Página 1 dos resultados de 579 itens digitais encontrados em 0.006 segundos

Avaliação do programa de educação em saúde bucal da Faculdade de Odontologia de Araçatuba

Pereira, Alessandro Aparecido
Fonte: Universidade Estadual Paulista (UNESP) Publicador: Universidade Estadual Paulista (UNESP)
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: 141 f. : il. + 1 CD-ROM
POR
Relevância na Pesquisa
46.19%
Pós-graduação em Odontologia Preventiva e Social - FOA; Um programa de Educação em Saúde para ser considerado eficiente precisa ser avaliado de maneira objetiva. O objetivo deste estudo foi avaliar o Programa de Educação em Saúde Bucal desenvolvido pela Faculdade de Odontologia de Araçatuba-UNESP. Para tanto, desenvolveu-se uma pesquisa qualitativa por amostragem em alunos de 5as.e 8as. séries da rede pública de Araçatuba/SP, onde o tamanho mínimo da amostra foi de 384 escolares para cada série. Para participar da pesquisa as crianças e adolescentes deveriam ter estudado em Araçatuba/SP da 1a. a 4a. série do ensino fundamental em escola da rede pública estadual ou municipal. Os dados foram coletados através de um questionário com questões sobre o conhecimento em saúde bucal e analisados utilizando o software EPI 2000. Nas 23 questões de múltipla escolha obteve-se o número médio de acertos de 14, na 5a. série e 15, na 8a. série, correspondendo a mais de 50,0% de acertos em ambas as séries. As perguntas abertas foram analisadas pelo método de análise de conteúdo, quando o que mais se destacou foi a importância de escovar os dentes para evitar a cárie, 79,2% dos escolares da 5a. série e 77,2% da 8a.série demonstraram a influência positiva do Programa no cuidado dos dentes. Após a análise dos resultados pode-se concluir que o Programa de Educação em Saúde Bucal avaliado...

A contribuição da inserção da educação sanitária ambiental para a formação da cidadania ambiental em escolas públicas do município de Florianópolis

Cunha, Wanely Pinto da
Fonte: Florianópolis, SC Publicador: Florianópolis, SC
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: [160] f.| il.
POR
Relevância na Pesquisa
56.15%
Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro Tecnológico. Programa de Pós-Graduação em Engenharia Ambiental; Educar para a cidadania ambiental significa formar indivíduos capazes de atuar cooperativamente no processo de preservação e melhoria da qualidade ambiental. O objetivo geral deste trabalho é investigar o impacto da inserção transversal da educação sanitária e ambiental na construção da cidadania ambiental priorizando o tema "meio ambiente" em um estudo comparativo entre duas instituições de ensino público. Especificamente objetivou-se estudar os pressupostos teóricos da abordagem cognitiva, desenvolvendo instrumentos de avaliação que nortearam a pesquisa dando sustentação metodológica ao trabalho. A aplicação de questionários e entrevistas oportunizou a cada participante identificar os principais problemas ambientais de sua comunidade, expressando sua opinião dentro do conceito em questão, partindo de sua realidade cognitiva, social e aprender com o seu próprio operar durante o envolvimento no processo. A análise dos resultados permitiu avaliar a inserção da cidadania ambiental através da educação formal e as preocupações com as questões ambientais, que se traduzirão numa melhoria da própria qualidade de vida.

Inserção da educação sanitária e ambiental no ensino fundamental

Pereira, Querubina Ribas
Fonte: Florianópolis, SC Publicador: Florianópolis, SC
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: 174 f.| il.
POR
Relevância na Pesquisa
56.12%
Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro Tecnológico. Programa de Pós-Graduação em Engenharia Ambiental; Esta Dissertação de Mestrado tem como principal foco tanto a pesquisa sobre a inserção da educação Sanitária e Ambiental no ensino fundamental, como a aplicação de uma metodologia - o PEDS - baseada na teoria da autopoiésis de Maturana e Varela e desenvolvida inicialmente para organizações públicas. A metodologia utilizada para a aplicação dos conceitos específicos do PEDS - Planejamento Estratégico de Desenvolvimento Sustentável - sofreu uma adequação de linguagem e uma adaptação em função da faixa etária dos participantes, alunos de quinta série, com uma média de idade de onze anos. O Modelo cognitivo desenvolvido pelo Professor Dr. Daniel José da Silva, que se utiliza de uma pedagogia construtivista para a apreensão de conceitos e estratégias, mostrou-se extremamente adequado para a construção de conhecimentos, em sala de aula, na faixa etária pesquisada.

