Página 1 dos resultados de 6635 itens digitais encontrados em 0.007 segundos

Qualidade de vida e depressão na pessoa idosa institucionalizada

Andrade, Maria Goreti Freitas de
Fonte: Universidade da Madeira Publicador: Universidade da Madeira
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em /09/2011 POR
Relevância na Pesquisa
37.08%
A melhoria do nível de vida, veio influenciar positivamente a longevidade humana e a relação entre a qualidade de vida e o envelhecimento. O presente estudo, Qualidade de Vida e Depressão na Pessoa Idosa Institucionalizada nos Lares da Região Autónoma da Madeira (RAM), tem por objectivo: analisar a qualidade de vida dos idosos, identificar o nível de depressão e relacionar a qualidade de vida com o nível de depressão e foi realizado com uma amostra de 155 dos idosos institucionalizados em 16 lares da RAM. Para a avaliação da qualidade de vida utilizou-se a escala WHOQOL-Bref, da Organização Mundial de Saúde (OMS). Para a avaliação da Depressão usamos a Escala de Depressão Geriátrica (Geriatric Depression Scale - GDS), construída por Brink, Jesavage, Lum, Heersema, Adey e Rose (1982). Dos dados obtidos verificou-se que, relativamente à satisfação com a saúde, 37,4%, dos idosos estão satisfeitos, 33,5% não estão satisfeitos nem insatisfeitos, 23,9% estão insatisfeitos e 3,2% estão muito insatisfeitos. Na avaliação geral da qualidade de vida, 51,0% dos idosos considera a sua qualidade de vida nem boa nem má e 37,4% boa. No domínio geral da qualidade de vida obteve-se uma média de 55,84. O domínio que apresentou a média mais elevada (64...

Sintomas de depressão e solidão em idosos institucionalizados

Ribeiro, Maria Isabel; Fernandes, António
Fonte: Instituto Politécnico de Bragança Publicador: Instituto Politécnico de Bragança
Tipo: Conferência ou Objeto de Conferência
POR
Relevância na Pesquisa
37.04%
Enquadramento e Problema: A depressão tem-se mostrado como a perturbação mental mais comum na comunidade idosa, sobretudo na institucionalizada (Barua & Kar, 2010). A solidão, em termos psicológicos, pode ser caracterizada pela ausência afetiva do outro e estar relacionado com o sentimento, com a sensação de estar só (Moreira & Callou, 2006). Pode ser um sentimento de angústia, abandono e isolamento (Pinhel, 2011). Muitas vezes, os idosos institucionalizados experimentam sentimentos de depressão e solidão nos locais onde se encontram. No entanto, existem, cada vez mais, estratégias para o combate à solidão e depressão, que permitem ao idoso ter uma melhor qualidade de vida. Neste contexto, para o esclarecimento do problema de investigação e tendo em conta os objetivos traçados, formulou-se a seguinte questão de investigação: Existe relação entre os sentimentos de solidão e a sintomatologia depressiva?Objetivo geral: Verificar se existe correlação entre os sentimentos de solidão e a sintomatologia depressiva em idosos institucionalizados. Objetivos específicos: Determinar a proporção de idosos com sintomas de solidão e determinar o grau de depressão do idoso institucionalizado. Metodologia: Estudo quantitativo...

