Página 1 dos resultados de 187 itens digitais encontrados em 0.002 segundos

Vacina contra o vírus da influenza e mortalidade por doenças cardiovasculares na cidade de São Paulo; Vaccination against the influenza virus and mortality due to cardiovascular diseases in the city of Sao Paulo; Vacuna contra el virus de la Influenza y mortalidad por enfermedades cardiovasculares en la Ciudad de São Paulo

MANSUR, Antonio de Padua; FAVARATO, Desidério; RAMIRES, José Antonio F.
Fonte: Sociedade Brasileira de Cardiologia - SBC Publicador: Sociedade Brasileira de Cardiologia - SBC
Tipo: Artigo de Revista Científica
POR
Relevância na Pesquisa
46.66%
FUNDAMENTO: A influência da vacinação contra o vírus da gripe na mortalidade por doenças cardiovasculares (DCV) é controversa. OBJETIVO: Analisar a mortalidade por DCV antes e depois do início da vacinação contra a gripe na cidade de São Paulo. MÉTODOS: Analisou-se a mortalidade por doenças isquêmicas do coração (DIC), doenças cerebrovasculares (DCbV) e por causas externas (CE) na população da região metropolitana de São Paulo com idade > 60 anos, antes e depois do programa de vacinação contra a gripe. As estimativas da população e os dados de mortalidade foram, respectivamente, obtidos do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE; www.ibge.gov.br) e do Ministério da Saúde (www.datasus.gov.br) para o período entre 1980 e 2006. O risco de morte foi ajustado pelo método direto, em que se utilizou a população padrão (mundial) referente a 1960. RESULTADOS: As comparações entre as inclinações das linhas de regressão foram semelhantes para as DCbV (p = 0,931) e CE (p = 0,941), porém, para as DIC (p = 0,022), observou-se significativa redução da linha do período pós-vacina quando comparada com a linha do período pré-vacina. Mudança na tendência da mortalidade após 1996 foi significativa somente para as DIC (p = 0...

Causas múltiplas de morte relacionadas às doenças cerebrovasculares no Estado do Paraná; Multiple causes of death related to cerebrovascular diseases in the State of Parana, Brazil

FURUKAWA, Tatiane Sano; SANTO, Augusto Hasiak; MATHIAS, Thais Aidar de Freitas
Fonte: Associação Brasileira de Pós -Graduação em Saúde Coletiva Publicador: Associação Brasileira de Pós -Graduação em Saúde Coletiva
Tipo: Artigo de Revista Científica
POR
Relevância na Pesquisa
56.98%
OBJETIVO: Identificar as causas associadas de morte e o número de causas informadas nas declarações de óbito por doenças cerebrovasculares entre residentes no Estado do Paraná. MATERIAL E MÉTODOS: O banco de dados de mortalidade do ano de 2004 foi obtido do Sistema de Informação de Mortalidade disponível no endereço eletrônico do Datasus. A população escolhida foi separada pelo programa TabWin e as causas múltiplas foram processadas pelo programa Tabulador de Causas Múltiplas de Morte. RESULTADOS: O número médio de causas informadas foi de 2,92 para as mulheres e 2,97 para os homens. A maioria dos óbitos (74,8%) foi de pessoas com 65 anos ou mais de idade. Entre as causas associadas aos óbitos por doenças cerebrovasculares se destacaram as doenças do aparelho respiratório (37,9%), as doenças hipertensivas (37,5%) e os sintomas, sinais e achados anormais de exames clínicos e de laboratório (32,3%). CONSIDERAÇÕES FINAIS: Foi observada relativa melhora na qualidade dos dados de mortalidade em relação ao número de causas citadas. A hipertensão arterial como uma das principais causas associadas sugere a necessidade do seu controle no combate à mortalidade por doenças cerebrovasculares. Incentivos devem ser promovidos para estudos com causas múltiplas...

