Página 1 dos resultados de 12413 itens digitais encontrados em 0.010 segundos

Atitude do consumidor em relação ao marketing (o caso português)

Correia, Luís Manuel Ferreira
Fonte: Instituto Politécnico de Bragança, Escola Superior de Tecnologia e Gestão Publicador: Instituto Politécnico de Bragança, Escola Superior de Tecnologia e Gestão
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
36.85%
Orientado por Paula Odete Fernandes; As estratégias de Marketing são cada vez mais estruturadas e direccionadas para públicos alvos, sendo consideradas imprescindíveis na comunicação entre empresas e consumidores. Grandes companhias absorvem orçamentos volumosos para conseguirem transmitir a mensagem ao consumidor final. Estratégias dinâmicas e reconhecidas de agências mundiais de Marketing, são contratadas por grandes companhias para dar a conhecer os seus bens e serviços, face a uma cada vez maior concorrência a que se tem vindo a assistir com a globalização. Tendo em conta que o consumidor possui cada vez mais informação relevante sobre produtos e estratégias de Marketing que os suportam, é necessário conhecer a informação que permite ir ao encontro das reais necessidades do consumidor, bem como a forma de melhor o satisfazer e fidelizar. Assim, com o presente trabalho de pesquisa, pretendeu-se medir e conhecer a atitude do consumidor português face ao Marketing e o seu grau de satisfação em relação à qualidade dos produtos, promoção, preços dos produtos, distribuição e venda, ou seja, em relação às políticas do Marketing-Mix. Foi propósito, ainda, analisar a percepção dos consumidores quanto à regulamentação Governamental para as actividades comerciais...

Atitude do consumidor frente à propaganda: um estudo sobre os apelos racionais e emocionais da propaganda na indústria farmacêutica; Consumer's attitude toward advertising: a study about rational and emotional appeals in pharmaceutical industry ads

Huertas, Melby Karina Zúñiga
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 28/11/2005 PT
Relevância na Pesquisa
36.87%
Diante de discrepâncias na literatura sobre a recomendação de alguns modelos de propaganda de se emparelhar os apelos (racionais ou emocionais) à atitude do consumidor sobre o produto (predominantemente cognitiva ou predominantemente afetiva), o objetivo geral desta Tese foi avaliar tal recomendação. A revisão bibliográfica evidenciou algumas lacunas teóricas: 1) generalização indevida de resultados de estudos sobre formatos de propaganda para produtos de outras categorias; 2) não mensuração direta dos componentes cognitivo e afetivo da atitude do consumidor nos modelos de propaganda, que consideram apenas o tipo de necessidade que o produto satisfaz e o envolvimento do consumidor como determinante da atitude sobre o produto; 3) não consideração de outras características do consumidor, além do envolvimento, como determinante da atitude nos modelos de propaganda; 4) ausência da atitude do consumidor sobre o produto dentre os antecedentes da atitude do consumidor frente a anúncio. Procurando superar tais deficiências, foi empreendida pesquisa de campo contemplando: a) uma categoria de produto específica (medicamentos / medicamentos para emagrecer); b) a mensuração dos componentes cognitivo e afetivo da atitude; c) a avaliação de outras características do consumidor (estado de saúde / peso e experiência com o produto) que influenciam sua atitude; d) atitude do consumidor sobre o produto como possível antecedente da atitude dele frente a anúncio. A pesquisa empírica consistiu de três etapas. A primeira...

Defesa da concorrência e bem-estar do consumidor; Competition defense and consumer welfare

Pfeiffer, Roberto Augusto Castellanos
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 11/06/2010 PT
Relevância na Pesquisa
36.86%
O objeto da tese de doutorado é a análise da relação entre a defesa da concorrência e a proteção do consumidor, duas políticas públicas que proporcionam benefícios mútuos e devem ser executadas de modo harmônico, havendo substrato normativo e teórico para incluir a preocupação com o bem-estar do consumidor como um dos objetivos da política de defesa da concorrência. No Brasil tal harmonização é uma imposição constitucional, já que a livre concorrência, a repressão ao abuso do poder econômico e a defesa do consumidor são princípios conformadores da ordem econômica. É defendida a utilização de um conceito unificado de consumidor, sendo adotada a teoria finalista, que o define como o destinatário final econômico do bem ou serviço. As duas políticas utilizam diferentes instrumentos e perspectivas na tutela do bem-estar do consumidor, o que fica claro na proteção do direito de escolha. O Código de Defesa do Consumidor oferece a isonomia como remédio para compensar a vulnerabilidade, estabelecendo regras destinadas à uma escolha consciente, sobretudo o direito à informação adequada e veraz. Já as normas de defesa da concorrência resguardam a liberdade preocupando-se em preservar a possibilidade de escolha entre mais de um fornecedor de produtos ou serviços. O exemplo mais contundente dá-se no controle de estruturas: a atuação das autoridades responsáveis pela análise dos atos de concentração é vinculada à preservação do excedente do consumidor e das condições imprescindíveis ao exercício do direito de escolha...

