Página 1 dos resultados de 243 itens digitais encontrados em 0.001 segundos

Demografia e fenologia reprodutiva de Butia capitata (Mart.) Becc. (Arecaceae) em Arambaré, Rio Grande do Sul; Demography and reproductive phenology of Butia Capitata (Mart.) Becc. (Arecaceae) in Arambaré county, Rio Grande Do Sul

Azambuja, Augusto Cruz de
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Dissertação Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
56.98%
Considerando o uso de Butia capitata (Mart.) Becc. pela fauna da restinga e populações humanas e o fato das restingas serem ambientes extremamente ameaçados pela especulação imobiliária e intensa pressão da silvicultura e agropecuária, este estudo teve como objetivos caracterizar a demografia de Butia capitata, a regeneração natural, fenologia reprodutiva e correlacioná-la à variáveis climáticas, além de conhecer o potencial produtivo e reprodutivo da população. A estrutura demográfica foi levantada em quatro parcelas de 2500 m², onde foram registradas todas as plantas com folhas segmentadas, a regeneração natural foi amostrada em 2000 unidades amostrais (1m²) contidas em 40 subparcelas. Os indivíduos amostrados foram classificados por estádios de desenvolvimento. A estrutura demográfica em 1 ha configurou-se na forma de "J" invertido, com 2910 plântulas, 174 jovens, 26 imaturos, 76 adultos reprodutivos I, 52 adultos reprodutivos II e 19 adultos reprodutivos III. A regeneração natural (plântulas e jovens) foi correlacionada à distância da planta reprodutiva mais próxima através de três classes e a associação ou não com plantas lenhosas (ANOVA). Demonstrando diferenças estatísticas significativas (P<0...

Fenologia reprodutiva em campo sujo e campo úmido numa área de Cerrado no sudeste do Brasil, Itirapina - SP

Tannus, João L. S.; Assis, Marco A.; Morellato, L.Patrícia C.
Fonte: Instituto Virtual da Biodiversidade (BIOTA/FAPESP) Publicador: Instituto Virtual da Biodiversidade (BIOTA/FAPESP)
Tipo: Artigo de Revista Científica
POR
Relevância na Pesquisa
46.8%
Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq); As espécies vegetais do Cerrado apresentam variações periódicas nos padrões de crescimento e reprodução, fortemente relacionadas com a sazonalidade climática. Este estudo teve como objetivo analisar, de forma comparativa, a fenologia reprodutiva (floração e frutificação) das espécies em campo sujo e campo úmido numa área de Cerrado na região sudeste do Brasil (Itirapina, SP), procurando responder às questões: (i) as espécies em campo sujo e campo úmido florescem e frutificam de maneira sazonal? (ii) os padrões reprodutivos em cada fisionomia são semelhantes para diferentes classes de hábito? (iii) as fisionomias variam quanto às proporções de espécies por modos de dispersão de sementes? (iv) as fisionomias variam quanto aos padrões de frutificação de acordo com os modos de dispersão de sementes? (v) a fenologia reprodutiva das espécies de acordo com a fisionomia, hábito e modo de dispersão correlaciona-se com a sazonalidade climática? Foram analisadas exsicatas depositadas no acervo do Herbário do Instituto de Biociências de Rio Claro, Universidade Estadual Paulista - UNESP relativas ao período de 1983 a 2005. As espécies foram classificadas quanto ao hábito (arbustivo-arbóreas e herbáceo-subarbustivas) e modo de dispersão (anemo...

Influência da abertura de trilhas antrópicas e clareiras naturais na fenologia reprodutiva de Gymnanthes concolor (Spreng.) Müll. Arg. (Euphorbiaceae)

