Página 1 dos resultados de 435 itens digitais encontrados em 0.002 segundos

Qualidade de Vida em doentes com Esclerose Múltipla

Neto, Ricardo Ribeiro
Fonte: [s.n.] Publicador: [s.n.]
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso
Publicado em //2011 POR
Relevância na Pesquisa
66.44%
Trabalho apresentado à Universidade Fernando Pessoa como parte dos requisitos para obtenção do grau de Licenciado em Enfermagem; Ultimamente assiste-se a um aumento de investigadores na área da Medicina, mais concretamente, no domínio das doenças neurológicas. No entanto, a Esclerose Múltipla (E.M.), doença incapacitante e crónica, é ainda pouco conhecida da população em geral. Surge com maior frequência em pessoas jovens contribuindo para uma diminuição da qualidade de vida dessas pessoas. O conhecimento das implicações biopsicossociais da E.M. e o apoio social são essenciais para a diminuição do sofrimento (físico e emocional) destes doentes e dos seus cuidadores. Pelo facto do investigador residir num concelho, Santa Maria da Feira, onde existe um número muito significativo de pessoas com esta patologia e conhecer de perto doentes com E.M. bem como as suas implicações na dinâmica familiar, surgiu o interesse em aprofundar os conhecimentos sobre esta patologia. Neste contexto, o presente estudo tem como finalidade conhecer a Qualidade de Vida dos doentes com Esclerose Múltipla. A metodologia utilizada para este estudo foi a aplicação de um questionário, a doentes portadores de E.M. sócios da ANEM (Associação Nacional de Esclerose Múltipla)...

Vitamina D e esclerose múltipla

Matias, Francisco Gil Gonçalves
Fonte: Universidade de Coimbra Publicador: Universidade de Coimbra
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
66.49%
A Esclerose Múltipla é uma doença crónica, inflamatória, auto-imune e desmielinizante do Sistema Nervoso Central. Apesar da etiologia ser desconhecida, há evidência geográfica, biológica e imunológica de que um baixo fornecimento ambiental de Vitamina D está associado a um aumento do risco de desenvolvimento de Esclerose Múltipla. Estamos perante um patologia em que parecem existir interacções complexas entre susceptibilidade genética e factores ambientais. O papel da Vitamina D na homeostase do cálcio é bem conhecido. No entanto, a Vitamina D tem-se tornado um tema de interesse pela sua relação com a Esclerose Múltipla. A principal razão para tal deve-se à distribuição geográfica da doença. Áreas com elevada exposição solar, o principal indutor da síntese desta vitamina, têm baixa prevalência de Esclerose Múltipla e vice-versa. Para além disso, baixos níveis séricos do principal metabolito da Vitamina D (25-hidroxivitamina D3) estão associados a uma maior incidência da doença. Apesar da maioria do aporte de Vitamina D poder ser garantido por uma adequada exposição solar, é dada também importância ao papel da alimentação. Em países como a Noruega, em que a prevalência da doença não aumenta com a latitude...

Avaliação da actividade enzimática da cadeia respiratória mitocondrial na esclerose múltipla

Mendes, Cândida Elsa Frias
Fonte: Universidade de Coimbra Publicador: Universidade de Coimbra
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
66.47%
Multiple sclerosis is a neurological, autoimmune disorder of the Central Nervous System, which involves the immune system. It is characterized by demyelisation and neurodegeneration. Major pathological characteristics include the loss of oligodendrocytes, demyelisation and neuroaxonal depletion in association with inflammation and possibly mitochondrial dysfunction. Onset of multiple sclerosis typically occurs during early adulthood and can develop in an episodic fashion with phases without clinical manifestations followed by clinical disease called “relapsing-remitting” multiple sclerosis. Over time, patients may develop chronic lesions that promote irreversible axonal injury, resulting in a secondary progressive multiple sclerosis. This phase is characterized by minimal or no intermittent recovery. Clinical presentation of multiple sclerosis is heterogeneous, principal symptoms include impaired vision, extreme fatigue, spasms and paralysis of a variety of muscles. Multiple sclerosis affects more than 2 million people all over the world. Several authors refer multiple sclerosis as an inflammatory autoimmune disease mediated by specific T-cells sensitization against putative myelin antigens of the Central Nervous System. Immune-mediated loss of myelin and mitochondrial dysfunction have been also associated with the disease. The present work focuses on the functional involvement of mitochondrion...

