Página 1 dos resultados de 29 itens digitais encontrados em 0.046 segundos

O papel do Conselho de Segurança da ONU na construção de estado na Bósnia Herzegovina

Guimarães, Bruno Gomes
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
56.56%
O presente trabalho tem como tema a iniciativa internacional de (re)construção de Estado na Bósnia Herzegovina após o final da Guerra da Bósnia através do Acordo-Quadro Geral para a Paz, também conhecido por Acordo de Paz de Dayton. O objetivo central é descobrir o papel desempenhado pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas (CSNU). Partindo da hipótese de que o Conselho tem relativa autonomia frente aos seus membros, a análise se divide em dois níveis, um internacional e o outro local. O primeiro trata do contexto geral das relações entre as grandes potências mundiais em que o Conselho de Segurança se encontrou durante as operações na Bósnia. Já o segundo lida com as estratégias executadas pela Missão das Nações Unidas na Bósnia Herzegovina (MINUBH) para a construção de Estado naquele país. O trabalho, então, divide-se em três momentos. Primeiramente, faz-se um levantamento do marco teórico acerca da construção de Estados, incluindo-se as suas principais estratégias e problemas, bem como o debate a respeito do tema. Depois é realizado um pano de fundo histórico para a contextualização do surgimento da Bósnia Herzegovina e do envolvimento internacional, especialmente o do CSNU. Nele, explica-se o processo de desmembramento da Iugoslávia...

Guerra da Bósnia e Joe Sacco: as identidades retratadas em área de segurança - Gorazde e uma história de Sarajevo

Paes, Caio de Freitas
Fonte: Universidade Estadual Paulista (UNESP) Publicador: Universidade Estadual Paulista (UNESP)
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso
POR
Relevância na Pesquisa
66.12%
As histórias em quadrinhos ainda são normalmente associadas por grande parte da sociedade e temas infantis e superficiais. Porém, diversos quadrinistas têm nos mostrado com o passar dos anos que as HQs podem e devem ser respeitadas como meio de comunicação, por sua união singular do imagético com o textual. O quadrinho pode se transformar em uma alternativa para o jornalismo, por trabalhar com liberdade ímpar em suas técnicas estilítico-narrativas. Um dos grandes expoentes dos quadrinhos no jornalismo é o maltês naturalizado norte americano Joe Sacco. Joe escreveu as obras Área de Segurança Gorazde e Uma história de Sarajevo, sobre a Guerra da Bósnia. Esta pesquisa busca fazer uma análise destas duas obras, e mostrar como as histórias em quadrinhos podem acrescentar novas visões e perspectivas ao jornalismo, preenchendo lacunas criadas pelo modo de produção noticioso e dando espaço àqueles marginalizados pela grande mídia

Enviado especial a : uma analise antropologica da cobertura da imprensa brasileira das guerras na ex-Iugoslavia (anos 90)

Andrea Carolina Schvartz Peres
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 03/05/2005 PT
Relevância na Pesquisa
56.21%
A desagregação da antiga República Federativa da Iugoslávia e as quatro guerras que então se sucederam - as guerras na Eslovênia, na Croácia, na Bósnia-Herzegóvina e no Kosovo - foram objeto da mídia em todo o mundo, inclusive no Brasil. Nesta dissertação, analiso a cobertura dessas guerras pela imprensa escrita brasileira, particularmente a realizada pelos jornais Folha de S. Paulo e O Estado de S. Paulo, tendo em vista algumas hipóteses iniciais de pesquisa: (a) há uma mudança significativa na abordagem dos conflitos do período da guerra fria para o período seguinte, pós-guerra fria, que abandona progressivamente um vocabulário predominantemente "estratégico" por um crescentemente "culturalista"; (b) a imprensa passa a enfatizar supostas diferenças ontológicas entre as populações em conflito, afirma a existência de nós x eles, e aponta para uma crescente naturalização e apolitização dos conflitos; (c) a imprensa atualiza uma tradição discursiva de representação dos Bálcãs. Para tanto, procurei compreender o modo como funcionam os jornais, como se dá a produção da notícia e como trabalham os jornalistas, particularmente, os enviados especiais brasileiros que foram à ex Iugoslávia fazer a cobertura. Ao longo da pesquisa...

