Página 1 dos resultados de 100 itens digitais encontrados em 0.003 segundos

Estudos de padrões morfológicos de tronco, raízes e casca externa de árvores emergentes e de dossel da floresta ombrófila densa no parque estadual 'Carlos Botelho', SP; Morphologic patterns of trunk, roots and bark of emergent and canopy trees of dense ombrophyllous forest in 'Carlos Botelho' State Park, SP

Pinter, Giselle de Souza Leite
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 24/11/2008 PT
Relevância na Pesquisa
96.64%
Árvores emergentes e de dossel da Floresta Ombrófila Densa Sub-montana de uma Parcela Permanente (10,24ha) no Parque Estadual "Carlos Botelho", SP, foram estudadas e descritas morfologicamente considerando padrões de tronco, raízes e casca externa com a finalidade de auxiliar na identificação de campo. O critério de inclusão (DAP igual ou superior a 48cm) abrangeu 324 indivíduos de 64 espécies pertencentes a 36 famílias. São fornecidas descrições, ilustrações e chave de identificação para as espécies estudadas baseadas em características do tronco à altura do peito e da base; das raízes aparentes e rentes ao tronco; das raízes superficiais; e das texturas da casca externa nas regiões da árvore mencionadas. Considerando que não há uma terminologia padrão para descrição dos caracteres estudados, é proposta aqui uma nomenclatura, além de serem utilizados termos propostos por Torres et al. (1994) e Ribeiro et al. (1999), com adaptações para as variações observadas no local de estudo. O tronco foi diferenciado em cilíndrico ou acanalado, com base reta ou dilatada. As raízes variaram entre digitadas e sapopemas. Foram categorizados 13 padrões básicos de textura da casca externa: liso, áspero...

Avaliação do potencial hidrológico dos nevoeiros e da precipitação oculta em ambiente de Floresta Ombrófila Densa Montana na Serra do Mar, Cunha, SP; Evaluation of the hydrological potential of fog and of occult precipitation in Montane Dense Ombrophilous Forest environment in Serra do Mar, Cunha, Brazil

Arcova, Francisco Carlos Soriano
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 29/11/2013 PT
Relevância na Pesquisa
126.88%
Entre outubro de 2009 e dezembro de 2012, foi realizado estudo no Laboratório de Hidrologia Florestal Walter Emmerich (L.H.F.W.E.), para avaliar o potencial hidrológico dos nevoeiros e a precipitação oculta em ambiente de Floresta Ombrófila Densa Montana, na Serra do Mar, em Cunha, a leste do Estado de São Paulo. Os objetivos específicos da pesquisa foram: 1) avaliar o desempenho de coletores de água de nevoeiro; 2) verificar o potencial de coleta de água de nevoeiro no laboratório; 3) analisar o potencial de coleta de água de nevoeiro em três setores da microbacia experimental D; 4) averiguar a distribuição espacial e temporal de ocorrência dos nevoeiros na microbacia D e 5) estimar a contribuição da precipitação oculta na floresta da microbacia D. Para alcançar os três primeiros objetivos foram usados coletores passivos tipo harpa, nas formas cilíndrica e plana. Para estudar a distribuição de nevoeiros, foram feitas observações diárias de três referências visuais situadas a distâncias conhecidas no interior da microbacia D. O método da medição da precipitação efetiva foi empregado para estimar a precipitação oculta na floresta. Sobre a distribuição espacial e temporal da ocorrência de nevoeiros na microbacia D...

Dinâmica temporal e composição florística da comunidade arbórea de floresta ombrófila densa montana, Parque Estadual da Serra do Mar, SP, Brasil

