Página 1 dos resultados de 3006 itens digitais encontrados em 0.003 segundos

Enxerto córtico-esponjoso homógeno processado quimicamente e esterilizado em óxido de etileno, em cães: análise mecânica e estudo da integração por meio de radiografias.; Homogenous cortico-cancellous graft chemically prepared and sterilized in ethylene oxide, in dogs.

Castania, Vitor Aparecido
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 21/06/2002 PT
Relevância na Pesquisa
37.25%
O principal propósito da enxertia óssea é estimular a osteogênese, mas é útil que o enxerto apresente outras propriedades tais como a resistência mecânica, possibilidade de estocagem e de ser usado em diferentes quantidades. Nesta pesquisa nós estudamos algumas propriedades mecânicas e o desempenho biológico de uma amostra de enxerto ósseo homógeno quimicamente processado e esterilizado em óxido de etileno. Primeiramente, amostras cilíndricas de tal enxerto, foram ensaiadas mecanicamente em compressão. Em uma segunda instância, o enxerto foi implantado em cães adultos. Trinta animais foram divididos em dois grupos. No grupo I, dez cães receberam um bloco cilíndrico de osso homógeno quimicamente preparado que foi implantado num leito cilíndrico confeccionado na epífise distal do fêmur direito. Três semanas após, o mesmo animal foi submetido à mesma cirurgia, desta vez no fêmur esquerdo. Seis semanas após a primeira operação, o cão foi sacrificado. O grupo II consistiu de vinte cães que receberam um enxerto autógeno cilíndrico que foi obtido do fêmur esquerdo e implantado no fêmur direito, da mesma forma que no grupo I. Dez animais (subgrupo A) foram sacrificados três semanas após o implante e dez animais (subgrupo B) foram sacrificados seis semanas após o implante. Os animais foram acompanhados clinicamente...

Enxerto corticoesponjoso homógeno processado quimicamente, esterilizado em óxido de etileno e embebido em medula óssea autógena. Estudo experimental em cães (Canis familiaris LINNAEUS, 1758); Homogenous cortical-cancellous bone graft chemically processed, sterilized with ethylene oxide and soaked in autogenous bone marrow. An experimental study in dogs (Canis familiaris LINNAEUS, 1758).

Castania, Vitor Aparecido
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 04/05/2007 PT
Relevância na Pesquisa
37.23%
Foi estudado experimentalmente o desempenho biológico de um tipo de enxerto ósseo homógeno, processado quimicamente, esterilizado em óxido de etileno e embebido em medula óssea autógena. De cães doadores adulto-jovens foram obtidos blocos cilíndricos de 1,0 x 1,0 cm da epífise distal do fêmur, com auxílio de uma trefina. Os ossos assim obtidos foram clareados, desengordurados, esterilizados em óxido de etileno e mantidos em estoque. Trinta cães adultos jovens foram usados como receptores do enxerto e foram alocados em dois grupos. No grupo I (experimental) os animais foram operados e, criado, transversalmente, com trefina de 1,0 cm de diâmetro externo, um espaço cilíndrico de 1,0 cm de diâmetro por 1,0 cm de altura na epífise distal do fêmur direito, onde foi encaixado o enxerto preparado e que foi previamente embebido em medula óssea do próprio animal retirada por punção óssea na crista ilíaca. Três semanas depois, o mesmo animal foi submetido ao mesmo procedimento cirúrgico no fêmur esquerdo. Os cães deste grupo foram sacrificados seis semanas após a primeira cirurgia. O grupo II constituiu o controle e foi formado por vinte cães adulto-jovens em que, primeiro, foi retirado um cilindro de osso da epífise distal do fêmur esquerdo e...

Influência da decorticação na neoformação tecidual da interface do enxerto ósseo na coluna vertebral; Decortication influence in the new tissue formation in the bone graft interface in the spine.