Contando histórias : fixers em Saravejo; Telling stories : fixers in Saravejo

Andréa Carolina Schvartz Peres
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
PT
Relevância na Pesquisa
46.33%
A partir de pesquisa de campo em Sarajevo sobre fixers e outros que trabalharam para os jornalistas estrangeiros durante a guerra na Bósnia-Herzegóvina, pretendo pensar o lugar desses sujeitos na constituição de uma fala sobre o conflito. Paralelamente, penso a guerra enquanto um contexto de elaboração de discursos e identidades, que se revelaria de modo especial por meio destes sujeitos que procuro analisar. Os fixers são os intérpretes, os guias que tornaram possível o fazer jornalístico durante a guerra - em um lugar estrangeiro e de língua estrangeira para os grandes veículos internacionais de imprensa, predominantemente norte-americanos e europeus, que realizaram a cobertura do conflito e a transmitiram para todo o globo. Penso os fixers, portanto, como reveladores dos processos elencados acima e, também, como emblemáticos para se pensar o próprio fazer antropológico e o lugar do intermediário, sempre presente no campo, mas, na maioria das vezes, ausente nas etnografias. Esse trabalho é sobre eles, e como contam e entendem a sua história e a construção do estado na Bósnia; Considering the field research in Sarajevo about fixers and those people ho worked for foreign journalists during the war in Bosnia and Herzegovina...

A posição dos partidos políticos portugueses face à guerra da Bósnia-Herzegovina (1992-1995)

Ana Luísa da Rocha Almeida
Fonte: Universidade do Porto Publicador: Universidade do Porto
Tipo: Dissertação
POR
Relevância na Pesquisa
45.83%

(In)segurança humana em situação de conflito armado : o crime de violação enquanto atrocidade

Pereira, Susana Luísa Correia
Fonte: Universidade do Minho Publicador: Universidade do Minho
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2014 POR
Relevância na Pesquisa
36.13%
Dissertação de mestrado em Relações Internacionais; Na sequência da reconceptualização da segurança que ocorre na última década do século XX, certificando uma posição central ao indivíduo na arena internacional, verifica-se um momento de alteração do entendimento e reconhecimento referente à utilização intencional da violência sexual como ferramenta de guerra em situação de conflito armado. As atrocidades perpetradas nas zonas de conflito (atrocity zones) da Bósnia- Herzegovina (1992-1995) e do Ruanda (1994), integrando comportamentos de violação como componente nuclear de estratégias político-militares calculadas (nítido desafio às noções convencionais de segurança), provocaram uma resposta internacional que culmina na instituição dos Tribunais Ad Hoc para a antiga Jugoslávia e para o Ruanda, intentando a identificação e responsabilização dos respetivos agentes. Os avanços jurisprudenciais tangentes ao crime de violação, decursivos do trabalho destes Tribunais, nomeadamente a sua consagração direta e explícita enquanto atrocidade (atrocity crime), compõem um esforço notório na procura da maximização da proteção dos indivíduos (na condição de civis) em contexto de conflito. Os desenvolvimentos aludidos constituem-se como base e impulsionadores da recente tendência jurídica que emerge na década de 90...

A NATO e a Intervenção Militar na Bósnia

Almeida, João Marques de
Fonte: Instituto da Defesa Nacional Publicador: Instituto da Defesa Nacional
Tipo: Artigo de Revista Científica
Publicado em //2003 POR
Relevância na Pesquisa
56.22%
O artigo desenvolve três argumentos centrais. Em primeiro lugar, assistiu-se após o fim da Guerra Fria à emergência de uma nova concepção de intervenção militar, desenvolvida inicialmente na “Agenda para a Paz”. Para esta visão as guerras civis e os Estados falhados constituem a principal ameaça à segurança internacional. Neste sentido, o objectivo final das intervenções militares é a reconstrução de Estados falhados através da promoção da democracia. O segundo argumento afirma que a intervenção na Bósnia-Herzegovina constitui um bom exemplo desta nova tendência da segurança internacional. As forças multinacionais, lideradas pela NATO, primeiro a IFOR e depois a SFOR, têm contribuído de um modo decisivo para a construção do novo Estado federal da Bósnia-Herzegovina. O último ponto desenvolvido no artigo diz respeito à identidade da nova NATO. Como demonstra o caso da Bósnia, a NATO está profundamente envolvida na promoção de valores liberais e democráticos na Europa. Esta constatação ajuda-nos a definir a natureza institucional da Aliança Atlântica, tratando- a sob uma perspectiva, simultaneamente, estratégica e política.