Alberti, Luis Fernando; Morellato, L. Patrícia C.
Fonte: Sociedade Botânica de São Paulo Publicador: Sociedade Botânica de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: 53-59
POR
Relevância na Pesquisa
56.81%
Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP); Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq); Investigamos se no interior de uma floresta estacional semidecidual em Santa Maria, RS, uma trilha clara diferiu de um caminho escuro (trilha escura) quanto à luz incidente e à fenologia reprodutiva de G. concolor e se a abertura de clareiras em 2002 afetou a luz incidente e a fenologia dessa espécie em 2003. Procuramos responder: (a) As trilhas clara e escura diferem quanto à luz incidente na copa das árvores e ao número de inflorescências masculinas, flores femininas, frutos e tamanho de frutos (variáveis fenológicas)? (b) Houve relação entre a luz incidente na copa das árvores e as variáveis fenológicas? (c) em cada trilha, indivíduos vizinhos e não vizinhos às clareiras diferem quanto à variação interanual da luz incidente e das variáveis fenológicas devido à abertura de clareiras? em 2002, a luz incidente foi significativamente maior sobre as copas dos indivíduos da trilha clara, mas as trilhas não diferiram significativamente quanto às variáveis fenológicas. em 2003, os indivíduos na trilha clara não diferiram significativamente daqueles na trilha escura quanto à luz incidente e às variáveis fenológicas. Portanto...

Effects of environmental conditions associated to the cardinal orientation on the reproductive phenology of the cerrado savanna tree Xylopia aromatica (Annonaceae)

Camargo, Maria Gabriela G.; Souza, Regina M.; Reys, Paula; Morellato, Leonor P.C.
Fonte: Academia Brasileira de Ciências Publicador: Academia Brasileira de Ciências
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: 1007-1020
ENG
Relevância na Pesquisa
46.87%
Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP); Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq); Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES); Processo FAPESP: 05/57740-0; Processo FAPESP: 07/59779-6; O cerrado brasileiro vem sofrendo um processo intenso de fragmentação, que levou ao aumento de remanescentes sujeitos aos efeitos de borda e a alterações nas condições ambientais que podem afetar a fenologia das plantas. O objetivo deste trabalho foi verificar se a fenologia reprodutiva de Xylopia aromatica (Lam.) Mart. (Annonaceae) difere sob diferentes condições de luz em um cerrado sensu stricto no sudeste do Brasil. Comparamos a fenologia reprodutiva de árvores de X. aromatica distribuídas nas faces leste e sul do cerrado, observadas mensalmente de janeiro de 2005 a dezembro de 2008. A face leste apresentou maior incidência de luz, temperaturas e aberturas do dossel em relação à face sul. X. aromatica apresentou reprodução sazonal em ambas as faces do cerrado, mas a porcentagem de indivíduos, sincronia e duração das fenofases foram maiores na face leste. O estudo demonstrou a influência das condições ambientais associadas à orientação cardeal das faces do cerrado no padrão fenológico de X. aromatica. Respostas similares poderão ser observadas em outras espécies de cerrado...

Fenologia reprodutiva e produção de sementes em Araucaria angustifolia (Bert.) O. Kuntze

Mantovani, Adelar; Morellato, L. Patrícia C.; Reis, Maurício S. dos
Fonte: Sociedade Botânica de São Paulo Publicador: Sociedade Botânica de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: 787-796
POR
Relevância na Pesquisa
67.03%
Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP); Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq); Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES); O estudo da fenologia reprodutiva de A. angustifolia tem aplicação na coleta de sementes destinadas à conservação de germoplasma, à obtenção de sementes para fins comerciais e ao entendimento da dinâmica de regeneração das populações naturais. Este trabalho teve como objetivo investigar a fenologia reprodutiva em uma população natural de A. angustifolia localizada no Parque Estadual Campos do Jordão, SP, procurando entender: (i) Qual é o seu ciclo reprodutivo e o comportamento fenológico? (ii) Como varia e qual o potencial de produção de sementes desta espécie? Para o acompanhamento da fenologia reprodutiva foram marcados 60 indivíduos (30 masculinos e 30 femininos), observados de novembro de1999 a agosto de 2002. A produção de sementes foi estimada com base na contagem do número de plantas femininas, número de estróbilos por planta, número de sementes por estróbilo e peso de sementes. O ciclo reprodutivo da A. angustifolia foi de 20 a 24 meses, do aparecimento dos estróbilos até a queda das sementes. A polinização ocorreu entre setembro e outubro e a maturação e queda das sementes de março a junho. A produção de sementes mostrou diferença significativa entre os anos (117 kg.ha-1 em 2001 e 160 kg.ha-1 em 2002) e a duração da oferta foi distinta entre anos. As variações na quantidade e duração da oferta de sementes sugerem que observações do comportamento reprodutivo são indispensáveis para a conservação e manejo adequado deste recurso.; The knowledge about the reproductive phenology of Araucaria angustifolia has applications to the seed harvest for ex situ conservation...