Preditores de epilepsia em crianças com doenças cerebrovasculares

Morais, Norma Martins de Menezes
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Dissertação Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
56.64%
Objetivos: Determinar a frequência de crises epilépticas e a prevalência de epilepsia em crianças que sofreram um acidente vascular cerebral (AVC), assim como verificar os fatores de risco associados com o desenvolvimento de epilepsia pós-AVC na infância. Método: Foi realizado um estudo de coorte retrospectivo com pacientes de 0 a 18 anos com diagnóstico de AVC, em acompanhamento no Ambulatório de Doenças Cerebrovasculares da Infância do Hospital de Clínicas de Porto Alegre, entre Janeiro e Julho de 2010, através da revisão dos prontuários. Foram coletados dados demográficos e relativos ao AVC e às manifestações epilépticas. Foi usado o teste Exato de Fisher para avaliar a associação entre os possíveis fatores de risco e o desfecho (epilepsia), e um modelo de regressão de Poisson para estimar o risco, ajustando para possíveis fatores de confusão. Resultados: Sessenta e cinco crianças de 0 a 18 anos foram incluídas. Quarenta e dois pacientes (64,6%) apresentaram crises epilépticas (35 na fase precoce e 7 na tardia), tendo a maioria (78,5%) ocorrido nas primeiras 24 horas. Dezenove crianças (29,2%) desenvolveram epilepsia pós-AVC, havendo associação significativa com início tardio das crises (p=0,034) e com envolvimento cortical (p = 0...

Doenças cerebrovasculares em uberlândia: II. epidemiologia e clínica

Castro,Samuel Caputo de; Marcelino,Paulo Cesar O.; Santos,Marcelo B.; Bacalá Jr.,Sílvio
Fonte: Academia Brasileira de Neurologia - ABNEURO Publicador: Academia Brasileira de Neurologia - ABNEURO
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/1986 PT
Relevância na Pesquisa
46.5%
Estudamos prospectivamente as características clínicas e epidemiológicas de 157 pacientes com doenças cerebrovasculares em Uberlândia, MG. A incidência de novos casos foi 0,8/1000hab/ano. O prognóstico revelou-se sombrio: 40% de óbitos; apenas 30% retornam ao trabalho; quase 30% dos demais ficam inválidos. Os principais fatores de risco para as DCV em nossa região foram a hipertensão arterial, a doença de Chagas, o ataque isquêmico transitório (este para os infartes completos) e hipercolesterolemia.

Doenças cerebrovasculares em pacientes entre 15 e 40 anos: achados neuropatológicos em 47 casos

Maggio,Everton M.; Montemór-Netto,Mário R; Gasparetto,Emerson L.; Reis-Filho,Jorge S.; Tironi,Fábio A.; Torres,Luiz F. Bleggi
Fonte: Academia Brasileira de Neurologia - ABNEURO Publicador: Academia Brasileira de Neurologia - ABNEURO
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2001 PT
Relevância na Pesquisa
66.94%
As doenças cerebrovasculares em pacientes entre 15 e 40 anos são pouco estudadas na literatura latino americana, principalmente no que tange aos achados neuropatológicos. Analisamos 47 encéfalos provenientes de necrópsias completas realizadas no período de 1987 a 1997 selecionados com base na faixa etária e alteração neuropatológica básica envolvendo fenômenos vasculares. Destes 47 casos analisados, 26 eram (55,3%) do sexo feminino. Quanto à distribuição etária, 12,8% (n=06) acometeram pacientes entre 15 e 20 anos, 51,1% (n=24) entre 21 e 30 anos, 36,2% (n=17) entre 31 e 40 anos. As doenças básicas que culminaram no óbito foram agrupadas, sendo mais frequentes as doenças cardíacas e hematológicas (19,2%), alterações decorrentes de complicações de gestação (12,8%), doenças infecciosas, doenças dos vasos sanguíneos e doenças neurológicas (10,7%) entre outras. As alterações neuropatológicas incluíram hérnia cerebral e/ou cerebelar (16%), edema cerebral (13,8%), hemorragia subaracnóidea (10%), infarto cerebral recente (9%), hemorragia intraparequimatosa (8%), encefalopatia hipóxico-isquêmica (3%) e eventos menos comuns como a síndrome de Sneddon e vasculite lúpica. Tais achados expressam que os fenômenos cerebrovasculares têm...