Canto, Fabiano Ricardo de Tavares
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 23/10/2007 PT
Relevância na Pesquisa
37.19%
Foi realizado estudo experimental para determinar a influência da decorticação dos elementos posteriores da coluna vertebral na integração do enxerto ósseo autólogo esponjoso ou cortical, considerando a avaliação histológica quantitativa e qualitativa dos tecidos (ósseo, cartilaginoso e fibroso) presentes na interface entre o leito receptor e o enxerto ósseo. Setenta e dois ratos Wistar foram divididos em quatro grupos experimentais: grupo I_ leito posterior decorticado enxerto esponjoso, grupo II_ leito posterior decorticado enxerto cortical, grupo III_ leito posterior não decorticado enxerto esponjoso, grupo IV_ leito posterior não decorticado enxerto cortical. Os quatro grupos experimentais foram sacrificados com 3, 6 e 9 semanas de pós-operatório e a região operada foi submetida a avaliação histológica e histomorfométrica. Nos animais sacrificados com 3 semanas de pós-operatório a média da porcentagem de osso neoformado no grupo I foi de 40,87%±5,24, no grupo II de 39,13%±7,27, no grupo III de 6,13%±2,13, no grupo IV de 9,27%±4,06. Foi observada diferença estatística entre os valores da neoformação óssea (p=0,0005). A média da porcentagem de tecido cartilaginoso neoformado no grupo I foi de 8,36%±1...

Imunolocalização do fator de crescimento BMP-2 em enxerto ósseo autógeno em bloco recoberto ou não por membrana de PTFE-e; Immunolocalization of BMP-2 growth factor in autogenous block graft covered or not with an e-PTFE membrane

Marco, Andrea Carvalho de
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 18/02/2008 PT
Relevância na Pesquisa
37.23%
O objetivo deste estudo foi avaliar a imunolocalização do fator de crescimento BMP- 2 em enxerto ósseo autógeno em bloco recoberto ou não por membrana de PTFE-e na fase inicial da reparação óssea. MATERIAL E MÉTODOS: Quarenta e oito ratos "wistar" foram divididos em dois grupos de estudo, um que recebeu somente o enxerto ósseo autógeno (E) e o outro que recebeu o enxerto ósseo autógeno recoberto por membrana (ME). Os períodos de avaliação foram: 0 hora, 3, 7, 14, 21 e 45 dias. Os cortes foram submetidos à reação imunoistoquímica. Foram realizadas as análises, qualitativa e quantitativa: contagem de células com marcação intracitoplasmática nas estruturas bordo, enxerto, tecido conjuntivo superior ao enxerto, interface e leito. RESULTADOS: No leito o maior número de células marcadas foi observado em 3 dias nos grupos (E) e (ME). A região de bordo apresentou maior número de células marcadas em 7 dias no grupo (E) e em 14 dias no grupo (ME), onde a marcação foi predominante em osteoblastos e células osteoprogenitoras em áreas de remodelação óssea. No tecido conjuntivo superior ao enxerto a maior proporção de marcação no grupo (E) ocorreu em 7 dias e no grupo (ME) em 21 dias, no entanto, neste último...

Hipernatremia do doador como fator de risco para falência primária de enxerto após transplante cardíaco ortotópico; Hypernatremia of donor as a risk factor for primary graft failure after heart transplantation

Finger, Marco Aurelio
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 09/04/2013 PT
Relevância na Pesquisa
37.19%
Introdução: O transplante cardíaco exerce um papel relevante no tratamento da insuficiência cardíaca grave. Dentro dos desfechos desfavoráveis a seus resultados, a falência primária do enxerto é reconhecida, como condição de gravidade e mortalidade elevada. Os fatores implicados no aparecimento da falência primária do enxerto ainda não são bem esclarecidos e sua relevância é pouco estudada. Objetivo: Observar se há associação entre hipernatremia do doador e de outras variáveis com o desenvolvimento da falência primária do enxerto (FPE). Métodos: Foram avaliados, retrospectivamente, 200 pacientes submetidos à cirurgia de Transplante Cardíaco Ortotópico (TxC) no Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia (IDPC), no período entre 01/01/2001 e 31/12/2010, sendo cotado os níveis de sódio sérico no doador. Além disto, foram avaliados outros fatores relacionados ao doador, ao receptor e ao procedimento cirúrgico. Após a identificação de que o sódio sérico do doador estava elevado no grupo de receptores com FPE, um ponto de corte foi obtido pela curva ROC. O nível de significância dos testes foi de 5%. Um modelo de regressão logística múltipla foi ajustado para avaliar os efeitos de fatores e covariáveis presentes na FPE. Resultados: Entre os pacientes que desenvolveram falência primária do enxerto...

