Página 1 dos resultados de 20 itens digitais encontrados em 0.001 segundos

Utilização de unidades de concentrado eritrocitário com sacos satélite na redução de exposição a dadores em recém-nascidos e lactentes politransfundidos intensivamente

Costa, Elísio; Branca, Rosa; Antunes, Marika Bini; Isvarlal, Pratima; Maia, Salomé; Morais, Marilia; Barbot, José
Fonte: Academia Brasileira de Odontologia Publicador: Academia Brasileira de Odontologia
Tipo: Artigo de Revista Científica
POR
Relevância na Pesquisa
67.23%
Uma das estratégias para reduzir a exposição a sangue homólogo em recém-nascidos e lactentes submetidos a um número elevado de transfusões, consiste na subdivisão de unidades de concentrado eritrocitário em unidades pediátricas. O presente trabalho teve por objectivo avaliar a eficácia desta estratégia. PLANO DE ESTUDO: Efectuou-se um levantamento retrospectivo de 6 anos de utilização de unidades de concentrado eritrocitário com sacos satélite na redução da exposição a dadores em recém-nascidos e lactentes internados na Unidade de Cuidados Intensivos do Hospital Maria Pia. RESULTADOS:Durante 6 anos transfundiram-se 339 doentes, dos quais 202 efectuaram mais que uma transfusão. Estes doentes politransfundidos foram sujeitos em média a 5,25 transfusões e expostos a 2,46 dadores. A redução global de exposição a dadores conseguida foi de 53,2%. No entanto, se a metodologia tivesse sido rentabilizada ao máximo, este valor teria sido de 63,0%. CONCLUSÕES:Esta metodologia revelou-se eficaz relativamente ao seu principal oblectivo, a redução da exposição a dadores em recém-nascidos e lactentes politransfundidos intensivamente.; The aim of this study was to evaluate the efficacy of using packed red blood cell packs with satellite bags to reduce exposure of newborns and infants to multiple donors. STUDY DESIGN: A six-year retrospective study was made of this transfusion modality in the intensive Care Unit of Hospital Maria Pia. RESULTS: During this period of time...

Pós-operatório de Correcção de Escoliose: Experiência da Unidade de Cuidados Intensivos Pediátricos

Aires de Sousa, L.; Silvestre, C.; Carvalho, A.; Oom, P.; Santos, E.; Correia, M.
Fonte: Centro Hospitalar do Porto Publicador: Centro Hospitalar do Porto
Tipo: Artigo de Revista Científica
Publicado em //2006 POR
Relevância na Pesquisa
26.32%
RESUMO Objectivo: Analisar os casos de escoliose submetidos a intervenção cirúrgica, que fi zeram o pós-operatório na Unidade de Cuidados Intensivos Pediátricos, para identifi car problemas ou defi ciências e propor soluções. Métodos: Análise retrospectiva dos casos referidos, no período de 2000 a 2004. Resultados: Em 39 doentes identifi cados foram analisados 30, dos quais 21 eram do sexo feminino e as idades encontravam-se compreendidas entre 17 meses e 17 anos. A escoliose idiopática foi o tipo mais frequente (quinze casos), seguida da neuromuscular (doze casos), não havendo diferença signifi cativa nas idades em que foram corrigidas. Foram realizadas provas de função respiratória pré-operatórias em nove doentes. Tiveram necessidade de ventilação mecânica treze doentes; a duração média da ventilação foi de 2 dias. A todos os doentes foi administrada analgesia. Em quinze casos foi efectuada transfusão de concentrado eritrocitário, em dez dos quais autóloga. Houve complicações precoces em quatro casos (13%) - choque hipovolémico (dois), pneumotórax (um), pneumoperitoneu (um) – e complicações tardias em sete casos (23%): a mais frequente foi a infecção urinária. A mortalidade foi de 1/39 casos (2...

Hemangiomas. Novas Terapêuticas!

