Página 1 dos resultados de 364 itens digitais encontrados em 0.003 segundos

Hayek, Hicks e a ascensão do walrasianismo; Hayek, Hicks and the rise of walrasianism

Soromenho, Jorge Eduardo de Castro
Fonte: Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinas Publicador: Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinas
Tipo: Artigo de Revista Científica
POR
Relevância na Pesquisa
37.62%
O artigo discute a origem e a evolução dos conceitos de equilíbrio e tempo que Hicks utilizou para interpretar a Teoria Geral de Keynes. O trabalho está organizado em duas partes. Na primeira, analisaram-se os trabalhos de Hayek. Examinaram-se sua concepção de equilíbrio intertemporal e projeto de desenvolver uma teoria dos ciclos. Por último, discutiram-se a implementação desse projeto e seus problemas. Na segunda parte, foi examinado como Hicks, ao refletir sobre os problemas da teoria de Hayek, desenvolveu seus próprios conceitos de equilíbrio e tempo.

Preços e livre-arbítrio : da ordem sensorial à ordem espontânea em Hayek

Pin, Cedric
Fonte: Universidade de Brasília Publicador: Universidade de Brasília
Tipo: Dissertação
POR
Relevância na Pesquisa
37.24%
Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Departamento de Economia, 2009.; O liberalismo econômico de Hayek é reforçado pela filosofia da mente moderna. A evolução dos paradigmas mentais amplia o leque de opções de um indivíduo, cujo livre-arbítrio se consolida a medida que suas decisões interpessoais são guiadas por um sistema de valores. Nessa ótica, preços e outros sinais de mercado cumprem a função epistemológica de sintetizar e replicar as informações subjetivas dos indivíduos. Por essa razão, uma intervenção ad-hoc no mercado distorce a transmissão de informações, prejudica a consolidação do conhecimento, destitui o sistema econômico de seu componente heurístico, desorienta a evolução e, enfim, gera ineficiência econômica. _________________________________________________________________________________________ ABSTRACT; Hayek’s economic liberalism is supported by contemporary philosophy of mind. The evolution of mental paradigms broadens the set of options available to any individual, whose free will is consolidated to the extent that his interpersonal decisions are guided by a value system. In this sense, prices and other market signals have the epistemological role of establishing and replicating subjective information of individuals. Therefore...

Do conceito de liberdade em Friedrich A. Hayek: um contributo para o estudo do liberalismo clássico em Portugal

Pires, Samuel de Paiva
Fonte: Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas Publicador: Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2011 POR
Relevância na Pesquisa
37.53%
Dissertação de Mestrado em Ciência Política; Este trabalho tem como objectivo entender como se articula o pensamento de Friedrich A. Hayek no que diz respeito à salvaguarda da liberdade individual. Começando por operacionalizar o conceito de liberdade, pretende-se demonstrar que há uma clara linha no pensamento de Hayek que articula a ordem espontânea, a cataláxia e o estado liberal de forma a gerar uma dinâmica que tem como objectivo garantir o maior grau de liberdade individual possível. Neste trabalho fica também patente a demonstração de que o socialismo e o planeamento centralizado são epistemologicamente impossíveis, e que o conceito de justiça social é o responsável pelo descrédito da política nas modernas democracias liberais. Desta forma, procura-se efectuar uma reflexão crítica, recorrendo tanto à descrição como à análise do pensamento de Hayek, que, por estar parcamente traduzido em português, carece de ser estudado como forma de o divulgar à generalidade dos portugueses.

