Página 1 dos resultados de 1027 itens digitais encontrados em 0.002 segundos

Estratigrafia e paleobiologia do cenomaniano-turoniano: o significado do eixo da Nazaré-Leiria-Pombal.

Tonicher, Pedro Miguel Callapez
Fonte: Universidade de Coimbra Publicador: Universidade de Coimbra
Tipo: Tese de Doutorado
POR
Relevância na Pesquisa
37.01%
A dissertação apresentada inclui o estudo estratigráfico da Formação Carbonatada, um extenso corpo sedimentar de natureza essencialmente calcária e de idade cretácica (andares Cenomaniano e Turoniano - cerca de 98 a 92 milhões de anos), que se distribui pelas regiões do Baixo Mondego e da Nazaré-Leiria-Ourém. Estas duas regiões estão separadas por um importante eixo de fracturação NE-SW (falha da Nazaré), cujo rejogo levou a que se diferenciassem vários domínios de sedimentação carbonatada marinha a Norte e a Sul. Assim, entre a Nazaré e Leiria desenvolveu-se, durante o Cenomaniano superior, um complexo de altos fundos com bioconstrucções de rudistas e/ou corais, passando a uma vasta área lagunar na região de Ourém. A Norte do eixo referido, estes domínios passavam a fácies carbonatadas e greso-carbonatadas com amonites, traduzindo um meio mais aberto às influências marinhas e limitado a oriente por planícies litorais e aluviais. O estudo estratigráfico efectuado foi acompanhado por uma revisão sistemática das faunas de amonites e inoceramídeos portuguesas, seguido de uma análise biostratigráfica, conducente ao estabelecimento de um quadro biozonal. Também os povoamentos macro-bentónicos das duas áreas foram estudados do ponto de vista paleobiológico e ecozonal (variações espaciais e temporais das numerosas associações fósseis reconhecidas...

Estratigrafia e sedimentologia da formação de Figueira da Foz: Aptiano a Cenomaniano do sector norte da Bacia Lusitânica

Dinis, Jorge Manuel Leitão
Fonte: Universidade de Coimbra Publicador: Universidade de Coimbra
Tipo: Tese de Doutorado
POR
Relevância na Pesquisa
37.01%
A instalação, para norte, da acreção oceânica ao longo da margem oeste (sectores do Tejo, Ibérico e Galiza) ocasionou a rotação anti-horária e translação para leste da Ibéria, e ainda tensão intraplaca. A exumação do manto (Berriasiano sup.) e início da acreção oceânica no sector Ibérico (Barremiano) gerou empolamento, halocinese, carsificação e intrusão de diques no sector norte da Bacia Lusitânica. As litofácies, elementos arquitecturais, paleocorrentes, dados de subsuperfície e paleontologia da Formação de Figueira da Foz permitiram a identificação de três macrossequências: - FF1 (Aptiano sup.): limitada pela descontinuidade "breakup", a progradação inicial (base do cortejo pós-rifte tardio) reflecte o empolamento do noroeste da Ibéria devido ao começo da acreção oceânica no sector da Galiza. A subsequente subida eustática com máximo no Aptiano terminal ocasiona retrogradação e "on-lap" do Membro de Calvaria (planície entrançada não confinada) e do Membro de Famalicão, uma planície fluvial a deltaica ligada a uma plataforma mista. - FF2 (Albiano): correlaciona-se a base do ciclo, a máxima progradação do Membro de Salgueira, com o início da acreção oceânica no Golfo da Biscaia. Aquele sistema entrançado a divagante passa lateral e superiormente ao Membro de Gondemaria (rios arenosos divagantes) e distalmente ao Membro de Faneca...

