Página 1 dos resultados de 838 itens digitais encontrados em 0.005 segundos

Avaliação da soroprevalência do vírus da hepatite C em pacientes portadores de doenças sexualmente transmissíveis na cidade de São Paulo; Evaluation of Hepatitis C virus seroprevalence in patients with Sexually Transmitted Diseases in São Paulo, Brazil

Arnone, Marcelo
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 21/08/2008 PT
Relevância na Pesquisa
96.86%
Introdução: A infecção pelo vírus da hepatite C é atualmente um dos maiores problemas de saúde pública em todo o mundo. Sua principal via de transmissão é a parenteral, por meio da transfusão de sangue e hemoderivados e pelo uso de drogas injetáveis. A transmissão por via sexual é controversa e vem sendo objeto de estudos nos últimos anos. Objetivo: Avaliar a frequência do vírus da hepatite C em portadores de doenças sexualmente transmissíveis, correlacionar os achados sorológicos da população estudada com os fatores de risco para transmissão do vírus da hepatite C e analisar o papel da via sexual como meio de transmissão da doença. Casuística e Métodos: O estudo foi realizado em 1.000 pacientes portadores de doenças sexualmente transmissíveis atendidos no Centro de Saúde Escola Geraldo Paula Souza da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo e no Ambulatório de Doenças Sexualmente Transmissíveis da Divisão de Dermatologia do Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo, no período de janeiro de 2004 a dezembro de 2006. Os pacientes foram entrevistados para identificação de fatores de risco para transmissão do vírus da hepatite C e foram colhidas amostras para realização de sorologia para hepatite C e HIV. Os dados coletados incluiram idade...

Corpos, culturas e alteridade em fronteiras: educação escolar e prevenção das doenças sexualmente transmissíveis e da Aids entre indígenas da Reserva Kadiwéu, Mato Grosso do Sul - Brasil; Bodies, cultures and otherness in frontiers: school education and prevention of Aids and sexually transmitted diseases among Indians from Reserva Kadiwéu, Mato Grosso do Sul Brasil

Maciel, Léia Teixeira Lacerda
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 05/03/2009 PT
Relevância na Pesquisa
96.86%
A presente pesquisa tem por finalidade apresentar uma análise acerca dos pressupostos filosóficos, educacionais, psicológicos e históricos contidos no projeto "Viver nas aldeias com saúde: conhecer e prevenir Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST) e Aids". Essa iniciativa foi realizada com os discentes do Curso de Formação de Professores Kadiwéu e Kinikinau de Mato Grosso do Sul, no período de novembro de 2003 a fevereiro de 2004, na Reserva Indígena Kadiwéu oferecido pela Escola Municipal Indígena "Ejiwajegi" Pólo e Extensões, vinculada à Prefeitura Municipal de Porto Murtinho. A participação nesse projeto, bem como as reflexões dele decorrentes, possibilitou-me conhecer as concepções dessas sociedades indígenas a respeito de corpo e sexualidade; saúde e doença; prevenção, tratamento e comunidade; contribuindo, dessa forma, para o aprimoramento das políticas públicas destinadas a essa população. Para aprofundar as bases do projeto mencionado, tive de retornar ao início do século XX, pois foi a partir da criação do Serviço de Proteção aos Índios e Localização de Trabalhadores Nacionais (SPILTN, posteriormente Serviço de Proteção aos Índios SPI), em 1910, que se iniciaram as experiências sistemáticas de escolarização dos grupos indígenas do país. Nesse exercício de sistematização...

Prevalência das doenças sexualmente transmissíveis em mulheres profissionais do sexo do Município de Botucatu/SP

Baldin, Maíra Rodrigues
Fonte: Universidade Estadual Paulista (UNESP) Publicador: Universidade Estadual Paulista (UNESP)
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: 121 f. : il.
POR
Relevância na Pesquisa
96.95%
Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP); Pós-graduação em Enfermagem - FMB; Mudanças sóciossexuais têm alterado o perfil das doenças sexualmente transmissíveis, ampliando a necessidade de seu rastreamento, especialmente onde existe concentração de pessoas ou grupos com comportamentos de risco, para que a detecção dessas doenças e seu tratamento imediato se traduzam na redução dos problemas causados. As profissionais do sexo apresentam a característica singular de manterem atividade sexual intensa, com vários coitos por dia, acrescida do uso de substâncias químicas locais e microtraumatismos vaginais, o que as deixa vulneráveis às doenças sexualmente transmissíveis. Identificar a prevalência de doenças sexualmente transmissíveis entre profissionais do sexo do município de Botucatu/SP e verificar a associação com variáveis sociodemográficas e comportamentais. Trata-se de estudo de prevalência populacional. Foram incluídas no estudo 102 profissionais do sexo, os dados foram colhidos durante o ano de 2008 e a propedêutica de atendimento das mulheres incluía a coleta de sangue, de conteúdo vaginal e de secreção cervical para detecção das seguintes doenças sexualmente transmissíveis: hepatite B; sífilis; aids; tricomoníase; infecção clamidiana...