Reciprocidade e mercado: uma leitura crítica comparada entre Hayek e Mauss

Haro, Fernando Ampudia de
Fonte: Instituto Universitário de Lisboa Publicador: Instituto Universitário de Lisboa
Tipo: Trabalho em Andamento
Publicado em 12/06/2015 POR
Relevância na Pesquisa
37.24%
O objectivo deste trabalho é analisar criticamente dois princípios de governação económica: o princípio da reciprocidade e o princípio do mercado. Tais princípios são examinados a partir do contributo de dois dos seus principais teóricos, Marcel Mauss e Friedrich Hayek. Mais especificamente, são estudados os seguintes aspectos: a) as suas dimensões estruturais; b) a noção de actor económico associada à reciprocidade e ao mercado; e c) a ordem socio-económica derivada da aplicação de cada princípio

Evolução e desígnio em Hayek

Kerstenetzky,Celia Lessa
Fonte: Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP) da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) Publicador: Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP) da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/1999 PT
Relevância na Pesquisa
37.53%
In an examination of Hayek’s social philosophy, the article seeks to distinguish between socio-epistemological arguments, which postulate the radical ignorance of social actors, and the conservative political conclusions usually associated with Hayek’s thought, which prophesy the destruction of the spontaneous order owing to efforts to intervene in the social world. The ultimate purpose of drawing this distinction is to lay the ground for a discussion of a new alliance, one between these arguments and the possibility of design. This exploration of multi-sided Hayekian argumentation allows us to identify some ambiguities essential towards the article’s purposes. The most important ambiguity appears in the argument against planned changes, where Hayek describes the foreseeable negative consequences of such changes and also sketches the scenario shaped by the foreseeable beneficial effects of the undisturbed operation of the spontaneous order.

Individualismo interativo: um ensaio sobre o individualismo metodológico de Hayek

Kerstenetzky,Celia Lessa
Fonte: Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas - FIPE Publicador: Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas - FIPE
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/03/2007 PT
Relevância na Pesquisa
37.24%
Este paper tem como objetivo central identificar, no tratamento de Friedrich Hayek ao problema da ordem social, uma nova modalidade de individualismo metodológico, que denominarei de "individualismo interativo". Este se diferencia do individualismo metodológico convencional - que deduz a ordem de escolhas racionais de indivíduos - sob dois aspectos principais. O primeiro diz respeito à problematização das condições de conhecimento - ou seja o conhecimento dos indivíduos não é suposto como dado ou objetivamente disponível, mas como o primeiro problema a ser enfrentado pela abordagem. O segundo, decorrente do primeiro, diz respeito à própria unidade de análise que já não mais pode ser os indivíduos isolados, tomados como dados, mas "indivíduos interagentes".

O Estado de bem-estar em Hayek e Luhman

Bachur,João Paulo
Fonte: Departamento de Sociologia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo Publicador: Departamento de Sociologia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/11/2013 PT
Relevância na Pesquisa
37.24%
A teoria de sistemas sociais tem sido alvo de críticas que veem em suas premissas um conteúdo político considerado neoliberal: partindo de uma visão estereotipada do conceito de autopoiese, segundo a qual a economia funcionalmente diferenciada não pode ser determinada pela política, inferem uma preferência pelo livre mercado. O objetivo deste artigo é apresentar um confronto entre as visões de Hayek e Luhmann, tendo como fio condutor as respectivas considerações sobre o Estado de bem-estar. Enquanto a crítica neoliberal se converte automaticamente em uma defesa moral do livre mercado, a teoria de sistemas permite (via acoplamentos estruturais) uma discussão mais acurada das relações entre política e economia e um diagnóstico consistente do welfare state.

O mercado como ordem social em Adam Smith, Walras e Hayek

Ganem,Angela
Fonte: Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinas Publicador: Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinas
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/04/2012 PT
Relevância na Pesquisa
37.53%
O objetivo do artigo é apresentar criticamente as teorias do mercado de Adam Smith, Leon Walras e F. A. Hayek, sublinhando o que se considera terem em comum, ou seja, a ideia de mercado como expressão da ordem social capitalista. Entende-se que esta concepção do mercado como ordem social aparece originariamente na história do pensamento econômico e na história das ideias através da solução de Adam Smith frente aos filósofos do contrato e avança, analiticamente, um século após, na tentativa de demonstração lógico-matemática da Teoria do Equilíbrio Geral em Walras para adquirir a souplesse teórica necessária a sua sobrevivência, no século XX, na teoria de Hayek, em que a história realizaria o autodesenvolvimento da ordem do mercado. O texto percorre as filiações filosóficas e as implicações metodológicas das teorias do mercado desses grandes autores, mostrando as formas diferenciadas que elas assumem: ordem natural para Smith, ordem racional para Walras e ordem espontânea para Hayek.

