Página 1 dos resultados de 1611 itens digitais encontrados em 0.003 segundos

Floração em amendoim (Arachis hypogaea L.)

Jose Armando Junior
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 22/03/1990 PT
Relevância na Pesquisa
37.28%
O amendoim (Arachis hypogaea L.) é uma planta herbácea, anual, com caules eretos e prostrados, flores amarelas localizadas nas regiões axiliares, pertencente à família Leguminosae. Neste trabalho, foi estudada a influência de alguns fatores do ambiente, como o fotoperíodo, temperatura e disponibilidade de água, na variedade Tatuí, desta espécie. Constatou-se que esta planta apresenta uma resposta quantitativa a dias longos. Foi verificado o efeito residual do fotoperíodo em plantas da segunda geração. Os resultados sugerem que a sensibilidade fotoperiódica das plantas parentais foi transmitida às plantas da segunda geração. A temperatura é um fator que interfere no processo da floração. Plantas mantidas na estação outono-inverno, produzem mais flores do que as da estação primavera-verão. A temperatura noturna influencia o processo da floração nesta variedade. A temperatura noturna baixa é uma condição que favorece este processo fisiológico. Já a temperatura noturna alta, mostrou ser um fator limitante, prejudicando a floração nesta variedade de amendoim. A disponibilidade de água tem forte influência no processo da floração nesta variedade de amendoim. As plantas mantidas sob deficiência hídrica apresentaram uma redução de cresci- mento...

Effects of climate change on flowering times of selected plant species; Mudanças climáticas e a floração de espécies selecionadas de plantas

Alegria, Patrícia Aires
Fonte: Universidade de Aveiro Publicador: Universidade de Aveiro
Tipo: Dissertação de Mestrado
ENG
Relevância na Pesquisa
37.16%
As temperaturas globais estão a aumentar rapidamente, promovendo mudanças importantes em comunidades de plantas e contribuindo para a perda global de biodiversidade. Das respostas biológicas para o aquecimento global, as mudanças no tempo dos eventos fenológicos como floração estão entre as mais sensíveis e importantes, tanto do ponto de vista biológico como económico. As fontes mais confiáveis de dados para monitorizar os eventos de ciclo de vida são os conjuntos de dados compilados sistematicamente por estações fenológicas. Embora estes sejam relativamente abundantes na Europa Central e do Norte, são escassos em Portugal. A falta de observações fenológicas pode, contudo, ser preenchida por coleções biológicas em herbários e museus, contanto que algum método de correção seja aplicado para superar as diferenças em pontos de amostragem. O objetivo principal deste trabalho foi encontrar um modelo que possa ser utilizado para corrigir as diferenças geográficas entre os locais de colheita em grandes áreas, permitindo a utilização de espécimes abundantes depositados nos herbários portugueses para o estudo dos efeitos do aumento da temperatura sobre a fenologia de plantas. Neste estudo, foram examinados espécimes de herbário de quatro espécies...

Padrões de floração e frutificação de árvores da Amazônia Maranhense

Muniz,Francisca Helena
Fonte: Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia Publicador: Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2008 PT
Relevância na Pesquisa
37.28%
Estudos fenológicos em nível de comunidades podem facilitar a compreensão do comportamento das espécies diante de alterações nos ecossistemas, além de refletir a distribuição anual de tipos específicos de recursos. Este trabalho buscou definir os padrões gerais e a sazonalidade de floração e frutificação de uma comunidade em duas áreas de floresta na Amazônia Maranhense, uma não perturbada e outra submetida a corte seletivo. A vegetação corresponde às matas de cipós das florestas amazônicas, alternando matas densas e abertas, de alta biomassa. Valores médios anuais de temperatura variam entre 24,5º C e 26,0º C, e entre 1400 mm e 1800 mm de precipitação, com um período seco de 5 a 6 meses, de junho a novembro. Foram analisadas a floração e a frutificação de 89 espécies arbóreas, de agosto de 1994 a junho de 1996. As espécies foram agrupadas em: árvores do sub-dossel, árvores do estrato superior e árvores que ocorrem em ambos os estratos. Foi feita comparação entre grupos (estratos, tipos de floresta e mecanismos de dispersão) e possíveis correlações com a precipitação foram investigadas. Quinze espécies estudadas foram exclusivas do estrato inferior e 63 do estrato superior da floresta; 17 espécies foram registradas apenas na mata nativa e 37 apenas na mata manejada. A maioria das espécies é zoocórica (62...

