Página 1 dos resultados de 12 itens digitais encontrados em 0.049 segundos

O consentimento informado em utentes que se encontram a realizar tratamento de Fisioterapia

Silva, Ana Gabriela Costelha Rocha Borges da
Fonte: [s.n.] Publicador: [s.n.]
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso
Publicado em //2011 POR
Relevância na Pesquisa
85.92%
Trabalho apresentado à Universidade Fernando Pessoa como parte dos requisitos para obtenção do grau de Licenciada em Fisioterapia.; O objectivo deste estudo é avaliar se os utentes que se encontram a realizar tratamento de fisioterapia sabem o significado de Consentimento Informado, e relacionar com o sexo, idade, grau de escolaridade, zona de residência, hábitos de leitura, primeiro tratamento, entidade prestadora de serviços e com o conhecimento dos seus Direitos e Deveres. Foi elaborado um questionário aplicado a 60 utentes que se encontravam a realizar tratamento de fisioterapia em entidade pública ou privada. Verificou-se que 55% dos utentes não sabe o que significa Consentimento Informado e que este está directamente relacionado com o grau de escolaridade e hábitos de leitura, ou seja, estes utentes apresentam grau de escolaridade mais baixa e não apresentam hábitos de leitura. Conclui-se que a maioria dos utentes não estão informados e que os profissionais de saúde devem investir mais no sentido de os informar. The purpose of this study is to evaluate the knowledge of the meaning of Informed Consent by patients who are under physical therapy and relate it with several other parameters as gender...

Representação mental dos utentes do Serviço Nacional de Saúde acerca dos seus direitos e deveres

Bessa, Liliana Isabel Gonçalves
Fonte: [s.n.] Publicador: [s.n.]
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso
Publicado em //2011 POR
Relevância na Pesquisa
66.15%
Trabalho apresentado à Universidade Fernando Pessoa como parte dos requisitos para obtenção do grau de Licenciada em Enfermagem; O Doente é uma pessoa que se encontra numa situação de vulnerabilidade resultante da doença, mas que, por esse simples facto não deixa de ser titular de direitos e deveres, desde logo decorrentes do respeito devido à dignidade e à liberdade do ser humano. Os direitos e deveres do doente do Serviço Nacional de Saúde são de extrema importância para todos os utentes da nossa sociedade. Desta forma pareceu-nos pertinente desenvolver um estudo, no âmbito do 4º ano do Curso de Licenciatura em Enfermagem da Universidade Fernando Pessoa, sendo o tema abordado “Representação mental dos utentes do Serviço Nacional de Saúde acerca dos seus direitos e deveres”, tendo como objectivos, Conhecer a opinião dos doentes acerca dos seus direitos e deveres, Identificar o tipo de informação que recebem e Identificar fontes de informação. A metodologia é de natureza exploratória descritiva nível I, baseada numa abordagem essencialmente qualitativa. Este estudo baseia-se num estudo de caso a uma utente que já esteve em regime de internamento. Como instrumento de recolha de dados foi utilizada a entrevista aberta...

Apoio à família no processo terapêutico do doente esquizofrénico

Neto, Alexandra; Anes, Eugénia; Brás, Manuel; Geraldes, Maria de Fátima; Praça, Maria Isabel Fernandes
Fonte: Unidade de Investigação em Saúde (UIS) da Escola Superior de Saúde de Leiria (ESSLei) Publicador: Unidade de Investigação em Saúde (UIS) da Escola Superior de Saúde de Leiria (ESSLei)
Tipo: Conferência ou Objeto de Conferência
POR
Relevância na Pesquisa
55.91%
A doença mental está ainda hoje carregada de crenças e preconceitos, devidas essencialmente ao medo do desconhecido, verificado na abordagem familiar, muitas vezes sem conhecimentos e preparação, principalmente quando se fala de esquizofrenia. A esquizofrenia é uma perturbação mental grave caracterizada por uma perda de contacto com a realidade, alucinações, delírios, pensamento anormal e alteração do funcionamento social e laboral. Esta é uma condição, que na maioria das vezes, deixa a família perplexa, sem saber como agir perante este diagnóstico. As doenças mentais, afetam países ricos e pobres que, pela sua duração evoluem para a cronicidade. De acordo com a pesquisa efetuada, a esquizofrenia atinge diretamente cerca de 0,7-1% da população, tem um curso variável, ocorrendo a recuperação sintomática e social em apenas cerca de 25% a 30% dos casos. É fulcral promover informação, esclarecendo e educando a família no sentido de diminuir o estigma social e promover o sucesso do tratamento e qualidade de vida destes doentes. Este estudo pretendeu constituir um contributo para sensibilização dos enfermeiros face à importância do apoio prestado à família, que desempenha um papel ativo no processo terapêutico do doente esquizofrénico. Desenvolveu-se uma investigação de natureza qualitativa do tipo exploratório-descritivo...