A Sexualidade de gerações de mulheres pós-pílula e doenças sexualmente transmissíveis (DST)

Leal, Elyane Rangel Mendes
Fonte: Florianópolis, SC Publicador: Florianópolis, SC
Tipo: Tese de Doutorado
POR
Relevância na Pesquisa
96.8%
Tese (doutorado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política, Florianópolis, 2011; A análise da vivência profissional e da literatura sobre a temática sexualidade e a incidência de doenças sexualmente transmissíveis (DST) tem evidenciado que o uso da pílula anticoncepcional liberou a mulher para exercer sua sexualidade e que apesar de todos os conhecimentos teórico-práticos, bem como do apoio das Políticas Públicas que a população dispõe para a prevenção, esse problema ainda se mantém em constante elevação. Nesse contexto, o uso do anticoncepcional pela mulher tem um papel relevante, associado a questões de gênero. Profissionais da saúde, em especial médicas ginecologistas, representam, potencialmente, um recurso importante na prevenção desse problema. Esse fenômeno gerou expectativas de ampliação e aprofundamento de conhecimentos sobre essa realidade de modo a subsidiar a atenção à saúde da mulher e de seus parceiros de uma maneira mais efetiva. Para tanto, foi realizada uma pesquisa de abordagem qualitativa com o seguinte objetivo geral: compreender a relação existente entre mudanças de atividades sexuais das gerações de mulheres pós-pílula e o incremento de DST...

Práticas educativas na área da saúde: realização de exames Bacterioscópicos para o controle das doenças sexualmente Transmissíveis (DST)

Hörner, Rosmari; Santos, Silvana; Rampelotto, Roberta; Hörner, Andreas; Gindri, Lívia; Rodrigues, Mônica; Martini, Rosiéli
Fonte: Universidade Federal de Santa Catarina Publicador: Universidade Federal de Santa Catarina
Relevância na Pesquisa
96.83%
Trabalho apresentado no 31º SEURS - Seminário de Extensão Universitária da Região Sul, realizado em Florianópolis, SC, no período de 04 a 07 de agosto de 2013 - Universidade Federal de Santa Catarina.; Reportamos os resultados do nosso projeto de extensão intitulado “Práticas educativas na área da saúde: realização de exames bacterioscópicos para o controle das Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST) na Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria - RS. O objetivo geral desse trabalho foi o de proporcionar aos acadêmicos do curso de Farmácia da UFSM a oportunidade de aprender a coletar secreções vaginais, cervicais e/ou uretrais solicitadas pelos médicos que fazem parte da equipe da Estratégia de Saúde da Família (ESF) nas Unidades Básica de Saúde da Vila Maringá e Vila Schirmer em Santa Maria, RS. Estas comunidades carentes são composta por aproximadamente 5 mil habitantes, os quais têm dificuldade de se locomover até o laboratório municipal do Centro de Diagnóstico e Atenção Secundária (CEDAS) para a realização de exames laboratoriais, aliado ao fato de que esse tipo de exame (bacterioscópico de secreções) não é efetuado nesse local. Portanto, esse projeto...

O conhecimento das mulheres portuguesas sobre doenças sexualmente transmissíveis

Nicolau, Filipa Moura
Fonte: Universidade da Beira Interior Publicador: Universidade da Beira Interior
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2010 POR
Relevância na Pesquisa
96.97%
Objectivos: avaliar as práticas sexuais; avaliar o conhecimento relativamente às doenças sexualmente transmissíveis; avaliar o comportamento sexual protegido; estimar a prevalência percepcionada de doenças sexualmente transmissíveis; averiguar relações entre variáveis sócio-demográficas, práticas sexuais e conhecimento sobre doenças sexualmente transmissíveis; e estimar o conhecimento com preditor no comportamento sexual protegido e nas doenças sexualmente transmissíveis. Métodos: Foi recolhida uma amostra de 456 mulheres, através do preenchimento de um questionário disponível na Internet. Resultados: Os resultados mostram que existe um elevado desconhecimento relativamente às doenças sexualmente transmissíveis e que o conhecimento não tem uma relação preditiva com o comportamento sexual protegido e com ter ou não ter uma DST.

