Página 1 dos resultados de 85 itens digitais encontrados em 0.008 segundos

Perfil epidemiol??gico da hansen??ase em menores de 15 anos no munic??pio de Teresina, Piau??

Oliveira, Carlos Alberto Rodrigues de
Fonte: Fundação Oswaldo Cruz Publicador: Fundação Oswaldo Cruz
Tipo: Dissertação
Relevância na Pesquisa
67.16%
A hansen??ase ?? uma endemia em processo de elimina????o no mundo. Entre os anos de 1985 at?? o in??cio de 2005, 14 milh??es de casos foram diagnosticados e tratados. Nas ??ltimas d??cadas at?? o in??cio de 2004, houve um decl??neo da carga global da doen??a de aproximadamente 90 por cento. Os dados do Minist??rio da Sa??de do Brasil revelam a necessidade de focalizar e agilizar o diagn??stico da hansen??ase em menores de 15 anos, os quais podem ser os contactantes de casos ainda n??o assistidos e n??o identificados pelo sistema de sa??de. Objetivou-se com o presente trabalho analisar o perfil epidemiol??gico da hansen??ase em menores de quinze anos no per??odo de 1997 a 2006, no munic??pio de Teresina-Piau??, bem como avaliar os dados sobre a doen??a no sistema de informa????o oficial de agravos de notifica????o. Procurou-se tamb??m, descrever a evolu????o hist??rica dos casos novos registrados entre os menores de 15 anos, considerando sua distribui????o geogr??fica nos bairros da capital. O estudo utilizou uma abordagem quantitativa. Os sujeitos do estudo foram todos os casos de hansen??ase em menores de 15 anos, de ambos os sexos, notificados no per??odo de 1997 a 2006 e residentes no munic??pio de Teresina-Piau??. O estudo da avalia????o da magnitude da endemia considerou dois per??odos de cinco anos...

Determina??o das concentra??es plasm?ticas de amitriptilina por cromatografia l?quida de alta efici?ncia em pacientes com hansen?ase e estados reacionais

MORAES, T?nia Mara Pires
Fonte: Universidade Federal do Pará Publicador: Universidade Federal do Pará
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
66.78%
A hansen?ase ? uma doen?a infecciosa cr?nica, causada pelo Mycobacterium leprae, que afeta preferencialmente nervos perif?ricos e pele. O acometimento nervoso ? respons?vel por deformidades e sintomatologia dolorosa, com consequente diminui??o da qualidade de vida dos pacientes. A amitriptilina vem sendo utilizada como droga de escolha no al?vio da dor neurop?tica nesses indiv?duos. Entretanto, considerando a estreita faixa terap?utica e a importante variabilidade interindividual desse f?rmaco, faz-se necess?rio a monitoriza??o de suas concentra??es plasm?ticas a fim de otimizar os esquemas terap?uticos. Neste sentido, o objetivo deste estudo foi validar metodologia anal?tica por Cromatografia L?quida de Alta Efici?ncia, determinar as concentra??es plasm?ticas de amitripitilina, bem como comparar as concentra??es plasm?ticas de amitriptilina com a presen?a de poliquimioterapia e o tipo de epis?dio reacional nos pacientes atendidos no Ambulat?rio do N?cleo de Medicina Tropical, que utilizaram doses de 25 e 50 mg/dia. A t?cnica validada demonstrou resultados adequados e perfeitamente aplic?veis ? metodologia desejada. Dentre os pacientes participantes do estudo, 12 (57%) foram do sexo masculino e 9 (43%) feminino. Em rela??o ao per?odo de ocorr?ncia do epis?dio reacional 8 pacientes (38%) estavam fazendo uso da poliquimioterapia e 13 pacientes (62%) ap?s o t?rmino do tratamento. Dez pacientes (47%) participantes do estudo apresentaram epis?dio reacional tipo I e 11 (53%) do tipo II. A concentra??o plasm?tica m?dia de amitriptilina na dose 25mg/dia foi de 318 144 ng/mL e na dose de 50 mg/dia foi de 361...