Salva, I; Brito, MJ
Fonte: Unidade de Infecciologia, Hospital Dona Estefânia, Centro Hospitalar Lisboa Central, EPE Publicador: Unidade de Infecciologia, Hospital Dona Estefânia, Centro Hospitalar Lisboa Central, EPE
Tipo: Outros
Publicado em //2011 POR
Relevância na Pesquisa
26.32%
Introdução: Os hemangiomas constituem a neoplasia mais frequente na criança, ocorrendo em 10-12%, na maioria dos casos com evolução favorável. A fase proliferativa, ocorre nos primeiros 4-6 meses e depois involuem em 50% dos casos, até aos 5 anos. Em hemangiomas de grandes dimensões e que interferem na função de outros órgãos, associam-se frequentemente complicações, nomeadamente a ulceração (10-15%), sobre-infecção bacteriana ou hemorragia. Descrição de Caso Clínico: Criança do sexo feminino, de 6 meses, com hemangioma de grandes dimensões, que ocupava todo o ombro, que nos dois meses prévios realizava regularmente tratamento com laser, internada por ulceração e infecção cutânea. Leucócitos 12.300/μL, neutrófilos 38,9%, plaquetas 616.000/μL e PCR 6,7 mg/dL. Foi medicada empiricamente com ceftazidima, flucloxacilina e gentamicina e ficando em curso cultura do exsudado em que posteiormente se isolou Staphylococcus aureus meticilino-sensível e Pseudomonas aeruginosa. A referir ainda anemia ferropenica grave com hemoglobina 5,2 g/dL, hematócrito 15,8% e siderémia (20 μg/dL) com necessidade de transfusão de concentrado eritrocitário e posteriormente terapêutica marcial. A ecografia abdominal revelou pequeno hemangioma hepático e a ecografia trans-fontanelar não tinha alterações. Após realização de electrocardiograma...

Imunodeficiência Combinada Grave – O Diagnóstico Precoce é Importante?

Simão, I; Valente, R; Farela Neves, J; Neves, C
Fonte: Unidade de Imunodeficiências Primárias, Unidade de Cuidados Intensivos Pediátricos, Hospital de Dona Estefânia, Centro Hospitalar de Lisboa Central, EPE Publicador: Unidade de Imunodeficiências Primárias, Unidade de Cuidados Intensivos Pediátricos, Hospital de Dona Estefânia, Centro Hospitalar de Lisboa Central, EPE
Tipo: Outros
Publicado em //2011 POR
Relevância na Pesquisa
26.32%
Introdução: Os doentes com Imunodeficiência Combinada Grave (SCID) não diagnosticados evoluem inexoravelmente para a morte no primeiro ano de vida. Um elevado índice de suspeição é fundamental para o diagnóstico precoce, o factor mais importante para a sobrevida destas crianças. Objectivo: Apresentam-se três casos clínicos ilustrativos da importância da precocidade diagnóstica no prognóstico final. Casos clínicos: Caso clínico 1: Lactente do sexo masculino, com antecedentes de infecções respiratórias de repetição, internado aos sete meses na UCIP do HDE por pneumonia a Adenovírus com insuficiência respiratória. Necessitou de ventilação mecânica e de duas transfusões de concentrado eritrocitário na primeira semana de internamento. Teve exantema exuberante, interpretado como toxidermia. Evoluiu para doença pulmonar sequelar grave. Aos nove meses foi feito o diagnóstico de SCID hipomorfa com doença do enxerto contra o hospedeiro pós-transfusional, controlada com imunossupressão (ciclosporina e glucocorticoides). Não foi transplantado com células progenitoras hematopoiéticas por não reunir condições clínicas. Na sequência de uma intercorrência respiratória veio a falecer aos 14 meses. Caso clínico 2: Lactente do sexo masculino...