Experiência dos Agentes Comunitários de Saúde em Doenças Sexualmente Transmissíveis

Bastiani,Janelice de Azevedo Neves; Padilha,Maria Itayra Coelho de Souza
Fonte: Associação Brasileira de Enfermagem Publicador: Associação Brasileira de Enfermagem
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/04/2007 PT
Relevância na Pesquisa
96.77%
Trata-se de uma experiência na capacitação de Agentes Comunitários de Saúde, em Doenças Sexualmente Transmissíveis, desenvolvido em centros de saúde de Florianópolis, Santa Catarina. O desafio desta experiência está relacionado com a dificuldade de transmitir as informações, sabendo-se das limitações dos agentes comunitários de saúde nesta área. Optou-se em utilizar a metodologia problematizadora, desenvolvendo oficinas, dramatizações, modelagens, seminários, fitas educativas, relatos de experiência, dentre outros, utilizando como subsídios os materiais didáticos do Ministério da Saúde. Foram apresentadas as atividades desenvolvidas pelo município, na promoção/prevenção/tratamento/recuperação das doenças sexualmente transmissíveis, evidenciando o planejamento familiar e o Projeto de Redução de Danos.

Doenças sexualmente transmissíveis na adolescência: estudo de fatores de risco

Taquette,Stella R.; Vilhena,Marília Mello de; Paula,Mariana Campos de
Fonte: Sociedade Brasileira de Medicina Tropical - SBMT Publicador: Sociedade Brasileira de Medicina Tropical - SBMT
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2004 PT
Relevância na Pesquisa
96.97%
As doenças sexualmente transmissíveis são prevalentes na adolescência e facilitadoras da contaminação pelo HIV. A baixa idade das primeiras relações sexuais, a variabilidade de parceiros, o não uso de preservativo e o uso de drogas ilícitas são apontados como fatores de risco às doenças sexualmente transmissíveis. Entrevistamos 356 adolescentes que procuraram atendimento no Núcleo de Estudos da Saúde do Adolescente da Universidade Estadual do Rio de Janeiro no período de agosto/2001 a julho/2002 com o objetivo de conhecê-los do ponto de vista da sexualidade e identificar fatores de risco às doenças sexualmente transmissíveis. Fizemos análises de freqüência e testes qui-quadrado dos dados coletados. Observamos associações estatisticamente significativas entre ter uma doenças sexualmente transmissíveis e as variáveis: atraso escolar, uso de álcool, tabaco e drogas, histórico de abuso sexual e a não utilização de preservativo nas relações sexuais. Os resultados indicam que os fatores de risco às doenças sexualmente transmissíveis na adolescência são múltiplos, sendo que o não uso do preservativo é o que tem possibilidade de redução sob a ação das equipes de saúde.

Análise da produção científica sobre doenças sexualmente transmissíveis e sua relação com a saúde escolar no Brasil

Azevedo,Bruno Del Sarto; Reis,Camila Calhau Andrade; Santos,Kleyton Trindade; Duarte,Ana Cristina Santos; Boery,Rita Narriman Silva de Oliveira
Fonte: Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais Publicador: Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/09/2014 PT
Relevância na Pesquisa
96.77%
Revisão integrativa que objetivou identificar o que a literatura científica tem abordado acerca das doenças sexualmente transmissíveis relacionado ao escolar da educação básica no Brasil. A investigação ocorreu por meio de acesso à Biblioteca Virtual em Saúde, utilizando os descritores "doenças sexualmente transmissíveis", "saúde escolar" e "educação sexual", entre os anos de 2003 a 2012, tendo sido selecionados oito estudos. Os resultados evidenciaram que o tema, apesar de bastante difundido no âmbito escolar, está pouco esclarecido para os jovens escolares, principalmente no que concerne ao entendimento sobre a transmissão e contaminação. A escola tem o dever de orientar e direcionar os alunos para uma prática preventiva, por meio de programas educacionais e abordagem correta. Conclui-se que há necessidade de capacitação dos profissionais, seguida de incremento dos estudos, a fim de que estratégias sejam desenvolvidas no intuito de melhorar a educação e a saúde, algo indissociável e indispensável em qualquer população.

