Página 1 dos resultados de 11756 itens digitais encontrados em 0.009 segundos

Epidemiologia das incontinências urinária e anal combinadas; Epidemiology of combined urinary and fecal incontinence; Epidemiología de las incontinencias urinaria y fecal combinadas

SANTOS, Claudia Regina de Souza; SANTOS, Vera Lúcia Conceição de Gouveia
Fonte: Escola Paulista de Enfermagem, Universidade Federal de São Paulo Publicador: Escola Paulista de Enfermagem, Universidade Federal de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica
POR
Relevância na Pesquisa
36.78%
A baixa investigação pelos profissionais de saúde quanto às perdas urinárias e anais, combinadas ou não, dificultam as ações voltadas para sua prevenção e originam problemas com repercussões física, psicológica e econômica. A escassez de publicações nacionais e a reduzida literatura internacional sobre a epidemiologia dessas incontinências combinadas, motivou a realização deste artigo de atualização.; The shortage of studies on urinary and fecal incontinence makes difficult the implementation of preventive and therapeutic interventions to address the physical, psychological, and economic problems among patients with these conditions. The lack of national publications and paucity of international literature on the epidemiology of combined urinary and fecal incontinence led to the performance of this literature review.; Las pocas investigaciones realizadas por los profesionales de la salud en cuanto a las pérdidas urinarias y fecal, combinadas o no, dificultan las acciones volcadas a su prevención y originan problemas con repercusiones física, psicológica y económica. La escasez de publicaciones nacionales y la reducida literatura internacional sobre la epidemiología de esas incontinencias combinadas, motivó la realización de este artículo de actualización.

Epidemiologia e saude publica : reflexões sobre os usos da epidemiologia nos serviços do sistema unico de saude em nivel municipal

Marcos Drumond Junior
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 17/08/2001 PT
Relevância na Pesquisa
36.9%
A crise do paradigma científico dominante moderno tem suscitado debates sobre as características de um paradigma emergente adequadas a abordar a complexidadedos objetos científicos. A integração de pólos freqüentemente isolados, a articulação dos diferentes níveis de aproximação com os objetos, o estabelecimento das mediações, a interdisciplinaridade e a necessidade do diálogo permanente com o senso comum, são algumas destas características que buscam aproximar o conhecimento científico de sua aplicação prática emancipadora e solidária. Este debate está presente também na área da saúde pública que tematiza objeto complexo, expresso tanto pelo quadro sanitário que afeta as populações, quanto pela necessidade de produzir intervenções que modifiquem estes quadros. Na epidemiologia, disciplina básica da saúde pública, o debate predominante se refere a insuficiênciado seu paradigma dominante, a epidemiologia moderna, em abordar a complexidade do quadro sanitário atual. As diferentes características dos paradigmas e modelos de abordagem epidemiológicos são discutidos, assim como as propostas de ampliação da capacidade de produzir conhecimento adequado a modificar positivamente o estado de saúde da população. No entanto...

A contribuição da epidemiologia de campo para o estudo das doenças infecciosas e a saude publica; The contributions of field epidemiology to the estudy of infectious diseases and public health

Alexandre Macedo de Oliveira
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 25/05/2007 PT
Relevância na Pesquisa
36.81%
A epidemiologia de campo corresponde ao ramo da ciência que usa estratégias de epidemiologia clássica com o objetivo de controlar um problema de saúde pública e assim melhorar a condição de vida de uma população. Além da epidemiologia clássica, o epidemiologista de campo precisa usar conhecimentos de outras áreas como economia, antropologia, ciências sociais e comunicação para planejar e implementar medidas de controle, alcançando assim seus objetivos. As limitações nos estudos de epidemiologia de campo são muitas, mas é dever do profissional dessa área manter o rigor científico e ser criativo a fim de garantir a qualidade do seu trabalho. Mesmo sem o propósito inicial de avançar o conhecimento científico, investigações de campo oferecem oportunidades únicas para tal. Apresentamos três trabalhos de epidemiologia de campo no âmbito das doenças infecciosas, seus processos de investigação e suas implicações para saúde pública. O primeiro deles é a investigação de um surto de hepatite C numa clínica de hemato/oncologia. A investigação foi capaz de identificar 99 casos de hepatite C relacionados à referida clínica. A transmissão ocorreu através da contaminação de bolsas de solução salina pelo desrespeito às práticas de controle de infecção em serviços de saúde. Esse fato ressalta os desafios em implementar medidas de controle de infecção em serviços de saúde ambulatoriais e aprimorar a vigilância epidemiológica da hepatite C com fins à detecção precoce de surtos. O segundo trabalho é também fruto da investigação do surto de hepatite C. Fomos capazes de avaliar a sensibilidade dos testes sorológicos para hepatite C em pacientes oncológicos. Encontramos sensibilidade de 83% dos referidos testes...