Educando os educadores: ciências sociais e educação sanitária na experiência do SESP (1950-1960)

Cardoso, José Leandro Rocha
Fonte: Fundação Oswaldo Cruz Publicador: Fundação Oswaldo Cruz
Tipo: Tese de Doutorado
PT_BR
Relevância na Pesquisa
46.25%
O presente trabalho aborda a utilização dos estudos em ciências sociais no direcionamento das atividades de educação sanitária no Serviço Especial de Saúde Pública, durante a década de 1950. Na Seção de Pesquisas Sociais, os cientistas, influenciados pelos estudos de comunidade, se dedicaram à tarefa de interpretar o modo de vida do sertanejo, promovendo estudos sobre seus hábitos, sua cultura e seus referenciais de cura, a fim de dar suporte teórico e metodológico às atividades de educação sanitária e promover a elaboração de estudos socio-econômicos, visando a organização comunitária das populações rurais. As diretrizes sociais para a atuação do SESP, definidas como marco inicial para a construção de uma dita moderna saúde pública, foram transmitidas aos demais profissionais do SESP por meio de cursos de formação, folhetos, revistas, boletins e livros publicados, como o livro A Educação dos Grupos, que constituíram o suporte teórico por meio do qual seriam formados os educadores de saúde pública do SESP, que, a rigor, deveriam ser todos os seus funcionários, ligados direta ou indiretamente à função de educar, para fins de saneamento, a população rural.

Educação, cidadania e alfabetização em contexto revolucionário

Pintassilgo, Joaquim; Mogarro, Maria João
Fonte: Porto Editora/ Centro de Investigação em Educação Publicador: Porto Editora/ Centro de Investigação em Educação
Tipo: Parte de Livro
Publicado em //2009 POR
Relevância na Pesquisa
56.21%
A relação entre cidadania e alfabetização conheceu alguns momentos fortes na história educativa portuguesa, em particular no que se refere ao período de transição da monarquia constitucional para a 1ª República (últimas décadas do século XIX – primeiras décadas do século XX). Essa relação foi, naturalmente, desvalorizada no período do Estado Novo salazarista. A Revolução do 25 de Abril de 1974 voltou a colocar o debate sobre a cidadania e a educação para a cidadania no centro da agenda educativa, relacionando-o com a democracia e com a alfabetização. Afirma-se, de forma veemente, que os cidadãos da nova sociedade inaugurada pela revolução necessitam de possuir competências mínimas ao nível da leitura, da escrita e do cálculo para poderem intervir de forma consciente e activa na vida democrática. Nesse contexto, viram a luz do dia acções de natureza e origem diversas (movimento associativo estudantil, organizações partidárias, Movimento das Forças Armadas, grupos católicos, organizações populares, etc.), total ou parcialmente dedicadas à alfabetização, com particular destaque para as Campanhas de Alfabetização e Educação Sanitária, realizadas no Verão de 1974, e para o chamado Movimento Alfa...

Educação escolar e higienização da infância

Rocha,Heloísa Helena Pimenta
Fonte: Centro de Estudos Educação e Sociedade Publicador: Centro de Estudos Educação e Sociedade
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/04/2003 PT
Relevância na Pesquisa
66.15%
Este artigo analisa o modelo de educação sanitária formulado no interior da ampla campanha de regeneração física, intelectual e moral a que se lançou o Instituto de Hygiene de São Paulo, instituição criada em 1918, em cooperação com a Junta Internacional de Saúde da Fundação Rockefeller. Busca compreender as representações sobre a infância e as práticas por meio das quais os médicos-higienistas paulistas procuraram intervir sobre os corpos e as mentes das crianças. Para tanto, toma como fontes documentos produzidos no âmbito do Departamento de Higiene Escolar do Instituto, conferindo especial atenção àqueles que permitem apreender o papel atribuído à escola primária na obra de disciplinamento e conformação da infância aos imperativos da racionalidade higiênica.