Conhecimentos de adolescentes sobre Doenças Sexualmente Transmissíveis: subsídios para prevenção

Brêtas,José Roberto da Silva; Ohara,Conceição Vieira da Silva; Jardim,Dulcilene Pereira; Muroya,Renata de Lima
Fonte: Escola Paulista de Enfermagem, Universidade Federal de São Paulo Publicador: Escola Paulista de Enfermagem, Universidade Federal de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2009 PT
Relevância na Pesquisa
96.77%
Objetivo: Identificar o conhecimento de adolescentes sobre as formas de transmissão e prevenção das Doenças Sexualmente Transmissíveis. Metodos: envolveu 920 adolescentes entre 10 e 19 anos de idade eos dados foram obtidos por meio de um questionário estruturado. Resultado: os resultados demonstraram que a principal fonte para obtenção de informações sobre o assunto foi o professor; as Doenças Sexualmente Transmissíveis não são totalmente desconhecidas para os adolescentes do estudo, sendo a AIDS a mais conhecida.

O comportamento de prostitutas em tempos de aids e outras doenças sexualmente transmissíveis: como estão se prevenindo?

Moura,Ana Débora Assis; Oliveira,Rodisheily Maria Silva de; Lima,Guldemar Gomes de; Farias,Leiliane Martins; Feitoza,Aline Rodrigues
Fonte: Universidade Federal de Santa Catarina, Programa de Pós Graduação em Enfermagem Publicador: Universidade Federal de Santa Catarina, Programa de Pós Graduação em Enfermagem
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/09/2010 PT
Relevância na Pesquisa
96.88%
Este estudo teve como objetivo verificar o comportamento de prostitutas quanto à prevenção de doenças sexualmente transmissíveis e da aids, bem como investigar como estão se prevenindo das mesmas. Trata-se de uma pesquisa exploratória, de abordagem qualitativa, realizada na Associação das Prostitutas do Ceará, em setembro de 2008, através de questionário, com 25 prostitutas. Os dados foram analisados através da análise de conteúdo, após serem agrupados em quatro categorias: conhecimento sobre doenças sexualmente transmissíveis/aids; vivência com a(s) doença(s); prevenção da doenças sexualmente transmissíveis/aids; e uso de drogas. Concluiu-se que as prostitutas não fazem uso de preservativo em todas as relações sexuais, portanto, as doenças transmitidas pelo sexo representam uma realidade. A desinformação sobre a(s) doença(s) é notável. O consumo de drogas lícitas e ilícitas é frequente entre elas, fator que expõe a situações mais vulneráveis com relação ao HIV/aids.

Perfil epidemiológico de mulheres com vaginose bacteriana, atendidas em um ambulatório de doenças sexualmente transmissíveis, em São Paulo, SP

Tanaka,Vanessa d´Andretta; Fagundes,Luiz Jorge; Catapan,Altino; Gotlieb,Sabina Léa Davidson; Belda Jr,Walter; Arnone,Marcelo; Soreano,Roberta; Moraes,Fatima Regina B.
Fonte: Sociedade Brasileira de Dermatologia Publicador: Sociedade Brasileira de Dermatologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/02/2007 PT
Relevância na Pesquisa
96.73%
FUNDAMENTOS - A vaginose bacteriana é doença de grande relevância devido à sua alta prevalência e suas complicações obstétricas e ginecológicas. OBJETIVO - Descrever o perfil epidemiológico das pacientes com diagnóstico de vaginose bacteriana, atendidas em um ambulatório de São Paulo, segundo variáveis de interesse social, demográfico e clínico. MÉTODOS - Estudo transversal descritivo, baseado nos prontuários de 658 mulheres atendidas de janeiro de 1999 a dezembro de 2004. Foram coletadas as seguintes informações: idade, cor, estado civil, procedência, grau de escolaridade, preferência sexual, número de parceiros e presença de doença sexualmente transmissível associada. RESULTADOS - A prevalência encontrada foi de 29%. Com relação ao perfil da mulher com vaginose bacteriana, observou-se maior ocorrência em jovens entre 10 e 19 anos (40%), negras (37,1%), viúvas (62,5%), com segundo grau incompleto (39,5%), heterossexuais (29,5%), com dois ou mais parceiros sexuais nos últimos 30 dias (50%) e nos últimos cinco anos (32,3%). A associação com outras doenças sexualmente transmissíveis, concomitante, foi encontrada em 31,9% dos casos. CONCLUSÃO - A distribuição dos casos segundo faixa etária, raça...

