutação no gene da hemoglobina, produzindo cadeias anormais, ou como talassemias, se a estrutura é normal, porém a síntese ocorre em quantidade alterada. Este trabalho tem como objetivo descrever a condução do diagnóstico laboratorial de quatro casos de distúrbios da hemoglobina, a fim de ilustrar o papel do laboratório e discutir o papel do patologista clínico como elemento de elo entre a clínica e o laboratório no processo de elucidação diagnóstica.; Defective synthesis of hemoglobin gives rise to a group of hereditary disorders. If the defect arises from a genetic mutation producing abnormal protein chains, the condition is classified as hemoglobin variant. Whereas, if the structure is normal but the synthesis is reduced, they are denominated as thalassaemia. This article aims to describe the laboratory diagnostic approach in four cases of hemoglobin disorders in order to illustrate the role of laboratories and discuss the role of clinical pathologists as a link between physicians and laboratories in diagnostic clarification.

Degradação de vitelina e hemoglobina no carrapato bovino Rhipicephalus (Boophilus) microplus

Estrela, Andreia Bergamo
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Dissertação Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
37.18%
O presente trabalho caracterizou alguns aspectos enzimáticos da digestão de vitelina e de hemoglobina no carrapato bovino Rhipicephalus (Boophilus) microplus. Um novo protocolo foi desenvolvido para a purificação de uma cisteíno endopeptidase de larvas do carrapato (R. microplus Larval Cysteine Endopeptidase; RmLCE). A seqüência parcial de aminoácidos de RmLCE mostrou similaridade com outra cisteíno endopeptidase descrita neste organismo (Boophilus microplus Cathepsin -L1; BmCL1). Vitelina (Vt), preparada a partir de homogenatos de ovos e larvas de R. microplus, foi degradada diferencialmente por RmLCE e VTDCE (Vitellin-Degrading Cysteine Endopeptidase; uma enzima de atividade semelhante purificada de ovos de R. microplus). RmLCE também apresentou capacidade de degradação de hemoglobina em pH 4,0, e a presença de uma atividade cisteíno endopeptidásica acídica em intestino de larvas foi demonstrada. A atividade peptidásica total, presente em homogenatos de ovos, larvas e intestino de partenóginas, sobre substrato sintético em pH 4,0, mostrou-se diferencialmente susceptível a inibidores de cisteíno e aspártico endopeptidases (E-64 e pepstatina A, respectivamente). A ação combinada dos dois inibidores inibiu completamente a atividade peptidásica. Estes inibidores também afetaram a degradação de vitelina e hemoglobina por homogenatos de larvas e intestino de partenóginas. A presença de pepstatina A inibiu cerca de 50 % da atividade sobre hemoglobina em larvas...

Glutationa como agente alostérico em hemoglobina bovina, humana e de e matrinxã

Ricardi, Evandro dos Santos
Fonte: Universidade Estadual Paulista (UNESP) Publicador: Universidade Estadual Paulista (UNESP)
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: 81 f. : il. color.
POR
Relevância na Pesquisa
37.15%
Pós-graduação em Biologia Animal - IBILCE; A Glutationa (GSH) é um tripeptídeo presente nas células, que em sua forma reduzida age como antioxidante, mantendo os grupamentos tiólicos nas proteínas em estado reduzido. Ao exercer função protetora, a glutationa é oxidada para sua forma dissulfeto, expondo quatro cargas negativas. A glutationa oxidada (GSSG) poderia interagir não covalentemente com moléculas capazes de ligar ânions, como a hemoglobina. Essa condição nos levou a investigar as possíveis mudanças estruturais e funcionais das hemoglobinas bovina, humana e majoritária do peixe matrinxã (Brycon cephalus) quando interagem alostericamente com a glutationa. As amostras de sangue bovina e humana foram purificadas e submetidas à eletroforese para verificação de pureza. As propriedades de ligação com oxigênio e controle alostérico foram analisados por tonometria a 20°C, calculando a afinidade de ligação com o O2 e a cooperatividade (n50). As condições experimentais adotadas foram, stripped, cloreto e glutationa oxidada (GSSG), nessas condições, as hemoglobinas bovina e humana apresentaram efeito Bohr alcalino. O cloreto induziu o maior efeito de diminuição da afinidade em praticamente todas as condições. As hemoglobinas apresentaram processo cooperativo de ligação de oxigênio...