Hayek, Hicks e a ascensão do walrasianismo

Soromenho,Jorge Eduardo de Castro
Fonte: Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinas Publicador: Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinas
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/08/2012 PT
Relevância na Pesquisa
37.42%
O artigo discute a origem e a evolução dos conceitos de equilíbrio e tempo que Hicks utilizou para interpretar a Teoria Geral de Keynes. O trabalho está organizado em duas partes. Na primeira, analisaram-se os trabalhos de Hayek. Examinaram-se sua concepção de equilíbrio intertemporal e projeto de desenvolver uma teoria dos ciclos. Por último, discutiram-se a implementação desse projeto e seus problemas. Na segunda parte, foi examinado como Hicks, ao refletir sobre os problemas da teoria de Hayek, desenvolveu seus próprios conceitos de equilíbrio e tempo.

La economía española, 1996-2008: contrastación de las teorías de Keynes y Hayek.

Revuelta López, Julio; González Prieto, Noelia
Fonte: Eumed.net Publicador: Eumed.net
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; publishedVersion
SPA
Relevância na Pesquisa
37.62%
RESUMEN. La actual situación económica española invita a investigar sobre las causas de la crisis. En el presente artículo nos preguntamos si las teorías de John Maynard Keynes y Friedrich August von Hayek sobre el ciclo económico pueden ayudar a explicar qué está ocurriendo y por qué. Si así fuera, en sus obras también podríamos encontrar alguna ayuda que, aplicada, mitigase el efecto negativo de la fase descendente del ciclo y evitase repetir los hechos, en la medida de lo posible, en el futuro. Para ello aplicamos una metodología basada en la cointegración sobre las series temporales de las principales variables macroeconómicas españolas entre 1996 y 2004. La principal aportación realizada es la identificación de los factores causantes del último ciclo de la economía española. Estos coinciden parcialmente con los expuestos por Hayek, por lo que su teoría encuentra un cierto respaldo empírico en el caso analizado.; ABSTRACT. The current present Spanish economic situation invites research on the causes of the global crisis. In this article we enquire whether the theories of John Maynard Keynes and Friedrich August von Hayek about the economic cycle can help to explain what is happening now and why. If this is so...

Predecibilidad, derecho y justicia en F.A. Hayek: algunas notascríticas

Centenera Sánchez-Seco, Fernando
Fonte: Universidade da Coruña Publicador: Universidade da Coruña
Tipo: Artigo de Revista Científica
SPA
Relevância na Pesquisa
37.68%
[Resumen:] En la idea de Estado de Derecho que propone Hayek, la predecibilidad de las decisiones de los órganos públicos juega un papel importante. Para que esta sea posible, según Hayek es necesario que las normas no sean vagas. Por otra parte, el autor considera también que la predecibilidad de las decisiones judiciales aumentará, si quienes juzgan tienen en cuenta las ideas compartidas de lo que es justo. Aunque estas ideas resultan sugerentes en un primer momento, un estudio más detenido suscita numerosas reservas, tanto desde el punto de vista de la predecibilidad, como desde el de la justicia. En este estudio se exponen algunas reflexiones críticas sobre estos planteamientos.; [Abstract] According to Hayek’s idea of the rule of law, the predictability of the decisions taken by public bodies plays a key role. In order for that to be possible, Hayek emphazises the need to avoid vagueness in the rules. Hayek also claims that the predictability of legal decisions will increase if those who judge bear in mind shared ideas of what is just. Although these approaches are attractive at first sight, closer inspection leads to a number of reservations in terms of predictability and of justice. This paper offers some critical reflections on Hayek’s thoughts in this regard.