Renó, Isabela Porto
Fonte: Universidade Estadual Paulista (UNESP) Publicador: Universidade Estadual Paulista (UNESP)
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: 118 f. : gráfs., tabs.
POR
Relevância na Pesquisa
87.02%
Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq); Pós-graduação em Ciências Biológicas (Biologia Vegetal) - IBRC; The Atlantic Forest is the second largest tropical rainforest in the Americas but today they remain about 15% of its original vegetation and are essential studies of its remaining for providing valuable information for their conservation. In the Atlantic Forest (Rain Forest) is included vegetation type of the Atlantic rain forest Montane, where the climate is cooler, at altitudes ranging from 500 to 1000 m, but studies of this vegetation are scarce. To enhance understanding about Rain Forest Montana Serra do Mar region (SP), through the structure, temporal changes and floristic composition, the study aims to describe and analyze (a) as the components of the structure and dynamics of tree communities vary in time, (b) how these changes may vary in space and (c) how the floristic composition and similarity between nearby areas. The analysis of the structure and dynamic data were performed using the database containing three censuses, which occurred from 2007 to 2012 (about five years) in four plots (K, L, M and N). Regarding the temporal and spatial changes in the structure of Montane forest, there was a decrease in the density of individuals between censuses...

Composição e estrutura arbórea de um trecho de Floresta Ombrófila Densa Montana com taquaras na Mata Atlântica; Structure and floristic composition of a Montane Atlantic Rain Forest with bamboos in southeastern Brazil

Maíra de Campos Gorgulho Padgurschi
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 05/07/2010 PT
Relevância na Pesquisa
127.03%
Composta pela Floresta Ombrófila Densa, Floresta Ombrófila Mista, Floresta Estacional Semidecídua e ecossistemas associados, a Mata Atlântica (MA) sofreu inúmeras pressões que resultaram em redução de sua área. Estudos revelam que restam entre 11,4% e 16% da sua cobertura original e, devido a perda de mais de 70% de sua área somado a presença de espécies endêmicas e biodiversidade, e considerada um hot spot. No Estado de São Paulo, sua proteção esta no Parque Estadual da Serra do Mar (PESM) considerado o maior remanescente continuo de MA e o maior parque estadual paulista. Em sua área de abrangência ocorrem diversas fisionomias vegetais que podem (dentre outras) ser classificadas pela altitude, como no caso das Florestas Montanas, local do presente estudo. Pouco ainda se sabe sobre a estrutura dessas florestas que possuem a presença quase constante de bambus (ou taquaras, como são conhecidos). Assim, este trabalho teve por objetivo verificar a correlação entre as taquaras e a estrutura e composição florística da Floresta Ombrófila Densa Montana do Núcleo Santa Virginia/PESM. Atuou em 1 hectare de floresta montana primaria (1100 m) no município de São Luiz do Paraitinga/SP. A área foi dividida em parcelas contiguas de 10 x 10 m e todas as arvores com perímetro a altura do peito PAP ≥ 15 cm (DAP ≥ 4...

A flora esfingófila de uma floresta ombrófila densa montana no sudeste brasileiro e relações mutualísticas com a fauna de Sphingidae; The sphingophilous flora of a highland atlantic rainforest in the southeastern Brazil and mutualistic relationships with the Sphingidae fauna

Felipe Wanderley Amorim
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 17/08/2012 PT
Relevância na Pesquisa
126.8%
Polinização por esfingídeos é provavelmente um dos sistemas menos estudados em comunidades tropicais, especialmente na Mata Atlântica, que constitui um dos biomas mais diversos e ameaçados do planeta. Foram estudadas a flora esfingófila e a fauna de Sphingidae em uma área de Floresta Ombrófila Densa Montana (FODM) e analisados os processos ecológicos subjacentes às interações entre esfingídeos e plantas. Ao todo 24 espécies compuseram a flora esfingófila da área estudada, dentre as quais, quatro espécies possuem adaptações estritas à polinização por esfingídeos. A fauna de esfingídeos foi composta por 50 espécies com grande predomínio de mariposas com probóscides curtas. Plantas e esfingídeos apresentaram ajustamento morfológico significativo na distribuição dos comprimentos de tubos florais e de probóscides, porém ao contrário do padrão geral de outras áreas na região Neotropical, não houve ajustamento fenológico estrito entre esfingídeos e plantas na Mata Atlântica. A presença sazonal de mariposas com longas probóscides na área está relacionada principalmente a emigração de espécies oriundas de ecossistemas adjacentes à FODM. Limitação de polinizadores foi comum nas espécies vegetais mais especializadas o que limitou a produção de frutos. Os processos de seleção mediada por polinizadores nestas espécies...

