Página 1 dos resultados de 2819 itens digitais encontrados em 0.005 segundos

Positivismo, historicismo e dialética na metodologia da economia

Teixeira, Rodrigo Alves
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 28/02/2003 PT
Relevância na Pesquisa
37.08%
O objetivo deste trabalho é estudar as influências de três visões da teoria do conhecimento sobre a ciência econômica: o positivismo, o historicismo e a dialética. Busca-se apresentar o positivismo como uma noção que influenciou, do ponto de vista metodológico, o caráter puramente abstrato e aistórico dos conceitos da teoria neoclássica, além de outro dos pilares dessa vertente teórica, que é o individualismo metodológico. Argumenta-se que a crítica ao caráter abstrato da teoria neoclássica que se centra nas discussões sobre o irrealismo dos pressupostos não é tão eficaz. Busca-se assim esboçar outro tipo de crítica que é a da noção de abstração que retira o conteúdo social dos conceitos e, com isto, sua dinâmica, suas particularidades e, portanto, sua historicidade, reduzindo muito o alcance da ciência no estudo das relações econômicas e suas ligações com as demais esferas sociais. Apresenta-se também a crítica feita ao positivismo pela concepção historicista do conhecimento, que recusa a abstração e defende que o conhecimento deve ser pautado pela busca das particularidades e da historicidade dos conceitos. O historicismo critica então a idéia de que existem, nas ciências sociais...

A invenção platônica da dialética; The platonic invention of dialectic

Rachid, Rodolfo José Rocha
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 14/11/2008 PT
Relevância na Pesquisa
37.08%
O trabalho investiga a constituição da figura do filósofo e sua oposição aos outros produtores de discurso existentes na pólis clássica ateniense, como o retor, o sofista e o poeta. O propósito principal é salientar as diferenças substanciais entre a real ciência dialética e suas artes opostas. O termo filósofo foi empregado por Platão no século IV a.C. no estrito senso de um saber privilegiado, que apreende as Formas inteligíveis, incorpóreas e invisíveis. A atividade escrita de Platão ressalta a coexistência entre os discursos figurativo e racional, pela qual ele concebe a natureza mítica e filosófica do ser e do não-ser, da opinião, descrita como um intermediário entre o ser imiscido e o não-ser absoluto. A dialética é determinada como a arte originada da elevada Musa, sendo um saber psicagógico, não meramente um método, mas a elevada ciência que articula a unidade e a multiplicidade fenomênica, e o filósofo o amante das Musas, analisando a natureza da arte idolopéica e suas conseqüências políticas e epistemológicas. A dialética é ciência própria da alma dianoética e mnemônica. Se o sofista e o retor elaboram uma imitação doxástica, fundamentada na arte antilógica, se o poeta realiza uma imitação de aparências...

A  dialética da construção destrutiva na consagração do patrimônio mundial: o caso de Diamantina (MG); The destructive dialectic of construction in consecration of the World Heritage: the case of Diamantina (MG)

Costa, Everaldo Batista da
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 19/01/2009 PT
Relevância na Pesquisa
37.17%
Esta Dissertação cuja elaboração está focada em uma perspectiva histórico-dialética tem por objetivo analisar o processo de consagração do Patrimônio Cultural da Humanidade [UNESCO] e o Programa Monumenta [Municípios / Governo Federal / BID] a fim de identificar, em Diamantina cidade histórica do sertão mineiro através de uma análise crítica, como o par dialético preservação / mercantilização produz o espaço urbano em tela e como transforma a realidade e o imaginário do residente. Denominamos essa contradição como dialética da construção destrutiva, que envolve os bens culturais do mundo, na contemporaneidade. Esta dialética estabelece-se no próprio percurso de consagração do Patrimônio Mundial, quando temos, por um lado, a UNESCO, que luta pela preservação inconteste dos bens culturais e naturais do mundo, em contraposição à tendência contemporânea de mercantilização, banalização e destruição dos espaços da história, da memória, da cultura, da natureza e da vida, quando da implantação de um turismo negligente com a sociedade e com o lugar. Dialética da construção destrutiva que rebate sobre o espaço urbano, a cidade histórica viva enquanto totalidade, ao ser reconhecida, simultaneamente...