Factores de Risco da Depressão Pós-Parto: Uma Abordagem Multidimensional

Marques, Mariana Vaz Pires
Fonte: Universidade de Coimbra Publicador: Universidade de Coimbra
Tipo: Tese de Doutorado
POR
Relevância na Pesquisa
37.08%
Introdução: São poucos os estudos que, no nosso país, tenham investigado simultaneamente o papel de factores de risco (FRs) e correlatos pertencentes a vários domínios (e.g. clínico, social…) no desenvolvimento de sintomatologia depressiva no pós-parto (PPt)/depressão pósparto (DPP). Por outro lado, quer em Portugal, quer internacionalmente, poucos combinam as abordagens categorial e dimensional quando se dedicam ao tema e/ou exploram o papel das variáveis de sono e da insónia na determinação dos outcomes. O nosso principal objectivo foi analisar potenciais associações e o papel preditivo de vários FRs e correlatos de diferentes domínios no desenvolvimento dos outcomes. Apresentamos, também, alguns dados epidemiológicos e sobre o curso da depressão perinatal. Metodologia: 236 mulheres no terceiro trimestre de gravidez (M=32.58 semanas de gestação; DP=3.61), idade média=30.51 anos (DP=4.02; variação=19-41 anos) preencheram uma booklet com dois questionários (Postpartum Depression Screening Scale/PDSS; Profile of Mood States/POMS), questões avaliando variáveis sócio-demográficas, sociais, de saúde, de sono, cronobiológicas e a insónia, entre outras. Em três momentos distintos do PPt (3, 6 e 12 meses PPt; T1/T2 e T3) as participantes voltaram a preencher a booklet com os mesmos questionários e questões sobre variáveis sociais e algumas questões obstétricas e sobre o bebé (e.g. temperamento difícil). As versões portuguesas da Diagnostic Interview for Genetic Studies (DIGS) e do OPerational CRITeria Checklist for Psychotic Illness (OPCRIT) foram usadas em todos os momentos de avaliação como gold standard para o diagnóstico (ICD-10 e DSM-IV). Nas análises estatísticas recorremos à versão 15.0 do SPSS para Windows e a uma funcionalidade do mesmo para realizar análises de bootstrapping/mediação. Depois de exploradas potenciais associações com diferentes outcomes categoriais e dimensionais...

Manifestações somáticas da depressão do idoso

Pimentel, Sara Isabel da Costa
Fonte: Universidade de Coimbra Publicador: Universidade de Coimbra
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
37.04%
Introdução: A esperança média de vida e a prevalência da depressão têm vindo a aumentar progressivamente, sendo previsível que mantenham esta tendência, nos próximos anos. Nos idosos, uma das particularidades desta patologia é o predomínio de manifestações de sintomas somáticos, em relação aos sintomas do humor. Este facto pode protelar o diagnóstico, e consequentemente o tratamento, especialmente se co-existe patologia médica. Objectivos: Analisar as características particulares das manifestações somáticas na depressão do idoso, a sua influência nas estratégias para diagnóstico e tratamento e o seu reflexo no prognóstico da mesma. Desenvolver a influência das particularidades da depressão geriátrica, no desempenho do clínico geral e suas dificuldades na abordagem desta situação, bem como a necessidade de cuidados psiquiátricos diferenciados. Desenvolvimento: A apresentação clínica da depressão é menos evidente no idoso que no jovem. Muitas vezes, a depressão exprime-se apenas por sintomas somáticos ou modificações do comportamento habitual, frequentemente subestimadas nos idosos, por serem relacionadas com a comorbilidade médica, a polimedicação ou as alterações próprias da idade. Estes sintomas estão associados a recorrência mais frequente aos serviços de saúde e a sua severidade é proporcional à gravidade da depressão. A DSM-IV e a ICD-10 contemplam os sintomas somáticos...

Depressão em mulheres climatéricas: análise de mulheres atendidas ambulatorialmente em um hospital universitário no Maranhão; Depression in climacteric women: analysis of a sample receiving care at a university hospital in Maranhão, Brazil

SILVA, Mari-Nilva Maia da; BRITO, Luciane Maria Oliveira; CHEIN, Maria Bethânia da Costa; BRITO, Luiz Gustavo Oliveira; NAVARRO, Paula Andréa de Albuquerque Salles
Fonte: Sociedade de Psiquiatria do Rio Grande do Sul Publicador: Sociedade de Psiquiatria do Rio Grande do Sul
Tipo: Artigo de Revista Científica
POR
Relevância na Pesquisa
37.06%
Introdução: O climatério, período de transição entre a fase reprodutiva e não-reprodutiva, ocasiona mudanças biopsicossociais nas mulheres que o vivenciam. A associação entre a maior prevalência de depressão nesse período é, no entanto, ainda controversa. O objetivo deste estudo foi avaliar a prevalência de depressão em mulheres climatéricas atendidas em um hospital universitário numa cidade da Região Nordeste do Brasil e identificar fatores associados. Método: Foi realizado um estudo prospectivo e analítico de 70 mulheres climatéricas. O diagnóstico de depressão foi dado segundo critérios diagnósticos da Classificação Internacional de Doenças em um período de seguimento mínimo de 3 meses. Foram investigadas as seguintes variáveis: escolaridade, situação conjugal, renda pessoal, gravidade da depressão segundo escala de Hamilton, presença e intensidade de sintomas climatéricos, menopausa (natural ou cirúrgica), dependência econômica do parceiro, antecedentes familiares de depressão, história prévia de depressão pós-parto, episódios depressivos e transtorno disfórico pré-menstrual, alterações da função sexual e visão positiva ou negativa da menopausa. Resultados: Um percentual de 34...