Imunoglobulina Intravenosa na Isoimunização Rh do Recém-Nascido

Carvalhosa, G; Berdeja, A; Costa, T; Valido, AM
Fonte: Sociedade Portuguesa de Pediatria Publicador: Sociedade Portuguesa de Pediatria
Tipo: Artigo de Revista Científica
Publicado em //1998 POR
Relevância na Pesquisa
26.32%
Estudaram-se retrospectivamente 38 processos de Recém-Nascidos (RN) com isoimunização Rh, 25 dos quais foram tratados com imunoglobulina intravenosa (IGIV) — 500 mg/Kg. Esta terapêutica iniciada no ano 1995 teve como objectivo diminuir a hemólise e consequentemente evitar a exsanguíneo- -transfusão (ET) que seria sempre efectuada desde que se verificassem os critérios classicamente aceites para a evolução e níveis séricos de bilirrubina. Os resultados obtidos mostraram que apenas 28% dos 25 RN que fizeram IGIV necessitaram de ET contrastando com 92% dos 13 casos diagnosticados nos 2 anos imediatamente anteriores ao início desta terapêutica. Parece assim ter sido eficaz na contenção da hemólise mesmo quando a apresentação inicial da doença evidenciou uma anemia que necessitou de ser corrigida. A transfusão de concentrado eritrocitário foi efectuada logo no 1.° dia a 13 dos 25 RN, 68% de todos os casos transfundidos em toda a evolução da doença. Admitimos que esta terapêutica seja uma alternativa válida com menor morbilidade. No nosso estudo não verificámos qualquer efeito secundário.

Hemangiomas. Novas Terapêuticas!

Salva, I; Brito, MJ
Fonte: Unidade de Infecciologia, Hospital Dona Estefânia, Centro Hospitalar Lisboa Central, EPE Publicador: Unidade de Infecciologia, Hospital Dona Estefânia, Centro Hospitalar Lisboa Central, EPE
Tipo: Outros
Publicado em //2011 POR
Relevância na Pesquisa
26.32%
Introdução: Os hemangiomas constituem a neoplasia mais frequente na criança, ocorrendo em 10-12%, na maioria dos casos com evolução favorável. A fase proliferativa, ocorre nos primeiros 4-6 meses e depois involuem em 50% dos casos, até aos 5 anos. Em hemangiomas de grandes dimensões e que interferem na função de outros órgãos, associam-se frequentemente complicações, nomeadamente a ulceração (10-15%), sobre-infecção bacteriana ou hemorragia. Descrição de Caso Clínico: Criança do sexo feminino, de 6 meses, com hemangioma de grandes dimensões, que ocupava todo o ombro, que nos dois meses prévios realizava regularmente tratamento com laser, internada por ulceração e infecção cutânea. Leucócitos 12.300/μL, neutrófilos 38,9%, plaquetas 616.000/μL e PCR 6,7 mg/dL. Foi medicada empiricamente com ceftazidima, flucloxacilina e gentamicina e ficando em curso cultura do exsudado em que posteiormente se isolou Staphylococcus aureus meticilino-sensível e Pseudomonas aeruginosa. A referir ainda anemia ferropenica grave com hemoglobina 5,2 g/dL, hematócrito 15,8% e siderémia (20 μg/dL) com necessidade de transfusão de concentrado eritrocitário e posteriormente terapêutica marcial. A ecografia abdominal revelou pequeno hemangioma hepático e a ecografia trans-fontanelar não tinha alterações. Após realização de electrocardiograma...

Imunodeficiência Combinada Grave – O Diagnóstico Precoce é Importante?