Análise da expressão de neurotrofinas durante a regeneração de nervo periférico de rato por enxerto venoso; Analysis of the expression of neurotrophins during regeneration of peripheral nerves in rats with vein graft

Ahmed, Farooque Jamaluddin
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 15/02/2013 PT
Relevância na Pesquisa
37.15%
Análise da expressão de neurotrofinas durante a regeneração de nervo periférico de rato por enxerto venoso Enxertos de veias têm sido empregados para preencher lacunas em nervos periféricos transeccionados para melhor recuperação funcional. No entanto, vários inconvenientes, como a constrição do enxerto secundário foram observados. Uma nova alternativa para esta técnica foi desenvolvida. Simplesmente invertendo a veia de dentro para fora, chamado do Inside- out vein graft. As neurotrofinas são uma família de fatores neurotróficos conhecidos por desempenhar um papel significativo na regeneração de nervos periféricos. A família da neurotrofina é constituído por fator de crescimento nervoso (NGF), fator neurotrófico derivado do cérebro (BDNF), Neurotrofina-3 (NT-3) e Neurotrofina-4 (NT-4). No campo da neurobiologia, vários autores têm utilizado a técnica de PCR a fim de obter mais informações sobre os nervos regenerados. Neste estudo, foi utilizada a técnica de biologia molecular para explorar o papel e o nível das neurotrofinas durante a regeneração de nervos periféricos com enxerto de veia. O nervo isquiático de ratos foi seccionado e reparado com enxerto de veia invertida (IOVG) e técnicas de enxerto de veia padrão (SVG). No grupo controle...

Reparo ósseo após enxerto ósseo autógeno e implante de hidroxiapatita absorvível granulada sob influência de campo magnético estático : estudo experimental em calvária de ratos

Schwengber, Marcos Miguel Bechstedt
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Dissertação Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
37.15%
Proposição: avaliar histológica e bioquimicamente o efeito de enxerto ósseo autógeno e implante de hidroxiapatita (HA) sintética (HAP 91®), sob influência de campo magnético estático, no reparo ósseo na calvária de ratos. Materiais e métodos: utilizaram-se defeitos críticos de 5 mm realizados na calvária de 60 ratos Wistar. Os animais foram submetidos a quatro diferentes intervenções: enxerto ósseo autógeno ou implante de HA, com e sem a presença de campo magnético estático, sepultado, com intensidade entre 40 e 70 G. Foi realizada análise histológica histométrica e descritiva dos defeitos ósseos em 15, 30 e 60 dias pós-operatórios. Realizou-se análise da atividade sistêmica da enzima fosfatase alcalina nos mesmos tempos operatórios. Para controle bioquímico utilizaram-se cinco animais (Naive). Resultados: o reparo ósseo foi mais acelerado no grupo de enxerto autógeno sob influência de campo magnetico do que no mesmo grupo sem influência magnética. O enxerto ósseo autógeno demonstrou reparo ósseo superior ao implante de HA. A atividade da enzima fosfatase alcalina teve sua maior expressividade em 30 dias pós-operatórios. Neste mesmo tempo operatório, os grupos com aplicação de campo magnético apresentaram atividade enzimática inferior aos grupos sem tal influência. Conclusões: o implante de HA demonstrou ser inferior ao enxerto ósseo autógeno no reparo ósseo. O campo magnético estático não causou influência sobre o reparo ósseo. A enzima fosfatase alcalina teve sua atividade diminuída em 30 dias pós-operatórios pela influência do campo magnético estático.; Purpose: to evaluate histologically and biochemically the effect of autogenous bone graft and synthetic hidroxiapatite (HA) implant (HAP 91®)...

Fixação de enxerto cutâneo em malha de espessura total com sutura ou cola de fibrina

Amaral, M.S.P.; Rahal, S.C.; Dal-Pai, V.; Barraviera, S.R.C.S.; Lima, A.F.M.; Crocci, A.J.
Fonte: Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Escola de Veterinária Publicador: Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Escola de Veterinária
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: 312-319
POR
Relevância na Pesquisa
37.19%
Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP); Avaliou-se a influência da cola de fibrina, derivada do veneno de serpente, na fixação e integração de enxerto de pele. Foram utilizados nove cães, sem raça definida, com peso médio de 15kg. Foi induzida ferida de 4×4cm de área, na face crânio-proximal dos antebraços direito e esquerdo. Um enxerto de espessura total foi colhido da região torácica e expandido por meio de expansor de pele. No membro direito o enxerto foi estabilizado no leito receptor por meio de pontos isolados simples; no esquerdo foi fixado pela aplicação de cola de fibrina e oito pontos de sutura. O sítio doador foi fechado empregando-se retalho cutâneo bipediculado. As bandagens do leito receptor foram oclusivas e não aderentes e aplicou-se pomada de neomicina com bacitracina. A troca de bandagens ocorreu diariamente até o sétimo dia de pós-operatório e, posteriormente, a cada três dias. A área de sobrevivência do enxerto foi obtida pela subtração das áreas não viáveis e total medidas com fotomicroscópio Nikon conectado a um sistema de análise de imagem KS-300 aos três, sete, 15 e 30 dias de pós-operatório. Para a avaliação microscópica, a área do enxerto foi colhida em três animais aos sete...