O Toarciano da bacia Lusitaniana : estratigrafia e evolução sedimentogenética

Duarte, Luís Vítor da Fonseca Pinto
Fonte: Universidade de Coimbra Publicador: Universidade de Coimbra
Tipo: Tese de Doutorado
POR
Relevância na Pesquisa
37.01%
O Toarciano na Bacia Lusitaniana mostra uma sedimentação predominantemente margo-calária. No contexo do seu 1º ciclo sedimentar - Triásico médio (?) - Caloviano superior - a série organiza-se em duas grandes megassequências (E1 e E2), separadas por uma descontinuidade regional de natureza tectónica. E1 e E2, cuja expressão métrica é muito variável no interior da Bacia, mostram arranjos mesossequenciais que são visíveis em todos os sectores da Bacia, embora ressaltem Tomar e Peniche como regiões particulares em termos sedimentares e importantes na reconstituição paleogeográfica. A análise de fácies e a tipologia sequencial das unidades permite concluir que a sedimentação durante o Toarciano se tenha desenvolvido numa rampa carbonatada de baixo gradiente topográfico (homoclinal), inclinada para Oeste e controlada por uma tectónica meridional e de NE-SW. No bordo Ocidental da Bacia desenvolvem-se, por acção do soerguimento do "maciço das Berlengas", cones submarinos, modelo de sedimentação responsável pela deposição de calcários oolíticos ressedimentados e de sedimentos terrígenos na região de Peniche. E1 (MST1) traduz uma fase de aprofundamento na sedimentação, que se segue à fase regressiva dos calcários do topo do Plienabaquiano. O topo está delimitado por uma descontinuidade (DT2) que é traduzida...

Estratigrafia e sedimentologia dos depósitos do cretácio superior e terciário de Portugal Central, a leste de Coimbra

Cunha, Pedro Manuel Rodrigues Roque Proença e
Fonte: Universidade de Coimbra Publicador: Universidade de Coimbra
Tipo: Tese de Doutorado
POR
Relevância na Pesquisa
37.01%
Começa-se por fazer o enquadramento geográfico, geomorfológico e geológico de Portugal Central e referem-se os métodos, de observação e analíticos, utilizados. Depois descrevem-se e interpretam-se os dados resultantes das observações realizadas, respectivamente, nos sedimentos cretácicos e/ou terciários da região de Castelo Branco e da região a leste de Coimbra. Referem-se os trabalhos realizados anteriormente, definem-se as unidades litostratigráficas regionais (precisando os seus limites, conteúdo, geometria e repartição geográfica), identificam-se as descontinuidades sedimentares regionais, descrevem-se os perfis estratigráficos estudados e apresenta-se a caracterização e interpretação sedimentológica de cada unidade litostratigráfica (evidenciando as variações verticais e laterais de fácies, analisando as modificações induzidas pela diagénese, discutindo as várias escalas de ciclicidade dos depósitos em termos dos mecanismos operantes, interpretando as arquitecturas dos enchimentos sedimentares, reconstituindo os sistemas deposicionais e a paleogeografia). Os resultados obtidos possibilitam um incremento futuro na cartografia destes depósitos e um melhor conhecimento da localização e do potencial económico dos recursos regionais; de salientar a identificação e caracterização das argilas utilizáveis para fins cerâmicos (barro vermelho) e das argilas especiais (nomeadamente as ricas em caulinite...

Estratigrafia e Evolução Geológica da Parte Oriental da Bacia Bauru (Ks, Brasil); Stratigraphy and Geological Evolution of the Bauru Basin East Part (uK, BRAZIL).

Fernandes, Luiz Alberto
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 06/07/1998 PT
Relevância na Pesquisa
37.01%
A Bacia Bauru formou-se no Cretáceo Superior (Coniaciano-Maastrichtiano), por subsidência termo-mecânica, na parte centro-sul da Plataforma Sul-Americana. Esta bacia, continental interior, acumulou uma seqüência sedimentar essencialmente arenosa (atualmente com espessura máxima de quase 300 m), que ocorre em área de cerca 370.000 km². Tem por substrato rochas vulcânicas da Fm. Serra Geral (Ki), sobretudo basaltos, da qual é separada por superfície erosiva regional. A área investigada corresponde à parte oriental da Bacia Bauru (oeste de São Paulo, Triângulo Mineiro e noroeste do Paraná), situada entre as coordenadas 18° S e 25° S; e 47° W e 55° W, com cerca de 180.000 km². O presente estudo discute a estratigrafia e a evolução sedimentar daquela área, mediante análise de sistemas deposicionais - baseada em levantamentos de campo - e ensaios com amostras em laboratório (microscopia óptica, microscopia eletrônica de varredura com EDS, e difração de raios X). Segundo a distribuição das associações de fácies e suas relações encontradas é proposta uma revisão estratigráfica para a parte oriental da Bacia Bauru. Nesta área, a seqüência neocretácea foi dividida em dois grupos parcialmente cronocorrelatos: Caiuá (formações Rio Paraná...