O serviço especial de saúde pública e suas ações de educação sanitária nas escolas primárias (1942-1960)

Renovato,Rogério Dias; Bagnato,Maria Helena Salgado
Fonte: Setor de Educação da Universidade Federal do Paraná Publicador: Setor de Educação da Universidade Federal do Paraná
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/2010 PT
Relevância na Pesquisa
76.36%
O Serviço Especial de Saúde Pública (SESP) foi criado em 1942, a partir de acordo entre os governos brasileiro e norte-americano, tendo como funções, o saneamento de regiões produtoras de matérias-primas, como a borracha da região amazônica e o minério de ferro e mica do Vale do Rio Doce. O SESP se expandiu nas regiões rurais brasileiras, onde construiu redes de unidades de saúde locais, focalizando tanto a medicina preventiva como a curativa, tendo como eixo principal, a educação sanitária nos mais variados espaços, dentre eles nas escolas primárias. A proposta desse artigo foi apresentar as concepções da educação sanitária, bem como as atividades educativas em saúde voltadas especificamente para escolares, buscando articular as concepções sespianas com os processos de subjetivação, que podem ou não ter contribuído na produção de outras e novas matrizes identitárias. Para esse estudo, adotamos o recorte temporal de 1942 a 1960, etapa em que o SESP apresentava-se como agência bilateral, e dotado de certa autonomia regimental e orçamentária em relação ao antigo Ministério da Educação e Saúde Pública. Como fontes históricas, foram empregadas as suas publicações nesse período, a Revista do SESP e o Boletim do SESP.

Educação sanitária e saúde pública em Minas Gerais na primeira metade do século XX

Abreu,Jean Luiz Neves
Fonte: Casa de Oswaldo Cruz, Fundação Oswaldo Cruz Publicador: Casa de Oswaldo Cruz, Fundação Oswaldo Cruz
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/03/2010 PT
Relevância na Pesquisa
66.21%
Apresenta resultados preliminares de estudo sobre a saúde pública em Minas Gerais, na primeira metade do século XX. Analisa, de maneira específica, a questão da educação sanitária e as estratégias de divulgação de preceitos de medicina entre a população mineira.

Ciências sociais e educação sanitária: a perspectiva da Seção de Pesquisa Social do Serviço Especial de Saúde Pública na década de 1950

Lima,Nísia Trindade; Maio,Marcos Chor
Fonte: Casa de Oswaldo Cruz, Fundação Oswaldo Cruz Publicador: Casa de Oswaldo Cruz, Fundação Oswaldo Cruz
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2010 PT
Relevância na Pesquisa
66.21%
Transcreve e comenta três artigos publicados no Boletim do Serviço Especial de Saúde Pública, no início da década de 1950, pelo sociólogo José Arthur Rios. Os textos em pauta trazem importantes referências para a compreensão de um período no qual projetos de mudança cultural orientaram programas de saúde e, em particular, ações de educação sanitária. Na apresentação, procurou-se contextualizar as atividades realizadas pelo Serviço Especial de Saúde Pública, agência criada em 1942, como resultado de acordo de cooperação entre o governo brasileiro e o norte-americano. Destacam-se ainda aspectos da trajetória de José Arthur Rios e de suas influências intelectuais, propondo-se uma discussão sobre o papel do cientista social em áreas não acadêmicas e na formação de agências e políticas públicas no Brasil.