Hayek e teoria das instituições; Hayek and the theory of institutions

Eduardo Angeli
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 20/04/2007 PT
Relevância na Pesquisa
27.81%
O objetivo da dissertação é contribuir ao estudo do pensamento econômico e social de Friedrich August von Hayek, focalizando em aspectos institucionais. Parte-se de taxonomia proposta por David Dequech, buscando-se estabelecer com quais tipos de incerteza Hayek lidava e a causa pela qual ele afirmava que a realidade é complexa. A partir desta plataforma é esclarecido o que Hayek entendia por instituição, regra, cultura e outros termos correlatos e, então, de que forma ele pensava que as instituições atuam sobre o comportamento econômico individual. Por fim, vemos o que significam o "racionalismo crítico" hayekiano e a teoria evolucionária de mudança institucional, pilares da filosofia política liberal de Hayek, em oposição ao que ele chamava de "racionalismo construtivista" e "Darwinismo Social"; The dissertation aims to contribute to the study of the economic and social thought of Friedrich August von Hayek, focusing on institutional aspects. It starts with a taxonomy of varieties of uncertainty proposed by David Dequech, trying to identify those with which Hayek dealt and why he stated that reality is complex. Based on this, the dissertation examines what Hayek understood by terms such as institutions, rules, culture and the like...

Individualismo interativo: um ensaio sobre o individualismo metodológico de Hayek

Kerstenetzky, Celia Lessa
Fonte: Universidade de São Paulo. Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Publicador: Universidade de São Paulo. Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Formato: application/pdf
Publicado em 01/03/2007 POR
Relevância na Pesquisa
37.42%
The main purpose of this paper is to identify the elements for a new kind of methodological individualism - 'interactive individualism' - in Friedrich Hayek's work. This departs from conventional rational choice oriented ideas of methodological individualism in two mains respects. The first has to do with turning the knowledge conditions a problem in its own right, to be sorted out in the process of understanding the social coordination. The second refers to the very unit of analysis which cannot be isolated individuals, taken as given, but 'interacting individuals' instead.; Este paper tem como objetivo central identificar, no tratamento de Friedrich Hayek ao problema da ordem social, uma nova modalidade de individualismo metodológico, que denominarei de "individualismo interativo". Este se diferencia do individualismo metodológico convencional - que deduz a ordem de escolhas racionais de indivíduos - sob dois aspectos principais. O primeiro diz respeito à problematização das condições de conhecimento - ou seja o conhecimento dos indivíduos não é suposto como dado ou objetivamente disponível, mas como o primeiro problema a ser enfrentado pela abordagem. O segundo, decorrente do primeiro, diz respeito à própria unidade de análise que já não mais pode ser os indivíduos isolados...

“A força da liderança com ideias” ou “Thatcher, Hayek e o Brasil”

Cavalieri, Marco Antonio; UFPR; Passos, Marcelo de Oliveira; UFPel
Fonte: UFPR Publicador: UFPR
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Formato: application/pdf
Publicado em 26/08/2014 POR
Relevância na Pesquisa
37.53%
Recentemente, Margaret Thatcher, uma das principais líderes do liberalismo econômico no âmbito político, faleceu, suscitando uma série de reavaliações sobre o significado de sua passagem pelo cargo de primeira-ministra da Grã-Bretanha. Thatcher era admiradora da obra de um dos grandes líderes do liberalismo econômico no âmbito acadêmico, o economista austríaco Friedrich Hayek. Em nossa opinião, a relação entre as ideias de Hayek e a atuação política de Margaret Thatcher é um excelente exemplo da interação entre o meio acadêmico e a adoção das suas recomendações na prática política. Desse modo, aproveitamos para realizar três esforços de síntese nesse artigo. Primeiro, revisitar o núcleo duro das ideias econômicas e da abordagem teórica de Hayek. Em segundo lugar, analisar como o economista austríaco influenciou não somente Thatcher, mas seu contemporâneo Ronald Reagan. Por fim, algumas notas conclusivas analisam a relação entre o mundo acadêmico e a prática, fazendo algumas ilações a partir disso. Vale mencionar, a título de alerta, que o artigo tem um caráter ensaístico.