Identificação da depressão em mulheres no sistema prisional; Depression among women in prison.

Pinese, Carmen Silvia Vilela
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 11/08/2008 PT
Relevância na Pesquisa
37.08%
Introdução: As mulheres que vivem em confinamento num sistema penitenciário necessitam de condições para que cumpram suas penas com dignidade. No contexto da reclusão, os transtornos mentais são freqüentes, especialmente a depressão, com fatores de risco associados à história familiar, adversidade na infância, aspectos da personalidade, isolamento social e exposição a experiências estressantes. Objetivos: O objetivo deste trabalho foi identificar o perfil da população de mulheres detentas, suas características sóciodemográficas, clínicas, condição penal e os sinais indicativos de depressão correlacionando estes indicadores. Metodologia: Da capacidade de detenção da Penitenciária de Ribeirão Preto/ SP (310), foram entrevistadas 100 mulheres. Utilizou-se um questionário com informações sociodemográficas, clínicas, situação penal e o Inventário de Beck. Para a apreciação conjunta das possíveis influências das variáveis independentes com relação à depressão optou-se por uma regressão logística multinomial, com a variável desfecho tendo categorias 0,1, 2 e 3. As variáveis independentes foram transformadas em dicotômicas e o elemento de comparação foi a Razão de Risco Relativa. Resultados: Das 100 mulheres entrevistadas no sistema prisional...

Qualidade de vida relacionada à saúde, depressão e senso de coerência de pacientes, antes e seis meses após revascularização do miocárdio; Patients health-related quality of life, depression and sense of coherence before myocardial revascularization and six months after it.

Gois, Cristiane Franca Lisboa
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 24/06/2009 PT
Relevância na Pesquisa
37.09%
A cirurgia de revascularização do miocárdio (CRVM) é um procedimento indicado para pacientes com angina pectoris não controlada com o tratamento clínico e para pacientes com elevado grau de obstrução das artérias principais. A cirurgia visa a melhorar a qualidade de vida relacionada à saúde (QVRS) dos pacientes, aliviar os sintomas da angina e aumentar a sobrevida, sobretudo dos pacientes de maior risco. No contexto do paciente coronariopata, a depressão tem sido relacionada como um preditor de pior QVRS, enquanto o senso de coerência (SC) tem sido associado a melhor QVRS e menor depressão. Objetivos: Avaliar a QVRS, depressão e SC, antes e seis meses após a CRVM e investigar as associações entre essas variáveis. Casuística e método: Estudo observacional e prospectivo, realizado em um hospital-escola no interior do Estado de São Paulo, desenvolvido entre os meses de setembro de 2006 e abril de 2008. A amostra foi constituída por 54 pacientes que fizeram parte das duas avaliações. Foram utilizados três instrumentos de medida: para avaliação da QVRS, o Medical Outcomes Study 36 - item Short-Form (SF-36), para a depressão, o Inventário de Depressão de Beck (IDB) e para o SC, o Questionário de Senso de Coerência de Antonovsky de 29 itens (QSCA). Os dados foram coletados por meio de entrevistas. Posteriormente...

(Dis)função sexual, depressão e ansiedade em pacientes ginecológicas; Sexual dysfunction, depression, and anxiety in gynecological patients

Lucena, Bárbara Braga de
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 05/07/2013 PT
Relevância na Pesquisa
37.08%
Os objetivos do presente estudo foram: (1) avaliar a função sexual feminina e a presença de depressão e ansiedade; (2) verificar a associação entre disfunção sexual feminina (DSF), depressão e ansiedade e (3) identificar as variáveis relacionadas com os domínios: desejo, excitação, orgasmo e dor durante a relação sexual Participaram do estudo 110 pacientes saudáveis (idade: 18-61, média:38,5 anos) que aguardavam consulta ambulatorial de prevenção ginecológica no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HCFMUSP). A avaliação foi realizada com questionários específicos desenvolvidos para a pesquisa, juntamente com o Quociente Sexual Feminino (QS-F), Inventário Beck de Depressão (BDI-II) e Inventário Beck de Ansiedade (BAI). A análise das respostas mostrou que do total da amostra, 36 (32,7%) mulheres apresentavam inibição de desejo; 16 (14,5%), problemas de excitação; 35 (31,8%), dificuldades de orgasmo; 31 (28,2%) queixavam-se de dor durante a relação; e 39 (35,5%) atingiram pontuação inferior a 60 no QS-F, indicando DSF em geral. Depressão e ansiedade acometeram 26 (23,6%) e 37 (33,6%) pacientes, respectivamente. Os dados também revelaram uma relação significante entre DSF...