Estratigrafia do subgrupo Itararé no centro e sul do estado de São Paulo; Not available.

Saad, Antonio Roberto
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 19/07/1977 PT
Relevância na Pesquisa
37.01%
A presente dissertação conta os resultados preliminares de um projeto global, que visa o estudo da estratigrafia da faixa oriental de afloramento do Grupo Tubarão em especial do Subgrupo Itararé, tendo por base o levantamento sistemático de perfis estratigráficos, aproximadamente, perpendiculares à faixa de afloramentos, ao longo de todas as estradas disponíveis que cruzam a extensa faixa sedimentar. As áreas inicialmente estudadas referem-se às partes centro e sul do Estado de São Paulo, por consituírem as regiões clássicas e mais significastivas de Itararé, tanto em termos de espessura como, no que tange, a complexidade de sua história sedimentar. Os perfis examinados, em número de oito, foram, posteriormente, transformados em seções colunares, sendo correlacionados entre si tanto litologicamente, como bioestratigraficamente. O datum utilizado, para a correlação, o único disponível no âmbito da pesquisa realizada, foi a base da Formação Tatuí. O exame do painel litoestratigráfico, resultante, permitiu reconhecer a existencia de cinco conjuntos de litologias no Grupo Tubarão. Esta subdivisão derivou da análise da distribuição, tanto na vertical como na horizontal, das litologias clásticas finas (arenitos finos...

Estratigrafia da Formação Bauru na região do Baixo Tietê; Not available.

Brandt Neto, Max
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 30/12/1977 PT
Relevância na Pesquisa
37.01%
A região estudada abrange as folhas topográficas em escala 1:50 000 editadas pelo IGG e IBGE, correspondentes a Araçatuba, Birigui, Buritama, Gastão Vidigal, Major Prado, Penápolis e parte das folhas de Avanhandava, Macaubal e Planalto. O presente trabalho comportou mapeamento por fotográfias aéreas associado a estudoscomplementares de campo como levantamento de perfis geológicos, coleta de amostras de superfície e subsuperfície para estudos granulométricos e da mineralogia da fração pesada. A subdivisão da Formação Bauru em três unidades, já tentada anteriormente é aquiretomada, tendo por base sua posição espacial, estruturas sedimentares, litologia e estudos sedimentológicos. Dessas três unidades, duas ocorrem na área. A estratigrafia proposta abrange: a) Membro Inferior - Litofácies de Arenitos Vermelhos; - Litofácies Síltica; b) Membro Médio - Litofácies de Arenitos com Estruturas Sedimentares de Canal; - Litofácies de Arenitos Maciços; c) Membro Superior (não ocorre na área) - Arenitos dotados de abundantes nódulos carbonáticos. São ainda apresentados a caracterização granulométrica dos sedimentos, suas prováveis áreas fontes e ambientes de sedimentação.; Not available.

Estratigrafia de seqüências : uso da icnologia, dos argilominerais e da geoquímica em rochas de idade permiana na Bacia do Paraná, Região de Lauro Müller (SC), Brasil

