Página 1 dos resultados de 1043 itens digitais encontrados em 0.002 segundos

Fenóis totais no cafeeiro em razão das fases de frutificação e do clima.; Total phenols in the coffee tree due to the fructification phases and the climate.

Salgado, Paula Rodrigues
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 14/01/2005 PT
Relevância na Pesquisa
37.01%
Os vegetais apresentam defesa natural contra os fatores externos, bióticos e abióticos, por meio da síntese de compostos fenólicos no metabolismo secundário, as quais variam com as fases fenológicas e com o clima. O aumento dos compostos fenólicos nas plantas está, diretamente, relacionado com a resistência à infecção por patógenos e à infestação de pragas. Entretanto, pouco se sabe sobre a variação dos teores dessa substância durante os estádios fenológicos do cafeeiro, em particular, nas fases de frutificação, e em razão das condições climáticas. Tais conhecimentos são fundamentais para a previsão dos riscos de ataques aos vegetais, uma vez que a defesa natural da planta deve mudar ao longo do ciclo. O experimento foi realizado em uma cultura de Coffea arabica L., cultivar Obatã IAC 1669-20, instalada no campo experimental do Departamento de Produção Vegetal, da Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, Universidade de São Paulo, Piracicaba/SP. Para a realização do experimento foi adotado o delineamento experimental inteiramente casualizado, utilizando quatro tratamentos (plantas com e sem frutos - folhas dreno e plantas com e sem frutos - folhas fonte) e cinco repetições constituídas por plantas individuais. Após a análise de variância dos resultados foi aplicado o teste t de Student ao nível de 5 % de significância para a comparação das médias entre os tratamentos. Os teores de fenóis totais (µg g-1) foram extraídos das folhas maduras (fonte) e novas (dreno) e analisados em relação à produção de café...

Florescimento e frutificação do maracujazeiro-amarelo submetido à iluminação artificial, irrigação e sombreamento

Cavichioli, José Carlos; Ruggiero, Carlos; Volpe, Clóvis Alberto; Paulo, Edison Martins; Fagundes, Jailson Lara; Kasai, Francisco Seiiti
Fonte: Sociedade Brasileira de Fruticultura Publicador: Sociedade Brasileira de Fruticultura
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: 92-96
POR
Relevância na Pesquisa
27.27%
Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP); Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq); O fotoperíodo, a temperatura do ar e a umidade do solo são fatores determinantes na produção do maracujazeiro-amarelo (Passiflora edulis Sims f. flavicarpa Deg). A sua baixa produção no período de agosto a novembro é conseqüência do não-florescimento e frutificação em função das condições climáticas. O trabalho teve por objetivo estudar a iluminação artificial associada ou não à irrigação, no florescimento e frutificação do maracujazeiro-amarelo. Compararam-se quatro sistemas de produção, combinando-se: iluminação artificial/irrigação/sombreamento; iluminação artificial/irrigação; iluminação artificial/sombreamento; iluminação artificial, e um tratamento-testemunha, em condições naturais. Os tratamentos foram submetidos a três diferentes épocas de iluminação (12 de abril, 27 de abril e 12 de maio). O experimento foi conduzido na área da Escola Técnica Agrícola de Adamantina-SP, na região da Alta Paulista, no período de abril a novembro de 1997. de acordo com os resultados, a iluminação artificial com e sem irrigação aumentou o número de flores...

Efeito de regulador vegetal sobre a brotação, florescimento e frutificação de cultivares de goiabeira