Prevalência e padrão de distribuição das doenças cerebrovasculares em 242 idosos, procedentes de um hospital geral, necropsiados em Belo Horizonte, Minas Gerais, no período de 1976 a 1997

Pittella,José Eymard H.; Duarte,Juliana Elias
Fonte: Academia Brasileira de Neurologia - ABNEURO Publicador: Academia Brasileira de Neurologia - ABNEURO
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/03/2002 PT
Relevância na Pesquisa
46.7%
OBJETIVO: Descrever a prevalência e os tipos das doenças cerebrovasculares (DCVs) em indivíduos idosos necropsiados. MÉTODO: Foram consultados os laudos neuropatológicos de 242 pacientes com idade igual ou superior a 61 anos, procedentes em sua maioria do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Minas Gerais, em Belo Horizonte, Minas Gerais, e necropsiados consecutivamente no período 1976 a 1997. RESULTADO: Os principais grupos de doenças do sistema nervoso central (SNC) foram representados por DCVs (71,9%), infecções (12,4%), neoplasias (7,1%), traumatismos crânio-encefálicos (3,7%), doenças nutricionais (2,5%) e doenças degenerativas (1,7%). As DCVs mais frequentes foram: aterosclerose (61,2%), doença cerebrovascular hipertensiva (25,6%) e infarto cerebral (14,9%). Observou-se aumento da frequência e da gravidade da aterosclerose e da frequência da doença cerebrovascular hipertensiva com o avançar da idade. Houve associação significativa entre doença cerebrovascular hipertensiva e aterosclerose. As DCVs foram clinicamente sintomáticas e as responsáveis diretas pelo óbito em 42,7% e 17,3% dos pacientes, respectivamente. CONCLUSÃO: As DCVs constituíram o principal grupo de doenças do SNC no idoso. A aterosclerose e a doença cerebrovascular hipertensiva foram as principais doenças deste grupo...

Tendência da mortalidade por doenças cerebrovasculares em adultos maiores de 20 anos de idade no Município de São Paulo (Brasil), 1950 a 1981

Lolio,Cecília Amaro de; Laurenti,Ruy
Fonte: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo Publicador: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/10/1986 PT
Relevância na Pesquisa
66.72%
É descrita a evolução da mortalidade por doenças cerebrovasculares de adultos acima de 20 anos. residentes no Município de São Paulo, SP (Brasil), de 1950 a 1981, mediante a análise dos coeficientes de mortalidade por sexo e idade. Esta mortalidade é sempre maior em todas as idades para o sexo masculino e crescente com a idade. Entre 1970 e 1981, evidencia-se declínio de 17,3% para ambos os sexos (17,8% para homens e 16,8% para mulheres) que não foi atribuído a artefatos. Sugerem-se outros estudos para analisar as causas desse declínio.

Mortalidade de mulheres em idade fértil no Município de São Paulo (Brasil), 1986: III- Mortes por diferentes causas: doenças cardiovasculares

Lolio,Cecília Amaro de; Laurenti,Ruy; Buchala,Cássia Maria; Santo,Augusto Hasiak; Mello Jorge,Maria Helena Prado de
Fonte: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo Publicador: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/02/1991 PT
Relevância na Pesquisa
46.68%
Dando seqüência à investigação de fidedignidade da certificação da causa básica da morte de mulheres em idade fértil (10-49 anos) residentes no Município de São Paulo, em 1986, são apresentadas as principais causas de morte encontradas para o conjunto da população e segundo idade. Destacam-se, pela ordem, as doenças do aparelho circulatório (doenças cardiovasculares - DCV), os neoplasmas malígnos e as causas externas. As DCVs foram responsáveis por 23,6% das mortes ocorridas nesse grupo etário, com destaque para as doenças cerebrovasculares (51,1% destas mortes por DCV) e para a doença isquêmica do coração (18,2% destas mortes, a maioria por infarto agudo do miocárdio). Comparando-se os resultados com o de investigação de mesma metodologia ocorrida no mesmo local para a década de 60, notou-se um declínio da mortalidade por doença reumática crônica de coração, aumento da mortalidade por doença cerebrovascular e por doença isquêmica do coração, mas com uma redução global dos coeficientes, ajustados por idade para o conjunto das DCVs. Houve também grande número de menções de hipertensão arterial ligadas às doenças cerebrovasculares (78,3% dos óbitos por estas causas eram de hipertensas) e à doença isquêmica do coração (onde esta proporção era de 63...