Estrutura quaternaria da hemoglobina de Glossoscolex paulistus (oligochaeta - glossoscolecidae)

Gabriela Maria Rennebeck
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em //1990 PT
Relevância na Pesquisa
37.15%
A hemoglobina extracelular de Glossoscolex paulistus (0ligochaeta - glossoscolecidae) apresenta peso molecular aproximado de 3.106 e é formada por cinco unidades principais de: 70kOa, 50kOa, "kDa, 28kOa e 12kDa. Estudos eletroforéticos em poliacrilamida (PAGE/SDS) evidenciaram ser a unidade 70kDa o tetrâmero formado por quatro cadeias polipeptídicas de 16kDa, a unidade 50kDa o trímero formado por três cadeias de 16kDa, as unidades 33 e 28kDa dímeros de cadeia única e a unidade 12kDa o monômero, a menor unidade encontrada nas hemoglobinas de invertebrados. A hemoglobina nativa (pH 7,4) apresenta afinidade pelo oxigênio (P50 = 6.6 torr) maior que a hemoglobina humana e menor do que a mioglobina. A hemoglobina dissociada em pH alcalino apresenta menor afinidade pelo oxigênio sendo necessário quantidade de O2 maiores para saturar 50% dos grupamentos heme. A ligação do oxigênio na hemoglobina dissociada é irreversível sendo necessário o tratamento com ditionito de sódio para que ocorresse a desoxigenação. Através da filtração da hemoglobina dissociada em gel de Sephadex G-200, foi possível isolar o monômero 12kDa. Esse monômero apresenta homologia com a mioglobina e sua afinidade pelo oxigênio é similar a mioglobina. Estudos imunoquímicos indicaram a identidade antigênica parcial entre o monômero 12kDa e o trímero 50kDa...

Implicações fisiopatológicas das descompartimentalização da hemoglobina para a biologia do óxido nítrico em pacientes com pré-eclâmpsia; Physiopathological implications of hemoglobin decompartmentalization to the nitric oxide biology in patients with preeclampsia

Jonas Tadeu Cau Sertorio
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 26/11/2012 PT
Relevância na Pesquisa
37.25%
O óxido nítrico (NO) exerce um importante papel durante as alterações hemodinâmicas que normalmente acompanham uma gravidez sadia (GS). Entretanto, em mulheres com pré-eclâmpsia (PE), uma síndrome caracterizada por hipertensão e proteinúria, a vasodilatação da circulação sistêmica materna está comprometida. Isso possivelmente ocorre devido a uma menor biodisponibilidade de NO, a qual resulta de uma menor produção e uma maior degradação do NO. Como a hemoglobina livre no plasma sequestra o NO pela rápida reação de dioxigenação, o que pode comprometer a eficiência do processo de vasodilatação mediado pela via do NO/guanilato ciclase, formulamos a hipótese de que pacientes com PE, quando comparadas com grávidas sadias, apresentariam concentrações aumentadas de hemoglobina livre no plasma, o que resultaria em maior degradação (consumo) do NO e menor biodisponibilidade de NO. Além disso, também formulamos a hipótese de que os diferentes fenótipos da haptoglobina (Hp) podem modular a biodisponibilidade de NO ao influenciar o consumo de NO na PE. A haptoglobina é uma proteína polimórfica (Hp1-1, Hp2-1 e Hp2-2) que se liga à hemoglobina para formar um complexo (Hb-Hp) que é removido da circulação...

Resolução da estrutura cristalográfica e análise da estabilidade estrutural da hemoglobina de Cerdocyon thous