Dialética do labirinto: a polifonia amordaçada de Fiódor Dostoiévski; Dialectic of labyrinth: Feodor Dostoevskys gagged polyphony

Canto, Flavio Ricardo Vassoler do
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 20/10/2010 PT
Relevância na Pesquisa
37.13%
A dissertação em questão procura analisar O sonho de um homem ridículo (1877), de Fiódor Dostoiévski, fundamentalmente a partir de uma aproximação crítica em relação à teoria polifônica erigida por Mikhail Bakhtin, em Problemas da Poética de Dostoiévski. O teórico russo buscou desvelar a poética dostoievskiana não por meio de uma síntese parcial em função do discurso ideológico do escritor ou de uma de suas personagens expediente tradicional da crítica partidária, segundo Boris Schnaiderman e Paulo Bezerra , mas através do modo pelo qual o diálogo deixaria de ser contingente para assumir um papel estrutural essencial. A identidade das personagens não se estabeleceria em si e por si mesma, uma vez que o eu, desde a sua expressão primordial, já apareceria formado, enformado e deformado pela inflexão do outro. A alteridade e a altercação, vozes imiscíveis e eqüipolentes a alicerçarem a polifonia. Bakhtin, porém, não pôde demonstrar o modo pelo qual se daria a apreensão da obra de Dostoiévski como uma totalidade polifônica integral. Haveria um norte em função do qual as vozes relacionais e contraditórias seriam estruturadas? Seria possível apreender a poética dostoievskiana por meio do arcabouço tradicional...

De Lanfranco a Anselmo. Sobre a dialética em teologia: o 'De grammatico'  de Anselmo de Cantuária; From Lanfranc to Anselm. On the dialectic in theology: the Anselm of Canterbury's 'De grammatico'

Costa, Lessandro Regiani
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 06/03/2015 PT
Relevância na Pesquisa
37.13%
Nota-se, a partir do período carolíngio, um paulatino aumento da presença da dialética no cenário filosófico latino. A questão que se coloca a esses pensadores, sobretudo nos séculos X e XI, diz respeito à articulação entre o estudo das Sagradas Escrituras e a dialética. Anselmo de Cantuária representa um momento importante na dissolução dessa tensão, chegando a escrever uma obra exclusivamente dialética, o De grammatico. A originalidade de seu pensamento ganha contorno quando comparada à solução hierárquica de seu contemporâneo Pedro Damião, ou quando voltamo-nos à disputa sobre a eucaristia, na qual Lanfranco é visto pela tradição como defensor da proeminência da fé, e Berengário, apregoado como defensor da dialética. Este trabalho investiga os deslocamentos teóricos que permitem a Anselmo propor uma solução diferente para o problema da dialética em teologia.; From the carolingean period, one may note the gradually increasing presence of dialectic in the latin philosophical scenario. The question that arises to those thinkers, specially on the 10th and 11th centuries, concerns the relation between the study of the Sacred Scriptures and dialectic. Anselm of Canterbury represents an important moment on the dissolution of this tension...

Dialética da pratica e ação sem prática

Puppi, Ubaldo
Fonte: Universidade Estadual Paulista (UNESP), Departamento de Filosofia Publicador: Universidade Estadual Paulista (UNESP), Departamento de Filosofia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: 65-76
POR
Relevância na Pesquisa
37.08%
O conceito de prática recobriria o de sistema de ação, não fosse a existência de sistemas de ação sem prática. Resta que uma prática é um sistema de ação. Como conseqüência, suposta a reciprocação de sistema com teoria e uma atenta inspeção nos termos da proposição, há equivalência semântica entre prática teóricae sistema de ação prático. Num e noutro caso, a contradição interna aos pares de conceitos se resolve dialeticamente. Graças à dialética, são fundidos numa unidade de sentido, síntese de tensões opostas. Daí a proposta de uma dialética da prática global, conjuntamente abstrata e histórica. Destotalizada ou à margem dessa dialética, pode ser destacada a ação sem prática, exemplificada no drama. Dramática é precisamente uma ação que não é prática. O tempo e o lugar da prática são a história e o mundo do homem; o tempo e o lugar do drama são a ficção cultural e a substância simbólica. Mimese da prática, o drama, reproduz, não os traços do modelo, mas a sua produção, tornando-se por sua vez modelo do modelo. Mimese não é cópia, é forma autônoma de eficiência, paradoxalmente sem prática mas especular.; The concept of practice would recover the concept of the system of action...