Auditory evoked potentials and multiple sclerosis; Potenciais evocados auditivos e esclerose múltipla

MATAS, Carla Gentile; MATAS, Sandro Luiz de Andrade; OLIVEIRA, Caroline Rondina Salzano de; GONÇALVES, Isabela Crivellaro
Fonte: Academia Brasileira de Neurologia - ABNEURO Publicador: Academia Brasileira de Neurologia - ABNEURO
Tipo: Artigo de Revista Científica
ENG
Relevância na Pesquisa
66.41%
Multiple sclerosis (MS) is an inflammatory, demyelinating disease that can affect several areas of the central nervous system. Damage along the auditory pathway can alter its integrity significantly. Therefore, it is important to investigate the auditory pathway, from the brainstem to the cortex, in individuals with MS. OBJECTIVE: The aim of this study was to characterize auditory evoked potentials in adults with MS of the remittent-recurrent type. METHOD: The study comprised 25 individuals with MS, between 25 and 55 years, and 25 age- and gender-matched healthy controls (research and control groups). Subjects underwent audiological and electrophysiological evaluations. RESULTS: Statistically significant differences were observed between the groups regarding the results of the auditory brainstem response and the latency of the Na and P300 waves. CONCLUSION: Individuals with MS present abnormalities in auditory evoked potentials indicating dysfunction of different regions of the central auditory nervous system.; A esclerose múltipla é uma doença inflamatória desmielinizante que pode se desenvolver em diversas regiões do sistema nervoso central. O comprometimento da via auditiva central pode alterar significativamente a integridade desta e...

Potenciais evocados auditivos e esclerose múltipla; Auditory evoked potentials and multiple sclerosis

Oliveira, Caroline Rondina Salzano de
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 02/10/2008 PT
Relevância na Pesquisa
66.44%
INTRODUÇÃO: A Esclerose Múltipla é uma doença desmielinizante e autoimune, na qual ocorre a destruição da bainha de mielina por autoanticorpos. Esta destruição causa uma diminuição na velocidade de condução do impulso nervoso alterando, assim, as funções cerebral e neural. Para ocorrer o funcionamento adequado do sistema auditivo, tanto na sua porção periférica quanto na central há necessidade que o mesmo esteja íntegro. OBJETIVO: Este estudo tem como objetivo verificar a ocorrência de alterações nos potenciais evocados auditivos de curta (PEATE), média (PEAML) e longa (P300) latências em adultos audiologicamente normais com diagnóstico de Esclerose Múltipla do tipo remitente recorrente ou surto remissivo. MÉTODO: Para o grupo controle foram avaliados 25 indivíduos com histórico de desenvolvimento neurológico normal e sem queixa de zumbido, sendo 19 do gênero feminino e seis do masculino, com idade variando entre 25 e 55 anos (média de 35,16 anos de idade). Para o grupo pesquisa foram avaliados 25 indivíduos com Esclerose Múltipla do tipo remitente-recorrente ou surto-remissivo, seis do gênero masculino e 19 do feminino, com idades entre 25 e 53 anos (média de 34,88 anos de idade). Todos os indivíduos participantes da pesquisa realizaram audiometria tonal e vocal...