Progressão da floração e antese de Allium cepa L. (Alliaceae) em Candiota, RS, Brasil

Witter,Sidia; Wittmann,Dieter; Blochtein,Betina
Fonte: Sociedade Botânica de São Paulo Publicador: Sociedade Botânica de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2005 PT
Relevância na Pesquisa
37.16%
A necessidade de polinização por insetos depende da morfologia da flor, do grau de autofertilidade e do arranjo das flores. A progressão da floração de Allium cepa L., foi avaliada com base na freqüência de visitas por Apis mellifera L., das fases da antese e da viabilidade do pólen. A floração na cultivar Crioula (56 dias) foi mais longa que em Bola Precoce (50 dias). A duração do pico da floração foi semelhante nas duas cultivares, respectivamente 15 e 17 dias. A correlação entre a freqüência de visitas por A. mellifera e o número de umbelas com flores abertas foi alta em Crioula e média em Bola Precoce. A antese foi de 7 e 8 dias, respectivamente, nas duas cultivares. Diferentemente de outras observações, foi verificada protandria incompleta em ambas cultivares. Os estigmas estavam receptivos quando os estiletes mediam 4-5,5 mm de comprimento. O percentual médio de viabilidade do pólen foi de 90,46 (Crioula) e 80,25 (Bola precoce).

Fenologia de floração e sistema reprodutivo de três espécies de Ruellia (Acanthaceae) em fragmento florestal de Viçosa, Sudeste brasileiro

Lima,Natália A. Souza; Vieira,Milene Faria
Fonte: Sociedade Botânica de São Paulo Publicador: Sociedade Botânica de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2006 PT
Relevância na Pesquisa
37.23%
Este trabalho é uma continuação de estudos sobre a biologia reprodutiva de espécies de angiospermas do Município de Viçosa, Zona da Mata de Minas Gerais, Brasil. Objetivou-se analisar a fenologia de floração e o sistema reprodutivo das três espécies co-ocorrentes de Ruellia observadas nesse município: R. brevifolia (Pohl) C. Ezcurra e R. menthoides (Nees) Hiern, ambas cleistógamas, e R. subsessilis (Nees) Lindau. Testou-se a germinação de suas sementes e verificou-se a ocorrência de propagação vegetativa. A floração de Ruellia subsessilis ocorreu durante todo o ano, sendo o pico de floração em outubro. Ruellia brevifolia produziu flores, principalmente, de fevereiro a julho, com o pico em março. Ruellia menthoides produziu flores de agosto a dezembro, com o pico em setembro. As espécies são autocompatíveis; Ruellia brevifolia e R. menthoides autógamas facultativas e R. subsessilis xenógama facultativa. Obtiveram-se altas porcentagens de plântulas normais (de 67% a 83%), de sementes originadas de autopolinizações. Além da reprodução sexuada, as espécies apresentaram propagação vegetativa, ou seja, pedaços de ramos separam-se das plantas-mãe e desenvolvem raízes adventícias. As espécies estudadas...