Santos, Juliana Aparecida dos
Fonte: Universidade Estadual Paulista (UNESP) Publicador: Universidade Estadual Paulista (UNESP)
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: 46 f. : il., fots. (algumas color.)
POR
Relevância na Pesquisa
37.51%
Pós-graduação em Agronomia - FEIS; A goiabeira (Psidium guajava L.) produz em ramos em crescimento, exigindo a poda de frutificação, encurtando os ramos que já produziram para estimular nova brotação, que será frutífera. A utilização de reguladores vegetais associados à poda de frutificação podem facilitar a emissão de brotos. Considerando a importância da poda de frutificação e a falta de informações sobre a utilização de reguladores vegetais na cultura da goiabeira, os objetivos do presente trabalho foram: estudar o efeito da aplicação de nitrato de potássio (KNO3) após a poda de frutificação em goiabeira, sobre as variáveis: brotação, florescimento, frutificação e qualidade dos frutos das cultivares Paluma, Pedro Sato, Sassaoka e Século XXI. O delineamento experimental utilizado foi o de blocos casualizados com três repetições, uma planta por parcela, empregando-se o esquema fatorial 2x4, sendo duas doses (0 e 4%) e quatro cultivares de goiabeira. Os tratamentos foram: T1N1 (cv. Paluma com KNO3); T1N0 (cv. Paluma sem KNO3); T2N1 (cv. Pedro Sato com KNO3); T2N0 (cv. Pedro Sato sem KNO3); T3N1 (cv. Sassaoka com KNO3); T3N0 (cv. Sassaoka sem KNO3); T4N1 (cv. Século XXI com KNO3) e T4N0 (cv. Século XXI sem KNO3). Para as cultivares Paluma...

Valor nutricional de corpos de frutificação e biomassas dos cogumelos comestiveis pleurotus ostreatus, Lentinula edodes e Auricularia auricula-fuclae

Nappi, Berenice Pagani
Fonte: Universidade Federal de Santa Catarina Publicador: Universidade Federal de Santa Catarina
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: x, 66f.| il., tabs. + anexos
Relevância na Pesquisa
27.34%
Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciencias Agrarias; Avaliação nutricional dos corpos de frutificação e das biomassas produzidas em cultura submersa a partir de cogumelos comestíveis Pleurotus ostreatus, Lentinula edodes e Auricularia auricula- judae, tendo como substrato experimental o soro de leite, resíduo da indústria de laticínios e meio sintético como controle. Pleurotus osteatus obteve teores maiores de proteínas em soro de leite (23,82%) e corpos de frutificação (23,80%) e no meio controle Auricularia auricula- judae (24,61%). Tanto nas biomassas como nos corpos de frutificação, os aminoácidos predominantes foram o ácido glutâmico e ácido aspártico incluindo os aminoácidos essenciais. Os corpos de frutificação e as biomassas foram caracterizados por um alto teor de ácidos graxos poliinsaturados com maiores teores de ácido linoléico. Nutricionalmente, os corpos de frutificação e biomassas produzidas no meio sintético e experimental são recomendados como uma alternativa considerável de fonte protéica suplementar.

Padrões de floração e frutificação de árvores da Amazônia Maranhense

Muniz,Francisca Helena
Fonte: Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia Publicador: Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2008 PT
Relevância na Pesquisa
37.4%
Estudos fenológicos em nível de comunidades podem facilitar a compreensão do comportamento das espécies diante de alterações nos ecossistemas, além de refletir a distribuição anual de tipos específicos de recursos. Este trabalho buscou definir os padrões gerais e a sazonalidade de floração e frutificação de uma comunidade em duas áreas de floresta na Amazônia Maranhense, uma não perturbada e outra submetida a corte seletivo. A vegetação corresponde às matas de cipós das florestas amazônicas, alternando matas densas e abertas, de alta biomassa. Valores médios anuais de temperatura variam entre 24,5º C e 26,0º C, e entre 1400 mm e 1800 mm de precipitação, com um período seco de 5 a 6 meses, de junho a novembro. Foram analisadas a floração e a frutificação de 89 espécies arbóreas, de agosto de 1994 a junho de 1996. As espécies foram agrupadas em: árvores do sub-dossel, árvores do estrato superior e árvores que ocorrem em ambos os estratos. Foi feita comparação entre grupos (estratos, tipos de floresta e mecanismos de dispersão) e possíveis correlações com a precipitação foram investigadas. Quinze espécies estudadas foram exclusivas do estrato inferior e 63 do estrato superior da floresta; 17 espécies foram registradas apenas na mata nativa e 37 apenas na mata manejada. A maioria das espécies é zoocórica (62...