Potencial de fixação de nitrogênio por leguminosas e cianobactérias em floresta ombrófila densa atlântica no litoral norte de São Paulo, Brasil; Potential of legumes and cyanobacteria in biological nitrogen fixation in atlantic dense ombrophylous forest of São Paulo north coast, Brazil

Ewerton Caltran Manarin
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 03/12/2012 PT
Relevância na Pesquisa
106.86%
Este trabalho avaliou a fixação biológica de nitrogênio (FBN) por leguminosas e cianobactérias de vida livre na Floresta Ombrófila Densa Atlântica. Nódulos radiculares de leguminosas presentes em parcelas de 1 hectare foram amostrados para as fisionomias de Floresta Ombrófila Densa de Terras Baixas (FTB) e na Floresta Ombrófila Densa Montana (FM), localizadas em diferentes altitudes. A atividade da enzima nitrogenase dos nódulos foi avaliada através da atividade de redução de acetileno. FTB apresentaram a maior quantidade de nódulos e maior atividade da enzima nitrogenase em relação à FM. A taxa anual de FBN pelas leguminosas foi estimada em 2,06 kg N ha-1 e 0,230 kg N ha-1 para FTB e FM, respectivamente. A FBN apresentou os maiores valores no outono e os menores no inverno para a FTB. E maiores valores no outono e primavera para a FM. Seis estirpes de rizóbios isolados da floresta estudada tiveram sua capacidade de nodulação testada em experimento de casa de vegetação com a leguminosa Inga sessilis, que apresentou capacidade de se associar formando nódulos com cincos isolados da floresta, e com mais quatro isolados usados como controle, se mostrando uma leguminosa com baixa especificidade com seu simbionte. Cianobactérias de vida livre tiveram a FBN medidas em trechos intactos e trechos antropizados na FM. Estes organismos foram encontrados na superfície de solos e rochas em áreas expostas ao sol e sob a forma de colônias de Nostoc sp e de crostas...

Polinização em uma comunidade de bromélias em floresta atlântica alto-montana no estado do Paraná, Brasil

Kaehler,Miriam; Varassin,Isabela G.; Goldenberg,Renato
Fonte: Sociedade Botânica de São Paulo Publicador: Sociedade Botânica de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2005 PT
Relevância na Pesquisa
86.63%
Este trabalho teve por objetivo caracterizar os agentes polinizadores de uma comunidade de bromélias em Floresta Ombrófila Densa e relacionar possíveis associações entre a morfologia de bromélias e seus polinizadores. O estudo foi conduzido no Parque Estadual do Pico do Marumbi em oito espécies de bromélias que ocorrem na área. A comunidade de bromélias apresentou floração agregada entre os meses de novembro e maio. Cinco espécies de bromélias dos gêneros Nidularium Lem., Vriesea Lindl. e Wittrockia Lindm. foram polinizadas por beija-flores, duas espécies de Vriesea foram polinizadas por morcegos e uma espécie de Aechmea Ruiz & Pav., por abelhas. Foram identificadas 12 espécies de polinizadores, das quais oito beija-flores, três morcegos e uma abelha. A alta representatividade do beija-flor Phaethornis eurynome na polinização de bromélias sugere que ele atua como "espécie chave". Tornou-se evidente a influência do tamanho da corola e horário da antese, além da presença de odor e néctar, como determinadores de qual grupo animal atuará como polinizador, com formação de guildas distintas entre o conjunto de espécies de bromélias.

Florística vascular da Floresta Ombrófila Densa Altomontana de quatro serras no Paraná