Influência da osteopenia na reparação do enxerto ósseo autógeno associado ou não por membrana de PTFE-e: estudo histológico e histomorfométrico em ratas

Nascimento, Rodrigo Dias
Fonte: Universidade Estadual Paulista (UNESP) Publicador: Universidade Estadual Paulista (UNESP)
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: 119 f. : il. color.
POR
Relevância na Pesquisa
37.23%
Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES); Pós-graduação em Biopatologia Bucal - ICT; O objetivo deste estudo foi avaliar quantitativamente e descrever qualitativamente o processo de reparação óssea de enxerto ósseo autógeno em bloco, associado ou não a membrana de PTFE-e, em ratas fêmeas, portadores de osteopenia induzida. Para tanto, foram utilizadas oitenta ratas Wistar pesando aproximadamente 300g, nas quais, com o auxílio de uma trefina de 4,1mm de diâmetro retirou-se um fragmento ósseo do osso parietal o qual foi fixado à parede lateral do ramo mandibular esquerdo. Os animais foram divididos aleatoriamente em quatro grupos experimentais: Grupo 1 (n=20): ovariectomia simulada (SHAM) e realização de enxerto ósseo autógeno; Grupo 2 (n=20): SHAM e realização de enxerto ósseo autógeno em bloco com recobrimento por membrana de PTFE-e; Grupo 3 (n=20): ovariectomia (OVZ) e realização de enxerto ósseo autógeno em bloco; Grupo 4 (n=20): OVZ e realização de enxerto ósseo autógeno em bloco com recobrimento por membrana de PTFE-e. Os animais de cada grupo foram sacrificados em cinco períodos: imediato, sete, 21, 45 e 60 dias, sendo cada período com 4 animais por grupo. As peças foram descalcificadas e incluídas; os cortes corados com HE e submetidos à análise histológica e histomorfométrica em microscopia de luz. Os resultados obtidos com os testes ANOVA e Tukey (5%) mostraram que ambos os grupos (SHAM e OVZ) apresentaram perda do volume original do enxerto quando não recoberto pela membrana...

Osso esponjoso liofilizado de cão utilizado como enxerto puro e associado a plasma rico em plaquetas ou medula óssea em falhas ósseas induzidas em coelhos: estudo experimental

Morato, Gláucia de Oliveira
Fonte: Universidade Estadual Paulista (UNESP) Publicador: Universidade Estadual Paulista (UNESP)
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: xxi, 80 p. : il.
POR
Relevância na Pesquisa
37.25%
Pós-graduação em Cirurgia Veterinária - FCAV; Este estudo objetivou descrever a reparação óssea ao se utilizar enxerto esponjoso liofilizado de cão, e determinar se a associação de plasma rico em plaquetas (PRP) ou medula óssea autógena (MO) ao enxerto seria benéfica ao processo de regeneração óssea. Foi feita ostectomia segmentar no rádio de 42 coelhos machos, da raça Nova Zelândia Branco, com 160 a 170 dias de idade e peso variando de 2,6 a 3,5Kg. Os grupos experimentais foram divididos de acordo com o preenchimento da falha: GE, enxerto puro; GEM, enxerto associado a MO; GEPRP, enxerto associado ao PRP e, controle, falha vazia. Para análise histológica foi feita eutanásia de metade dos animais de cada grupo 45 dias após a cirurgia e o restante aos 90 dias. Obtiveram-se radiografias no pós-operatório imediato, aos 45 e 90 dias. No período de acompanhamento não foram observadas fístulas ou secreções. Ocorreu integração do enxerto e formação de ponte óssea radiográfica em 84,2 % e 75% das interfaces, respectivamente. O preenchimento ósseo foi maior nos animais dos grupos tratados em relação ao grupo controle (p < 0,05), o qual apresentou atividade óssea, porém, com preenchimento incompleto das falhas em cinco animais (n=6). Histologicamente observou-se predominância de união óssea e cartilagem mineralizada (20...