A vida, o corpo e a morte como objetos de apropriação da medicina

Maria Cristina von Zuben de Arruda Camargo
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 01/07/1998 PT
Relevância na Pesquisa
45.86%
O homem da Medicina, seja o médico, o estudante ou o doente, é apenas um corpo biológico, um organismo vivo, determinado e sujeito às leis da física, da química, do ambiente físico em que vive. Respira, se alimenta, se reproduz, recebe e transmite uma herança genética. Esse corpo-máquina, no caso do médico, é sujeito aos sistemas de saúde presentes na maioria dos países, elaborados freqüentemente por tecnocratas, sem qualquer participação do médico, cabendo a ele apenas o trabalho especializado mecânico e repetitivo. Quando se trata do enfermo, é submetido a medidas intervencionistas, muitas vezes dolorosas, sem ser consultado. A ambos é negada a oportunidade de escolher livremente seu caminho. São apenas corpos anatômicos. Não são pessoas. Os grandes pesquisadores do final deste século não temem infundadamente sobre o futuro moral da ciência e, essa situação de "risco" é agravada quando se trata da existência humana em uma região geográfica de extrema pobreza. Transcender esta realidade é tarefa árdua, porém viável; trata-se de exercitar o movimento de libertar-se. A liberdade é ponto de partida e de chegada, onde se alicerçam as relações entre as pessoas. Ela só é possível baseada na reciprocidade...

No limiar da esperança

Moutinho, Aires Ademar Gonçalves
Fonte: Universidade Católica Portuguesa Publicador: Universidade Católica Portuguesa
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em 14/03/2012 POR
Relevância na Pesquisa
25.79%
No âmbito do 3ª Mestrado em Enfermagem com Especialização em Enfermagem Médico- Cirúrgica (EMC), este relatório pretende reflectir criticamente e dar significado objectivo aos conteúdos idealizados no projecto de estágio que ocorreu entre 19/04/2010 e 29/01/2011,descrevendo-se os módulos realizados na Unidade de Cuidados Intensivos Polivalentes do Hospital de São João, no Serviço de Urgência do Hospital de São Sebastião e na Delegação Regional do Norte do Instituto Nacional de Emergência Médica, sua justificação, escolha, opção e caracterização sumária dos locais de estágio, utilizando-se metodologia descritiva e analítica através da reflexão e descrição das diferentes actividades efectuadas. O desenvolvimento está organizado por objectivos gerais e pessoais definidos no plano de estudos previamente delineados. No Domínio da responsabilidade ética e legal, demonstrou-se competências de comunicação com conhecimentos aprofundados no relacionamento com a pessoa/ família em situação crítica comunicando com consistência informação relevante, correcta e compreensível, demonstrando conhecimentos e habilidades facilitadoras da ―dignificação da morte‖ e dos processos de luto. No Domínio da melhoria da qualidade...

Cuidados paliativos e obstinação terapêutica decisões em fim de vida

Vilhena, Rita Rasquilho Vidal Saragoça Mendes
Fonte: Universidade Católica Portuguesa Publicador: Universidade Católica Portuguesa
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em 10/10/2013 POR
Relevância na Pesquisa
35.84%
Os inúmeros avanços científicos e tecnológicos do século XX, na área da medicina, fizeram que a “cura” se fosse impondo no contexto das doenças agudas, afastando a morte para o culminar de doenças crónicas e evolutivas. Esta cultura triunfalista da cura (compreendida como vitória) instalou sentimentos de derrota e frustração face à morte e levou os profissionais a querer curar e salvar a todo o custo, adiando o mais possível o momento da morte. É neste contexto que se começa a questionar o uso de todos os meios disponíveis para prolongar a vida, fazendo-se a distinção, primeiro, entre meios ordinários e extraordinários e, depois, entre meios proporcionados e não proporcionados. Assiste-se, entretanto, à adopção do termo “futilidade”. Um meio é fútil se, através dele, não somos capazes de atingir o fim pretendido: o de beneficiar o doente. Este trabalho pretende reflectir sobre os critérios que devem orientar a tomada de decisão de “não iniciação” ou de “interrupção” de tratamentos em doentes terminais. A metodologia usada é a da revisão integrativa da literatura e da reflexão crítica dos artigos existentes sobre o tema em cinco anos (entre 2007 e 2011), publicados nas revistas Hastings Center Report...