Entre Nice e Nova Iorque. A Encruzilhada Europeia

Vitorino, António
Fonte: Instituto de Defesa Nacional Publicador: Instituto de Defesa Nacional
Tipo: Artigo de Revista Científica
Publicado em //2001 POR
Relevância na Pesquisa
45.97%
O artigo equaciona as implicações sobre o futuro debate da Europa decorrentes das consequências da guerra da Bósnia e do Kosovo, que vieram acentuar a necessidade de um novo perfil das missões de segurança e defesa assumidas pelos Estados e pelas organizações internacionais. Os recentes acontecimentos do 11 de Setembro vieram produzir um “efeito de proximidade” ampliados pela globalização comunicacional com consequências directas sobre a noção de ameaça global e de projecção multifuncional dos riscos que se deparam hoje aos actores internacionais. A esta situação acresce as implicações do acesso directo à informação por parte da opinião pública e as consequências no que respeita à mobilização pública dos apoios ao envolvimento de forças nacionais em cenários de conflito inteiramente novos. A natureza transnacional das ameaças, incapacidade de as sociedades democráticas accionarem mecanismos de segurança capazes de as conter e a re-prioritização das agendas de segurança dos estados e organizações vieram re-posicionar os conteúdos da agenda de segurança global e a necessidade de eficácia de uma resposta global.

O envolvimento diplomático de Portugal na Bósnia-Herzegovina

Gomes, João Mira
Fonte: Instituto da Defesa Nacional Publicador: Instituto da Defesa Nacional
Tipo: Artigo de Revista Científica
Publicado em //2000 POR
Relevância na Pesquisa
46.19%
O artigo analisa de forma sistematizada os quatro períodos mais marcantes da presença diplomática de Portugal na Bósnia-Herzegovina. Em primeiro lugar, o envolvimento na região foi uma consequência directa do exercício, por Portugal, da Presidência das Comunidades no primeiro semestre de 1992 – visto que competia à Presidência não só a coordenação da Conferência sobre a Jugoslávia mas também assegurar a chefia da Missão de Monitores, duas espinhosas tarefas para uma Europa que, recorde-se, procurava recuperar do papel menor que desempenhara na Guerra do Golfo. A segunda etapa corresponde à Presidência portuguesa da UEO, no primeiro semestre de 1995, e à concomitante coordenação das três operações da organização em curso: a missão naval no Adriático em conjunto com a NATO; a missão aduaneira e policial no Danúbio; e a missão de polícia em Mostar. Em terceiro lugar, em consequência dos Acordos de Dayton e da participação de forças militares portuguesas na Bósnia, a abertura duma representação diplomática na região tornava-se uma necessidade indiscutível. O último período tem a ver com a preparação da Presidência portuguesa em 2000, sendo certo que a região dos Balcãs irá ocupar um lugar de destaque nas prioridades do exercício da PP2000. Com a agravante de Portugal acumular esta presidência com a da UEO

Nos cinquenta anos da NATO : algumas reflexões sobre a operação de paz na Bósnia-Herzegovina

Vitorino, António
Fonte: Instituto da Defesa Nacional Publicador: Instituto da Defesa Nacional
Tipo: Artigo de Revista Científica
Publicado em //2000 POR
Relevância na Pesquisa
46.13%
Desmontada a Guerra Fria, a NATO passou a preocupar-se com a eventualidade de actuar out-of-area, assumindo um protagonismo central na gestão de crises e em especial nas operações “other than war”. Criticada por uns, a actuação out-of-area testemunha também, segundo outros, a imprescindibilidade da NATO como suporte da estabilidade e da paz no espaço euroatlântico. A participação portuguesa, por seu turno, representa a consciência profunda de que, numa Aliança, a partilha da solidariedade implica a partilha de responsabilidades e riscos. Um desempenho decidido por razões de solidariedade relativamente aos parceiros na NATO, mas também por convencimento de que os Estados europeus terão de assumir acrescidas responsabilidades no domínio da segurança e defesa comuns. Três factores contribuíram especialmente para o sucesso da participação portuguesa: a estreita coordenação entre os responsáveis do MNE e do MDN; a forma oportuna e arguta como foi conduzido todo o complicado processo de selecção, treino, equipamento, composição, atribuição e sustentação das forças militares; o ambiente de íntima articulação entre órgãos de soberania competentes que vigorou durante o processo de decisão política. A participação de Portugal nas missões da NATO na Bósnia-Herzegovina revelou à Aliança e ao mundo um país capaz de assumir as suas obriga- ções e...