Avaliação cirúrgica e histopatológica da viabilidade do auto-enxerto de tecido ovariano na região subcapsular do rim de ratas

Macedo, Michelly Fernandes de
Fonte: Universidade Estadual Paulista (UNESP) Publicador: Universidade Estadual Paulista (UNESP)
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: xxii, 56 f. : il.
POR
Relevância na Pesquisa
37.19%
Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq); Pós-graduação em Cirurgia Veterinária - FCAV; Objetivou-se desenvolver uma técnica de cultivo de folículos préantrais pelo auto-enxerto de tecido ovariano, avaliando a viabilidade cirúrgica e histopatológica desta técnica em função do tempo. Sessenta ratas Wistar foram submetidas à ovariosalpingectomia bilateral e enxerto de fragmento ovariano inserido sob a cápsula renal do rim direito. Os animais foram subdivididos em seis grupos experimentais baseados no tempo de pós-cirúrgico. Transcorridas 24 h (grupo 24H), 72 h (grupo 72H), 1 semana (grupo 1 S), 2 semanas (grupo 28), 3 semanas (grupo 3S), e 4 semanas (grupo 4S), os animais foram sacrificados. As peças cirúrgicas, compostas por enxerto ovariano e parênquima renal subjacente, foram imersas em solução de Bouin durante 24 horas, sendo processadas histologicamente, e coradas por hematoxilina-eosina e tricrômico de Masson. Aspectos técnicos cirúrgicos, morfológicos e histopatológicos foram avaliados. Os procedimentos cirúrgicos foram de fácil execução e a avaliação morfológica revelou facilidade de localização, poucos casos de migração e neovascularização do enxerto após 1 semana. Não houve sinais de rejeição do enxerto...

Estudo da viabilidade celular comparando os meios de conservação para enxerto ósseo de calota craniana: análise microscópica e imunoistoquímica em ratos

Tanaka, Fábio Yoshio
Fonte: Universidade Estadual Paulista (UNESP) Publicador: Universidade Estadual Paulista (UNESP)
Tipo: Tese de Doutorado Formato: 89 f. : il. + 1 CD-ROM
POR
Relevância na Pesquisa
37.23%
Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq); Pós-graduação em Odontologia - FOA; O objetivo deste trabalho foi analisar a viabilidade celular comparando os meios de conservação para enxerto ósseo. A preservação de células viáveis em procedimentos de enxerto ósseo é de fundamental importância para que se tenha a osteogênese. Foram utilizados 43 ratos machos. Após a antissepsia do campo operatório foi realizada incisão linear na região mediana da calota craniana para obtenção do enxerto da região parietal direita e esquerda as quais foram removidas com auxílio de trefina de 5mm de diâmetro acoplada em micro-motor de baixa rotação, sob constante irrigação com solução de soro fisiológico 0,9% estéril. As peças do enxerto foram acondicionadas em tubos de ensaio estéreis os quais foram devidamente identificadas de acordo com o grupo e mantidas dentro deste tubo conforme cada condição do grupo. Como meio de conservação da viabilidade celular do enxerto foi utilizado o soro fisiológico a 0,9% (Grupo I) e a solução de Euro Collins® (Grupo II) e ainda para verificar se a temperatura tem influência direta na manutenção da viabilidade celular foi analisado o enxerto ósseo conservado em temperatura ambiente (Grupo III) e o enxerto ósseo sem nenhuma solução...

Estudo imunoistoquimico da incorporação de enxerto alogeno com proteina morfogenetica do osso-2 na mandibula de rato

Rogerio da Silva Jorge
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 02/12/2004 PT
Relevância na Pesquisa
37.29%
Defeitos ósseos extensos em região maxilo-facial podem ser corrigidos com enxerto autógeno, no entanto as desvantagens desta modalidade terapêutica têm levado à pesquisa por novos materiais para substituir os enxertos autógenos. O objetivo deste estudo foi avaliar a incorporação de enxerto alógeno autoclavado associado à proteína morfogenética do osso-2 recombinante humana (BMP-2rh). Foram utilizados 75 ratos Wistar distribuídos em três grupos de 25 animais cada, sendo submetidos a enxerto ósseo em defeito mandibular de tamanho não reparável espontaneamente. No grupo controle foi utilizado enxerto autógeno fresco de osso ilíaco e nos dois grupos experimentais, enxerto alógeno autoclavado ou enxerto alógeno autoclavado associado a BMP-2rh e colágeno tipo IV. Os animais foram sacrificados após um, sete, 14, 21 e 28 dias, sendo a mandíbula radiografada e cortes histológicos obtidos para coloração em hematoxilina e eosina e reação imunoistoquímica com anticorpos para Indian hedgehog (Ihh), Sonic hedgehog (Shh) e osteopontina (OPN). A imagem radiográfica foi submetida a exame de densitometria óptica e os valores testados estatisticamente. No grupo com enxerto autoclavado a neoformação óssea foi limitada aos cotos mandibulares e a reabsorção do enxerto ocorreu de forma mais lenta...