Elaboração de um modelo de compra na internet : o papel da confiança do consumidor no varejista eletrônico em diferentes situações de risco percebido

Hernandez, José Mauro da Costa
Fonte: Fundação Getúlio Vargas Publicador: Fundação Getúlio Vargas
Tipo: Tese de Doutorado
Relevância na Pesquisa
36.89%
Motivada pelo recente debate sobre o aumento da sensibilidade a preço dos consumidores que compram pela Internet, esta tese propõe um modelo de compra na Internet no qual a confiança do consumidor no varejista eletrônico desempenha um papel central. O modelo proposto encontra forte sustentação teórica na teoria de marketing de relacionamento e, mais especificamente, nos resultados de um estudo de Morgan e Hunt (1994). Estes autores propuseram e validaram um modelo no qual o comprometimento e a confiança desempenham um papel central para o sucesso do marketing de relacionamento. O modelo proposto nesta tese foi desenvolvido apenas para situações envolvendo encontros iniciais entre consumidores e varejistas eletrônicos. Nesta situação particular, o modelo propõe que a confiança do consumidor no varejista eletrônico depende da avaliação do consumidor sobre os atributos funcionais do Website do varejista e das associações de confiança em relação à marca do varejista. A confiança do consumidor no varejista eletrônico resulta na formação da atitude do consumidor em relação ao varejista que, por sua vez, aumenta a intenção de comprar o produto do varejista e diminui a sensibilidade a preço do consumidor. Ao considerar a estreita relação entre os conceitos de confiança e risco percebido...

A confusão no processo de escolha do consumidor.

Afonso, Carla Winter
Fonte: Fundação Getúlio Vargas Publicador: Fundação Getúlio Vargas
Tipo: Tese de Doutorado
PT_BR
Relevância na Pesquisa
36.86%
Dentro da literatura de Comportamento do Consumidor e Teoria da Decisão existe considerável corpo teórico que analisa sentimentos negativos e reações adversas no processo decisório de compras de produtos de alto e baixo envolvimento. Vários fenômenos são identificados como negativos no processo, principalmente a Confusão do Consumidor, que compreende três dimensões: i) muitas informações similares sobre produtos, ii) muitas informações sobre diferentes produtos e iii) informações falsas e ambíguas. Tal fenômeno, no entanto, parece ser moderado por um conjunto de variáveis, como o Envolvimento, a Experiência e a Restrição de Tempo (moderadoras da relação entre Confusão do Consumidor e Intenção de Compra). Este fato foi identificado através de entrevistas em profundidade. Os resultados das entrevistas permitiram identificar as variáveis moderadoras, assim como a existência do fenômeno e sua relação com a decisão final de compra. Na segunda fase da pesquisa, supõe-se que indivíduos com baixo Envolvimento e Restrição de Tempo possuam uma propensão maior à confusão. No Estudo 2 foram utilizados como moderadores o Envolvimento e a Restrição de Tempo, ambos manipulados por instrução...

Relação entre identificação consumidor-empresa, experiência com o serviço e o comportamento de recomendação do consumidor