Teixeira, Antonio Bernardo Rebelo
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Dissertação Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
37.01%
A Icnologia, os Argilominerais e a Geoquímica foram integradas aos estudos de Associação Faciológica com objetivo de testá-las como ferramentas auxiliares na caracterização de Seqüências Deposicionais, segundo os conceitos da Estratigrafia de Seqüências (sentido Exxon). Para isso, foi selecionado o intervalo estratigráfico, compreendido do Sakmariano ao Kunguriano (Permiano), correspondente às formações Rio do Sul, Rio Bonito e base da Formação Palermo. A área de estudo está situada na borda leste da Bacia do Paraná, nos municípios de Orleans e Lauro Müller, região sul do estado de Santa Catarina. Como metodologia de trabalho, foi selecionado um arcabouço estratigráfico considerando uma hierarquia de eventos de 3a e 4a ordem, inseridos em um evento de 2a ordem, correspondente a uma superseqüência. Para isso, foram selecionados dez afloramentos, e os poços PB-18 e PB-20, com testemunhos, totalizando 500 m. Foram interpretadas seis associações faciológicas, representadas, da base para o topo, por rochas glácio-marinha, plataforma marinha dominada por ondas com estrutura “hummocky”, arenito de “shoreface” médio/superior, bioturbados, pelitos marinho/marinhos marginais, flúvio-estuarino e ilha de barreira/laguna. Admitiu-se ainda a formação de vales incisos para as região de Lauro Müller e para a área do poço RL-6...

Análise estratigráfica dos sedimentos eo/mesodevonianos da porção ocidental da Bacia do Amazonas sob a ótica da estratigrafia de seqüências no interior cratônico

Cunha, Paulo Roberto da Cruz
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Dissertação Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
37.27%
O trabalho foi desenvolvido com a finalidade de verificação da aplicabilidade dos conceitos da moderna Estratigrafia de Seqüências no interior cratônico e a possibilidade do refinamento cronoestratigráfico da seção eo/mesodevoniana da Bacia do Amazonas. O autor utilizou as seguintes ferramentas disponíveis para a interpretação e elaboração de um modelo geológico para a seção sedimentar estudada: a) a análise da Paleogeografia, do Paleomagnetismo e da Paleoecologia, através do estudo da Tectônica e do Clima atuantes no Eo/mesodevoniano, no Supercontinente Gondwana, retratadas em reconstituições do mundo devoniano e apoiada em extensiva consulta bibliográfica e em correlação com os conteúdos faunístico, icnológico e litológico da seção que compõe o intervalo pesquisado, com o auxílio de testemunhos, amostras de calha e afloramentos, b) o estabelecimento de superfícies-chave da Estratigrafia de Seqüências, definidas com o apoio de perfis elétrico-radioativos, notadamente o perfil de raios-gama, c) a Cicloestratigrafia química com a utilização dos teores de carbono orgânico e o índice de hidrogênio, d) a Cicloestratigrafia orbital e climática, mediante a análise espectral do perfil de raios-gama da seção estudada e a definição do controle da sedimentação...

Terraços da margem leste da Laguna dos Patos, Litoral Médio do Rio Grande do Sul: estratigrafia e evolução holocênica

Barboza, Eduardo Guimaraes
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Dissertação Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
37.01%
O presente trabalho discute os terraços lagunares da margem leste da Laguna dos Patos, localizados próximo à cidade de Mostardas. Através desse estudo é apresentado um novo modelo evolutivo para os últimos 5.000 anos no Litoral Médio do Rio Grande do Sul. Novas ferramentas foram utilizadas pela primeira vez no estudo da planície costeira do Rio Grande do Sul. Com respeito a aquisição dos dados de subsuperfície foi utilizado com êxito um GPR (Ground Penetretion Radar). Na análise e interpretação dos dados foi feita uma tentativa de aplicação da estratigrafia de seqüências. Através do uso de um scanner foram elaborados perfis dos testemunhos de sondagem, identificando aspectos distintos na composição e porosidade de diferentes litologias. Outras ferramentas utilizadas constam de sensoriamento remoto, nivelamento altimétrico e batimétrico, vibracore e datação radiométrica. Dessa forma, foram definidas três feições de terraceamento lagunar de idade holocênica na área de estudo, cada uma relacionada a um nível lagunar distinto. Através dos dados obtidos em subsuperfície foi possível traçar um esboço cronoestratigráfico, bem como uma curva de variação relativa do nível lagunar para a região. Também...

