Página 1 dos resultados de 853 itens digitais encontrados em 0.003 segundos

O grande cerrado do Brasil central: geopolítica e economia; "The great Brazilian woodland-savanna: geopolitics and economics"

Diniz, Bernardo Palhares Campolina
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 10/08/2006 PT
Relevância na Pesquisa
37.21%
O objetivo desta tese é analisar o processo de ocupação do Grande Cerrado do Brasil Central no que diz respeito à economia e à geopolítica. Avaliam-se alguns aspectos físico-naturais fundamentais para a interpretação deste processo, procurando mostrar a diversidade do Cerrado brasileiro e as implicações desta diversidade sobre a agricultura, especialmente a aptidão agrícola. Discorre-se sobre aspectos da história da ocupação da região Central do Brasil, procurando chamar a atenção para os pontos históricos que marcaram a formação territorial regional. Resgata-se a influência da geopolítica e traça-se um paralelo entre as diversas políticas públicas e as suas implicações sobre o território. Discute-se a construção de Brasília, resgatando os seus antecedentes históricos e o que sua construção representou para o crescimento da região. Analisam-se alguns dos determinantes da ocupação recente do Cerrado brasileiro - dos anos 1960 até os dias atuais. Para isso, resgata-se o processo de modernização da agricultura brasileira e os principais instrumentos de política utilizados para que a agricultura brasileira entrasse em uma nova fase, dentre os quais a criação do Sistema Nacional de Crédito Rural (SNCR) e os programas de incentivo à incorporação produtiva do Cerrado...

Geopolítica brasileira na África subsaariana: assertivas cooperativas e ou conflitivas dos governos de Geisel (1974-1979) e Lula (2003-2006). Um estudo de geopolítica comparada; Brazilian geopolitics in sub-saharan Africa: cooperative and or conflicting assertives of Geisel's (1974-1979) and Lula's (2003-2006) governments. A study of comparative geopolitics

Schutzer, Herbert
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 02/09/2009 PT
Relevância na Pesquisa
37.21%
As geopolíticas que sustentam as políticas externas implementadas durante os governos de Geisel e Lula no primeiro mandato encontram-se fundamentadas nas teorias elaboradas pelos pensadores geopolíticos como Mario Travassos, Meira Mattos e Golbery, O contexto atual do cenário subsaariano, que envolve inúmeros atores participantes das estruturas centrais do sistema mundo e de algumas potências médias, elevam a região subsaariana a uma centralidade na geopolítica atual e serve de justificativa para a contextualização histórica da região subsaariana, bem como da ação diplomática do Brasil e uma comparação das políticas externas desenvolvidas durante os governos dos dois presidentes. A busca de semelhanças ou rupturas em contextos diferenciados procura encontrar a continuidade ou descontinuidade da diplomacia para a região. De outro lado, encontrar as projeções geopolíticas para uma inserção do país nas estruturas centrais do sistema internacional, sabidamente um objetivo antigo da diplomacia brasileira.; The geopolitical underpinning the foreign policies implemented during the government of Lula and Geisel - in the first term - they are based on theories developed by thinkers such as geopolitical Mario Travassos...

Geopolítica clássica e geopolítica brasileira contemporânea: Mahan, Mackinder e a "grande estratégia" do Brasil para o século XXI; Classic geopolitics and contemporary Brazilian geopolitics: Mahan, Mackinder and the "big strategy" of Brazil for the 21st century