Scheer,Maurício Bergamini; Mocochinski,Alan Yukio
Fonte: Instituto Virtual da Biodiversidade | BIOTA - FAPESP Publicador: Instituto Virtual da Biodiversidade | BIOTA - FAPESP
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2009 PT
Relevância na Pesquisa
106.87%
A Floresta Ombrófila Densa Altomontana é uma formação responsável por importantes funções ambientais, entre elas a proteção e manutenção dos fluxos hídricos de cabeceiras de bacias hidrográficas, o estoque de carbono na sua biomassa e na do solo, além da sua biodiversidade e seu elevado endemismo. Apesar de ainda existirem remanescentes primários significativos dessas florestas, apenas alguns estudos descreveram sua estrutura arbórea. O presente trabalho tem o objetivo de listar e comparar a florística vascular de quatro serras representativas da Floresta Ombrófila Densa Altomontana no Paraná e de comparar a florística arbórea das florestas do presente estudo com a de outras florestas semelhantes nas regiões sul e sudeste do Brasil. Foram detectadas 346 espécies vegetais vasculares, pertencentes a 176 gêneros e a 87 famílias, sendo 72 angiospermas (288 espécies), 14 pteridófitas (57 espécies) e 1 gimnosperma. A família com maior riqueza específica foi Myrtaceae, com 34 espécies (10% do total), seguida por Asteraceae (30; 9%), Orchidaceae (29; 8%), Rubiaceae (17; 5%), Melastomataceae (16; 5%), Poaceae (12; 3%) e Bromeliaceae (11; 3%). A composição florística arbórea das florestas altomontanas da Serra do Mar paranaense apresentou a menor similaridade entre as três grandes serras comparadas...

Levantamento floristico e analise estrutural em tres unidades edafica em uma floresta Ombrofila densa montana no estado do Parana

Schorn, Lauri Amandio
Fonte: Universidade Federal do Paraná Publicador: Universidade Federal do Paraná
Tipo: Teses e Dissertações Formato: application/pdf
PORTUGUêS
Relevância na Pesquisa
86.66%
Este trabalho se refere ao estudo da composição florística e estrutural das espécies arbóreas da Floresta Ombrófila Densa Montana no Estado do Paraná. O estudo foi desenvolvido na área de Proteção de Guaricana, pertencente à Companhia Paranaense de Energia (COPEL), localizada nos municípios de Morretes e São José dos Pinhais, em três unidades de solo (Cambissolo-Álico A moderado textura argilosa fase relevo montanhoso, Litólico A proeminente textura média fase pedregosa relevo escarpado, Gley Pouco Humico Álico, textura média fase relevo plano). Em cada unidade edáfica levantou-se 34 amostras de 10 m x 30 m distribuídas aleatoriamente. Foram analisados em cada uma das unidades, os seguintes parâmetros: densidade, frequência, dominância, índice de sociabilidade, valor de cobertura, valor de importância, posição sociológica, regeneração natural, distribuição diamétrica da densidade e da área basal, e índice de similaridade entre as unidades. Foram encontradas no Cambissolo, 66 espécies arbóreas, 48 gêneros e 30 famílias, no Gley 58 espécies arbóreas, 46 gêneros e 28 famílias, e no Litólico 62 espécies arbóreas, 51 gêneros e 31 famílias. A heterogeneidade florística nas unidades é relativamente alta...

Estrutura de comunidades de espécies lenhosas ao longo de um gradiente de altitude na floresta ombrófila densa atlântica do sudeste brasileiro : uma abordagem filogenética e funcional; Community structure of woody species along an altitudinal gradient on the atlantic ombrophilous dense forest in southeastern Brazil : a phylogenetic and functional approach

Pedro Ortman Cavalin
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 06/02/2012 PT
Relevância na Pesquisa
96.64%
Um grande número de espécies co-ocorre em florestas tropicais. Diferenciação de nicho e processos estocásticos são invocados como mecanismos que possibilitam essa coexistência de espécies. Recentemente, métodos filogeneticamente explícitos ou com base em atributos funcionais (considerados bons indicadores de nicho de regeneração, história de vida e tolerância ambiental) vem sendo usados para analisar tais mecanismos. No presente trabalho, estudei comunidades de espécies lenhosas no sub-bosque ao longo de um gradiente de altitude na Floresta Ombrófila Densa (FOD) Atlântica no Parque Estadual da Serra do Mar, SP, tentando relacionar a estrutura de comunidades com variáveis ambientais, e se tais relações variam de acordo com a altitude. Analisamos a estrutura filogenética em três sítios localizados em diferentes cotas altitudinais (FOD de Terras Baixas, 70 m; FOD Submontana, 370 m; FOD Montana, 1070 m). Em nenhum dos sítios foi observada estruturação filogenética, tampouco relações da estrutura filogenética com variáveis ambientais. Em seguida, analisamos a estrutura de comunidade baseada em atributos funcionais. Apesar de haver correlações entre atributos funcionais e variáveis ambientais no nível das espécies...