Influencias de um programa de yoga no controle do equilibrio de pessoas com esclerose multipla; Influences of a program of yoga in the control of the balance of peoplewith multiple sclerosis

Gerson de Oliveira
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 19/12/2007 PT
Relevância na Pesquisa
66.44%
As práticas do Yoga são caracterizadas pela permanência numa condição de controle e conforto, onde não se estipula um padrão de execução e metas de desempenho motor. A esclerose múltipla é uma doença crônica desmielinizante que resulta de reações inflamatórias desencadeadas por mecanismos complexos de anormalidade imunorregulatória. É freqüente o acometimento do equilíbrio motor, podendo culminar na queda. Existe uma carência de estudos com relação à influência do Yoga no controle do equilíbrio de pessoas com esclerose múltipla. O objetivo desta pesquisa é avaliar a influência de um programa de Yoga no equilíbrio postural de pessoas com esclerose múltipla. Trata-se de uma pesquisa experimental com N=12 (doze), formado por pessoas com esclerose múltipla pertencentes ao Grupo de Esclerose Múltipla de Campinas e que nunca praticaram Yoga ou estão a pelos menos 01 ano sem praticar. O grupo experimental participou das práticas de Yoga uma vez por semana, com duração de 01 hora, durante o período de seis meses e o grupo controle não realizou as práticas. O equilíbrio foi avaliado através da Escala de Equilíbrio de Berg. Foi coletada também a percepção subjetiva do equilíbrio e o histórico de quedas através de questionário; essas avaliações e a avaliação da Escala de Incapacidade Funcional Ampliada (EDSS) foram realizadas no inicio e final do programa...

Surto-remissão : caracterização deste tipo específico de esclerose múltipla

Fernandes, Cátia Carina Pontífice
Fonte: Universidade da Beira Interior Publicador: Universidade da Beira Interior
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em /05/2009 POR
Relevância na Pesquisa
66.52%
A Esclerose Múltipla é uma doença desmielinizante do Sistema Nervoso Central que assume particular importância por afectar e incapacitar indivíduos jovens. Afecta em maior proporção mulheres e apresenta uma predisposição genética. A clínica apresentada é reflexo de lesões desmielinizantes encontradas na substância branca do SNC, em vários locais, daí esta ser uma patologia que apresente inúmeras formas clínicas. A forma clínica mais comum é a surto-remissão. Etiologicamente aponta-se para um fundo auto-imune e/ou infeccioso. O diagnóstico assenta nos critérios de McDonald, suportado por exames de imagem (RMN), análise do líquido cefalorraquidiano, potenciais evocados e clínica. O tratamento actualmente passa pelo uso de imunomoduladores e imunosupressores. A incapacidade clínica classifica-se através do EDSS, que varia de 0 (normalidade) até o grau máximo de 10 (morte por Esclerose Múltipla). Quanto ao prognóstico, este é mais favorável para o sexo feminino, doença com início em idade mais jovem e doença que se inicie com sintomas sensitivos e disfunções dos nervos cranianos. Neste trabalho efectuou-se um estudo retrospectivo documental numa amostra de 40 doentes com Esclerose Múltipla do tipo surto-remissão e com diagnóstico há pelo menos três anos...

A interacção de factores ambientais na génese da esclerose múltipla

Mota, Rute Salomé Guedes da
Fonte: Universidade da Beira Interior Publicador: Universidade da Beira Interior
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em /05/2009 POR
Relevância na Pesquisa
66.47%
A esclerose múltipla (EM) é uma doença crónica e imprevisível do sistema nervoso central que afecta mais de 1 milhão de pessoas em todo o mundo, das quais 5000 são portugueses. Foi reconhecida como uma doença há mais de 100 anos e é actualmente objecto de pesquisas intensas em relação às suas causas e tratamento. A diferente susceptibilidade à doença, a sua desigual distribuição geográfica e o facto de migrações de zonas de maior prevalência para zonas de menor prevalência nos primeiros anos de vida, diminuírem o risco de desenvolvimento de EM, parecem sugerir efectivamente uma interacção entre factores genéticos e ambientais. Com esta dissertação de mestrado pretende-se fazer uma revisão bibliográfica onde é exposta a doença com todo o seu perfil clínico; o tema central incide na abordagem aos factores etiológicos que condicionam o aparecimento da EM, com base numa bibliografia epidemiológica actualizada que documenta e analisa as variações da incidência e prevalência da doença segundo a localização geográfica e susceptibilidade genética, trajectos migratórios e infecções virais, entre outros factores. Por fim, um apontamento de considerações e perspectivas é feito com o objectivo prático e real de instituir um cunho de utilidade clínica...