Bioestratigrafia de Nanofósseis calcários e estratigrafia de isótopos (C e O) do talude médio, quaternário, porção N da Bacia de Campos, ES

Tokutake, Lucio Riogi
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Dissertação Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
37.35%
A Bacia de Campos, em sua porção norte, na parte sul da área oceânica confrontante ao Estado do Espírito Santo é uma área ainda pouco estudada e conhecida, principalmente no que se refere aos sedimentos quaternários em águas profundas. Foram escolhidos dois testemunhos do talude médio na área, nos quais foram realizadas amostragens para Bioestratigrafia de Nanofósseis Calcários e Estratigrafia de Isótopos (Carbono e Oxigênio). Os resultados de Nanofósseis Calcários mostraram que a base do bioevento de acme de Emiliania huxleyi deve ser localizada em 74 mil anos BP na área, ao contrário do que foi proposto anteriormente. Os dados exibem também uma predominância absoluta de dois taxa: Emiliania huxleyi e Gephyrocapsa spp. A Estratigrafia de Isótopos de Oxigênio indicou uma excelente correlação com os modelos, permitindo um bom balizamento com os estágios isotópicos de oxigênio existentes. A integração da Bioestratigrafia de Nanofósseis Calcários e Estratigrafia de Isótopos podem explicar o comportamento dos taxa majoritários. A correlação da abundância relativa de E. huxleyi e de d18O revelou-se boa, indicando influência da paleotemperatura na abundância deste taxa. Os dados de Estratigrafia de Isótopos de Carbono mostraram uma concordância com as variações de abundância do gênero Gephyrocapsa...

O graben de urussanga e as rochas da Bacia do Paraná associadas a lineamentos NW-SE no distrito fluorítico de Santa Catarina : aplicação da estratigrafia de seqüências e implicações na gênese e prospecção de filões de fluorita

Silva, Mateus Marcili dos Santos
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Dissertação Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
37.01%
Os filões de fluorita mesozóico-terciários do distrito de Santa Catarina são associados a lineamentos NNE-SSW. Nestes, a localização preferencial dos filões é nas intersecções com lineamentos NW-SE e próximas a relictos de rochas paleozóicas da Bacia do Paraná, mesmo em áreas mais a leste, que foram fortemente soerguidas. O trabalho visou o entendimento destas relações através do estudo detalhado de uma área de intersecção de lineamentos com sedimentitos e filões associados. No lineamento NW-SE foi identificado o graben de Urussanga, onde o emprego da estratigrafia de seqüências permitiu a identificação 3 superfícies cronoestratigráficas e de 7 associações faciológicas, sendo as duas primeiras pertencentes a Formação Rio do Sul. As associações faciológicas III, IV, V e VI fazem parte da Formação Rio Bonito e, a associação faciológica VII pertencente a Formação Palermo. A evolução tectono-sedimentar encontrada indica que a sedimentação da bacia na área do distrito foi essencialmente controlada por estas estruturas NW-SE, que criaram zonas com cobertura sedimentar mais espessa, uma condição necessária para a formação dos filões de fluorita e um dos fatores controladores da distribuição dos filões em escala regional. A migração dos fluidos mineralizantes em profundidades maiores foi fortemente controlada pelas estruturas do NW-SE. Após a ascensão até o nível da base da cobertura sedimentar...

Estratigrafia dos basaltos do Distrito Mineiro de Ametista do Sul, Brasil

Rosenstengel, Leonardo Manara
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Dissertação Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
37.45%
A província vulcânica Paraná é a maior produtora de geodos de ametista do mundo, produzindo principalmente na região do distrito mineiro de Ametista do Sul (20-30 km), no sul do Brasil. A descrição dos derrames de lava no distrito mineiro de Ametista do Sul e áreas adjacentes, combinado com geoquímica derrame a derrame e cintilometria foi usada para definir a estratigrafia dos derrames de lava na região. O principal resultado obtido foi a identificação de um controle estrutural por falhas do depósito de geodos de ametista. Nove derrames vulcânicos foram individualizados, dos quais seis são classificados com magma tipo Pitanga (>3 peso% TiO2), ocorrendo na base da estratigrafia, e três são classificados com Paranapanema (2-3 peso% TiO2), posicionados no topo da estratigrafia. Os geodos de ametista estão contidos nos três derrames superiores do tipo Pitanga da região, chamados localmente de Veia Alta (principal produtor), Veia do Meio e Veia Baixa. As rochas do distrito mineiro foram intensamente alteradas para argilominerais, por um processo de alteração de baixa temperatura, principalmente os três derrames produtores. A presença em grande quantidade desses argilominerais na rocha é um importante componente que controla a reologia da rocha...