Floração, frutificação e síndromes de dispersão de uma comunidade de floresta de brejo na região de Campinas (SP)

Spina,Andréa Pozetti; Ferreira,Washington Marcondes; Leitão Filho,Hermógenes de Freitas
Fonte: Sociedade Botânica do Brasil Publicador: Sociedade Botânica do Brasil
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2001 PT
Relevância na Pesquisa
37.16%
Dados referentes as fenofases de floração e de frutificação, das espécies de uma floresta de brejo, foram analisados quanto à época de ocorrência e suas possíveis variações nos diferentes hábitos. Os dados foram obtidos mensalmente durante o levantamento florístico das plantas vasculares. Foram registrados: o hábito da espécie, a presença ou ausência de flores e/ou frutos, a cor e a textura dos frutos. Os dados de frutificação foram agrupados quanto à deiscência e textura dos frutos, e estes quando secos e deiscentes, foram analisados quanto à presença ou não de arilo ou arilóide, e de mecanismos explosivos de deiscência. Através desta análise as espécies foram classificadas quanto às síndromes de dispersão. Na comunidade a floração e a frutificação ocorreram durante o ano todo com um pico em junho, comum à maioria das espécies. Quando as espécies são agrupadas pelo hábito, são observadas diferenças quanto à época de ocorrência de seus picos de floração e de frutificação ao longo do ano. A síndrome de dispersão mais freqüente foi a zoocoria (75% das espécies), seguida pela anemocoria (27%) e pela autocoria (l6%). As espécies arborescentes e arbustivas apresentaram as maiores porcentagens de zoocoria (75% e 57% respectivamente) enquanto que...

Floração sincrônica e sistemas reprodutivos em quatro espécies de Kielmeyera Mart. (Guttiferae)

Barros,Mariluza A. Granja e
Fonte: Sociedade Botânica do Brasil Publicador: Sociedade Botânica do Brasil
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/2002 PT
Relevância na Pesquisa
37.16%
Foram investigados a floração sincrônica e os sistemas reprodutivos de Kielmeyera abdita Saddi, K. coriacea Mart.,K. speciosa St. Hil. e K. variabilis Mart., que são espécies de cerrado e ocorrem freqüentemente na Fazenda Água Limpa da Universidade de Brasília, Brasília (DF). As quatro espécies de Kielmeyerasão simpátricas e o período de floração se extende por dois ou tres meses. K. abdita, K. coriacea eK. variabilis,florescem em sincronia durante o período seco (agosto - dezembro) e K speciosa floresce isoladamente durante o período chuvoso (fevereriro - maio). A floração convergente dessa três espécies, sugere que as mesmas estão envolvidas em um processo de mutualismo floral, no qual atraem grande número de polinizadores, incrementando os níveis de polinização cruzada. Todas as espécies têm morfologia floral similar, com corolas abertas de cor albo-rósea (K. abdita, K. coriacea, K. speciosa) ou alva (K. variabilis), contrastando com estames em pincel, de cor amarelo - forte, que apresentam glândulas apicais produtoras de perfume doce peculiar a Kielmeyera. A presença de andromonoecia é marcante exceto em K. speciosa. As flores apresentam síndrome de entomofilia, sendo visitadas por 21 espécies de abelhas...

Manejo de água no periódo de pré-floração e de floração na cultura da videira no Submédio São Francisco.

NASCIMENTO, T.; SOARES, J.M.; GRANGEIRO, L. C.; LIMA FILHO, J. M. P.
Fonte: In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA- CONBEA, 33., 2004, São Pedro, SP. Anais... Campinas : UNICAMP, Faculdade de Engenharia Agrícola: Embrapa Informática Agropecuária, 2004. 1 CD-ROM. Publicador: In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA- CONBEA, 33., 2004, São Pedro, SP. Anais... Campinas : UNICAMP, Faculdade de Engenharia Agrícola: Embrapa Informática Agropecuária, 2004. 1 CD-ROM.
Tipo: Artigo em anais de congresso (ALICE)
PT_BR
Relevância na Pesquisa
37.16%
Este estudo foi conduzido em uma fazenda privada, localizada no município de Petrolina - PE, utilizando videira Festival, com dois anos de idade, conduzida no sistema de latada, espaçamento de 3,5 m x 3,0 m, sob irrigação por microaspersão. O solo é da classe Areia Quartzosa profundo, bem drenado e baixa retenção de água. Os tratamentos foram constituidos por quatro lâminas de água (Kc inicial de 0,60 para os tratamentos A, B, C e D, decrescidos diariamente, respectivamente, de 0,00; 0,03; 0,06 e 0,09, dos 25 aos 36 dias após a poda), aplicadas ao longo do estádio de pré e de plena floração, durante o primeiro ciclo e por cinco lâminas, durante os dois ciclos seguintes. Observou-se durante o primeiro ciclo produtivo, que houve um decréscimo acentuado no conteúdo de água no solo, na camada de 0,00 a 0,20 m, no período de (25 a 36 dias após a poda), tendo a redução mostrando-se mais severa no tratamento D. Durante o terceiro ciclo, a redução do conteúdo de água no solo, na camada de 0,00 a 0,20m, tornou-se ainda mais severa em todos os tratamentos, quando comparado com os obtidos no primeiro ciclo, tendo o tratamento D mostrado-se como o mais crítico, o que condicionou uma paralisação marcante do crescimento dos ramos. Verificou-se...