Articulação interinstitucional, no âmbito da reinserção social, uma proposta de análise

Cleto, Carlos Ramos
Fonte: Universidade de Évora Publicador: Universidade de Évora
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
25.74%
A reinserção é um momento crucial no acompanhamento aos doentes com problemas ligados ao consumo de substâncias psicoactivas. Trata-se de um processo em que o indivíduo precisa de encontrar em si e na comunidade os meios para um regresso efectivo à sociedade, com pleno exercício de todos os direitos e todos os deveres inerentes. Os serviços que dão respostas sociais têm um papel preponderante nesse processo e quanto mais articulada for a resposta melhor será o resultado para o individuo. Este Trabalho de projecto apresenta uma proposta de avaliação, dos primeiros anos de um exemplo de articulação interinstitucional, iniciado em 2003 e ainda em vigor. Procura-se que, da investigação apresentada, resultem pistas fundamentadas para a melhoria dos serviços dessas entidades, melhorando a acessibilidade às respostas sociais, assim como a condição de cidadania do utente; ABSTRACT: Reintegration is a crucial moment in the monitoring of patients with problems related to the consumption of psychoactive substances. This is a process in which the individual needs to find himself and in the community means a full return to society with all rights and all duties..Services that respond to social problems have a major role in this process and the more coordinated response is the better the outcome for the individual. This work presents a project proposal for evaluation of the fist tree years...

Tratamento compulsório e internações psiquiátricas

Fortes,Hildenete Monteiro
Fonte: Instituto de Medicina Integral Prof. Fernando Figueira Publicador: Instituto de Medicina Integral Prof. Fernando Figueira
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2010 PT
Relevância na Pesquisa
55.84%
Este artigo traça um perfil histórico das diferentes interpretações da loucura, permitindo vislumbrar a própria história da saúde mental, desde seu caráter mítico inicial até explicações racionais, passando pela tolerância ao diferente até sua caracterização como doença. Na condição de doença mental, passível de tratamento e possível cura, surgem os hospitais psiquiátricos, os quais se tornaram símbolos da exclusão e seqüestro da cidadania. As recorrentes denúncias de violência e desrespeito aos direitos humanos, a partir da década de 1970, impulsionaram a reforma deste modelo de assistência psiquiátrica, pautando-se na desinstitucionalização e no resgate da cidadania e do respeito à singularidade e subjetividade do doente mental. A partir disso, a legislação brasileira passou a garantir os direitos e deveres tanto dos doentes mentais como dos médicos que deles cuidam, garantindo o respeito à dignidade humana em toda sua essência, inclusive no que tange a autonomia do paciente com relação ao tratamento compulsório.

Relatório de Estágio Curricular – Hospital Dr.José Maria Grande (Portalegre)

Feiteira, Andreia
Fonte: Escola Superior de Saúde da Guarda Publicador: Escola Superior de Saúde da Guarda
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso
POR
Relevância na Pesquisa
25.76%
Este relatório tem como objeto de estudo a descrição do estágio profissional II – estágio em farmácia hospitalar – unidade curricular inserida no 2º semestre do 4º ano do plano de estudos do Curso de Farmácia – 1ºCiclo. O estágio profissional é uma unidade curricular imprescindível para inserção na atividade profissional, quer pela aplicação dos conhecimentos teóricos adquiridos ao longo do percurso académico, quer pela familiarização com as tarefas diárias do Técnico de Farmácia (TF) e pelo trabalho de equipa. Os objetivos gerais do estágio são: - Favorecer, em contexto real, a integração das aprendizagens que vão sendo desenvolvidas ao longo do curso, de modo que o perfil do estudante vá ao encontro das competências necessárias no âmbito da sua formação. - Preparar o estudante para dar respostas às exigências da sociedade, promovendo a socialização e integração profissional. O TF, enquanto profissional está sujeito a regras e condutas de ética e deontologia profissional. Estas regras regem os princípios dos deveres e obrigações, não só para com o utente, mas também para com os restantes profissionais de saúde, incluindo os colegas. Os principais princípios éticos adaptados à profissão são (1): 1. Respeitar os direitos e a dignidade de todos os indivíduos; 2. Prestar ajuda a todos os que solicitem os seus serviços profissionais sem discriminação...