Impacto da função retardada do enxerto pancreático no transplante simultâneo pâncreas-rim

Baitello,Marina; Galante,Nelson Zocoler; Coutinho,Luciano de Souza; Rangel,Erika Bevilaqua; Melaragno,Cláudio Santiago; Gonzalez,Adriano Miziara; Medina-Pestana,José O.
Fonte: Sociedade Brasileira de Nefrologia Publicador: Sociedade Brasileira de Nefrologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2011 PT
Relevância na Pesquisa
37.28%
OBJETIVO: O transplante pâncreas-rim é efetivo para pacientes com doença renal crônica terminal e diabetes mellitus insulino-dependente. A função retardada do enxerto pancreático é condição frequente exercendo impacto significativo nos resultados em curto prazo dos transplantes pâncreas-rim. O objetivo foi analisar o impacto da função retardada do enxerto pancreático no transplante pâncreas-rim. MÉTODOS: Análise retrospectiva de 180 receptores de transplante pâncreas-rim, incluindo dados demográficos dos doadores e dos receptores, a reatividade contra painel, a incidência de rejeição aguda e as sobrevidas do paciente e dos enxertos pancreático e renal. RESULTADOS: A incidência de função retardada do enxerto pancreático foi 11%. A idade do receptor superior a 45 anos apresentou associação com o risco de desenvolvimento de função retardada do enxerto pancreático (Razão de chances 2,26; p < 0,05). Os pacientes com função retardada do enxerto pancreático apresentaram maior incidência de rejeição aguda renal (47 versus 24%; p < 0,05), glicemia de jejum alterada (25 versus 5%; p < 0,05) e média de hemoglobina glicada (5,8 versus 5,4%; p < 0,05) ao final do primeiro ano de acompanhamento em relação aos pacientes sem função retardada do enxerto pancreático. Não houve diferenças estatisticamente significativas entre os grupos de pacientes com e sem função retardada do enxerto pancreático quanto à sobrevida do paciente (95 versus 88...

Fixação de enxerto cutâneo em malha de espessura total com sutura ou cola de fibrina

Amaral,M.S.P.; Rahal,S.C.; Dal-Pai,V.; Barraviera,S.R.C.S.; Lima,A.F.M.; Crocci,A.J.
Fonte: Universidade Federal de Minas Gerais, Escola de Veterinária Publicador: Universidade Federal de Minas Gerais, Escola de Veterinária
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2004 PT
Relevância na Pesquisa
37.19%
Avaliou-se a influência da cola de fibrina, derivada do veneno de serpente, na fixação e integração de enxerto de pele. Foram utilizados nove cães, sem raça definida, com peso médio de 15kg. Foi induzida ferida de 4×4cm de área, na face crânio-proximal dos antebraços direito e esquerdo. Um enxerto de espessura total foi colhido da região torácica e expandido por meio de expansor de pele. No membro direito o enxerto foi estabilizado no leito receptor por meio de pontos isolados simples; no esquerdo foi fixado pela aplicação de cola de fibrina e oito pontos de sutura. O sítio doador foi fechado empregando-se retalho cutâneo bipediculado. As bandagens do leito receptor foram oclusivas e não aderentes e aplicou-se pomada de neomicina com bacitracina. A troca de bandagens ocorreu diariamente até o sétimo dia de pós-operatório e, posteriormente, a cada três dias. A área de sobrevivência do enxerto foi obtida pela subtração das áreas não viáveis e total medidas com fotomicroscópio Nikon conectado a um sistema de análise de imagem KS-300 aos três, sete, 15 e 30 dias de pós-operatório. Para a avaliação microscópica, a área do enxerto foi colhida em três animais aos sete, 15 e 30 dias de pós-operatório. Não houve diferença entre momentos de avaliação e técnicas de fixação quanto à área de enxerto viável. Os enxertos fixados com cola apresentaram estágio de reparação mais avançado em todos os momentos. Concluiu-se que a cola de fibrina derivada do veneno de serpente tem moderado poder adesivo e...