Desigualdade social e mortalidade precoce por doenças cardiovasculares no Brasil

Ishitani,Lenice Harumi; Franco,Glaura da Conceição; Perpétuo,Ignez Helena Oliva; França,Elisabeth
Fonte: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo Publicador: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/08/2006 PT
Relevância na Pesquisa
46.74%
OBJETIVO: Investigar associação entre alguns indicadores de nível socioeconômico e mortalidade de adultos por doenças cardiovasculares no Brasil. MÉTODOS: Foram analisados os óbitos de adultos (35 a 64 anos), ocorridos entre 1999 a 2001, por doenças cardiovasculares, e pelos subgrupos das doenças isquêmicas do coração e doenças cerebrovasculares-hipertensivas, obtidos no Sistema de Informação sobre Mortalidade. Foram selecionados para análise 98 municípios brasileiros, com melhor qualidade de informação. Para analisar a associação entre indicadores socioeconômicos e a mortalidade por doenças cardiovasculares, foi utilizada a regressão linear simples e múltipla. RESULTADOS: Na análise univariada, verificou-se associação negativa para a mortalidade por doenças cardiovasculares e o subgrupo das cerebrovasculares-hipertensivas com renda e escolaridade, e associação direta com taxa de pobreza e condições precárias de moradia. Quanto às doenças isquêmicas, houve associação inversa com taxa de pobreza e escolaridade, e direta com condições precárias de moradia. A escolaridade, após ajuste pelo modelo de regressão linear múltipla, permaneceu associada à mortalidade pela doença investigada e seus subgrupos. A cada ponto percentual de aumento na proporção de adultos com alta escolaridade...

Avaliação da cobertura assistencial das equipes de saúde da família às pessoas que faleceram por doenças cerebrovasculares em Maringá, Paraná, Brasil

Baptista,Eliane Katsume Kikumoto; Marcon,Sonia Silva; Souza,Regina Kazue Tanno de
Fonte: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz Publicador: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/2008 PT
Relevância na Pesquisa
56.77%
O processo de trabalho no Programa Saúde da Família (PSF) permite às equipes estabelecer relações de vínculo, acolhimento e responsabilização pela população adscrita e identificar grupos populacionais em situação de risco. O monitoramento proporciona o levantamento de problemas e avaliação das ações executadas. Considerando-se que um dos propósitos do controle da hipertensão arterial é a redução da mortalidade por doenças cerebrovasculares, o objetivo deste trabalho foi identificar a cobertura, acompanhamento e qualidade da assistência prestada às pessoas residentes em áreas de atuação do PSF que faleceram por doenças cerebrovasculares, a partir da consulta aos cadastros familiares (Ficha A), acompanhamento (Ficha B) e prontuários nas unidades básicas de saúde. Os resultados revelaram baixa cobertura, com 33,3% de cadastramento na Ficha A, acompanhamento de 4,9% dos óbitos e ausência de anotação de atendimento nos prontuários como situação predominante (52,4%). A análise da assistência a esse grupo ratificou a fragmentação e desarticulação entre os diferentes sistemas de informação. Estimular o uso dos dados disponíveis e melhorar o seu registro são imprescindíveis para a institucionalização da prática avaliativa e organização do trabalho na ótica da vigilância à saúde.