Estimativa de graus-dia acumulados no ciclo de frutificação de cultivares de abacateiros (Persea americana, Miller)

Lucchesi,Antonio A.; Montenegro,Heitor W. S.; Villa Nova,Nilson A.; Florencio,Antonio C.
Fonte: Universidade de São Paulo; Escola Superior de Agricultura Publicador: Universidade de São Paulo; Escola Superior de Agricultura
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/1977 PT
Relevância na Pesquisa
27.27%
De acordo com os dados climáticos da região de cultivo, utilizando-se da somatória de graus-dia acumulados, acima de um mínimo denominado temperatura base, pode-se estimar períodos de desenvolvimento, época de maturação e mesmo épocas de se processar controles fitossanitários. Com essas finalidades, estudou-se o comportamento, com relação ao ciclo de frutificação, das cultivares Pollock, Collinson, Prince e Wagner, em pomares de três regiões climaticamente diferentes do Estado de São Paulo, Novo Horizonte, Limeira e Itapetininga. Para o cálculo da somatória de graus-dia acumulados no ciclo de frutificação dessas cultivares, em cada região, utilizou-se da metodologia de VILLA NOVA et alii (1972) em função das temperaturas máximas e mínimas mensais, dados meteorológicos esses, obtidos na Seção de Climatologia Agrícola do Instituto Agronômico do Estado de São Paulo. Através dos estudos realizados verificou-se que uma determinada cultivar, mesmo sendo cultivada em regiões climaticamente diferentes, requer uma mesma quantidade de graus-dia para completar o seu ciclo de frutificação. Verificou-se que a cultivar Pollock necessita em média, 2513 graus-dia; a Collinson de 3767; a Prince de 4138 e a Wagner de 4480. Dependendo da raça de origem dos abacateiros...

Floração, frutificação e maturação de frutos de morangueiro cultivados em ambiente protegido

Antunes,Odirce Teixeira; Calvete,Eunice Oliveira; Rocha,Hélio Carlos; Nienow,Alexandre Augusto; Mariani,Franciele; Wesp,Cristiane de Lima
Fonte: Associação Brasileira de Horticultura Publicador: Associação Brasileira de Horticultura
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2006 PT
Relevância na Pesquisa
37.16%
Determinou-se o número de dias para a ocorrência e a duração dos estádios fenológicos de morangueiro, bem como o período de floração, frutificação e maturação dos frutos das cvs. Oso Grande, Tudla, Chandler e Dover. O trabalho foi executado no interior de uma estrutura galvanizada de 510 m² (estufa plástica), em Passo Fundo-RS, em 2003 e 2004. A primeira etapa constou da avaliação das datas de ocorrência e da duração dos estádios fenológicos das quatro cultivares de morangueiro, em um experimento fatorial (cultivares x estádios fenológicos) com delineamento inteiramente casualizados, em cinco repetições. Na segunda etapa, determinou-se o número de dias até o início da floração (50% da área em floração) e da formação de frutos (10% dos frutos maiores que 2,5 cm de comprimento), início e final da colheita. Os nove estádios fenológicos foram determinados pela seguinte escala: 1= aparecimento do botão floral; 2= aparecimento das pétalas; 3= flores completamente abertas; 4= pétalas secas e caídas; 5= formação do fruto; 6= aumento do tamanho do fruto; 7= fruto com sementes visíveis no receptáculo; 8= começo da maturação, com maioria dos frutos brancos; 9= frutos maduros com 75 a 100% da superfície vermelha. A duração dos nove estágios variou de 36...

Floração, frutificação e síndromes de dispersão de uma comunidade de floresta de brejo na região de Campinas (SP)

Spina,Andréa Pozetti; Ferreira,Washington Marcondes; Leitão Filho,Hermógenes de Freitas
Fonte: Sociedade Botânica do Brasil Publicador: Sociedade Botânica do Brasil
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2001 PT
Relevância na Pesquisa
37.34%
Dados referentes as fenofases de floração e de frutificação, das espécies de uma floresta de brejo, foram analisados quanto à época de ocorrência e suas possíveis variações nos diferentes hábitos. Os dados foram obtidos mensalmente durante o levantamento florístico das plantas vasculares. Foram registrados: o hábito da espécie, a presença ou ausência de flores e/ou frutos, a cor e a textura dos frutos. Os dados de frutificação foram agrupados quanto à deiscência e textura dos frutos, e estes quando secos e deiscentes, foram analisados quanto à presença ou não de arilo ou arilóide, e de mecanismos explosivos de deiscência. Através desta análise as espécies foram classificadas quanto às síndromes de dispersão. Na comunidade a floração e a frutificação ocorreram durante o ano todo com um pico em junho, comum à maioria das espécies. Quando as espécies são agrupadas pelo hábito, são observadas diferenças quanto à época de ocorrência de seus picos de floração e de frutificação ao longo do ano. A síndrome de dispersão mais freqüente foi a zoocoria (75% das espécies), seguida pela anemocoria (27%) e pela autocoria (l6%). As espécies arborescentes e arbustivas apresentaram as maiores porcentagens de zoocoria (75% e 57% respectivamente) enquanto que...

