Página 1 dos resultados de 2 itens digitais encontrados em 0.001 segundos

Modernizações seletivas e os circuitos espaciais da economia urbana: cidades e prisões no atual período tecnológico

Zomighani Júnior,James Humberto
Fonte: Pontifícia Universidade Católica do Paraná Publicador: Pontifícia Universidade Católica do Paraná
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/08/2015 ES
Relevância na Pesquisa
26.11%
No atual período técnico-científico e informacional, as relações entre o território das cidades e as prisões são bastante complexas. Elas constituem-se a partir de diferentes circuitos espaciais para além dos limites contíguos do entorno imediato das prisões. Como instrumentos de controle e punição, as prisões são hoje em dia objetos centrais em diversas práticas de uso e configuração do território das cidades. A articulação das prisões com cidades contíguas ou distantes estabelece múltiplas conexões geográficas, hoje possíveis pelas características dos atuais sistemas de transportes e comunicações. No entanto, a implantação dessas redes e dos circuitos espaciais ocorre de forma parcial, por conta de modernizações seletivas e incompletas. As prisões, ao promoverem essas modernizações seletivas no território das cidades, também participam da reprodução ampliada do capital no período contemporâneo.

À sombra do encarceramento: o entorno das prisões

Gonzaga, Vanessa Portes Galvão
Fonte: Universidade Federal de Uberlândia Publicador: Universidade Federal de Uberlândia
Tipo: Tese de Doutorado
POR
Relevância na Pesquisa
56.62%
À sombra do encarceramento é um título sugestivo para esta tese. Sombras perseguem, escondem, ameaçam, dominam, e, por vezes, “assombram”. As sombras são também veículos que transportam magníficas imagens psicológicas: não gozam de boa reputação, são sempre associadas ao que é enganoso, perigoso, ameaçador. Em geral, carregam significações negativas, estranhas, invasivas. Andam sempre envoltas na suspeita e no medo. As sombras são misteriosas e sedutoras, escuras e inquietantes. Não inspiram confiança e não são boas companhias. Pensar na riqueza das metáforas e das histórias inventadas sobre as sombras trouxe-me inspiração para a escrita da tese. Que outra imagem poderia ser tão apropriada para representar (ou irrepresentar) os sentimentos que uma pessoa passa a experienciar a partir do encarceramento de um parente próximo? Ter um familiar na prisão é como estar na companhia ininterrupta de uma sombra: uma sombra maldita e amaldiçoada que persegue e não se afasta. É nesse sentido que esta pesquisa se dedica ao estudo do entorno prisional, desenhado pelas famílias que passam a residir nas proximidades dos presídios para continuarem mantendo o vínculo com o parente preso e, dessa forma, partilharem a prisão. Além disso...