Página 1 dos resultados de 288 itens digitais encontrados em 0.074 segundos

Avalia????o da t??cnica de amostragem respondent-driven sampling na estima????o de preval??ncias de doen??as transmiss??veis em popula????es organizadas em redes complexas

Albuquerque, Elizabeth Maciel de
Fonte: Fundação Oswaldo Cruz Publicador: Fundação Oswaldo Cruz
Tipo: Dissertação
Relevância na Pesquisa
86.42%
Diversos fatores podem dificultar a caracteriza????o acurada do perfil de umapopula????o por amostragem. Se a caracter??stica que define a popula????o ?? de dif??cil observa????o seja porque exige testes caros para detec????o ou porque ?? uma caracter??stica de comportamento ilegal ou estigmatizado que dificulta a identifica????o, torna-se praticamente imposs??vel aplicar os m??todos cl??ssicos de amostragem, pois n??o se pode definir uma base de amostragem (sampling frame). Popula????es desse tipo s??o conhecidas como popula????es ocultas, ou escondidas, e alguns exemplos comumente estudados s??o homens que fazem sexo com homens, trabalhadores do sexo e usu??rios de drogas. Essa disserta????o discute a t??cnica de amostragem conhecida como Respondent-Driven Sampling (RDS), originalmente proposta por Heckathorn (1997), e que vem sendo amplamente utilizada na estima????o de preval??ncias de doen??as transmiss??veis em popula????es ocultas. Esse m??todo pertence ?? fam??lia de amostragens por bola-de-neve, na qual os elementos seguintes da amostra s??o recrutados a partir da rede de conhecidos dos elementos j?? presentes na amostra, formando as cadeias de refer??ncia. Com este m??todo, al??m das informa????es individuais, ?? poss??vel estudar tamb??m as rela????es entre os indiv??duos. O recrutamento por bola de neve n??o gera uma amostra aleat??ria...

HPV e c??ncer do colo do ??tero: um olhar sobre a etiologia infecciosa das doen??as cr??nicas

Rodrigues, Henrique de Castro
Fonte: Fundação Oswaldo Cruz Publicador: Fundação Oswaldo Cruz
Tipo: Dissertação
PT_BR
Relevância na Pesquisa
76.43%
O estudo teve por objetivo analisar as quest??es levantadas na literatura sobre a associa????o entre o HPV e o c??ncer do colo uterino e suas implica????es para a pol??tica de controle da doen??a. Buscou-se correlacionar esta discuss??o com antigas pol??micas entre modelos te??ricos divergentes sobre etiologia e as medidas de controle por eles prescritas. Trata-se de uma revis??o de artigos cient??ficos com abordagem hist??rica/conceitual acerca das mudan??as recentes no conhecimento cient??fico relacionado ?? etiologia do c??ncer do colo do ??tero. A an??lise do estudo se deu mediante um di??logo entre o discurso produzido pela epidemiologia e pela biologia molecular sobre a g??nese do c??ncer do colo uterino e a reflex??o que vem sendo realizada pela Sa??de P??blica, tendo como eixo tem??tico a cr??tica ao modelo ainda hegem??nico a respeito da etiologia das doen??as, focada na especificidade causal e, de acordo com esta, na generaliza????o de interven????es para preven????o e controle. O caso da rela????o etiol??gica entre o HPV e o c??ncer do colo uterino ilustra bem as caracter??sticas e os limites deste modelo, hegem??nico desde o final do s??culo XIX. Apesar dos avan??os obtidos na compreens??o sobre a etiologia das doen??as...

AIDS e Diabetes Mellitus versus justi??a distributiva no sistema p??blico de sa??de

Lunardi Filho, Wilson Danilo; Oliveira, Silvia Lucia de Castro
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande Publicador: Universidade Federal do Rio Grande
Tipo: Artigo de Revista Científica
POR
Relevância na Pesquisa
86.59%
Reflex??o sobre a forma de distribui????o dos recursos p??blicos na ??rea de sa??de e as conseq????ncias decorrentes. Questiona-se a eq??idade da justi??a distributiva. Prop??e-se uma leitura contextual dos n??meros oficiais, atrav??s de inter-rela????es que possibilitem a compreens??o do significado das cifras governamentais. AIDS e Diabetes, escolhidas como paradigmas, representam, respectivamente, os grupos das Doen??as Transmiss??veis e das N??o Transmiss??veis. Os n??meros oficiais relativos ??s duas doen??as est??o correlacionados em alguns aspectos pontuais: gastos com medicamentos, preval??ncia, evolu????o de taxas de mortalidade. Alerta-se para as diferen??as de aten????o oficial marcantes entre as duas doen??as e para as conseq????ncias sofridas por pessoas atingidas por Diabetes e por outras doen??as n??o transmiss??veis, decorrentes da insufici??ncia de recursos p??blicos destinados ao seu atendimento.; Reflection about the way of distributing public resources in the area of health and the ensuing consequences. The fairness of distributive justice is questioned. We propose a contextual reading of the official figures through interrelations that make it possible to understand the meaning of government figures. AIDS and Diabetes...