Carmona, Ronaldo Gomes
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 22/02/2013 PT
Relevância na Pesquisa
37.32%
País de território misto, marcado a um só tempo pela continentalidade e pela maritimidade, o Brasil tem, na análise dos clássicos da teoria geopolítica relacionados ao poder naval, na pessoa de Alfred Mahan e na teoria do poder terrestre, desenvolvida por Halford Mackinder, importantes questões para a discussão de sua visão estratégica contemporânea, num contexto em que há um importante aumento da estatura política e econômica do país no cenário mundial. Neste sentido, a presente Dissertação busca, após a revisão dos conceitos principais dos dois teóricos clássicos citados, identificar aspectos relevantes da evolução recente e das grandes tendências do cenário internacional, bem como do curso do pensamento estratégico brasileiro. Como conclusão, o estudo busca relacionar estes debates aos documentos oficiais recentes publicados na área de Defesa Nacional que esboçam a visão geopolítica e estratégica contemporânea do Brasil.; A country of mixed territory, marked both of a continental extension and by a long cost on the sea, Brazil has, in the analysis of classical geopolitical theory related to sea power in the person of Alfred Mahan and on the theory of land power, developed by Halford Mackinder, important questions for discussion of its contemporary strategic vision...

Geopolítica antártica no limiar do século XXI: a definição de um projeto estratégico-científico para o Brasil na Antártida

Gandra, Rogério Madruga
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
37.5%
Esta tese aborda a definição de um projeto estratégico-científico brasileiro para a Antártida, a partir da análise da evolução da geopolítica do Sistema do Tratado Antártico (STA). A questão antártica, conforme esta tese, se fundamenta em dois pressupostos teóricos antagônicos das relações internacionais, o realismo e o liberalismo. As premissas de cooperação científica e de uso pacífico da região, estabelecidos no Tratado da Antártida (1959), determinaram a discussão do objeto de estudo a partir de uma epistemologia liberal. A geopolítica antártica, neste início do século XXI, pende para uma dialética científico-ambiental, em detrimento da dimensão econômico–territorialista que dominou o discurso para a região austral até o emblemático ano de 1991, quando ocorreu a ratificação do Protocolo sobre Proteção Ambiental do Tratado da Antártida (Protocolo de Madri). Se o século XX foi marcado pelo advento da ciência antártica, representado pelo Ano Geofísico Internacional (1957 - 1958), o presente século se caracteriza, até o momento, como aquele em que essa ciência antártica deverá construir sua própria agenda. Os Estados-signatários, cada vez mais, reconhecem o peso político de uma ciência antártica de excelência dentro do STA. Com a instituição do Programa Antártico Brasileiro (PROANTAR)...

As relações econômicas EUA-China no início do século XXI : análise à luz das dinâmicas concorrentes da geopolítica e da globalização

Leão, Bruno Guerra Carneiro
Fonte: Universidade de Brasília Publicador: Universidade de Brasília
Tipo: Tese
POR
Relevância na Pesquisa
37.39%
Tese (doutorado)—Universidade de Brasília, Instituto de Relações Internacionais, 2009.; Ao final de 2010, Estados Unidos e China deverão ter-se consolidado como as duas maiores economias do mundo. Além de individualmente indispensáveis para o dinamismo da economia global contemporânea, EUA e China apresentam tal nível de interdependência comercial, financeira e produtiva que há inclusive quem considere apropriado refletir sobre a economia dos dois países como uma só entidade: Chimerica, no neologismo cunhado por Nial Ferguson. Com o peso crescente da China em foros internacionais, uma nova sigla – G2 – foi também introduzida no jargão acadêmico e diplomático para expressar o protagonismo desses países em temas que vão da mudança do clima à governança financeira global. Conhecer as diferentes dimensões do relacionamento econômico sino-americano tornou-se imprescindível para o entendimento das relações internacionais contemporâneas. A importância do tema não escapou à atenção da comunidade científica e é vasta a literatura especializada a ele dedicada. A presente tese insere-se nesse contexto com o objetivo de contribuir para o debate acadêmico ao organizar as informações fundamentais sobre os fluxos de bens e de capitais entre os dois países...

