Página 1 dos resultados de 174 itens digitais encontrados em 0.001 segundos

Estudo da periodicidade do crescimento, fenologia e relação com a atividade cambial de espécies arbóreas tropicais de florestas estacionais semideciduais.; Study on the periodicity of growth, phenology and the relation with the changing activity of tropical arboreal species in semidecidual stately forests.

Maria, Vivian Ribeiro Baptista
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 08/04/2002 PT
Relevância na Pesquisa
56.84%
O presente trabalho foi desenvolvido em áreas florestais naturais e implantadas de Florestas Estacionais Semideciduais remanescentes do planalto paulista com o objetivo de estudar a periodic idade de crescimento, fenologia e atividade cambial. A pesquisa visa determinar a idade e o crescimento de 23 espécies arbóreas tropicais e subtropicais, contribuindo, desta forma, com a aquisição de conhecimentos científicos básicos sobre a biologia e a ecologia do crescimento das mesmas. A compreensão da dinâmica das populações florestais e o comportamento de crescimento das suas espécies foram obtidos a partir do acompanhamento mensal da periodicidade de crescimento através da implantação de faixas dendrométricas permanentes nos troncos das árvores e observações dos estágios fenológicos (folhas, brotamento, floração e frutificação), avaliados mensalmente durante o período de janeiro de 2000 a outubro de 2001 em relação às variações climáticas. A determinação da idade e taxa de crescimento das árvores foram obtidas através da contagem e mensuração da largura dos anéis de crescimento a partir de “baguetas” coletadas com auxílio da sonda de Pressler, na altura do DAP. Os resultados deste trabalho permitiram concluir que as variações das taxas de crescimento em circunferência do tronco das árvores estão estreitamente relacionadas à precipitação e a disponibilidade de água no solo na estação chuvosa e a ocorrência de um período de seca com redução e/ou cessação da atividade cambial. Da mesma forma...

Transplante de epífitas entre Florestas Estacionais Semideciduais para enriquecimento de florestas em processo de restauração; Enrichment of forests in process of restoration through epiphytes transplantation, in Semideciduous Seasonal Forest

Duarte, Marina Melo
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 06/03/2013 PT
Relevância na Pesquisa
67.19%
O enriquecimento com diferentes formas de vida, como com epífitas, é fundamental para o desenvolvimento de florestas em restauração, em paisagens fragmentadas, onde a dispersão natural é limitada. Epífitas são plantas que crescem sobre outras (forófitos). Têm papel ecológico importante, realizando ciclagem de nutrientes e oferecendo microambientes e alimentos a outras formas de vida. Características de forófitos, clima e microclima influenciam populações locais de epífitas. Para aumentar o sucesso do enriquecimento em florestas em restauração, é importante determinar quais filtros podem atuar no processo. Fizemos o censo de áreas que receberam autorização para supressão vegetal e obtivemos que, a cada ano, cerca de 500 ha de Florestas Estacional Semidecidual e Ombrófila Densa, em diferentes estágios de regeneração, são desmatados, apenas no estado de São Paulo. Elas podem fornecer material que pode ser recuperado e empregado na restauração de outras florestas. Neste trabalho, damos enfoque às epífitas que podem ser disponibilizadas a partir desse desmatamento. Transferimos 360 indivíduos de seis espécies delas, entre Bromeliaceae (Aechmea bromeliifolia e Tillandsia pohliana), Orchidaceae (Catasetum fimbriatum e Rodriguezia decora) e Cactaceae (Lepismium cruciforme e Rhipsalis floccosa) para duas Florestas Estacionais Semideciduais em processo de restauração...

Variação da composição floristica e da diversidade alfa das florestas atlanticas no estado de São Paulo

Rosemary de Jesus de Oliveira
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 30/10/2006 PT
Relevância na Pesquisa
47.08%
Uma importante questão na ecologia de florestas tropicais é a previsibilidade da composição florística e da diversidade de espécies. O presente estudo abordou esta questão,considerando as florestas atlânticas no estado de São Paulo, para as quais existe um volume considerável de informações sobre a distribuição e abundância dos táxons arbóreos. O estudo considerou a hipótese de que existe influência de fatores ambientais na organização dessas florestas e que espécies respondem diferentemente a esses fatores. Para investigar essa hipótese, a tese foi estruturada em três capítulos, que investigaram a ocorrência de padrões florísticos e de diversidade e exploraram a relação entre estes e variáveis geográficas e climáticas no estado. O primeiro capítulo comparou as florestas considerando a abundância relativa das espécies, com o objetivo de fornecer um quadro atual sobre as variações existentes e de obter classes ecologicamente significativas, caracterizadas por espécies indicadoras. O segundo capítulo investigou o padrão de variação florística, considerando o nível de família, com o objetivo de analisar a resposta dos principais táxons a gradientes geográficos e climáticos, assim como tornar os resultados comparáveis àqueles já discutidos para outras florestas tropicais. O terceiro capítulo analisou a variação da riqueza dessas florestas...