Bases para o manejo sustentável de populações silvestres de Heliconia velloziana Emygdio

Souza, Saulo Eduardo Xavier Franco de
Fonte: Universidade Estadual Paulista (UNESP) Publicador: Universidade Estadual Paulista (UNESP)
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: vii, 82 p. : il. color., gráfs., tabs.
POR
Relevância na Pesquisa
46.87%
Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES); Pós-graduação em Ciência Florestal - FCA; Muitos estudos têm estimado limites de colheita de produtos florestais não-madeireiros (PFNMs) baseados em dados demográficos das espécies fontes. Heliconia velloziana Emygdio (Zingiberales: Heliconiaceae) é utilizada como flor de corte e no paisagismo, e já foi alvo do extrativismo na comunidade rural na região do estudo (Distrito de Taiaçupeba, Mogi das Cruzes, SP). Nosso objetivo geral foi fornecer bases para a elaboração de planos de manejo sustentável para populações silvestres de Heliconia velloziana, através de: avaliação do conhecimento etnobotânico sobre H. velloziana; análise de sua fenologia reprodutiva em relação as variáveis climáticas; avaliação do rendimento e dos efeitos ecológicos do extrativismo sobre taxas vitais de populações silvestres da espécie alvo em diferentes micro-hábitats. Objetivou-se também verificar o potencial para manejo sustentável da espécie e sugerir um regime de rendimento sustentado específico. Para acessar o conhecimento local sobre H. velloziana, foram realizadas entrevistas informais e semiestruturadas, além de observação participante. Os efeitos ecológicos da colheita experimental sobre taxas vitais e a fenologia reprodutiva foram avaliados através de amostragem aleatória estratificada...

Estrutura demográfica e fenologia reprodutiva de Cereus Hildmannianus K. Schum. (Cactaceae), em uma restinga arbustiva do município de Jaguaruna, Santa Catarina

Pereira, Jader Lima
Fonte: Universidade Federal de Santa Catarina Publicador: Universidade Federal de Santa Catarina
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: 61 f.| il., grafs., tabs.
POR
Relevância na Pesquisa
56.95%
Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências Biológicas, Programa de Pós-graduação em Biologia Vegetal, Florianópolis, 2009; (Estrutura demográfica e fenologia reprodutiva de Cereus hildmannianus K. Schum. (cactaceae), em uma restinga arbustiva do municipio de Jaguaruna, Santa Catarina). A família Cactaceae caracteriza-se por apresentar gêneros endêmicos do continente americano, distribuindo-se, principalmente, em ambientes áridos e semi-áridos. Porém, não se restringem apenas a estes ambientes, podendo ser encontradas habitando diferentes ecossistemas desde o nível do mar até mais de 5000 metros de altitude, do Canadá até a Argentina. A espécie de estudo, Cereus hildmannianus K. Schum., caracteriza-se por apresentar ampla distribuição, estendendo-se desde o sudeste do Brasil até o Rio Grande do Sul, ocupando os mais diferentes habitats, desde o litoral, onde ocupa ambientes como a restinga, até os planaltos. Além disso, a espécie pode ser encontrada difundida em florestas semi-úmidas e úmidas, subtropicais e tropicais do planalto leste do Chaco no sudeste da América do Sul. O presente trabalho tem como objetivo principal avaliar a distribuição espacial e a fenologia reprodutiva de Cereus hildmannianus em uma restinga arbustiva. Para tanto...

Fenologia reprodutiva de espécies arbóreas em uma formação secundária da floresta Atlântica