Preven??o de incapacidades f?sicas causadas pela hansen?ase na 1? regi?o de sa?de, Ji-Paran?, Rond?nia

LACERDA, Dailton Alencar Lucas de
Fonte: Universidade Federal do Pará Publicador: Universidade Federal do Pará
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
67.12%
A hansen?ase, doen?a end?mica no Brasil, de car?ter cr?nico, que afeta principalmente o tegumento cut?neo e os nervos perif?ricos. Tamb?m pode afetar a bucofaringe. Este trabalho objetivou realizar estudo sobre a Preven??o de Incapacidades (PI) em Hansen?ase, na Primeira Regi?o de Sa?de de Rond?nia, no Programa para Elimina??o e Controle da Hansen?ase com sede no munic?pio de Ji-Paran?, que envolve o atendimento sistem?tico aos portadores de Hansen?ase de 16 munic?pios circunvizinhos. Utilizou-se como instrumento de coleta um levantamento de dados nos mapas de controle e relat?rios da 1? Regi?o de Sa?de de todos os indiv?duos atendidos no programa no per?odo de 2000 e 2001, considerando-se faixa et?ria, sexo, forma cl?nica e grau de incapacidade. Foram estudados 331 indiv?duos, na faixa et?ria de 10 a 84 anos de ambos os sexos. Numa etapa posterior, foi analisado o cruzamento dos dados acima mencionados com outros estudos feitos a respeito do assunto. Baseado nos resultados encontrados e discutidos, ficou evidenciada a import?ncia do diagn?stico precoce, do tratamento imediato pelo uso da poliquimioterapia e da preven??o de incapacidades como meio de estacionar ou regredir les?es advindas do acometimento dos nervos perif?ricos e pele...

Fatores de risco para hansen?ase em portadores de HIV e AIDS em ?reas de alta endemicidade na Amaz?nia

MONTEIRO, Ronaldo Costa
Fonte: Universidade Federal do Pará Publicador: Universidade Federal do Pará
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
67.3%
Em um pa?s onde a hansen?ase ? end?mica e onde a infec??o pelo HIV continua expandindo-se e interiorizando-se, espera-se encontrar um aumento da preval?ncia de indiv?duos convivendo simultaneamente com hansen?ase e HIV/aids. Com o objetivo de identificar fatores de risco para a hansen?ase em portadores de HIV/aids e descrever aspectos cl?nicos e epidemiol?gicos, realizou-se um estudo de caso controle envolvendo 33 pacientes co-infectados (HIV/hansen?ase) e 90 controles (HIV/aids sem hansen?ase). Na amostra estudada o sexo masculino foi mais freq?ente tanto nos coinfectados quanto nos controles, prevaleceram jovens e adultos jovens em ambos os grupos, Bel?m foi a ?rea de proced?ncia mais freq?ente entre co-infectados e controles, n?o houve diferen?a entre renda familiar de co-infectados e controles, os pacientes co-infectados apresentavam-se, em sua maioria, no est?gio de aids com grande oscila??o de c?lulas CD4 perif?ricas. As formas cl?nicas mais freq?entem ente encontradas, entre os co-infectados, foram as paucibacilares, sendo a m?dia de c?lulas CD4+ no sangue perif?rico significativamente maior no grupo de co-infectados. Os prov?veis fatores de risco para hansen?ase relacionados ? infec??o pelo HIV (situa??o cl?nica, situa??o de imunodefici?ncia laboratorial e co-morbidades com outras micobacterioses) n?o foram estatisticamente significantes. Os fatores de risco para hansen?ase j? descritos na literatura...

Altera??es cl?nicas e metab?licas em portadores de hansen?ase multibacilares

CALIXTO, Sheyla Cristina de Souza
Fonte: Universidade Federal do Pará Publicador: Universidade Federal do Pará
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
67.07%
A hansen?ase ? doen?a infecto-contagiosa cr?nica causada pelo Mycobacterium leprae. Caracteriza-se por acometimento dermatoneurol?gico, variando em espectro entre dois polos est?veis (tuberculoide e virchoviano), com formas intermedi?rias inst?veis. Uma classifica??o operacional, para fins de tratamento, re?ne os doentes em dois grupos: paucibacilares (PB) que correspondem a formas cl?nicas que possuem 1-5 les?es e baciloscopia negativa; multibacilares (MB) que correspondem a formas cl?nicas com mais de 5 les?es e com ou sem baciloscopia positiva. Apesar de cur?vel, a hansen?ase ainda representa relevante problema de sa?de p?blica. Sua maior morbidade associa-se aos estados reacionais e ao acometimento neural que podem causar incapacidades f?sicas e deformidades permanentes, comprometendo significativamente a qualidade de vida dos pacientes. Consequ?ncias cl?nicas, no que diz respeito as altera??es oftalmol?gicas, end?crinas e cardiovasculares podem advir da etiopatogenia do processo infeccioso e imunopatol?gico, assim como dos efeitos adversos medicamentosos, desse modo tais eventos necessitam de esclarecimento afim de que o planejamento em sa?de possa minimizar tais agravos. Um pronto diagn?stico, possibilita um tratamento precoce e eficaz...