A educação sanitária como profissão feminina

Rocha,Heloísa Helena Pimenta
Fonte: Núcleo de Estudos de Gênero - Pagu Publicador: Núcleo de Estudos de Gênero - Pagu
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2005 PT
Relevância na Pesquisa
66.25%
Tomando como ponto de partida o processo de institucionalização da educação sanitária em São Paulo, este artigo procura retraçar a trajetória de Maria Antonieta de Castro, profissional cuja atuação se confunde com a implementação de um novo modelo de intervenção em saúde pública, instituído pela Reforma Paula Souza em 1925. Por meio do exame da inserção dessa professora primária no campo da saúde pública, procura-se compreender a constituição de uma profissão que, lançando mão dos quadros do magistério, se configuraria em uma profissão predominantemente feminina.

Varíola e vacina no Brasil no século XX: institucionalização da educação sanitária

Fernandes,Tania Maria Dias; Chagas,Daiana Crús; Souza,Érica Mello de
Fonte: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva Publicador: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/02/2011 PT
Relevância na Pesquisa
66.21%
O objetivo deste texto é discutir algumas ações que possibilitaram a erradicação da varíola no Brasil, considerando os principais contextos e as políticas adotadas para as doenças entre 1920 e 1970, assumindo como destaque as medidas educativas no campo da saúde e estabelecendo uma discussão acerca do conteúdo educacional dos programas adotados. Observam-se, ao longo deste período, a configuração de políticas de saúde e a criação de organismos estatais direcionados a doenças e ações específicas, o que no caso da varíola somente ocorreu na década de 1960, quando foram criadas a Campanha Nacional contra a Varíola e a Campanha Nacional de Erradicação da Varíola. A educação sanitária e as relações com estas instituições foram de fundamental importância para a divulgação e implementação de ações estatais que possibilitaram ampliação da cobertura vacinal com a aceitação de seu uso pela população, o alcance do controle e a erradicação da doença.

Higienizando a raça pelas mãos da educação ruralista: o caso do Grupo Escolar Rural do Butantan em 1930; Cleaning up the race through the hands of ruralist education: the case of the Butantan Rural School Group in the 1930s; Higienizando la raza por las manos de la educación rural: el caso del Grupo Escolar Rural de Butantan en 1930

MOTA, André
Fonte: Revista Interface - Comunicação, Saúde, Educação Publicador: Revista Interface - Comunicação, Saúde, Educação
Tipo: Artigo de Revista Científica
POR
Relevância na Pesquisa
56.19%
Este artigo apresenta a experiência do Grupo Escolar Rural do Butantan, na cidade de São Paulo, nos anos 1930. Considerada uma das únicas escolas no país cujo projeto pedagógico se respaldava essencialmente em temas rurais, a empreitada se deveu, sobretudo, ao esforço de Noêmia Mattos Cruz, defensora do desenvolvimento de uma ideologia ruralista, partindo do plano educacional de base higienista, num momento em que o republicanismo trouxe inúmeras contendas sobre as finalidades do ensino e a "missão" dos professores. Aprofundado na década de 1930, quando a infância era o centro dos cuidados governamentais, o Grupo Escolar ganhou fôlego e a atenção das autoridades federais ao atrelar assuntos do campo à educação sanitária, para produzir cidadãos brasileiros "eugenicamente bem formatados". Para isso, deve-se considerar a historicidade de sua elaboração e prática, que implicaram na adesão de um projeto político de saúde pública e educação voltado para o meio rural.; This paper presents the experience of the Butantan Rural School Group, in the city of São Paulo, in the 1930s. This was regarded as one of the few schools in Brazil with pedagogical aims based essentially on rural themes. The undertaking was due mainly to the efforts of Noêmia Mattos Cruz...

