Página 1 dos resultados de 16 itens digitais encontrados em 0.069 segundos

Diagnosis and treatment of cervical cancer during pregnancy; Diagnóstico e tratamento do câncer do colo uterino durante a gestação

GONÇALVES, Carla Vitola; DUARTE, Geraldo; COSTA, Juvenal Soares Dias da; MARCOLIN, Alessandra Cristina; BIANCHI, Mônia Steigleder; DIAS, Daison; LIMA, Luis Cláudio de Velleca e
Fonte: Associação Paulista de Medicina - APM Publicador: Associação Paulista de Medicina - APM
Tipo: Artigo de Revista Científica
ENG
Relevância na Pesquisa
66.28%
CONTEXT AND OBJECTIVE: One third of all cervical carcinomas occur during the reproductive period. Cervical carcinoma is the second greatest cause of death due to cancer during this phase. The estimated frequency of cervical cancer during pregnancy is one case for every 1,000 to 5,000 pregnancies. The aim here was to provide information about the difficulties in diagnosing and managing cervical neoplasia during pregnancy. MATERIALS: A systematic review of the literature was undertaken through the PubMed, Cochrane, Excerpta Medica (Embase), Literatura Latino Americana e do Caribe em Ciências da Saúde (Lilacs) and Scientific Electronic Library Online (SciELO) databases, using the following words: pregnancy, cervical cancer, diagnosis and management. RESULTS: There was a consensus in the literature regarding diagnosis of cervical carcinoma and management of preneoplastic lesions during pregnancy. However, for management of invasive carcinoma, there was great divergence regarding the gestational age taken as the limit for observation rather than immediate treatment. CONCLUSION: All patients with cytological abnormalities should undergo colposcopy, which will indicate and guide biopsy. Conization is reserved for patients with suspected invasion. High-grade lesions should be monitored during pregnancy and reevaluated after delivery. In cases of invasive carcinoma detected up to the 12th week of pregnancy...

Citologia cérvico-vaginal inflamatória associada com atividade da doença no lúpus eritematoso sistêmico juvenil; Inflammatory cervicovaginal cytology is associated with disease activity in juvenile systemic lupus erythematosus

Febrônio, Marília Vieira
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 06/02/2007 PT
Relevância na Pesquisa
66.06%
Objetivo: Avaliar a citologia cérvico-vaginal em adolescentes com lúpus eritematoso sistêmico juvenil (LESJ) e comparar com controles. Material e métodos: Cinqüenta e duas adolescentes com LESJ (critérios do American College of Rheumatology) foram comparadas com 52 controles saudáveis. Todos os esfregaços de Papanicolaou foram avaliados por uma mesma citopatologista, que desconhecia o exame ginecológico, e foram classificados de acordo com o Sistema de Bethesda, 2001. Resultados: As médias das idades das pacientes com LESJ e controles foram similares (16,17 ± 1,94 versus 16,13 ± 2,16 anos, p=0,92). A citologia cérvico-vaginal foi similar em ambos os grupos, embora as relações sexuais no último mês tenham sido menos freqüentes nas pacientes com LESJ em relação aos controles (23% versus 59,6%, p=0,0003). Apenas uma paciente (2%) com LESJ e duas controles (4%) tinham displasia cervical (LIE-BG) e papilomavírus humano (HPV) (p=1,0). Citologia cérvico-vaginal inflamatória foi observada em 21 (60%) das pacientes com SLEDAI maior ou igual a 4 e em apenas 4 (23%) daqueles com SLEDAI < 4 (p=0,001). Assim como, uma maior freqüência de achados inflamatórios também foi observada em adolescentes virgens com LESJ (57% versus 8%...

Impact of cervical cytology screening on the prevalence of cervical cytological results = : Impacto do rastreamento do câncer do colo do útero na prevalência de resultados citológicos; Impacto do rastreamento do câncer do colo do útero na prevalência de resultados citológicos