Qualidade de vida na esclerose múltipla : casuística do Centro Hospitalar Cova da Beira

Costa, Rosa Margarete Amaral
Fonte: Universidade da Beira Interior Publicador: Universidade da Beira Interior
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em /05/2013 POR
Relevância na Pesquisa
66.55%
A Esclerose Múltipla é uma das doenças neurológicas mais comuns e afeta cerca de 2,5 milhões de pessoas em todo o mundo e cerca de 5000 pessoas em Portugal, atingindo frequentemente pessoas entre os 20 e os 40 anos de idade. As manifestações neurológicas são variadas e inesperadas e a falta de previsibilidade tornam-na uma das doenças com um maior impacto negativo na qualidade de vida. O objetivo desta monografia é a revisão da bibliografia disponível sobre o impacto da esclerose múltipla, e fatores relacionados, sobre a qualidade de vida. Pretende-se ainda estudar a casuística dos doentes com esclerose múltipla do Centro Hospitalar Cova da Beira. Com a análise da bibliografia é possível concluir que a esclerose múltipla tem um impacto negativo na qualidade de vida dos doentes e são vários os fatores sociodemográficos que influenciam essa relação, tal como, idade, nível de educação, emprego, estado conjugal, apoio social e formas de lidar com a doença. Também fatores clínicos como, o tipo de esclerose múltipla, duração da doença, número de surtos, tempo desde o último surto e alguns dos sintomas mais prevalentes na esclerose múltipla parecem ter um impacto significativo na qualidade de vida. A incapacidade...

Esclerose múltipla e qualidade de vida : o efeito do apoio social

Costa, David de Castro Alves da
Fonte: Universidade da Beira Interior Publicador: Universidade da Beira Interior
Tipo: Tese de Doutorado
Publicado em /10/2011 POR
Relevância na Pesquisa
66.57%
Até aos anos 60 do século passado, o estado de saúde de uma população estimava-se, quase exclusivamente, em termos de mortalidade e morbilidade. Contudo, o aumento das doenças crónicas influenciou a mudança de uma visão de tradição clínica da saúde para uma visão de saúde pública, permitindo a afirmação de um paradigma epidemiológico complementar ao paradigma biomédico. Este caminho reflete o interesse dos investigadores em medir os resultados e benefícios em saúde das pessoas e populações, assim como o seu impacto na vida dos doentes e suas famílias. Esta mudança de atitude dos investigadores tem por base o princípio de que uma boa saúde é um indicador universal de qualidade de vida, porque uma vida com qualidade, em geral, pode tornar as pessoas mais saudáveis. Neste sentido, a avaliação da qualidade de vida relacionada com a saúde é um meio importante para estudar parte dos efeitos das doenças crónicas sobre as pessoas. A qualidade de vida relacionada com a saúde é uma variável de resultado importante nos estudos sobre as doenças crónicas. O primeiro estudo sobre esclerose múltipla e qualidade de vida foi publicado em 1992, revelando que este tipo de pesquisa é ainda relativamente recente. A esclerose múltipla afeta o doente ao nível comportamental...