Invasão por Hovenia Dulcis Thunb. (Rhamnaceae) nas florestas do Rio Uruguai

Dechoum, Michele de Sá
Fonte: Universidade Federal de Santa Catarina Publicador: Universidade Federal de Santa Catarina
Tipo: Tese de Doutorado Formato: 148 p.| grafs., tabs.
POR
Relevância na Pesquisa
46.78%
Tese (doutorado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências Biológicas, Programa de Pós-Graduação em Ecologia, Florianópolis, 2015.; Espécies exóticas invasoras podem provocar impactos ambientais e econômicos substanciais, sendo atualmente consideradas uma das maiores ameaças à diversidade biológica em escala mundial. Invasões por plantas ocorrem como resultado da combinação de características biológicas e ecológicas das espécies introduzidas, de condições bióticas e abióticas do ambiente nos quais as espécies chegaram, e da pressão de propágulos, tanto com relação ao número do número de eventos de introdução, quanto do número e diversidade genética dos propágulos introduzidos. Ecossistemas com menor diversidade biológica e maiores intensidade e frequência de distúrbios são usualmente mais invadidos do que aqueles com baixos níveis de perturbação e maior diversidade. Hovenia dulcis, popularmente conhecida como uva-do-japão, é uma espécie arbórea decídua e zoocórica, nativa do leste asiático, descrita em literatura como espécie pioneira. Foi introduzida e mais intensamente cultivada no oeste de Santa Catarina a partir da década de 1980, quando agroindústrias da região fomentaram seu uso em granjas de suínos e aves. A espécie pode dispersar-se além de suas áreas de cultivo...

Restauração de florestas estacionais deciduais de terrenos planos no norte do vão do Rio Paraná, GO

Sampaio, Alexandre Bonesso
Fonte: Universidade de Brasília Publicador: Universidade de Brasília
Tipo: Tese
POR
Relevância na Pesquisa
67.09%
Tese (doutorado)—Universidade de Brasília, Instituto de Ciências Biológicas, Departamento de Ecologia, Programa de Pós-Graduação em Ecologia, 2006.; As Florestas Estacionais Deciduais em Terrenos Planos (FEDTP) foram amplamente substituídas por extensas pastagens no Norte do Vão do Rio Paranã, Goiás, restando poucos fragmentos que não representam à distribuição original da vegetação. Atualmente a conservação da biodiversidade das FEDTP depende da restauração de parte da vegetação original para aumentar a área e conexão dos fragmentos remanescentes. Os objetivos desta tese foram: (1) estimar a distribuição potencial das FEDTP e identificar áreas prioritárias para a restauração destas florestas; (2)caracterizar a regeneração natural de árvores características de FEDTP em pastagens em uso; (3) testar técnicas de restauração em pastagens abandonadas. A distribuição potencial foi estimada a partir de dados de pH do solo e altitude, gerando um mapa com acurácia de 70%. Nas áreas onde há possibilidade de no passado ter ocorrido FEDTP foram identificados mais de 2.000 ha de Áreas de Preservação Permanente(APP) desmatadas, que foram indicadas como áreas prioritárias para a restauração das FEDTP. Ao se amostrar as áreas de pastagens produtivas...