Representações sociais sobre vigilância sanitária entre trabalhadores da ANVISA : um estudo na Coordenação de Vigilância Sanitária de portos, aeroportos, fronteiras e recintos alfandegados do Rio Grande do Sul; Representaciones sociales sobre vigilancia sanitaria entre trabajadores de la ANVISA : un estudio en el Coordinación de Vigilancia Sanitaria de Puertos, Aeropuertos, Fronteras y Recintos Aduaneros do Rio Grande do Sul; Social representations on health surveillance among ANVISA’s workers : a research at the Health Surveillance Coordination at Ports, Airports, Borders and Customs in Rio Grande do Sul

Garcia, Dirciara Souza Cramer de
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Dissertação Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
46.4%
Estudo qualitativo, exploratório-interpretativo, com o objetivo de conhecer as representações sociais sobre vigilância sanitária entre trabalhadores da Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA - que se vinculam à Coordenação de Vigilância de Portos, Aeroportos, Fronteiras e Recintos Alfandegados – VISAPAF - no Estado do Rio Grande do Sul. Três postos foram campo de pesquisa, localizados no Porto de Rio Grande, no Aeroporto Internacional de Porto Alegre e na Fronteira de Uruguaiana, RS. A coleta de dados ocorreu entre novembro de 2005 e junho de 2006 junto aos profissionais que compõem as equipes de trabalho que atuam nesses locais. A técnica de evocação e associação livre de palavras foi aplicada a 44 participantes, tendo-se entrevistado 30 sujeitos dessa mesma população. Sob o enfoque da Teoria das Representações Sociais, chegou-se às categorias: proteção à saúde, identidade profissional que se desdobrou em profissionalismo e desvalorização profissional; e polícia sanitária: os elos entre o fazer normativo e a educação sanitária. A vigilância sanitária é representada pelos sujeitos como um processo que, apesar das contradições, vem sendo construído e vivenciado no cotidiano da profissão com sinais de renovação das representações existentes. Assim...

Social representations of health surveillance among workers; Representaciones sociales de trabajadores acerca de la vigilancia sanitaria; Representações sociais sobre vigilância sanitária entre trabalhadores

Souza, Dirciara Barañano; Dall'Agnol, Clarice Maria
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: application/pdf
ENG
Relevância na Pesquisa
46.26%
Estudo qualitativo, exploratório-interpretativo, com o objetivo de conhecer as representações sociais sobre vigilância sanitária entre trabalhadores da Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA, no Rio Grande do Sul. Verificou-se que vigilância sanitária é representada pelos sujeitos como um processo que, apesar das contradições, vem sendo construído e vivenciado no cotidiano da profissão, com sinais de renovação das representações existentes. Assim, proteção à saúde adquire novo entendimento, distanciando-se dos limites da prevenção que tradicionalmente focaliza a doença, para voltar-se à noção de promoção. Também, a imagem de polícia sanitária desloca-se da punição para a educação sanitária, estabelecendo os elos entre os fazeres normativo e educativo. Além disso, o profissionalismo assenta-se em responsabilidade e conhecimento, e a desvalorização profissional ancora-se na idéia de exclusão. Os resultados propiciam análise dos elementos que podem estar causando permanências e influenciando os movimentos da prática cotidiana, podendo reverter em benefício da construção de um perfil profissional.; Estudio cualitativo, exploratorio-interpretativo con el objetivo de conocer las representaciones sociales de trabajadores acerca de la vigilancia sanitaria en la Agencia Nacional de Vigilancia Sanitaria – ANVISA...