Descri??o de outras doen?as sexualmente transmiss?veis em pessoas infectadas pelo v?rus da imunodefici?ncia humana do tipo 1

MESQUITA, Francisco Carlos Lopes de
Fonte: Universidade Federal do Pará Publicador: Universidade Federal do Pará
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
66.62%
Noventa pacientes soropositivos para o HIV-1 foram estudados, visando-se a descri??o de manifesta??es cl?nicas e de marcadores de outras doen?as sexualmente transmiss?veis, assim como de fatores demogr?ficos e comportamentais que possam estar relacionados com a infec??o pelo HIV-1 e em pacientes com SIDA/AIDS. A maioria dos entrevistados (83,3%) foi do sexo masculino, apresentou a m?dia de idade 31,4 anos (variando entre 18 e 60 anos) e a distribui??o da renda familiar mensal mostrou que 79,5% tinham um ganho inferior a cinco sal?rios m?nimos. Pelos menos um tipo de droga, foi consumido por 51,1%, sendo que 20.7% usaram droga n?o medicamentosa de uso injet?vel. Destes, 94,4% referiram antecedentes de doen?as sexualmente transmiss?veis. A observa??o dos h?bitos sexuais revelou que 41,6% eram bissexuais, 38,2% heterossexuais e 20,2% eram homossexuais. Cerca de 51,1% dos bissexuais usaram drogas injet?veis e todos referiram a pr?tica de sexo anal e foram positivos para a presen?a de anticorpos para Chlamydia. A m?dia de idade da primeira rela??o sexual com penetra??o foi de 14.7 anos, enquanto que a m?dia de idade em que ocorreu a primeira doen?a sexualmente transmiss?vel foi de 20.6 anos. A quase totalidade (95,5%) dos entrevistados tiveram m?ltiplos parceiros sexuais...

Doen?as tropicais e infecciosas como causa de morte atestada e classificada: um estudo de concord?ncia, no estado do Par?, no per?odo de 1996 a 2001

NEVES, Dilma Costa de Oliveira
Fonte: Universidade Federal do Pará Publicador: Universidade Federal do Pará
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
86.1%
A falta de decis?o na declara??o da causa b?sica de morte ? uma fonte de erro particularmente importante nas an?lises de moralidade segundo causas. O objetivo do estudo foi avaliar a concord?ncia entre a causa de morte atestada por m?dicos e a classificada mediante o uso das regras internacionais de classifica??o de causa b?sica de morte e sua influ?ncia no perfil da mortalidade por doen?as tropicais, infeccionas e parasit?rias, no Estado do Par?, no per?odo de 1996 a 2001. O estudo foi do tipo descritivo, explorat?rio, tendo como base de dados os atestados de ?bitos do sistema de informa??es de mortalidade estadual. Utilizou-se, para sele??o dos dados, recursos do programa Excel 7.0 e do EPI-INFO 6.04 e, para an?lise o Coeficiente de Mortalidade (CM) por causa, a concord?ncia observada (CO) e o Kappa. Os resultados encontrados evidenciam um perfil de mortalidade semelhante para as causas atestadas e classificadas (septicemias, diarr?ias e gastroenterite de origem infecciosa presum?vel, SIDA/AIDS, tuberculose e mal?ria), com diferen?as significativas nos valores dos CM por causa nos anos estudados (1996,p=0,0426; 1997,p=0,0223; 1998, p=0,001; 1999, p=0,0023; 2000, p=0,009 e 2001, p=0,0023). Os valores, encontrados, da CO e de Kappa...

