Página 1 dos resultados de 12 itens digitais encontrados em 0.001 segundos

O natural e o farmacológico: padrões de consumo terapêutico na população portuguesa

Lopes, Noémia; Clamote, Telmo; Raposo, Hélder; Pegado, Elsa; Rodrigues, Carla
Fonte: Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa Publicador: Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa
Tipo: Artigo de Revista Científica
Publicado em /11/2012 POR
Relevância na Pesquisa
16.91%
Neste artigo identificam-se os padrões de consumo terapêutico na população portuguesa, visando dar conta de um novo padrão emergente nas sociedades modernas, aqui designado de Pluralismo Terapêutico, noção com a qual se categoriza o uso conjugado ou alternado de recursos farmacológicos e naturais nas trajetórias terapêuticas dos indivíduos. O respetivo suporte empírico decorre de uma investigação, já concluída, que teve por base uma amostra nacional representativa. Os resultados mostram uma dualização dos consumos terapêuticos que é constituída por um padrão dominante de Farmacologismo – i.e., uso exclusivo de fármacos – coexistente com uma tendência crescente de pluralismo terapêutico. O efeito das fontes de informação terapêutica e dos seus usos leigos, bem como das perceções sociais de risco sobre o natural e o farmacológico, constitui neste estudo uma referência analítica central para a interpretação dos padrões encontrados. - ABSTRACT: In this article we identify patterns of therapeutic consumption, with the purpose of assessing an emerging pattern in modern societies, here designated as Therapeutic Pluralism, referring to the conjugated or alternated use of pharmacological and natural resources in the therapeutic trajectories of individuals. The empirical basis for this analysis stems from a concluded research on the topic...

Medicamentos, consumos de performance e culturas terapêuticas em mudança

Lopes, Noémia Mendes; Rodrigues, Carla F.
Fonte: Mundos Sociais, ISCTE-IUL, CIES-IUL Publicador: Mundos Sociais, ISCTE-IUL, CIES-IUL
Tipo: Artigo de Revista Científica
Publicado em /05/2015 POR
Relevância na Pesquisa
28.01%
This work is licensed under a CC BY Creative Commons Attribution 3.0 License. Please visit http://creativecommons.org/licenses/by/3.0/; "O uso de fármacos e produtos naturais para a gestão do desempenho pessoal, aqui designado consumos de performance, constitui o foco deste artigo e dá suporte a uma reflexão analítica sobre a mudança nas culturas terapêuticas. Tendo por referência a atual problemática da farmacologização, bem como o lugar do natural na expansão do uso do medicamento, demonstra-se que a farmacologização do quotidiano está a emergir noutros campos, que não exclusivamente o da saúde, dando lugar a novas lógicas de relação com estes recursos. A sustentação empírica desta abordagem tem por base os resultados de um estudo nacional sobre os consumos de performance na população jovem em Portugal."

Parafarmácias nos hipermercados em Portugal: novos territórios para novos consumos terapêuticos?

Monteiro, Paulo Jorge Esguedelhado
Fonte: Instituto Universitário de Lisboa Publicador: Instituto Universitário de Lisboa
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em 05/04/2011 POR
Relevância na Pesquisa
16.91%
Mestrado em Sociologia da Saúde e da Doença; Nas sociedades pós-modernas, o corpo emerge como um receptáculo maleável com valor simbólico, simultaneamente palco de memória e transformação, legitimando os fenómenos de protagonismo leigo, na gestão dos consumos terapêuticos. Os medicamentos, vitaminas e produtos cosméticos, têm feito a sua progressão do domínio médico, para o mercado de massas, como produtos associados ao estilo de vida. Em particular, o fenómeno da automedicação, ao corporizar um movimento centrífugo dos medicamentos, do domínio puramente pericial para um de contornos fluidos, designado por alguns autores de “Autonomias leigas” e entendido como “encorporação” com distintas plasticidades, dos conhecimentos periciais, apresenta-se como um território a justificar a investigação sociológica. A possibilidade da venda de MNSRM (Medicamentos Não Sujeitos a Receita Médica) fora das farmácias, consagrada por vias da legislação publicada em Agosto e Setembro de 2005, permitiu o surgimento de um significativo número de “Locais registados para venda de MNSRM”, vulgo Parafarmácias, integrando o retalho alimentar. Estes espaços distinguem-se das farmácias nos planos simbólico (espaço de saúde versus espaço de doença) e funcional (preços mais baixos e comodidade na compra). A parafarmácia é assim fruto de uma circunstância material...