Mantovani,Marcelo; Ruschel,Ademir Roberto; Reis,Maurício Sedrez dos; Puchalski,Ângelo; Nodari,Rubens Onofre
Fonte: Sociedade de Investigações Florestais Publicador: Sociedade de Investigações Florestais
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/08/2003 PT
Relevância na Pesquisa
46.8%
Os estudos sobre fenologia reprodutiva das espécies arbóreas geram conhecimentos que são necessários para definição de estratégias de conservação e manejo florestal. Assim, o presente trabalho teve como objetivo a caracterização da fenologia reprodutiva de espécies para produção de madeira ou lenha em formações secundárias da Floresta Ombrófila Densa. Entre junho de 1998 e julho de 1999, foram avaliados os períodos de floração e frutificação de no mínimo 5 até 41 plantas arbóreas reprodutivas, pertencentes a 19 espécies, em uma área localizada no município de São Pedro de Alcântara, Santa Catarina. As observações fenológicas (floração e frutificação) foram realizadas a cada 15 dias. A proporção de plantas que floresceu e frutificou variou de 5,5 a 80,0% (média de 28,4%), dependendo da espécie. Também, existem diferenças entre espécies em relação ao DAP mínimo para floração, que variou de 5,6 a 21,5 cm. A floração da maior parte das espécies ocorreu no período de outubro a janeiro. A frutificação concentrou-se nos meses de janeiro a março. Além destes fatores, as fenofases reprodutivas também são dependentes do ambiente onde se desenvolvem, razão pela qual muitas espécies estudadas apresentaram períodos reprodutivos diferentes daqueles mencionados para outras regiões. Os resultados deste trabalho reforçam a necessidade de estudos específicos para elaboração de planos de manejo florestal com espécies madeireiras nativas...

Fenologia reprodutiva e produção de sementes em Araucaria angustifolia (Bert.) O. Kuntze

Mantovani,Adelar; Morellato,L. Patrícia C.; Reis,Maurício S. dos
Fonte: Sociedade Botânica de São Paulo Publicador: Sociedade Botânica de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/10/2004 PT
Relevância na Pesquisa
67.03%
O estudo da fenologia reprodutiva de A. angustifolia tem aplicação na coleta de sementes destinadas à conservação de germoplasma, à obtenção de sementes para fins comerciais e ao entendimento da dinâmica de regeneração das populações naturais. Este trabalho teve como objetivo investigar a fenologia reprodutiva em uma população natural de A. angustifolia localizada no Parque Estadual Campos do Jordão, SP, procurando entender: (i) Qual é o seu ciclo reprodutivo e o comportamento fenológico? (ii) Como varia e qual o potencial de produção de sementes desta espécie? Para o acompanhamento da fenologia reprodutiva foram marcados 60 indivíduos (30 masculinos e 30 femininos), observados de novembro de1999 a agosto de 2002. A produção de sementes foi estimada com base na contagem do número de plantas femininas, número de estróbilos por planta, número de sementes por estróbilo e peso de sementes. O ciclo reprodutivo da A. angustifolia foi de 20 a 24 meses, do aparecimento dos estróbilos até a queda das sementes. A polinização ocorreu entre setembro e outubro e a maturação e queda das sementes de março a junho. A produção de sementes mostrou diferença significativa entre os anos (117 kg.ha-1 em 2001 e 160 kg.ha-1 em 2002) e a duração da oferta foi distinta entre anos. As variações na quantidade e duração da oferta de sementes sugerem que observações do comportamento reprodutivo são indispensáveis para a conservação e manejo adequado deste recurso.

Influência da abertura de trilhas antrópicas e clareiras naturais na fenologia reprodutiva de Gymnanthes concolor (Spreng.) Müll. Arg. (Euphorbiaceae)

Alberti,Luis Fernando; Morellato,L. Patrícia C.
Fonte: Sociedade Botânica de São Paulo Publicador: Sociedade Botânica de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/03/2008 PT
Relevância na Pesquisa
56.81%
Investigamos se no interior de uma floresta estacional semidecidual em Santa Maria, RS, uma trilha clara diferiu de um caminho escuro (trilha escura) quanto à luz incidente e à fenologia reprodutiva de G. concolor e se a abertura de clareiras em 2002 afetou a luz incidente e a fenologia dessa espécie em 2003. Procuramos responder: (a) As trilhas clara e escura diferem quanto à luz incidente na copa das árvores e ao número de inflorescências masculinas, flores femininas, frutos e tamanho de frutos (variáveis fenológicas)? (b) Houve relação entre a luz incidente na copa das árvores e as variáveis fenológicas? (c) Em cada trilha, indivíduos vizinhos e não vizinhos às clareiras diferem quanto à variação interanual da luz incidente e das variáveis fenológicas devido à abertura de clareiras? Em 2002, a luz incidente foi significativamente maior sobre as copas dos indivíduos da trilha clara, mas as trilhas não diferiram significativamente quanto às variáveis fenológicas. Em 2003, os indivíduos na trilha clara não diferiram significativamente daqueles na trilha escura quanto à luz incidente e às variáveis fenológicas. Portanto, a luz incidente na trilha clara não promoveu uma mudança fenológica significativa...