Proveniência e estratigrafia dos reservatórios siliciclásticos : carbonáticos dos campos de Fazenda Santa Luzia e São Rafael, Bacia do Espírito Santo

Bozetti, Guilherme
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
37.01%
Este trabalho discute a proveniência dos arenitos e sequências híbridas associadas ao Grupo Barra Nova (Formação Regência e São Mateus), nos campos de Fazenda Santa Luzia e Fazenda São Rafael, Bacia do Espírito Santo, utilizando minerais pesados (analise convencional e composição de granadas) na tentativa de detectar mudanças de proveniência e suas possíveis causas. Tenta-se também correlacionar as quebras na proveniência identificadas com as superfícies índice da Estratigrafia de Sequências. A correlação entre essas duas técnicas de pesquisa permite avançar no entendimento das propriedades deposicionais ocorridas nos campos estudados e assim ter melhor objetividade na locação de poços visando encontrar setores potencialmente mais favoráveis para rochas reservatórios e melhor produtividade dos poços. Com esse trabalho rochas reservatório com porosidade secundaria podem ser mais bem mapeadas e também os trabalhos de recuperação primaria e secundaria podem ter uma melhor resposta, já que seu entendimento interno é refinado. Baseando-se nestas técnicas foram identificados os terrenos potencialmente áreas-fonte dos sedimentos da Bacia, sendo eles o Complexo Kinzigítico (rochas metamórficas de alto grau) e alguns granitóides que ocorrem próximos ao local de deposição do sedimento...

O acervo paleoictiológico do Aptiano-Albiano da Formação Santana (Bacia do Araripe), existente nas coleções do Museu de Paleontologia e Estratigrafia Paulo Milton Barbosa Landim, DGA-IGCE UNESP Rio Claro

Voltani, Cibele Gasparelo
Fonte: Universidade Estadual Paulista (UNESP) Publicador: Universidade Estadual Paulista (UNESP)
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: 176 f. : il., tabs.
POR
Relevância na Pesquisa
37.17%
Pós-graduação em Geologia Regional - IGCE; A Bacia do Araripe é a maior estrutura bacinal interior do Nordeste brasileiro, com História Geológica apresentando registros desde a Era Paleozóica. Mas é do Cretáceo que vem sua notabilidade. O Membro Romualdo da Formação Santana é um autêntico lagerstätten, cujos fósseis estão magnificamente preservados e são muito diversos, especialmente entre os vertebrados. Entre estes estão descritos cerca de 30 morfótipos de peixes. Uma parte significativa desta diversidade encontra-se depositada no Museu de Paleontologia e Estratigrafia “Paulo Milton Barbosa Landim”, UNESP, Campus de Rio Claro. São 13 gêneros representados, distribuídos em 3.119 espécimens. Parte deste material foi analisado, a fim de trazer contribuições sobre a Osteologia de cada grupo, bem como Paleobiogeografia, Paleoecologia, Cronobioestratigrafia; The Araripe Basin is the largest interior basin structure from Northeastern Brazil, which has a Geological History presenting data since the Paleozoic Era. Nevertheless its notability comes from the Cretaceous. The Romualdo Member from the Santana Formation is an authentic largerstätten, containing an excellently preserved diverse fossil assemblage, especially vertebrates. Among those are described about 30 morphotypes of fishes. A meaningful portion of this diversity is found deposited on “Museu de Paleontologia e Estratigrafia “Paulo Milton Barbosa Landim”...