Diama Bhadra Andrade Peixoto do Vale
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 29/05/2013 PT
Relevância na Pesquisa
76.39%
INTRODUÇÃO: O exame citológico ainda é o método de rastreamento mais utilizado para a prevenção do câncer do colo do útero. Apesar da sua alta eficiência na prevenção do carcinoma escamoso invasivo, esses benefícios não são tão claros para as lesões escamosas em mulheres jovens e para o adenocarcinoma invasivo. Além disso, esse efeito protetor varia de acordo com o intervalo de realização dos controles. Uma vez que o teste de HPV não é recomendado para mulheres com menos de 30 anos de idade, a avaliação cuidadosa do desempenho do rastreamento neste grupo etário pode auxiliar os médicos a selecionar criteriosamente aquelas que irão ser encaminhadas para prosseguimento diagnóstico. OBJETIVO: Avaliar o impacto do rastreamento do câncer do colo do útero na prevalência dos resultados citológicos em função da idade da mulher e do intervalo entre os controles. MÉTODOS: Foi analisado o banco de dados de um laboratório central de citopatologia. O estudo incluiu 2.002.472 testes obtidos de mulheres previamente rastreadas e 217.826 testes obtidos de mulheres não previamente rastreadas. A Razão de Prevalência (RP) com um intervalo de confiança de 95% foi calculada para os resultados de testes de mulheres rastreadas em relação aos testes de mulheres não rastreadas...

Caracterização imunocitoquímica da expressão da proteína RAP1 em blocos de células escamosas provenientes de citologia cervical em meio líquido

Figueiredo, Anna Carolina Cançado
Fonte: s.n. Publicador: s.n.
Tipo: Dissertação
PT_BR
Relevância na Pesquisa
36.07%
O diagnóstico precoce acurado do câncer cervical, relevante problema de saúde pública no mundo e no Brasil, pela citologia oncótica (Teste de Papanicolaou), é muito prejudicado pela subjetividade e variabilidade dos resultados falsos negativos e falsos positivos do método, particularmente diante de células escamosas atípicas (ASC). Recentes inovações técnicas, como citologia em meio líquido e imunocitoquímica com biomarcadores de proliferação celular, aumentaram a expectativa de melhorias no rastreamento do câncer cervical. No entanto, a aplicabilidade destas inovações nos estágios mais iniciais de atipia e displasias epiteliais permanecem incertas. Assim, considerando resultado prévio do nosso grupo de pesquisa, que identificou a proteína RAP1 como biomarcador diagnóstico da displasia cervical, este trabalho tem como objetivo caracterizar a expressão da proteína RAP1, comparativamente à expressão dos biomarcadores p16 e Ki-67, por imunocitoquímica, em blocos de células escamosas cervicais para possível aplicabilidade na triagem do câncer do colo do útero. Para tal, 34 amostras, 27 pacientes com diagnóstico de alterações celulares benignas (ACB) e 7 pacientes com diagnóstico de ASC foram coletadas na unidade Jenny Faria do Hospital das Clínicas da UFMG. Os resultados indicaram que 85% das amostras de blocos celulares foram satisfatórias para análise morfológica e a técnica reproduziu os principais parâmetros citopatológicos da citologia convencional. Em relação a sua utilização para diagnóstico...

O potencial translacional dos biomarcadores na abordagem da leucoplasia oral

Rocha, Francisco de Almeida
Fonte: Universidade Católica Portuguesa Publicador: Universidade Católica Portuguesa
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em 30/08/2013 POR
Relevância na Pesquisa
56.08%
O cancro como neoplasia maligna representa a proliferação dismórfica e contínua de células nativas de um determinado órgão, conduzindo à invasão tecidular e metastização à distância. O aparecimento destas desordens patológicas resulta de um processo fisiopatológico associado a anormalidades genéticas e epigenéticas, que originam populações celulares clonais com alterações nos mecanismos de sobrevivência. Apesar de todos os avanços tecnológicos e dos conhecimentos disponíveis para a abordagem do cancro oral, a sua mortalidade apresenta números bastante elevados, sendo superior à registada em outras patologias malignas, como o cancro do colo do útero, mama ou cólon. No que à cavidade oral diz respeito, a potencial translação do transcriptoma para a prática clínica, permitirá diminuir a morbilidade e mortalidade do cancro oral, através do diagnóstico precoce de desordens orais potencialmente malignas, como a leucoplasia oral. Atualmente, o diagnóstico diferencial entre lesões orais benignas reativas/inflamatórias e desordens orais potencialmente malignas baseia-se em exames histológicos de espécimenes biopsados, por existência de lesões clinicamente suspeitas. Além disso, o diagnóstico histológico de displasia epitelial é subjetivo e sujeito a diferentes interpretações...