Ecologia de populações de Psychotria nuda (Rubiaceae) em Floresta Ombrófila Densa; Population ecology of Psychotria nuda, (Cham. & Schltdl.) Wawra (Rubiaceae) in dense-ombrophylous forest

Christiane Erondina Corrêa
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 20/01/2011 PT
Relevância na Pesquisa
96.91%
Os habitats variam entre si quanta às características abióticas como luminosidade e topografia. A variação altitudinal pode conter essas diferenças e influenciar variações em escala individual e populacional das espécies. 0 objetivo geral desse trabalho foi descrever as características da espécie em escala do indivíduo, o padrão espacial e a dinâmica populacional do arbusto Psychotria nuda (Rubiaceae). Adicionalmente, verifica se há variação dessas características populacionais entre altitudes e dentro de cada altitude, considerando variações da topografia e luminosidade. 0 estudo foi realizado em Floresta Ombrófila Densa, no Parque Estadual da Serra do Mar em diferentes altitudes (Floresta de Restinga, Terras Baixas, Sub-Montana e Montana). Foram identificadas duas formas de crescimento, ereta e prostrada. lndivíduos prostrados podem apresentar crescimento clonal, encontrado em mais de 70% dos casas. 0 comprimento, o diâmetro, a área de copa e o módulo de elasticidade dos indivíduos eretos foram maiores comparados aos prostrados. Mais de 80% dos indivíduos amostrados ocorreram nas parcelas Terras Baixas. 0 comprimento foi semelhante entre altitudes...

Dispersão de sementes de Euterpe edulis Martius (Palmae) em uma floresta ombrofila densa montana da encosta atlantica em Blumenau, SC

Ademir Reis
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 01/12/1995 PT
Relevância na Pesquisa
86.68%
O presente estudo objetivou estudar o processo de dispersão de sementes de Euterpe edulis Martius na Floresta Ombrófila Densa Montana (FODM), visando caracterizar níveis de interação da espécie com classes comportamentais de animais dispersores. A escolha da espécie deveu-se ao seu grande potencial em manejo em regime de rendimento sustentado e à sua importância para a conservação da FODM. O estudo foi desenvolvido dentro da Fazenda Faxinal, Blumenau, Santa Catarina, Brasil. A população de plantas de palmiteiro estudada foi delimitada em 5,44 ha de floresta, onde foi feito um censo de indivíduos com estipe exposto. As plantas sem estipe exposto foram avaliadas em sub-parcelas. Foram acompanhadas todas as plantas adultas, durante os anos de 1992 e 1993, para a quantificação do número de inflorescências e infrutescências emitidas. Em um grupo de plantas foi acompanhado o tempo de permanência dos frutos maduros em cada planta e o período de maturação dos mesmos. Em 4 áreas de 1600 m2, 2 com e 2 sem palmiteiros adultos, foram avaliadas as distâncias e quantidades de sementes dispersadas. A dispersão secundária foi avaliada a partir de 20 plantas adultas da espécie, sob as quais foram colocados frutos e sementes...

Aspectos funcionais da floresta ombrófila densa montana, PESM : estrutura, biomassa aérea, uso de nitrogênio e fotossíntese; Functional aspects of montana ombrophylous dense forest, PESM : structure, biomass, use of nitrogen and photosynthesis

Nidia Mara Marchiori
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 29/11/2012 PT
Relevância na Pesquisa
126.9%
O Nitrogênio é um nutriente essencial para o crescimento das plantas e produtividade de um ecossistema, visto sua ação como limitante para a fotossíntese ou relação com a reflectância da luz (albedo). Além disso, detém importância ecológica por ser uma ferramenta para a categorização de espécies em classes sucessionais baseado na utilização de suas formas disponíveis. Dessa forma, a compreensão da fisiologia do uso de N é essencial, especialmente em florestas tropicais, onde existem poucos estudos com essa abordagem. A Mata Atlântica (MA) é originalmente a segunda maior floresta tropical do continente americano, contudo grande parte de sua área e biodiversidade foi perdida e atualmente essa Floresta é definida como um "hotspot" para conservação da biodiversidade. O conhecimento e entendimento da estrutura e do funcionamento de ecossistemas complexos como os que compõem a MA é de suma importância para a discussão de temas atuais como o balanço de carbono global, nutrição vegetal e mudanças climáticas. Dentre os principais objetivos foram: a caracterização fitossociológica e estrutural de um trecho de Floresta Ombrófila Densa Montana (FODM), elucidar as estratégias de utilização de nitrogênio pelas plantas e avaliar através de parâmetros foliares...