Abordagem nas doenças sexualmente transmissíveis

Belda Junior,Walter; Shiratsu,Ricardo; Pinto,Valdir
Fonte: Sociedade Brasileira de Dermatologia Publicador: Sociedade Brasileira de Dermatologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/04/2009 PT
Relevância na Pesquisa
97%
As doenças sexualmente transmissíveis estão entre os problemas de saúde pública mais comuns em todo o mundo. Entre suas consequências estão a infertilidade feminina e masculina, a transmissão de mãe para filho, determinando perdas gestacionais ou doença congênita, e o aumento do risco para a infecção pelo HIV. Dessa forma, este guideline tem o objetivo de contribuir para melhorar a qualidade de atenção às pessoas com infecções sexualmente transmissíveis mais frequentes no Brasil, trazendo de forma didática e concreta o estado atual dos conhecimentos para os dermatologistas e médicos em geral que atuam no atendimento dessas pessoas e as principais recomendações para o diagnóstico e tratamento das doenças sexualmente transmissíveis mais recorrentes.

Perfil clínico-epidemiológico das doenças sexualmente transmissíveis em crianças atendidas em um centro de referência na cidade de Manaus, Amazonas, Brasil

Ribas,Carla Barros da Rocha; Cunha,Maria da Graça Souza; Schettini,Antônio Pedro Mendes; Ribas,Jonas; Santos,Josie Eiras Bisi dos
Fonte: Sociedade Brasileira de Dermatologia Publicador: Sociedade Brasileira de Dermatologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/02/2011 PT
Relevância na Pesquisa
96.88%
FUNDAMENTOS: Doenças Sexualmente Transmissíveis em crianças permanecem um problema de saúde pública pouco estudado, sendo ainda necessários esclarecimentos sobre seu manejo e a relação destas com o abuso sexual infantil. OBJETIVOS: Descrever o perfil clínico-epidemiológico das Doenças Sexualmente Transmissíveis em crianças atendidas em centro de referência na cidade de Manaus. MÉTODOS: Realizou-se estudo descritivo exploratório para verificar características clínicas, epidemiológicas e laboratoriais das Doenças Sexualmente Transmissíveis em crianças atendidas durante o período de janeiro/2003 a dezembro/2007. RESULTADOS: Foram incluídas no estudo 182 crianças que apresentavam DST. A maioria era do sexo feminino (65,4%) e de cor parda; a média de idade foi de 8,5 anos; 89% eram procedentes da cidade de Manaus; os pais foram os principais acompanhantes na consulta; verruga genital foi o principal diagnóstico em ambos os sexos; e, 90,1% apresentavam apenas uma DST. CONCLUSÃO: As frequências e características clínicas das DST nas crianças do estudo não diferiram do encontrado na literatura. Embora, com base em sinais e sintomas referentes tão somente às DST nas crianças, não se tenham parâmetros fidedignos de confirmação de abuso...

Relações de gênero e vulnerabilidade às doenças sexualmente transmissíveis: percepções sobre a sexualidade dos adolescentes

Torres,Cibele Almeida; Beserra,Eveline Pinheiro; Barroso,Maria Grasiela Teixeira
Fonte: Universidade Federal do Rio de Janeiro Publicador: Universidade Federal do Rio de Janeiro
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2007 PT
Relevância na Pesquisa
96.77%
As questões de gênero são primordiais para o entendimento das relações de poder na sociedade, inclusive na sexualidade. Assim, o objetivo deste estudo é analisar a influência das relações de gênero no contexto dos adolescentes e as diferentes percepções dos gêneros quanto à vulnerabilidade às doenças sexualmente transmissíveis. Trata de uma abordagem qualitativa realizada a partir da técnica de grupo focal com adolescentes de Fortaleza, Ceará, Brasil. Percebeu-se pelo diálogo com os adolescentes, que a rede social não se sente responsabilizada pela vulnerabilidade em que os jovens se encontram. Os adolescentes do grupo focal masculino sentiram necessidade de apresentarem-se livres para expressarem seus desejos sexuais, detentores do comando na relação conjugal, e as adolescentes reproduziram a condição atual de submissão feminina aos desejos masculinos. Ambos os grupos encontraram-se vulneráveis às doenças sexualmente transmissíveis. Todo formato de sociedade contribui para a permanência de paradigmas que englobam a sexualidade.