As Forças de Quadrícula: Pontos de contacto entre as Guerras em África e os conflitos actuais

Leite, Pedro
Fonte: Academia Militar. Direção de Ensino Publicador: Academia Militar. Direção de Ensino
Tipo: Outros
Publicado em 01/08/2009 POR
Relevância na Pesquisa
36.21%
Portugal materializou a sua primeira participação em Operações de Apoio à Paz em 1958. A partir de 1961 e até 1974, na sequência de uma Guerra-subversiva dos povos das suas colónias africanas, Portugal vê-se envolvido num conflito de natureza diferente, que forçou as autoridades políticas a importantes reformas e as Forças Armadas a adoptar novas doutrinas e tácticas, adequadas às características da contra-subversão. Actualmente e após a descolonização, Portugal tem conduzido a sua política externa no cumprimento dos acordos internacionais que mantém com organizações e países diversos, destacando com frequência forças militares para participarem em Operações de apoio à Paz um pouco por todo o mundo. O presente trabalho pretende analisar de que forma as doutrinas pioneiras, aplicadas pelas forças de quadrícula, na condução das operações militares nas Guerras de áfrica de 1961 a 1974, têm uma aplicação prática e actual nas Operações de Apoio à Paz. No primeiro capítulo tenta-se perceber o que são forças de quadrícula, como surge o conceito e como foi dirigido o seu emprego durante a Guerra de África de 1961 a 1974. No segundo capítulo é apresentada uma perspectiva evolutiva da Política Externa Nacional...

A Grande Guerra nos Açores : memória histórica e património militar

Rezendes, Sérgio Alberto Fontes
Fonte: Universidade dos Açores Publicador: Universidade dos Açores
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em 11/05/2009 POR
Relevância na Pesquisa
56.07%
Dissertação de Mestrado em Património, Museologia e Desenvolvimento.; "[…]. A análise das relações entre as duas esferas de poder local, a civil (materializada em última instância nos Governadores Civis) e a militar (assente no Comando Militar dos Açores e respectivos comandos de ilha), posteriormente retidas numa única entidade, o Alto Comissário da República nos Açores, em 1918, e o seu desenvolvimento ao longo do período em analise, ou seja de meados do 1914 a finais de 1919, permitirá entender o esforço realizado para conter a conjugação crítica de factores negativos. De facto, na fase final do conflito mundial a gripe pneumónica vitimaria, no espaço de poucos meses entre 20 a 40 milhões de pessoas por todo o mundo, sendo "disseminada essencialmente através das comunicações marítimas", assumindo o "transporte de soldados um papel fundamental na propagação", juntando-se assim à fome, à guerra e à instabilidade política reinante na capital portuguesa, mas com inevitáveis reflexos locais. Esta análise demarca o período em estudo entre o assassinato do Arquiduque Francisco Fernando na Bósnia a 28 de Junho de 1914 e o repatriamento dos alemães concentrados no Depósito de Angra do Heroísmo a 7 de Novembro de 1919...

O debate sobre a representação da diferença e o significado da guerra na Bósnia-Herzegóvina

Peres,Andréa Carolina Schvartz
Fonte: Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social - IFCH-UFRGS Publicador: Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social - IFCH-UFRGS
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2013 PT
Relevância na Pesquisa
66.43%
Este artigo apresenta o desencontro de vozes que percebi durante a pesquisa de campo na Bósnia em relação à representação da diferença e o significado da guerra. Em Sarajevo, nota-se um inconformismo em relação à situação da Bósnia hoje. Sarajevo sempre foi visto como símbolo da tolerância. O acordo de paz colocou fim ao conflito, dividindo o território em duas entidades - Federação e Republika Srpska -, mas teria, deste modo, institucionalizado as diferenças nacionais e se constituído como um prêmio aos "agressores" e a sua política de limpeza étnica e genocídio. Na Republika Srpska, esse mesmo acordo colocou fim ao conflito, instituindo uma entidade autônoma sérvia na Bósnia. Diferente de "prêmio aos agressores", ele teria sido consequência de uma guerra civil, que de outro modo não poderia ter chegado ao fim. A partir de interpretações distintas a respeito do significado da guerra, histórias e verdades vêm sendo criadas.