Terminologia das medidas e indicadores em epidemiologia: subsídios para uma possível padronização da nomenclatura; Terminology of measurement and indicators in epidemiology: an aid for a future standardization of nomenclature

Hamann, Edgar Merchán; Tauil, Pedro Luiz; Costa, Marisa Pacini
Fonte: Centro Nacional de Epidemiologia, Fundação Nacional de Saúde, Ministério da Saúde Publicador: Centro Nacional de Epidemiologia, Fundação Nacional de Saúde, Ministério da Saúde
Tipo: Artigo de Revista Científica
POR
Relevância na Pesquisa
46.58%
Em epidemiologia, o uso indiscriminado de diferentes termos tem origem na confluência de métodos, práticas e tradições de múltiplas profissões e disciplinas. Esta proposta convida à reflexão sobre o significado dos termos visando a seu uso mais racional. Indicador: conceito de maior abrangência que inclui qualquer medida ou observação classificável -qualitativa e quantitativa- capaz de "revelar" uma situação não aparente. Índices: constituídos por medidas que integram múltiplas dimensões. Medidas do tipo Proporção: elementos do numerador contidos no denominador. Coeficientes: tipos específicos de proporções; o coeficiente de prevalência (proporção que, em dado momento, é portadora do evento de interesse em relação ao total) e de incidência (proporção de indivíduos que desenvolvem um evento de interesse ao longo de um período, mudando de status ao desenvolvê-lo). O denominador representa o coletivo em risco. Medidas do tipo Taxa: restringe-se o uso à ocorrência de eventos incidentes por pessoa-tempo. Medidas do tipo Razão: relação entre duas magnitudes da mesma dimensão em que numerador e denominador pertencem a categorias mutuamente excludentes. Chances (Odds): tipo de razão que expressa a relação entre probabilidades complementares e contrárias utilizada na análise de estudos de Caso-Controle...

Considerações acerca dos fundamentos teóricos da explicação em epidemiología

Silva,Luiz Jacintho da
Fonte: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo Publicador: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/08/1985 PT
Relevância na Pesquisa
36.78%
São analisadas as condições históricas do surgimento da epidemiologia como disciplina científica, em meados do século passado. É revista a evolução das bases teóricas do processo explicativo em epidemiologia até o momento atual. Especial atenção é dada ao papel da lógica positivista de Stuart Mill como base teórica da Epidemiologia até recentemente. São discutidas as alternativas teóricas correntes e proposta maior abertura da epidemiologia a diferentes correntes filosóficas como o caminho para o estabelecimento da epidemiologia como uma ciência madura.

Epidemiologia da atividade f??sica e a necessidade de aproxima????o com as pesquisas qualitativas

Hallal, Pedro Curi Rodrigues; Knuth, Alan Goularte
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande Publicador: Universidade Federal do Rio Grande
Tipo: Artigo de Revista Científica
POR
Relevância na Pesquisa
36.78%
Os objetivos do presente ensaio foram: a) discutir os avan??os da ??rea de epidemiologia da atividade f??sica no Brasil; b) destacar a necessidade de pesquisas qualitativas na ??rea; c) apontar alguns caminhos de pesquisa que integram as diferentes metodologias. Tem se observado um crescimento do campo de epidemiologia da atividade f??sica no Brasil, especialmente a partir do ano 2000, que coincide com a maior inser????o de profissionais de Educa????o F??sica nos programas de p??s-gradua????o em sa??de coletiva e epidemiologia. No entanto, esse crescimento se d?? basicamente por meio de pesquisas de natureza quantitativa, visto que a maioria dos estudos qualitativos brasileiros na ??rea t??m se limitado a comentar os m??todos utilizados nas pesquisas quantitativas e suas limita????es.; The aim of the present essay were: a) to discuss the achievements of the epidemiology of physical activity ???eld over the last decades in Brazil; b) highlight the need of qualitative studies in the ???eld, by using some national and international examples; c) suggest some topics that could be explored in future studies using combined quantitative and qualitative methodologies. The ???eld of physical activity epidemiology has grown substantially in Brazil over the last years...