Causas múltiplas de morte relacionadas às doenças cerebrovasculares no Estado do Paraná

Furukawa,Tatiane Sano; Santo,Augusto Hasiak; Mathias,Thais Aidar de Freitas
Fonte: Associação Brasileira de Saúde Coletiva Publicador: Associação Brasileira de Saúde Coletiva
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2011 PT
Relevância na Pesquisa
56.98%
OBJETIVO: Identificar as causas associadas de morte e o número de causas informadas nas declarações de óbito por doenças cerebrovasculares entre residentes no Estado do Paraná. MATERIAL E MÉTODOS: O banco de dados de mortalidade do ano de 2004 foi obtido do Sistema de Informação de Mortalidade disponível no endereço eletrônico do Datasus. A população escolhida foi separada pelo programa TabWin e as causas múltiplas foram processadas pelo programa Tabulador de Causas Múltiplas de Morte. RESULTADOS: O número médio de causas informadas foi de 2,92 para as mulheres e 2,97 para os homens. A maioria dos óbitos (74,8%) foi de pessoas com 65 anos ou mais de idade. Entre as causas associadas aos óbitos por doenças cerebrovasculares se destacaram as doenças do aparelho respiratório (37,9%), as doenças hipertensivas (37,5%) e os sintomas, sinais e achados anormais de exames clínicos e de laboratório (32,3%). CONSIDERAÇÕES FINAIS: Foi observada relativa melhora na qualidade dos dados de mortalidade em relação ao número de causas citadas. A hipertensão arterial como uma das principais causas associadas sugere a necessidade do seu controle no combate à mortalidade por doenças cerebrovasculares. Incentivos devem ser promovidos para estudos com causas múltiplas...

Desigualdade social e mortalidade precoce por doenças cardiovasculares no Brasil; Socioeconomic inequalities and premature mortality due to cardiovascular diseases in Brazil

Ishitani, Lenice Harumi; Franco, Glaura da Conceição; Perpétuo, Ignez Helena Oliva; França, Elisabeth
Fonte: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública Publicador: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; ; ; ; Formato: application/pdf
Publicado em 01/08/2006 POR
Relevância na Pesquisa
46.74%
OBJETIVO: Investigar associação entre alguns indicadores de nível socioeconômico e mortalidade de adultos por doenças cardiovasculares no Brasil. MÉTODOS: Foram analisados os óbitos de adultos (35 a 64 anos), ocorridos entre 1999 a 2001, por doenças cardiovasculares, e pelos subgrupos das doenças isquêmicas do coração e doenças cerebrovasculares-hipertensivas, obtidos no Sistema de Informação sobre Mortalidade. Foram selecionados para análise 98 municípios brasileiros, com melhor qualidade de informação. Para analisar a associação entre indicadores socioeconômicos e a mortalidade por doenças cardiovasculares, foi utilizada a regressão linear simples e múltipla. RESULTADOS: Na análise univariada, verificou-se associação negativa para a mortalidade por doenças cardiovasculares e o subgrupo das cerebrovasculares-hipertensivas com renda e escolaridade, e associação direta com taxa de pobreza e condições precárias de moradia. Quanto às doenças isquêmicas, houve associação inversa com taxa de pobreza e escolaridade, e direta com condições precárias de moradia. A escolaridade, após ajuste pelo modelo de regressão linear múltipla, permaneceu associada à mortalidade pela doença investigada e seus subgrupos. A cada ponto percentual de aumento na proporção de adultos com alta escolaridade...

Tendência da mortalidade por doenças cerebrovasculares em adultos maiores de 20 anos de idade no Município de São Paulo (Brasil), 1950 a 1981; Trends in mortality from cerebrovascular diseases in adults above the age of 20 in S.Paulo, State of S.Paulo, Brazil, 1950 to 1981