Zylbersztejn, Vivian Suslik
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Dissertação Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
36.85%
A comunicação boca a boca está fortalecendo-se e popularizando-se, principalmente a partir do advento das mídias sociais. A cultura da população em buscar informações referentes a produtos e serviços está cada vez mais forte, uma vez que a dose de incerteza na compra é grande, em especial em serviços ou serviços aplicados a produtos, por sua intangibilidade. Dessa forma, a comunicação boca a boca tradicional ou via mídias sociais tem se intensificado, tanto na busca quanto na emissão de opiniões. Neste contexto de mercado, uma das formas de uma empresa se tornar competitiva no mercado é criando um relacionamento a longo prazo com seus clientes, facilitando a existência de uma identificação do consumidor com a empresa. Partindo do cenário de serviços, este estudo tem o objetivo de avaliar as relações simultâneas entre três conceitos: experiência do consumidor com o serviço, identificação do consumidor com a empresa e o comportamento de recomendação deste consumidor. Este estudo teve por propósito avaliar estas relações, e, para isso, validou escalas para mensuração destes conceitos no contexto brasileiro. Foi aplicado um questionário online com 500 respondentes, sendo que o pré-requisito era que o respondente escolhesse um estabelecimento (bar ou restaurante) com o qual se identificasse. A análise de dados incluiu uma análise fatorial exploratória e uma confirmatória...

A formação do vínculo no contrato eletrônico e a proteção do consumidor

Klee, Antonia Espíndola Longoni
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Dissertação Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
36.85%
O trabalho é um estudo dos contratos eletrônicos à luz do direito do consumidor. Discorre sobre a proteção do consumidor no ordenamento jurídico brasileiro, segundo a Constituição da República de 1988, o Código de Defesa do Consumidor e o Código Civil brasileiro de 2002. Expõe a criação do Código de Defesa do Consumidor e a relação deste com o Código Civil. Ressalta a importância de um “diálogo de fontes” entre o Código Civil e o Código de Defesa do Consumidor, que devem ser interpretados conforme a Constituição. Analisa como ocorre a formação do vínculo e a manifestação da vontade nos contratos eletrônicos, com base nas relações estabelecidas entre consumidor pessoa física e fornecedor, tendo como enfoque os contratos de adesão e os contratos à distância. Examina o contrato eletrônico como contrato de consumo e aborda a aplicabilidade do Código de Defesa do Consumidor aos contratos celebrados pela Internet. Faz referência às regulamentações do comércio eletrônico concebidas por outros países, como sugestões que podem ser adotadas pelo Brasil, caso o legislador entenda ser preciso regulamentar. Conclui que a legislação brasileira já existente de proteção e defesa do consumidor é plenamente aplicável aos contratos eletrônicos celebrados entre consumidores e fornecedores e que o aplicador da lei deve conhecer a experiência legislativa de outros países para conferir uma proteção mais eficaz do consumidor que utiliza o meio eletrônico para se relacionar com fornecedores.; The paper is a study on electronic contracts under the light of the consumer rights. It considers the consumer protection in the Brazilian legal system pursuant to the Constitution of 1988...

A influência do tempo (versus dinheiro) no processo de adaptação hedônica do consumidor

Cachapuz, Fernanda Fernandes
Fonte: Universidade Federal de Santa Catarina Publicador: Universidade Federal de Santa Catarina
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: 138 p.| il., grafs., tabs.
POR
Relevância na Pesquisa
36.85%
Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro Sócio-Econômico, Programa de Pós-Graduação em Administração, Florianópolis, 2013.; A presente pesquisa buscou analisar se o processo de adaptação hedônica do consumidor sofre influência do foco no tempo (versus dinheiro) em situações de consumo. A adaptação hedônica é ?a atenuação das reações afetivas decorrentes da propriedade e do uso contínuo de determinado produto? (WANG et al., 2009, p. 149). Assim, o estudo sobre o processo de adaptação hedônica do consumidor é relevante na medida em que a adaptação hedônica está diretamente relacionada ao consumo insaciável de produtos e experiências e, consequentemente, à felicidade dos consumidores (KAHNEMAN, 1999; SCHKADE; KAHNEMAN, 1998). Segundo Mogilner & Aaker (2009), diversas são as campanhas de marketing de bens de consumo que mencionam o tempo e o dinheiro, mas pouco se sabe sobre o efeito dessas variáveis nos consumidores. A partir dos estudos de Mogilner & Aaker (2009) e Aaker et al. (2011), que afirmam que aumentar a saliência do tempo (versus dinheiro) influencia as atitudes e decisões dos consumidores em relação ao produto, essa pesquisa realizou três experimentos para avaliar o foco no tempo (versus dinheiro) na previsão da adaptação hedônica...