Simão, I; Valente, R; Farela Neves, J; Neves, C
Fonte: Unidade de Imunodeficiências Primárias, Unidade de Cuidados Intensivos Pediátricos, Hospital de Dona Estefânia, Centro Hospitalar de Lisboa Central, EPE Publicador: Unidade de Imunodeficiências Primárias, Unidade de Cuidados Intensivos Pediátricos, Hospital de Dona Estefânia, Centro Hospitalar de Lisboa Central, EPE
Tipo: Outros
Publicado em //2011 POR
Relevância na Pesquisa
26.32%
Introdução: Os doentes com Imunodeficiência Combinada Grave (SCID) não diagnosticados evoluem inexoravelmente para a morte no primeiro ano de vida. Um elevado índice de suspeição é fundamental para o diagnóstico precoce, o factor mais importante para a sobrevida destas crianças. Objectivo: Apresentam-se três casos clínicos ilustrativos da importância da precocidade diagnóstica no prognóstico final. Casos clínicos: Caso clínico 1: Lactente do sexo masculino, com antecedentes de infecções respiratórias de repetição, internado aos sete meses na UCIP do HDE por pneumonia a Adenovírus com insuficiência respiratória. Necessitou de ventilação mecânica e de duas transfusões de concentrado eritrocitário na primeira semana de internamento. Teve exantema exuberante, interpretado como toxidermia. Evoluiu para doença pulmonar sequelar grave. Aos nove meses foi feito o diagnóstico de SCID hipomorfa com doença do enxerto contra o hospedeiro pós-transfusional, controlada com imunossupressão (ciclosporina e glucocorticoides). Não foi transplantado com células progenitoras hematopoiéticas por não reunir condições clínicas. Na sequência de uma intercorrência respiratória veio a falecer aos 14 meses. Caso clínico 2: Lactente do sexo masculino...

Imunoglobulina Intravenosa na Isoimunização Rh do Recém-Nascido

Carvalhosa, G; Berdeja, A; Costa, T; Valido, AM
Fonte: Sociedade Portuguesa de Pediatria Publicador: Sociedade Portuguesa de Pediatria
Tipo: Artigo de Revista Científica
Publicado em //1998 POR
Relevância na Pesquisa
26.32%
Estudaram-se retrospectivamente 38 processos de Recém-Nascidos (RN) com isoimunização Rh, 25 dos quais foram tratados com imunoglobulina intravenosa (IGIV) — 500 mg/Kg. Esta terapêutica iniciada no ano 1995 teve como objectivo diminuir a hemólise e consequentemente evitar a exsanguíneo- -transfusão (ET) que seria sempre efectuada desde que se verificassem os critérios classicamente aceites para a evolução e níveis séricos de bilirrubina. Os resultados obtidos mostraram que apenas 28% dos 25 RN que fizeram IGIV necessitaram de ET contrastando com 92% dos 13 casos diagnosticados nos 2 anos imediatamente anteriores ao início desta terapêutica. Parece assim ter sido eficaz na contenção da hemólise mesmo quando a apresentação inicial da doença evidenciou uma anemia que necessitou de ser corrigida. A transfusão de concentrado eritrocitário foi efectuada logo no 1.° dia a 13 dos 25 RN, 68% de todos os casos transfundidos em toda a evolução da doença. Admitimos que esta terapêutica seja uma alternativa válida com menor morbilidade. No nosso estudo não verificámos qualquer efeito secundário.

Considerações sobre transfusão de CEs

Barra, A
Fonte: Hospital Prof. Dr. Fernando Fonseca, E.P.E. Publicador: Hospital Prof. Dr. Fernando Fonseca, E.P.E.
Tipo: Aula
Publicado em //2014 POR
Relevância na Pesquisa
26.32%
Ciclo de Cursos (Módulo 1) organizado pela Coordenação do Internato Médico do HFF EPE

Breve história da transfusão: transfusão de concentrado eritrocitário no doente crítico

Costa, C
Fonte: Hospital Prof. Dr. Fernando Fonseca, E.P.E. Publicador: Hospital Prof. Dr. Fernando Fonseca, E.P.E.
Tipo: Outros
Publicado em //2010 POR
Relevância na Pesquisa
46.92%
Trabalho realizado no contexto do estágio de Cuidados Intensivos do Internato Médico Complementar, sob orientação de Ramiro Carvalho; A anemia é um problema comum no doente internado numa UCI. Surge nos primeiros dias e pode manter-se ou agravar-se durante o internamento. A sua etiologia é multifactorial e o tratamento mais utilizado é a transfusão de concentrado de eritrócitos. Cerca de 40 a 50% 1 de todos os doentes internados em UCI recebem, pelo menos uma unidade de concentrado eritrocitário e em média perto de 5 unidades durante o seu internamento. Estima-se que um terço de todos os doentes admitidos em UCI é transfundido com o objectivo principal, na maioria dos casos, de melhorar o transporte de oxigénio. A transfusão de componentes sanguíneos acarreta riscos 1,2,3,4 e há pouca evidência que a transfusão habitual de CE seja benéfica para o doente crítico com anemia hemodinâmicamente estável 3 . Foi feita uma revisão de alguma literatura existente sobre este tema dos últimos 15 anos com o objectivo de obter guidelines simples e práticos para uma melhor prática transfusional, adequada à nossa prática clínica, tentando assim ser mais racional no uso de componentes sanguíneos e evitando a exposição do doente aos efeitos adversos da transfusão...