Desejos previamente expressos: Perspectivas dos profissionais de saúde

Cunha, Ana Maria Morgado da
Fonte: Universidade de Évora Publicador: Universidade de Évora
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
35.93%
Na Convenção dos Direitos do Homem e da Biomedicina, no Artigo 9°, lê-se que “os desejos previamente expressos, relativamente a uma intervenção médica, por um paciente que não esteja, no momento da intervenção, em condições de exprimir a sua vontade, deverão ser tidos em consideração”. Com o nosso trabalho queremos conhecer a opinião dos profissionais de saúde (enfermeiros e médicos) sobre este Artigo, pouco falado em Portugal. Os fundamentos da construção dessas vontades são observados do lado dos doentes (informação, autonomia e consentimento informado) e do lado dos profissionais de saúde (princípios éticos e deveres deontológicos). Vislumbrámos limitações à implementação deste direito e face à emergência de legislação que considera esta questão, fazemos uma curta observação das leis dos Estados Unidos e dos vários países europeus onde já se encontra contemplada. Realizámos um estudo qualitativo num departamento de pneumologia de um hospital central de Lisboa junto dos enfermeiros e dos médicos. Através das 14 entrevistas semiestruturadas, conseguimos dados que nos permitiram concluir que os profissionais consideram pertinente que seja dada ao doente oportunidade de expressar a sua vontade sobre cuidados de saúde para que seja seguida quando já não se encontra em condições de decidir. Simultaneamente...

Direitos e deveres dos doentes: Um estudo de caso sobre a percepção dos profissionais de saúde e dos doentes do Serviço de Hematologia do IPOFG-CROL, EPE

Oliveira, Vânia Catarina Torres de Freitas
Fonte: Universidade de Évora Publicador: Universidade de Évora
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
106.22%
A vida em sociedade é regida por direitos e deveres que condicionam a nossa conduta e o papel que nela desempenhamos. Nos últimos anos, estes têm ganho uma nova dimensão no sector da saúde através da definição da CDDD e da consequente alteração do papel que estes e os profissionais de saúde desempenham. Neste contexto, o estudo consistiu em conhecer a perceção dos profissionais de saúde e do doente face a esta problemática e assim, dar respostas a muitas questões que surgem quando refletimos sobre ela. Optou-se por um estudo de caso de abordagem qualitativa, realizado a um grupo de médicos, enfermeiros e doentes do Serviço de Hematologia do IPOFG-CROL, EPE e que produziu resultados nas seguintes áreas temáticas: /Perceção da CDDD; /Perceção do conhecimento dos doentes sobre os seus direitos e deveres; /Perceção do respeito pelos direitos dos doentes; /Perceção das consequências da falta de informação. /ABSTRACT - Life in society is ruled by rights and duties that regulate our conduct and the role we play. Ln recent years, these have won a new dimension in the health sector through the definition of the Patients' Bill of Rights and Duties and, consequently, have changed their role and the role health professionals play. ln this context...

Natureza, princípios e fundamentos das práticas e relações profissionais-doentes no contexto do Gabinete de Sub-visão do Instituto Dr. Gama Pinto

Denis, Teresa
Fonte: Associação Portuguesa de Sociologia Publicador: Associação Portuguesa de Sociologia
Tipo: Artigo de Revista Científica
Publicado em /06/2012 POR
Relevância na Pesquisa
55.83%
A institucionalização do direito à saúde, na constituição de 1976, como direito social e humano não parece ter conseguido, na prática dos profissionais de saúde, abalar a relação paternalista que coloca o doente numa situação de submissão face à dominância do poder/saber médico central ou periférico que o doente, nos termos de Parsons, deve acatar humildemente como “um bom doente”. É este papel de passividade e submissão do doente que nos propomos problematizar nos meandros dos direitos humanos/direitos sociais de cidadania como campo de construção social assente em práticas norteadas por direitos e deveres que, nos termos de Foucault, submetem os cidadãos a constrangimentos inerentes às relações de poder.; ABSTRACT - The institutionalization of the right to health, of the 1976 constitution, as a social and human right, seems to have not succeeded on the practice of the health professionals. It has affected the paternalistic relationship and puts the patient in a state of submission, regarding the dominance of power/medical knowledge central or peripheral that the patient, according to Parsons, must humbly accept as a "good patient." We propose to discuss the passive/submissive role of the patient and the intricacies of human/social rights of citizenship...