A vulnerabilidade da adolescente às doenças sexualmente transmissíveis: contribuições para a prática da enfermagem

Barreto,Ana Cláudia Mateus; Santos,Rosângela da Silva
Fonte: Universidade Federal do Rio de Janeiro Publicador: Universidade Federal do Rio de Janeiro
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2009 PT
Relevância na Pesquisa
96.81%
Trata-se de uma pesquisa de natureza qualitativa, cujo método empregado foi a História de Vida. Teve por objeto de estudo a vulnerabilidade da adolescente à doença sexualmente transmissível (DST). Os objetivos foram: identificar a condição de vulnerabilidade da adolescente em atendimento em maternidade pública no Rio de Janeiro; descrever as estratégias adotadas por adolescentes para prevenção das doenças sexualmente transmissíveis; analisar, a partir da história de vida de adolescentes, sua condição de vulnerabilidade às doenças sexualmente transmissíveis. A partir da realização deste estudo, evidenciou-se que as adolescentes, ao conviverem em núcleos familiares não coesos, são menos resilientes e, consequentemente, mais vulneráveis a contrair uma DST. O estudo evidenciou a importância de os enfermeiros se apropriarem dos conceitos de vulnerabilidade e resiliência para se tornarem aptos a estimular e aumentar a autoestima das adolescentes, e diminuir a sua vulnerabilidade às DST.

Conhecimentos e crenças sobre doenças sexualmente transmissíveis e hiv/aids entre adolescentes e jovens de escolas públicas estaduais da região oeste de Goiânia; Knowledge and beliefs about sexually transmitted disease and HIV/AIDS among adolescents and young people of state public schools of the West region of Goiania city, Brazil

Coelho, Rui Flávio de Souza; Souto, Thays Garcia; Soares, Leonardo Ribeiro; Lacerda, Luciene Cunha Monteiro; Matão, Maria Eliane Liégio
Fonte: Ruy de Souza Lino Publicador: Ruy de Souza Lino
Tipo: Artigo de Revista Científica
PT_BR
Relevância na Pesquisa
96.77%
v. 40, n. 1, p. 56-66, jan./ mar. 2011; As doenças sexualmente transmissíveis (DSTs) são altamente prevalentes no mundo, constituindo um problema de saúde pública. A população mais susceptível às DSTs é constituída por adolescentes e jovens em razão da prática de relações sexuais desprotegidas. Com o objetivo de investigar conhecimentos e crenças sobre doenças sexualmente transmissíveis/HIV/AIDS entre adolescentes e jovens de 15 a 24 anos do sexo masculino e feminino da Rede Pública Estadual de Ensino, matriculados em escolas da região oeste de Goiânia, foi realizado um estudo descritivo, epidemiológico e transversal baseado em questionário autoaplicável e anônimo. A pesquisa foi realizada no segundo semestre de 2009 em seis escolas públicas estaduais de ensino fundamental e médio com 210 escolares. Os dados evidenciam uma média de conhecimento de 77% em relação à AIDS e, no que se refere às outras DSTs, a média foi de 42,4% para o sexo masculino e 57,4% para o feminino. Dos escolares, 93,8% afirmaram a proteção conferida pelo uso do preservativo. Com base na análise dos dados, pode-se afirmar que o conhecimento obtido pelos adolescentes e jovens de ambos os sexos sobre DST/AIDS é insatisfatório e que persistem crenças errôneas que os expõem a riscos para AIDS e outras DSTs. _______________________________________________________________________________________________________________________ ABSTRACT _______________________________________________________________________________________________________________________ Sexually transmitted infections (STIs) have a high prevalence constituting a public health problem throughout the world. Adolescents and young people are the population group most susceptible to STIs given their rate of unprotected sex. Our aim was to investigate knowledge and beliefs about sexually transmitted infections/HIV/AIDS among male and female adolescents and young people between 15 and 24 years of age attending public state schools in Goiânia’s West Region. We carried out a descriptive...