Flora vaginal e neoplasia intra-epitelial do colo do útero

Cardoso, Sarah Catarina Rodrigues
Fonte: Universidade da Beira Interior Publicador: Universidade da Beira Interior
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em /06/2011 POR
Relevância na Pesquisa
66.49%
Introdução: O Cancro do Colo do Útero é o 2º cancro mais frequente, no sexo feminino (nos grupos etários dos 40-50 anos), e representa, aproximadamente, 10% de todas as neoplasias nas mulheres. A nível nacional, atinge 13 a 14 mulheres por cada 100 000, com cerca de 1 000 novos casos anuais e é responsável pela morte de, aproximadamente, 350 mulheres/ano. A persistência da infecção pelo HPV de alto risco constitui o principal factor epidemiológico para o cancro do colo do útero, no entanto, apenas um pequeno número de mulheres infectadas desenvolve a doença. A infecção do colo uterino, por este tipo de vírus, constitui um factor necessário, mas não suficiente para a sua carcinogénese. É necessária a acção de co-factores para o desenvolvimento da neoplasia intra-epitelial e do carcinoma invasivo. Objectivo: Através da avaliação de características das mulheres e de factores de risco associados, determinar a influência da flora vaginal no desenvolvimento de neoplasia intra-epitelial do colo do útero. Material e Métodos: Avaliaram-se, retrospectivamente, os processos clínicos de todas as doentes referenciadas à Unidade de Patologia Cervical do Serviço de Obstetrícia e Ginecologia do CHCB, Covilhã...

Vírus HPV e câncer de colo de útero

Nakagawa,Janete Tamani Tomiyoshi; Schirmer,Janine; Barbieri,Márcia
Fonte: Associação Brasileira de Enfermagem Publicador: Associação Brasileira de Enfermagem
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/04/2010 PT
Relevância na Pesquisa
76.42%
Este artigo refere-se a uma revisão de literatura sobre o vírus HPV e câncer de colo de útero, com o objetivo de levantar aspectos da infecção do vírus que influenciam no curso natural do câncer de colo de útero tais como: a tipologia do vírus, a duração e a persistência da infecção além de associar com as manifestações das lesões precursoras até a evolução da neoplasia. Foi possível constatar a forte associação da infecção com a evolução da neoplasia cervical, no entanto, ainda são necessários estudos que elucidem melhor certos aspectos da infecção do vírus HPV que agem sobre o colo do útero para que as ações de prevenção e combate a doença sejam mais eficazes.

Modificações na prevalência das lesões intra-epiteliais escamosas cervicais e dos fatores de risco em pacientes HIV/AIDS atendidas em serviço especializado no sul do Brasil nos períodos 1995-1999 e 2006-2007

Gonçalves,Regina Maria Carvalho; Mendoza-Sassi,Raúl Andrés; Graudenz,Márcia Silveira
Fonte: Sociedade Brasileira de Medicina Tropical - SBMT Publicador: Sociedade Brasileira de Medicina Tropical - SBMT
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/02/2009 PT
Relevância na Pesquisa
75.96%
O objetivo deste trabalho foi estudar mudanças na prevalência de lesões intra-epiteliais escamosas cervicais entre mulheres HIV-1 positivas após a introdução da terapia antiretroviral altamente eficaz e avaliar modificações na prevalência de fatores de risco para lesões intra-epiteliais escamosas cervicais. Foram estudadas 50 pacientes em 1995-1999 e 120 pacientes em 2006-2007. Coletaram-se dados demográficos, comportamentais, laboratoriais. Calculou-se a prevalência de lesões intra-epiteliais escamosas cervicais entre os dois períodos, assim como as prevalências dos outros fatores de risco. No primeiro período, encontrou-se uma prevalência de lesões intra-epiteliais escamosas cervicais de 66% e no segundo de 43% (p=0,007). A média do CD4 em 1995-1999 foi de 275,71 (DP 283,23); a média do CD4 em 2006-2007 foi de 463,32 (DP 231.90), (p=0,001). Houve mudanças significativas nos fatores idade, cor, estado conjugal e fumo entre os dois períodos. A diminuição da prevalência de lesões intra-epiteliais escamosas cervicais pode estar relacionada ao uso da estratégia de terapia antiretroviral altamente eficaz assim como à mudança de fatores de risco para lesões intra-epiteliais escamosas cervicais ao longo do tempo.