Aspectos da composição e diversidade do componente arbóreo das florestas da Reserva Florestal do Morro Grande, Cotia, SP

Catharino,Eduardo Luís Martins; Bernacci,Luís Carlos; Franco,Geraldo Antonio Daher Correa; Durigan,Giselda; Metzger,Jean Paul
Fonte: Instituto Virtual da Biodiversidade | BIOTA - FAPESP Publicador: Instituto Virtual da Biodiversidade | BIOTA - FAPESP
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/2006 PT
Relevância na Pesquisa
86.66%
Este trabalho procurou caracterizar a composição florística arbórea e comparar florestas secundárias e maduras da Reserva Florestal do Morro Grande (RFMG), em Cotia, região metropolitana de São Paulo. Discute-se, também, a classificação utilizada para denominar esta cobertura florestal e a importância da RFMG para conservação. Utilizou-se o método de pontos quadrantes, amostrando-se 2400 árvores em seis áreas, três localizadas em regiões com florestas secundárias e três com predomínio de florestas mais conservadas ou maduras. Em cada local, levantaram-se 400 indivíduos arbóreos em 100 pontos-quadrantes, divididos em blocos de 25 pontos distantes 200 m uns dos outros. Os dados por áreas e blocos foram analisados através de agrupamento e ordenamento (UPGMA e DCA). Das 260 espécies arbóreas encontradas, apenas 12 foram amostradas nas seis áreas. A riqueza encontrada foi surpreendentemente alta quando comparada a outros levantamentos feitos na região. Os índices de diversidade de Shannon (H') situam-se entre os maiores para as florestas paulistas: 4,75 nats/indivíduo para a amostragem total; 4,25 para as três áreas secundárias; e 4,54 para as três áreas maduras. A amostra estratificada permitiu verificar a variação interna da floresta...

Composição florística e distribuição altitudinal de epífitas vasculares da Floresta Ombrófila Densa na Serra da Prata, Morretes, Paraná, Brasil

Blum,Christopher Thomas; Roderjan,Carlos Vellozo; Galvão,Franklin
Fonte: Instituto Virtual da Biodiversidade | BIOTA - FAPESP Publicador: Instituto Virtual da Biodiversidade | BIOTA - FAPESP
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2011 PT
Relevância na Pesquisa
86.87%
O levantamento de epífitas vasculares foi realizado na porção norte da Serra da Prata (48º 41' 59,39" O e 25º 36' 46,39" S), município de Morretes, abrangendo 6,3 ha de encosta situada entre 400 e 1.100 m s.n.m., coberta por Floresta Ombrófila Densa Submontana e Montana. Os objetivos do trabalho foram: 1) caracterizar a flora epifítica vascular; 2) discutir sua distribuição altitudinal e nas categorias ecológicas; 3) avaliar a similaridade florística com outras áreas do sul e sudeste do Brasil. O levantamento foi efetivado entre 2005 e 2010. Cento e vinte forófitos, distribuídos por quatro altitudes (400, 600, 800 e 1.000 m), foram escalados e detalhadamente vasculhados. Foram registradas 278 espécies, 109 gêneros e 30 famílias de epífitas vasculares. Pteridófitas englobaram 74 espécies, 30 gêneros e 10 famílias. Angiospermas totalizaram 204 espécies, 79 gêneros e 20 famílias. A riqueza de epífitas vasculares foi a maior já registrada em estudos de Floresta Ombrófila Densa no sul do Brasil. Sete espécies tiveram seu primeiro registro para o Paraná e seis enquadraram-se como ameaçadas em nível estadual. Orchidaceae foi a mais rica, com 103 (37,2%) espécies e 43 (39,1%) gêneros, seguida de Bromeliaceae (38)...