A prescrição de antidepressivos e calmantes: um estudo de caso sobre ideologias terapêuticas na prática clínica de médicos de família e psiquiatras

Zózimo, Joana Isabel Rocha
Fonte: Instituto Universitário de Lisboa Publicador: Instituto Universitário de Lisboa
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2011 POR
Relevância na Pesquisa
17.63%
Mestrado em Sociologia da Saúde e da Doença; A depressão é apontada como uma das principais causas de adoecimento nas sociedades ocidentais, prevendo-se que, em 2020, constitua a principal causa de morbilidade nos países desenvolvidos. O aumento da incidência desta patologia é acompanhado pela larga prescrição de psicofármacos em todo o mundo, sendo que em Portugal foram o 2º subgrupo farmacoterapêutico com maiores encargos financeiros para o Serviço Nacional de Saúde (SNS), em 2009. Levantam-se então questões prementes em termos de saúde pública, da prestação de cuidados de saúde e da sustentabilidade do SNS. Assim, realizou-se um estudo de caso, com recurso a entrevistas em profundidade, da prescrição de antidepressivos e calmantes na prática clínica de médicos de família e psiquiatras, especialidades que assistem este tipo de condições e de cujos discursos emergirá uma narrativa social sobre o modo como as sociedades contemporâneas gerem o sofrimento mental comum e sobre o lugar que os médicos ocupam neste processo de gestão. É a nossa tese de que estaremos perante uma expansão do fenómeno da medicalização às dimensões psicológicas do indivíduo, através da farmacologização de situações de sofrimento mental que antes não constituíam objecto de gestão médica - como a tristeza ou o nervosismo. Esta psicomedicalização do indivíduo prender-se-á com a manutenção de ideologias terapêuticas centradas na biologização e normalização do comportamento individual...

Medicamentos, consumos de performance e culturas terapêuticas em mudança

Lopes, N.; Rodrigues, C. F.
Fonte: CIES-IUL Publicador: CIES-IUL
Tipo: Artigo de Revista Científica
Publicado em //2015 POR
Relevância na Pesquisa
28.01%
O uso de fármacos e produtos naturais para a gestão do desempenho pessoal, aqui designado consumos de performance, constitui o foco deste artigo e dá suporte a uma reflexão analítica sobre a mudança nas culturas terapêuticas. Tendo por referência a atual problemática da farmacologização, bem como o lugar do natural na expansão do uso do medicamento, demonstra-se que a farmacologização do quotidiano está a emergir noutros campos, que não exclusivamente o da saúde, dando lugar a novas lógicas de relação com estes recursos. A sustentação empírica desta abordagem tem por base os resultados de um estudo nacional sobre os consumos de performance na população jovem em Portugal.

Medicamentos, consumos de performance e culturas terapêuticas em mudança

Lopes, Noémia Mendes; Rodrigues, Carla F.
Fonte: Editora Mundos Sociais Publicador: Editora Mundos Sociais
Tipo: Artigo de Revista Científica
Publicado em 01/05/2015 POR
Relevância na Pesquisa
28.01%
O uso de fármacos e produtos naturais para a gestão do desempenho pessoal, aqui designado consumos de performance, constitui o foco deste artigo e dá suporte a uma reflexão analítica sobre a mudança nas culturas terapêuticas. Tendo por referência a atual problemática da farmacologização, bem como o lugar do natural na expansão do uso do medicamento, demonstra-se que a farmacologização do quotidiano está a emergir noutros campos, que não exclusivamente o da saúde, dando lugar a novas lógicas de relação com estes recursos. A sustentação empírica desta abordagem tem por base os resultados de um estudo nacional sobre os consumos de performance na população jovem em Portugal.; This article focuses on the use of pharmaceutical drugs and natural products to manage personal performance — i.e. the consumption of performance-enhancing substances, or what the authors refer to as performance-enhancing consumption. This in turn serves as the basis for an analytical reflection on the change in therapeutic cultures. Taking the current issue of pharmacologisation and the role of the natural in the expanding use of medicines as their points of reference, the authors show that the pharmacologisation of daily life is also emerging in fields other than just health...

Medicalização, farmacologização e imperialismo sanitário

Camargo Jr.,Kenneth Rochel de
Fonte: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz Publicador: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/05/2013 PT
Relevância na Pesquisa
16.91%