Duração da Neoplasia Intra-Epitelial e do Carcinoma Invasor do Colo Uterino: Estudo Epidemiológico

Zeferino,Luiz Carlos; Bedone,Aloisio José; Faúndes,Anibal; Oyakawa,Nadir
Fonte: Federação Brasileira das Sociedades de Ginecologia e Obstetrícia Publicador: Federação Brasileira das Sociedades de Ginecologia e Obstetrícia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/1998 PT
Relevância na Pesquisa
106.3%
Objetivo: estimar a duração e o tempo de evolução da neoplasia do colo uterino, a partir da infecção por papilomavírus humano (HPV) até as formas invasoras avançadas, tomando como parâmetro a idade média ao diagnóstico. Método: estudo observacional-transversal que incluiu 1.177 mulheres com infecção por HPV, 1.561 com neoplasia intra-epitelial cervical (NIV) e 773 com carcinoma invasor. Resultados: não houve diferença estatisticamente significante entre as médias de idade ao diagnóstico da NIC 1 e NIC 2. A duração da NIC 2 foi 2,2 anos e da NIC 3 foi 10,3 anos, sendo 4,1 anos como displasia grave e 6,2 anos como carcinoma in situ (CIS). A duração da lesão intra-epitelial escamosa de alto grau foi 12,5 anos e do carcinoma invasor estádio Ia, Ib e II foram, respectivamente, 3,0, 2,7 e 3,7 anos. Conclusões: de acordo com os resultados deste estudo, as NIC 1 e NIC 2 originam-se diretamente da infecção por HPV e a maioria das NIC 2 seria uma lesão transiente. A lesão de maior duração é o CIS e o tempo médio do período subclínico da neoplasia do colo uterino é de 18,2 anos. Estes resultados são discutidos em função do conhecimento mais atual da história natural do carcinoma do colo uterino e de outros estudos que estimaram a duração desta neoplasia.

Validade da citologia e da biópsia orientada pela colposcopia no diagnóstico do carcinoma cervical pré-clínico

Reis,Aldo Franklin Ferreira; Silva,Ricardo José de Oliveira e; Camargo,Maria José de; Silveira,Célia Maria Guimaraes da
Fonte: Federação Brasileira das Sociedades de Ginecologia e Obstetrícia Publicador: Federação Brasileira das Sociedades de Ginecologia e Obstetrícia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/05/1999 PT
Relevância na Pesquisa
56.45%
Objetivo: avaliar a eficácia da citologia e da biópsia orientada pela colposcopia na discriminação entre o carcinoma invasor pré-clínico e as lesões intra-epiteliais. Pacientes e Métodos: 441 pacientes submetidas a conização, histerectomia e operação de Wertheim-Meigs, no período de 1978 a 1995, no Hospital Universitário Clementino Fraga Filho, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Setor de Patologia Cervical. Foram efetuados os cálculos da sensibilidade, especificidade, valores preditivos, razão de verossimilhança e intervalos de confiança de cada exame, divididos em quatro categorias: normal e inflamatório; displasia leve e displasia moderada; displasia acentuada e carcinoma in situ, e carcinoma microinvasor e invasor. As biópsias foram analisadas como um todo e separadas pelo tipo de colposcopia (satisfatória e insatisfatória). Resultados: a citologia mostrou sensibilidade de 50%, especificidade de 89%, valor preditivo positivo de 63% e valor preditivo negativo de 82%. As razões de verossimilhança foram 4,4 para o diagnóstico de invasão, 0,7 para displasia acentuada e carcinoma in situ, 0,1 para displasia leve e moderada, 2,2 para normal e inflamatório e 0,6 para o conjunto de resultados negativos para invasão. A biópsia orientada pela colposcopia apresentou sensibilidade de 50%...

Fatores de risco de recidiva de lesões intra-epiteliais cervicais após conização por cirurgia de alta freqüência em mulheres portadoras e não portadoras do vírus da imunodeficiência humana

Lima,Maria Inês de Miranda; Melo,Victor Hugo; Tafuri,Alexandre; Labanca,Ângela Cristina; Lima,Luiza de Miranda
Fonte: Federação Brasileira das Sociedades de Ginecologia e Obstetrícia Publicador: Federação Brasileira das Sociedades de Ginecologia e Obstetrícia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/09/2006 PT
Relevância na Pesquisa
46.07%
OBJETIVOS: avaliar os fatores de risco associados à recidiva das lesões intra-epiteliais, após conização do colo com cirurgia de alta freqüência. MÉTODOS: estudo caso-controle aninhado em coorte de 201 pacientes que se submeteram à conização com cirurgia de alta freqüência por apresentarem lesão intra-epitelial cervical, acompanhadas, em média, por dois anos. Participaram 94 portadoras do HIV e 107 não-portadoras do vírus. A conização cervical foi realizada por cirurgia de alta freqüência e a peça cirúrgica encaminhada para exame histopatológico, que avaliou o grau da lesão, as margens e a ocupação glandular. Após a cirurgia, as pacientes foram examinadas a cada seis meses com citologia oncótica e colposcopia. Foram consideradas recidivas as lesões que, após a cirurgia, foram confirmadas novamente por biópsia. Neste estudo, foram considerados casos as pacientes com recidiva e controles as sem recidiva. As comparações entre os grupos foram realizadas pelo teste do chi2 e a análise multivariada pela regressão logística. Para a análise de sobrevida foi utilizado o método de Kaplan-Meier (teste log-rank). RESULTADOS: houve recidiva das lesões em 40 pacientes. As variáveis que inicialmente apresentaram significância estatística foram: número de parceiros...