Esteves, Gisele Ferreira
Fonte: Universidade de Brasília Publicador: Universidade de Brasília
Tipo: Dissertação
PT_BR
Relevância na Pesquisa
37.18%
Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Instituto de Ciências Biológicas, Departamento de Biologia Celular, 2007.; A hemoglobina de Cerdocyon thous (HbCt) foi purificada e cristalizada pelo método de difusão de vapor a 21°C na condição PEG 4000 16%, Hepes-Na 0,1 M pH 7,8. Os dados cristalográficos foram coletados no Laboratório Nacional de Luz Síncrotron (LNLS). O grupo espacial do cristal é do tipo P212121, com os eixos da célula unitária de a=52,73; b=84,24 e c=130,28 Å, correspondentes a cristais do sistema ortorrômbico. A estrutura cristalográfica da HbCt foi resolvida até o limite de 2,2 Å de resolução, pelo método de substituição molecular utilizando a estrutura da hemoglobina de Chrysocyon brachyurus (PDB ID: 1FHJ) como modelo. O modelo final obtido após o refinamento foi depositado no PDB com o código 2B7H, apresentando boa qualidade conforme indicado por vários parâmetros, dentre eles, o valor baixo dos fatores de temperatura, o Rfactor de 0,168 e Rfree de 0,232. A estrutura dessa hemoglobina apresenta uma água como ligante do ferro e sua organização estrutural assemelha-se às hemoglobinas do tipo metahemoglobina. A sua estrutura cristalográfica foi utilizada como um modelo de estudo para análise do comprometimento estrutural tridimensional com substituições de aminoácidos em posições específicas. Para isso...

Avaliar a correlação entre a concentração da hemoglobina e a medida ecográfica do diâmetro biventricular externo em fetos anêmicos de gestantes isoimunizadas

Rodrigues,Rosangela Lopes Miranda; Pereira,Alamanda Kfoury; Taveira,Marcos Roberto; Melo,Isabela Gomes de; Osanan,Gabriel Costa; Cabral,Antônio Carlos Vieira
Fonte: Sociedade Brasileira de Cardiologia - SBC Publicador: Sociedade Brasileira de Cardiologia - SBC
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/05/2005 PT
Relevância na Pesquisa
37.15%
OBJETIVO: Verificar se existe correlação significativa entre a medida ecográfica do diâmetro biventricular externo e a concentração sérica da hemoglobina fetal pré-transfusional e se essa medida ecográfica poderá vir a ser utilizada como marcador não invasivo da anemia fetal. MÉTODOS: Estudo transversal prospectivo, no qual foram selecionadas 65 cordocenteses realizadas em 36 fetos anêmicos de mães portadoras de isoimunização pelo fator Rh. Obteve-se a medida do diâmetro biventricular externo (DBVE), por meio do modo M, utilizando-se aparelho de ultra-som convencional. Anterior à transfusão foi obtida amostra de 0,5ml de sangue fetal, para dosagem da hemoglobina, sendo a medida imediatamente realizada através de espectrofotometria, no equipamento Hemocue®. Como análise estatística foi utilizada a regressão dos mínimos quadrados, aceitando-se p<0,05 e análise multivariada. RESULTADOS: Foram observadas correlação inversa entre a concentração da hemoglobina no sangue fetal no momento prévio à transfusão e a medida do DBVE e correlação direta entre a medida do DBVE e a idade gestacional, e, também, através da análise multivariada que, à medida que a concentração de hemoglobina fetal cai, o DBVE aumenta...

Comparação de metodologia utilizada para a detecção de Hemoglobina S (Hb S) em doadores de sangue

Prudêncio,Brígida C. A. B.; Covas,Dimas T.; Bonini-Domingos,Claudia R.
Fonte: Associação Brasileira de Hematologia e Hemoterapia e Terapia Celular Publicador: Associação Brasileira de Hematologia e Hemoterapia e Terapia Celular
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/08/2000 PT
Relevância na Pesquisa
37.23%
O Brasil apresenta alta prevalência de hemoglobina S, com nítidas diferenças regionais marcadas pelos processos de miscigenação da população. A presença desta hemoglobina tem sido objeto de estudo, não só em pacientes com anemia falciforme (homozigotos para hemoglobina S - Hb SS), mas também em portadores desta variante de hemoglobina em heterozigose (Hb AS). As complicações clínicas dos portadores são influenciadas por fatores genéticos e ambientais. De acordo com a portaria 1376 de 19 de novembro de 1993 para Normas técnicas de coleta, processamento e transfusão de sangue, componentes e derivados, do Ministério da Saúde, deve ser realizada a detecção de hemoglobinas anormais em doadores de sangue. Diante desta normatização e às taxas de hemoglobina S em nossa população, objetivamos no presente trabalho a identificação da hemoglobina S, utilizando técnicas de triagem utilizadas na rotina de Bancos de Sangue, como o kit de identificação para hemoglobina S da Diamed, comercializado pela designação ID-Hb S, e o teste de solubilidade. Os casos que apresentaram positividade nesta triagem foram posteriormente confirmados em eletroforese em pH alcalino e ácido. Do total de 5.416 doadores de sangue analisados pelo teste de triagem (ID - Hb S Diamed e solubilidade)...