Desdobramentos epistemológicos da modernidade: similaridades e divergências da crítica frankfurtiana à oposição positivismo e dialética no debate educacional

Barbosa, Renata Peres
Fonte: Universidade Estadual Paulista (UNESP) Publicador: Universidade Estadual Paulista (UNESP)
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: 146 f.
POR
Relevância na Pesquisa
37.01%
Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES); Pós-graduação em Educação - FFC; A presente pesquisa pretende discutir as consequências do projeto da Modernidade e suas implicações para a Educação. Tendo como principal alicerce teórico a Teoria Crítica, mais especificamente Theodor W. Adorno, Max Horkheimer e Herbert Marcuse, verifica-se o desenvolvimento de uma concepção instrumental de razão, alicerçada pelos fundamentos mecânicos da Modernidade, expressos pelo primado do resultado eficaz, do cálculo, da matematização, do princípio da causalidade, da visão fragmentada e utilitária acerca das relações humanas, dos esquemas probabilísticos, entre outros. O indivíduo, conduzido por esses determinismos, rompe com os laços que poderiam viabilizar a experiência formativa e a emancipação humana, desembocando numa educação miserável, voltada para autopreservação e para a materialidade da produção. O papel da Educação se esvazia e cai em descrédito em face da alienação do universo cultural. A saída apontada pelos teóricos críticos é a crítica imanente, movimento permitido pela dialética. Com isso, almeja-se no presente trabalho, analisar quais as divergências e as similaridades da crítica frankfurtiana à insuficiência dos moldes racionais...

Hegel, dialetica, educação : sobre a contribuição da dialetica hegeliana para a praxis educativa

Ruben Guedes Nunes
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 21/02/2002 PT
Relevância na Pesquisa
37.08%
Nessa tese exponho a singular imanência educativa da dialética hegeliana, tanto como formação cultural (Bildung), quanto como formação pedagógica (Erziehung). Em suma: a educação é ato dialético -- essa a conclusão. A apreensão dessa conclusão requer duas exigências conceituais: a) a razoávei compreensão do núcleo do sistema dialético hegeliano, e b) a concepção do homem como ser de liberdade e consciência, desde esse núcleo. Trata-se, pois, de expor a natureza dessa dialética como movimento de negatividade radicado na contradição prima finitude-infinitude, intrínseca ao pensar e que fundamenta seu longos - não como lógica abstrata das coisas, significado fixo, que ela não o é; mas como lógica do concreto das coisas, significante vivo, formas de liberdade e consciência do sujeito in Fieri. Daí que, a rogressão das contradições decorrentes é itinerário histórico superativo e formativo da consciência para a autoconsciência, através da alteridade -- observando-se, nesses processos a imanência educativa da dialética, efetivando-se na história e efetivando a história.; In this thesis we present the singular educative immanence of the Hegelian dialectics...

Jornalismo, retórica e dialética

Hauser, Vanessa
Fonte: Universidade Federal de Santa Catarina Publicador: Universidade Federal de Santa Catarina
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: 148 p.| il.
POR
Relevância na Pesquisa
37.13%
Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Comunicação e Expressão, Programa de Pós-Graduação em Jornalismo, Florianópolis, 2012; A dissertação resgata os conceitos de retórica e dialética, problematizando-os em sua relação com o jornalismo. Busca compreender o que a dialética tem a contribuir para pensar o jornalismo tanto do ponto de vista formal - em seu caráter argumentativo, como do ponto de vista epistemológico, levando em conta que a atividade pode ser considerada uma forma de produção social de conhecimento. Para fazer esta aproximação entre o jornalismo moderno e a dialética, utilizam-se autores da antiguidade e outros contemporâneos. Ao lado da retórica, a dialética ocupava um lugar de destaque na cultura grecoromana, sendo considerada uma forma de argumentação por meio do diálogo e do confronto de ideias. Assim como a dialética não pode ser reduzida a uma forma de argumentação, já que atualmente se constitui em um dos paradigmas do pensamento ocidental, também pretendemos abarcar a sua dimensão epistemológica a partir do pensamento marxista e, consequentemente, refletir sobre como é possível pensar o jornalismo a partir deste referencial.
; Abstract : The dissertation rescues the concepts of rhetoric and dialectic...