Estratigrafia rasa da Ilha Comprida (SP): um exemplo de aplicação do GPR

Gandolfo,Otávio C. B.; Souza,Luiz A. P.; Tessler,Moysés G.; Rodrigues,Marcelo
Fonte: Sociedade Brasileira de Geofísica Publicador: Sociedade Brasileira de Geofísica
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2001 PT
Relevância na Pesquisa
37.17%
A estratigrafia rasa da Ilha Comprida, localizada no litoral sul do Estado de São Paulo, foi analisada em detalhe através de perfis de radar solo penetrante (GPR), executados ao longo da estrada que corta transversalmente a ilha em sua porção extremo sudeste. O GPR constitui-se num método geofísico de alta resolução, com vasta aplicação em estudos de áreas costeiras. Registros de excelente qualidade obtidos neste estudo possibilitaram a visualização de características da estratigrafia rasa da Ilha Comprida, que foram correlacionadas ao modelo evolutivo descrito para a área. A interpretação dos dados revelou a ocorrência de três unidades estratigráficas, separadas por contatos bastante conspícuos identificados nos registros. As duas unidades superiores corresponderiam a depósitos holocênicos, formados em eventos transgressivo e regressivo, sendo este último responsável pela formação de cordões arenosos claramente identificados nos registros. Estes depósitos encontram-se superpostos, em contato erosivo, a sedimentos associados a variações do nível médio do mar no Pleistoceno. Os resultados mostram uma evidente correlação entre as unidades identificadas nas seções de GPR e o modelo evolutivo sedimentar proposto por Suguio & Martin (In Rabassa...

Estratigrafia de sequências do intervalo aptiano ao albino na Bacia do Araripe, NE do Brasil; Estratigrafia de sequências do intervalo aptiano ao albino na Bacia do Araripe, NE do Brasil

Rojas, Fabio Enrique Malagon
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Norte; BR; UFRN; Programa de Pós-Graduação em Geodinâmica e Geofísica; Geodinâmica; Geofísica Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Norte; BR; UFRN; Programa de Pós-Graduação em Geodinâmica e Geofísica; Geodinâmica; Geofísica
Tipo: Dissertação Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
37.17%
This study has as a main objective to make a detailed stratigraphic analysis of the Aptian-Albian interval in the east part of Araripe Basin, NE of Brazil which correspond, litostratigraphically, to Rio Da Batateira, Crato, Ipubi and Romualdo formations. The stratigraphic analysis was based on three different stages, the 1D, 2D and 3D analysis; these ones were adapted to the sequence stratigraphy concepts in order to create a chronostratigraphic framework for the study area within the basin. The database used in the present study contains field and well information, wells that belong to Santana Project, carried out by the Ministério de Minas e Energia- DNPM- CPRM from 1977 to 1978. The analysis 1D, which was done separately for each well and outcrop allowed the recognition of 13 sedimentary facies, mainly divided based on predominant litologies and sedimentary structures. Such facies are lithologically represented by pebble, sandstones, claystones, margas and evaporates; these facies are associated in order to characterize different depositional systems, that integrate from the continental environment (fluvial system and lacustre), paralic system (delta system and lagunar) to the marine environment (shelfenvironment). The first one...

Estratigrafía de la formación cerro Empexa en el área de Camiña (19°20'S), Norte de Chile

Calisto Leiva, David Andrés
Fonte: Universidad de Chile Publicador: Universidad de Chile
Tipo: Tesis
ES
Relevância na Pesquisa
37.17%
Geólogo; En el norte de Chile, entre los 18ºS-20ºS, la estratigrafía de la Precordillera se caracteriza por una sucesión de rocas sedimentarias y volcánicas neógenas que cubren discordantes a un sustrato de edad paleozoica a paleocena. A escala regional las unidades y estructuras neógenas han sido documentadas extensivamente. Pero la estratigrafía y constitución de la sucesión pre-neógena, en la Precordillera del área de Camiña (19º20 S y 69º 27 W) no ha sido previamente caracterizada en detalle. Este trabajo describe estos depósitos pre-neógenos y realiza una interpretación de su significado paleoambiental y regional, en el marco de la cronoestratigrafía del norte de Chile. De acuerdo a la posición estratigráfica, facies observadas y ambiente depositacional inferido, depósitos pre-neógenos del área de Camiña, son designados bajo el nombre de Formación Cerro Empexa del Cretácico Tardío. Esta unidad representa un evento depositacional asociado al emplazamiento del arco magmático durante el Cretácico Tardío. La Formación Cerro Empexa en el área de Camiña subyace en discordancia angular a la Formación Altos de Pica, y su base no aflora. A lo largo de las quebradas Camiña y Retamilla, se encuentra intruida por cuerpos plutónicos y cubierta por depósitos de remociones en masa. Litológicamente está conformada por fangolitas...