A Geopolítica Clássica Revisitada

Fernandes, José Pedro Teixeira
Fonte: Instituto da Defesa Nacional Publicador: Instituto da Defesa Nacional
Tipo: Artigo de Revista Científica
Publicado em //2003 POR
Relevância na Pesquisa
37.32%
A Geopolítica europeia da primeira metade do século XX (Geopolítica clássica), tem na Geopolitik e na Geopolitics as suas versões mais importantes. Este artigo passa em revista a génese e os traços fundamentais desta(s) Geopolítica(s), tendo essencialmente em conta os trabalhos dos seus dois maiores expoentes e rivais: o alemão Karl Haushofer e o britânico Halford Mackinder. O principal objectivo é o de procurar, na abundante literatura teórica sobre o tema, novas perspectivas sobre a ascensão e a queda de uma «ciência» que, para o bem e para o mal, marcou uma época.

O papel da geopolítica na posição da Alemanha na I e na II Guerras Mundiais

Fernandes, Marisa
Fonte: Instituto da Defesa Nacional Publicador: Instituto da Defesa Nacional
Tipo: Artigo de Revista Científica
Publicado em //2011 POR
Relevância na Pesquisa
37.32%
Este artigo tem como principal objectivo demonstrar em que medida é que a Geopolítica poderá ou não ter influenciado o papel desempenhado pela Alemanha na I Guerra Mundial (1914‑1918) e na II Guerra Mundial (1939‑1945), fazendo uma análise da geopolítica alemã no período entre guerras e reflectindo sobre as relações existentes entre o espaço da Geografia Política de Friedrich Ratzel (1844‑1904) e o poder da Alemanha de Guilherme II e, entre o espaço da Geopolítica de Karl Haushofer (1869‑1946) e o poder da Alemanha de Adolf Hitler.

Geopolítica e geoestratégia

Correia, Pedro de Pezarat
Fonte: Instituto da Defesa Nacional Publicador: Instituto da Defesa Nacional
Tipo: Artigo de Revista Científica
Publicado em //2012 POR
Relevância na Pesquisa
37.32%
Este artigo efetua uma revisão analítica dos conceitos de geopolítica e geoestratégia. Argumenta que a designação corrente de geopolítica aplica-se predominantemente a elaborações teóricas que são do domínio da geoestratégia. Esta derivação semântica abre caminho ao surgimento de uma nova forma de encarar a geopolítica que respeite os seus fundamentos conceptuais, enquanto disciplina que assenta na combinação da geografia e da política, mas invertendo a interação mútua destes elementos, passando-se de uma geografia como instrumento em benefício da política, a uma política como instrumento colocado ao serviço da geografia.

Uma análise geopolítica da União Europeia do século XXI

Pereira, Luís Pedro Firmino Mira
Fonte: Instituto de Ciências Sociais e Políticas Publicador: Instituto de Ciências Sociais e Políticas
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em 16/03/2012 POR
Relevância na Pesquisa
37.32%
Dissertação de Mestrado em Estratégia; Esta dissertação tem como objeto de estudo, a União Europeia do Seculo XXI, através de uma análise geopolítica, ferramenta esta de cariz multidisciplinar, tentar demonstrar, as suas debilidades pela inexistência de uma visão geopolítica comum. A existência de vontades externas, para este espaço pode condicionar a sobrevivência da União Europeia enquanto unidade orgânica, focamos ameaças reais ou potenciais, onde a sua antecipação pode ainda ajudar a conter a derrocada da União Europeia. Num espaço tão permeável a ameaças externas e internas urge repensar a criação de uma escola Geopolítica europeia, enquanto espaço de discussão e formação do meio académico e respetiva classe política europeia, onde o próprio conceito de União seja repensado ao nível dos seus Estados Membros. Esta concorrência interna tem vindo a fragilizar o Projeto Europeu, onde a sua indefinição tem criado brechas que podem ser aproveitadas por agendas internacionais, como o caso de grupos islâmicos.; This dissertation has as object of study, the European Union of the XXI century, through a geopolitical analysis, multi-disciplinary nature of this tool, try to demonstrate their weaknesses by the lack of a common geopolitical vision. The existence of external wills for this area may affect the survival of the European Union as an organic unity...