Tend?ncia da incid?ncia de hansen?ase em menores de 15 anos em Jacund? - Par? e sua rela??o com a implanta??o dos servi?os de sa?de

COELHO J?NIOR, Jos? Maria dos Santos
Fonte: Universidade Federal do Pará Publicador: Universidade Federal do Pará
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
67.01%
A hansen?ase ? uma doen?a infecciosa, causada pelo Mycobacterium leprae que configura s?rio problema de sa?de p?blica no Brasil, principalmente na regi?o Norte. O coeficiente de detec??o anual de hansen?ase em menores de 15 anos ? utilizado pelo minist?rio da sa?de para avaliar a magnitude da transmiss?o em uma determinada popula??o. O estudo teve como objetivo investigar e analisar a incid?ncia da hansen?ase em menores de 15 anos no munic?pio de Jacund? - PA, em uma s?rie hist?rica (1999-2008) e a sua rela??o com a implanta??o dos servi?os de vigil?ncia em sa?de. Respeitando os crit?rios de exclus?o, ao final, o estudo compreendeu 210 casos que foram notificados no per?odo. A pesquisa foi realizada na base de dados do SINAN da SMS do munic?pio visando dados de dois instrumentos: Ficha de notifica??o e boletim de acompanhamento. Observou-se que nos anos seguidos de implanta??o de servi?os de sa?de, houve aumento na taxa de detec??o e o munic?pio manteve-se hiperend?mico nos ?ltimos nove anos da s?rie (> 1,0 caso/10 mil habitantes), entretanto nos ?ltimos tr?s anos, a incid?ncia apresentou decl?nio, com evid?ncias de que a implanta??o de novos servi?os contribuiu com o novo cen?rio. A maioria dos pacientes incluiu-se na faixa et?ria entre 10 e 14 anos (64...

Associa??o do polimorfismo do gene humano NRAMP1 na susceptibilidade/resist?ncia para hansen?ase em ?reas end?micas do estado do Par?

SILVESTRE, Maria Perp?tuo Socorro Amador
Fonte: Universidade Federal do Pará Publicador: Universidade Federal do Pará
Tipo: Tese de Doutorado
POR
Relevância na Pesquisa
67.12%
Hansen?ase ? um problema de sa?de p?blica no estado do Par? e um desafio para os Programas de Controle que almejam o estabelecimento de estrat?gias para minimiza??o do agravo da doen?a. O entendimento do mecanismo gen?tico e imunol?gico para explicar a manuten??o da endemia pode ser uma das alternativas para melhoria da abordagem do problema na nossa regi?o. O gene humano de resist?ncia natural associada ? prote?na macrof?gica ? NRAMP1 ? expresso em macr?gfagos e parece estar envolvido com a influ?ncia no padr?o de resposta imune ? infec??o com Mycobcaterium leprae. N?s avaliamos associa??o do polimorfismo deste gene, j? descrito por BUU et al, 1995 com a hansen?ase ?per se? e com os tipos da doen?a, segundo os n?veis de anticorpos anti-PGL-1 na popula??o estudada. Um total de 122 pacientes com hansen?ase e 110 n?o doentes procedentes de munic?pios end?micos do estado do Par?, foram genotipados para o polimorfismo deste gene e analisados segundo os n?veis de anticorpos anti-PGL-1 desta micobact?ria. Observou-se associa??o com a hansen?ase ?per se? (p=0.0087), e o polimorfismo da regi?o 3? n?o traduzida do gene NRAMP1 com inser??o/dele??o de 4 pares de bases foi fortemente associado com a forma multibacilar (p= 0.025) comparado aos contatos n?o cosangu?neos. Heterozigotos e portadores do alelo com a dele??o (159pb) foram mais freq?entes entre os casos multibacilares do que nos paucibacilares. Os hapl?tipos do gene NRAMP1 parecem exercer influ?ncia importante na apresenta??o cl?nica da hansen?ase...

Incapacidade f?sica em pessoas afetadas pela hansen?ase: estudo ap?s alta medicamentosa