Popper, Hayek e a (im)possibilidade de predições específicas em Ciências Sociais

Fernandez, Brena Paula Magno; USP - São Paulo - SP
Fonte: Universidade Federal de Santa Catarina Publicador: Universidade Federal de Santa Catarina
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Formato: application/pdf
Publicado em 01/01/2000 POR
Relevância na Pesquisa
37.42%
Em suas duas obras de meados dos anos quarenta (A Miséria do Historicismo e A Sociedade Aberta e seus Inimigos) Popper defende a posição de que não existem diferenças metodológicas ou epistemológicas significativas entre as ciências naturais e sociais. Cada uma delas teria como objetivo elaborar explicações causais dos fenômenos observados e a seguir testá-los por meio de predições específicas. Em seus últimos ensaios, entretanto, esse ponto de vista é reformulado, já que a importância da causalidade é enfraquecida frente a necessidade do falseacionismo. Hayek, por seu turno, em seus trabalhos sobre a metodologia das ciências sociais, sempre defendeu que as predições nessa classe de fenômenos (que ele classifica como complexos) não podem se referir a eventos discretos, mas sim à classes de eventos. Meu objetivo é confrontar essas duas posições, argumentando que Popper gradualmente incorpora as propostas de Hayek.

Hayek: da teoria do mercado como ordem espontânea ao mercado como fim da história

Ganem, Angela; Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil
Fonte: Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Publicador: Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Formato: application/pdf
Publicado em 27/12/2012 POR
Relevância na Pesquisa
37.53%
http://dx.doi.org/10.5007/2175-7984.2012v11n22p93O texto tem como objetivo demonstrar a centralidade do conceito de ordem espontânea do mercado em Hayek, examinando-a sob múltiplos aspectos, que vão desde conceito estruturante de seu edifício teórico à ideia de que a ordem social dele derivada é concebida como a melhor forma de organização social para as sociedades contemporâneas. O paper tem como objetivo subjacente sublinhar a atualidade da obra de Hayek, este que foi uma das maiores expressões do ultraliberalismo, destacando a sua perspectiva de cosmovisão da sociedade, a sua crítica filosófica ao racional construtivismo, bem como a sua concepção de um indivíduo ignorante frente à complexidade do mundo. O segundo movimento do trabalho trata das contradições da teoria da evolução cultural hayekiana em que o mercado é compreendido como passado, presente e futuro das sociedades. Este último ponto em que o mercado é compreendido como fim da história nos permite identificar a perspectiva ultrarracionalista de Hayek e apontar como a sua teoria alimenta uma apologética defesa do mercado como a única forma de organização para as sociedades contemporâneas.

Se Hayek conhecesse o “socialismo bolivariano”...

Wolff Beckert, Tiago; Universidade de Brasília
Fonte: Meridiano 47; Meridiano 47 Publicador: Meridiano 47; Meridiano 47
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; Formato: application/pdf
Publicado em 12/10/2010 POR
Relevância na Pesquisa
37.24%
A partir  de uma comparação com o “socialismo bolivariano” da Venezuela, o presente artigo busca analisar a situação do análogo sistema na Bolívia,  sob a ótica da análise do teórico austríaco Hayek, exposta em “o caminho para a servidão”.