Avaliação do risco hemorrágico da anticoagulação oral

Moreira, Nídia Maria Pinto
Fonte: Universidade da Beira Interior Publicador: Universidade da Beira Interior
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em /06/2009 POR
Relevância na Pesquisa
26.32%
INTRODUÇÃO: A fibrilhação auricular é a arrítmica cardíaca mais frequentemente encontrada na prática clínica, conferindo um aumento do risco tromboembólico. A anticoagulação oral diminui o risco de acidentes vasculares nestes pacientes, no entanto está associada a um aumento do risco hemorrágico. O objectivo deste trabalho é quantificar o risco hemorrágico e a taxa de eventos hemorrágicos associados à anticoagulação oral na nossa população e validar na amostra duas escalas de previsão de risco hemorrágico. METODOLOGIA: Através de uma metodologia epidemiológica analítica foi realizado um estudo retrospectivo, numa amostra de 101 pacientes seleccionados aleatoriamente, para obter a validação de dois modelos de previsão de risco hemorrágico. Foram incluídos pacientes com fibrilhação auricular a realizar tratamento com anticoagulantes orais. Os eventos primários foram os episódios hemorrágicos major, nos quais se incluem hemorragia intracraneana, hemorragia gastrointestinal e necessidade de transfusão de pelo menos duas unidades de concentrado eritrocitário, por hemorragia cuja relação se estabeleceu com a anticoagulação oral. RESULTADOS: Foram observados 0.87 eventos hemorrágicos major por 100 pacientes-ano...

Anestesia em pacientes com teste de coombs direto positivo: relato de três casos

Carvalho,Joana Patrícia dos Santos; Catre,Dora Lopes Castelo Branco; Pereira,Cláudia Margarida Brito; Costa,Marina
Fonte: Sociedade Brasileira de Anestesiologia Publicador: Sociedade Brasileira de Anestesiologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/02/2010 PT
Relevância na Pesquisa
26.32%
JUSTIFICATIVA E OBJETIVOS: Existe associação entre anemias hemolíticas autoimunes (AHA) e doença neoplásica, com consequente incompatibilidade sanguínea que dificulta a transfusão destes pacientes. Os autores descrevem e discutem a conduta em três casos com Teste de Coombs Direto (TCD) positivo e impossibilidade de determinação de grupo sanguíneo propostos para intervenção cirúrgica por doença neoplásica. RELATO DOS CASOS: 1º caso: paciente do sexo masculino, 87 anos, ASA III, para intervenção cirúrgica por neoplasia do cólon. Apresentou TCD positivo, foi tratado com corticoide, imunoglobulina (Ig) e eritropoietina, tendo-se conseguido tipar. No intraoperatório, administrou-se uma unidade de concentrado eritrocitário (UCE) sem incidentes. Faleceu 24 horas depois por acidente vascular encefálico isquêmico. 2º caso: paciente do sexo masculino, 77 anos, ASA III, para intervenção cirúrgica de carcinoma gástrico. Apresentou TCD positivo, realizou tratamento com corticoide e Ig, não se conseguindo tipar. A intervenção cirúrgica decorreu sem incidentes. Faleceu ao 18º dia pós-operatório após parada cardiorrespiratória. 3º caso: paciente do sexo feminino, 80 anos, ASA IV, para laparotomia exploradora de urgência. Apresentou também TCD positivo. A intervenção cirúrgica (hemicolectomia) decorreu sem incidentes. Faleceu às 48 horas do pós-operatório com acidente vascular encefálico isquêmico. CONCLUSÕES: Os autoanticorpos (Ac) circulantes nas AHA podem impossibilitar tipagem sanguínea e disponibilidade de sangue compatível para transfusão. O tratamento correto da AHA visa à remissão dos Ac e ao tratamento da anemia. Na urgência em transfundir sem possibilidade de tipagem...