Fenologia reprodutiva e sistema de polinização de Ziziphus joazeiro Mart. (Rhamnaceae): atuação de Apis mellifera e de visitantes florais autóctones como polinizadores

Nadia,Tarcila de Lima; Machado,Isabel Cristina; Lopes,Ariadna Valentina
Fonte: Sociedade Botânica do Brasil Publicador: Sociedade Botânica do Brasil
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2007 PT
Relevância na Pesquisa
46.86%
(Fenologia reprodutiva e sistema de polinização de Ziziphus joazeiro Mart. (Rhamnaceae): atuação de Apis mellifera e de visitantes florais autóctones como polinizadores). Ziziphus joazeiro é uma espécie endêmica da Caatinga, com grande utilidade econômica, cuja biologia reprodutiva é pouco conhecida. Este estudo aborda a fenologia reprodutiva, a biologia floral e o sistema de polinização de Ziziphus joazeiro no Cariri Paraibano, Nordeste do Brasil. Os períodos de floração e de frutificação ocorreram no fim da estação seca e início da chuvosa, com picos nos meses de dezembro (floração) e fevereiro (frutificação). As flores são do tipo disco, esverdeadas, duram cerca de 12 horas e possuem disco nectarífero largo e amarelo, o qual circunda o gineceu. Ocorre protandria associada a outro tipo de dicogamia, a heterodicogamia. Ziziphus joazeiro produz néctar em pequena quantidade (1 µl), com alta concentração de açúcares (75%). Os visitantes florais observados foram vespas, abelhas e moscas. Apis mellifera apresentou maior freqüência de visitas (77,5%), seguida pelo grupo das vespas (20,4%), ambos considerados polinizadores efetivos. As moscas e as outras espécies de abelhas apresentaram baixo percentual de visitas (2...

Fenologia reprodutiva de população de clones de castanha-da-Amazônia (Bertholletia excelsa) na Fazenda Aruanã, Itacoatiara - AM.

GOMES, I. C.; SOUSA, S. G. A. de; GARCIA, L. C.; CAMPOS, L. DA S.
Fonte: In: CONGRESSO NACIONAL DE BOTÂNICA, 61., 2010, Manaus. Diversidade vegetal brasileira: conhecimento, conservação e uso. Manaus: SBB, 2010. 1 CD-ROM. Publicador: In: CONGRESSO NACIONAL DE BOTÂNICA, 61., 2010, Manaus. Diversidade vegetal brasileira: conhecimento, conservação e uso. Manaus: SBB, 2010. 1 CD-ROM.
Tipo: Resumo em anais de congresso (ALICE)
PT_BR
Relevância na Pesquisa
56.69%
O presente trabalho teve como objetivo acompanhar a fenologia reprodutiva de B. excelsa de três matrizes clonais.; 2010

Fenologia reprodutiva do angelim-pedra (Dinizia excelsa Ducke), para obtenção de sementes na Amazônia Ocidental.

GARCIA, L. C.; LIMA, D. de; AZEVEDO, C. P. de.
Fonte: Revista da Universidade do Amazonas. Serie: Ciencias Agrarias, Manaus, v.4/5, n.1/2, p.71-78, jan./dez. 1995/1996. Publicador: Revista da Universidade do Amazonas. Serie: Ciencias Agrarias, Manaus, v.4/5, n.1/2, p.71-78, jan./dez. 1995/1996.
Tipo: Artigo em periódico indexado (ALICE)
PT_BR
Relevância na Pesquisa
56.69%
Estudos sobre o conhecimento da fenologia reprodutiva de uma determinada especie florestal sao imprescindiveis quando se tem como objetivo a coleta de sementes, visando tanto a quantidade como a qualidade do material coletado. A especie estudada esta localizada em area de floresta primaria, ecossistema de terra firme, pertencente a EMBRAPA/CPAA, situada no km 25 da Rodovia AM-010. o angelim-pedra (Dinizia excelsa Ducke) e uma essencia florestal da familia Mimosaceae, de grande importancia, destacando-se no estrato superior da mata. o acompanhamento fenologico foi feito mensalmente, durante o primeiro ano, em oito matrizes porta-sementes de angelim-pedra, previamente identificadas e selecionadas. A selecao atendeu a criterios morfologicos, como: forma do fuste, conformacao da copa e diametro da altura do peito (DAP). Das arvores selecionadas sete frutificaram no primeiro ano de observacao. A dispersao dos frutos/sementes ocorreu nos meses de junho a agosto. As sementes do angelim-pedra sao dispersadas pelo vento, sendo que as vagens caem a uma distancia media de 20m da arvore matriz.; 1996