GUIMAR?ES, Layana de Souza
Fonte: Universidade Federal do Pará Publicador: Universidade Federal do Pará
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
67.01%
A incapacidade f?sica ? o principal problema da hansen?ase. Apesar do sucesso da poliquimioterapia (PQT) no tratamento da doen?a, sabe-se que cerca de 25% a 50% dos pacientes podem ter algum dano do nervo e desenvolver incapacidades f?sicas, classificada pela Organiza??o Mundial de Sa?de (OMS) como grau de incapacidade f?sica (GIF) 0 para sensibilidade normal, sem deformidades vis?veis, 1 para a sensibilidade diminu?da, sem altera??es vis?veis, ou 2 para defici?ncias vis?veis / deformidade. De 2004 a 2010 o Brasil registrou 21,7% dos casos como sendo GIF 1 e 7% como GIF 2, enquanto que no Estado do Par?, 15,3% dos pacientes foram diagnosticados com GIF 1, e 5,1% com GIF 2 no momento do diagn?stico de hansen?ase. A fim de investigar as incapacidades f?sicas em pacientes curados, examinamos as fun??es sensitivo-motoras de 517 pessoas afetadas pela hansen?ase, notificados 2004 a 2010 em oito munic?pios hiperend?micos da Amaz?nia brasileira, correlacionando os achados com aspectos epidemiol?gicos e s?cio-econ?mico, e comparando com os dados encontrados no Sistema Nacional de Informa??o de Agravos de Notifica??o (SINAN). Adicionalmente, 2164 contatos intradomiciliares dos pacientes visitados foram avaliados clinicamente em busca de sinais e sintomas da doen?a. As visitas domiciliares dos pacientes constaram de avalia??o cl?nica...

Polimorfismos do complexo de genes KIR predisp?em ? hansen?ase e modulam seu desenvolvimento para a forma paucibacilar

MAGALH?ES, Milena
Fonte: Universidade Federal do Pará Publicador: Universidade Federal do Pará
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
67.16%
A hansen?ase ? uma infec??o cr?nica e granulomatosa da pele e nervos perif?ricos, que infecta principalmente macr?fagos e c?lulas de Schwann. A Organiza??o Mundial de Sa?de classifica a hansen?ase em duas formas polares: multibacilar e paucibacilar, de acordo com o ?ndice bacilosc?pico e a resposta imune do hospedeiro. As c?lulas natural killer (NK) t?m um importante papel na infec??o, sendo a primeira forma de defesa contra organismos intracelulares. As c?lulas NK utilizam muitos tipos de receptores de superf?cie celular, como os receptores imunoglobulina-s?miles de c?lula NK (KIR), que podem inibir ou ativar a resposta citol?tica de NK, atrav?s do reconhecimento de mol?culas do complexo de histocompatibilidade principal (MHC) de classe I na c?lula alvo. Nesse estudo caso controle, a presen?a ou aus?ncia de 15 genes KIR e seus ligantes HLA-C foram investigadas, na inten??o de se descrever sua variabilidade genot?pica, associa??o com a hansen?ase e sua evolu??o cl?nica. A genotipagem do complexo de genes KIR e dos grupos NK1 e NK2 de HLA-C foi feita por PCR-SSP em 105 pacientes e 104 controles. KIR2DL2 e KIR2DL3, na presen?a do seu ligante HLA-Cw parece predispor ? hansen?ase (p=0,046; ?X2= 3,97; OR=1,99; IC 95%= 1,00-3...

Principais queixas vocais de pacientes idosos p?s-tratamento para hansen?ase

PALHETA NETO, Francisco Xavier; SILVA FILHO, Manoel da; PANTOJA JUNIOR, Jos? Mariano Soriano; TEIXEIRA, Larissa Lane Cardoso; MIRANDA, Rafaela Vale de; PALHETA, Ang?lica Cristina Pezzin
Fonte: Universidade Federal do Pará Publicador: Universidade Federal do Pará
Tipo: Artigo de Revista Científica
POR
Relevância na Pesquisa
67.12%
A hansen?ase ? uma doen?a infecto-contagiosa, cujo comprometimento vocal manifesta-se desde rouquid?o ? dificuldade respirat?ria. OBJETIVO: Comparar as principais queixas vocais entre pacientes idosos p?s-tratamento para hansen?ase e um grupo controle. FORMA DE ESTUDO: Descritivo prospectivo. MATERIAL E M?TODO: Foram inclu?dos 50 pacientes com idade superior a 60 anos; 32 haviam sido tratados para hansen?ase e os demais constitu?ram o grupo-controle. Houve aplica??o de question?rio pr?prio, sendo analisados os sintomas vocais apresentados pelos dois grupos,assim como sexo, faixa et?ria, h?bitos de vida e comorbidades. RESULTADOS: Dentro do grupo p?s-tratamento, os sintomas mais frequentes foram pigarro (34,4%) e rouquid?o (28,1%), enquanto que no grupo controle os sintomas mais prevalentes foram pigarro (77,8%) e sensa??o de corpo estranho (55,6%). CONCLUS?O: Os sintomas vocais mais prevalentes em pacientes p?s-tratamento para hansen?ase s?o o pigarro e a rouquid?o e sua evolu??o ? influenciada pelos h?bitos de vida e por doen?as associadas.; ABSTRACT: Leprosy is an infectious disease, with vocal involvement varying between hoarseness and difficult breathing. AIM: compare the main vocal complaints among elderly patients after treatment for leprosy and a control group. STUDY DESIGN: descriptive prospective. MATERIALS AND METHODS: We included 50 patients aged over 60 years...