Marketing verde e o alinhamento empresa-consumidor

Silva, Catarina Estefânia de Albuquerque Morais da
Fonte: Instituto Superior de Economia e Gestão Publicador: Instituto Superior de Economia e Gestão
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em /09/2012 POR
Relevância na Pesquisa
36.87%
Mestrado em Ciências Empresariais; O crescente aumento da consciencialização ambiental tem levado consumidores e produtores a mudar o seu comportamento em relação ao ambiente, tendo sido o marketing a área de negócio onde esta mudança teve maior incidência. Uma das principais e actuais preocupações das organizações passa pelo desenvolvimento sustentável dos seus negócios, tendo surgido na área do marketing uma estratégia-chave para o cumprimento desse objectivo – o marketing verde. Nesta investigação pretende-se estudar como estas preocupações ambientais têm vindo a afectar o comportamento do consumidor e a relação do mesmo com as empresas. A pesquisa inicia-se com o estudo do consumidor ecologicamente consciente através de variáveis sociodemográficas (idade, sexo, habilitações escolares e rendimento familiar), passando pela relação entre a intenção e o comportamento efectivo do consumidor e terminando com a análise da relação entre a opinião do consumidor em relação a empresas que praticam marketing verde e o seu comportamento de consumidor ecologicamente consciente. Para o efeito procedeu-se a um estudo maioritariamente quantitativo, tendo-se recorrido a parte da metodologia utilizada por Straughan e Roberts (1999)...

O novo Código Civil e o Código de Defesa do Consumidor: pontos de convergência

Aguiar Júnior, Ruy Rosado de
Fonte: Revista dos Tribunais Publicador: Revista dos Tribunais
Tipo: Palestra Formato: 125440 bytes; application/msword
PT_BR
Relevância na Pesquisa
36.9%
Palestra realizada por Ministro do Superior Tribunal de Justiça, no Seminário "EMERJ debate o novo Código Civil e o consumidor", em 11 de abril de 2003.; Edição especial dedicada à publicação dos anais dos seminários EMERJ Debate o Novo Código Civil - Parte II.; Trata das relações que se podem estabelecer entre o Código Civil e o Código de Defesa do Consumidor. Examina o aparente conflito de leis no tempo entre os dois diplomas, procurando saber se, com a promulgação do Código de Defesa do Consumidor, as relações de consumo permanecem reguladas inteiramente pelo Código de Defesa do Consumidor, ou se algumas dessas relações podem ser afetadas pelo Código Civil. Não se pode dizer que sempre se aplica o Código de Defesa do Consumidor à relação de consumo, nem é de se afirmar que o Código Civil revogou as disposições do Código do Consumidor, pois os princípios são os do Código Civil, as regras são as do Código de Defesa do Consumidor, salvo quando o Código Civil dispuser especificamente sobre uma relação de consumo, de que é exemplo, o contrato de transporte de pessoas e coisas. Trata do uso, na atualidade, das claúsulas gerais existentes no Código de Defesa do Consumidor e no Código, como a cláusula geral da boa-fé e da onerosidade. Trata também da lesão presente na celebração do contrato; a redução da cláusula penal; da desconsideração da pessoa jurídica; da responsabilidade civil...

A proteção ao consumidor e o Ministério Público

Benjamin, Antonio Herman de Vasconcellos e; Filomeno, José Geraldo Brito
Fonte: Superior Tribunal de Justiça do Brasil Publicador: Superior Tribunal de Justiça do Brasil
Tipo: Artigo de Revista Científica
PT_BR
Relevância na Pesquisa
36.88%
Texto de autoria de Ministro do Superior Tribunal de Justiça.; Aborda o conceito de consumidor, comenta que a proteção a este é dever do Estado e que os direitos do consumidor, em especial o de informação e educação, bem como sua proteção pelo Ministério Público, federal e estadual, devem ser previstos, expressamente, na nova Constituição. Ressalta que a proteção ao consumidor não pode ser conferida com exclusividade ao Ministério Público, sendo fundamental a existência e funcionamento de associações privadas com o mesmo fim. Declara que é desnecessária a criação no Brasil do Ombudsman do Consumidor, sendo o Ministério Público o órgão mais adequado à tutela do consumidor. Discorre sobre a criação das Promotorias de Justiça de Proteção ao Consumidor nos Estados. Trata da urgência na criação de um Conselho Nacional do Consumidor, diretamente ligado ao Presidente da República, e por ele presidido. Aborda a unificação de todos os organismos federais de fiscalização de produtos e serviços em um único órgão nacional. Ressalta a necessidade da elaboração de uma lei especial do consumidor que cuide, entre outros assuntos, do conceito de consumidor, da publicidade enganosa, das práticas comerciais irregulares...