Análise de cDNAs identificados em bibliotecas substrativas de cDNA para floração de variedades de cana-de-açúcar cultivadas no Rio Grande do Norte(RN): fator de transição NAC, Calmodulina e Fosfatidiltransferase

Souza, Valeska Daliane Souto de
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Norte; BR; UFRN; Programa de Pós-Graduação em Ciências Biológicas; Biodiversidade; Biologia Estrutural e Funcional. Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Norte; BR; UFRN; Programa de Pós-Graduação em Ciências Biológicas; Biodiversidade; Biologia Estrutural e Funcional.
Tipo: Dissertação Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
37.33%
The flowering is a physiological process that it is vital for plants. This physiological process has been well studied in the plant model Arabidopsis, but in sugarcane this process is not well known. The transition of the shoot apical meristem from vegetative to flowering is a critical factor for plant development. At Brazil northeastern region, the transition to flowering in sugarcane has an important effect as it may reduce up to 60% its production. This is a consequence of the sugar translocation from stalks to the shoot apical meristem which is necessary during the flowering process. Therefore, the aim of this work was to explore and analyze cDNAs previously identified using subtractive cDNA libraries. The results showed that these cDNAs showed differential expression profile in varieties of sugarcane (early x late flowering). The in silico analysis suggested that these cDNAs had homology to calmodulin, NAC transcription factor and phosphatidylinositol, a SEC14, which were described in the literature as having a role in the process of floral development. To better understand the role of the cDNA homologous to calmodulin, tobacco plants were transformed with overexpression cassettes in sense and antissense orientation. Plants overexpressing the cassette in sense orientation did not flowered...

Prospecção de genes associados ao processo de floração em tomateiro.

Ferreira, Daiane Cristina Cabral
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Norte; BR; UFRN; Programa de Pós-Graduação em Genética e Biologia Molecular; Genética e Biologia Molecular Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Norte; BR; UFRN; Programa de Pós-Graduação em Genética e Biologia Molecular; Genética e Biologia Molecular
Tipo: Dissertação Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
37.39%
Flowering is a process marked by switch of shoot apical meristem to floral meristem, and it involves a complex regulation by endogenous and environmental factors. Analyses of key flowering genes have been carried out primarily in Arabidopsis thaliana and have provided a foundation for understanding the underlying molecular genetic mechanisms controlling different aspects of floral development. Several homologous have been found in other species, but for crops species such as tomatoes this process is not well known. The aim of this work was to use the genetic natural variation associated to the flowering process and use molecular tools such as subtractive libraries and real time PCR in order to identify and analyze the expression from genes that may be associated to flowering in these two species: L. esculentum cv Micro-Tom and L. pimpinellifolium. Our results showed there were identified many genes related to vegetative and possibly to the flowering process. There were also identified many sequences that were unknown. We ve chosen three genes to analyze the expression by real time PCR. The histone H2A gene gave an expression higher in L. pimpinellifolium, due to this the expression of this gene may be associated to flowering in this specie. It was also analyzed the expression of an unknown gene that might be a key factor of the transition to flowering...