Geopolítica, um método auxiliar para a compreensão do mundo Contemporâneo. A geopolítica dos Balcãs

Gonçalves, Carlos Manuel Chaves
Fonte: Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas Publicador: Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em 22/03/2012 POR
Relevância na Pesquisa
37.5%
Dissertação de Mestrado em Estratégia; A Geopolítica constitui um método de interpretação da fenomenologia política, vocacionado para a percepção e definição de objectivos, de interesses, de condicionantes e dos factores de Poder. Foi com base no conceito acima expresso de geopolítica, que foi proposto e aceite o tema a tratar: "Geopolítica, um método auxiliar para a compreensão do mundo contemporâneo. A Geopolítica dos Balcãs". Compreensão designadamente dos fenómenos político-sociais, com origem no passado ou passíveis de serem perspectivados no futuro, os quais nos afectam ou poderão vir a afectar, quantas vezes sem ser entendida a génese e consequências dos mesmos, apesar do enorme interesse em serem entendidos e até prevenidos. Assim, será utilizada a Geopolítica, porque método muito útil de análise, procurando organizar e simplificar o imenso e complexo número de factores em presença, dissecando primeiro o método e depois aplicando-o ao conflito da Jugoslávia, nas ligações de estruturas e comportamentos políticos, com os ambientes físicos e humanos dessa região. Espera-se, com esta análise, contribuir para uma melhor compreensão dos problemas que afectam o mundo em que vivemos, particularmente no que se prende com a desintegração da Jugoslávia...

Geopolítica y geoestrategia liderazgo y poder

Instituto de Estudios Geoestratégicos y Asuntos Políticos
Fonte: Universidad Militar Nueva Granada Publicador: Universidad Militar Nueva Granada
Formato: application/pdf
SPA
Relevância na Pesquisa
37.59%
Esta publicación contiene tres partes: la primera de ellas, dando los créditos correspondientes, nos aproxima a los conceptos de los clásicos de la geopolítica y ha sido concebida para permitir a docentes y alumnos una aproximación ordenada y lógica al conocimiento de los elementos básicos necesarios para el estudio de esta ciencia. La segunda parte es una consecuencia de la primera, la Geoestrategia, conforme a la definición de Zbigniew Brzezinski es la gestión estratégica de los intereses geopolíticos, el análisis de éste tema, que lo conforman cuatro ensayos, se extiende a las situaciones de la Seguridad Hemisférica que resultan estrechamente vinculadas, por razones geopolíticas y geoestratégicas, a los intereses de la potencia hegemónica. La tercera parte recoge, bajo el título .Liderazgo y Poder. Contiene dos ensayos, que a mi juicio ilustran al lector sobre las vicisitudes del poder y la gloria experimentados por grandes figuras de la historia universal que en su momento construyeron o alteraron el orden político y geográfico a escala mundial; 1. Presentación 2. Prólogo 3. Introducción 4. Elementos de la geopolítica 4.1 Geopolítica e historia 4.2 Estado y geopolítica 4.3 Del ciclo vital del Estado4.4 La geopolítica y el orden mundial bipolar. la transición4.5 Global de los años noventa - escenarios futuros4.6 Anexo: una lectura seleccionada: .geopolítica....

Política exterior rusa en el Ártico, un juego de intereses nacionales en torno a su reivindicación geopolítica. Periodo 2007 – 2013