Existe alteração no mecanismo de adesão celular mediado pela E-caderina nas neoplasias cervicais de pacientes soropositivas para o HIV?

Zimmermmann,Juliana Barroso; Gobbi,Helenice; Alves,Márcio José Martins; Melo,Victor Hugo
Fonte: Federação Brasileira das Sociedades de Ginecologia e Obstetrícia Publicador: Federação Brasileira das Sociedades de Ginecologia e Obstetrícia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2010 PT
Relevância na Pesquisa
46.26%
OBJETIVOS: avaliar a expressão da E-caderina em lesões do colo uterino em pacientes portadoras da infecção pelo vírus HIV. MÉTODOS: foi realizado um estudo com 77 pacientes apresentando o HPV cervical, sendo 40 soropositivas e 37 soronegativas para o HIV, todas submetidas à colposcopia e biópsia de colo uterino. O material obtido foi encaminhado para histopatologia e imunoistoquímica. Foram realizados cortes e montagem em lâminas silanizadas, e o observador foi blindado para a sorologia da paciente. Foram utilizados os anticorpos E-caderina, marca DAKO, clone NHC-38, com diluição de 1:400, e o sistema de polímeros Novolink (Novocastra). A expressão de E-caderina foi avaliada na membrana da célula epitelial, através da extensão da área corada. Utilizou-se o teste do χ2 com correção de Yates ou o teste de Fisher, para comparação de proporções na análise univariada. Foram incluídas no modelo de regressão logística todas as variáveis com valor p<0,25, chamado de modelo inicial. Foi utilizado o pacote estatístico SPSS e adotado o nível de significância estatística de 5%. RESULTADOS: a expressão da E-caderina foi identificada em até 1/3 interno do epitélio em 59,3% dos casos e em até 2/3 do epitélio em 11...

Infecção oral pelo HPV em mulheres com lesão escamosa de colo uterino no sistema prisional da cidade de São Paulo, Brasil

Zonta,Marco Antonio; Monteiro,Jussimara; Santos Jr,Gildo; Pignatari,Antonio Carlos Campos
Fonte: Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cervicofacial Publicador: Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cervicofacial
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/04/2012 PT
Relevância na Pesquisa
36.13%
O carcinoma de cabeça e pescoço é 6ª maior causa de mortes por neoplasia no mundo. Nas últimas décadas, tem-se associado a relação da infecção pelo Papilomavírus Humano (HPV) e seu envolvimento na etiologia desta doença, bem como acontece com o câncer de colo de útero. OBJETIVO: A caracterização molecular dos tipos de HPV diagnosticados na mucosa oral de mulheres que apresentavam alterações citológicas compatíveis com lesão escamosa no colo uterino. MÉTODOS: Foram estudadas 409 amostras cérvico-vaginais e de cavidade oral de mulheres internas no Presídio Feminino da cidade de São Paulo. A correlação entres lesões cervicais e orais foram avaliadas em 27 mulheres que apresentavam lesões pré-malignas e malignas no colo uterino pela caracterização molecular dos tipos de HPV por PCR/ RFLP e Sequenciamento. RESULTADOS: Das 27 (6,67%) amostras compatíveis com LSIL e HSIL no colo uterino, 22 (81,48%) apresentaram infecção pelo HPV de alto risco oncogênico, sendo o HPV 59 o mais prevalente, dentre elas, três amostras (11,1%) evidenciaram alterações celulares compatíveis com displasia leve na cavidade oral. CONCLUSÃO: Nosso estudo sugere uma relação entre o desenvolvimento de lesões da cavidade oral e a infecção pelo HPV...