Legislação brasileira de proteção e defesa do consumidor

Brasil. [Código de proteção e defesa do consumidor (1990)]
Fonte: Brasília : Edições Câmara Publicador: Brasília : Edições Câmara
Tipo: livro Formato: 264 p.
PT_BR
Relevância na Pesquisa
46.64%
Lei nº 8.078, de 11 de setembro de 1990, que dispõe sobre a proteção do consumidor e dá outras providências, e legislação correlata; Atualizada em 19/8/2014; Disponível, também, o arquivo de outras edições.

Direitos do consumidor; Ética no consumo

Inmetro, Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia; Idec, Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor; Almeida, Márcia Andréia da Silva; Rodrigues, José Humberto Fernandes; Damasceno, Angela
Fonte: Inmetro - Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia Publicador: Inmetro - Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia
Tipo: Livro
POR
Relevância na Pesquisa
46.79%
72 p. : il.; Os módulos Direitos do Consumidor e Ética no Consumo integram a coleção Educação para o Con-sumo Responsável destinada à forma-ção de multiplicadores dos conceitos de educação para o consumo,de ma-neira a atingir aos professores e alunos da 5a à 8a séries do ensino fundamental de escolas públicas e privadas. A coleção, elaborada pelo Idec – Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor – sob a coordenação do Inmetro – Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial –, aborda cinco temas em quatro volumes: Meio Ambiente e Consumo; Publicidade e Consumo; Direitos do Consumidor e Ética no Consumo; e Saúde e Segurança do Consumidor. O objetivo é contribuir para a formação de cidadãos conscientes do seu papel como consumidores parti-cipativos, autônomos e críticos,a partir da sala de aula, como propõem os Parâmetros Curriculares Nacio-nais elaborados pelo Ministério da Educação em 1998, que introduziram o Consumo entre os temas transversais a serem abordados nas escolas. A experiência internacional mostra que os países mais competitivos são exatamente aqueles que possuem consumidores mais exigentes. O presente material representa uma importante contribuição ao processo já desencadeado de crescimento do consumidor brasileiro...

Um estudo do envolvimento e das atitudes do consumidor de plantas medicinais na cidade de Uberlândia – MG

Rezende, Rejane Carmo
Fonte: Universidade Federal de Uberlândia Publicador: Universidade Federal de Uberlândia
Tipo: Dissertação
POR
Relevância na Pesquisa
36.86%
O presente trabalho apresenta o estudo do comportamento do consumidor uberlandense de produtos contendo plantas medicinais. Possui como objetivo geral mensurar o envolvimento e a atitude do consumidor de plantas medicinais em Uberlândia-MG, e como objetivos específicos avaliar a confiabilidade das escalas para os produtos contendo plantas medicinais, determinar a relação existente entre o envolvimento e a atitude do consumidor de plantas medicinais e determinar a relação existente do envolvimento e dos componentes da atitude com freqüência de uso do produto, conhecimento do produto, níveis de escolaridade, gênero, idade, renda familiar, estado civil e estado de saúde (saudável ou não saudável). Para tais finalidades, primeiramente se realizou um estudo teórico e em seguida um estudo de campo quantitativo. Na pesquisa teórica o trabalho apresentou um estudo sobre o consumo de plantas medicinais, o comportamento e o processo de compra do consumidor e o envolvimento e a atitude do consumidor. A pesquisa de campo consistiu no levantamento de dados através da distribuição de questionários auto-preenchíveis, e os dados obtidos através desta coleta de dados foram tabulados e processados no software estatístico SPSS (Statistical Package for the Social Sciences) versão 15.0. A pesquisa atingiu os objetivos propostos...