Influência da suplementação concentrada e da categoria animal no hemograma de ovinos da raça Morada Nova

Bezerra,L.R.; Torreão,J.N.C.; Marques,C.A.T.; Machado,L.P.; Araújo,M.J.; Veiga,A.M.S.
Fonte: Universidade Federal de Minas Gerais, Escola de Veterinária Publicador: Universidade Federal de Minas Gerais, Escola de Veterinária
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2013 PT
Relevância na Pesquisa
16.32%
Objetivou-se avaliar a influência do nível de suplementação com concentrado sobre o perfil hematológico de ovelhas Morada Nova no terço final da gestação e puerpério, bem como comparar os valores obtidos em diferentes categorias (fêmeas em gestação, puerpério e cordeiros). Utilizaram-se 11 ovelhas, aos 75 últimos dias de gestação e nos primeiros 75 dias de lactação, e oito cordeiros progênie das ovelhas, distribuídas em delineamento inteiramente casualizado em arranjo de parcelas subdivididas no tempo. Durante o período experimental, os animais permaneceram em pastagem de Andropogon gayanus, sendo recolhidos ao final da tarde, quando recebiam suplementação concentrada com 19,17% de proteína bruta. As amostras de sangue foram colhidas desde o 75º dia de gestação até o desmame, aos 75 dias de lactação, a cada quatorze dias. O sangue foi colhido sempre pela manhã, antes de os animais serem liberados para o pasto, por punção da veia jugular, para a realização do hemograma. Os diferentes níveis de suplementação não influenciaram (P>0,05) o perfil eritrocitário e leucocitário das ovelhas. A categoria animal influenciou (P<0,05) o teor de hemoglobina e o número de eritrócitos. Os valores médios de hemoglobina não difeririam (P>0...

Exposição a Dadores de Recém-Nascidos e Lactentes Politransfundidos Intensivamente com Concentrado Eritrocitário. Análise de Uma Estratégia de Redução

Barbot, José; Rodrigues, Manuel; Costa, Elísio; Morais, Manuela; Ferreira, Paula; Maia, Salomé; Miranda, Isabel; Morais, Marília
Fonte: Sociedade Portuguesa de Pediatria Publicador: Sociedade Portuguesa de Pediatria
Formato: application/pdf
Publicado em 26/09/2014 PT
Relevância na Pesquisa
26.32%
Neste trabalho é feita a descrição e a análise dos resultados de uma metodologia acordada entre o Centro Regional do Norte do Instituto Portuguêsde Sangue, o Serviço de Hematologia e a Unidade de Cuidados Intensivos do Hospital Maria Pia, cujo objectivo principal é a redução da exposição adadores de recém-nascidos e lactentes politransfundidos intensivamente.Na globalidade a redução da exposição a dadores, utilizando uma metodologia com capacidade de subdivisão tripla, foi de 43% face a uma reduçãoideal de 52,6%.