Perfil descritivo de esclerose múltipla com início até os 16 anos nos pacientes de um centro de referência do estado de São Paulo

Fragoso,Yára Dadalti; Brooks,Joseph Bruno B.; Leal,Tiago Martins dos S.
Fonte: Sociedade de Pediatria de São Paulo Publicador: Sociedade de Pediatria de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2012 PT
Relevância na Pesquisa
66.47%
OBJETIVO: Descrever o perfil de pacientes com esclerose múltipla iniciada até os 16 anos de idade no litoral do estado de São Paulo, Brasil. DESCRIÇÃO DOS CASOS: Análise retrospectiva das características dos pacientes que tiveram o episódio inicial de esclerose múltipla até os 16 anos. Nesta situação encontravam-se nove meninas e quatro meninos (7,1% da população total de esclerose múltipla da região). A idade média por ocasião do diagnóstico foi de 13,9 anos (variação entre 8 e 16), sendo a média atual de 19,5 anos (12 a 28). A apresentação inicial da doença foi: ataxia (quatro casos), neurite óptica (dois), motora cortical (dois), sensitiva cortical (dois), distonia (dois) e esclerose múltipla medular (um). Todos os pacientes iniciaram com a forma remitente-recorrente da esclerose múltipla e dois deles, atualmente, apresentam a forma progressiva secundária. COMENTÁRIOS: A esclerose múltipla com início até os 16 anos precisa ser adequadamente registrada e discutida entre pediatras, neurologistas e neuropediatras. Poucos médicos têm bom conhecimento desta condição e a demora no diagnóstico e no tratamento pode ter consequências devastadoras para essas crianças e adolescentes.

Avaliação da sensibilidade ao contraste em adultos com esclerose múltipla recorrente- remitente

Guimarães Vieira, Jákina; Lucia de Bustamante Simas, Maria (Orientador)
Fonte: Universidade Federal de Pernambuco Publicador: Universidade Federal de Pernambuco
Tipo: Outros
PT_BR
Relevância na Pesquisa
66.47%
A esclerose múltipla é uma doença desmielinizante e inflamatória do sistema nervoso central com forte evidência autoimune e neurodegenerativa. Este transtorno neurológico afeta predominantemente adultos jovens do sexo feminino e a forma clínica recorrente-remitente representa o curso inicial em 85% dos casos. O prejuízo visual é uma característica singular da esclerose múltipla e pode ser identificado mesmo na fase subclínica. A sensibilidade ao contraste (SC) é o inverso do limiar de contraste e pode ser representada pela função de sensibilidade ao contraste (FSC). A FSC é uma ferramenta utilizada para inferir a resposta do sistema visual à percepção de formas e pode fornecer importantes contribuições para o entendimento do processamento sensorial da visão em doenças que acometam direta ou indiretamente esse sistema. Objetivo: O objetivo desse trabalho foi avaliar a SC na esclerose múltipla com estímulos nos padrões de grade senoidal vertical e de frequências angulares através da mensuração da FSC. Método: Este estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética e Pesquisa com Seres Humanos. A amostra foi composta por 20 participantes entre 21 e 44 anos, 10 com diagnóstico de esclerose múltipla, da forma clínica recorrente-remitente sem história de neurite óptica e com mínimo de 1.0 e máximo de 3.5 pontos na Expanded Disability Status Scale (EDSS). Os outros 10 voluntários eram saudáveis. Todos da amostra apresentaram acuidade visual normal ou corrigida de 20/20. Empregaram-se estímulos visuais acromáticos...

Nomeação e fluência verbal em portadores de esclerose múltipla

Guaresi, Ronei
Fonte: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul; Porto Alegre Publicador: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul; Porto Alegre
Tipo: Tese de Doutorado
PORTUGUêS
Relevância na Pesquisa
66.51%
O presente trabalho investigativo, que consta como título nomeação e fluência verbal em portadores de esclerose múltipla, desenvolve-se por meio de dois estudos: o primeiro, transversal e correlacional (estudo A), e o segundo, estudo de caso (estudo B). Os objetivos do estudo são: investigar o funcionamento da linguagem através da capacidade de nomeação e de fluência verbal de pacientes com Esclerose Múltipla; verificar as correlações entre os desempenhos em nomeação e fluência verbal e os desempenhos nos demais testes neuropsicológicos; verificar a influência das variáveis sexo e escolaridade no desempenho dos testes linguísticos e cognitivos; avaliar as habilidades linguísticas de paciente com diagnóstico de Esclerose Múltipla com atenção à disartria e à disgrafia, além de avaliar características e intensidade de ativação neuronal desse paciente em atividade de fluência verbal – fonológica e semântica – e nomeação, através de técnica de Ressonância Magnética Funcional. Foram realizadas avaliações neuropsicológicas em 42 portadores com Esclerose Múltipla e 30 participantes para grupo de controle. As avaliações foram comparadas com os resultados do banco de dados de portadores de Esclerose Múltipla do Hospital São Lucas da PUCRS. Além disso...