A PROFESSÔRA PRIMÁRIA, O ESCOLAR E A EDUCAÇÃO SANITÁRIA; A PROFESSÔRA PRIMÁRIA, O ESCOLAR E A EDUCAÇÃO SANITÁRIA

Mascarenhas, Rodolfo dos Santos
Fonte: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública Publicador: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Formato: application/pdf
Publicado em 29/12/1963 POR
Relevância na Pesquisa
46.3%
Estudo, do ponto de vista da saúde escolar, dos aspectos: aluno, escola e enculturação do estudante, educação sanitária escolar, professor primário. O escolar primário situa-se, no Município de São Paulo, no grupo etário de mais baixo coeficiente de mortalidade; as 3 primeiras causas de morte nesse grupo são: acidentes (19,7%), neoplasmas (11,8%) e doenças do coração(8,2%), seguidas de gripe e pneumonia (7,6%), conforme dados referentes a 1960. Não existem informes sôbre a morbidade entre os escolares dêsse municipio. Os dados existentes permitem afirmar que o programa de saúde escolar deve focalizar mais os aspectos enculturativos de interêsse para a saúde do aluno. A escola primária é um importante núcleo de enculturação da criança e o mestre é o principal agente enculturativo do aluno. O programa de saúde escolar deve iniciar-se na escola normal com a formação dêsse profissional. A disciplina Biologia e Higiene, ministrada nessas escolas, no Estado de São Paulo, precisa ser desdobrada em (1) Biologia e (2) Educação Sanitária. O trabalho é concluído com a proposição de um programa de prioridades para as atividades de saúde escolar no Município de São Paulo.; This paper analyses the school child...

CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DA HISTÓRIA DO ENSINO DE EDUCAÇÃO SANITÁRIA NA FACULDADE DE HIGIENE E SAÚDE PÚBLICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO; CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DA HISTÓRIA DO ENSINO DE EDUCAÇÃO SANITÁRIA NA FACULDADE DE HIGIENE E SAÚDE PÚBLICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

Mascarenhas, Rodolfo dos Santos; Freitas, Adélia Vieira de
Fonte: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública Publicador: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Formato: application/pdf
Publicado em 01/06/1959 POR
Relevância na Pesquisa
46.59%
Os AA. estudaram a evolução do ensino da educação sanitária na atual Faculdade de Higiene e Saúde Pública, desde 1925, dividindo-a nas seguintes etapas: I - Fase de 1925 a 1939: Em 1925, existindo sómente uma escola de enfermagem no país, o Prof. Geraldo H. de Paula Souza, então Diretor do Serviço Sanitário do Estado e Professor de Higiene da Faculdade de Medicina, criou um Curso de Educadores Sanitários selecionando para o mesmo professôres primários. Êstes, após um ano de curso, exerciam atividades nos centros de saúde criados na mesma data. Apesar de existir uma disciplina denominada Ética, Educação c Administração Sanitárias, não foram ministradas aulas específicas de educação sanitária. II - Fase de 1940 a 1945 - A disciplina Educação Sanitária foi criada para êssc curso em 1939 c durante êsse período foi ministrada por profissionais que exerciam atividades em outros setores do Centro de Aprendizado, do então Instituto de Higiene. Alguns dêsses profissionais ocasionais eram diplomados pelo Curso de Educadores Sanitários, outros tinham curso de enfermagem nos Estados Unidos ou Canadá.III - Fase de 1946 a 1950 - Foi permitido o ingresso no Curso de Educadores Sanitários aos alunos com diploma de curso colegial...

QUE É UM SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO SANITÁRIA?; QUE É UM SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO SANITÁRIA?

Marcondes, Ruth Sandoval
Fonte: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública Publicador: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Formato: application/pdf
Publicado em 01/12/1962 POR
Relevância na Pesquisa
46.3%
Um seminário de educação sanitária, mais do que qualquer outro método educativo, provê oportunidade aos participantes para assumirem responsabilidade pela sua própria aprendizagem num ambiente em que as tensões estão reduzidas; onde se dá ênfase ao aperfeiçoamento do indivíduo; onde há tempo para estudo, planejamento, discussão e observação; e onde as idéias e a contribuição de cada um e de todos têm valor. Finalmente, o seminário é um método que abriga, em todos os sentidos, os modernos conceitos de educação sanitária.; A health education seminar, more than any other educational method provides opportunity for participants to accept responsibility for their own learning. Pa1'ticipants work together in an atmosphere where tensions are reduced, where emphasis is placed on the professional growth of the individual, where there is time for study, planning, discussion and observation, and finally, where the contribution of each one is important.