Conceitos e aplicações da epidemiologia

Boing, Antonio Fernando; d’Orsi, Eleonora; Reibnitz, Calvino
Fonte: Universidade Aberta do SUS Publicador: Universidade Aberta do SUS
Publicado em // PT_BR
Relevância na Pesquisa
36.78%
Este objeto de aprendizagem conceitua epidemiologia segundo Rouquayrol & Goldbaum e em seu sentido semântico. Na sequência faz uma explanação sobre a evolução da epidemiologia no contexto histórico com destaque para seus principais personagens. Fala que as principais áreas de conhecimento dos métodos e técnicas congregados na epidemiologia são a Estatística, Ciências da Saúde e Ciências Sociais; destaca que a Epidemiologia tem como premissa básica o entendimento de que os eventos relacionados à saúde, que por meio dela é possível conhecer a situação de saúde da comunidade e que ela tem três grande aplicações: Descrever as condições de saúde da população, Identificar quais são os fatores determinantes da situação de saúde e Avaliar o impacto das ações e políticas de saúde. Por último, este objeto estabelece quais os principais aspectos que diferenciam a epidemiologia da clinica. Unidade 1 do módulo 3 que compõe o Curso de Especialização em Saúde da Família.

Epidemiologia e epidemiologia crítica

Skalinski, Lacita Menezes
Fonte: Florianópolis, SC Publicador: Florianópolis, SC
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
36.78%
Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências da Saúde. Programa de Pós-graduação em Saúde Pública; A maioria dos estudos epidemiológicos é norteada pela utilização dos conceitos e instrumentos da clínica e da matemática, desde a ascensão da bacteriologia. Até aquele momento, a medicina social e os estudos sobre a situação do trabalho nas fábricas européias davam ênfase à determinação social do processo saúde-doença. Essa centralidade da epidemiologia nos parâmetros estatísticos, atrelada aos conceitos biologicistas das doenças, granjeou numerosas críticas de dentro do próprio campo epidemiológico; com propostas de construção de uma chamada epidemiologia crítica. Esta, buscava resgatar os conceitos de determinação e aplicá-los nas análises epidemiológicas, juntamente com a utilização de uma metodologia marxista de investigação. Esta dissertação teve como objetivo caracterizar as diferenças existentes entre a epidemiologia crítica e a epidemiologia em geral (aqui chamada de clássica), com apoio no referencial epistemológico de Ludwik Fleck, em especial no conceito de estilo de pensamento. Para tal, utilizou-se uma pesquisa bibliográfica sobre os debates teóricos a respeito...

Conceitos e aplicações da epidemiologia

Boing, Antonio Fernando; d’Orsi, Eleonora; Reibnitz, Calvino
Fonte: Universidade Aberta do SUS Publicador: Universidade Aberta do SUS
Formato: Unidade 1 do módulo 3 que compõe o Curso de Especialização em Saúde da Família. Arquivo .zip contendo página html com recursos de texto, imagens e animações em flash.
PT_BR
Relevância na Pesquisa
36.81%
Este objeto de aprendizagem conceitua epidemiologia segundo Rouquayrol & Goldbaum e em seu sentido semântico. Na sequência faz uma explanação sobre a evolução da epidemiologia no contexto histórico com destaque para seus principais personagens. Fala que as principais áreas de conhecimento dos métodos e técnicas congregados na epidemiologia são a Estatística, Ciências da Saúde e Ciências Sociais; destaca que a Epidemiologia tem como premissa básica o entendimento de que os eventos relacionados à saúde, que por meio dela é possível conhecer a situação de saúde da comunidade e que ela tem três grande aplicações: Descrever as condições de saúde da população, Identificar quais são os fatores determinantes da situação de saúde e Avaliar o impacto das ações e políticas de saúde. Por último, este objeto estabelece quais os principais aspectos que diferenciam a epidemiologia da clinica. Unidade 1 do módulo 3 que compõe o Curso de Especialização em Saúde da Família.; 1.0; Ministério da Saúdes/OPAS/OMS