Período de ocorrência da frutificação do imbuzeiro na região semi-árida de Pernambuco.

CAVALCANTI, N. de B.; RESENDE, G. M. de; BRITO, L. T. de L.
Fonte: Caatinga, Mossoró, v. 18, n. 2, p. 129-135, abr./jun. 2005. Publicador: Caatinga, Mossoró, v. 18, n. 2, p. 129-135, abr./jun. 2005.
Tipo: Artigo em periódico indexado (ALICE)
PT_BR
Relevância na Pesquisa
37.01%
O imbuzeiro (Spondias tuberosa Arruda) é uma planta nativa da região semi-árida do Nordeste brasileiro de grande importância para a complementação da renda dos pequenos agricultores. Entretanto, seu ciclo reprodutivo ainda é pouco estudado, o que dificulta um planejamento da produção para melhor aproveitamento da safra. Este trabalho teve como objetivo acompanhar a evolução do ciclo reprodutivo do imbuzeiro, compreendido entre a emissão do primórdio do botão floral e a maturação do fruto, nas safras de 1999 e 2002. O estudo foi realizado na Estação Experimental da Caatinga, Embrapa Semi-Árido, em doze plantas. Em cada planta foram escolhidos, ao acaso, em diferentes partes da copa, 392 ramos e etiquetados para anotações das ocorrências fenológicas. Nos dados obtidos foram determinados médias, desvios-padrão e coeficiente de variação. O período médio demandado entre o início da frutificação e a maturação dos frutos foi de 125,56 dias. A fenologia reprodutiva do imbuzeiro na região do Sertão de Pernambuco ocorre no período mais crítico e na ausência de precipitações.; 2005

Levantamento do período de floração e frutificação das espécies da família Cactaceae depositadas no Herbário do Trópico Semi-Árido (HTSA).

SILVA, P. P. da; KIILL, L. H. P.
Fonte: In: JORNADA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA EMBRAPA SEMI-ÁRIDO, 2., 2007, Petrolina. Anais... Petrolina: Embrapa Semi-Árido, 2007. Publicador: In: JORNADA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA EMBRAPA SEMI-ÁRIDO, 2., 2007, Petrolina. Anais... Petrolina: Embrapa Semi-Árido, 2007.
Tipo: Artigo em anais de congresso (ALICE)
PT_BR
Relevância na Pesquisa
27.34%
O Herbário da Embrapa Semi-Árido (HTSA) foi criado em 1983 e, desde então, vem servindo de suporte para levantamentos botânicos, especialmente das espécies do Semi-Árido que deram origem a diversos trabalhos sobre a biodiversidade vegetal da caatinga. O presente trabalho teve como objetivo levantar os períodos de floração e frutificação das espécies pertencentes à família Cactaceae, depositadas no acervo do HTSA. Atualmente, a família Cactaceae depositada é representada por 14 espécies pertencentes a oito gêneros. Foram examinadas 34 exsicatas, sendo 76,47% identificadas em nível de espécie, 17,64% em nível de gênero e 5,89% em nível de família. De posse de cada exsicata, foram anotados os dados referentes à floração e frutificação em relação ao mês de coleta. Quanto ao período de floração, verificou-se que 50% das espécies analisadas apresentaram floração entre os meses de novembro a janeiro. Quanto à frutificação, frutos foram observados somente em cinco espécies, sendo que a maioria apresentou frutificação nos meses de janeiro e novembro, que também estão compreendidos na estação chuvosa da região. Comparando a ocorrência das fenofases com as condições climáticas, verifica-se que a floração e a frutificação ocorrem principalmente na estação chuvosa...