O PAPEL DA EDUCAÇÃO SANITÁRIA NA PROFILAXIA DO TRACOMA; O PAPEL DA EDUCAÇÃO SANITÁRIA NA PROFILAXIA DO TRACOMA

Moraes, Nelson L. de A.; Silva, Orlando José da; Camargo, Joaquim de Arruda; Freire, José Péricles
Fonte: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública Publicador: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Formato: application/pdf
Publicado em 01/12/1953 POR
Relevância na Pesquisa
46.25%
1 - Os autores acham que um programa de educação sanitária, nos trabalhos de combate ao tracoma, deve compreender duas etapas: a primeira, imediata e intensiva, dirigida especificamente, contra o tracoma, e a segunda, geral, contínua e de longo alcance.2 A etapa inicial deve consistir, básicamente, em: a) ministrar à população conhecimentos sôbre a doença; b) convencer as famílias a se submeterem a exame e a tratamento, se necessário; c) obter a participação ativa das escolas. 3 - Na segunda etapa devem ser usadas as modernas técnicas de educação, visando obter a participação popular no solucionamento de seus problemas, destacando-se, dentre elas, a organização de grupos e de comunidades. 4 - Considerando a complexidade da segunda etapa, que se utiliza de técnicas de comprovado valor na mudança de hábitos ou de comportamento, é recomendável que ela só seja iniciada se for possível contar com pessoal especializado.; 1 - Any health education campaign against trachoma should include two phases. The first should be immediate, intensive and specifically directed against trachoma; the second should be of long-term duration and general in character. 2 - The initial phase should basically consist of: a) teaching the people the important aspects of the disease; b) convincing the families to apply for medicai examination and treatment...

Representações sociais sobre vigilância sanitária entre trabalhadores; Social representations of health surveillance among workers; Representaciones sociales de trabajadores acerca de la vigilancia sanitaria

Souza, Dirciara Barañano; Dall'Agnol, Clarice Maria
Fonte: Universidade de São Paulo. Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto Publicador: Universidade de São Paulo. Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Formato: application/pdf; application/pdf; application/pdf
Publicado em 01/06/2008 ENG; POR; SPA
Relevância na Pesquisa
46.27%
This is a qualitative, exploratory-interpretative study, with the purpose of investigating the social representations of health surveillance among members of the National Health Surveillance Agency - ANVISA, in Rio Grande do Sul State. It was found that health surveillance is represented by subjects as a process that, despite the contradictions, is being constructed and lived in the job routine with signs of renovation of existing representations. Thus, health protection acquires a new understanding, deviating from the prevention limits that traditionally focus on disease in order to return to promotion itself. Also, the image of health police is displaced from punishment to health education, establishing links between normative and educative performance. Moreover, professionalism is based on responsibility and knowledge, and professional devaluation is anchored in the idea of exclusion. The results allow for an analysis of the elements that can be causing permanencies and influencing the movements of daily practice, being able to revert into a benefit for the construction of a professional profile.; Estudio cualitativo, exploratorio-interpretativo con el objetivo de conocer las representaciones sociales de trabajadores acerca de la vigilancia sanitaria en la Agencia Nacional de Vigilancia Sanitaria - ANVISA...

Varíola e vacina no Brasil no século XX: institucionalização da educação sanitária

Fernandes,Tania Maria Dias; Chagas,Daiana Crús; Souza,Érica Mello de
Fonte: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva Publicador: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/02/2011 PT
Relevância na Pesquisa
66.21%
O objetivo deste texto é discutir algumas ações que possibilitaram a erradicação da varíola no Brasil, considerando os principais contextos e as políticas adotadas para as doenças entre 1920 e 1970, assumindo como destaque as medidas educativas no campo da saúde e estabelecendo uma discussão acerca do conteúdo educacional dos programas adotados. Observam-se, ao longo deste período, a configuração de políticas de saúde e a criação de organismos estatais direcionados a doenças e ações específicas, o que no caso da varíola somente ocorreu na década de 1960, quando foram criadas a Campanha Nacional contra a Varíola e a Campanha Nacional de Erradicação da Varíola. A educação sanitária e as relações com estas instituições foram de fundamental importância para a divulgação e implementação de ações estatais que possibilitaram ampliação da cobertura vacinal com a aceitação de seu uso pela população, o alcance do controle e a erradicação da doença.