Floração precoce em cana-de-açúcar - um estudo utilizando ferramentas de análise in silico e proteômica

Duarte, Maria Angélica Gaag
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Norte; BR; UFRN; Programa de Pós-Graduação em Genética e Biologia Molecular; Genética e Biologia Molecular Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Norte; BR; UFRN; Programa de Pós-Graduação em Genética e Biologia Molecular; Genética e Biologia Molecular
Tipo: Dissertação Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
37.16%
Sugarcane is one of the most important products of the world and Brazil is responsible for 25 % of the world production. One problem of this culture at northeast of Brazil is the early flowering. In our laboratory, it has been made before four subtractive libraries using early and late flowering genotypes in order to identify messages related to the flowering process. In this work, two cDNAs were chosen to make in silico analysis and overexpression constructs. Another approach to understand the flowering process in sugarcane was to use proteomic tools. First, the protocol for protein extraction using apical meristem was set up. After that, these proteins were separated on two bidimensional gels. It was possible to observe some difference for some regions of these gels as well as some proteins that can be found in all conditions. The next step, spots will be isolated and sequence on MS spectrometry in order to understand this physiological process in sugarcane; A cana-de-açúcar é uma das mais importantes culturas mundiais e atualmente o Brasil representa um dos maiores produtores de cana-de-açúcar no ranque mundial. Sabendo-se da importância da cana-de-açúcar nos dias atuais, principalmente em relação ao biocombustível e do problema causado pela floração precoce a esta cultura na região Nordeste...

Diquat e ureia no manejo da floração natural do abacaxizeiro 'Pérola'

Kist,Helio Gaspar Kuoos; Ramos,José Darlan; Pio,Rafael; Santos,Verônica Andrade dos
Fonte: Sociedade Brasileira de Fruticultura Publicador: Sociedade Brasileira de Fruticultura
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2011 PT
Relevância na Pesquisa
37.23%
O florescimento natural do abacaxizeiro constitui-se num dos problemas mais sérios do seu manejo, devido à desuniformização e colheita em épocas impróprias, o que eleva o custo de produção e reduz o preço de venda. O objetivo deste trabalho foi avaliar o comportamento do diquat e da ureia como fitorreguladores no retardamento da diferenciação floral do abacaxizeiro cv. Pérola. Foram testadas as concentrações de 0; 15 mg L-1; 23 mg L-1; e 30 mg L-1 de diquat, sem e com ureia (20 g L-1), aplicando 50 mL-1 de calda sobre as folhas do abacaxizeiro uma única vez. O delineamento utilizado foi o de blocos casualizados, com quatro repetições. Avaliaram-se a inibição da floração natural em três datas, a massa dos frutos, a massa da coroa, a massa dos filhotes e o número de filhotes por planta, o comprimento e a largura da folha "D" e os sólidos solúveis (ºBrix). Os resultados mostraram que a aplicação de 30 ml L-1 de diquat retardou a floração natural, mas causou redução na massa dos frutos. O tratamento de 23 ml L-1 com ureia também determinou uma redução na floração natural, sem, no entanto, causar diminuição dos frutos. As doses de diquat não interferiram na massa e na produção de filhotes, no comprimento da folha "D" e no teor de sólidos solúveis (º Brix) do suco dos frutos. A ureia potencializou a ação do diquat no retardamento da floração.

Crescimento vegetativo, floração e frutificação efetiva do pessegueiro 'Jubileu' submetido a diferentes comprimentos de interenxertos