Fenologia, biologia da polinização e da reprodução de Pilosocereus byles & rowley (Cactaceae) no nordeste do Brasil

Antonio Rocma Melo de Lucena, Emerson; Cristina Sobreira Machado, Isabel (Orientador)
Fonte: Universidade Federal de Pernambuco Publicador: Universidade Federal de Pernambuco
Tipo: Outros
PT_BR
Relevância na Pesquisa
46.81%
As flores de Cactaceae apresentam um variado conjunto de características, como: cor, forma, tamanho, odor, horário de antese e disposição dos órgãos reprodutivos, refletido num amplo espectro de biótipos florais: melitofilia, ornitofilia, esfingofilia e quiropterofilia, sendo a família inteiramente zoófila. No que diz respeito às suas espécies quiropterófilas, o gênero Pilosocereus é um dos mais representativos e importantes na Caatinga. Entretanto, poucos são os estudos de biologia floral e fenologia para espécies de Cactaceae que ocorrem em áreas de Caatinga, apesar deste ser o único bioma exclusivamente brasileiro. O presente trabalho traz informações sobre a biologia floral e reprodutiva de cinco espécies de Pilosocereus, todas endêmicas de Caatinga, com exceção de P. catingicola ssp. salvadorensis, incluindo uma revisão bibliográfica sobre a fenologia, a polinização e sistema reprodutivo de outras 70 espécies de Cactaceae em diversos países. Além disso, esta tese analisa a fenologia reprodutiva de oito espécies de Cactaceae com flores de antese noturna em duas áreas de Caatinga. As cinco espécies de Pilosocereus analisadas apresentaram padrão de floração contínuo, com picos entre dezembro e maio (estação chuvosa)...

Fenologia reprodutiva e distribuição espacial de Oeceoclades maculata (Lindl.) Lindl. (Orchidaceae) em Cerrado do município de Mogi Guaçu, São Paulo, Brasil

Souza-Leal, Thiago de; Pedroso-de-Moraes, Cristiano
Fonte: Fundacao Zoobotanica Rio Grande Sul, Museu Ciencias Naturais Publicador: Fundacao Zoobotanica Rio Grande Sul, Museu Ciencias Naturais
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: 405-416
POR
Relevância na Pesquisa
46.87%
Oeceoclades aculate (Lindl.) Lindl., an invasive orchid, was analyzed as to its reproductive phenology and spatial distribution, correlation between abundance of mature and immature individuals, and verifying these with microclimate patterns in the Cerrado (savanna-like vegetation) of Mogi Guacu, Sao Paulo State, Brazil. For the reproductive phenology 100 plants were followed and the distribution pattern was identified by the Morisita Index (MI) and the Variance Ratio/Average (R) in 20 plots of 20x10m, reduced to 10x10m afterwards. The phenology presented seasonality, with flowering from November to February, fructification from February to June, and dehiscence from June to July. Mature and immature individuals aggregated and correlated to each other, indicating dependence between the ontogenetic stages. The luminosity was the preponderant microclimatic factor in the allocation of plants. Seasonal climatic changes and intensity of anthropogenic disturbances seem to be more important for the establishment of the species than microclimate.; Oeceoclades maculata (Lindl.) Lindl. uma orquídea invasora, foi analisada quanto a sua fenologia reprodutiva e distribuição espacial, e teve verifi cada a correlação entre as abundâncias de indivíduos maturos e imaturos e destes com padrões microclimáticos em área de Cerrado de Mogi Guaçu...