Sistema Nacional de Informa????es de Defesa do Consumidor (Sindec)

Brasil. Minist??rio da Justi??a (MJ). Departamento de Prote????o e Defesa do Consumidor (DPDC)
Fonte: Escola Nacional de Administra????o P??blica (ENAP) Publicador: Escola Nacional de Administra????o P??blica (ENAP)
Tipo: Relato de Experi??ncia
IDIOMA::PORTUGU??S:PORTUGU??S:PT
Relevância na Pesquisa
46.69%
O Sistema Nacional de Informa????es de Defesa do Consumidor integra Procons de 23 estados brasileiros e do Distrito Federal. ?? um sistema que permite o registro de demandas individuais de consumidores, bem como a gest??o dos procedimentos que tratam essas demandas. O Sindec consolida os registros em bases locais e forma um banco nacional de informa????es sobre problemas enfrentados por consumidores. Essas informa????es podem ser consultadas por consumidores, pelos Procons integrados e por toda a sociedade, por meio do s??tio www.mj.gov.br/sindec. O Sindec re??ne informa????es de mais de 80 Procons (entre estaduais, municipais e do Distrito Federal), est?? presente em mais de 110 cidades de todas as regi??es brasileiras e consolida registros de demandas de mais de 2 milh??es de consumidores contra mais de 10 mil fornecedores; N??mero de p??ginas: 09 p.; Classifica????o::Administra????o P??blica. Teoria Geral da Administra????o::Desenvolvimento Gerencial::Inova????o; Iniciativa premiada no 14?? Concurso Inova????o na Gest??o P??blica Federal sob responsabilidade de Juliana Pereira da Silva, Coordenadora Geral do Sistema Nacional de Informa????es de Defesa do Consumidor (Sindec). A????es premiadas no 14?? Concurso Inova????o na Gest??o P??blica Federal ??? 2009; ??reas tem??ticas: Gest??o da informa????o; Gerenciamento de informa????es

Venda directa: determinantes da aceitação do consumidor

Alturas, Bráulio
Fonte: Instituto Universitário de Lisboa Publicador: Instituto Universitário de Lisboa
Tipo: Tese de Doutorado
Publicado em //2005 POR
Relevância na Pesquisa
36.89%
Doutoramento em Organização e Gestão de Empresas Especialização em Marketing; A venda directa tem sido um espaço importante na comercialização de bens de consumo e registou nos últimos anos um aumento substancial de vendas, bem como de vendedores directos envolvidos a nível mundial. Hoje, pode ainda identificar-se uma importante ponte entre esta forma de venda e a venda e comunicação através da Internet. Todavia, a venda directa não tem merecido grande atenção por parte da academia. Apesar da antiguidade do conceito ainda se verificam algumas lacunas na sua compreensão e operacionalização. A presente tese estuda os factores que influenciam a satisfação do consumidor e a aceitação da venda directa, contribuindo assim para o aprofundamento do conhecimento desta forma de distribuição, nomeadamente no contexto português. Propõe-se um modelo conceptual que identifica e analisa as relações entre os determinantes da aceitação e satisfação do consumidor pela venda directa, sendo enunciadas e testadas hipóteses de investigação. Defende-se que: “A venda directa é uma forma de distribuição que tem vantagens para o consumidor em comparação com outras formas de venda fora dos locais fixos de retalho...

Concorrência e consumidor : dúplice capitulação da venda casada

Cravo, Daniela Copetti
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Dissertação Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
36.86%
Apesar dos princípios da livre concorrência e da defesa do consumidor estar lado a lado em sede constitucional e terem uma relação bastante íntima, tendo em vista o objetivo comum que os une, percebe-se, com poucas ressalvas, que a defesa da concorrência e a defesa do consumidor, no Brasil, sempre se mantiveram quase que incomunicáveis. Um exemplo de conduta que realça essa íntima interface entre Defesa do Consumidor e da Concorrência é o abuso de posição dominante, que tem como uma das suas principais manifestações a venda casada (tying ou vente liée). A venda casada, por gerar danos à livre concorrência e constituir-se como uma falha interna na relação de consumo, vem a ser capitulada como prática abusiva no Código de Defesa do Consumidor (CDC) e como infração à ordem econômica na Lei de Concorrência. Assim, a prática comercial pode vir a ser reprimida simultaneamente pelas duas esferas, o que impinge um diálogo entre a tutela da concorrência e a tutela do consumidor. Desta feita, a presente dissertação visou a responder aos seguintes problemas de pesquisa: (i) qual o liame entre defesa do consumidor e da concorrência? (ii) Como essas defesas podem ser mais bem coordenadas e harmonizadas? (iii) É necessária a dúplice capitulação? (iv) como articular as defesas...