Biogeografia e estrutura da comunidade de lagartos dos enclaves de floresta estacional decidual de São Domingos - GO (Vale do Paranã)

Werneck, Fernanda de Pinho
Fonte: Universidade de Brasília Publicador: Universidade de Brasília
Tipo: Dissertação
PT_BR
Relevância na Pesquisa
46.9%
Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Instituto de Ciências Biológicas, Departamento de Ecologia, Programa de Pós-Graduação em Ecologia, 2006.; A composição e os padrões biogeográficos de formação da comunidade de lagartos dos enclaves de Florestas Estacionais Deciduais (FEDs) na região do Cerrado (São Domingos-GO) foram estudados com objetivo de determinar se as distribuições das espécies são associadas com a Região das Florestas Tropicais Sazonais, nova unidade fitogeográfica previamente proposta, corroborando a existência do Arco Pleistocênico de FEDs. Os lagartos foram intensivamente amostrados através de coleta manual, armadilhas de interceptação e queda (pitfalls), armadilhas de funil e de cola. A composição da comunidade de lagartos dos enclaves de FEDs foi comparada com a de outras formações vegetacionais abertas da América do Sul (Caatinga, Cerrado, Chaco, Llanos e Florestas Secas da Colômbia e Bolívia). A comunidade de lagartos dos enclaves de FEDs possui 20 espécies, incluindo 11 espécies com ampla distribuição geográfica, sete espécies compartilhadas exclusivamente com localidades do Cerrado, uma espécie compartilhada exclusivamente com outras FEDs e uma espécie localmente endêmica. A presença de Lygodactylus klugei...

Fitossociologia, diversidade e sua relação com variáveis ambientais em florestas estacionais do bioma cerrado no planalto central e nordeste do Brasil

Haidar, Ricardo Flores
Fonte: Universidade de Brasília Publicador: Universidade de Brasília
Tipo: Dissertação
PT_BR
Relevância na Pesquisa
57.53%
Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Faculdade de Tecnologia, Departamento de Engenharia Florestal, 2008.; Na matriz de formações abertas que predominam no bioma Cerrado, as florestas estacionais merecem destaque por ocuparam cerca de 30% de sua área territorial e constituírem a fitofisionomia mais ameaçada pela ação antrópica no bioma. A boa qualidade da madeira de algumas de suas árvores, a alta fertilidade de suas terras, além da mineração de rochas calcárias em algumas áreas são os principais fatores de degradação destas florestas. A ampla distribuição destas formações, nas distintas unidades de terra do bioma Cerrado, sob diferentes regimes de temperatura, precipitação e períodos de seca e, ainda, sobre características edáficas e topográficas distintas, propiciam variações florísticas e estruturais do componente arbóreo. O presente estudo foi desenvolvido em três florestas estacionais do bioma Cerrado, duas no setor do Planalto Central (Goiás e Distrito Federal) e uma no seu Setor Parnaibano (Piauí), às margens do bioma. Em Goiás, a amostragem foi conduzida no Parque Estadual Altamiro de Moura Pacheco (PEAMP), em fragmentos remanescentes da ação antrópica anterior à sua criação. No Distrito Federal...

Relação vegetação-ambiente em florestas estacionais decíduas sobre afloramentos calcários no bioma cerrado e em zonas de transição com a caatinga e com a amazônia

Pereira, Benedito Alísio da Silva
Fonte: Universidade de Brasília Publicador: Universidade de Brasília
Tipo: Tese
POR
Relevância na Pesquisa
47.09%
Tese (doutorado)—Universidade de Brasília, Instituto de Ciências Biológicas, Departamento de Ecologia, 2008.; As florestas estacionais decíduas que ocorrem em afloramentos calcários no bioma Cerrado estão entre os mais ameaçados e menos estudados tipos de vegetação do Brasil. Essas florestas ocorrem em disjunções que estão amplamente dispersas nesse bioma. O presente trabalho foi realizado com o objetivo de investigar as relações entre as abundâncias das espécies arbóreas e as variáveis ambientais em quatro disjunções dessas florestas que estão localizadas no Distrito Federal, sudoeste da Bahia, nordeste de Goiás e leste de Mato Grosso. Dados sobre espécies, propriedades físico-quimicas do solo, altitude e grau de rochosidade e inclinação do terreno foram obtidos em 25 parcelas de 20 x 20 m que foram demarcadas em fragmentos intactos dentro de cada disjunção. Dados climáticos também foram obtidos para cada disjunção. Na área de 40.000 m2 corespondente às 100 parcelas de 20 x 20 m, foram registradas 3.620 árvores com DAP ? 5 cm, pertencentes a 179 espécies, 129 gêneros e 46 famílias e angiospermas. Uma matriz com as 38 espécies mais abundantes (N ? 20 árvores) na amostra inteira (40.000 m2) foi usada para avaliar as relações entre as abundâncias das espécies e as variáveis ambientais. A avaliação foi feita por meio de uma ordenação por Análise de Correspondência Canônica - ACC. A matriz com os dados ambientais esteve composta por 21 variáveis...