Autoecologia de Baccharis platypoda DC. (Asteraceae): distribuição espacial, fenologia e herbivoria

Fonseca, Darliana da Costa
Fonte: UFVJM Publicador: UFVJM
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
46.98%
ABSTRACT This study has as its main goal the understanding of some parameters on the natural history of the Baccharis platypoda species, a unisexual bush belonging to the Asteraceae subdivision, in which both male and female single organisms present sexual dimorphism inhabiting in rupestrian field areas, fields and woodland ciliary edges. In order to have a better understanding on some issues of its auto ecology, spatial, phenology, and ecological interactions between the species, endophage insects have been analyszed. This study took place in three areas belonging to UFVJM - Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri, situated at the JK Campus, by the Soberbo Stream. The area is composed of a miscellany vegetation with the prevalence of protruding rocks and wet fields. Ten B. platypoda organisms were selected from each one of these areas, five from each gender. During one year from september, 2010 to september, 2011 biweekly inspections for the watch of phenological stages were made. During this period of time, biweekly chapters for the production of endophage insects were gathered in cotton sealed containers preserved in alcohol after emergence. The chapters were dissected for the analysis of possible floral composition damages. For the spatial distribution study all the organisms were found through the use of X and Y reference point of each plant with height of 30 cm or over...

Fenologia reprodutiva e disponibilidade de frutos de espécies arbóreas em mata ciliar no rio Formoso, Mato Grosso do Sul

Reys,Paula; Galetti,Mauro; Morellato,L. Patrícia C.; Sabino,José
Fonte: Instituto Virtual da Biodiversidade | BIOTA - FAPESP Publicador: Instituto Virtual da Biodiversidade | BIOTA - FAPESP
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/2005 PT
Relevância na Pesquisa
56.69%
Estudos fenológicos são importantes para o entendimento da dinâmica dos ecossistemas florestais, principalmente quando avaliam a disponibilidade de frutos para a fauna. As matas ciliares são formações vegetais que ocorrem ao longo dos cursos d'água e desempenham papel importante na formação dos corredores de fluxo gênico, podendo interligar populações vegetais que foram separadas pelo processo de fragmentação. O presente trabalho procurou entender como varia a fenologia reprodutiva e a disponibilidade de frutos de espécies arbóreas em mata ciliar do rio Formoso, município de Bonito, Mato Grosso do Sul, entre estações e ao longo de um ano. Foram feitas observações mensais em 29 espécies vegetais, 31% anemocóricas e 68,9% zoocóricas, das fenofases floração e frutificação, e estimada a produção de frutos por contagem no chão da floresta. A floração ocorreu principalmente na transição entre as estações seca e chuvosa e a frutificação na estação chuvosa e não apresentaram correlações significativas com a pluviosidade ou a temperatura, apesar do padrão sazonal. As espécies Attalea phalerata e Guibourtia hymenifolia destacaram-se pelo fornecimento de frutos para a fauna de frugívoros na estação seca...

Fenologia reprodutiva e sistemas de polinização e dispersão em formação florestal ribeirinha no Parque Estadual da Serra Furada, Orleans, SC

Cascaes, Mainara Figueiredo
Fonte: Universidade do Extremo Sul Catarinense Publicador: Universidade do Extremo Sul Catarinense
Tipo: Dissertação
PT_BR
Relevância na Pesquisa
56.69%
Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais da Universidade do Extremo Sul Catarinense como requisito para obtenção do título de Mestre.; Capítulo 1 - Estudos fenológicos auxiliam na compreensão dos ecossistemas florestais e na avaliação da disponibilidade dos recursos para fauna, melhorando o entendimento das relações entre as plantas e seus polinizadores e dispersores. O presente estudo tem por objetivo descrever as fenofases reprodutivas de floração e de frutificação das espécies vegetais, correlacioná-las com as variáveis ambientais, bem como identificar os sistemas de polinização e de dispersão em uma área de mata ciliar. O estudo foi desenvolvido em uma área de mata ciliar no Parque Estadual da Serra Furada, Orleans, SC. A fenologia reprodutiva foi analizada quinzaenalmente durante um ano, entre os meses de Novembro de 2012 a Outrubro de 2011. As fenofases foram avaliadas qualitativamente, sendo registrada a ausência ou presença da fenofase. A fenofase de floração ocorreu durante todo o ano de estudo, apresentando incremento do número de espécies nos meses de outubro, novembro e dezembro, tendo no mês de novembro o pico de floração da comunidade estudada. Estudos conduzidos em matas ciliares na abrangência do Bioma Mata Atlântica têm demonstrado um comportamento sazonal para a fenofase de floração com um incremento no número de espécies e picos de floração na transição do período mais frio para os de temperatura mais elevada...