Transmiss?o intrafamiliar do HTLV: investiga??o sorol?gica em familiares de pacientes acompanhados no ambulat?rio do N?cleo de Medicina Tropical da UFPA

COSTA, Carlos Ara?jo da
Fonte: Universidade Federal do Pará Publicador: Universidade Federal do Pará
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
76.41%
O V?rus Linfotr?pico Humano de C?lulas T ? um oncoretrov?rus respons?vel por doen?as linfoproliferativas, inflamat?rias, degenerativas do Sistema Nervoso Central e por algumas altera??es imunol?gicas do ser humano. Embora tenha associa??es com v?rias outras patologias, a Paraparesia Esp?stica Tropical ou Mielopatia Associada ao HTLV (PET/MAH), doen?a progressiva e incapacitante do Sistema Nervoso, e a Leucemia/Linfoma de C?lulas T do Adulto (LLcTA), doen?a linfoproliferativa maligna e letal, s?o os principais agravos consistentemente definidos como provocados pelo HTLV-1. A propaga??o do v?rus acontece de forma silenciosa, especialmente de m?e para filhos e pela via sexual. No Brasil, onde existem regi?es de alta preval?ncia, ainda s?o escassas informa??es oficiais sobre essa transmiss?o. O objetivo do presente trabalho foi determinar a soropreval?ncia de anticorpos contra o V?rus Linfotr?pico Humano de C?lulas T ? tipos 1 e 2 (HTLV-1/2) entre familiares de portadores confirmados do v?rus, matriculados no ambulat?rio do N?cleo de Medicina Tropical (NMT), para estudar as caracter?sticas da transmiss?o do HTLV nos grupos familiares da regi?o metropolitana de Bel?m do Par?. Foi realizado um estudo transversal, de base ambulatorial, envolvendo 82 pacientes matriculados no NMT e seus respectivos familiares...

Autoanticorpos contra ant?genos celulares e sua correla??o com o gen?tipo viral em pacientes com infec??o pelo v?rus da Hepatite C (HCV)

SOUZA, Ana Maria Almeida
Fonte: Universidade Federal do Pará Publicador: Universidade Federal do Pará
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
66.2%
As inflama??es do f?gado provocadas pelos v?rus hepatotr?picos atingem milh?es de pessoas e representa significativo problema de sa?de p?blica em todo o mundo. Existem intera??es entre viroses hepatotr?picas e o sistema imunol?gico do hospedeiro que podem influenciar na patogenicidade da agress?o hep?tica. O objetivo deste trabalho foi investigar a freq??ncia de auto-anticorpos em pacientes portadores do v?rus da hepatite C, e sua correla??o com os gen?tipos encontrados. Foram estudados 51 pacientes com diagn?stico confirmado pelo PCR de infec??o pelo v?rus da hepatite C e um grupo de 100 doadores de sangue com todos os exames sorol?gico para doen?as infecto-contagiosas negativos. Os 51 pacientes portadores do v?rus C apresentavam idade m?dia de 43 anos, +/- 11,3, em fase pr?-tratamento, 34 (66,7%) eram do g?nero masculino e 17 (33,3%) do g?nero feminino. Desses 13 (25,5%) apresentaram FAN positivo, 45 (88,2%) eram gen?tipo tipo 1 e 11,8% gen?tipo tipo 3. Os pacientes que se apresentaram com anticorpos detect?veis n?o apresentavam n?veis de AST, ALT, AST/ALT, ?-GT e fosfatase alcalina significativamente diferente daqueles com auto-anticorpos negativos. Desta forma, conclui-se que os anticorpos presentes na amostra do estudo s?o independentes da evolu??o da doen?a e do progn?stico do paciente...

Derrame Pleural Parapneum?nico: perfil e evolu??o de crian?as internadas no Hospital Universit?rio Jo?o de Barros Barreto

AR?AS, Claudia Giselle Santos
Fonte: Universidade Federal do Pará Publicador: Universidade Federal do Pará
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
86.11%
Introdu??o: A pneumonia ? uma das infec??es mais comuns em crian?as, sendo o derrame pleural uma complica??o potencial, principalmente nos pa?ses em desenvolvimento, onde existem s?rias limita??es de recursos diagn?stico-terap?uticos. Objetivos: Conhecer o perfil das crian?as portadoras de derrame pleural parapneum?nico, analisando sua evolu??o a partir da terap?utica cl?nica e cir?rgica que s?o submetidas. M?todo: Estudo descritivo, transversal, de coleta prospectiva, no qual foram estudadas todas as crian?as internadas em um hospital de refer?ncia de doen?as infecciosas na Regi?o Norte-Brasil com diagn?stico de derrame pleural parapneum?nico, submetidas a procedimento cir?rgico para abordagem do mesmo, no per?odo de outubro de 2010 a outubro de 2011. Resultados: A amostra foi composta por 46 crian?as, com distribui??o igual entre os sexos, predomin?ncia de menores de 3 anos (74%) e procedentes do interior do estado (54,3%). Parcela consider?vel (28%) possu?a algum grau de inadequa??o do estado nutricional. A m?dia de tempo de doen?a at? ? admiss?o na referida institui??o foi de 16,9 dias, e todos os indiv?duos eram provenientes de outro hospital. A dura??o m?dia da interna??o hospitalar foi de 26,0 dias, e a do estado febril...