A epidemiologia como referencial teórico-metodológico no processo de trabalho do enfermeiro; La epidemiología como referencial teórico-metodológico en el proceso de trabajo del enfermero; Epidemiology as a theoretical-methodological framework in the nurses' working process

Medeiros, Adeli Regina Prizybicien de; Larocca, Liliana Müller; Chaves, Marta Maria Nolasco; Meier, Marineli Joaquim; Wall, Marilene Loewen
Fonte: Universidade de São Paulo. Escola de Enfermagem Publicador: Universidade de São Paulo. Escola de Enfermagem
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Artigo Avaliado pelos Pares Formato: application/pdf; application/pdf
Publicado em 01/12/2012 POR; ENG
Relevância na Pesquisa
36.83%
Esta reflexão teve como objetivo compreender a Epidemiologia como referencial teórico-metodológico para a prática da Enfermagem em Saúde Coletiva. O método de pesquisa foi uma investigação bibliográfica, com a análise de artigos e livros de estudiosos que apontam as possibilidades e limites das Epidemiologias clássica, social e crítica, com intuito de aproximar suas concepções à prática do enfermeiro. Discute-se que a articulação dos conhecimentos advindos das supracitadas visões de Epidemiologia possibilita a construção de intervenções de Enfermagem para a transformação de realidades de saúde. A Epidemiologia Crítica ampara-se no reconhecimento dos processos protetores e de desgastes determinantes do processo saúde-doença vividos por grupos de classes sociais distintas. Assim, cabe ao enfermeiro planejar a intervenção em saúde para além do adoecimento identificado, propondo intervenções comprometidas com a mudança de processos históricos e sociais, nas dimensões singular, particular ou estrutural, que acabam por determinar o processo saúde-doença em indivíduos ou grupos.; Reflexión que objetivó comprender la Epidemiología como referencial teórico-metodológico para la práctica de Enfermería en Salud Colectiva. Se realizó una investigación bibliográfica...

Considerações acerca dos fundamentos teóricos da explicação em epidemiología; Considerations concerning the theoretical foundations of explanation in epidemiology

Silva, Luiz Jacintho da
Fonte: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública Publicador: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; ; ; ; Formato: application/pdf
Publicado em 01/08/1985 POR
Relevância na Pesquisa
36.78%
São analisadas as condições históricas do surgimento da epidemiologia como disciplina científica, em meados do século passado. É revista a evolução das bases teóricas do processo explicativo em epidemiologia até o momento atual. Especial atenção é dada ao papel da lógica positivista de Stuart Mill como base teórica da Epidemiologia até recentemente. São discutidas as alternativas teóricas correntes e proposta maior abertura da epidemiologia a diferentes correntes filosóficas como o caminho para o estabelecimento da epidemiologia como uma ciência madura.; The historical conditions surrounding the emergence, by the mid-19th century, of epidemiology as a scientific discipline, were analysed. Special consideration is given to the influence of the political milieu of Victorian England in the definition of the theoretical basis of epidemiology. The English Sanitary Movement is seen as a response of the emerging bourgeoise to problems created by industrialization and urbanization. As a consequence, epidemiology was strongly influenced by Stuart Mill's system of logic. During the latter part of the 19th century, bacteriology brought important transformations to epidemiology. However, its theoretical foundations suffered almost no change. Possibly the new challenges created by -the expanding colonial empires were the driving force in the evolution of epidemiology. As a science...