Tomaz,Zeni Fonseca Pinto; Lima,Claúdia Simone Madruga; Gonçalves,Michel Aldrighi; Rufato,Leo; Rufato,Andrea De Rossi
Fonte: Embrapa Informação Tecnológica; Pesquisa Agropecuária Brasileira Publicador: Embrapa Informação Tecnológica; Pesquisa Agropecuária Brasileira
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/09/2010 PT
Relevância na Pesquisa
37.16%
O objetivo deste trabalho foi avaliar os efeitos do uso de interenxertos, com diferentes comprimentos, sobre o vigor de plantas de pessegueiro da cultivar Jubileu. Foram utilizados interenxertos da cultivar de baixo vigor, Granada, com 5, 10, 15 e 20 cm de comprimento. Avaliaram-se o crescimento vegetativo, a floração e a frutificação efetiva das plantas. O experimento foi conduzido em Pelotas, RS, de março de 2007 a dezembro de 2008. O crescimento vegetativo do pessegueiro 'Jubileu' está diretamente relacionado ao comprimento do interenxerto. O aumento do comprimento do interenxerto antecipa o início da floração e da plena floração. A redução do vigor, induzida por interenxertos de maior comprimento, promove aumento na diferenciação floral. O interenxerto com 20 cm intensifica a redução do vigor, mas aumenta a mortalidade das plantas. Portanto, os interenxertos com 10 e 15 cm de comprimento são os mais adequados para o adensamento de pomares.

Desenvolvimento floral e frutificação de pessegueiros [Prunus persica (L.) Batsch] cv. Granada, submetidos a distintas condições térmicas durante o período de pré-floração e floração; Floral development and fruit set of peach trees [Prunus persica (L.) Batsch] cv. Granada, submited to different thermal conditions during pre-flowering and flowering period

Nava, Gilmar Antônio
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
37.41%
Algumas cultivares de pessegueiros, nectarineiras e ameixeiras têm apresentado baixa frutificação e irregularidade de produção, em distintos locais da região Sul. Dentre elas, pode-se citar as cultivares de pessegueiro Granada e Riograndense. A cv. Granada tem sido uma das mais utilizadas na produção de frutos para indústria, sendo também promissora para consumo in natura. Mesmo em anos de baixa produção, as plantas desta cultivar apresentam florescimento abundante, e flores de aparência externa normal. Os objetivos deste estudo foram identificar, caracterizar e descrever as principais causas da baixa frutificação e da instabilidade produtiva do pessegueiro ‘Granada’. Experimentos com diferentes tratamentos, para simular temperaturas elevadas durante a pré-floração e floração, foram conduzidos a campo, em Charqueadas, na Depressão Central do Rio Grande do Sul. Considerou-se a alta temperatura nestes estádios fenológicos como a principal causa do mau desempenho reprodutivo e produtivo da cultivar. Os resultados evidenciaram que o pessegueiro ‘Granada’ apresenta, nas condições climáticas desta Região, desenvolvimento inadequado dos óvulos, baixa a média produção e viabilidade do pólen, alta quantidade e percentagem de flores com pistilos morfologicamente normais e baixos níveis de abscisão de gemas florais. Sob temperaturas acima de 25ºC...

Vigor, floração, produção e qualidade de pêssegos 'Chimarrita' e 'Maciel' em função de diferentes porta-enxertos.

COMIOTTO, A.; FACHINELLO, J. C.; HOFFMANN, A.; MACHADO, N. P.; GALARÇA, S. P.; BETEMPS, D. L.
Fonte: Ciência Rural, Santa Maria, v. 42, n. 5, p. 788-794, maio 2012. Publicador: Ciência Rural, Santa Maria, v. 42, n. 5, p. 788-794, maio 2012.
Tipo: Artigo em periódico indexado (ALICE)
PT_BR
Relevância na Pesquisa
37.23%
O objetivo deste trabalho foi avaliar o vigor, a floração, a produção e a qualidade de pêssegos das cultivares 'Chimarrita' e 'Maciel' sobre oito porta-enxertos. O diâmetro do tronco, acompanhamento da floração, produção e qualidade de pêssegos foram os parâmetros estudados nas safras de 2008 e 2009, na Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, RS. De acordo com os resultados obtidos, as cultivares 'Chimarrita' e 'Maciel', enxertadas sobre Umezeiro, apresentam menor vigor e sintomas de incompatibilidade quando comparadas com a enxertia nos demais porta-enxertos. A floração de ambas as cultivares foi influenciada pelos portaenxertos, podendo retardar ou antecipar o início e a plena floração em até cinco dias. A cultivar ?Maciel? enxertada sobre Tsukuba 1 foi a mais produtiva e a cultivar 'Chimarrita' apresentou maior produção quando enxertada sobre Aldrighi e Capdeboscq. O porta-enxerto Umezeiro proporcionou frutos com maior relação SS/AT para a cultivar 'Maciel' e, para 'Chimarrita', os pêssegos apresentaram maior conteúdo de sólidos solúveis.; 2012

Idade de floração e vingamento de flores em duas cultivares de feijão.