Padrões fitogeográficos de florestas estacionais deciduais na bacia do Rio São Francisco : análise florístico-estrutural e suas relações com o ambiente

Gonzaga, Anne Priscila Dias
Fonte: Universidade de Brasília Publicador: Universidade de Brasília
Tipo: Tese
POR
Relevância na Pesquisa
47.18%
Tese (mestrado)—Universidade de Brasília, Faculdade de Tecnologia, Departamento de Engenharia Florestal. Programa de Pós-Graduação em Ciências Florestais, 2011.; Conhecer os fatores que afetam a estrutura e a florística em comunidades florestais é de fundamental importância, principalmente quando estes esforços se concentram em estudos de meso e macro escala e sob formações vegetacionais como as Florestas Estacionais Deciduais. Desta forma, este trabalho avaliou a similaridade florítico-estrutural e a distribuição espacial das espécies arbóreas em função de variáveis edáficas e de relevo em quatro áreas de Floresta Estacional Decidual localizadas na bacia do rio São Francisco (Capítulos 1 e 2). Além disso, buscou-se relações florísticas entre 47 áreas de mesma fitofisionomia, localizadas numa amplitude geográfica que se estendeu do Rio Grande do Norte até o estado de São Paulo, analisando as relações entre estas florestas e as variáveis climáticas e altitude (Capítulo 3). Em geral, foram observadas diferenças florísticas (entre as áreas e entre o estrato adulto e a regenerante), estruturais e ambientais entre as quatro comunidades. As áreas com maior riqueza, diversidade e densidade foram Paracatu e Peruaçu. Já as áreas com maior área basal foram Coribe e Paracatu. Quanto aos aspectos ambientais observou-se que os solos com maior disponibilidade nutricional foram os de Coribe e Paracatu...

Florestas estacionais no cerrado: uma visão geral

Pereira,Benedito Alísio da Silva; Venturoli,Fábio; Carvalho,Fabrício Alvim
Fonte: Escola de Agronomia e Engenharia de Alimentos/UFG Publicador: Escola de Agronomia e Engenharia de Alimentos/UFG
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/09/2011 PT
Relevância na Pesquisa
46.9%
As florestas estacionais ocupam, aproximadamente, 15% da área do Cerrado e estão entre os tipos de vegetação mais degradados e fragmentados, neste bioma. Este estudo teve como objetivo fornecer uma visão geral do estado atual do conhecimento sobre estas florestas e divulgar informações que possam contribuir para a ampliação e o aprofundamento dos estudos já realizados. O trabalho mostra que estudos já esclareceram grande parte das questões levantadas pelos primeiros investigadores, mas que o conhecimento de alguns aspectos ainda permanece incompleto. Foram apontados a redução das intervenções destrutivas do homem, nas áreas remanescentes, e o restabelecimento da conectividade entre os fragmentos e o desenvolvimento de métodos de exploração sustentável como os maiores desafios a serem enfrentados pelos agentes envolvidos no estudo e na gestão destas florestas.

Florestas estacionais no Pantanal, considerações florísticas e subsídios para conservação.

DAMASCENO JUNIOR, G. A.; POTT, A.; POTT, V. J.; SILVA, J. dos S. V. da.
Fonte: In: SIMPÓSIO DE GEOTECNOLOGIAS NO PANTANAL, 2., 2009, Corumbá, MS. Anais... Campinas: Embrapa Informática Agropecuária; São José dos Campos: INPE, 2009. Publicador: In: SIMPÓSIO DE GEOTECNOLOGIAS NO PANTANAL, 2., 2009, Corumbá, MS. Anais... Campinas: Embrapa Informática Agropecuária; São José dos Campos: INPE, 2009.
Tipo: Artigo em anais de congresso (ALICE) Formato: p. 784-795.
PT_BR
Relevância na Pesquisa
67.27%
Foi feita uma atualização do conhecimento sobre Florestas Estacionais no Pantanal, em grande parte baseado em dados dos Projetos PROBIO-Pantanal e GeoMS. É apresentado um mapa com as principais manchas de florestas e contatos florísticos, baseado em imagens de satélite e uma tabela comparativa, com 60 espécies. No Pantanal ocorrem poucas áreas grandes de Florestas Estacionais: Matas do Cedro, do Fuzil, do Bebe (RPPN do SESC) e do Soldado, e outras menores espalhadas tais como os capões do Abobral e SE da Nhecolândia, cordilheiras no Sul de Poconé, Aquidauana, Miranda, Nabileque e Porto Murtinho, total estimado de 6.256,4 km2. A maioria das áreas encontra-se no norte do Pantanal nas Bacias dos rios Cuiabá, São Lourenço e Paraguai; no sul apenas o baixo Taquari apresenta uma grande área (matas do Fuzil e do Cedro). Essas áreas provavelmente se formaram devido a um efeito de represamento das águas dos rios com conseqüente junção de grandes diques aluviais. De modo geral essas grandes áreas de floresta estacional estão associadas a solos do tipo Vertissolo e Plintossolo. A composição florística varia entre matas, p. ex., as principais espécies são: Attalea phalerata nas matas do Bebe e de ?salina? (lagoa alcalina)...