Epidemiologia, Ciências Humanas e Sociais e a integração das ciências; Epidemiología, Ciencias Humanas y Sociales y la integración de las ciencias; Epidemiology, Social and Human Sciences and integration of sciences

Czeresnia, Dina
Fonte: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública Publicador: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; ; ; ; Formato: application/pdf; application/pdf
Publicado em 01/12/2008 POR; ENG
Relevância na Pesquisa
36.83%
O objetivo do artigo foi abordar o problema da integração entre epidemiologia e ciências humanas e sociais no contexto da integração das ciências. A epidemiologia, anteriormente ao surgimento da medicina moderna, apresentava uma cosmovisão que concebia processos de saúde e doença integrados a aspectos geográficos, históricos, econômicos e sociais. A dissociação que marcou seu desenvolvimento posterior foi decorrente das concepções de corpo e doença construídas pelas ciências da vida e medicina moderna. Para pensar a integração entre ciências humanas e sociais e epidemiologia, na sua ligação com a biologia, é necessário interrogar a cisão entre natureza e cultura, inscrita no desenvolvimento das ciências. O conceito de normatividade vital, proposto por Canguilhem, e a discussão de Bohr sobre as relações entre física atômica, biologia e unidade do conhecimento são tratados com a perspectiva de refletir sobre desafios contemporâneos da integração entre as ciências.; El objetivo del artículo fue abordar el problema de la integración entre epidemiología y ciencias humanas y sociales en el contexto de la integración de las ciencias. La epidemiología, anteriormente al surgimiento de la medicina moderna...

Explorando as múltiplas trajetórias de causalidade: colaboração entre antropologia e epidemiologia na coorte de nascimentos de 1982, Pelotas, RS; Explorando las múltiples trayectorias de causalidad: colaboración entre antropología y epidemiología en la cohorte de nacimientos de 1982, Pelotas, Sur de Brasil; Exploring multiple trajectories of causality: collaboration between Anthropology and Epidemiology in the 1982 birth cohort, Pelotas, Southern Brazil

Béhague, Dominique P; Gonçalves, Helen
Fonte: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública Publicador: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; ; ; ; Formato: application/pdf; application/pdf
Publicado em 01/12/2008 POR; ENG
Relevância na Pesquisa
36.78%
OBJETIVO: Embora a relação entre Epidemiologia e Antropologia tenha uma longa história, geralmente, ela tem sido compreendida por meio da integração dos métodos quantitativos e qualitativos em pesquisa. Recentemente, esses dois campos têm convergido para linhas conceituais e teóricas, enfatizando mais a explicação do que a simples descrição dos fenômenos investigados. O objetivo do estudo foi mostrar como a análise de dados etnográficos auxilia na interpretação aprofundada e teórica de dados epidemiológicos. MÉTODOS: As análises antropológicas do artigo foram obtidas usando métodos etnográficos, de 1997 a 2007, de uma amostra pertencente ao estudo de coorte de nascimento de 1982 em Pelotas (RS). As análises etnográficas foram estruturadas de acordo com os resultados de dois artigos epidemiológicos sobre os determinantes de morbidade mental e da idade de iniciação sexual. RESULTADOS E CONCLUSÕES: As análises etnográficas indicam diversos caminhos de influência e causalidade presentes nas associações estatísticas e que correspondem a experiências únicas de grupos específicos. Explorando esses caminhos, observaram-se vários fatores importantes que ajudam a explicar os resultados epidemiológicos...

Historical development of epidemiology and of the concepto of risk; Desenvolvimento histórico da epidemiologia e do conceito de risco

Ayres, José Ricardo de Carvalho Mesquita
Fonte: Universidade de São Paulo. Faculdade de Medicina Publicador: Universidade de São Paulo. Faculdade de Medicina
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Formato: application/pdf
Publicado em 06/09/2009 POR
Relevância na Pesquisa
36.78%
A utilização do raciocínio probabilístico nas práticas de saúde foi originalmente introduzida pela epidemiologia e é hoje amplamente utilizado em todas as áreas da medicina. O objetivo deste trabalho foi revisitar o desenvolvimento histórico da epidemiologia e a formalização de seu elemento epistemológico nuclear, o conceito de risco, responsável pela emergência da probabilidade como parte do raciocínio causal nas ciências da saúde. O estudo situa-se na fronteira entre as disciplinas de medicina preventiva e social, história e filosofia das ciências, caracterizando-se como uma epistemologia histórico-crítica. O período de estudo abrangeu os anos de 1872 a 1965 e sua base documental foi constituída por trabalhos de periódicos científicos relacionados à construção do campo epidemiológico, em particular o American Journal of Hygiene, livros, anais de congressos, brochuras científicas etc. Foram identificadas e discutidas três etapas de desenvolvimento da epidemiologia: epidemiologia da constituição, epidemiologia da exposição e epidemiologia do risco, apontando-se aspectos epistemológicos e sócio-culturais relacionados a cada uma delas. Destacou-se a importância da reflexão crítica sobre a ciência epidemiológica...