Lolio, Cecília Amaro de; Laurenti, Ruy
Fonte: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública Publicador: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; ; ; ; Formato: application/pdf
Publicado em 01/10/1986 POR
Relevância na Pesquisa
66.72%
É descrita a evolução da mortalidade por doenças cerebrovasculares de adultos acima de 20 anos. residentes no Município de São Paulo, SP (Brasil), de 1950 a 1981, mediante a análise dos coeficientes de mortalidade por sexo e idade. Esta mortalidade é sempre maior em todas as idades para o sexo masculino e crescente com a idade. Entre 1970 e 1981, evidencia-se declínio de 17,3% para ambos os sexos (17,8% para homens e 16,8% para mulheres) que não foi atribuído a artefatos. Sugerem-se outros estudos para analisar as causas desse declínio.; The evolution of mortality from cerebrovascular diseases in adults above the age of 20, in S.Paulo, SP, Brazil, from 1950 to 1981, is described, using the age and sex-specific death rates. Stroke mortality is always greater for males and increases with age. From 1970 to 1981 a decline in the mortality has been observed (17.3% for both sexes, 17.8% for males and 16.8% for females). This decline has not been attributed to artifacts. Other studies are suggested to analyse the causes of this decline.

Mortalidade de mulheres em idade fértil no Município de São Paulo (Brasil), 1986: III- Mortes por diferentes causas: doenças cardiovasculares; Mortality in women of reproductive age in S. Paulo city (Brazil), 1986: III - Death by different causes: cardiovascular diseases

Lolio, Cecília Amaro de; Laurenti, Ruy; Buchala, Cássia Maria; Santo, Augusto Hasiak; Mello Jorge, Maria Helena Prado de
Fonte: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública Publicador: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; ; ; ; Formato: application/pdf
Publicado em 01/02/1991 POR
Relevância na Pesquisa
46.68%
Dando seqüência à investigação de fidedignidade da certificação da causa básica da morte de mulheres em idade fértil (10-49 anos) residentes no Município de São Paulo, em 1986, são apresentadas as principais causas de morte encontradas para o conjunto da população e segundo idade. Destacam-se, pela ordem, as doenças do aparelho circulatório (doenças cardiovasculares - DCV), os neoplasmas malígnos e as causas externas. As DCVs foram responsáveis por 23,6% das mortes ocorridas nesse grupo etário, com destaque para as doenças cerebrovasculares (51,1% destas mortes por DCV) e para a doença isquêmica do coração (18,2% destas mortes, a maioria por infarto agudo do miocárdio). Comparando-se os resultados com o de investigação de mesma metodologia ocorrida no mesmo local para a década de 60, notou-se um declínio da mortalidade por doença reumática crônica de coração, aumento da mortalidade por doença cerebrovascular e por doença isquêmica do coração, mas com uma redução global dos coeficientes, ajustados por idade para o conjunto das DCVs. Houve também grande número de menções de hipertensão arterial ligadas às doenças cerebrovasculares (78,3% dos óbitos por estas causas eram de hipertensas) e à doença isquêmica do coração (onde esta proporção era de 63...

Causas múltiplas de morte relacionadas às doenças cerebrovasculares no Estado do Paraná

Furukawa,Tatiane Sano; Santo,Augusto Hasiak; Mathias,Thais Aidar de Freitas
Fonte: Associação Brasileira de Pós -Graduação em Saúde Coletiva Publicador: Associação Brasileira de Pós -Graduação em Saúde Coletiva
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2011 PT
Relevância na Pesquisa
56.98%
OBJETIVO: Identificar as causas associadas de morte e o número de causas informadas nas declarações de óbito por doenças cerebrovasculares entre residentes no Estado do Paraná. MATERIAL E MÉTODOS: O banco de dados de mortalidade do ano de 2004 foi obtido do Sistema de Informação de Mortalidade disponível no endereço eletrônico do Datasus. A população escolhida foi separada pelo programa TabWin e as causas múltiplas foram processadas pelo programa Tabulador de Causas Múltiplas de Morte. RESULTADOS: O número médio de causas informadas foi de 2,92 para as mulheres e 2,97 para os homens. A maioria dos óbitos (74,8%) foi de pessoas com 65 anos ou mais de idade. Entre as causas associadas aos óbitos por doenças cerebrovasculares se destacaram as doenças do aparelho respiratório (37,9%), as doenças hipertensivas (37,5%) e os sintomas, sinais e achados anormais de exames clínicos e de laboratório (32,3%). CONSIDERAÇÕES FINAIS: Foi observada relativa melhora na qualidade dos dados de mortalidade em relação ao número de causas citadas. A hipertensão arterial como uma das principais causas associadas sugere a necessidade do seu controle no combate à mortalidade por doenças cerebrovasculares. Incentivos devem ser promovidos para estudos com causas múltiplas...