Efeito da dapsona na gera??o de estresse oxidativo em pacientes com hansen?ase em uso de poliquimioterapia

SCHALCHER, Taysa Ribeiro
Fonte: Universidade Federal do Pará Publicador: Universidade Federal do Pará
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
67.07%
O processo inflamat?rio decorrente da infec??o por Mycobacterium leprae e a administra??o de f?rmacos com propriedades oxidativas, como a dapsona, s?o fatores de riscos ao estresse oxidativo ocasionado em pacientes com hansen?ase. Este trabalho visa determinar as concentra??es plasm?ticas de dapsona em pacientes com hansen?ase em uso de poliquimioterapia (PQT), correlacionando ao desenvolvimento do estresse oxidativo. Para o estudo, foram selecionados indiv?duos saud?veis e pacientes com hansen?ase, acompanhados antes (D0) e ap?s a terceira dose supervisionada de PQT (D3). As concentra??es plasm?ticas de dapsona dos pacientes sob tratamento foram mesuradas por cromatografia liquida de alta efici?ncia. A avalia??o do estresse oxidativo foi realizada atrav?s da determina??o de metemoglobina (MetHb) e das concentra??es de glutationa reduzida (GSH), ?xido n?trico (NO), malondialde?do (MDA), capacidade antioxidante total (TEAC) e avalia??o das atividades das enzimas catalase (CAT), super?xido dismutase (SOD) e da presen?a de corp?sculo de Heinz em esfrega?os sangu?neos. No per?odo de estudo foram obtidas 23 amostras de pacientes com hansen?ase D0, 13 pacientes em D3 e 20 de indiv?duos saud?veis e sem a doen?a. As altera??es no pacientes antes do tratamento estavam associadas ao aumento de NO (D0=18.91? 2.39; controle= 6.86?1.79mM) e a redu??o significativa na enzima SOD (D0=69.88?12.26;controle= 138.42?14.99nmol/mL). Com rela??o aos pacientes sob tratamento...

Soropreval?ncia de testes r?pidos (ML Flow) em casos de hansen?ase e contatos intradomiciliares em munic?pios end?micos do Par?

QUEIROZ, Marcos Fabiano de Almeida
Fonte: Universidade Federal do Pará Publicador: Universidade Federal do Pará
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
67.16%
A hansen?ase, doen?a milenar, ainda constitui um grande desafio para a sa?de p?blica, inclusive no que se refere a diagn?stico precoce e vigil?ncia em sa?de. Com objetivo de estimar a soropreval?ncia de anticorpos antiPGL-1 atrav?s do teste r?pido ML-Flow em casos de hansen?ase e seus contatos intradomiciliares de munic?pios end?micos do Par?, realizou-se um estudo transversal incluindo 73 casos novos de hansen?ase e 135 contatos intradomiciliares, selecionados no per?odo de abril de 2011 a janeiro de 2012, nas unidades de refer?ncia para tratamento de hansen?ase nos munic?pios de Bel?m, Marituba, Igarap?-A?? e Santar?m. Os resultados demonstraram uma preval?ncia de 14,8/10.000hab de casos de hansen?ase entre os contatos examinados. A soropositividade do ML Flow nos casos ?ndices foi de 53,42% em pacientes multibacilares e 13,33% nos contatos intradomiciliares. Houve associa??o direta de positividade do ML Flow nos contatos intradomiciliares com o ?ndice bacilosc?pico do caso ?ndice. N?o houve associa??o direta do tempo de conviv?ncia e a consanguineidade do caso ?ndice em rela??o ao teste ML Flow. Houve associa??o entre a positividade do teste ML Flow e a realiza??o da vacina BCG entre os contatos. Estes resultados indicam que a introdu??o do teste ML Flow poderia servir como instrumento auxiliar no monitoramento dos casos e seus contatos...