Florestas estacionais no cerrado: uma visão geral; Seasonal forests in the brazilian savannah: an overview

Pereira, Benedito Alísio da Silva; Venturoli, Fábio; Carvalho, Fabrício Alvim
Fonte: Alexsander Seleguini Publicador: Alexsander Seleguini
Tipo: Artigo de Revista Científica
PT_BR
Relevância na Pesquisa
46.9%
v. 41, n. 3, p. 446-455, jul./set. 2011.; Seasonal forests cover about 15% of the Brazilian Savannah and are among the most degraded and fragmented vegetation types in this biome. This study aimed to provide an overview of the current knowledge on these forests and disseminate information that can contribute to the amplification and deepening of previous studies. It shows that previous studies have already explained a large amount of questions raised by earlier researchers, but that the knowledge on some important aspects still remains incomplete. The anthropogenic activities reduction in the remaining areas, as well as the restoration of connectivity between fragments and the development of sustainable exploitation methods, were pointed out as major challenges to be faced by people involved in the study and management of these forests.; Programa de Apoio à Publicação de Periódicos Científicos - PROAPUPEC; As florestas estacionais ocupam, aproximadamente, 15% da área do Cerrado e estão entre os tipos de vegetação mais degradados e fragmentados, neste bioma. Este estudo teve como objetivo fornecer uma visão geral do estado atual do conhecimento sobre estas florestas e divulgar informações que possam contribuir para a ampliação e o aprofundamento dos estudos já realizados. O trabalho mostra que estudos já esclareceram grande parte das questões levantadas pelos primeiros investigadores...

Traços funcionais como preditores da similaridade funcional entre sub-bosques de florestas estacionais semideciduais: subsídios para a conservação destes ecossistemas

Prado Júnior, Jamir Afonso do
Fonte: Universidade Federal de Uberlândia Publicador: Universidade Federal de Uberlândia
Tipo: Dissertação
POR
Relevância na Pesquisa
57.18%
CAPÍTULO 1: As variáveis ambientais do sub-bosque condicionam o desenvolvimento de uma flora e, consequentemente, de uma estrutura funcional muito específica para este estrato. Este estudo avaliou a diversidade florística e a fenologia foliar e síndrome de dispersão das espécies arbóreas em nove sub-bosques de florestas estacionais semideciduais sob diferentes estádios de perturbação e testou a hipótese de que o aumento na intensidade de perturbação da comunidade afeta diretamente a diversidade florística e a estrutura funcional dos sub-bosques. Foram avaliados os parâmetros fitossociológicos das espécies e famílias, e a estrutura de cada sub-bosque e nos sub-bosques como um todo. A similaridade florística foi avaliada entre os nove sub-bosques e, entre os sub-bosques sob mesma intensidade de perturbação. A fenologia foliar e síndrome de dispersão das espécies foi comparada entre o sub-bosque e os estratos superiores em cada área e, entre os sub-bosques. Os resultados apontaram Myrtaceae, Rubiaceae, Celastraceae, Siparunaceae e Meliaceae como as cinco famílias mais importantes. As cinco espécies mais representativas foram Cheiloclinium cognatum, Cordiera sessilis, Siparuna guianensis, Siphoneugena densiflora e Trichilia catigua. As análises de similaridade florística mostraram maior similaridade florística entre os sub-bosques sob mesma intensidade de perturbação e que...