Triagem de hemoglobinopatias e avaliação da degeneração oxidativa da hemoglobina em trabalhadores portadores do traço falciforme (HbAS), expostos a riscos ocupacionais

Silva Filho,Isaac L.; Gonçalves,Marilda S.; Adôrno,Elisângela V.; Campos,Dayse P.; Fleury,Marcos K.
Fonte: Associação Brasileira de Hematologia e Hemoterapia e Terapia Celular Publicador: Associação Brasileira de Hematologia e Hemoterapia e Terapia Celular
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/09/2005 PT
Relevância na Pesquisa
37.15%
Desde os anos 40, quando foram realizados os primeiros trabalhos de triagem para hemoglobinas anormais na população brasileira, tem sido descrita uma elevada prevalência destas em nosso meio, especialmente a hemoglobina S que, a despeito da heterogeneidade de sua distribuição geográfica, quase sempre é a mais freqüente nas diversas regiões estudadas. Aliado a este fato, estudos recentes têm demonstrado uma maior susceptibilidade desta a oxidação, tornando-a mais sensível ao estresse oxidativo que a hemoglobina normal (HbAA), mesmo em se tratando de portadores heterozigotos (HbAS). Tendo em vista que algumas substâncias químicas são comprovadamente meta-hemoglobinizantes, que alguns fatores ambientais podem influenciar na morbidade da anemia falciforme e também o pouco e controverso conhecimento de que se dispõe a respeito de portadores do traço falciforme, este estudo, além da pesquisa de hemo-globinas anormais, avaliou também a degeneração oxidativa da hemoglobina, através da pesquisa de corpos de Heinz e dosagem de meta-hemoglobina em uma população de trabalhadores portadores do traço falciforme, expostos a riscos ocupacionais. Foram triadas 2.190 amostras sangüíneas entre Outubro de 1999 e Dezembro de 2001. A população estudada foi constituída de trabalhadores de ambos os sexos com idades variando entre 18 e 76 anos. Os resultados evidenciaram 4...

Utilidad de la hemoglobina glicada como criterio diagn??stico en pacientes hospitalizados en Medicina Interna

Ruiz Rivera, Leticia
Fonte: Universidad de Granada Publicador: Universidad de Granada
Tipo: Tese de Doutorado
SPA
Relevância na Pesquisa
37.23%
La poblaci??n que ingresa en Medicina Interna presenta, por sus caracter??sticas, un alto riesgo de padecer Diabetes Mellitus (DM) tipo 2 (ancianos, obesidad, s??ndrome metab??lico, etc) y, por consiguiente, alto riesgo cardiovascular con todo lo que esto conlleva. Se sabe, por diferentes trabajos, que la prevalencia de la DM tanto a nivel mundial como en Espa??a, se encuentra infraestimada por la alta prevalencia de DM no diagnosticada. Existen datos alarmantes que indican que hasta el 40 % de los diab??ticos no est??n diagnosticados y muchos de ellos presentan la enfermedad desde 4 a 7 a??os antes del diagn??stico cl??nico . La reciente introducci??n del uso de la hemoglobina glicada como criterio diagn??stico nos facilita ??ste en nuestro perfil de pacientes, de los cuales un n??mero importante son ancianos y pluripatol??gicos, con dificultades para la realizaci??n de otras pruebas diagn??sticas. Esta prueba permite simplificar el proceso diagn??stico al restringir ??ste a una determinaci??n sangu??nea que adem??s no se ve influida, como ocurre por ejemplo con los niveles de glucemia en suero, por la situaci??n de enfermedad aguda en la que se encuentra el paciente hospitalizado. De aqu?? parte nuestra hip??tesis de trabajo que es que la hospitalizaci??n en Medicina Interna de ??sta poblaci??n en riesgo puede suponer una excelente oportunidad para detectar a los pacientes diab??ticos y prediab??ticos usando...