Levantamento da produção de xilopódio e os efeitos de sua retirada sobre a frutificação e persistência de plantas nativas de imbuzeiro (Spondias tuberosa Arr. Cam.).

CAVALCANTI, N. de B.; RESENDE, G. M. de; BRITO, L. T. de L.
Fonte: Ciência e Agrotecnologia, Lavras, v. 26, n. 5, p. 927-942, 2002. Publicador: Ciência e Agrotecnologia, Lavras, v. 26, n. 5, p. 927-942, 2002.
Tipo: Artigo em periódico indexado (ALICE)
PT_BR
Relevância na Pesquisa
37.16%
Conduziu-se este trabalho com o objetivo de fazer um levantamento da produção de xilopódios no imbuzeiro (Spondias tuberosa Arr. Cam.) e avaliar as conseqüências da retirada dos mesmos para a produção de frutos e sobrevivência da planta. O trabalho foi realizado com 16 plantas nativas encontradas na área de caatinga da Estação Experimental da Caatinga, Embrapa Semi-Árido, em Petrolina - PE, no período de novembro de 1994 a abril de 1999. Em 12 planas, foram demarcados quatro quadrantes medindo 2 m x 4 m, com 1 m de profundidade,afastados 1 m do tronco. Em cada ano, foram retirados os xilopódios de cada quadrante. As variáveis analisadas foram as seguintes: quantidade e peso total dos xilopódios por planta; período de ocorrência da brotação; floração e frutificação, e produção de frutos. A produção de xilopódio por planta foi, em média, de 367,25 com um peso médio de 683,52 kg por planta. A média de xilopódios encontrados por quadrante foi de 91,81, com peso médio de 1,92 kg. nâo houve diferença significativa no período de ocorrência da brotação, floração e frutificação entre as plantas avaliadas. No entanto, a produção de frutos sofreu uma redução média de 40,24% durante o período de observação.; 2002

A Realidade Aumentada como recurso potencialmente signficativo para a aprendizagem sobre o processo de frutificação; A Realidade Aumentada como recurso potencialmente signficativo para a aprendizagem sobre o processo de frutificação

OLIVEIRA, Alline Bettin de
Fonte: Universidade Federal de Pelotas; Educação; Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática; UFPel; BR Publicador: Universidade Federal de Pelotas; Educação; Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática; UFPel; BR
Tipo: Dissertação Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
37.16%
This dissertation proposal is the result of the researcher's walk in the first year of the Professional Masters in Mathematics and Science Teaching (UFPEL), which seeks to resolve epistemological concerns that were presented during the teaching of the researcher and that was reflected in their practice, while elementary school teacher at public education of Pelotas, Brazil. From the difficulty of developing the concept of fruiting, the objective is to investigate the potential of technology called Augmented Reality as a toolfor the development of a Meaningful Learning of this concept. This technology allows the visualization and interaction of students with three-dimensional structures previously modeled by the teacher meeting the particularities required for each content. To that end, we sought the theoretical in Educational Psychology from Ausubel, on which we base the research and development and construction of the pilot. In the pilot, from the investigation of students' prior knowledge, we used three-dimensional models built from the technology called Augmented Reality, as well as activities that provide for the processes of progressive differentiation and integrative reconciliation Monitoring of activities and evaluation of learning was done through of the descriptive and conceptual maps. As a result it was possible to check the students' vocabulary enrichment...

Uso de fitorreguladores para controle do desenvolvimento vegetativo e aumento da frutificação em macieira e pereira.; Use of growth regulators to control vegetative growth and frutification increase in apple and pear trees