Perfil de anticorpos anti-pgl-1 em indiv?duos sadios de ?reas end?micas em hansen?ase do estado do Par?, m?todo de Elisa

CUNHA, Maria Heliana Chaves Monteiro da
Fonte: Universidade Federal do Pará Publicador: Universidade Federal do Pará
Tipo: Tese de Doutorado
POR
Relevância na Pesquisa
67.16%
No Brasil, a hansen?ase ainda persiste com elevados coeficientes de detec??o, inclusive em menores de quinze anos, em especial nas Regi?es Norte, Nordeste e Centro-Oeste. Os resultados de estudos soroepidemiol?gicos para hansen?ase, utilizando teste sorol?gico anti- PGL-1, pelo m?todo Elisa, realizados no Estado do Par? onde os munic?pios em sua maioria alcan?am patamares de elevadas endemicidade, podem ser comprometidos pela aus?ncia de defini??o local de par?metro que limite os n?veis s?ricos de anticorpos espec?ficos, IgM, anti- PGL-1 entre positivos e negativos; assim como, as avalia??es e o seguimento de casos de pacientes reacionais e suspeitos de recidiva, ou de doentes e infectados sem sinais cl?nicos.Autores defendem a posi??o de que o ponto de corte (PC), entre positivos e negativos, deve ser encontrado a partir de uma popula??o de doadores n?o contato de hansen?ase da pr?pria ?rea de estudo para possibilitar comparabilidade. O objetivo do estudo foi descrever o comportamento sorol?gico dos n?veis de anticorpos anti-PGL-1, m?todo ELISA, em indiv?duos sadios de ?reas end?micas em hansen?ase no Estado do Par?, sua correla??o com n?veis de end?micidade e fatores demogr?ficos, e identificar PC para o teste. Estudo anal?tico transversal...

Rea??es hans?nicas em pacientes coinfectados com HIV/Hansen?ase: Cl?nica e ibmunopatologia

PIRES, Carla Andr?a Avelar
Fonte: Universidade Federal do Pará Publicador: Universidade Federal do Pará
Tipo: Tese de Doutorado
POR
Relevância na Pesquisa
67.12%
O Brasil ? um dos poucos pa?ses que permanece end?mico para a infec??o pelo v?rus da imunodefici?ncia humana (HIV) e hansen?ase, e estas doen?as t?m grande impacto em custos sociais e em qualidade de vida. Embora seja reconhecida a relev?ncia desta coinfec??o, v?rios aspectos ainda n?o s?o totalmente compreendidos. Este estudo tem como objetivo descrever aspectos cl?nicos, histopatol?gicos e imunopatol?gicos dos estados reacionais de pacientes coinfectados HIV/hansen?ase, comparando-os aos pacientes com hansen?ase, sem HIV. Foram acompanhados, dois grupos: (1) com 40 pacientes coinfectados HIV/hansen?ase; (2) com 107 pacientes com hansen?ase. Prevaleceram indiv?duos do sexo masculino em ambos os grupos. No Grupo 1, a maioria eram paucibacilar (70%), na forma borderline tubercul?ide (45%) e com menor risco de ter rea??o hans?nica em rela??o aos n?o coinfectados. Todos os coinfectados que apresentaram rea??o hans?nica (n= 15) estavam em uso de Terapia Anti-retroviral (TARV), e a maioria no estado de aids (n=14), sendo a S?ndrome da Reconstitui??o Imune (SRI) uma condi??o cl?nica marcadamente importante em muitos destes pacientes (n=7). No grupo dos n?o coinfectados, o padr?o de infec??o da maioria foi multibacilar (80.4%)...

Epidemiologia espacial e sorol?gica da hansen?ase no estado do Par?

BARRETO, Josaf? Gon?alves
Fonte: Universidade Federal do Pará Publicador: Universidade Federal do Pará
Tipo: Tese de Doutorado
POR
Relevância na Pesquisa
67.28%
Mais de 80.000 casos de hansen?ase foram diagnosticados nos ?ltimos 20 anos no Par? e, ainda hoje, com um coeficiente de detec??o anual de 50/100.000 habitantes (tr?s vezes superior ? m?dia nacional) a doen?a permanece como um grave problema de sa?de p?blica neste Estado. O objetivo geral deste estudo foi desenvolver um m?todo integrando a epidemiologia espacial e sorol?gica como ferramenta de combate ? hansen?ase no Par?. Inicialmente, foram realizadas visitas domiciliares a fam?lias de pessoas afetadas pela hansen?ase, diagnosticadas nos ?ltimos cinco a seis anos, em oito munic?pios de diferentes regi?es do Estado. A equipe de pesquisadores com experi?ncia no manejo da hansen?ase, composta por m?dicos dermatologistas, enfermeiros, fisioterapeutas e t?cnicos de laborat?rio, realizou exame cl?nico dermatoneurol?gico em 1.945 contatos intradomiciliares de 531 casos notificados e coletou amostra de sangue para pesquisa sorol?gica de anticorpos IgM anti-PGL-I. Al?m disso, 1.592 estudantes de 37 escolas p?blicas do ensino fundamental e m?dio, com idade entre 6 e 20 anos, tamb?m foram selecionados aleatoriamente para serem submetidos ? mesma avalia??o. As resid?ncias dos casos notificados, bem como a dos estudantes inclu?dos no estudo foram georreferenciadas para a an?lise da distribui??o espacial da hansen?ase. Dois anos mais tarde...