O conhecimento das mulheres portuguesas sobre doenças sexualmente transmissíveis

Nicolau, Filipa Moura
Fonte: Universidade da Beira Interior Publicador: Universidade da Beira Interior
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2010 POR
Relevância na Pesquisa
96.97%
Objectivos: avaliar as práticas sexuais; avaliar o conhecimento relativamente às doenças sexualmente transmissíveis; avaliar o comportamento sexual protegido; estimar a prevalência percepcionada de doenças sexualmente transmissíveis; averiguar relações entre variáveis sócio-demográficas, práticas sexuais e conhecimento sobre doenças sexualmente transmissíveis; e estimar o conhecimento com preditor no comportamento sexual protegido e nas doenças sexualmente transmissíveis. Métodos: Foi recolhida uma amostra de 456 mulheres, através do preenchimento de um questionário disponível na Internet. Resultados: Os resultados mostram que existe um elevado desconhecimento relativamente às doenças sexualmente transmissíveis e que o conhecimento não tem uma relação preditiva com o comportamento sexual protegido e com ter ou não ter uma DST.

Behavior, knowledge and perception of risks about sexually transmitted diseases in a group of people over 50 years old; Comportamiento, conocimiento y percepción de riesgo sobre enfermedades sexualmente transmisibles en un grupo de personas con 50 o más años de edad; Comportamento, conhecimento e percepção de risco sobre doenças sexualmente transmissíveis em um grupo de pessoas com 50 anos e mais de idade

Olivi, Magali; Santana, Rosangela Getirana; Mathias, Thais Aidar de Freitas
Fonte: Universidade de São Paulo. Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto Publicador: Universidade de São Paulo. Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Formato: application/pdf; application/pdf; application/pdf
Publicado em 01/08/2008 ENG; POR; SPA
Relevância na Pesquisa
96.73%
The goal was to analyze the behavior, knowledge and risk perception about sexually transmitted diseases / AIDS (STD/AIDS) in people over 50 years old. 165 public servants at a State Secretary in Mato Grosso, Brazil were interviewed. The chi-square test and logistic regression tests were used for the analysis of risk perception and the behavior and knowledge variables about STD/AIDS. Most of the respondents were female (60.6%), 63.2 had a fixed partner, 72.4% had sexual relations in the past six months, and only 13.3% always wore condoms, with 21.5% being male and 8% female. Perception of risk was associated with non-use of condoms in their last sexual relation (p; El objetivo fue analizar aspectos de comportamiento, conocimiento y percepción de riesgo de las ETS/SIDA, en personas con 50 o más años de edad. Se entrevistaron 165 servidores de una Secretaría del estado de Mato Groso, Brasil. Se utilizó una prueba de Chi cuadrado y de regresión logística para analizar la percepción de riesgo y las variables de comportamiento y conocimiento sobre las ETS/SIDA. La mayoría de los entrevistados era del sexo femenino (60,6%); para el comportamiento un 63,2 % tenía pareja fija y un 72,4 % tuvo relación sexual en los últimos 6 meses; apenas el 13...

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS: A PERCEPÇÃO DOS ADOLESCENTES DE UMA ESCOLA PÚBLICA

Jardim, Fabrine Aguilar; Campos, Thamara de Souza; Mata, Renan Neves da; Firmes, Maria da Penha Rodrigues
Fonte: Universidade Federal do Paraná Publicador: Universidade Federal do Paraná
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; Formato: application/pdf
Publicado em 30/12/2013 POR
Relevância na Pesquisa
96.93%
Este estudo descritivo de abordagem qualitativa buscou conhecer a percepção de adolescentes sobre doenças sexualmente transmissíveis. Foram entrevistados 30 adolescentes de uma escola pública de Diamantina – Minas Gerais, entre agosto e dezembro de 2012. As entrevistas transcritas sofreram o processo de identificação dos núcleos de sentidos e categorização pela Análise de Conteúdo e originaramse duas categorias: Conhecimento sobre doenças sexualmente transmissíveis eFormas de aquisição de informações sobre doenças sexualmente transmissíveis. A camisinha representou a principal forma de prevenção, os riscos ocasionados à saúde e vida social foram morte, aids e preconceito. Os adolescentes conversam com amigos/colegas e as ações sobre essas doenças foram vivenciadas por meio das aulas e palestras. A percepção dos adolescentes sobre doenças sexualmente transmissíveis contribui para repensar a importância de projetos, novos estudos e políticas públicas para reduzir vulnerabilidade e comportamentos de riscos durante a vivência da sexualidade na adolescência.