ESTRATIGRAFIA E TECTÔNICA DAS FAIXAS NEOPROTEROZÓICAS DA PORÇÃO NORTE DO CRATON DO SÃO FRANCISCO

Uhlein, Alexandre; Caxito, Fabrício de Andrade; Sanglard, Julio Carlos Destro; Uhlein, Gabriel Jubé; Suckau, Guilherme Labaki
Fonte: Centro de Pesquisa Professor Manoel Teixeira da Costa - IGC - UFMG Publicador: Centro de Pesquisa Professor Manoel Teixeira da Costa - IGC - UFMG
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Artigo Avaliado pelos Pares Formato: application/pdf
Publicado em 08/02/2013 POR
Relevância na Pesquisa
37.17%
Apresenta-se uma síntese da estratigrafia e tectônica das faixas dobradas neoproterozóicas da margem norte do Cráton do São Francisco. A Faixa Rio Preto, que ocorre na margem noroeste, no noroeste da Bahia e sul do Piauí, é constituída pela Formação Formosa (mica xistos granatíferos, xistos verdes, anfibolitos) de idade paleoproterozóica (~1,9 Ga) e pela Formação Canabravinha (metadiamictitos, quartzitos, mica xistos) de idade neoproterozóica (850-600 Ma). A deformação neoproterozóica originou uma estrutura complexa em leque assimétrico divergente, entre 600 e 540 Ma atrás. A Faixa Riacho do Pontal, que ocorre na margem norte do cráton, entre os estados da Bahia, Pernambuco e Piauí, é constituída pelo Grupo Casa Nova, com biotita xistos granatíferos, carbonatos, quartzitos e rochas metavulcânicas (xistos verdes, anfibolitos, metaultrabasitos) intensamente deformados em estilo tangencial na porção externa da faixa dobrada, com vergência para o cráton, e transcorrente destrógira (Lineamento de Pernambuco) em sua porção interna. Intrusões graníticas sin a tardi-colisionais sugerem que a deformação tangencial ocorreu entre 668 e 555 Ma atrás. A Faixa Sergipana, situada na margem nordeste do Cráton do São Francisco...

Narrar las prácticas del pasado: El potencial narrativo de la estratigrafía arqueológica como representativa de prácticas sociales

D'Amore,Leandro
Fonte: Intersecciones en antropología Publicador: Intersecciones en antropología
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2007 ES
Relevância na Pesquisa
37.4%
El presente trabajo estará consagrado, en lo esencial, a examinar la importancia de la narración dentro de la interpretación arqueológica. Para ello, se mostrará cómo y porqué se puede a través del estudio de la estratigrafía arqueológica crear e imaginar una narrativa que de cuenta de cómo se desarrolló la historia social, cultural y natural de un sitio arqueológico, teniendo como eje las prácticas sociales. Normalmente, y particularmente en la arqueología argentina, la estratigrafía arqueológica es considerada tanto una forma de excavación de los sitios como una descripción e interpretación de la secuencia de deposición (procesos de formación). Pero, ¿en qué medida puede la estratigrafía arqueológica permitir una interpretación de las estructuras y prácticas de la vida social en los espacios de ocupación humana?, ¿es el registro estratigráfico representativo de las prácticas domésticas? A partir de ello se intenta repensar a la estratigrafía arqueológica desde sus aspectos socio-históricos y romper con las suposiciones que ven a una secuencia estratigráfica como una mera técnica de excavación y confirmar que detrás de toda secuencia de estratigrafía arqueológica hay una forma de interpretar el pasado diferente a otras.