Flora vaginal e neoplasia intra-epitelial do colo do útero

Cardoso, Sarah Catarina Rodrigues
Fonte: Universidade da Beira Interior Publicador: Universidade da Beira Interior
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em /06/2011 POR
Relevância na Pesquisa
66.49%
Introdução: O Cancro do Colo do Útero é o 2º cancro mais frequente, no sexo feminino (nos grupos etários dos 40-50 anos), e representa, aproximadamente, 10% de todas as neoplasias nas mulheres. A nível nacional, atinge 13 a 14 mulheres por cada 100 000, com cerca de 1 000 novos casos anuais e é responsável pela morte de, aproximadamente, 350 mulheres/ano. A persistência da infecção pelo HPV de alto risco constitui o principal factor epidemiológico para o cancro do colo do útero, no entanto, apenas um pequeno número de mulheres infectadas desenvolve a doença. A infecção do colo uterino, por este tipo de vírus, constitui um factor necessário, mas não suficiente para a sua carcinogénese. É necessária a acção de co-factores para o desenvolvimento da neoplasia intra-epitelial e do carcinoma invasivo. Objectivo: Através da avaliação de características das mulheres e de factores de risco associados, determinar a influência da flora vaginal no desenvolvimento de neoplasia intra-epitelial do colo do útero. Material e Métodos: Avaliaram-se, retrospectivamente, os processos clínicos de todas as doentes referenciadas à Unidade de Patologia Cervical do Serviço de Obstetrícia e Ginecologia do CHCB, Covilhã...

A correlação do HPV e o Câncer do colo do útero – Uma ação educativa do enfermeiroA correlação do HPV e o Câncer do colo do útero – Uma ação educativa do enfermeiro

Moura, Kamila Marrise Fernandes
Fonte: Centro Universitário de Brasília Publicador: Centro Universitário de Brasília
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso
PT_BR
Relevância na Pesquisa
66.55%
Este trabalho tem por objetivo apresentar a relação do Papiloma Vírus Humano (HPV), com o câncer do colo do útero. O HPV é um vírus sexualmente transmissível e a maioria das infecções é assintomática ou inaparente e de caráter transitório. As formas de apresentação são clínicas (lesões exofíticas ou verrugas) e subclínicas (sem lesão aparente). Os fatores que determinam a persistência da infecção e sua progressão para neoplasia intraepitelial cervical (NIC) (displasia moderada, displasia acentuada ou carcinoma in situ) são os tipos virais presentes e co-fatores, entre eles, o estado imunológico, tabagismo e outros de menor importância. Os tipos 6 e 11 são geralmente encontrados nas verrugas benignas (condiloma acuminado), que, embora representem proliferação anormal do epitélio, raramente mostram evidências de transformação maligna. O câncer do colo uterino invasor, em cerca de 90% dos casos, evolui a partir da NIC, mas nem toda NIC progride para um processo invasor. A vacina desenvolvida pela Merck Sharp & Dohme é a primeira a proteger contra o câncer do colo de útero e contra outras doenças associadas ao HPV. Isso porque ela é quadrivalente e protege contra quatro tipos do vírus – o 6...

Determinantes da detecção de atipias celulares no programa de rastreamento do câncer do colo do útero no Rio de Janeiro, Brasil

Silva,Mariá Gonçalves Pereira da; Almeida,Rosimary Terezinha de; Bastos,Ediane Assis; Nobre,Flávio Fonseca
Fonte: Organización Panamericana de la Salud Publicador: Organización Panamericana de la Salud
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/08/2013 PT
Relevância na Pesquisa
46.39%
OBJETIVO: Identificar os principais determinantes da detecção de atipias celulares no programa de rastreamento do câncer do colo do útero no Estado do Rio de Janeiro, utilizando os dados do Sistema de Informação do Câncer do Colo do Útero (SISCOLO). MÉTODOS: Uma amostra aleatória de 65 535 exames citopatológicos realizados em 2007 foi obtida do SISCOLO. Essa amostra foi utilizada para construir um modelo de regressão logística que identificasse variáveis com impacto no processo de detecção de atipias celulares. Foi aplicada uma curva ROC para definir o ponto de corte mais adequado para classificar a presença ou a ausência de atipias. Uma análise de sensibilidade foi realizada para avaliar o impacto dos fatores relacionados à organização do serviço no modelo. RESULTADOS: As variáveis preditoras do modelo foram: "laboratório de referência", que reflete a escala de produção do laboratório; "presença de elementos celulares representativos da zona de transformação", que reflete a qualidade da coleta de amostras; "metaplasia escamosa imatura", "presença de outras alterações celulares benignas" e "ausência de microrganismos da microbiota vaginal". A cada acréscimo de 1 ano na idade da mulher, houve redução de 1...