Intervenção da fisioterapia na esclerose múltipla: uma revisão da literatura

Gervásio, Pio Higino
Fonte: Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa Publicador: Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2014 POR
Relevância na Pesquisa
66.52%
Mestrado em Fisioterapia; A esclerose múltipla é uma doença do sistema nervoso central, que afeta mais frequentemente mulheres jovens. A esclerose múltipla é uma doença progressiva e imprevisível, resultando em alguns casos de incapacidades e limitações a nível físico, psicológico e social. Objetivo: Revisão da literatura na busca de evidência da efetividade da fisioterapia na Intervenção da Esclerose Múltipla. Método: As pesquisas foram feitas nas bases de dado SciELO, RCAAP, PubMed e B-ON, selecionados artigos com idioma Inglês e Português, publicados entre os anos de 2003 a 2013. Na SciELO foi utilizada as seguintes palavras-chave: Esclerose Múltipla e Fisioterapia na Esclerose Múltipla tendo como resultado 16 artigos. No RCAAP fisioterapia na esclerose múltipla, fisioterapia e intervenção da fisioterapia na esclerose múltipla tendo como resultados 12 artigos. Na B-ON intervention of physical therapy in multiple sclerose e exercise in multiple sclerosis tendo como resultado 17 artigos e na PubMed foram utilizadas as mesmas da B-ON, tendo como resultados 13. Resultados: Após a seleção dos artigos, utilizou-se os critérios de inclusão e exclusão. Tivemos como amostra final 26 artigos ou seja 32 foram excluídos e 26 incluídos. Discussão: A intervenção da fisioterapia é importante para uma administração bem-sucedida das limitações funcionais...

Qualidade de vida da pessoa portadora de esclerose múltipla

Geraldo, Ana Luísa Cristino Varela
Fonte: Instituto Politécnico de Viseu. Escola Superior de Saúde de Viseu Publicador: Instituto Politécnico de Viseu. Escola Superior de Saúde de Viseu
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2013 POR
Relevância na Pesquisa
66.44%
Introdução: A Esclerose Múltipla (EM) é uma doença inflamatória, desmielinizante, imprevisível, de origem desconhecida e para a qual ainda não está disponível tratamento curativo. É a doença crónica neurológica que mais afecta adultos jovens, em idade activa, podendo progredir para situações de níveis variados de incapacidade. Neste sentido, o presente estudo teve como principal objectivo conhecer a percepção de qualidade de vida (QDV), de vulnerabilidade ao stress e de apoio social dos portadores de EM, bem como a influência de variáveis sócio-demográficas, clínicas e psicossociais. Método: Realizou-se um estudo transversal, descritivo-correlacional, de natureza quantitativa, no qual participaram 54 portadores de EM, maioritariamente mulheres (61.1%), casados (72.2%), com uma média de 42 anos, empregados (37.0%), com uma média de idade no início da doença de 33 anos. Para mensuração das variáveis utilizaram-se os seguintes instrumentos: Questionário sócio-demográfico/clínico, Escala da Esclerose Múltipla e Qualidade de Vida, Índice de Barthel, Escala de Vulnerabilidade ao Stress e Escala de Apoio Social. Resultados: No âmbito das variáveis socio-demográficas e clínicas são os portadores de EM entre os 20 e os 31 anos...