SILVEIRA, P. M. da; CASTRO, T. A. P. e; STONE, L. F.
Fonte: Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, DF, v. 15, n. 2, p. 229-232, abr. 1980. Publicador: Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, DF, v. 15, n. 2, p. 229-232, abr. 1980.
Tipo: Artigo em periódico indexado (ALICE)
PT_BR
Relevância na Pesquisa
37.33%
Foi conduzido um experimento visando a estudar os padrões de floração das cultivares 'Tambó e Rio Tibaji', relacionando idade de floração com vingamento de flores. Foram escolhidas, no interior da área experimental, 23 plantas de cada cultivar. As flores abertas destas plantas foram computadas e etiquetadas. Foram agrupadas, na colheita, as vagens provenientes de flores abertas no mesmo dia, para estudo de vingamento de flores. Foi computado, também, na mesma época, o número de grãos por vagem, nas duas cultivares. Foram feitos estudos de regressão linear entre percentagem de vingamento de flores e número de grãos por vagem com idade de floração. A cultivar 'Tambó' apresentou menor período de floração (19 dias), e maior percentagem de vingamento de flores (29%) do que a 'Rio Tibaji', 24 dias e 24%, respectivamente. Em ambas as cultivares, a percentagem de vingamento de flores e o número de grãos por vagem decresceram, à medida que a idade de floração aumentava.; 1980

Inducao de floracao em mangueira cv. Tommy Atkins com nitrato de amonio.

ALBUQUERQUE, J. A. S. de; MEDINA, V.A.D.
Fonte: Revista Brasileira de Fruticultura, Cruz das Almas, v. 13, n. 3, p. 93-95, out. 1991. Publicador: Revista Brasileira de Fruticultura, Cruz das Almas, v. 13, n. 3, p. 93-95, out. 1991.
Tipo: Artigo em periódico indexado (ALICE)
PT_BR
Relevância na Pesquisa
37.16%
Atualmente na regiao do Submedio Sao Francisco, e comum o uso de nitrato de potassio (KNO3) para induzir a floracao e antecipar a colheita da manga (Mangifera indica). Apesar da sua efetividade, este produto e caro e esta tornando-se dificil a sua aquisicao. Neste trabalho, comparou-se a eficiencia do nitrato de amonio (NH4NO3) a 2% com o do KNO3 a 3% para adiantar e aumentar a floracao e a colheita da mangueira cv. Tommy Atkins. O NH4NO3 a 2% foi tao eficiente quanto o KNO3, porem causou severas queimaduras nas folhas das plantas. O NH4NO3 conseguiu antecipar em, aproximadamente, 50 dias a colheita dos frutos em relacao ao inicio normal de colheita na regiao. Deve-se, no entanto, pesquisar concentracoes mais baixas de NH4NO3 que nao provoquem queimaduras e sejam efetivas na inducao da floracao da mangueira.; 1991

Crescimento vegetativo, floração e frutificação efetiva do pessegueiro 'Jubileu' submetido a diferentes comprimentos de interenxertos.