A epidemiologia das doen?as infecciosas no in?cio do s?culo XX e a cria??o da Faculdade de Medicina e Cirurgia do Par?

MIRANDA, Arist?teles Guilliod de
Fonte: Universidade Federal do Pará Publicador: Universidade Federal do Pará
Tipo: Tese de Doutorado
POR
Relevância na Pesquisa
86.22%
O final do s?culo XIX mostrou duas caracter?sticas importantes na ?rea da sa?de. A primeira indicava a continuidade da ocorr?ncia de doen?as ocasionadas por agentes infecciosos que inclu?am a febre amarela, mal?ria, c?lera e var?ola. Por outro lado, a situa??o econ?mica do Estado do Par? com o in?cio da perda da exclusividade na produ??o extrativista do maior gerador de riquezas para o Estado, a borracha, levou a uma situa??o em que se tornava cada vez mais dif?cil e cara a forma??o de novos m?dicos paraenses no exterior ou em outros Estados brasileiros. O in?cio do s?culo XX trouxe a abertura de faculdades na cidade de Bel?m, incluindo duas na ?rea da sa?de (Farm?cia e Odontologia), al?m de uma regulamenta??o nacional para a cria??o e abertura de cursos de medicina. O Estado do Par?, sob a influ?ncia do esfor?o de Oswaldo Cruz com o seu trabalho de elimina??o da febre amarela na cidade de Bel?m, em uma aplica??o pr?tica dos novos conhecimentos gerados pela descri??o de agentes infecciosos nas formas de transmiss?o por meio de vetores e a aplica??o de novas maneiras de preven??o e controle de doen?as (saneamento e vacinas), ap?s se organizar, a princ?pio por meio de uma sociedade cient?fica de forma inovadora, cria a oitava escola de medicina do pa?s...

Associa??o entre marcadores da resposta inflamat?ria e a imunopatog?nese de agentes infecciosos de natureza viral (V?rus da dengue, HTLV-1 e HTLV-2) e bacteriana (Chlamydia trachomatis e Chlamydia pneumoniae)

FEITOSA, Rosimar Neris Martins
Fonte: Universidade Federal do Pará Publicador: Universidade Federal do Pará
Tipo: Tese de Doutorado
POR
Relevância na Pesquisa
66.34%
A base gen?tica das doen?as ? frequentemente estudada a partir dos polimorfismos dos genes de citocinas. O presente estudo investigou marcadores da resposta inflamat?ria associados a infec??es virais e bacterianas que possam influenciar o curso da infec??o. Foram medidos os n?veis s?ricos (por ensaio imunoenzim?tico) e os polimorfismos de TNF-? (-308), TNF-? (+252), IFN-? (+874) e da prote?na C reativa, por meio de PCR e RFLP ou PCR alelo espec?fico, em grupos de pessoas infectadas pelo v?rus da dengue (n=80), com doen?a febril, n?o infectados (100), um grupo de infectados pelo HTLV (30 sintom?ticos e 47 assintom?ticos), um grupo com doen?a coronariana (58 com sororreatividade para Chlamydia e 31 com sorologia negativa) e um grupo controle (99 pessoas com sorologia negativa para dengue, HTLV e Chlamydia). Nenhum grupo mostrou associa??o com informa??es demogr?ficas. O V?rus da dengue 3 (66,2%) e o HTLV-1 (90% em sintom?ticos e 76,6% em assintom?ticos) foram os agentes mais frequentes dentre os grupos respectivos. A maioria com doen?a coronariana (65,1%) apresentou anticorpos para Chlamydia (39,6% para C. trachomatis e C. pneumoniae, 58,6% apenas para C. trachomatis e 1,7% somente para C. pneumoniae). Foram significantes as diferen?as encontradas entre: (i) os n?veis s?ricos de TNF-?...

Avalia??o dos fatores de risco associados ? transmiss?o do HTLV-1 e do HTLV-2, em doadores de sangue, na cidade de Bel?m do Par?