Uma proposta para graduar a gravidade de disfunção precoce do enxerto após o transplante de fígado

Salvalaggio,Paolo; Afonso,Rogerio Carballo; Felga,Guilherme; Ferraz-Neto,Ben-Hur
Fonte: Instituto Israelita de Ensino e Pesquisa Albert Einstein Publicador: Instituto Israelita de Ensino e Pesquisa Albert Einstein
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/03/2013 PT
Relevância na Pesquisa
37.33%
OBJETIVO: Propor um sistema de graduação para a disfunção precoce do enxerto hepático. MÉTODOS: Estudo retrospectivo de um único centro transplantador. Foram incluídos receptores de transplante hepático por doador falecido transplantados pelo sistema MELD. A disfunção precoce do enxerto foi definida segundo os critérios de Olthoff. Diversos pontos de corte para testes de laboratório pós-transplante foram utilizados para criar um sistema de graduação da disfunção precoce do enxerto. O principal desfecho foi a perda do enxerto aos 6 meses. RESULTADOS: O pico de aminotransferases durante a primeira semana pós-operatória se correlacionou com a perda do enxerto. Os receptores foram divididos em disfunção precoce do enxerto leve (pico de aminotransferases >2.000UI/mL, mas <3.000UI/mL); moderada (pico de aminotransferases>3.000 UI/mL); e grave (pico de aminotransferases >3.000UI/mL + International Normalized Ratio >1,6 e/ou bilirrubina >10mg/dL no 7º dia pós-operatório). Disfunções precoces moderada e grave, foram fatores de risco independentes para a perda do enxerto. Pacientes com disfunção precoce leve apresentaram sobrevida do enxerto e do paciente comparável àqueles sem disfunção do enxerto. Contudo...

Reparo ósseo utilizando enxerto de matriz orgânica bovina: análise histológica em calvária de coelhos

Silveira, Rubens Jorge
Fonte: Universidade Federal de Uberlândia Publicador: Universidade Federal de Uberlândia
Tipo: Dissertação
POR
Relevância na Pesquisa
37.19%
A matriz óssea bovina tem sido utilizada como enxerto para favorecer a regeneração óssea e reduzir a necessidade de osso autógeno. O presente estudo teve como objetivo analisar o processo de reparo ósseo em calvária de coelho, utilizando enxerto de matriz óssea orgânica bovina cortical e medular. Foram utilizados 20 coelhos sendo em cada animal produzidas duas cavidades ósseas uma no osso parietal direito e outra no esquerdo. As 40 cavidades foram separadas aleatoriamente em 4 grupos e preenchidas com coágulo, enxerto ósseo autógeno, enxerto de osso bovino orgânico medular e cortical. Trinta dias após a cirurgia os animais foram sacrificados, as calvárias removidas, fixadas em formol, desmineralizadas em EDTA e processadas para inclusão em parafina. Os cortes histológicos foram corados em Hematoxilina e Eosina ou Tricrômico de Mallory e analisadas ao microscópio de luz. No grupo coágulo cerca de metade da cavidade foi preenchido por tecido ósseo formado a partir das bordas e a área central apresentou tecido conjuntivo fibroso celularizado. No grupo autógeno a cavidade foi totalmente preenchida por tecido ósseo. Nos grupos que receberam enxerto bovino medular ou cortical, cerca de ¼ das cavidades estavam preenchidas por tecido ósseo...

Enxerto autogeno de osso iliaco em defeito de tamanho critico na mandibula de rato