Epidemiología de campo y epidemiología social

Segura del Pozo,Javier
Fonte: Gaceta Sanitaria Publicador: Gaceta Sanitaria
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; journal article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion Formato: text/html; application/pdf
Publicado em 01/03/2006 SPA
Relevância na Pesquisa
36.81%
Mediante la comparación de la epidemiología de campo y la epidemiología social, se pretende reflexionar sobre los imaginarios no explícitos que operan en ambos ámbitos, necesariamente convergentes, sobre los obstáculos de la práctica epidemiológica actual para alcanzar su función social y sobre la necesidad de cambiar las bases epistemológicas, metodológicas y prácticas que operan en la epidemiología, empezando por la formación del epidemiólogo de campo. La epidemiología de campo tiende a la acción sin marco teórico. La epidemiología social, por el contrario, tiende a los desarrollos teóricos (reflexión e investigación sobre los determinantes sociales) alejados de la acción, debido a los limitantes para cambiar las políticas públicas. Otras diferencias se sitúan en el nivel de intervención (micro/macroespacios), el objeto de intervención (control del brote frente a control de las desigualdades) y en la forma de articular la comunicación con la sociedad. Se asemejan en la preocupación por el método, la predominancia de una orientación positivista y condicionada por la estadística, aunque en proceso de cierta apertura epistemológica, la tensión experimentada entre relacionarse con un mundo virtual de bases de datos o con la sociedad real...

Limitaciones metodológicas de la epidemiología moderna y una alternativa para superarlas: la epidemiología sociocultural

Álvarez Hernández,Gerardo
Fonte: El Colegio de Sonora Publicador: El Colegio de Sonora
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/2008 ES
Relevância na Pesquisa
36.85%
Este artículo de revisión pretende poner en la mesa de la discusión algunas de las limitaciones metodológicas que están presentes en la epidemiología moderna, particularmente en lo que se refiere a estudios epidemiológicos observacionales, para apuntar de modo somero cuáles serían los aportes de una epidemiología de raigambre sociocultural, entendiendo por esto la necesidad de relacionar los hechos biológicos con los ámbitos social, ecológico y cultural, desde la perspectiva de que esta tarea alude a una necesaria ampliación epistemológica y también metodológica de la epidemiología. Para ello, en el presente trabajo se revisan algunas de las bases conceptuales y metodológicas de la epidemiología moderna, señalando limitaciones y alcances que se han sugerido en la literatura producida tanto dentro de la disciplina como desde las ciencias sociales. El calificativo "epidemiología moderna" se empleará indistintamente del de "epidemiología tradicional", dado que lo que interesa es abordar primordialmente los conceptos y métodos usados por la epidemiología a partir del siglo XX.

El papel de la epidemiología en la investigación de los trastornos mentales

Borges,Guilherme; Medina-Mora,María Elena; López-Moreno,Sergio
Fonte: Instituto Nacional de Salud Pública Publicador: Instituto Nacional de Salud Pública
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/10/2004 ES
Relevância na Pesquisa
36.86%
Los trastornos mentales, incluyendo los trastornos del uso de sustancias, hacen ya parte del panorama epidemiológico de México y seguirán en el escenario nacional por las próximas décadas, incrementando incluso su presencia como causa de enfermedad, discapacidad y muerte en nuestro país. Por lo tanto, el manejo epidemiológico de estos problemas se hace urgente. Este trabajo busca plantear el campo de estudio de la epidemiología de los trastornos mentales y sus limitaciones, haciendo énfasis en los elementos comunes de ésta con otras áreas más tradicionales de la epidemiología y en las aportaciones particulares de este campo epidemiológico a la psiquiatría en general y a la epidemiología en particular. Planteamos a continuación los diseños y problemas más comunes en este campo de la epidemiología, su utilidad para acciones de prevención, y señalamos los retos que nos esperan en el futuro. Una característica distintiva de esta área es que los trastornos mentales se manifiestan en dos niveles, como conducta (por ejemplo, una conducta compulsiva de lavarse las manos) y como elemento de la vida mental del sujeto (por ejemplo, el pensamiento obsesivo sobre las bacterias que se encuentran presentes en todos lados y que son una fuente constante de amenaza para algunos sujetos). Debido a esto...