Chave de identificação de espécies lenhosas de um trecho de Floresta Ombrófila Densa Atlântica, no Sudeste do Brasil, baseada em caracteres vegetativos

Urbanetz,Catia; Tamashiro,Jorge Yoshio; Kinoshita,Luiza Sumiko
Fonte: Instituto Virtual da Biodiversidade | BIOTA - FAPESP Publicador: Instituto Virtual da Biodiversidade | BIOTA - FAPESP
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2010 PT
Relevância na Pesquisa
96.64%
O presente trabalho objetivou a elaboração de uma chave de identificação para 185 espécies ocorrentes em um trecho de Floresta Ombrófila Densa no município de Cananéia, Sul do Estado de São Paulo (24° 54' S e 47° 56' O). A chave é baseada em caracteres morfológicos tais como filotaxia, composição e formato do limbo, estípulas, indumento, exsudados, estruturas secretoras internas e externas e pontuações. Foram feitas imagens de ramos, estruturas reprodutivas e de algumas estruturas vegetativas de 123 espécies de modo a auxiliar na identificação das mesmas. A maioria das espécies (84%) foi facilmente separada na chave e somente algumas apresentaram dificuldades para serem distinguidas, sendo necessária, nesses casos, a utilização de caracteres reprodutivos.

Insetos edáficos em diferentes estágios sucessionais da Floresta Ombrófila Densa Montana, Orleans, SC

Silva, Alexandre da
Fonte: Universidade do Extremo Sul Catarinense Publicador: Universidade do Extremo Sul Catarinense
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso - TCC
Relevância na Pesquisa
116.75%
Trabalho de Conclusão de Curso, apresentado para obtenção do grau de Bacharel no curso de Ciências Biológicas da Universidade do Extremo Sul Catarinense, UNESC.; Os insetos edáficos são bons indicadores da qualidade do solo, mas pouco se sabe sobre sua riqueza e abundância em diferentes estágios sucessionais. O presente trabalho teve como objetivo caracterizar a composição e estrutura da comunidade de insetos edáficos ao nível de família em diferentes estágios sucessionais da Floresta Ombrófila Densa Montana. O estudo foi realizado no Parque Estadual da Serra Furada, Orleans, SC. Foram feitas quatro coletas ao longo de um ano com armadilhas do tipo pitfall sem atrativo em três áreas em diferentes estágios sucessionais, estagio inicial (A1), médio (A2) e avançado de regeneração (A3). Em cada área foram distribuídas 10 armadilhas em um transecto de 100 metros. Foi coletado nas três áreas um total de 3.558 insetos distribuídos em nove ordens e 46 famílias. Na área em estágio inicial foram registrados 1.013 insetos, pertencentes a cinco ordens e a 35 famílias; na área em estágio médio 1.041 insetos distribuídos em sete ordens e 30 famílias e na área em estágio avançado de regeneração 1.504 indivíduos distribuídos em nove ordens e 36 famílias. Os índices de diversidade (H’) e equitabilidade (J’) entre as três áreas foram muito semelhantes...

Interações entre abelhas (hymenoptera, apidae) e plantas em área de regeneração natural em floresta ombrófila densa montana, no sul de Santa Catarina

Rosa, Brunno Bueno da
Fonte: Universidade do Extremo Sul Catarinense Publicador: Universidade do Extremo Sul Catarinense
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso - TCC
PT_BR
Relevância na Pesquisa
116.85%
Trabalho de Conclusão de Curso, apresentado para obtenção do grau de Bacharel no curso de Ciências Biológicas da Universidade do Extremo Sul Catarinense, UNESC.; As consequências da perda da biodiversidade estão direta ou indiretamente ligadas às razões políticas, sociais e econômicas de todo o globo. Norman Myers publicou em 1988 o que chamou de hotspots, demarcando áreas que obteriam maior eficiência na conservação pela razão espécie endêmica por área. Dentre os hotspots mundiais, o bioma Mata Atlântica é um dos mais ricos, com altíssimos níveis de endemismo, porém está reduzida a cerca de 8% da vegetação original. Além de uma lista taxonômica simplificada, os estudos que visem o conhecimento da biodiversidade devem estar ligados a métodos que permitam a análise das interações ecológicas envolvidas. As abelhas representam um grupo chave em um dos processos mais importantes para a manutenção dos ecossistemas: a polinização. Desta forma, o inventário de abelhas e de suas interações com as plantas constituem o primeiro passo para definir estratégias de conservação destes polinizadores e, consequentemente, dos recursos biológicos de um ecossistema. O objetivo deste trabalho foi analisar a comunidade de abelhas e suas interações com as plantas melitófilas em áreas de regeneração natural da Floresta Ombrófila Densa Montana no sul de Santa Catarina. O local estudado foi uma área de regeneração natural de estágio pioneiro no Parque Estadual da Serra Furada. Foi estabelecido um perímetro de 6...