Características clínicas e alterações estruturais em exames de ressonância magnética : importância para o desfecho da depressão em idosos; Clinical characteristics and structural changes in magnetic resonance imaging: importance for the outcome of late life depression

Ribeiz, Salma Rose Imanari
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 22/11/2013 PT
Relevância na Pesquisa
37.06%
A relação entre as alterações estruturais cerebrais e a resposta ao tratamento da depressão em idosos continua a ser uma área intrigante de pesquisa. Neste estudo, foram investigadas diferenças quanto ao volume total e regionalizado de substância cinzenta e branca em exames de ressonância magnética (RM) de idosos com depressão (de acordo com os critérios do DSMIV-TR) e de controles. Além disso, para melhor compreender a fisiopatologia da depressão no idoso, o volume total das hiperintensidades em substância branca foi quantificado e comparado entre os grupos. A amostra foi composta por 30 idosos com depressão e 22 controles. Os idosos com depressão foram divididos em grupos de acordo com o uso prévio de antidepressivos, a resposta ao tratamento farmacológico, assim como de acordo com a idade de início da depressão. As imagens de RM foram processadas utilizando o programa Statistical Parametric Mapping e a morfometria baseada em voxel (DARTEL). A quantificação do volume total das hiperintensidades em substância branca foi realizada através de uma variação do método automático conhecido como Expectation Maximization Segmentation (EMS). Na análise do cérebro inteiro, encontramos uma redução volumétrica significativa no giro reto e no córtex orbitofrontal bilateralmente em pacientes em comparação com os controles.Além disso...

Qualidade de vida e mecanismos de defesa em pacientes femininas com fibromialgia com ou sem depressão

Aguiar, Rogerio Wolf de
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Dissertação Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
37.06%
OBJETIVOS Este estudo tem dois objetivos: 1) verificar a freqüência de depressão em pacientes femininas com fibromialgia; 2) comparar as pacientes com fibromialgia com ou sem depressão para verificar se diferem no uso de seus mecanismos de defesa e qualidade de vida. MÉTODOS Oitenta e seis pacientes femininas com fibromialgia foram avaliadas psiquiatricamente. O diagnóstico psiquiátrico foi feito por meio de entrevistas clínicas e confirmado pelo MINI (Mini International Neuropsychiatric Interview), uma entrevista psiquiátrica estruturada. O uso dos mecanismos de defesa foi avaliado pelo DSQ-40 (Defense Style Questionnaire), um questionário autoaplicável com 40 questões. A qualidade de vida foi avaliada pelo WHOQOL – Bref (World Health Organization Quality of Life Instrument – Short Version), também auto-aplicável, composto por 26 questões, dividido em quatro domínios: físico, psicológico, relações sociais e ambiental. A gravidade da depressão foi verificada pelo BDI (Beck Depression Inventory), um teste com 21 itens de múltipla escolha. Todos os instrumentos utilizados já se encontram validados para o português brasileiro. RESULTADOS Sessenta e duas pacientes (72,1%) tinham depressão atual (Depressão Maior ou Distimia)...

Depressão e ansiedade em doentes com doença pulmonar obstrutiva crónica : implicações na adesão à oxigenoterapia de longa duração

Mota, Patrícia Sofia
Fonte: Repositório Comum de Portugal Publicador: Repositório Comum de Portugal
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2013 POR
Relevância na Pesquisa
37.06%
A DPOC é uma patologia que afeta cerca de 210 milhões de indivíduos em todo o mundo e cuja expressão tem vindo a aumentar. Em Portugal estima-se uma prevalência de 14,2% em indivíduos com mais de 40 anos (Bárbara et al., 2013). A depressão e a ansiedade são duas das comorbilidades mais frequentes da DPOC e simultaneamente das mais subdiagnosticadas e subtratadas (Cafarella et al., 2013; Maurer et al., 2008). Com a progressão da doença, uma das opções terapêuticas passa pelo recurso à OLD, o que aumenta a sua sobrevida (Medical Research Council Working Party, 1981; Nocturnal Oxygen Therapy Trial Group, 1980). Este projeto procura descrever a depressão e a ansiedade em doentes com DPOC sob OLD e analisar a sua relação com as variáveis psicossociais, adesão à OLD e qualidade de vida. Foi realizado um estudo exploratório, descritivo e transversal num paradigma quantitativo, em doentes com DPOC com OLD prescrita entre a 1 de Janeiro e 15 de Maio, de um hospital de nível IV da cidade do Porto. Trata-se de uma amostra de conveniência, tendo sido incluídos 17 indivíduos de forma sequencial, constituída essencialmente por indivíduos do sexo masculino (76,5%), com 73,7 anos em média (DP=11,5), 52,9% casados e 88...