Dialética da pratica e ação sem prática

Puppi,Ubaldo
Fonte: Universidade Estadual Paulista, Departamento de Filosofia Publicador: Universidade Estadual Paulista, Departamento de Filosofia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/1982 PT
Relevância na Pesquisa
37.08%
O conceito de prática recobriria o de sistema de ação, não fosse a existência de sistemas de ação sem prática. Resta que uma prática é um sistema de ação. Como conseqüência, suposta a reciprocação de sistema com teoria e uma atenta inspeção nos termos da proposição, há equivalência semântica entre "prática teórica " e "sistema de ação prático". Num e noutro caso, a contradição interna aos pares de conceitos se resolve dialeticamente. Graças à dialética, são fundidos numa unidade de sentido, síntese de tensões opostas. Daí a proposta de uma dialética da prática global, conjuntamente abstrata e histórica. Destotalizada ou à margem dessa dialética, pode ser destacada a ação sem prática, exemplificada no drama. Dramática é precisamente uma ação que não é prática. O tempo e o lugar da prática são a história e o mundo do homem; o tempo e o lugar do drama são a ficção cultural e a substância simbólica. Mimese da prática, o drama, reproduz, não os traços do modelo, mas a sua produção, tornando-se por sua vez modelo do modelo. Mimese não é cópia, é forma autônoma de eficiência, paradoxalmente sem prática mas especular.

A dialética da transformação de valores em preços

Gontijo,Cláudio
Fonte: Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinas Publicador: Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinas
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/04/2013 PT
Relevância na Pesquisa
37.08%
Este artigo examina o estatuto metodológico da transformação de valores em preços. Para tanto, resgata a evolução da dialética, que se tornou método com Platão, assumiu a forma de sistema de demonstrações necessárias que partem dos princípios incondicionados alcançados através da synagoge com Aristóteles e de lógica do Espírito Absoluto com Hegel. Invertendo a dialética hegeliana, Marx concebe a dialética como a lógica da realidade objetiva reproduzida pela razão. Em particular, na dialética de O Capital, mostra como, na sequência do desdobramento da mercadoria, ponto de partida da exposição (Darstellung) do capitalismo, a transformação dos valores em preços surge necessariamente como o momento do aparecer da essência do capitalismo (o trabalho abstrato) no âmbito do fenômeno. Com os preços de produção, encerra-se a explicação racional da realidade efetiva (Wirklichtkeit), concebida como emergência da essência ao nível do fenômeno, englobando o âmbito da acidentalidade, inescapável em toda ciência empírica.

Dialética negativa e a tradição epistemológica nos estudos organizacionais

Faria,José Henrique de; Meneghetti,Francis Kanashiro
Fonte: Escola de Administração da Universidade Federal da Bahia Publicador: Escola de Administração da Universidade Federal da Bahia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/03/2011 PT
Relevância na Pesquisa
37.13%
A primazia do objeto é condição fundamental de compreensão da realidade para a dialética negativa proposta por Adorno. Este ensaio tem como objetivo principal apresentar a Dialética Negativa como método de refl exão, bem como suas eventuais contribuições para os Estudos Organizacionais. Para isto, será necessário verifi car como a Dialética Negativa se apresenta como um "atentado" contra a tradição; como o cognoscível é construído na relação objeto ↔ sujeito ↔ objeto pelo princípio da não identidade; como a aparência e a contradição são elementos de recusa a uma totalidade defi nitiva; como o conceito, enquanto elaboração do pensamento, e as categorias, enquanto modo de apreensão do real pelo pensamento, são elementos constitutivos da formação da realidade; e como se formam os sistemas totalitários. Com isto, será possível verifi car como a construção do entendimento ocorre por meio de construções afirmativas contrárias à Dialética Negativa, que se fi rma com base no princípio da não-identidade. Também será possível compreender como os chamados Estudos Organizacionais em geral se caracterizam por concepções epistemológicas que podem ser fontes inesgotáveis de análise sob a perspectiva da Dialética Negativa.