Surto-remissão : caracterização deste tipo específico de esclerose múltipla

Fernandes, Cátia Carina Pontífice
Fonte: Universidade da Beira Interior Publicador: Universidade da Beira Interior
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em /05/2009 POR
Relevância na Pesquisa
66.52%
A Esclerose Múltipla é uma doença desmielinizante do Sistema Nervoso Central que assume particular importância por afectar e incapacitar indivíduos jovens. Afecta em maior proporção mulheres e apresenta uma predisposição genética. A clínica apresentada é reflexo de lesões desmielinizantes encontradas na substância branca do SNC, em vários locais, daí esta ser uma patologia que apresente inúmeras formas clínicas. A forma clínica mais comum é a surto-remissão. Etiologicamente aponta-se para um fundo auto-imune e/ou infeccioso. O diagnóstico assenta nos critérios de McDonald, suportado por exames de imagem (RMN), análise do líquido cefalorraquidiano, potenciais evocados e clínica. O tratamento actualmente passa pelo uso de imunomoduladores e imunosupressores. A incapacidade clínica classifica-se através do EDSS, que varia de 0 (normalidade) até o grau máximo de 10 (morte por Esclerose Múltipla). Quanto ao prognóstico, este é mais favorável para o sexo feminino, doença com início em idade mais jovem e doença que se inicie com sintomas sensitivos e disfunções dos nervos cranianos. Neste trabalho efectuou-se um estudo retrospectivo documental numa amostra de 40 doentes com Esclerose Múltipla do tipo surto-remissão e com diagnóstico há pelo menos três anos...

Qualidade de vida na esclerose múltipla : casuística do Centro Hospitalar Cova da Beira

Costa, Rosa Margarete Amaral
Fonte: Universidade da Beira Interior Publicador: Universidade da Beira Interior
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em /05/2013 POR
Relevância na Pesquisa
66.55%
A Esclerose Múltipla é uma das doenças neurológicas mais comuns e afeta cerca de 2,5 milhões de pessoas em todo o mundo e cerca de 5000 pessoas em Portugal, atingindo frequentemente pessoas entre os 20 e os 40 anos de idade. As manifestações neurológicas são variadas e inesperadas e a falta de previsibilidade tornam-na uma das doenças com um maior impacto negativo na qualidade de vida. O objetivo desta monografia é a revisão da bibliografia disponível sobre o impacto da esclerose múltipla, e fatores relacionados, sobre a qualidade de vida. Pretende-se ainda estudar a casuística dos doentes com esclerose múltipla do Centro Hospitalar Cova da Beira. Com a análise da bibliografia é possível concluir que a esclerose múltipla tem um impacto negativo na qualidade de vida dos doentes e são vários os fatores sociodemográficos que influenciam essa relação, tal como, idade, nível de educação, emprego, estado conjugal, apoio social e formas de lidar com a doença. Também fatores clínicos como, o tipo de esclerose múltipla, duração da doença, número de surtos, tempo desde o último surto e alguns dos sintomas mais prevalentes na esclerose múltipla parecem ter um impacto significativo na qualidade de vida. A incapacidade...

A interacção de factores ambientais na génese da esclerose múltipla

Mota, Rute Salomé Guedes da
Fonte: Universidade da Beira Interior Publicador: Universidade da Beira Interior
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em /05/2009 POR
Relevância na Pesquisa
66.47%
A esclerose múltipla (EM) é uma doença crónica e imprevisível do sistema nervoso central que afecta mais de 1 milhão de pessoas em todo o mundo, das quais 5000 são portugueses. Foi reconhecida como uma doença há mais de 100 anos e é actualmente objecto de pesquisas intensas em relação às suas causas e tratamento. A diferente susceptibilidade à doença, a sua desigual distribuição geográfica e o facto de migrações de zonas de maior prevalência para zonas de menor prevalência nos primeiros anos de vida, diminuírem o risco de desenvolvimento de EM, parecem sugerir efectivamente uma interacção entre factores genéticos e ambientais. Com esta dissertação de mestrado pretende-se fazer uma revisão bibliográfica onde é exposta a doença com todo o seu perfil clínico; o tema central incide na abordagem aos factores etiológicos que condicionam o aparecimento da EM, com base numa bibliografia epidemiológica actualizada que documenta e analisa as variações da incidência e prevalência da doença segundo a localização geográfica e susceptibilidade genética, trajectos migratórios e infecções virais, entre outros factores. Por fim, um apontamento de considerações e perspectivas é feito com o objectivo prático e real de instituir um cunho de utilidade clínica...