Depressão : detecção, diagnóstico e tratamento. Estudo de prevalência e despite das perturbações depressivas e tratamento 

Gusmão, Ricardo Duarte Miranda de
Fonte: Universidade Nova de Lisboa Publicador: Universidade Nova de Lisboa
Tipo: Tese de Doutorado
Publicado em //2005 POR
Relevância na Pesquisa
37.06%
RESUMO:A depressão clínica é uma patologia do humor, dimensional e de natureza crónica, evoluindo por episódios heterogéneos remitentes e recorrentes, de gravidade variável, correspondendo a categorias nosológicas porventura artificiais mas clinicamente úteis, de elevada prevalência e responsável por morbilidade importante e custos sociais crescentes, calculando-se que em 2020 os episódios de depressão major constituirão, em todo o mundo, a segunda causa de anos de vida com saúde perdidos. Como desejável, na maioria dos países os cuidados de saúde primários são a porta de entrada para o acesso à recepção de cuidados de saúde. Cerca de 50% de todas as pessoas sofrendo de depressão acedem aos cuidados de saúde primários mas apenas uma pequena proporção é correctamente diagnosticada e tratada pelos médicos prestadores de cuidados primários apesar dos tratamentos disponíveis serem muito efectivos e de fácil aplicabilidade. A existência de dificuldades e barreiras a vários níveis – doença, doentes, médicos, organizações de saúde, cultura e sociedade – contribuem para esta generalizada ineficiência de que resulta uma manutenção do peso da depressão que não tem sido possível reduzir através das estratégias tradicionais de organização de serviços. A equipa comunitária de saúde mental e a psiquiatria de ligação são duas estratégias de intervenção com desenvolvimento conceptual e organizacional respectivamente na Psiquiatria Social e na Psicossomática. A primeira tem demonstrado sucesso na abordagem clínica das doenças mentais graves na comunidade e a segunda na abordagem das patologias não psicóticas no hospital geral. Todavia...

Depressão em mulheres climatéricas: análise de mulheres atendidas ambulatorialmente em um hospital universitário no Maranhão

Silva,Mari-Nilva Maia da; Brito,Luciane Maria Oliveira; Chein,Maria Bethânia da Costa; Brito,Luiz Gustavo Oliveira; Navarro,Paula Andréa de Albuquerque Salles
Fonte: Sociedade de Psiquiatria do Rio Grande do Sul Publicador: Sociedade de Psiquiatria do Rio Grande do Sul
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/08/2008 PT
Relevância na Pesquisa
37.06%
Introdução: O climatério, período de transição entre a fase reprodutiva e não-reprodutiva, ocasiona mudanças biopsicossociais nas mulheres que o vivenciam. A associação entre a maior prevalência de depressão nesse período é, no entanto, ainda controversa. O objetivo deste estudo foi avaliar a prevalência de depressão em mulheres climatéricas atendidas em um hospital universitário numa cidade da Região Nordeste do Brasil e identificar fatores associados. Método: Foi realizado um estudo prospectivo e analítico de 70 mulheres climatéricas. O diagnóstico de depressão foi dado segundo critérios diagnósticos da Classificação Internacional de Doenças em um período de seguimento mínimo de 3 meses. Foram investigadas as seguintes variáveis: escolaridade, situação conjugal, renda pessoal, gravidade da depressão segundo escala de Hamilton, presença e intensidade de sintomas climatéricos, menopausa (natural ou cirúrgica), dependência econômica do parceiro, antecedentes familiares de depressão, história prévia de depressão pós-parto, episódios depressivos e transtorno disfórico pré-menstrual, alterações da função sexual e visão positiva ou negativa da menopausa. Resultados: Um percentual de 34...