Mortalidade por todas as causas e por doenças cardiovasculares em três estados do Brasil, 1980 a 2006

Soares,Gabriel Porto; Brum,Júlia Dias; Oliveira,Gláucia Maria Moraes de; Klein,Carlos Henrique; Silva,Nelson Albuquerque de Souza e
Fonte: Organización Panamericana de la Salud Publicador: Organización Panamericana de la Salud
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/10/2010 PT
Relevância na Pesquisa
46.68%
OBJETIVO: Avaliar a mortalidade por todas as causas e por doenças do aparelho circulatório (DAC), doenças isquêmicas do coração (DIC) e doenças cerebrovasculares (DCBV) de 1980 a 2006 no Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, São Paulo e em suas capitais, considerando o impacto dos óbitos por causas mal definidas. MÉTODOS: Os dados de população e óbitos foram obtidos no Banco de Dados do Sistema Único de Saúde. As taxas de mortalidade para as doenças de interesse e para as causas mal definidas foram ajustadas pelo método direto para adultos acima de 20 anos. Como as taxas por causas mal definidas no Rio de Janeiro aumentaram muito a partir de 1990, foram estimados percentuais de mortalidade proporcional por causas mal definidas. Empregaram-se modelos de regressão linear para análise das tendências. RESULTADOS: Observou-se uma queda relevante da mortalidade por todas as causas nos três estados e capitais. O Rio de Janeiro e sua capital apresentaram taxas mais elevadas. A mortalidade por DAC apresentou queda mais acentuada do que a mortalidade por todas as causas. A mortalidade proporcional por causas mal definidas no Estado do Rio de Janeiro e sua capital superou aquela das demais localidades a partir de 1990. A mortalidade por DCBV apresentou declínio...

Mortalidade de mulheres em idade fértil no Município de São Paulo (Brasil), 1986: III- Mortes por diferentes causas: doenças cardiovasculares

Lolio,Cecília Amaro de; Laurenti,Ruy; Buchala,Cássia Maria; Santo,Augusto Hasiak; Mello Jorge,Maria Helena Prado de
Fonte: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo Publicador: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/02/1991 PT
Relevância na Pesquisa
46.68%
Dando seqüência à investigação de fidedignidade da certificação da causa básica da morte de mulheres em idade fértil (10-49 anos) residentes no Município de São Paulo, em 1986, são apresentadas as principais causas de morte encontradas para o conjunto da população e segundo idade. Destacam-se, pela ordem, as doenças do aparelho circulatório (doenças cardiovasculares - DCV), os neoplasmas malígnos e as causas externas. As DCVs foram responsáveis por 23,6% das mortes ocorridas nesse grupo etário, com destaque para as doenças cerebrovasculares (51,1% destas mortes por DCV) e para a doença isquêmica do coração (18,2% destas mortes, a maioria por infarto agudo do miocárdio). Comparando-se os resultados com o de investigação de mesma metodologia ocorrida no mesmo local para a década de 60, notou-se um declínio da mortalidade por doença reumática crônica de coração, aumento da mortalidade por doença cerebrovascular e por doença isquêmica do coração, mas com uma redução global dos coeficientes, ajustados por idade para o conjunto das DCVs. Houve também grande número de menções de hipertensão arterial ligadas às doenças cerebrovasculares (78,3% dos óbitos por estas causas eram de hipertensas) e à doença isquêmica do coração (onde esta proporção era de 63...