LOPES, Bruna Pedroso Tameg?o
Fonte: Universidade Federal do Pará Publicador: Universidade Federal do Pará
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
96.32%
Com o objetivo de definir o perfil epidemiol?gico da infec??o pelos V?rus linfotr?pico de c?lulas T humanas (HTLV-1 e HTLV-2), na popula??o de doadores de sangue inaptos, da Funda??o HEMOPA, na cidade de Bel?m do Par?, analisaram-se 113 fichas, em rela??o a fatores de risco associados ? transmiss?o destes retrov?rus, entre portadores e n?o portadores dos HTLV. Observou-se infec??o em 76% (n=50) dos doadores inaptos pelo HTLV-1 e em 24% (n=16) pelo HTLV-2; 62% (n=70) dos portadores eram do sexo masculino e 38% (n=43) do sexo feminino, havendo uma maior tend?ncia da infec??o por indiv?duos deste sexo (p=0,007). Os fatores de risco que exibiram resultados significativos foram: ter recebido transfus?o sang??nea (p=0,0003), mais especificamente para HTLV-2 (p=0,02); ter sido amamentado por ama de leite (p=0,006), mais especificamente para HTLV-1 (p=0,04); ter sido submetido ? cirurgia (p=0,01), discriminadamente para HTLV-1 (p=0,03) e HTLV-2 (p=0,04); compartilhar l?mina/barbeador (p=0,02), mais especificamente para HTLV-1 (p=0,02); n?o usar preservativo nas rela??es sexuais (p=0,0003), discriminadamente para HTLV-1 (p=0,001) e HTLV-2 (p=0,002). Apesar das diversas etapas existentes no processo de triagem de doadores de sangue...

Estudo por PCR em tempo real de tr?s polimorfismos em genes envolvidos na resposta imune em pacientes infectados por Plasmodium vivax da popula??o de Bel?m-PA

LOBATO, Victor Riker
Fonte: Universidade Federal do Pará Publicador: Universidade Federal do Pará
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
66.19%
A mal?ria ? uma doen?a infecciosa que atinge aproximadamente 40% da popula??o mundial em mais de 100 pa?ses e consiste em um grave problema de sa?de p?blica. As citocinas s?o mol?culas importantes na resposta imune contra a mal?ria e atuam atrav?s do est?mulo ou inibi??o da ativa??o, prolifera??o e/ ou diferencia??o de c?lulas, al?m de regularem a secre??o de anticorpos e de outras citocinas. Nesse trabalho investigamos tr?s polimorfismos de nucleot?deo ?nico (SNP) que podem influenciar em uma maior ou menor s?ntese das citocinas TNF-a e IFN-g. Em rela??o ? mal?ria, os polimorfismos j? foram associados com a mal?ria grave, mal?ria cerebral e anemia grave e tamb?m com outras doen?as infecciosas, auto-imunes e com o c?ncer. Foram inclu?dos no estudo oitenta e um (81) pacientes com mal?ria por Plasmodium vivax (primeira infec??o) e cento e trinta (130) indiv?duos sadios, ambos da popula??o de Bel?m ? PA. As freq??ncias genot?picas e al?licas foram pesquisadas atrav?s da t?cnica de discrimina??o al?lica por PCR em tempo real e os resultados foram comparados entre os dois grupos. Par?metros cl?nicos foram utilizados para tentar associar uma maior gravidade das manifesta??es da mal?ria e a presen?a dos polimorfismos entre os pacientes. As freq??ncias foram semelhantes entre os dois grupos estudados. O alelo TNF-238*A n?o mostrou rela??o com nenhum dos par?metros cl?nicos enquanto o alelo TNF-376*A estava relacionado com menores n?veis plasm?ticos de TNF-a e com uma menor intensidade dos sintomas. Os pacientes portadores do alelo IFN+874*A apresentaram menor intensidade da parasitemia. Assim os resultados obtidos n?o indicam associa??o dos polimorfismos com a ocorr?ncia da mal?ria na popula??o estudada...

Resposta de anticorpos IgG contra a regi?o C-terminal da Prote?na 1 da Superf?cie de Meroz?itos de Plasmodium vivax em indiv?duos que residem em ?reas de transmiss?o de mal?ria no Estado do Par?

LEITE, Rosilene Malcher Ramos
Fonte: Universidade Federal do Pará Publicador: Universidade Federal do Pará
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
66.22%
Neste estudo avaliamos o potencial antig?nico da prote?na recombinante His6-P119 contendo a regi?o C-terminal da Prote?na 1 da Superf?cie de Merozo?tos de Plasmodium vivax. Analisamos a aquisi??o e os n?veis de anticorpos IgG, e comparamos duas ?reas com transmiss?o de mal?ria, localizadas nos munic?pios de Trair?o e Itaituba, Par?. Foram analisadas 391 amostras, sendo 208 amostras coletadas em Tr?s Boeiras (TB) e 183 em S?o Luiz do Tapaj?s (SLT). No momento da coleta, foi realizado o exame da gota espessa e foram obtidos dados como idade, n?mero de epis?dios pr?vios de mal?ria e tempo decorrido desde o ?ltimo epis?dio. As amostras foram analisadas por (ELISA) e os aspectos imunoepidemiol?gicos foram descritos. A compara??o entre as duas ?reas mostrou que tanto a freq??ncia de soros que reconheceram a His6-MSP119 como a concentra??o dos anticorpos IgG foi maior na popula??o de TB, quando comparado com SLT. A freq??ncia de soros positivos foi 64,42% e 20,22% e a m?dia dos ?ndices de reatividade foi 6,11 ? 4,58 e 2,56 ? 1,96, respectivamente. A idade n?o influenciou a aquisi??o de anticorpos IgG na popula??o mais expostas (TB), mas na popula??o menos exposta (SLT) a percentagem de positivos aumentou entre os adultos. Nos grupos de indiv?duos que relataram nunca terem tido mal?ria...