HAWERROTH, Fernando José
Fonte: Universidade Federal de Pelotas; Agronomia; Programa de Pós-Graduação em Fruticultura de Clima Temperado; UFPel; BR Publicador: Universidade Federal de Pelotas; Agronomia; Programa de Pós-Graduação em Fruticultura de Clima Temperado; UFPel; BR
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
37.44%
The proper balance between vegetative growth and frutification in pome fruit species such as apple and pear, it is essential to increase production efficiency and improving fruit quality. In this sense, control of vegetative growth and frutification increase are needed in the management of these species, which may be obtained by use of growth regulators. The objective of this study was to evaluate the control of vegetative growth and frutification increase of apple and pear orchards in the Southern Brazil climatic conditions in response to the use of growth regulators. For this, three experiments were carried out in this research. In the first experiment, different concentrations of prohexadione calcium were evaluated in 'Imperial Gala' and 'Fuji Suprema' apple trees, grafted on Marubakaido rootstock with M9 interstock, in an orchard located in Fraiburgo/SC. The treatments (0, 165, 330, 495, 660, and 990 g ha-1 prohexadione calcium) were applied during the vegetative growth in 2008/2009 and 2009/2010 growing seasons. The concentrations corresponding to each treatment were applied split into three parts. The first application was done when the shoots of the control treatment showed growth of 10 cm. The second and third applications were made at 30 and 60 days after the first application...

Influência da enxertia herbácea no vigor, produtividade e hábitos de frutificação da framboesa vermelha (Rubus idaeus); The influence of herbaceous grafting on vigour, productivity and friting habits of red raspberry (Rubus idaeus)

Santos, Maria Margarida Viegas Louro Oliveira
Fonte: Universidade Técnica de Lisboa Publicador: Universidade Técnica de Lisboa
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2009 POR
Relevância na Pesquisa
37.01%
Mestrado em Engenharia Agronómica - Hortofruticultura e Viticultura - Instituto Superior de Agronomia; Aiming to increase the productivity in red raspberry (Rubus idaeus L.) the effect of grafting in vigour, productivity and fruiting habits of several grafting combinations of raspberry cultivars was evaluated. Two trials comparing several herbaceous grafting combinations between different raspberry cultivars were established. The trials took place in spring and in summer, in protected culture, and cleft graft, "chip budding" and "pin grafting" were the grafting techniques used. The influence of these grafting techniques in vigour, productivity and fruiting habits was analysed. In the spring trial, the use of ‘Erika’ as a vigorous rootstock led to an increase in production of the graft 'Polka'. The cleft graft has proved not to be an efficient technique, with a survival rate in spring and in summer of 21.4% and 15.4%, respectively. In the summer’s trial, "chip budding” had the highest survival rate, 33.3%, whereas the "pin grafting" resulted in 19.1% of survived plants. The productivity of 'Polka' was not affected by the rootstock in this season. 'Glen Lyon' grafted plants flowered, regardless the rootstock used...

Conservação e germinação do pólen, polinização e frutificação efetiva em pessegueiros e nectarineiras subtropicais

Barbosa,Wilson; Campo-Dall'Orto,Fernando Antonio; Ojima,Mário; Martins,Fernando Picarelli; Boaventura,Yone Mangilu Seluto
Fonte: Instituto Agronômico de Campinas Publicador: Instituto Agronômico de Campinas
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/1991 PT
Relevância na Pesquisa
37.01%
Pesquisaram-se ambientes, períodos de conservação e meios de cultura para germinação do pólen, além de frutificação afetiva sob autopolinízação e polinização aberta em 25 cultivares e seleções de pessegueiros e nectarineiras do Banco de Germoplasma do Instituto Agronômico (IAC). Os pólens conservados em dessecador a 0 ± 1 °C mantiveram por 60 dias ates taxas de germinação (acima de 70%). Em ambiente de laboratório (25 +1 2ªC), o pólen perdeu rapidamente sua viabilidade; após o 3° dia de armazenamento, o vigor germinativo diminuiu progressivamente. A melhor germinação do pólen in vitro (89%) ocorreu em meio contendo solução salina de Murashige & Skoog, sacarose 5% e ágar 0,7%. Os cultivates a seleções analisados mostraram-se autoférteis, excetuando-se a nectarina IACN1574-25, que apresentou a característica genética da androesterilidade. As altas frutificações efetivas, tanto sob autopolinização quanto polinização livre (> 50%), foram obtidas pelos cultivares Jóia-1, Ouromel-3, Aurora-1 , Aurora-2 e Flordaprince e híbridos IAC 680-13 e IAC 680-178.