Síntese e caracterização de derivados de hemoglobina para aplicação terapêutica; Synthesis and characterization of hemoglobin based oxygen carriers for therapeutic application

Knirsch, Marcos Camargo
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 09/09/2015 PT
Relevância na Pesquisa
37.21%
A transfusão de sangue é uma intervenção terapêutica capaz de salvar muitas vidas. Entretanto, transfusões também apresentam uma alta gama de possíveis eventos adversos, questões logísticas, econômicas e sociais. Dentre as principais preocupações terapêuticas estão a incompatibilidade (principalmente do sistema ABO), a transmissão de microrganismos patogênicos, os distúrbios imunomodulatórios, as reações hemolíticas, o aumento estatístico do risco de morte proporcional ao volume de sangue infundido, dentre outros. Diversas alternativas às transfusões sanguíneas são propostas na literatura científica, dentre elas o desenvolvimento de transportadores de oxigênio que utilizam a hemoglobina, comumente intitulados substitutos sanguíneos. Neste âmbito, o presente estudo teve como objetivo o desenvolvimento de uma rota de síntese e a síntese de partículas de gelatina contendo hemoglobina polimerizada. Para tanto, realizou-se a síntese do polietileno glicol bis-[succinimidil succinato], extraiu-se e polimerizou-se com glutaraldeído ou polietileno glicol bis-[succinimidil succinato] hemoglobina de sangue bovino e, partículas de gelatina coriácea ou óssea contendo hemoglobina polimerizada foram sintetizadas e caracterizadas. A síntese do polietileno glicol bis-[succinimidil succinato] (SSPEG) foi caracterizada por espectroscopia RAMAN...

O Papel da Hemoglobina A1c no Rastreio de Intolerância à Glicose e da Diabetes Tipo 2 em Crianças e Adolescentes Obesos; The Role of Haemoglobin A1c in Screening Obese Children and Adolescents for Glucose Intolerance and Type 2 Diabetes

Galhardo, J; Shield, J
Fonte: Centro Editor Livreiro da Ordem dos Médicos Publicador: Centro Editor Livreiro da Ordem dos Médicos
Tipo: Artigo de Revista Científica
Publicado em //2015 POR
Relevância na Pesquisa
37.15%
Introdução: Em 2012, um comité internacional de peritos em diabetes aconselhou a hemoglobina glicada como teste de rastreio de intolerância à glicose e diabetes mellitus tipo 2 no adulto e em idade pediátrica. O objetivo deste estudo foi avaliar a utilidade deste exame numa população de crianças e adolescentes obesos, maioritariamente de etnia caucasiana. Material e Métodos: Foram recrutados 226 doentes [índice de massa corporal z-score 3,35 ± 0,59, 90% caucasianos, 55% do sexo feminino, idade mediana de 12,3 (âmbito: 8,9 – 17,6) anos] referenciados à consulta de obesidade pediátrica de um hospital terciário, com critérios para rastreio de diabetes mellitus tipo 2. Situações de hemoglobinopatia ou de alteração da sobrevida eritrocitária foram excluídas. Todos os indivíduos foram submetidos a uma prova de tolerância à glicose oral e à medição da hemoglobina glicada. Resultados: Segundo a prova de tolerância à glicose oral, 13 (4,9%) eram pré-diabéticos e nenhum diabético. De acordo com a hemoglobina glicada, 32 seriam pré-diabéticos (29 falsos-positivos) e um diabético (falso positivo, sendo este, na realidade, apenas intolerante à glicose). Por outro lado, 10 pré-diabéticos não seriam identificados (falsos-negativos). A área sob a curva receiver operator characteristic analysis da hemoglobina glicada foi 0...

The Role of Haemoglobin A1c in Screening Obese Children and Adolescents for Glucose Intolerance and Type 2 Diabetes; O Papel da Hemoglobina A1c no Rastreio de Intolerância à Glicose e da Diabetes Tipo 2 em Crianças e Adolescentes Obesos