Depressão no Hospital Geral: estudo de 136 casos

FRÁGUAS JÚNIOR,RENÉRIO; ALVES,TÂNIA CORREA DE TOLEDO FERRAZ
Fonte: Associação Médica Brasileira Publicador: Associação Médica Brasileira
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/09/2002 PT
Relevância na Pesquisa
37.06%
OBJETIVO: O objetivo deste estudo é investigar os sintomas depressivos que diferenciam pacientes com e sem depressão associada a condições médicas. MÉTODOS: Foram estudados 293 pedidos de interconsulta à psiquiatria, consecutivos, no ano 1998, sendo 168 (57,5%) mulheres e 124 (42,5%) homens, com idades variando de 18 a 93 anos (47,2+/-18,0 anos). O diagnóstico psiquiátrico foi realizado através de uma entrevista clínica aberta, utilizando-se os critérios do DSM-IV. A análise estatística foi realizada através dos testes de Qui-quadrado e regressão logística. RESULTADOS: Dos 293 pacientes avaliados, 230 (78,50%) preenchiam critérios para diagnóstico psiquiátrico; sendo que 136(59,1%) apresentaram transtornos dentro do espectro depressivo: Depressão Maior (n=60-26,1%), Depressão Menor (n=31-13,5%), Depressão Secundária (n=19-8,3%) e Reação de Ajustamento com Humor Depressivo (n=26-11,3%). À exceção do aumento de apetite, aumento de peso, agitação e ilusões, a ocorrência ou não de depressão foi significativamente diferente (p<0,05) quando se comparou a presença com a ausência dos demais sintomas potencialmente depressivos. A anedonia e a piora matinal só foram detectadas em, respectivamente, 4 e 3 pacientes sem depressão...

Depressão pós-parto:pensamentos disfuncionais e comorbidade com transtornos ansiosos

Cantilino da Silva Junior, Amaury; Botelho Sougey, Everton (Orientador)
Fonte: Universidade Federal de Pernambuco Publicador: Universidade Federal de Pernambuco
Tipo: Outros
PT_BR
Relevância na Pesquisa
37.09%
Introdução: Apesar da depressão pós-parto ser bastante pesquisada, algumas lacunas importantes no conhecimento desse transtorno ainda existem. No Brasil, por exemplo, não existem estudos de prevalência que tenham utilizado entrevistas clínicas estruturadas para o seu diagnóstico. Além disso, também no nosso meio, não se conhece a prevalência dos transtornos de ansiedade no puerpério e a sua comorbidade com depressão. Outro aspecto relevante é que embora programas de tratamento de depressão pós-parto com psicoterapia cognitivocomportamental sejam realizados e pesquisados, estudos que comparem a freqüência de pensamentos disfuncionais entre puérperas deprimidas e puérperas sem depressão não têm sido encontrados na literatura. Tanto pesquisas que estudem comorbidade entre depressão pós-parto e transtornos de ansiedade quanto aquelas que possam avaliar quais pensamentos disfuncionais estão mais presentes nessas puérperas podem dar subsídios para a construção de programas de terapia cognitiva baseados em evidências. Objetivos: O estudo teve três eixos centrais: 1) Estimar a prevalência de depressão pós-parto em Recife-PE utilizando a Structured Clinical Interview for DSM-IV Axis I Disorders (SCID-I); 2) Avaliar quais pensamentos disfuncionais de acordo com o Postnatal Negative Thoughts Questionnaire (PNTQ) estavam mais presentes em mulheres com depressão pós-parto quando comparadas às puérperas sem depressão; 3) Estimar a prevalência de transtornos de ansiedade no puerpério e avaliar a freqüência de comorbidade com depressão. Método: Uma amostra de conveniência de 400 puérperas foi selecionada em ambulatórios públicos e em um consultório privado de puericultura enquanto aguardavam consultas para seus bebês. Essas mulheres foram entrevistadas com o uso da SCID-I para depressão e com o Mini International Neuropsychiatric Interview para transtornos de ansiedade. Além disso...