Freire e Marx, os caminhos da dialética: ação e reflexão para transformação

Freitas, Luciane Albernaz de Araujo; Freitas, André Luís Castro de
Fonte: Centro Paulo Freire - Estudos e pesquisas Publicador: Centro Paulo Freire - Estudos e pesquisas
Tipo: Conferência ou Objeto de Conferência
POR
Relevância na Pesquisa
37.08%
Considerando que Hegel tenha elaborado sua concepção de dialética tendo com ponto de partida o movimento compreende-se que o fez a partir de seus pressupostos idealistas, levando ao aprisionamento da existência a consciência oriunda da pura abstração. De outra forma, a proposta marxiana compreende a passagem do culto ao homem abstrato, definido por Hegel, a problematização desse homem pela ciência do real e de seu desenvolvimento histórico, realizando a inversão da dialética, quando a análise passa a viabilizar uma visão de que o universo vai se revelando tal como é. Compreende-se que as raízes do método dialético do conhecimento freiriano partem da influência da dialética proveniente do materialismo histórico proposto por Marx. O presente trabalho tem como objetivo problematizar o pensamento educacional de Paulo Freire, o qual encharcado pelo método dialético constituiu seu modo de pensar e fazer a educação. A partir de um estudo descritivo crítico intenciona-se elencar categorias que venham a demonstrar o trânsito do autor por entre diferentes visões de mundo, na busca de uma educação humana e libertária, apoiada no conceito marxiano de dialética. Nesse sentido, compreende-se inicialmente um estudo sobre as relações dialógicas e o método dialético freiriano. Essas relações promovem o encontro dos homens que pronunciam o mundo...

Dialética do esclarecimento: expressão e reconciliação

Francisco de Almeida Filho, Sebastião; Jader de Magalhães Melo, Fernando (Orientador)
Fonte: Universidade Federal de Pernambuco Publicador: Universidade Federal de Pernambuco
Tipo: Outros
PT_BR
Relevância na Pesquisa
37.08%
A Dialética do Esclarecimento é considerada um marco teórico no pensamento de Theodor W. Adorno e Max Horkheimer. Nesse livro, escrito a quatro mãos por esses dois membros do grupo de intelectuais conhecido por Escola de Frankfurt, é feita uma crítica radical ao processo de formação da racionalidade ocidental. Eles denominam de esclarecimento o movimento histórico da formação da razão e da luta que esta trava para retirar o homem de um estado de medo e menoridade diante das forças naturais. Diante dos fenômenos históricos do século XX, que indicam uma ameaça de queda da civilização na barbárie, Adorno e Horkheimer examinam a aliança entre razão e poder que pode aniquilar as possibilidades de uma humanidade emancipada. Entretanto, diversos opositores do pensamento de Adorno e Horkheimer, entre os quais se poderia mencionar Jürgen Habermas, chegaram a acusar esses autores de anularem a própria crítica. Segundo tais opositores, a Dialética do Esclarecimento invalidaria seus próprios argumentos ao vincular totalmente razão e poder. Entretanto, o presente trabalho procura indícios que permitam vislumbrar uma proposta de uma nova escrita filosófica na Dialética do Esclarecimento, que demonstre uma relação menos possessiva entre a razão e o não idêntico. Essa escrita seria resultante de uma influência de Walter Benjamin sobre os dois frankfurtianos...

Racionalidade dialética entre mito e esclarecimento: uma leitura da Dialética do esclarecimento, de T. W. Adorno e M. Horkheimer