Florística, fitossociologia e caracteres edáficos de duas florestas estacionais deciduais no Triângulo Mineiro; Floristic, phytossociology and edaphic caracters of two deciduous dry forests within Triângulo Mineiro region

Siqueira, Ariane de Souza
Fonte: Universidade Federal de Uberlândia Publicador: Universidade Federal de Uberlândia
Tipo: Dissertação
POR
Relevância na Pesquisa
46.9%
As florestas estacionais deciduais caracterizam-se pela estacionalidade climática e pela caducifolia pronunciada do estrato arbóreo. Estão distribuídas pelas mais diversas regiões do planeta e no Triângulo Mineiro podem ser encontradas em encostas voltadas para rios. Atualmente, essas florestas se encontram em um crítico estado de conservação, estando entre as formações mais ameaçadas do planeta. Mas, mesmo em face a essa problemática conservacionista, ainda são poucos os estudos ecológicos que vislumbrem esses ambientes. O presente trabalho teve como objetivo investigar a estrutura vegetacional e as características edáficas de duas florestas decíduas (Funil I e Funil II) localizadas no vale do rio Araguari (MG). Para o levantamento fitossociológico foram demarcadas 60 parcelas de 10 x 20 m em cada área. Todos os indivíduos arbóreos que apresentaram circunferência a 1,30 m de altura ≥ 15 cm foram amostrados. Para o estudo do solo foram obtidas 20 amostras compostas coletas na profundidade de 0-20 cm em cada ambiente. Para cada amostra foi determinado o pH, %C e %N, disponibilidade de Ca, Mg, K, P, Al, Mn e Fe, e as variáveis físicas: areia grossa, areia fina, silte e argila. Para verificar possíveis relações entre as características do solo e a distribuição das espécies mais abundantes foram realizadas análises de correspondência canônica (CCA). Os 2.034 indivíduos amostrados em Funil I durante o levantamento fitossociológico estão distribuídos em 64 espécies...

Padrões florísticos, estruturais e relações edáficas entre dois tipos de florestas tropicais estacionais no cerrado; Floristic and structural patterns and edaphic relationship between two types of tropical dry forest in cerrado

Kilca, Ricardo de Vargas
Fonte: Universidade Federal de Uberlândia Publicador: Universidade Federal de Uberlândia
Tipo: Dissertação
POR
Relevância na Pesquisa
57.53%
Esta dissertação foi elaborada na forma de dois capítulos no formato de artigos. Primeiramente, realizou-se uma introdução geral onde se apresentou rapidamente um panorama atual das tendências da conservação dos recursos florestais e onde se insere, neste contexto, esta pesquisa. Neste mesmo item, fez-se também uma revisão geral do conceito das florestas tropicais estacionais na América Latina e no Cerrado e finalizou-se com a apresentação da estrutura dos dois capítulos. Estes focam em um tema pouco abordado até então na literatura, que se trata das diferenças entre os dois principais tipos de florestas estacionais no Cerrado, as florestas estacionais semideciduais e as florestas estacionais deciduais. O primeiro capítulo teve como objetivo explorar como os fatores edáficos poderiam ser determinantes para a diversidade e estrutura do componente arbóreo destas duas florestas e, para isso, buscou-se avaliar dois parâmetros edáficos muito importantes: a fertilidade e a capacidade de armazenamento de água nos dois estandes. O estudo foi desenvolvido em dois fragmentos localizados nas encostas do vale do rio Araguari, oeste de Minas Gerais. Os resultados demonstraram que essas florestas sob mesmas condições ambientais (altitude...

A anatomia foliar poderia explicar a presença de espécies perenes nas florestas estacionais deciduais?; The leaf anatomy could explain the presence of perennial species in deciduous forests?