Esclerose múltipla e qualidade de vida : o efeito do apoio social

Costa, David de Castro Alves da
Fonte: Universidade da Beira Interior Publicador: Universidade da Beira Interior
Tipo: Tese de Doutorado
Publicado em /10/2011 POR
Relevância na Pesquisa
66.57%
Até aos anos 60 do século passado, o estado de saúde de uma população estimava-se, quase exclusivamente, em termos de mortalidade e morbilidade. Contudo, o aumento das doenças crónicas influenciou a mudança de uma visão de tradição clínica da saúde para uma visão de saúde pública, permitindo a afirmação de um paradigma epidemiológico complementar ao paradigma biomédico. Este caminho reflete o interesse dos investigadores em medir os resultados e benefícios em saúde das pessoas e populações, assim como o seu impacto na vida dos doentes e suas famílias. Esta mudança de atitude dos investigadores tem por base o princípio de que uma boa saúde é um indicador universal de qualidade de vida, porque uma vida com qualidade, em geral, pode tornar as pessoas mais saudáveis. Neste sentido, a avaliação da qualidade de vida relacionada com a saúde é um meio importante para estudar parte dos efeitos das doenças crónicas sobre as pessoas. A qualidade de vida relacionada com a saúde é uma variável de resultado importante nos estudos sobre as doenças crónicas. O primeiro estudo sobre esclerose múltipla e qualidade de vida foi publicado em 1992, revelando que este tipo de pesquisa é ainda relativamente recente. A esclerose múltipla afeta o doente ao nível comportamental...

Determinação de Anticorpos Anti-Mielina na Esclerose Múltipla

Lima,Eduardo; Guimarães,Joana; Pereira,Ana; Bodas,Abília; Delgado,Luís; Sá,Maria José
Fonte: ArquiMed - Edições Científicas AEFMUP Publicador: ArquiMed - Edições Científicas AEFMUP
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/2008 PT
Relevância na Pesquisa
66.44%
Introdução: A Esclerose Múltipla é uma doença desmielinizante primária de carácter autoimune, envolvendo diferentes mecanismos imunopatológicos. Pensa-se que anticorpos dirigidos contra antigénios da mielina podem estar associados aos danos na mielina ou surgirem devido a estes, pelo que, o seu doseamento poderá constituir um marcador de evolução da doença. No entanto, a positividade desta pesquisa pode levantar dúvidas em termos de valorização clínica dada a descrição destes auto-anticorpos também em indivíduos sem doença. O objectivo deste trabalho foi a avaliação da presença de auto-anticorpos para a mielina em pacientes com o diagnóstico de Esclerose Múltipla, comparativamente a amostras de controlo, avaliando a sua associação com sintomas clínicos em pacientes com diferentes formas clínicas da Esclerose Múltipla. Métodos: A pesquisa de anticorpos para a mielina foi realizada por uma técnica de imunofluorescência indirecta usando como substrato, nervo periférico de primata (EUROIMMUN®). Foram estudados 34 doentes (14M/11H), observados no serviço de Neurologia do Hospital de São João: 8 com forma monosintomática em surto, 11 com forma Surto/Remissão (SR) em remissão, 11 com forma SR em surto e 4 com forma Primária Progressiva (PP) em remissão. A população de controlo foi constituída por 25 amostras de indivíduos saudáveis (26M/8H). Resultados: Encontraram-se diferenças significativas nas duas populações em relação à presença de anticorpos para a mielina (p<0...