Campos de estupro: as mulheres e a guerra na Bósnia

Peres,Andréa Carolina Schvartz
Fonte: Núcleo de Estudos de Gênero - Pagu Publicador: Núcleo de Estudos de Gênero - Pagu
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2011 PT
Relevância na Pesquisa
56.3%
A guerra na Bósnia-Herzegóvina organizou territórios etnicamente e redefiniu as categorias étnico-nacionais - sérvia, croata e bosniac (muçulmana). Enquanto os soldados combatiam nas linhas de frente, inúmeras eram as atrocidades testemunhadas em outros campos de batalha: casas, vilas, cidades, campos de detenção e concentração e os campos de estupro. Faço neste artigo uma revisão da discussão acerca do estupro na guerra na Bósnia, como este pode ser visto como arma de guerra e um instrumento de limpeza étnica e de tentativa de extermínio.

Sobre causas do desmembramento da Federação Iugoslava.; About causes of the desmembration of the Yugoslav Federation.

Araujo, Rodrigo Ulhoa Cintra de
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 14/12/2001 PT
Relevância na Pesquisa
46.03%
A guerra que desmembrou a ex-Federação das Repúblicas da Iugoslávia ainda apresenta conseqüências tanto na vida dos iugoslavos quanto no sistema internacional. Este estudo busca repensar algumas das teses básicas apontadas pela mídia e por alguns analistas como sendo as causas da guerra. Partindo do questionamento da principal destas teses – de que o conflito tem uma origem estritamente étnica – fazemos breves anotações sobre as teorias de etnicidade/nacionalismo, passamos para um estudo histórico do conflito, buscando agregar um maior número de dimensões, e finalmente concluímos analisando a participação dos atores do sistema internacional no desenvolvimento do conflito.; The war that dismembered the former-Federation of the Republics of Yugoslavia still, through its consequences, presents in the life of the Yugoslavians as in the international system. This study directed to the rethinking of some of the pointed basic theses that may have caused the war; the most important ones are those pointed by the media and by some analysts. Starting from what may be the most important of these theses – that the conflict has an strictly ethnic origin – we make brief annotations on etnicity and nationalism theories', then we passed for a historical study of the conflict...

O desafio da segurança no pós-guerra fria : a coerção e aliança na Guerra Civil na Bósnia-Herzegovina (1992-1995)

Rodrigues, Noeli
Fonte: Universidade Federal do Paraná Publicador: Universidade Federal do Paraná
Tipo: Dissertação Formato: 107 f. : il.; application/pdf
PORTUGUêS
Relevância na Pesquisa
36.53%
Orientador: Prof. Dr. Alexsandro Eugênio Pereira; Dissertação (mestrado) - Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em Ciência Política. Defesa: Curitiba, 17/04/2015; Inclui referências; Resumo: A presente dissertação tem como objeto de estudo as estratégias de coerção e aliança, que abrangem o escopo dos Estudos de Segurança Internacional, no caso da Guerra Civil na Bósnia (1992-1995). O problema proposto é examinar a relevância dessas estratégias e como elas incidiram sobre o processo de negociação que marcou o final do conflito nos Bálcãs entre 1992 e 1995. Tem-se como hipótese que essas estratégias foram relevantes no decorrer do processo de negociação na tentativa de solução da guerra civil nos Bálcãs. O objetivo central é verificar como a coerção e aliança interferiram na tentativa de solução no caso da Bósnia e como essas estratégias podem ser operacionalizadas no decorrer das negociações de conflitos. Nesse aspecto será demonstrada a importância das estratégias de coerção e da aliança e, a partir da incidência dessas estratégias estas serão submetidas à análise para comprovar ou refutar sua relevância nesse processo. A metodologia é o estudo qualitativo...

Determinantes sistêmicos na criação e na dissolução da Iugoslávia (1918-2002)

Severo, Marília Bortoluzzi
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Dissertação Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
36.08%
O presente trabalho investiga a influência do sistema internacional e de seus principais componentes no processo de construção e desconstrução da República Federativa Socialista da Iugoslávia. A partir da consideração dos conceitos de Charles Tilly sobre guerra e dominação, busca-se trazer a política e as relações internacionais para o centro da discussão sobre a questão iugoslava, a qual é comumente tratada apenas na perspectiva étnica. Assim, os principais fatos da trajetória iugoslava são pincelados à luz das estratégias político-econômicas dos grandes poderes mundiais em relação ao território balcânico. Para isso, analisa-se a criação e a dissolução da Iugoslávia pela ótica da teoria dos sistemas-mundo de Immanuel Wallerstein, para mostrar que a posição que este país ocupou no sistema mundial contemporâneo foi determinada pelos interesses estratégicos das grandes potências, que exerceram a dominação da região em termos políticos e econômicos. O propósito é mostrar que os principais pólos de poder do sistema-mundo da época incentivaram a criação do Estado iugoslavo em razão de interesses específicos, e instrumentalizaram o conflito étnico quando estes interesses já não mais existiam...