Pereira, Lorrayna Guedes
Fonte: Universidade Federal de Uberlândia Publicador: Universidade Federal de Uberlândia
Tipo: Dissertação
POR
Relevância na Pesquisa
67.14%
Embora a maioria das espécies ocorrentes nas florestas estacionais deciduais perca suas folhas durante a estação seca, algumas delas apresentam estratégias alternativas, tais como, a mudança no posicionamento das folhas de horizontal para vertical, para reduzir a transpiração. Este estudo descreve a anatomia foliar de nove dessas espécies de planta que reduzem a perda de água, durante a estação seca, usando a estratégia do movimento foliar e não a de apresentarem abscisão foliar. As espécies estudadas foram Piper aduncum sp. L. (Piperaceae), Acalypha gracilis Müll. Arg. (Euphorbiaceae), Casearia sylvestris Sw. (Salicaceae), Bauhinia ungulata L. (Fabaceae: Caesalpinoideae), Calyptranthes widgreniana Berg. (Myrtaceae), Trichilia elegans A. Juss (Meliaceae), Guarea guidonia (L.) Sleumer (Meliaceae), Myrsine umbellata Mart. (Myrsinaceae) e Psychotria carthagenensis Jacq. (Rubiaceae) do Parque Estadual do Pau Furado (Triângulo Mineiro). As amostras do limbo e do pecíolo foram processadas de acordo com as técnicas usuais para anatomia vegetal. Nenhum padrão anatômico geral foi encontrado para o pecíolo nas espécies analisadas. No entanto, foram observadas algumas características anatômicas comuns a todas elas, como: (a) tecido de sustentação...

Padrões florísticos e estruturais das Florestas Estacionais Semideciduais do Triângulo Mineiro, MG; Floristic and structural patterns of semideciduous seasonal forests of Triângulo Mineiro, MG

Lopes, Sergio de Faria
Fonte: Universidade Federal de Uberlândia Publicador: Universidade Federal de Uberlândia
Tipo: Tese de Doutorado
POR
Relevância na Pesquisa
47.27%
As florestas estacionais semideciduais (FES) da região Sudeste do Brasil apresentam alta diversidade florística, acompanhada por uma alta diversidade beta, mesmo entre fragmentos próximos. Contudo, atualmente essas florestas compõem um grande número de pequenos fragmentos, constituindo um padrão de paisagem típico para essa região. Além dos processos relacionados a fragmentação, os impactos antrópicos em particular sobre os remanescentes florestais são uma importante força capaz de modificar as comunidades vegetais por meio da heterogeneidade espacial e temporal determinando a composição e estrutura da comunidade. Determinar os padrões florísticos e estruturais desses remanescentes é uma importante meta no auxílio da manutenção e conservação desses relictos naturais. O objetivo geral deste trabalho foi o de verificar se os fragmentos de florestas estacionais semideciduais no Triângulo Mineiro são floristica e estruturalmente distintos e se eventuais diferenças são explicadas por propriedades químicas do solo ou pela natureza e intensidade de perturbações antrópicas. O estudo foi realizado em dez fragmentos localizados em cinco municípios do Triângulo Mineiro, definidos pelas coordenadas geográficas 18º29’ – 19º40’ S e 47º30’ - 49º53’ O. O sitio de amostragem em cada fragmento sempre perfez amostras nucleares de um hectare na formação de FES. Em Todos os indivíduos arbóreos vivos com CAP (circunferência à altura do peito...

Composição florística de florestas estacionais ribeirinhas no estado de Mato Grosso do Sul, Brasil; Floristic composition of seasonal riparian forests in Mato Grosso do Sul state, Brazil

BAPTISTA-MARIA, Vivian Ribeiro; RODRIGUES, Ricardo Ribeiro; DAMASCENO JUNIOR, Geraldo; MARIA, Fabrício de Souza; SOUZA, Vinicius Castro
Fonte: Sociedade Botânica do Brasil Publicador: Sociedade Botânica do Brasil
Tipo: Artigo de Revista Científica
POR
Relevância na Pesquisa
46.74%
O presente estudo teve como objetivos caracterizar a composição florística em dois trechos de floresta estacional semidecidual associada ao rio Formoso, Bonito, MS, e em três trechos de florestas estacionais deciduais e semideciduais associadas aos rios Salobra, Salobrinha e Perdido ocorrentes no Parque Nacional da Serra da Bodoquena (76.481 ha) - única unidade de Conservação Federal de Proteção Integral implantada no Estado de Mato Grosso do Sul. O levantamento florístico foi realizado mensalmente entre o período de outubro/2004 a março/2006, onde foram coletadas fanerógamas em fase reprodutiva (flores e frutos), através do método de tempo de avaliação. O levantamento florístico resultou em 56 famílias, 184 gêneros e 307 espécies. Do total das espécies, 68% apresentaram hábito arbóreo, 17% arbustos, 14% foram lianas e apenas 1% palmeiras. A família Fabaceae (Leguminosae), representada por 51 (16,6%) espécies, foi a de maior riqueza. Os resultados obtidos neste trabalho contribuíram para o conhecimento da flora sul-mato-grossense e sua distribuição geográfica, reforçando a necessidade de conservação destas matas ribeirinhas e fornecendo subsídios para os planos de restauração das áreas degradadas do entorno da unidade de conservação e das áreas de proteção permanente (APP's) dos rios ocorrentes na região.; This study aimed to characterize the floristic composition in two stretches of seasonal semideciduous forest associated with the Formoso River...