TOMAZ, Z. F. P.; LIMA, C. S. M.; GONÇALVES, M. A.; RUFATO, L.; RUFATO, A. de R.
Fonte: Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v. 45, n. 9, p. 973-979, set. 2010. Publicador: Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v. 45, n. 9, p. 973-979, set. 2010.
Tipo: Artigo em periódico indexado (ALICE)
PT_BR
Relevância na Pesquisa
37.16%
O objetivo deste trabalho foi avaliar os efeitos do uso de interenxertos, com diferentes comprimentos, sobre o vigor de plantas de pessegueiro da cultivar Jubileu. Foram utilizados interenxertos da cultivar de baixo vigor, Granada, com 5, 10, 15 e 20 cm de comprimento. Avaliaram-se o crescimento vegetativo, a floração e a frutificação efetiva das plantas. O experimento foi conduzido em Pelotas, RS, de março de 2007 a dezembro de 2008. O crescimento vegetativo do pessegueiro 'Jubileu' está diretamente relacionado ao comprimento do interenxerto. O aumento do comprimento do interenxerto antecipa o início da floração e da plena floração. A redução do vigor, induzida por interenxertos de maior comprimento, promove aumento na diferenciação floral. O interenxerto com 20 cm intensifica a redução do vigor, mas aumenta a mortalidade das plantas. Portanto, os interenxertos com 10 e 15 cm de comprimento são os mais adequados para o adensamento de pomares.; 2010

Crescimento vegetativo, floração e frutificação efetiva do pessegueiro 'Jubileu' submetido a diferentes comprimentos de interenxertos.

TOMAZ, Z. F. P.; LIMA, C. S. M.; GONÇALVES, M. A.; RUFATO, L.; RUFATO, A. de R.
Fonte: Pesquisa Agropecuaria brasileira., Brasília, v.45, n.9, p.973-979, set. 2010 Publicador: Pesquisa Agropecuaria brasileira., Brasília, v.45, n.9, p.973-979, set. 2010
Tipo: Artigo em periódico indexado (ALICE)
PT_BR
Relevância na Pesquisa
37.16%
Resumo ? O objetivo deste trabalho foi avaliar os efeitos do uso de interenxertos, com diferentes comprimentos, sobre o vigor de plantas de pessegueiro da cultivar Jubileu. Foram utilizados interenxertos da cultivar de baixo vigor, Granada, com 5, 10, 15 e 20 cm de comprimento. Avaliaram-se o crescimento vegetativo, a floração e a frutificação efetiva das plantas. O experimento foi conduzido em Pelotas, RS, de março de 2007 a dezembro de 2008. O crescimento vegetativo do pessegueiro 'Jubileu' está diretamente relacionado ao comprimento do interenxerto. O aumento do comprimento do interenxerto antecipa o início da floração e da plena floração. A redução do vigor, induzida por interenxertos de maior comprimento, promove aumento na diferenciação floral. O interenxerto com 20 cm intensifica a redução do vigor, mas aumenta a mortalidade das plantas. Portanto, os interenxertos com 10 e 15 cm de comprimento são os mais adequados para o adensamento de pomares.; 2010

Manipulação da época de floração e balanço hídrico no solo das cultivares de Leucospermum 'Tango' e 'Succession II' nos Açores

Bairos, Eduarda Resendes
Fonte: Universidade dos Açores Publicador: Universidade dos Açores
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em 27/02/2012 POR
Relevância na Pesquisa
37.33%
Dissertação de Mestrado em Engenharia Agronómica.; O género Leucospermum é nas proteáceas um dos que tem maior importância em termos comerciais. Dados de 2008 relevaram que, nos Açores, foi o género com maior número de hastes comercializadas, dentro do qual as cultivares 'Tango' e 'Succession' foram duas das mais representativas (Domingues, 2008). O presente trabalho decorreu em duas explorações de proteáceas da Ilha Terceira e nas cultivares 'Tango' e 'Succession II'. Os objectivos pretendidos foram a manipulação da época de floração das respectivas cultivares, tendo-se ensaiado diferentes modalidades de ensombramento, desponta e desbotoamento, e determinação do balanço hídrico no solo. Com a prática do ensombramento conseguiu-se antecipar a época de floração da cultivar 'Tango', sobretudo numa das explorações, mas como tal acarretou também a diminuição da produtividade, a rentabilidade foi menor. Na cultivar 'Succession II' a data média de floração foi retardada em um a três dias e a percentagem de hastes reprodutivas foi menor; como tal os prejuízos advenientes foram ainda mais marcantes. A prática da desponta, que vinha já sendo utilizada por alguns produtores locais para a recuperação de hastes com sintomas graves de necrose foliar...