Associação da depressão na qualidade de vida de idosos

Burmeister, Simone Bracht
Fonte: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul; Porto Alegre Publicador: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul; Porto Alegre
Tipo: Dissertação de Mestrado
PORTUGUêS
Relevância na Pesquisa
37.08%
Um objetivo dos cuidados com a saúde dos idosos deve ser a melhoria ou manutenção da sua qualidade de vida e não meramente a cura ou prolongamento da vida, por isso vem crescendo o interesse na relação das doenças com a qualidade de vida. Entre as doenças, aparece a depressão como o transtorno psiquiátrico mais prevalente na população idosa, com influência direta nas atividades da vida diária e qualidade de vida. Alguns aspectos psicossociais, geralmente avaliados através de escalas de qualidade de vida são apontados como fatores de risco para a depressão em idosos, entre eles perdas afetivas, as doenças físicas incapacitantes e a solidão. O objetivo do presente estudo é identificar qual ou quais as dimensões da qualidade de vida de idosos com depressão maior e depressão menor são mais afetadas, comparando-os com idosos sem depressão. O estudo é do tipo transversal com coleta prospectiva. A amostra aleatória constituiu-se de 468 idosos (60 anos ou mais) atendidos pela Estratégia Saúde da Família de Porto Alegre. Os participantes foram randomicamente selecionados de 27 Equipes de Saúde da Família do Município de Porto Alegre (ESF/POA) sorteadas de modo estratificado por Gerência Distrital. Para o presente estudo foram utilizados dados do diagnóstico de depressão coletados por psiquiatras da equipe que utilizaram a versão brasileira do Mini International Neuropsychiatric Interview 5. 0. 0 plus (M. I. N. I. 5. 0. 0 plus). A avaliação de qualidade de vida foi realizada através da Escala de Qualidade de Vida Adaptada de Flanagan...

The accuracy of diagnosis of major depression in patients with Parkinson's disease: a comparative study among the UPDRS, the geriatric depression scale and the Beck depression inventory; A precisão do diagnóstico de depressão na doença de Parkinson: um estudo comparativo entre a UPDRS, a escala geriátrica de depressão e o inventário de depressão de Beck

TUMAS, Vitor; RODRIGUES, Guilherme Gustavo Ricioppo; FARIAS, Tarsis Leonardo Almeida; CRIPPA, José Alexandre S.
Fonte: Academia Brasileira de Neurologia - ABNEURO Publicador: Academia Brasileira de Neurologia - ABNEURO
Tipo: Artigo de Revista Científica
ENG
Relevância na Pesquisa
37.07%
OBJECTIVE: Evaluate the accuracy of diagnosis of major depression in patients with Parkinson's disease (PD) using the UPDRS, the 15-item Geriatric Depression Scale (GDS15) and the Beck Depression Inventory (BDI). METHOD: 50 consecutive patients with PD were evaluated. The diagnosis of major depression was made according to the DSM-IV criteria. RESULTS: We found a 24% prevalence of major depression. All depression scales were highly correlated but UPDRS depression item had the lowest diagnostic value. The GDS15 had the more appropriate "receiver operating characteristics" curve. The best cut-off scores for screening depression were 17/18 for BDI and 8/9 for GDS15. We did not find any correlation between the level of depression and intensity of motor symptoms, functional capacity and duration of the disease. CONCLUSION: GDS15 is better than the BDI and the UPDRS for screening depression in PD and depression is not related to the degree of parkinsonian symptoms.; OBJETIVO: Avaliar a precisão do diagnóstico de depressão em pacientes com doença de Parkinson avaliados pela UPDRS, pela Escala Geriátrica de Depressão com 15 itens (EGD15) e pelo Inventário de Depressão de Beck (IDB). MÉTODO: 50 pacientes com DP foram avaliados. O diagnóstico de depressão maior foi feito segundo os critérios do DSM-IV. RESULTADOS: A prevalência de depressão foi 24%. As escalas de depressão tiveram elevada correlação entre si. A UPDRS apresentou a menor sensibilidade para o diagnóstico. A EGD15 mostrou uma curva ROC mais apropriada que o IDB. Os melhores escores-de-corte para diagnóstico de depressão foram 17/18 para o IDB e 8/9 para a EGD15. Não houve correlação entre os níveis de depressão e a intensidade do parkinsonismo...