An?lise do dano neural em pacientes hansenianos e na coinfec??o HIV/ Hansen?ase atrav?s de duas coortes cl?nicas

BATISTA, Keila de Nazar? Madureira
Fonte: Universidade Federal do Pará Publicador: Universidade Federal do Pará
Tipo: Tese de Doutorado
POR
Relevância na Pesquisa
67.07%
No Brasil onde a hansen?ase ? end?mica e onde a infec??o pelo HIV continua expandindo-se e interiorizando-se, espera-se encontrar um aumento da preval?ncia de indiv?duos convivendo simultaneamente com hansen?ase e HIV/aids, por?m s?o poucos os relatos sobre o dano neurol?gico que essa sobreposi??o pode causar. O objetivo deste estudo foi investigar o dano neural hansenico em pacientes hansenianos coinfectados com o v?rus da imunodefici?ncia humana, comparando com hansenianos n?o coinfectados no inicio do tratamento e por ocasi?o da alta, atrav?s de duas coortes cl?nicas. A amostra constou de 99 pacientes dos quais 46 possu?am coinfec??o MH/HIV e 53 apenas a hansen?ase, esses pacientes foram atendidos no ambulat?rio do N?cleo de Medicina Tropical e avaliados pela T?cnica Simplificada durante seis anos. Como resultado houve predomin?ncia do sexo masculino, faixa et?ria entre 15 e 45 anos e a proced?ncia da Regi?o Metropolitana de Bel?m. No grupo coinfec??o MH/HIV houve predomin?ncia dos pacientes Paucibacilares e nestes a presen?a de neurite, altera??o de sensibilidade, altera??o motora, presen?a de incapacidade e de dano neural foi superior nesse que no grupo MH. Quando comparado com o grupo MH predominou pacientes Multibacilares e nestes a presen?a de neurite...

Avalia??o imunohistoqu?mica da atividade macrof?gica e sua rela??o com o fen?meno de apoptose na hansen?ase

LIMA, Luiz Wagner de Oliveira
Fonte: Universidade Federal do Pará Publicador: Universidade Federal do Pará
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
66.91%
O presente estudo teve por objetivo avaliar a correla??o entre a atividade de macr?fagos e a apoptose nas formas polares da hansen?ase. Para tal foram analisadas amostras constitu?das de 29 biopsias de pele de pacientes com as formas polares da hansen?ase. Para a medida da atividade macrof?gica e da apoptose, utilizou-se o m?todo imunohistoqu?mico, visando os marcadores lisozima, CD68, iNOS (para atividade de macr?fago) e caspase 3 (para apoptose). No tratamento estat?stico, foi utilizado o teste n?o param?trico de Mann-Whitney e a Correla??o linear de Spearman. Os resultados obtidos sugerem que a taxa de apoptose sofre influ?ncia direta da atividade macrof?gica nas les?es de pacientes TT, contudo nas les?es LL, notou-se que outros fatores devem estar induzindo a morte celular programada, possivelmente o TGF-?.; ABSTRACT: The present study had for objective to evaluate the correlation between the activity of macrophage and the apoptosis in the polar forms of the leprosy. For such constituted samples of 29 biopsies of patients' skin were analyzed with the polar forms of the leprosy. For the measure of the activity of macrophage and of the apoptosis, the method immunohistochemistry was used, seeking the markers lysozyme...

Avalia??o operacional do Programa de Controle da Hansen?ase nas unidades de sa?de do Distrito Dagua no munic?pio de Bel?m-PA

SOUZA, Hilma Solange Lopes
Fonte: Universidade Federal do Pará Publicador: Universidade Federal do Pará
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
67.01%
O presente estudo descreve a avalia??o operacional das a?oes de controle do programa da hanseniase nas unidades de sa?de do distrito administrtivo do Guam?- dagua do municipio de Bel?m no Estado do Par?. Trata de um estudo quantitativo ecol?gico do tipo transversal. Realizada no periodo de 2005 a 2010 em 11 unidades de sa?de sendo 05 Centros de saude e 06 casas familias . Os dados utilizados foram secund?rios obtidos atrav?s do Sistema de informa??o de agravos de notifica??o- SINAN relacionado a 05 indicadores operacionais utilizados pelo Ministerio da Sa?de para avalia??o do Programa de Controle da Hanseniase e os dados prim?rios coletados por meio de entrevistas com os profissionais de sa?de . Os resultados encontrados no distrito foram: coeficiente de detec??o no periodo de 22,6 a 39,7 casos de hansen?ase por 100.000 habitantes muito alto de acordo com os parametros do MS.Na avalia??o de incapacidade no momento do diagn?stico o resultado encontrado foi regular (81,3%) levando-se em considera??o o total dos casos notificados.Evidenciou-se uma precariedade na avalia??o do grau de incapacidade dos casos curados em todo o per?odo de estudo. Quanto as altas curadas o percentual encontrado foi acima de 90% na maioria das unidades.Observou-se que o abandono de tratamento nas unidades do Distrito Dagua se manteve est?vel...