Rogerio da Silva Jorge
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 08/07/1999 PT
Relevância na Pesquisa
37.23%
Esta pesquisa teve por objetivo a avaliação da reparação de enxerto ósseo do ilíaco em defeito de tamanho crítico na mandíbula de rato, histologicamente e por densitometria óptica de radiografias. Os animais deste estudo foram 25 ratos Wistar adultos. Sob anestesia geral foi realizado defeito ósseo bicortical no ramo direito da mandíbula, preenchido com enxerto da crista ilíaca. Os animais foram divididos em cinco grupos, com cinco ratos cada. Estes foram sacrificados após um, sete e 14 dias, um e três meses. As mandíbulas foram removidas, fixadas em formol e posteriormente radiografadas. As emi-mandíbulas direi tas foram descalcificadas e cortes foram obtidos e corados com hematoxilina e eosina. Inicialmente foi. notado processo inflamatório agudo ao redor do enxerto, o qual estava bem adaptado ao leito receptor. A maior parte do enxerto era formado por osso esponjoso, com amplo espaço medular ocupado por tecido hematopoêtico. Em seguida foi observada intensa neoformação óssea a partir da cortical mandibular e dentro do próprio enxerto. Os espaços medulares estavam ocupados por tecido de granulação e osteoblastos. Houve remodelamento do leito receptor, com diminuição do volume do enxerto e espaço medular...

Análise comparada de crescimento do enxerto e do porta-enxerto de Hevea brasiliensis Muell. Arg. em viveiro

Castro,P.R.C.; Barbosa,L.M.; Nastri,V.D.F.; Lucchesi,A.A.
Fonte: Universidade de São Paulo; Escola Superior de Agricultura Publicador: Universidade de São Paulo; Escola Superior de Agricultura
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/1990 PT
Relevância na Pesquisa
37.25%
O objetivo do presente trabalho foi o de verificar a compatibilidade entre o enxerto ('RRIM 600') e o porta-enxerto ('Tjir 16') de seringueira, através da análise comparada de crescimento. As plantas foram cultivadas em recipientes plásticos, nas condições de viveiro, em Piracicaba (SP). As amostras foram coletadas em 4 períodos (de duas épocas) com intervalos de 30 dias. Os valores da TAL da seringueira foram de 0,018 a 0,031g.dm-2.dia-1, da TCR de 0,0145 a 0,0165g.g-1.dia-1 e da RAF de 0,4363 a 0,8510dm².g-1. A VPS e a VAF revelaram um maior vigor do porta-enxerto com relação ao enxerto e uma certa incompatibilidade no período de desenvolvimento de 'Tjir 16' em relação ao 'RRIM 600'. A RAF e a RPF mostraram, respectivamente, uma maior proporção relativa da área e do peso foliar no peso total da planta no início do desenvolvimento do enxerto e mais tardiamente no porta-enxerto. Verificou-se uma relação direta entre os valores da TCR e da TAL do enxerto e do porta-enxerto, sendo que os cultivares não apresentaram diferenças sensíveis nos incrementos de matéria seca por unidade de tempo.

Análise comparada de crescimento do enxerto e do porta-enxerto de Hevea brasiliensis Muell. Arg. em viveiro; Compared growth analysis of stock and scion of Hevea brasiliensis Muell. Arg. in nursery

Castro, P.R.C.; Barbosa, L.M.; Nastri, V.D.F.; Lucchesi, A.A.
Fonte: Universidade de São Paulo. Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Publicador: Universidade de São Paulo. Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; Formato: application/pdf
Publicado em 01/01/1990 POR
Relevância na Pesquisa
37.25%
O objetivo do presente trabalho foi o de verificar a compatibilidade entre o enxerto ('RRIM 600') e o porta-enxerto ('Tjir 16') de seringueira, através da análise comparada de crescimento. As plantas foram cultivadas em recipientes plásticos, nas condições de viveiro, em Piracicaba (SP). As amostras foram coletadas em 4 períodos (de duas épocas) com intervalos de 30 dias. Os valores da TAL da seringueira foram de 0,018 a 0,031g.dm-2.dia-1, da TCR de 0,0145 a 0,0165g.g-1.dia-1 e da RAF de 0,4363 a 0,8510dm².g-1. A VPS e a VAF revelaram um maior vigor do porta-enxerto com relação ao enxerto e uma certa incompatibilidade no período de desenvolvimento de 'Tjir 16' em relação ao 'RRIM 600'. A RAF e a RPF mostraram, respectivamente, uma maior proporção relativa da área e do peso foliar no peso total da planta no início do desenvolvimento do enxerto e mais tardiamente no porta-enxerto. Verificou-se uma relação direta entre os valores da TCR e da TAL do enxerto e do porta-enxerto, sendo que os cultivares não apresentaram diferenças sensíveis nos incrementos de matéria seca por unidade de tempo.; An experiment was carried out to establish a comparative growth analysis of stock and scion of rubber plant under nursery conditions. Samples were collected in four periods at 30 days intervals. The results indicated values of 0.018 to 0.031g.dm-2.day-1 for NAR...