Frutificação alternada em caqui cultivar Pomelo (IAC 6-22)

Ojima,Mário; Dall'Orto,Fernando Antonio Campo; Barbosa,Wilson; Tombolato,Antonio Fernando Caetano; Rigitano,Orlando
Fonte: Instituto Agronômico de Campinas Publicador: Instituto Agronômico de Campinas
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/1985 PT
Relevância na Pesquisa
37.34%
O cultivar Pomelo (IAC 6-22), mercê de sua bela aparência, elevada produtividade, facilidade de destanização e maturação precoce dos frutos, vem-se constituindo num dos principais híbridos de caquis taninosos lançados pelo Instituto Agronômico ao plantio comercial. No entanto, em lotes experimentais, tem-se constatado com freqüência irregularidade de frutificação, isto é, a presença de plantas pouco produtivas, ao lado de outras com grandes produções. A fim de estudar as causas dessas frutificações irregulares e, ao mesmo tempo, verificar a possibilidade de selecionar clones superiores desse cultivar, efetuou-se o controle da produção individual de 54 plantas, no período 1971-80, em um lote instalado em 1961, no Centro Experimental de Campinas (SP). Quarenta e oito das plantas controladas apresentaram produções marcantemente alternantes, embora a alternância das produções altas e baixas nem sempre ocorresse concomitantemente. Enquanto um grupo de plantas mostrava produções altas, outro, no mesmo ano, apresentava baixa frutificação, verificando-se comportamento inverso no ano seguinte. Apenas seis plantas não acompanharam a mesma tendência, constatando-se, no entanto, que nelas a alternância de produção ocorria dentro de uma mesma planta...

O pessegueiro no sistema de pomar compacto: VI. Frutificação efetiva e raleio químico em seleções IAC

Barbosa,Wilson; Campo Dall'Orto,Fernando Antonio; Ojima,Mário; Santos,Rui Ribeiro dos
Fonte: Instituto Agronômico de Campinas Publicador: Instituto Agronômico de Campinas
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/1992 PT
Relevância na Pesquisa
37.16%
Verificou-se o potencial de frutificação e o efeito da pulverização de uréia a 12%, no raleio de frutos, em cinco pessegueiros e duas nectarineiras, cultivados em pomar compacto, na Estação Experimental de Monte Alegre do Sul (22°41'S. e 46°43'W.), do Instituto Agronômico de Campinas (IAC). Dos cultivares e seleções pesquisados, 'Talismã', IAC 6782-83, IAC N 2680-91, 'Aurora-2' e IAC 282-24 apresentaram as maiores taxas de frutificação natural, a saber: 60,9; 54,2; 44,6; 41,4 e 40,0% respectivamente. A uréia a 12%, pulverizada na plena floração, mostrou-se efetiva no raleio dos frutos, reduzindo as frutificações para a faixa de 12-17%, considerada adequada para pessegueiros e nectarineiras sob altas densidades de plantio. O número médio de pêssegos e nectarinas remanescentes por ramo foi, respectivamente, de 1,1; 1,6; 1,8; 1,9; 2,0; 2,6 e 3,2 para IAC 280-28; IAC 6782-83; 'Aurora-2'; IAC 282-24; IAC N 1880-76; IAC N 2680-91 e Talismã'. A produtividade não foi prejudicada pela ação raleadora da uréia a 12%. As plantas em que permaneceram até dois frutos em média, por ramo, apresentaram produtos de melhor padrão.

Reguladores vegetais na frutificação e produção da macieira 'Imperial Gala'

Dal'Sant, Sheila Rossana
Fonte: Universidade Federal do Paraná Publicador: Universidade Federal do Paraná
Tipo: Dissertação Formato: application/pdf
PORTUGUêS
Relevância na Pesquisa
27.4%
Resumo: Estudos anteriores mostram que o plantio de cultivares polinizadoras são usuais na produção comercial de macieiras e esta prática não garante produções satisfatórias ao longo dos anos. Com inverno ameno, ocorrente no Sul do Brasil, as exigências em frio de muitas frutíferas temperadas não são completamente suficientes, determinando que cultivares com distintos requerimentos em frio apresentem grande variabilidade no período de florescimento, de um ano para outro. Nessas condições de irregularidade na ocorrência de frio durante o período hibernal, é freqüente a não sincronização do florescimento das principais cultivares e suas respectivas polinizadoras, repercutindo em baixa frutificação e irregularidade da produção. Além disso, baixas produções podem ocorrer em condições adversas a polinização, como ocorrência de chuvas durante o florescimento, deficiência de insetos polinizadores e intensidade e floração reduzida. Sob tais condições, a frutificação pode ser maximizada pelo uso de reguladores vegetais, que tendem a melhorar a frutificação efetiva e os componentes da produção das cultivares de macieiras. O objetivo deste trabalho foi avaliar o efeito da aplicação dos reguladores vegetais prohexadione de cálcio nas doses de (55...