Galhardo, Júlia; Unidade de Endocrinologia Pediátrica e Diabetes. Hospital de Dona Estefânia. Centro Hospitalar de Lisboa Central. Lisboa. Portugal. Department of Clinical Sciences. Institute of Child Life & Health. University of Bristol. Bristol. Rein
Fonte: Ordem dos Médicos Publicador: Ordem dos Médicos
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion Formato: application/pdf; application/pdf
Publicado em 30/06/2015 POR; ENG
Relevância na Pesquisa
37.15%
Introduction: In 2012, an international expert committee in diabetes wrote in favor of screening adult and paediatric patients for glucose intolerance and type 2 diabetes using glycated haemoglobin. The aim of this study was to evaluate glycated haemoglobin utility as a screening tool in a young obese mainly Caucasian population.Material and Methods: Children [(n = 266), body mass index z-score 3.35 ± 0.59, 90% Caucasian 90%, 55% female, median age 12.3 (range: 8.9 - 17.6) years old] recently referred to a tertiary hospital-based obesity clinic underwent a routine oral glicose tolerance test and glycated haemoglobin measurement. Exclusion criteria: abnormal forms of haemoglobin and conditions linked to increased erythrocyte turnover.Results: The oral glicose tolerance test diagnosed 13 (4.9%) subjects as prediabetic but none as diabetic. According to glycated haemoglobin, 32 would be prediabetic (29 false positives) and one would be diabetic (when he was only glucose intolerant). On the other hand, 10 prediabetic patients would not have been identified (false negatives). Glycated haemoglobin receiver operator characteristic analysis area under the curve was 0.59 (CI 95% 0.40 - 0.78), confirming its reduced capacity to identify prediabetes. Better results were achieved when calculating receiver operator characteristic analysis area under the curve for fasting glucose (0.76;CI 95% 0.66 - 0.87)...

Bioquímica en la vida diaria: el equilibrio químico y la función transportadora de la hemoglobina; Biochemistry Applied to Everyday Life: Chemical Equilibrium and the Transporting Function of the Hemoglobin

Orfa Rojas, María; Echeverría Palacio, Carlos Mario; Ramírez Grueso, Raúl; Coba Torres, Kelly
Fonte: Universidade do Rosário Publicador: Universidade do Rosário
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: application/pdf
Publicado em 18/05/2010 SPA
Relevância na Pesquisa
37.15%
La hemoglobina es una proteína sanguínea que puede transportar oxígeno, un gas insoluble en medio acuoso, llevándolo a las diferentes partes del organismo en donde es requerido para su buen funcionamiento, así como productos metabólicos como el CO2 y el hidrógeno, para su excreción. Estos procesos se ven condicionados por factores como el pH, la concentración de BPG, las presiones parciales de O2 y CO2, la cooperatividad de la unión entre la hemoglobina y esos compuestos y los cambios conformacionales que la hemoglobina debe sufrir para captar y soltar eficientemente estas moléculas en el sitio del organismo donde son requeridos. Cambios abruptos en la presión atmosférica ligados a la altura, y la exposición a altas concentraciones de otros gases afines a la hemoglobina como el monóxido de carbono, presente en vehículos o recintos cerrados, pueden comprometer el funcionamiento normal del organismo precisamente porque causan efectos sobre esa función transportadora de la hemoglobina. En este escrito, se explicarán fenómenos de la vida diaria relacionados con el transporte de gases por la hemoglobina, como una demostración de que los conocimientos bioquímicos comienzan a ser útiles desde ahora para entender situaciones cotidianas y a dejarnos la expectativa de su valor para entender muchos de los problemas de salud que tendremos en nuestras manos.; The hemoglobin is a blood protein which can transport oxygen...

Anemia intrahospitalaria y descenso de hemoglobina en pacientes internados

Gianserra,Carina V.; Agüero,Andrés P.; Chapelet,Adrián G.; Paradiso,Bruno; Spanevello,Valeria A.; Del Pino,María A.
Fonte: Medicina (Buenos Aires) Publicador: Medicina (Buenos Aires)
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2011 ES
Relevância na Pesquisa
37.18%
Es frecuente observar el desarrollo de anemia durante la internación, especialmente en pacientes graves. Esto se ha relacionado a extracciones de laboratorio. Pocos estudios evaluaron su prevalencia y factores asociados en pacientes internados en sala general. El objetivo fue determinar la prevalencia, características y factores clínicos asociados a anemia intrahospitalaria y descenso de hemoglobina en pacientes internados. Se efectuó un estudio transversal, prospectivo, descriptivo. Se analizaron 192 internaciones consecutivas en sala general. Se determinó aquellas que presentaron un descenso del valor de hemoglobina = 2 g/dl y se analizaron factores de riesgo asociados. Presentaron anemia 139 pacientes (72.4%), 89 (46.4%) al ingreso y 50 (26%) durante la internación. Se presentaron 47 casos de descenso de hemoglobina = 2 g/dl (24.47%), en los que se observaron los valores más bajos de hematocrito y hemoglobina al alta (p = 0.01), hidratación parenteral con mayor volumen (p = 0.01) y estadías hospitalarias más prolongadas (p = 0.0001). En el análisis univariado las variables leucocitosis = 11 000mm³ (OR; IC95%: 2.02; 1.03-4; p = 0.01), días de internación = 7 (OR; IC95%: 3.39; 1.62-7.09; p = 0.0006), hidratación parenteral = 1500 ml/día (OR; IC95%: 2.47; 1.06-6.4; p = 0.01)...