Vidas Medicalizadas: por uma Genealogia das Resistências à Farmacologização

Galindo,Dolores; Lemos,Flávia Cristina Silveira; Lee,Henrique de Oliveira; Rodrigues,Renata Vilela
Fonte: Conselho Federal de Psicologia Publicador: Conselho Federal de Psicologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2014 PT
Relevância na Pesquisa
27.63%
Este artigo visa a colocar em debate, em formato de ensaio teórico, a temática da me-dicalização e da farmacologização da existência. Discute-se a multiplicidade de acontecimentos que sustentam a medicalização e o campo de lutas no qual tais situações ocorrem e se materializam em um dispositivo de farmacologização subjetivante. Recupera-se, para tanto, aspectos da obra de Rodrigo Souza Leão que problematizam dimensões dos modos de subjetivação atuais urdidos na economia política da indústria farmacêutica e que instauram práticas de liberdade. Ao final do artigo, conclui-se que a difusão da medicalização e da farmacologização da vida é uma prática muito disseminada e, portanto, as resistências endereçadas às mesmas precisam ser ampliadas e articuladas cada vez mais com vistas a produzir efeitos na sociedade atual, de maneira a abrir brechas que façam ressoar práticas não medicalizantes em um campo de tensão de forças. Propomos que a genealogia das resistências à medicalização das existências deve ser articulada à composição de arquivos não conformistas capazes de evidenciar que...

A terceira onda sexológica: medicina sexual e farmacologização da sexualidade

Russo,Jane A.
Fonte: Centro Latino-Americano em Sexualidade e Direitos Humanos (CLAM/IMS/UERJ) Publicador: Centro Latino-Americano em Sexualidade e Direitos Humanos (CLAM/IMS/UERJ)
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/08/2013 PT
Relevância na Pesquisa
16.91%
Este artigo pretende discutir a passagem da "segunda onda sexológica", que surge em meados do século XX, para uma terceira fase representada pela Medicina Sexual, cujo surgimento data da última década do século. Analisa-se o surgimento da Medicina Sexual como parte de um processo mais amplo de "biologização" das concepções acerca do humano ao qual se concatena uma transformação importante do modo de atuação e produção da indústria farmacêutica. Dois pontos cruciais na passagem da segunda sexologia para a Medicina Sexual serão abordados: a reconfiguração médica da impotência através da construção e da difusão do diagnóstico de "disfunção erétil" e os efeitos disto para a sexualidade masculina; a mudança de foco da sexualidade feminina ou do casal para a sexualidade masculina e suas consequências. O objetivo mais amplo do artigo é apresentar e discutir a medicalização da sexualidade masculina e seu significado no que diz respeito às relações de gênero.

"Make the best woman... win" : pertubações entre os discursos psi, psicanálise e teoria queer na educação

Pestana, Germano Manoel
Fonte: Universidade Federal do Paraná Publicador: Universidade Federal do Paraná
Tipo: Dissertação Formato: 198f.; application/pdf
PORTUGUêS
Relevância na Pesquisa
16.91%
Orientadora: Profª. Drª. Maria Rita de Assis César; Dissertação (mestrado) - Universidade Federal do Paraná, Setor de Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação. Defesa: Curitiba, 17/03/2015; Inclui referências; Resumo: Este trabalho é dividido em duas partes, uma primeira de caráter analítico-discursivo; a segunda especulativa. Na primeira parte, analisamos de que maneira os discursos psi (oriundos da psicologia, da psiquiatria e da psicanálise) passaram a integrar o espaço escolar, impondo uma compreensão do sujeito aluno atravessada por verdades diagnósticas que imputam no aluno a responsabilidade por sua inadequação à instituição. Em seguida, analisamos as condições que permitiram que um sistema de diagnósticos biopsiquiátricos se estabelecesse a partir da publicação do Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders (DSM), manual que se constitui como verdade dentro do campo psi. A publicação das diferentes versões do DSM abre caminho para uma compreensão meramente orgânica do sujeito, o que culmina na farmacologização dos transtornos psíquicos, a partir da descoberta das primeiras substâncias neurolépticas. Finalizamos a parte analítico-descritiva pelo estudo do caso de um aluno apanhado na trama dos discursos psi na escola...

Medicamentos, consumos de performance e culturas terapêuticas em mudança: a process of change

Lopes,Noémia Mendes; Rodrigues,Carla F.
Fonte: Editora Mundos Sociais Publicador: Editora Mundos Sociais
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/05/2015 PT
Relevância na Pesquisa
28.01%
O uso de fármacos e produtos naturais para a gestão do desempenho pessoal, aqui designado consumos de performance, constitui o foco deste artigo e dá suporte a uma reflexão analítica sobre a mudança nas culturas terapêuticas. Tendo por referência a atual problemática da farmacologização, bem como o lugar do natural na expansão do uso do medicamento, demonstra-se que a farmacologização do quotidiano está a emergir noutros campos, que não exclusivamente o da saúde, dando lugar a novas lógicas de relação com estes recursos. A sustentação empírica desta abordagem tem por base os resultados de um estudo nacional sobre os consumos de performance na população jovem em Portugal.

Medicalização, farmacologização e imperialismo sanitário

Camargo Jr.,Kenneth Rochel de
Fonte: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz Publicador: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/05/2013 PT
Relevância na Pesquisa
16.91%