A depressão em pauta

Soares, Giovana Bacilieri
Fonte: Universidade Federal de Santa Catarina Publicador: Universidade Federal de Santa Catarina
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
37.05%
Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências da Saúde, Programa de Pós-Graduação em Saúde Pública, Florianópolis, 2009; A depressão vem sendo considerada um problema de saúde pública no Brasil e nos demais países, em geral como um problema recorrente, podendo ser crônico em cerca de 20% dos casos. Sendo trazida como a quarta causa de incapacitação nos anos 90, estima-se para 2020 ser a primeira causa para países em desenvolvimento. Ganhando maior visibilidade nos últimos anos, a depressão é alvo de vários artigos e comentários nos meios de comunicação e cada vez mais perseguida como algo passível e necessário de tratamento. Seu diagnóstico vem mudando ao longo do tempo e tem se consolidado na atualidade com os critérios definidos pelo Manual de Diagnóstico e Estatística das Perturbações Mentais (DSMIV), o qual traz uma proposta de neutralidade ateórica e objetiva ao diagnóstico. Através dos atuais critérios temos vivenciado a expansão do diagnóstico de depressão e conseqüente aumento da medicalização, tornando médicos problemas ou eventos da vida que antes eram considerados normais. Uma das formas de se visualizar a ascensão da depressão é a atenção dada na mídia para o tema. Com o objetivo de analisar o que se tem discutido sobre depressão na mídia realizamos uma pesquisa descritiva...

Uma revisão sobre depressão como fator de risco na Doença de Parkinson e seu impacto na cognição

Silberman,Cláudia Débora; Laks,Jerson; Rodrigues,Cláudia Soares; Engelhardt,Eliasz
Fonte: Sociedade de Psiquiatria do Rio Grande do Sul Publicador: Sociedade de Psiquiatria do Rio Grande do Sul
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/04/2004 PT
Relevância na Pesquisa
37.07%
OBJETIVOS: Esta revisão tem dois objetivos. 1. Examinar o impacto da depressão sobre a cognição na Doença de Parkinson (DP). 2. Examinar o papel da depressão como fator de risco tanto para DP como para transtorno cognitivo na DP. METODOLOGIA: Revisão na literatura internacional, Medline, de artigos clínicos seccionais, prospectivos e de caso controle, avaliando a função cognitiva de parkinsonianos com e sem depressão, entre 1967 e 2003. Palavras-chave Doença de Parkinson, Depressão e cognição. RESULTADOS: Os trabalhos sobre o impacto da depressão na cognição de parkinsonianos apresentam afirmações divergentes. Cinco artigos concluem que há impacto e quatro não confirmam esses dados. Pode-se afirmar que a depressão é um fator de risco para DP, assim como a DP é um fator de risco para depressão. No entanto, nenhuma definição foi possível no que se refere à depressão como fator de risco para transtornos cognitivos em parkinsonianos. Observa-se que os dados sobre a prevalência de depressão e déficit cognitivo na DP são inconclusivos, com grande margem percentual entre os autores. A depressão em parkinsonianos está associada com avanço da gravidade da DP, estágio avançado de Hoehn e Yahr, alta pontuação na Unified Parkinson's Disease Rating Scale (UPDRS)...

Estudo de rastreamento e diagnóstico da depressão nos idosos cadastrados na estratégia saúde da família de Porto Alegre, RS, Brasil

Nogueira, Eduardo Lopes
Fonte: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul; Porto Alegre Publicador: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul; Porto Alegre
Tipo: Tese de Doutorado
PORTUGUêS
Relevância na Pesquisa
37.11%
O envelhecimento populacional ocorre de sobremaneira nos países em desenvolvimento. Tal fato modifica o perfil de saúde e doença na população, prevalecendo as doenças crônico-degenerativas sobre as agudas e infecciosas. Dentre as doenças de características crônicas destaca-se a depressão geriátrica, altamente prevalente no mundo. O impacto das repercussões do aumento da depressão ainda é difícil de mensurar, embora projeções da Organização Mundial da Saúde (OMS) para 2030 a coloquem como a principal patologia a contribuir para a carga global de doenças no mundo. O alerta da OMS ainda destaca que o impacto será mais intenso em países de baixa e média renda, o que está relacionado ao subdiagnóstico e subtratamento ao nível da atenção básica (AB). Além disso, outros fatores contribuem para a complexidade da depressão na faixa idosa dentre os quais destaca-se a comorbidade com transtornos de ansiedade contribuindo para a severidade do quadro psiquiátrico o que aponta para uma maior relevância à investigação de ambos transtornos.Este é um estudo transversal com coleta prospectiva que objetivou examinar fatores relacionados à depressão em uma amostra aleatória estratificada de idosos cadastrados pelo programa Estratégia Saúde da Família (ESF) do Município de Porto Alegre. Para o desenvolvimento do trabalho...