Anemia hemolítica grave causada por hemoglobina Southampton: Presentación de caso clínico

Avalos Gómez,Vanesa; Eandi Eberle,Silvia; Pepe,Carolina; Sciuccati,Gabriela; García Rosolen,Nerina; Cervio,Carolina; Díaz,Lilian; Candás,Andrea; Bonduel,Mariana; Piazza,Guillermo; Chaves,Darío; Feliú Torres,Aurora
Fonte: Archivos argentinos de pediatría Publicador: Archivos argentinos de pediatría
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/10/2012 ES
Relevância na Pesquisa
37.15%
Las hemoglobinopatías estructurales son variantes de la hemoglobina caracterizadas por la síntesis de una molécula cualitativamente diferente de la normal. La mayoría son inocuas, mientras que otras ocasionan cambios fisicoquímicos que determinan manifestaciones clínicas de gravedad variable. En el caso de las hemoglobinas inestables, las alteraciones reducen la solubilidad y facilitan la formación de complejos de hemoglobina desnaturalizada (cuerpos de Heinz) que precipitan, lo cual daña la membrana y destruye prematuramente al eritrocito. Hasta la actualidad se han descrito 142 hemoglobinas inestables, muchas de ellas ocasionan hemólisis crónica, que puede exacerbarse por infecciones o por la ingesta de medicamentos o drogas oxidantes. La hemoglobina Southampton (también conocida como hemoglobina Casper) es una variante inestable que resulta de la sustitución de un residuo de leucina por uno de prolina, en el codón ß106 (CTG ?CCG, como consecuencia de la mutación c.320 T>C. Presentamos una niña con anemia hemolítica grave, esplenomegalia y requerimiento transfusional debidos a hemoglobina Southampton.

Enfermedad por Hemoglobina H: primer caso de la variante de hemoglobina H tipo (-α3.7/ --SEA) en Costa Rica.

Cartín-Sánchez,Walter; Valverde-Muñoz,Kathia; Suárez-Vargas,Carlos; López-Villegas,Jorge
Fonte: Acta Médica Costarricense Publicador: Acta Médica Costarricense
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/07/2010 ES
Relevância na Pesquisa
37.26%
La enfermedad por Hemoglobina H es la forma más común de talasemia intermedia y posee muchas características que requieren cuidadosa consideración en su manejo clínico. En la mayoría de los casos, la enfermedad por Hemoglobina H resulta de un estado doble heterocigoto producido por una deleción tipo α0 que remueve ambos genes de α-globina en uno de los cromosoma 16 y de una deleción tipo α+ en uno de los genes de α-globina en el otro cromosoma 16, resultando en una condiciσn tipo (--/-α). El exceso de cadenas β de globina precipita y forma una hemoglobina anormal característica; la hemoglobina H (Hb H), un tetrámero de β globina (β4). Los pacientes con hemoglobina H que se encuentran en estado compensado pueden tener niveles de hemoglobina entre 9 y 10 g/dL, sin embargo durante las crisis hemolíticas, que se desarrollan durante o después de infecciones agudas con fiebres altas, la hemoglobina puede llegar a disminuir significativamente y los pacientes pueden desarrollar shock y fallo renal.Aún cuando la esplenectomía eleva la hemoglobina significativamente, no se recomienda porque la mayoría de los pacientes tienen un nivel aceptable de hemoglobina mientras se encuentren compensados. Se presenta el primer caso descrito en Costa Rica de enfermedad por hemoglobina H variante del sudeste asiático (-α3.7/ --SEA).¹