Composição florística e estrutural da comunidade arbórea da floresta ombrófila densa montana no Parque Estadual da Serra Furada, Santa Catarina

Guislon, Aline Votri
Fonte: Universidade do Extremo Sul Catarinense Publicador: Universidade do Extremo Sul Catarinense
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso - TCC
PT_BR
Relevância na Pesquisa
116.8%
Trabalho de Conclusão de Curso, apresentado para obtenção do grau de bacharel no curso de Ciências Biológicas da Universidade do Extremo Sul Catarinense, UNESC.; O Parque Estadual da Serra Furada (PESF), localizado no sul do Estado de Santa Catarina, é uma Unidade de Conservação de Proteção Integral que protege remanescentes de Floresta Ombrófila Densa. Destaca-se no Parque a formação Montana, com espécies de interesse ecológico, que justifica a necessidade de estudo de sua comunidade arbórea, pouco estudada na região devido à dificuldade de acesso. Neste sentido, o objetivo do estudo foi realizar levantamento florístico e estrutural da comunidade arbórea, bem como classificar as espécies amostradas quanto ao seu grupo ecológico e estratégias de polinização e de dispersão. Para o levantamento florístico e fitossociológico foi empregado o método de parcelas. Foram estabelecidas 80 parcelas de 10m x 10m, totalizando 0,8 hectares de área. As estratégias de polinização e de dispersão e os grupos ecológicos das espécies foram obtidos por meio da bibliografia pertinente e observações locais. Foram amostradas 147 espécies arbóreas pertencentes a 51 famílias botânicas. Myrtaceae foi a mais representativa...

Floristic composition of the understorey of a dense ombrophilous montane forest in Morretes, State of Paraná, Brazil; COMPOSIÇÃO FLORÍSTICA DO SUB-BOSQUE DE UMA FLORESTA OMBRÓFILA DENSA MONTANA, MORRETES, PR, BRASIL

Kozera, Carina; Rodrigues, Ricardo Ribeiro; ESALQ/USP; Dittrich, Vinícius Antonio de Oliveira; UESB
Fonte: FUPEF DO PARANÁ Publicador: FUPEF DO PARANÁ
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Artigo Avaliado pelos Pares Formato: application/pdf
Publicado em 16/06/2009 POR
Relevância na Pesquisa
96.78%
The floristic composition of the understorey of a Dense Ombrophilous Montane Forest located on a slope of the Morro Facãozinho, Pico do Marumbi State Park, municipality of Morretes, Paraná State, was investigated. The aims of this work were to list of the herbaceous and subshrub species of angiosperms and pteridophytes, and to characterize the physiognomy of the understorey regarding to the life-forms present and the main environments where the different species occur. To achieve this, sampling collections were made twice a month employing usual techniques for collecting and herborizing. Plant identification was carried out using available taxonomic literature. Furthermore, experts were consulted, as well as specimens were compared with exsicattae from some herbaria. One hundred and eight species, 68 genera and 41 families were registered, of which Dryopteridaceae (with 11 species), Araceae (seven), Blechnaceae, Piperaceae, and Rubiaceae (six each) were the richest families. Five out of 108 species were observed as lithophytes, eight as lithophytes or terrestrial plants, and 95 as terrestrial. The flowering plants are represented by seven life-forms, and the pteridophytes by four. The number of species registered is high when compared to that in floristic works carried out on the canopy at the same vegetation type...