Canopy openness and lai estimates in two seasonally Deciduous forests on limestone outcrops in central Brazil Using hemispherical photographs; Estimativas de abertura do dossel e índice de área foliar em duas florestas estacionais deciduais sobre afloramentos calcários no Brasil central usando fotografias hemisféricas

Nascimento, André Rosalvo Terra; Felfili, Jeanine Maria; Fagg, Christopher William
Fonte: Sociedade de Investigações Florestais Publicador: Sociedade de Investigações Florestais
Tipo: Artigo de Revista Científica
ENG
Relevância na Pesquisa
57.12%
Manchas de florestas estacionais circundadas por vegetação de cerrado ocorrem em afloramentos calcários no Brasil central. Elas contêm espécies madeireiras valiosas, mas estão ameaçadas por atividades agropecuárias e de mineração. O objetivo deste estudo foi descrever a abertura de dossel e relações de luzem duas florestas estacionais em declive sobre afloramentos calcários, no Vale do Paranã, no nordeste de Goiás. As florestas estudadas localizaram-se na Fazenda Sabonete, em Iaciara, GO, e na Fazenda Forquilha,em Guarani, GO. A vegetação lenhosa foi amostrada em 25 parcelas de 20 x 20 m em cada floresta. Utilizando-se a técnica de fotografias hemisféricas, 25 fotos em preto e branco foram tomadas em cada local durante a estação seca, totalizando 50 fotos. Na floresta da Fazenda Sabonete, foram encontradas 40 espécies e705 ind./ha-1 com área basal de 15,78 m²/ha-1, enquanto em Forquilha se encontraram 55 espécies, 956 ind./ha-1, com área basal de 24,76 m²/ha-1. As fotografias foram tiradas no início das parcelas, onde a vegetação foi amostrada, e digitalizadas em tons de cinza e salvas como arquivo Bitmap. A abertura do dossel e o Índice de Área Foliar (IAF) foram obtidos usando-se o programa Winphot. A abertura média de dossel foi 54...

Composição Florística e Estrutura das Florestas Estacionais Decíduas Sobre Calcário a Oeste da Cadeia do Espinhaço, Minas Gerais, Brasil

Meguro, M.; Pirani, J.R.; Mello-Silva, R.; Cordeiro, I.
Fonte: Universidade de São Paulo. Instituto de Biociências Publicador: Universidade de São Paulo. Instituto de Biociências
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Formato: application/pdf
Publicado em 01/12/2007 POR
Relevância na Pesquisa
46.9%
Visando contribuir para o conhecimento dos fragmentos de florestas estacionais decíduas ainda existentes em diferentes áreas do país e de suas relações entre si e com a vegetação dos entornos, este trabalho traz a caracterização fisiográfica e as relações estruturais e florísticas de seis manchas desse tipo de floresta sobre afloramentos de calcário (Formação Bambuí) existentes no flanco oeste da Cadeia do Espinhaço em Minas Gerais. A característica fundamental dessas matas e o padrão decíduo, que resulta numa fisionomia marcante e detectável a longa distância na época seca. Por isso, o trabalho buscou também verificar o grau de similaridade da flora das malas estudadas com outras florestas decíduasdo Brasil. 296 espéciesde plantas vasculares foram amostradas nas matas sobre calcário adjacentes ao Espinhaço, sendo as famílias de maior riqueza especifica as Leguminosae (33 spp.), Euphorbiaceae sensu stricto (18 spp.), Bignoniaceae (13 spp.), Malvaceae sensu lato (13 spp.), Apocynaceae sensu lato (11 spp.) e Sapindaceae (11 spp.). Todas as outras famílias são representadas por menos de dez espécies. As comparações florísticas entre os componentes arbóreo-arbustivos efetuadas entre duas das matas estudadas junto ao Espinhaço (Santo Hipólito e Serra do Cipó) revelaram baixa similaridade (índices de Jaccard 17...