Mass, Olmaro Paulo
Fonte: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul; Porto Alegre Publicador: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul; Porto Alegre
Tipo: Dissertação de Mestrado
PORTUGUêS
Relevância na Pesquisa
37.2%
Este estudo investiga a crítica realizada por Theodor Adorno e Max Horkheimer ao conceito de racionalidade moderna, na Dialética do Esclarecimento, que tem seu ápice nas promessas essencialmente iluministas. Ao abordarem de maneira sucinta e ímpar a origem do logos ocidental, perceberam que a genealogia do conhecimento, o seu núcleo central, está na necessidade dramática e incontrolável do ser humano se autoafirmar perante as forças da natureza que impõem medo. Por isso, o conceito de esclarecimento não pode ser compreendido somente à luz do século XVIII e de suas derivações otimistas. Para os autores, no mito já havia um conhecimento intuitivo e explicativo, de algum modo inseparável do pensamento esclarecedor. Este visava dar explicações e justificativas sobre os acontecimentos da relação do ser humano com a natureza. Portanto, a cada resistência na tentativa de dominação da natureza, o ser humano vai aumentando seu potencial, sua força e seu poder sobre ela. Assim, o ponto de partida da Dialética do Esclarecimento é uma crítica à sociedade iluminista e à racionalidade moderna que se tornou instrumental. Para Adorno e Horkheimer devemos perceber os limites da modernidade, da razão e da ciência, os aspectos mais sutis e agressivos que já estavam presentes na relação recíproca – dialética – entre mito e esclarecimento.Embora o tema abordado ‘racionalidade dialética entre mito e esclarecimento’ constitua o percurso desta dissertação...

O debate Sartre-Lukács revisitado: as polêmicas sobre dialética, classe e alienação

Gajanigo, Paulo; UFF
Fonte: Revista Convergência Crítica Publicador: Revista Convergência Crítica
Formato: application/pdf
Publicado em 31/12/1969 PT
Relevância na Pesquisa
37.08%
Neste artigo, traça-se o histórico do debate entre Sartre e Lukács – presente, principalmente, nas obras Existencialismo ou Marxismo (1948) e Ontologia do Ser Social de Lukács e Crítica da Razão Dialética (1960) de Sartre –, analisando a trajetória de ambos em relação ao marxismo. Em concordância com Lukács, demonstramos como Sartre, apesar da aproximação ao marxismo, não rompeu com o idealismo em Crítica da Razão Dialética ao desconsiderar a dialética da natureza, como fica claro na maneira como define as categorias de alienação e classe. Por fim, apresenta-se uma crítica, sob a inspiração da posição de Sartre de que há um existencialismo progressista, à forma como Lukács caracterizou o existencialismo em 1948. Afirma-se, no entanto, que o próprio Lukács, em seus últimos textos, deu elementos para superar sua posição anterior, ao criticar de maneira profunda o stalinismo e a visão de dialética da natureza de Engels.

Dialética, Linguagem e Genealogia: sobre o programa da Dialética Negativa de Adorno

de Lima, Erick Calheiros; Universidade de Brasília - UnB
Fonte: Revista de Filosofia Moderna e Contemporânea Publicador: Revista de Filosofia Moderna e Contemporânea
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Avaliado por Pares Formato: application/pdf
Publicado em 12/09/2014 POR
Relevância na Pesquisa
37.08%
Gostaria aqui de formular o programa mais geral, contido na Dialética Negativa de Adorno, a partir de algumas perspectivas histórico-filosóficas. Na primeira parte, procuro desenvolver a ideiade que a crítica de Adorno a Hegel, compreendida como um novo enlace entre dialética e ontologia, beneficia-se da interpretação proposta por Adorno de temas da filosofia kantiana (1). Em seguida, procuro mostrar como Adorno conecta sua reformulação da dialética a uma compreensão de linguagem fortemente devedora de estratégias genealógicas de argumentação (2).

Emancipation Through Communicative Action: The Habermas's Critical Reading Of Dialética do Esclarecimento And The Exhaustion Of The Emancipatory Program Of Horkheimer And Adorno; Emancipação Pela Ação Comunicativa: A Leitura Crítica De Habermas Da Dialética Do Esclarecimento E O Esgotamento Do Programa Emancipatório De Horkheimer E Adorno