O mercado como ordem social em Adam Smith, Walras e Hayek

Ganem, Angela
Fonte: Universidade Estadual de Campinas - Instituto de Economia - Setor de Publicações Publicador: Universidade Estadual de Campinas - Instituto de Economia - Setor de Publicações
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Artigo Avaliado pelos Pares; Formato: application/pdf
Publicado em 14/12/2015 POR
Relevância na Pesquisa
37.77%
O objetivo do artigo é apresentar criticamente as teorias do mercado de Adam Smith, Leon Walras e F. A. Hayek, sublinhando o que se considera terem em comum, ou seja, a ideia de mercado como expressão da ordem social capitalista. Entende-se que esta concepção do mercado como ordem social aparece originariamente na história do pensamento econômico e na história das ideias através da solução de Adam Smith frente aos filósofos do contrato e avança, analiticamente, um século após, na tentativa de demonstração lógico-matemática da Teoria do Equilíbrio Geral em Walras para adquirir a souplesse teórica necessária a sua sobrevivência, no século XX, na teoria de Hayek, em que a história realizaria o autodesenvolvimento da ordem do mercado. O texto percorre as filiações filosóficas e as implicações metodológicas das teorias do mercado desses grandes autores, mostrando as formas diferenciadas que elas assumem: ordem natural para Smith, ordem racional para Walras e ordem espontânea para Hayek.Abstract The objective of the article is to critically present the liberal theories of Adam Smith, Leon Walras and F. A. Hayek, underlining what they have in common, that is, the idea of market as a general theory of society and the construction of scientific attributes that make possible the understanding of the supremacy of market order against other forms of social organization. It is assumed that this conception of market as social order appears originally in the history of economical thought and in the history of ideas through Adam Smith’s solution against contract philosophers and that it advances analytically...

Hayek, Hicks e a ascensão do Walrasianismo

Soromenho, Jorge Eduardo de Castro
Fonte: Universidade Estadual de Campinas - Instituto de Economia - Setor de Publicações Publicador: Universidade Estadual de Campinas - Instituto de Economia - Setor de Publicações
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Artigo Avaliado pelos Pares; Formato: application/x-empty
Publicado em 14/12/2015 POR
Relevância na Pesquisa
37.62%
O artigo discute a origem e a evolução dos conceitos de equilíbrio e tempo que Hicks utilizou para interpretar a Teoria Geral de Keynes. O trabalho está organizado em duas partes. Na primeira, analisaram-se os trabalhos de Hayek. Examinaram-se sua concepção de equilíbrio intertemporal e projeto de desenvolver uma teoria dos ciclos. Por último, discutiram-se a implementação desse projeto e seus problemas. Na segunda parte, foi examinado como Hicks, ao refletir sobre os problemas da teoria de Hayek, desenvolveu seus próprios conceitos de equilíbrio e tempo.Abstract In this article, the origins and evolution of the equilibrium and time concepts that Hicks later used to interpret Keynes’ theory are discussed. The paper is organized into two parts. In the first, the work of Hayek is analyzed, examining his conception of intertemporal equilibrium, his project to develop a theory of cycles, and lastly, the implementation of this project in Prices and Production and the related problems. In the second part we examine how Hicks, reflecting on the problems raised by Hayek’s theory, developed his own concepts of equilibrium and time.Keywords: Hayek. Hicks. Business cycle theory

F. A. VON HAYEK E O CONHECIMENTO TÁCITO: UMA ANÁLISE DAS SUAS CONTRADIÇÕES

Lucena, Carlos; França, Robson Luiz de; Previtalli, Fabiane Santana; Santos, Adriana Cristina Omena dos; Saramago, Guilherme
Fonte: Revista HISTEDBR On-line Publicador: Revista HISTEDBR On-line
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Formato: application/pdf
Publicado em 18/08/2012 POR
Relevância na Pesquisa
37.42%
Este artigo tem como objetivo problematizar o pensamento de F. A. Von Hayek e suascontribuições referentes ao trabalho concreto. Analisa seu diálogo com a dimensão doconhecimento tácito expresso na segunda fase epistemológica da sua obra denominadacomo “teoria dos fenômenos complexos”. Ao desenvolver esse percurso, nos utilizamos depressupostos referentes à obra de Marx e Engels como contraponto às concepções liberaisapresentadas por Hayek. Demonstramos que o idealismo presente em seus trabalhos nãoretratam a realidade material da elaboração de mercadorias, omitindo processos elaboradasde exploração do homem pelo homem.