Angulo Daccach, Mariana
Fonte: Facultad de Relaciones Internacionales Publicador: Facultad de Relaciones Internacionales
Tipo: info:eu-repo/semantics/bachelorThesis; info:eu-repo/semantics/acceptedVersion Formato: application/pdf
Publicado em 24/03/2015 SPA
Relevância na Pesquisa
37.32%
El objetivo de esta monografía es analizar de qué manera el interés nacional ruso determina su reivindicación geopolítica en el Ártico. Adicionalmente, se profundizará sobre la posición geográficamente privilegiada en esta región y su importancia para los países miembros del Consejo Ártico a partir del deshielo del 2007. Por otra parte, se analizará la reivindicación geopolítica rusa en el Ártico a través de la aplicación del Derecho Internacional y el desplazamiento de sus fuerzas militares en esta zona. Para resolver la investigación, es pertinente explicar el interés nacional ruso bajo la Teoría de Realismo Político de Hans Morgenthau, lo que ayudará a clasificar el modelo de política exterior que Rusia aplicó en la región Ártica durante el periodo 2007 – 2013.; The aim of this paper is to analyze how the Russian national interest determines its geopolitical claim in the Arctic. In addition, it will deepen on the geographically privileged position of this region and its importance to the member countries of the Arctic Council since thaw of 2007. On the other hand, the geopolitical Russian claim in the Arctic will be analyzed through the application of International Law and the displacement of its military forces in this area. To solve the research...

Análisis de las relaciones bilaterales entre Timor Oriental y Australia a partir de la influencia de la ubicación geopolítica de recursos petroleros y gas natural presentes en el mar de Timor. 1999-2008.

Rivera Urrutia, Ángela
Fonte: Facultad de Relaciones Internacionales Publicador: Facultad de Relaciones Internacionales
Tipo: info:eu-repo/semantics/bachelorThesis; info:eu-repo/semantics/acceptedVersion Formato: application/pdf
Publicado em 29/08/2011 SPA
Relevância na Pesquisa
37.32%
Este trabajo busca comprender el surgimiento de una nueva estructura geopolítica dentro del sistema internacional haciendo uso de la teoría de Saul Bernard Cohen. Ésta nos permite identificar dos elementos preponderantes de la ubicación geopolítica de Timor Oriental que llegan a influir en sus relaciones bilaterales con Australia. Siendo estos; las Áreas Vacías y los límites. Ellos ayudan a tejer relaciones de cooperación con respecto a la explotación de recursos energéticos y el apoyo de Australia en la construcción de Timor Oriental como Estado. Todo lo anterior, enmarcado en un contexto en el que no es claro a quién pertenecen el gas natural y el petróleo del Mar de Timor puesto que no existe un límite fronterizo determinado entre Australia y Timor Oriental.

Relaciones de poder en la crisis de la UNESCO : un análisis desde la geopolítica

Vilaró, Miquel
Fonte: Universidade Autônoma de Barcelona Publicador: Universidade Autônoma de Barcelona
Tipo: Article; info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion Formato: application/pdf
Publicado em //1998 SPA
Relevância na Pesquisa
37.32%
En este artículo se analiza la crisis de la Organización de las Naciones Unidas para la Educación, la Ciencia y la Cultura (UNESCO) desde la perspectiva que ofrece la geopolítica; se abordan las relaciones de poder que han determinado la evolución de este organismo especializado de las Naciones Unidas y se valora la capacidad de esta organización para acometer las complejas tareas que le fueron encomendadas en el momento de su fundación y que quedaron reflejadas en su Carta.; En aquest article s'analitza la crisi de l'Organització de les Nacions Unides per a l'Educació, la Ciència i la Cultura (UNESCO) des de la perspectiva que ofereix la geopolítica; s'hi aborden les relacions de poder que ha determinat l'evolució d'aquest organisme especialitzat de les Nacions Unides i s'hi valora la capacitat d'aquesta organització per fer front a les complexes tasques que li foren encomanades en el moment de la seva fundació i que van quedar reflectides en la seva Carta.; Dans cet article, l'on analyse la crise de l'Organisation des Nations Unies pour l'Éducation, la Science et la Culture (UNESCO) depuis la perspective offerte par la géopolitique; On aborde les relations de pouvoir qui ont déterminé l'évolution de cet organisme spécialisé des Nations Unies et on valore la capacité de cette organisation de remplir les tâches difficiles qui lui ont été confiées lors de sa fondation et qui ont été reflétées dans sa Charte.; In this article the crisis of the United Nations Educational...