Tendência da mortalidade por doenças cerebrovasculares em adultos maiores de 20 anos de idade no Município de São Paulo (Brasil), 1950 a 1981

Lolio,Cecília Amaro de; Laurenti,Ruy
Fonte: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo Publicador: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/10/1986 PT
Relevância na Pesquisa
66.72%
É descrita a evolução da mortalidade por doenças cerebrovasculares de adultos acima de 20 anos. residentes no Município de São Paulo, SP (Brasil), de 1950 a 1981, mediante a análise dos coeficientes de mortalidade por sexo e idade. Esta mortalidade é sempre maior em todas as idades para o sexo masculino e crescente com a idade. Entre 1970 e 1981, evidencia-se declínio de 17,3% para ambos os sexos (17,8% para homens e 16,8% para mulheres) que não foi atribuído a artefatos. Sugerem-se outros estudos para analisar as causas desse declínio.

Desigualdade social e mortalidade precoce por doenças cardiovasculares no Brasil

Ishitani,Lenice Harumi; Franco,Glaura da Conceição; Perpétuo,Ignez Helena Oliva; França,Elisabeth
Fonte: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo Publicador: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/08/2006 PT
Relevância na Pesquisa
46.74%
OBJETIVO: Investigar associação entre alguns indicadores de nível socioeconômico e mortalidade de adultos por doenças cardiovasculares no Brasil. MÉTODOS: Foram analisados os óbitos de adultos (35 a 64 anos), ocorridos entre 1999 a 2001, por doenças cardiovasculares, e pelos subgrupos das doenças isquêmicas do coração e doenças cerebrovasculares-hipertensivas, obtidos no Sistema de Informação sobre Mortalidade. Foram selecionados para análise 98 municípios brasileiros, com melhor qualidade de informação. Para analisar a associação entre indicadores socioeconômicos e a mortalidade por doenças cardiovasculares, foi utilizada a regressão linear simples e múltipla. RESULTADOS: Na análise univariada, verificou-se associação negativa para a mortalidade por doenças cardiovasculares e o subgrupo das cerebrovasculares-hipertensivas com renda e escolaridade, e associação direta com taxa de pobreza e condições precárias de moradia. Quanto às doenças isquêmicas, houve associação inversa com taxa de pobreza e escolaridade, e direta com condições precárias de moradia. A escolaridade, após ajuste pelo modelo de regressão linear múltipla, permaneceu associada à mortalidade pela doença investigada e seus subgrupos. A cada ponto percentual de aumento na proporção de adultos com alta escolaridade...

Avaliação da cobertura assistencial das equipes de saúde da família às pessoas que faleceram por doenças cerebrovasculares em Maringá, Paraná, Brasil

Baptista,Eliane Katsume Kikumoto; Marcon,Sonia Silva; Souza,Regina Kazue Tanno de
Fonte: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz Publicador: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/2008 PT
Relevância na Pesquisa
56.77%
O processo de trabalho no Programa Saúde da Família (PSF) permite às equipes estabelecer relações de vínculo, acolhimento e responsabilização pela população adscrita e identificar grupos populacionais em situação de risco. O monitoramento proporciona o levantamento de problemas e avaliação das ações executadas. Considerando-se que um dos propósitos do controle da hipertensão arterial é a redução da mortalidade por doenças cerebrovasculares, o objetivo deste trabalho foi identificar a cobertura, acompanhamento e qualidade da assistência prestada às pessoas residentes em áreas de atuação do PSF que faleceram por doenças cerebrovasculares, a partir da consulta aos cadastros familiares (Ficha A), acompanhamento (Ficha B) e prontuários nas unidades básicas de saúde. Os resultados revelaram baixa cobertura, com 33,3% de cadastramento na Ficha A, acompanhamento de 4,9% dos óbitos e ausência de anotação de atendimento nos prontuários como situação predominante (52,4%). A análise da assistência a esse grupo ratificou a fragmentação e desarticulação entre os diferentes sistemas de informação. Estimular o uso dos dados disponíveis e melhorar o seu registro são imprescindíveis para a institucionalização da prática avaliativa e organização do trabalho na ótica da vigilância à saúde.