Co-herencia de poliquistosis renal autosómica dominante y hemoglobina con rasgo falciforme en afroamericanos

Peces,R.; Peces,C.; Cuesta-López,E.; Vega-Cabrera,C.; Azorín,S.; Pérez-Dueñas,V.; Selgas,R.
Fonte: Nefrología (Madrid) Publicador: Nefrología (Madrid)
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; journal article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion Formato: text/html; application/pdf
Publicado em 01/01/2011 SPA
Relevância na Pesquisa
37.29%
Antecedentes: La hematuria macroscópica derivada de la rotura de quistes renales es una manifestación habitual en la poliquistosis renal autosómica dominante (PQRAD). La enfermedad por células falciformes es una anomalía de la hemoglobina, que se hereda con carácter autosómico recesivo, consistente en la sustitución de la valina por el ácido glutámico en la posición 6 del gen de la 3-globina en el brazo corto del cromosoma 11. La gravedad de la enfermedad es proporcional a la cantidad de hemoglobina S (Hb S) en los hematíes: los heterocigotos con hemoglobina con rasgo falciforme (Hb S <50%) y los homocigotos con enfermedad por células falciformes (Hb S >75%). La presencia de hemoglobina con rasgo falciforme (Hb AS) se acompaña de manifestaciones renales, especialmente hematuria, y la necrosis papilar es la causa más frecuente de hematuria macroscópica en los pacientes heterocigotos portadores de esta hemoglobinopatía. La asociación de estas dos enfermedades hereditarias, PQRAD y hemoglobina con rasgo falciforme, se ha comunicado raramente. Se ha sugerido que los pacientes con PQRAD y hemoglobina con rasgo falciforme podían desarrollar precozmente insuficiencia renal crónica (IRC). Recientemente, se ha comunicado que la hemoglobina con rasgo falciforme es un factor de riesgo predisponente para el desarrollo de enfermedad renal crónica en afroamericanos. Pacientes y métodos: Se estudiaron 2 familias de origen afroamericano (4 pacientes) que co-heredaron la PQRAD y la hemoglobina con rasgo falciforme (heterocigotos). El diagnóstico de hemoglobina falciforme (Hb S) se realizó por electroforesis de la hemoglobina. El volumen renal se midió mediante resonancia magnética (RM). Resultados: La paciente índice...

Diferencias entre la hemoglobina observada y estimada por hematocrito y su importancia en el diagnóstico de anemia en población costera venezolana: análisis del segundo estudio nacional de crecimiento y desarrollo humano (SENACREDH)

Flores-Torres,Jessica; Echeverría-Ortega,María; Arria-Bohorquez,Melissa; Hidalgo,Glida; Albano-Ramos,Carlos; Sanz,Rafael; Rodríguez-Morales,Alfonso J.
Fonte: Instituto Nacional de Salud Publicador: Instituto Nacional de Salud
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/03/2011 ES
Relevância na Pesquisa
37.25%
Objetivos. Evaluar las diferencias entre el valor de hemoglobina observada y el valor estimado a partir del hematocrito en el marco del Segundo Estudio Nacional de Crecimiento y Desarrollo Humano de la Población Venezolana (SENACREDH) en el eje centro norte costero del país. Materiales y métodos. Por medio de un muestreo probabilístico multietápico por conglomerados se seleccionó un total de 6004 sujetos que representan 7 286 781 habitantes del eje Centro Norte Costero (Vargas, Carabobo, Distrito Capital, Aragua y Miranda). Se compararon medias de la hemoglobina observada y hemoglobina estimada (hematocrito/3), usando la prueba t para muestras relacionadas. Se realizaron regresiones lineales entre hemoglobina observada y hematocrito. Resultados. Se observó que el promedio de las diferencias entre la asignadas a la hemoglobina observada y la estimada por el hematocrito fue de -0,3446 ± 0,0002 (p<0,001); sobreestimando significativamente los valores de hemoglobina. Modelos de regresión del hematocrito para la hemoglobina arrojan un valor de r2=0,87. Al corregir la estimación, se propone una nueva forma de calcularla, con la siguiente fórmula: hemoglobina estimada = (hematocrito/3,135) + 0,257. Conclusiones. Existe una sobreestimación de hemoglobina y...