Lubenow, Jorge A.
Fonte: Aufklärung: revista de filosofia; Aufklärung Publicador: Aufklärung: revista de filosofia; Aufklärung
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; Formato: application/octet-stream; application/xml; application/pdf
Publicado em 18/08/2014 POR
Relevância na Pesquisa
37.13%
This article aims to expose the critical Jurgen Habermas's point of view regarding to Dialética do Esclarecimento and the exhaustion of the emancipatory program of Horkheimer and Adorno. It intends to make clear as the Dialética do Esclarecimento leads to an impasse of an selfpointed critique of the Reason (I). In following it shows how much this selfpointed critique dues to Nietzsche and what ways Niestzsche and Horkheimer & Adorno propose to go out of this impasse (II), and the Habermas's critique of Horkheimer & Adorno point of view (III). The main texts used are O discurso filosófico da modernidade (cap. 5: “O entrosamento entre o mito e o iluminismo: Horkheimer e Adorno”) and Teoria de la acción comunicativa (cap. 4: “De Lukács a Adorno: racionalização como reificação”).; Este texto trata da leitura crítica de Jürgen Habermas da Dialética do Esclarecimento e do esgotamento do programa emancipatório de Horkheimer e Adorno. Elucida como a Dialética do Esclarecimento desemboca no impasse de uma crítica auto-referencial/totalizante da razão(I); Quanto esta crítica auto-referencial deve satisfação à Nietzsche, e quais os caminhos propostos por Nietzsche e Horkheimer & Adorno para sair desse impasse (II); E a crítica de Habermas à posição de Horkheimer & Adorno (III). Os textos-base são O discurso filosófico da modernidade (cap. 5: “O entrosamento entre o mito e o iluminismo: Horkheimer e Adorno”) e Teoria de la acción comunicativa (cap. 4: “De Lukács a Adorno: racionalização como reificação”).

A dialética da transformação de valores em preços

Gontijo, Cláudio
Fonte: Universidade Estadual de Campinas - Instituto de Economia - Setor de Publicações Publicador: Universidade Estadual de Campinas - Instituto de Economia - Setor de Publicações
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Artigo Avaliado pelos Pares; Formato: application/pdf
Publicado em 11/12/2015 POR
Relevância na Pesquisa
37.08%
Este artigo examina o estatuto metodológico da transformação de valores em preços. Para tanto, resgata a evolução da dialética, que se tornou método com Platão, assumiu a forma de sistema de demonstrações necessárias que partem dos princípios incondicionados alcançados através da synagoge com Aristóteles e de lógica do Espírito Absoluto com Hegel. Invertendo a dialética hegeliana, Marx concebe a dialética como a lógica da realidade objetiva reproduzida pela razão. Em particular, na dialética de O Capital, mostra como, na sequência do desdobramento da mercadoria, ponto de partida da exposição (Darstellung) do capitalismo, a transformação dos valores em preços surge necessariamente como o momento do aparecer da essência do capitalismo (o trabalho abstrato) no âmbito do fenômeno. Com os preços de produção, encerra-se a explicação racional da realidade efetiva (Wirklichtkeit), concebida como emergência da essência ao nível do fenômeno, englobando o âmbito da acidentalidade, inescapável em toda ciência empírica. Abstract This article examines the methodological statute of the transformation of values into prices. It resumes the evolution of dialectics, which became method with Plato, assumed the form of a system of necessary demonstrations which stem from the unconditioned principles reached through the synagogue with Aristotle and the logic of the Absolute Spirit with Hegel. Inverting the Hegelian reasoning...

A(s) disciplinaridade(s) da ciência da informação: aplicação das leis da dialética marxista no contexto pluri, inter e transdisciplinar

Silva, Jonathas Luiz Carvalho
Fonte: Universidade Estadual de Campinas Publicador: Universidade Estadual de Campinas
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; Formato: application/pdf
Publicado em 23/04/2013 POR
Relevância na Pesquisa
37.13%
Discute sobre a construção disciplinar do conhecimento na Ciência da Informação a partir da aplicação das leis da dialética marxista. Apresenta como síntese problematizadora a seguinte pergunta: como é possível aplicar as leis/categorias da dialética marxista à Ciência da Informação? Tem como objetivo uma reflexão sobre a dialética marxista (materialista) e as formas de aplicação das leis da dialética à Ciência da Informação. A metodologia do presente estudo consiste de uma pesquisa de nível exploratório com delineamento bibliográfico. Concluímos que há possibilidades diversas de aplicação das leis da dialética marxista à Ciência da Informação, especialmente no que toca a lei da mudança qualitativa, a lei da ação recíproca e a lei da luta dos contrários. Porém, essas aplicações se estabelecem não como uma verdade, mas como pressupostos para compreender os significados do caráter disciplinar da Ciência da Informação no âmbito de suas transformações epistemológicas.