O APOGEU E O DECLÍNIO DA GEOPOLÍTICA; O APOGEU E O DECLÍNIO DA GEOPOLÍTICA

Vesentini, José William
Fonte: Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas Publicador: Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Artigo Avaliado pelos Pares Formato: application/pdf
Publicado em 02/11/2011 POR
Relevância na Pesquisa
37.65%
Este ensaio analisa o apogeu e o declínio da geopolítica. A grande preocupação da geopolítica foi a de definir uma grande potência mundial e ela sempre elegeu o Estado nacional moderno como o único agente político legítimo, pensando nas condições de seu fortalecimento. Seu momento áureo foi o Estado – nação, notadamente a segunda metade do século XIX e a primeira do século XX. Com o final da Guerra Fria, com a globalização e a terceira revolução industrial, a geopolítica entra em declínio, pois o mais importante para o poderio internacional de um páis passa a ser a tecnologia civil de ponta, a velocidade e o controle do tempo (e não mais o controle do espaço). O tamanho do território de um Estado, bem como os recursos naturais e a população disciplinada, já não são mais elementos decisivos para uma grande potência, e com essa mudança alguns pressupostos básicos da geopolítica tornaram-se obsoletos. Também no Brasil houve uma rica tradição geopolítica, que engendrou um projeto de “Brasil, grande potência” e que em boa parte foi implementado desde os anos 30 até início dos anos 80, quando entrou em crise.; Este ensaio analisa o apogeu e o declínio da geopolítica. A grande preocupação da geopolítica foi a de definir uma grande potência mundial e ela sempre elegeu o Estado nacional moderno como o único agente político legítimo...

A geopolítica dos recursos naturais da Rússia: uma análise sob a perspectiva de Vladimir Putin

Chagas, Debora Cristina Nascimento; CENTRO UNIVERSITÁRIO UNINTER
Fonte: UFPR Publicador: UFPR
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Formato: application/pdf
Publicado em 07/08/2014 POR
Relevância na Pesquisa
37.32%
Este trabalho pretende revisar a geopolítica russa de seus recursos naturais e como esta influencia na atuação do país no contexto internacional. Os recursos naturais desempenham papel de extrema importância na geopolítica global, desde o fim do Século XIX. Todas as grandes potências, que já detiveram importantes posições no cenário global, buscam independência de outros Estados no que tange o abastecimento energético, mesmo que seja necessário construir meios de dominação dos recursos naturais de países sem condições de explorá-los. A Rússia não fica atrás quando de trata de administrar seus recursos energéticos, especialmente com a chegada de Putin a Presidência. Na verdade, a estratégia geopolítica russa compreende-se na boa administração de seus recursos naturais para que se mantenha como agente preponderante no cenário internacional, a ponto do Estado intervir diretamente nas regras do jogo da indústria do petróleo e do gás.

Geografia política e Geopolítica: velhas e novas convergências

Célio Augusto Da Cunha Horta; Universidade Federal de Minas Gerais
Fonte: Universidade Federal Fluminense Publicador: Universidade Federal Fluminense
Tipo: ; Formato: application/pdf
Publicado em 04/02/2010 PT
Relevância na Pesquisa
37.32%
Alguns pesquisadores - geógrafos, historiadores, cientistas políticos, etc aproximam, conceitualmente, geopolítica de geografia política. Entretanto, outros pesquisadores fazem questão de diferenciar ambas nomenclaturas. Outro problema referese A ampliação dos objetos de pesquisa dessas áreas de conhecimento. É apresentada, na primeira parte deste artigo, uma reflexão sobre os significados atribuídos As nomenclaturas - geografia política e geopolitica - contrapondo-se, então, as duas vertentes citadas. A segunda parte trata da questões dos objetos de pesquisa. Espera-se contribuir para a desmistificação e a ruptura de alguns conceitos e preconceitos concementes A geografia política e A geopolítica. Abstract Some researchers (geographers, historians, political scientists, and others) think that the terms Geopolitics and Political Geography have similar concepts, while others prefer to make clear that they are different. Another problem is the increasing number of subjects both sciences have been dealing with. The first part of this paper shows a study of the meaning of these two terminologies, according to these two opposite groups of researchers. The second part is about the subjects of these sciences. The main point of this work is to clarify the meaning of these two terminologies.