“Bósnia, minha pátria ferida”: trauma, pós-memória e representação em 'Filha da Guerra'

Agostinho, Daniela
Fonte: Asociación Argentina de Estudios de Cine y Audiovisual Publicador: Asociación Argentina de Estudios de Cine y Audiovisual
Tipo: Artigo de Revista Científica
Publicado em //2013 POR
Relevância na Pesquisa
76.33%
A relação entre trauma, memória e representação é tanto estreita quanto problemática, conflitual e aporética. Se, por um lado, memória e representação são mutuamente constitutivas, representação e trauma, por outro, são dois conceitos antagónicos; senão mesmo mutuamente exclusivos. Através da análise do filme Filha da Guerra (Jasmila Zbanic, 2006), e com base em teorias da memória e nos estudos de género, este artigo procura perceber de que forma a guerra da Bósnia é representada e recordada no presente pósconflito, de que modo o trauma é articulado através da representação cinematográfica e, por fim, em que medida é possível pensar as memórias de género como “contra-memória” às narrativas hegemónicas da guerra e da violência.; The relationship between trauma, memory and representation is as intimate as aporetic, contentious and problematic. If memory and representation are, on the one hand, mutually constitutive, representation and trauma, on the other, are antagonic, if not mutually exclusive concepts. Focusing on Esma’s Secret (Jasmila Zbanic, 2006), and drawing from theories on memory and gender studies, this article inquires into the way the Bosnian war is recalled and represented in the post-conflict present...

Bosnia-Herzegovina: a geopolitical analysis; Bósnia-Herzegóvina: uma análise geopolítica

Mello, Cecília Antakly de; Bercovici, Gilberto
Fonte: Universidade de São Paulo. Faculdade de Direito Publicador: Universidade de São Paulo. Faculdade de Direito
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Formato: application/pdf
Publicado em 01/01/1994 POR
Relevância na Pesquisa
36.32%
The purpose of this article is to delineate a view on the recent occurrences in Bosnia-Herzegovia. The initial point is a historical analysis of Iugoslavia, including Tito's attempt to keep the country's unity. The work following some considerations about the ethnic minority question and a war report in Bosnia until july 1994. Finally, we present the conclusion with a study about the geopolitical interests of neighbour nations and european powers in Iugoslavia and a war's development prognostic.; O presente artigo tem por objetivo delinear uma visão sobre os acontecimentos recentes na Bósnia-Herzegóvina. O tema inicial é uma análise histórica da Iugoslávia, incluindo a tentaiva de Tito de manter a unificação do país. O trabalho segue nas considerações sobre o problema de minoria étnica e de um relato da guerra na Bósnia até julho de 1994. Finaliza com um estudo sobre os interesses geopolíticos das nações vizinhas e das potências européias na Iugoslávia e um prognóstico do desenrolar da guerra.

Os estupros como arma de guerra contra as mulheres durante a guerra na Bósnia-Herzegovina (1992- 1995): Uma reflexão à luz do conceito de segurança humana das Nações Unidas

B. O. Casagrande, Maria Clara; Felipe Rebello, Luis; D. C. de Oliveira, Ana Cláudia
Fonte: Revista Ártemis Publicador: Revista Ártemis
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Avaliado por Pares Formato: application/pdf
Publicado em 21/12/2015 POR
Relevância na Pesquisa
46.25%
Este artigo apresenta uma reflexão sobre os estupros de mulheres cometidos por militares durante a guerra na Bósnia-Herzegovina entre 1992 a 1995 a partir do debate sobre os estupros como arma de guerra no âmbito dos estudos de segurança internacional e de gênero. O objetivo é mostrar a caracterização dos estupros como arma de guerra e problematizá-los à luz do conceito de segurança humana pelas Nações Unidas. Por meio da pesquisa bibliográfica e documental, o artigo demonstra como o conceito de segurança humana influenciou no avanço da jurisprudência internacional mediante a atuação do Tribunal Penal para a Ex-Iugoslávia (TPI) em relação à definição e julgamento das práticas do estupro. O referencial teórico dialogou na interface das discussões de gênero e do conceito de segurança humana e as conclusões apontam o estupro como uma arma de guerra que além de subjugar as mulheres violentadas, reforça a cultura do medo e da dominação masculina e ajuda a perpetuar o patri-arcalismo com uma nítida divisão de gêneros que se acentua em situações de conflitos.