Frutificacao precoce de laranjeiras 'monte parnaso' com anelagem e pulverizacoes de acido giberelico e oleo mineral; Effect of ringing and spraying with gibberellic acid and mineral oil on the fruiting of young .monte parnaso. navel orange trees

Koller, Otto Carlos; Sobrinho, Fernando Ferrari; Schwarz, Sergio Francisco
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
37.01%
Com o objetivo de diminuir a floração muito intensa e aumentar a produção de frutos, laranjeiras de umbigo ‘Monte Parnaso’ (Citrus sinensis Osb.), com dois anos de idade, foram submetidas à anelagem de casca do tronco, pulverizações foliares com doses de 0, 10, 20 e 30 ppm de ácido giberélico (AG3), combinadas com 0 e 1% de óleo mineral emulsionável. Foram realizados dois experimentos: um com pulverizações repetidas em 22 e 29/07/93, e outro com pulverização em plena floração em 15/09/93. Em ambos os experimentos, 50% das plantas foram submetidas à anelagem da casca do tronco, feita por uma incisão anelar, 5 cm abaixo da formação da copa. A produção diminuiu linearmente com o aumento das dosagens de AG3 pulverizado no final de julho; não houve efeito significativo sobre a frutificação quando o AG3 foi aplicado em plena floração. As pulverizações com 1% de óleo mineral diminuíram o número de frutos produzidos, em até 42%, principalmente nos tratamentos feitos no final de julho. A anelagem da casca do tronco aumentou o número de frutos em aproximadamente 25%, mas diminuiu o peso médio dos frutos.; Aiming to study fruit set increase of young ‘Monte Parnaso’ navel orange trees (Citrus sinensis Osb.)...

Floração, predação de flores e frutificação de Ipomoea pes-caprae e I. imperati (Convolvulaceae) na Praia da Joaquina, SC; Flowering, flower predation and fruit set of Ipomoea pes-caprae and I. imperati (Convolvulaceae) at Joaquina Beach, SC

Santos, Cláudia Regina dos; Universidade Federal de Santa Catarina; Arruda, Vera Lícia Vaz de; Universidade Federal de Santa Catarina
Fonte: Universidade Federal de Santa Catarina Publicador: Universidade Federal de Santa Catarina
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; ; Formato: application/pdf
Publicado em 01/01/1995 POR
Relevância na Pesquisa
37.16%
O presente estudo foi realizado nas dunas da praia da Joaquina, Florianópolis, SC. Foram verificados os períodos de floração e de frutificação para Ipomoea pes-caprae e Ipomoea imperati, a porcentagem de formação de frutos e a taxa de predação em botões e flores destas espécies. O período de maior floração de I. pes-caprae ocorreu em janeiro e fevereiro e o de frutificação, em março e abril. A maior concentração de flores de I. imperati foi observada de novembro a abril e a de frutos, de dezembro a junho. Os períodos de maior produção de flores e frutos, das duas espécies, ocorreram em meses com temperatura e precipitação elevadas. Em I. pes-caprae, os botões das três classes de tamanho tiveram uma porcentagem de formação de frutos acima de 50%, no verão de 1990/1991, e acima de 80%, no verão de 1991/1992. Em I. imperati, somente botões grandes tiveram uma porcentagem de formação de frutos acima de 50%, no verão de 1990/1991, e no verão de 1991/1992, esta porcentagem foi acima de 60% para os botões das três classes de tamanho; nesta espécie, a maior porcentagem de formação de frutos foi observada em botões grandes, nos dois períodos. Não foi constatada predação em botões de I. pes-caprae...