Fenologia reprodutiva e dispersão das sementes de quatro espécies da Caatinga consederadas como ameaça de extinção.

KIILL, L. H. P.
Fonte: Informativo Abrates, Brasília, DF, v. 22, n. 3, p. 12-15, dez. 2012. Publicador: Informativo Abrates, Brasília, DF, v. 22, n. 3, p. 12-15, dez. 2012.
Tipo: Artigo em periódico indexado (ALICE)
PT_BR
Relevância na Pesquisa
66.87%
Estudos fenológicos são importantes para compreender a dinâmica dos ecossistemas, uma vez que estudam a ocorrência dos eventos biológicos repetitivos e suas causas em relação às forças seletivas bióticas e abióticas. Para a Caatinga, pouco ainda se sabe sobre a fenologia reprodutiva das plantas e suas interações com o ambiente. Aqui são apresentadas informações sobre a fenologia de Myracrodruon urundeuva, Schinopsis brasiliensis (Anacardiaceae), Sideroxylon obtusifolium (Sapotaceae) e Amburana cearensis (Leguminosae), consideradas como espécies da Caatinga ameaçadas de extinção. Os estudos foram desenvolvidos na Reserva Legal do Projeto Salitre, no distrito de Juremal, em Juazeiro-BA, em populações naturais dessas quatro espécies. Os resultados obtidos mostraram que M. urundeuva, S. brasiliensis e A. cearensis apresentaram características de plantas decíduas enquanto que S. obtusifolium, por manter uma renovação de folhas ao longo das observações, foi considerada como decídua facultativa. Quanto à floração, esta foi registrada principalmente na estação seca, época em que a maioria das plantas da Caatinga não apresenta esta fenofase, indicando que essas espécies podem ser consideradas como importante fonte de pólen e néctar para a fauna local. A frutificação é do tipo anual...

Fenologia reprodutiva de Syagrus romanzoffiana (Cham.) Glassman (Arecaceae) em Floresta Atlântica no sul do Brasil

Morelatto Begnini, Romualdo; Universidade Federal de Santa Catarina; Ribeiro da Silva, Fernanda; Universidade Federal de Santa Catarina; Tarabini Castellani, Tânia; Universidade Federal de Santa Catarina
Fonte: Universidade Federal de Santa Catarina Publicador: Universidade Federal de Santa Catarina
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Formato: application/pdf
Publicado em 05/08/2013 POR
Relevância na Pesquisa
56.74%
http://dx.doi.org/10.5007/2175-7925.2013v26n4p53Este estudo avaliou a fenologia reprodutiva de Syagrus romanzoffiana em área de vegetação secundária de Floresta Atlântica no Parque Municipal da Lagoa do Peri, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. As avaliações foram feitas a cada 30 dias, em 39 palmeiras reprodutivas, de junho de 2006 a julho de 2008. Dois eventos de floração foram registrados, um de novembro de 2006 a fevereiro de 2007 e outro de outubro de 2007 a março de 2008, com maior intensidade em dezembro de 2006 (média±dp) (0,38±0,63 inflorescências/planta) e janeiro de 2008 (0,59±0,55). A frutificação foi contínua, com frutos verdes presentes em todos os 26 meses e maior intensidade em março de 2008 (1,64±1,11 infrutescências/planta). Os frutos maduros estiveram presentes de forma descontínua, podendo ocorrer entre março e novembro, com as maiores intensidades em julho de 2006 (0,56±0,50) e em julho de 2008 (0,51±0,51). As médias mensais de inflorescências e de infrutescências maduras por planta apresentaram correlações significativas com o fotoperíodo, a precipitação e a temperatura dos meses correntes do período de estudo. Syagrus romanzoffiana apresentou variações na intensidade reprodutiva entre 2006 e 2008...