Soroepidemiologia de Chlamydia trachomatis, Chlamydia pneumoniae e Treponema pallidum nas aldeias ind?genas Bakaj?, Apyterewa, Xingu e Mrotidj?m, Altamira, Par?, Brasil

FERREIRA, Glenda Roberta Oliveira Naiff
Fonte: Universidade Federal do Pará Publicador: Universidade Federal do Pará
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
66.16%
As bact?rias do g?nero Chlamydia est?o associadas ? diversas doen?as, como cegueira, infec??es genitais e pneumonia. Existem poucos dados sobre como a Chlamydia e o Treponema pallidum afetam ind?genas na Amaz?nia brasileira. Este estudo objetivou determinar a soropreval?ncia das infec??es pela Chlamydia trachomatis, Chlamydia pneumoniae e Treponema pallidum nas aldeias ind?genas Bakaj?, Apyterewa, Xingu e Mrotdidj?m, no munic?pio de Altamira, Par?, Brasil. O estudo incluiu 270 amostras de sangue coletadas no ano de 2007. A detec??o de anticorpos das classes IgM e IgG anti-Chlamydia foi realizada empregando-se o ensaio imunoenzim?tico (ELISA), e selecionada de forma aleat?ria amostragem de 36, entre os positivos, para determinar a sorotipagem pela microimunofluoresc?ncia. Para detec??o de anticorpos anti-T. pallidum foi utilizado um teste trepon?mico (ELISA) e as amostras positivas foram submetidas a um teste n?o trepon?mico (RPR). A preval?ncia geral de anticorpos anti-Chlamydia foi de 26,7%, com preval?ncia de 100% para C. trachomatis entre as amostras testadas pela MIF. Para a C. pneumoniae a preval?ncia foi de 61,1% e a preval?ncia de anticorpos contra Treponema pallidum foi baixa. As bact?rias do estudo circulam nas comunidades ind?genas da Amaz?nia brasileira estudada...

Soroepidemiologia de Chlamydia trachomatis, Chlamydia pneumoniae e Treponema pallidum em portadores do V?rus da imunodefici?ncia humana (HIV), no Estado do Par?

ALMEIDA, N?bia Caroline Costa de
Fonte: Universidade Federal do Pará Publicador: Universidade Federal do Pará
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
66.17%
A Chlamydia trachomatis e o Treponema pallidum compartilham com o HIV uma importante forma de transmiss?o: a via sexual. Por conta do comprometimento imunol?gico dos portadores de HIV, a C. pneumoniae pode apresentar um papel potencial em infec??es respirat?rias. Este trabalho objetivou a descri??o da soropreval?ncia destes tr?s agentes em portadores de HIV do Estado do Par?, Brasil. Entre setembro de 2007 a junho de 2008, foram coletadas 430 amostras de portadores de HIV em Bel?m, Par?. Estas foram submetidas a um ELISA para detec??o de anticorpo IgG e IgM anti-Chlamydia e, dentre os positivos, uma amostragem aleat?ria foi escolhida e submetida ? microimunofluoresc?ncia para sorotipagem. Para a detec??o de anticorpos anti-Treponema pallidum foi feito um teste n?o trepon?mico (RPR) e um teste trepon?mico (ELISA). Os resultados obtidos foram analisados pelo teste do ?2. A preval?ncia geral de anticorpos anti-Chlamydia foi 64,2% (51,6% para IgG e 4% para IgM). A sorotipagem mostrou uma alta preval?ncia de C. trachomatis (100% tanto para IgG como IgM), e C. pneumoniae (73,5% IgG e 70,5% IgM), sendo que houve uma larga dissemina??o dos sorotipos que causam infec??es genitais da Chlamydia trachomatis. A preval?ncia geral de anticorpos contra o Treponema pallidum foi de 34...