Direito de arrependimento do consumidor : comércio eletrônico e a problemática dos produtos digitais

Textor, João Batista Nicoli
Fonte: Universidade de Passo Fundo Publicador: Universidade de Passo Fundo
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso
POR
Relevância na Pesquisa
36.87%
O tema estudado é o exercício do direito de arrependimento pelo consumidor nas compras de produtos digitais realizadas pela internet. O estudo justificou-se em razão de que estes produtos são bens imateriais, que se integram ao patrimônio do consumidor tão logo são armazenados na memória do computador, tornando, em tese, inviável o exercício do direito de arrependimento, pois não há meios de o bem ser devolvido ao fornecedor após o exercício deste direito. Ademais, o ordenamento jurídico pátrio não regula essa situação de forma direta, e os tribunais ainda não se manifestaram a respeito do tema. O objetivo central é analisar se o direito de arrependimento previsto pelo Código de Defesa do Consumidor (CDC) pode, ou não, ser exercido pelo consumidor que adquire produtos digitais por meio do comércio eletrônico, levando em conta os princípios do direito do consumidor e sem deixar de sopesar, também, os direitos dos fornecedores. O problema apresentado é se é possível aplicar o direito de arrependimento às compras de produtos digitais realizadas por meio da internet, pois estes, ao se incorporarem imediatamente ao patrimônio daquele, tornam inviável a sua devolução ao comerciante, podendo, dessa forma...

A responsabilidade civil do fornecedor de produtos no Código de Defesa do Consumidor

Moreira, Paula Roberta
Fonte: Universidade Católica de Brasília Publicador: Universidade Católica de Brasília
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso Formato: Texto
PT_BR
Relevância na Pesquisa
36.89%
O presente trabalho tem por escopo o estudo da responsabilidade civil do fornecedor de produtos no Código de Defesa do Consumidor. O Código de Defesa do Consumidor e a responsabilidade civil do fornecedor representam um tema atual e que merece estudo e aprofundamento, ante a sua atualidade e utilização cada vez maior no cotidiano do Poder Judiciário. Para tanto, busca-se o fundamento constitucional da defesa do consumidor, como direito fundamental do cidadão e princípio da atividade econômica. Examina-se os dispositivos iniciais do Código de Defesa do Consumidor que estabelecem pilares básicos para sua interpretação, tais como o seu caráter de norma de ordem pública e interesse social. Pondera-se acerca da Política Nacional das Relações de Consumo, além dos princípios que a norteiam. Conceitua-se a relação de consumo, os diferentes tipos de consumidor e fornecedor previstos no CDC, bem como as espécies de produtos. Traz-se a lume, ainda, algumas inovações referentes ao sistema de responsabilidade civil previstas no texto do CDC, bem como as principais diferenças entre os institutos do Código Civil e do Código de Defesa do Consumidor acerca dos vícios. Analisa-se a questão da responsabilidade civil nas relações de consumo pelo fato do produto...

Indenização por dano moral pela falta de comunicação ao consumidor em razão da negativação de crédito por protesto de título

Schneider, Chalton Richard Rodrigues
Fonte: Universidade do Extremo Sul Catarinense Publicador: Universidade do Extremo Sul Catarinense
Tipo: Monografia de Curso de Pós-graduação Lato Sensu
PT_BR
Relevância na Pesquisa
36.89%
Monografia apresentada ao Setor de Pós-graduação da Universidade do Extremo Sul Catarinense - UNESC, para a obtenção do título de especialista em Direito Empresarial.; O Código de Defesa do Consumidor, em especial no art. 43, § 2º, dispõe que é obrigatória a comunicação prévia do consumidor antes de seu nome ser levado a inscrição nos serviços de proteção ao crédito (SPC1, SERASA2 e CCF3). O Superior Tribunal de Justiça - STJ, por meio da súmula 359, prescreve que é responsabilidade do órgão mantenedor de crédito em proceder à comunicação prévia ao consumidor, acerca da sua inscrição em cadastros restritivos. O credor apenas informa a existência da dívida, cabendo ao órgão arquivista a comunicação. Desta forma, compete ao SERASA notificar, por escrito, previamente o consumidor antes de lançar seu nome nos cadastros restritivos. No presente trabalho, será analisada a hipótese do consumidor que tem um título protestado, sem a notificação previa do SERASA, mas seu nome é levado à inscrição no rol restritivo de crédito. A SERASA utiliza como argumento de defesa pela não notificação, o fato de que quando um título é protestado, a mora do consumidor se tornou pública, não necessitando da cientificação...