El papel de la epidemiología en la investigación de los trastornos mentales

Borges,Guilherme; Medina-Mora,María Elena; López-Moreno,Sergio
Fonte: Instituto Nacional de Salud Pública Publicador: Instituto Nacional de Salud Pública
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/10/2004 ES
Relevância na Pesquisa
36.86%
Los trastornos mentales, incluyendo los trastornos del uso de sustancias, hacen ya parte del panorama epidemiológico de México y seguirán en el escenario nacional por las próximas décadas, incrementando incluso su presencia como causa de enfermedad, discapacidad y muerte en nuestro país. Por lo tanto, el manejo epidemiológico de estos problemas se hace urgente. Este trabajo busca plantear el campo de estudio de la epidemiología de los trastornos mentales y sus limitaciones, haciendo énfasis en los elementos comunes de ésta con otras áreas más tradicionales de la epidemiología y en las aportaciones particulares de este campo epidemiológico a la psiquiatría en general y a la epidemiología en particular. Planteamos a continuación los diseños y problemas más comunes en este campo de la epidemiología, su utilidad para acciones de prevención, y señalamos los retos que nos esperan en el futuro. Una característica distintiva de esta área es que los trastornos mentales se manifiestan en dos niveles, como conducta (por ejemplo, una conducta compulsiva de lavarse las manos) y como elemento de la vida mental del sujeto (por ejemplo, el pensamiento obsesivo sobre las bacterias que se encuentran presentes en todos lados y que son una fuente constante de amenaza para algunos sujetos). Debido a esto...

Epidemiología de campo y epidemiología social

Segura del Pozo,Javier
Fonte: Ediciones Doyma, S.L. Publicador: Ediciones Doyma, S.L.
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/04/2006 ES
Relevância na Pesquisa
36.81%
Mediante la comparación de la epidemiología de campo y la epidemiología social, se pretende reflexionar sobre los imaginarios no explícitos que operan en ambos ámbitos, necesariamente convergentes, sobre los obstáculos de la práctica epidemiológica actual para alcanzar su función social y sobre la necesidad de cambiar las bases epistemológicas, metodológicas y prácticas que operan en la epidemiología, empezando por la formación del epidemiólogo de campo. La epidemiología de campo tiende a la acción sin marco teórico. La epidemiología social, por el contrario, tiende a los desarrollos teóricos (reflexión e investigación sobre los determinantes sociales) alejados de la acción, debido a los limitantes para cambiar las políticas públicas. Otras diferencias se sitúan en el nivel de intervención (micro/macroespacios), el objeto de intervención (control del brote frente a control de las desigualdades) y en la forma de articular la comunicación con la sociedad. Se asemejan en la preocupación por el método, la predominancia de una orientación positivista y condicionada por la estadística, aunque en proceso de cierta apertura epistemológica, la tensión experimentada entre relacionarse con un mundo virtual de bases de datos o con la sociedad real...

Considerações acerca dos fundamentos teóricos da explicação em epidemiología

Silva,Luiz Jacintho da
Fonte: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo Publicador: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/08/1985 PT
Relevância na Pesquisa
36.78%
São analisadas as condições históricas do surgimento da epidemiologia como disciplina científica, em meados do século passado. É revista a evolução das bases teóricas do processo explicativo em epidemiologia até o momento atual. Especial atenção é dada ao papel da lógica positivista de Stuart Mill como base teórica da Epidemiologia até recentemente. São discutidas as alternativas teóricas correntes e proposta maior abertura da epidemiologia a diferentes correntes filosóficas como o caminho para o estabelecimento da epidemiologia como uma ciência madura.