Detec??o in situ de citocinas de perfil TH1 e TH2 por imunoistoqu?mica e rela??o com a atividade de macr?fagos nas formas polares da doen?a de Hansen

SILVA, Dayse Danielle de Oliveira
Fonte: Universidade Federal do Pará Publicador: Universidade Federal do Pará
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
57.06%
A hansen?ase ? uma doen?a infecto-contagiosa, de evolu??o lenta e progressiva, com grande incid?ncia e preval?ncia nos estados que comp?em a Amaz?nia legal onde o Par? ocupa lugar de destaque no n?mero de casos no contexto nacional. A fim de se avaliar o perfil de citocinas e a atividade de macr?fagos nas formas polares da hansen?ase e correlacionar com os seus aspectos histopatol?gicos, foi realizado um estudo transversal com uma amostra composta por 29 pacientes portadores de uma das formas polares da hansen?ase, tuberculoide ou virchowiana, dos quais foram colhidas bi?psias de pele de les?es hans?nicas. Pode-se observar, atrav?s da an?lise imonoistoqu?mica deste material que os grupos estudados n?o apresentaram diferen?a significativa quanto aos n?veis de IL-10, TGF-?, CD68, iNOS e Lisozima. Os n?veis de IL-4 n?o foram expressivos nos tecidos analisados e os n?veis de IFN-? foram maiores nos pacientes do grupo MHV. No polo virchowiano todas as citocinas tiveram uma tend?ncia a uma correla??o negativa com a atividade de macr?fagos, no polo tuberculoide a IL-10 apresentou uma tend?ncia ? correla??o negativa com os n?veis de iNOS, IFN-? e lisozima, evidenciando uma inibi??o da atividade macrof?gica por esta citocina. Pode-se concluir que n?o h? diferen?a na express?o de citocinas de perfil TH1 e TH2 nas formas polares da doen?a de Hansen e as citocinas apresentam uma tend?ncia a correla??o negativa com a atividade de macr?fagos no p?lo MHV e uma tend?ncia a correla??o positiva no p?lo MHT. Novas pesquisas s?o necess?rias para esclarecer como popula??es apresentam mais susceptibilidade ? hansen?ase que outras...

Perfil cl?nico-epidemiol?gico de sa?de bucal em pacientes de hansen?ase

SANTIAGO, Roberta Souza D'Almeida Couto
Fonte: Universidade Federal do Pará Publicador: Universidade Federal do Pará
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
67.16%
O objetivo deste estudo foi avaliar o perfil cl?nico-epidemiol?gico de sa?de bucal em pacientes portadores de hansen?ase em PQT atrav?s da avalia??o cl?nica da mucosa bucal, dos indicadores epidemiol?gicos IPV (?ndice de Placa Vis?vel), ISG (?ndice de Sangramento Gengival), ICPOD (?ndice de Dentes Cariados, Perdidos e Obturados) e mensura??o do fluxo salivar pelo ISS (?ndice de Secre??o Salivar), al?m da capacidade tamp?o pelo pH salivar. A amostra foi de 80 pacientes na faixa et?ria de 8 a 73 anos submetidos ao exame cl?nico bucal e coleta estimulada de saliva, divididos em Grupo de Estudo (GE), constitu?do de 40 pacientes portadores de hansen?ase em PQT, atendidos no CRTDS Dr. Marcello Candia Marituba-Pa; e Grupo Controle (GC), de pacientes n?o portadores de hansen?ase. Os resultados apontaram, 62,5% de altera??es inespec?ficas da mucosa bucal, dentre as mais frequentes pigmenta??o racial na gengiva, linha alba mordiscada na mucosa jugal, inflama??o gengival, varicosidade no ventre lingual e trauma por uso de pr?tese no GE, n?o havendo diferen?a estat?stica significante (p=0,14) com o GC. A m?dia do IPV no GE foi de 50,4% das superf?cies dent?rias com ac?mulo de placa bacteriana, n?o havendo tamb?m diferen?a estatisticamente significante (p=0...