Papel do ?xido n?trico na infec??o mal?rica por P. gallinaceum

OLIVEIRA, Karla Caroline Marques de
Fonte: Universidade Federal do Pará Publicador: Universidade Federal do Pará
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
66.19%
Mal?ria ? uma das mais incidentes doen?as infecciosas do mundo. Na Amaz?nia existem muitos casos de mal?ria causados principalmente por duas esp?cies de protozo?rios, o Plasmodium vivax e o Plasmodium falciparum, sendo este ?ltimo respons?vel pela maioria dos casos de mal?ria grave, que geralmente levam a morte devido ao acometimento de m?ltiplos ?rg?os, como o c?rebro. Um dos mediadores qu?micos amplamente estudados nessa patog?nese ? o ?xido N?trico (NO), o qual apresenta papel controverso. Atualmente duas hip?teses principais s?o apontadas como potencializadoras na patog?nese. Uma, que a MC ? causa da superprodu??o de NO, produzido pela ?xido N?trico Sintase Neuronal (nNOS), ap?s um quadro de hip?xia. Outra, diz que a MC ? a causa da resposta exacerbada do sistema imunol?gico com produ??o de NO pela ?xido N?trico Sintase Induzida (iNOS), presente nos macr?fagos quando ativados pro determinantes antig?nicos. Devido grande relev?ncia da doen?a e dificuldade em enteder a patologia, modelos experimentais t?m sido estabelecidos com a finalidade de esclarecer vias potenciais da evolu??o para MC, dentre eles o modelo de mal?ria avi?ria causada pelo Plasmodium gallinaceum. Pouco se sabe sobre o seu papel do NO em modelos de mal?ria avi?ria...

Perfil epidemiol?gico e preval?ncia de doen?as sexualmente transmiss?veis em escolares da ?rea urbana no munic?pio de Porto Velho - Rond?nia

FREITAS, Virgina Tereza Neta
Fonte: Universidade Federal do Pará Publicador: Universidade Federal do Pará
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
66.52%
As doen?as sexualmente transmiss?veis (DST) est?o entre os problemas de sa?de p?blica mais comuns em todo o mundo, principalmente entre os adolescentes, pois eles s?o mais vulner?veis em rela??o ? sexualidade, tanto em pa?ses industrializados como nos em desenvolvimento. Este estudo tem por objetivo investigar a preval?ncia de doen?as sexualmente transmiss?veis em escolares da rede p?blica municipal de ensino da ?rea urbana do munic?pio de Porto Velho, Estado de Rond?nia. Foram investigados 122 alunos da Escola Municipal de Ensino Fundamental Marechal Joaquim Vicente Rondon, na faixa et?ria de 11 a 19 anos, atrav?s de question?rio de autopreenchimento e coleta de amostras de sangue, secre??o uretral e vaginal. O m?todo sorol?gico ELISA (Ensaio imunoenzim?tico) e a bacterioscopia pelo m?todo de Gram foram os testes utilizados para detec??o e identifica??o de DST. 84,4% dos estudantes responderam saber o que ? uma DST, 82,8% informaram que usavam preservativo durante as rela??es sexuais para prevenir DST, 11,5% n?o utilizavam o preservativo e 5,7% afirmaram que selecionavam seus parceiros sexuais. Foram examinadas 83 amostras de soro pelo teste ELISA e 41 esfrega?os corados pelo m?todo de Gram. A preval?ncia encontrada para Chlamydia foi de 65...

Leishmaniose visceral no munic?pio de Barcarena, Par?: import?ncia do comportamento da enzootia canina por Leishmania (Leishmania) chagasi e de outros fatores para a infec??o humana

PEREIRA, Elza Alves
Fonte: Universidade Federal do Pará Publicador: Universidade Federal do Pará
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
66.2%
A leishmaniose ? uma doen?a infecciosa n?o contagiosa de evolu??o cr?nica com altos ?ndices de mortalidade, sendo que o Brasil notifica cerca de 90% dos casos do continente Americano. Sua import?ncia no contexto da sa?da publica tem aumentado em fun??o do crescente n?mero de casos que vem ocorrendo n?o s? na zona rural como tamb?m na periferia de grandes centros urbanos. A epidemiologia do LV no Brasil ? baseada na ocorr?ncia de casos cl?nicos. Neste sentido o presente estudo prop?s-se a estudar o comportamento da enzootia como sua import?ncia e de outros fatores para a infec??o humana. Pois pouco se conhece sobre os determinantes de infec??o e sua import?ncia na manuten??o da doen?a. Para isso foi definido de uma localidade munic?pio de Barcarena, onde a popula??o ? est?vel, ocorrendo a doen?a de forma end?mica. O estudo acompanhou durante um ano duas coortes, sendo uma para caninos, com 172 c?es, e uma para humanos, com 1064 pessoas das quais apenas 1012 participaram da coleta de material, pois 52 pessoas estavam fora da faixa de idade compat?vel para a realiza??o dos procedimentos. A realiza??o do teste sorol?gico de Rea??o de Imunofluoresc?ncia Indireta (RIFI), teve como finalidade a determina??o de preval?ncia inicial de infec??o e as incid?ncias em dois momentos do estudo...