História, Estratégia e Desenvolvimento: para uma geopolítica do capitalismo; Review of José Luís Fiori's "História, Estratégia e Desenvolvimento: Por uma geopolítica do capitalismo"

Vieira, Ricardo Zortéa; Universidade Federal do Rio de Janeiro
Fonte: UFSC Publicador: UFSC
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Formato: application/pdf
Publicado em 01/06/2015 POR
Relevância na Pesquisa
37.32%
http://dx.doi.org/10.5007/2175-8085.2015v18n1p154O trabalho busca apresentar os principais pontos teóricos contidos no recente livro "História, Estratégia e Desenvolvimento: para uma geopolítica do capitalismo", de José Luís Fiori.; This review seeks to present the main theoretical points of the recent book "História, Estratégia e Desenvolvimento: Por uma geopolítica do capitalismo", by José Luís Fiori. 

Formação da Nova Geopolítica das Mudanças Climáticas

Moreira, Helena Margarido; Universidade de São Paulo
Fonte: Editora de Livros IABS Publicador: Editora de Livros IABS
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; Formato: application/pdf
Publicado em 01/07/2013 POR
Relevância na Pesquisa
37.32%
Este artigo descreve a evolução das negociações em torno das mudanças climáticas em busca de um acordo global mais inclusivo e eficaz, e de que forma os principais países se posicionam e se agrupam, demonstrando que a configuração geopolítica dessas negociações vem sofrendo mudanças. As divergências Norte-Sul, determinadas em termos de desenvolvimento, conformaram durante longo tempo o rumo das negociações, inclusive a base para a construção do subsistema da ordem ambiental internacional para mudanças climáticas, através do princípio das “responsabilidades comuns, porém diferenciadas”. No entanto, o estado atual das negociações climáticas mostra que essa divisão deu lugar a um agrupamento de países definido em termos de espacialização das emissões de gases-estufa. Um maior conhecimento científico em torno das causas e consequências das mudanças climáticas, levantado pelas pesquisas e relatórios publicados pelo IPCC, e uma mudança no panorama mundial definido pelos jogos de poder entre as potências são elementos que servem de base para a observação de uma mudança na geopolítica das mudanças climáticas. A geopolítica que se percebe hoje opõe os grandes emissores globais de GEE aos países com emissões significativas e em crescimento...

Teoría y metodología de la geopolítica. Hacia una geopolítica de la "construcción de poder"

Dallanegra Pedraza,Luis
Fonte: UNAM, Facultad de Ciencias Políticas y Sociales, División de Estudios de Posgrado Publicador: UNAM, Facultad de Ciencias Políticas y Sociales, División de Estudios de Posgrado
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2010 ES
Relevância na Pesquisa
37.32%
En el marco de los cambios que se van presentando con la evolución y la dinámica del sistema mundial en el contexto de la globalización, y ante el escaso impacto político que los países de América Latina tienen en el concierto internacional, este artículo propone el desarrollo de una novedosa teoría de la geopolítica que permita que los Estados periféricos (como los latinoamericanos) sean partícipes del sistema de relaciones de una manera que no implique necesariamente ni la confrontación con ellos ni tampoco su sumisión. Para tal propósito, el autor hace una revisión crítica de los criterios de la geopolítica (clásica y latinoamericana, sobre todo) así como del impacto de la economía de mercado en estos países, que no han dejado de estar bajo el yugo de la dependencia, para proponer vías de integración regional verdaderas.