Aspectos cl?nicos e a preval?ncia de doen?as infecto-parasit?rias juntamente com a exposi??o ao merc?rio met?lico em duas comunidades garimpeiras na Amaz?nia

MIRANDA, Antonio Marcos Mota
Fonte: Universidade Federal do Pará Publicador: Universidade Federal do Pará
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
76.1%
Verificou-se nos garimpos do S?o Chico e do Creporizinho a preval?ncia de sintomas cl?nicos e de achados neurol?gicos, al?m da ocorr?ncia de Doen?a Infecciosas e Parasit?rias (DIP'S), associada ? concentra??o do merc?rio total na urina dos garimpeiros na Amaz?nia. No garimpo de S?o Chico foram investigados 104 garimpeiros, enquanto no garimpo do Creporizinho 169, atrav?s do estudo de coorte transversal foi utilizada a condi??o s?cio-econ?mica, epidemiol?gica e laboratorial como metodologia diagn?stica e utilizado os testes estat?sticos adequados para verifica??o da signific?ncia. Os resultados demonstraram que a m?dia do metal na urina dos garimpeiros do S?o Chico ? superior a do Creporizinho 9.29 ?g Hg/g creatinina e 5.64 ?g Hg/g creatinina, respectivamente, cuja distribui??o do Hg na urina da popula??o do S?o Chico e do Creporizinho, abaixo do ?ndice Biol?gico M?ximo Permitido (IBMP) ? 93% - 96% e acima 7%-4%, respectivamente. H? o predom?nio do sexo masculino em ambos os garimpos e a ocorr?ncia de DIP'S nos dois garimpos, cuja seq??ncia foi id?ntica, onde as parasitoses intestinais e a mal?ria s?o mais prevalentes, por?m ficando abaixo do IBMP. A avalia??o cl?nica do S?o Chico apresenta preval?ncia de sintomas osteomuscular, dermatol?gico e digestivo 32%...

Detec??o in situ de citocinas de perfil TH1 e TH2 por imunoistoqu?mica e rela??o com a atividade de macr?fagos nas formas polares da doen?a de Hansen

SILVA, Dayse Danielle de Oliveira
Fonte: Universidade Federal do Pará Publicador: Universidade Federal do Pará
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
66.28%
A hansen?ase ? uma doen?a infecto-contagiosa, de evolu??o lenta e progressiva, com grande incid?ncia e preval?ncia nos estados que comp?em a Amaz?nia legal onde o Par? ocupa lugar de destaque no n?mero de casos no contexto nacional. A fim de se avaliar o perfil de citocinas e a atividade de macr?fagos nas formas polares da hansen?ase e correlacionar com os seus aspectos histopatol?gicos, foi realizado um estudo transversal com uma amostra composta por 29 pacientes portadores de uma das formas polares da hansen?ase, tuberculoide ou virchowiana, dos quais foram colhidas bi?psias de pele de les?es hans?nicas. Pode-se observar, atrav?s da an?lise imonoistoqu?mica deste material que os grupos estudados n?o apresentaram diferen?a significativa quanto aos n?veis de IL-10, TGF-?, CD68, iNOS e Lisozima. Os n?veis de IL-4 n?o foram expressivos nos tecidos analisados e os n?veis de IFN-? foram maiores nos pacientes do grupo MHV. No polo virchowiano todas as citocinas tiveram uma tend?ncia a uma correla??o negativa com a atividade de macr?fagos, no polo tuberculoide a IL-10 apresentou uma tend?ncia ? correla??o negativa com os n?veis de iNOS, IFN-? e lisozima, evidenciando uma inibi??o da atividade macrof?gica por esta citocina. Pode-se concluir que n?o h? diferen?a na express?o de citocinas de perfil TH1 e TH2 nas formas polares da doen?a de Hansen e as citocinas apresentam uma tend?ncia a correla??o negativa com a atividade de macr?fagos no p?lo MHV e uma tend?ncia a correla??o positiva no p?lo MHT. Novas pesquisas s?o necess?rias para esclarecer como popula??es apresentam mais susceptibilidade ? hansen?ase que outras...