Imunoglobulina' Intravenosa na Isoimunização Rh do Recém-Nascido

Carvalhosa, Glória; Berdeja, Ana; Costa, Teresa; Valido, A. Marques
Fonte: Sociedade Portuguesa de Pediatria Publicador: Sociedade Portuguesa de Pediatria
Formato: application/pdf
Publicado em 25/09/2014 PT
Relevância na Pesquisa
26.32%
Estudaram-se retrospectivamente 38 processos de Recém-Nascidos (RN) com isoimunização Rh, 25 dos quais foram tratados com imunoglobulina intravenosa (IGIV) — 500 mg/Kg.Esta terapêutica iniciada no ano 1995 teve como objectivo diminuir a hemólise e consequentemente evitar a exsanguíneo-transfusão (ET) que seria sempre efectuada desde que se verificassem os critérios classicamente aceites para a evolução e níveis séricos de bilirrubina.Os resultados obtidos mostraram que apenas 28% dos 25 RN que fizeram IGIV necessitaram de ET contrastando com 92% dos 13 casos diagnosticados nos 2 anos imediatamente anteriores ao início desta terapêutica. Parece assim ter sido eficaz na contenção da hemólise mesmo quando a apresentação inicial da doença evidenciou uma anemia que necessitou de ser corrigida. A transfusão de concentrado eritrocitário foi efectuada logo no 1.° dia a 13 dos 25 RN, 68% de todos os casos transfundidos em toda a evolução da doença.Admitimos que esta terapêutica seja uma alternativa válida com menor morbilidade. No nosso estudo não verificámos qualquer efeito secundário.

Importância da genotipagem na terapêutica transfusional de doentes com drepanocitose

Costa, C; Lichtner, A; Rodrigues, MJ; Moser, MI; Barra, A; Cardoso, E; Fernandes, A; Magalhães, D; Nunes, C; Pereira, M; Plácido, C; Simões, A
Fonte: Associação Portuguesa de Imuno-Hemoterapia Publicador: Associação Portuguesa de Imuno-Hemoterapia
Tipo: Conferência ou Objeto de Conferência
Publicado em //2015 POR
Relevância na Pesquisa
26.32%
Introdução A drepanocitose é uma hemoglobinopatia autossómica recessiva com uma incidência na população portuguesa de 0,32%. A História, associada à actual imigração de países africanos de língua portuguesa, deram origem a alguns “hot spots” de portadores no centro e sul do país e à considerável incidência da drepanocitose. A fenotipagem alargada tem sido utilizada para transfundir com segurança os doentes com drepanocitose, prevenindo a aloimunização e as reacções transfusionais hemolíticas. Nos últimos anos, contudo, vários estudos demonstraram a importância da genotipagem na transfusão destes doentes. O fenótipo Fy(a-b-), comum em Africanos e raro noutras populações, na maioria dos casos tem como origem genética, uma mutação no promotor do gene FYB (FY*null01), que impede a transcrição do antigénio Fyb nos glóbulos vermelhos mas mantêm intacta a sua expressão noutros tecidos. Assim, sempre que se detecta essa mutação, o doente pode ser transfundido com sangue Fyb+ sem risco de imunização Objectivo Estudo molecular dos drepanocíticos relativamente aos principais antigénios dos Sistemas Kell, Kidd e Duffy para transfundir com maior segurança evitando a aloimunização. Métodos Foram genotipados 21 drepanocíticos politransfundidos durante o ano de 2014...

Avaliação do risco hemorrágico da anticoagulação oral

Moreira, Nídia Maria Pinto
Fonte: Universidade da Beira Interior Publicador: Universidade da Beira Interior
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em /06/2009 POR
Relevância na Pesquisa
26.32%
INTRODUÇÃO: A fibrilhação auricular é a arrítmica cardíaca mais frequentemente encontrada na prática clínica, conferindo um aumento do risco tromboembólico. A anticoagulação oral diminui o risco de acidentes vasculares nestes pacientes, no entanto está associada a um aumento do risco hemorrágico. O objectivo deste trabalho é quantificar o risco hemorrágico e a taxa de eventos hemorrágicos associados à anticoagulação oral na nossa população e validar na amostra duas escalas de previsão de risco hemorrágico. METODOLOGIA: Através de uma metodologia epidemiológica analítica foi realizado um estudo retrospectivo, numa amostra de 101 pacientes seleccionados aleatoriamente, para obter a validação de dois modelos de previsão de risco hemorrágico. Foram incluídos pacientes com fibrilhação auricular a realizar tratamento com anticoagulantes orais. Os eventos primários foram os episódios hemorrágicos major, nos quais se incluem hemorragia intracraneana, hemorragia gastrointestinal e necessidade de transfusão de pelo menos duas unidades de concentrado eritrocitário, por hemorragia cuja relação se estabeleceu com a anticoagulação oral. RESULTADOS: Foram observados 0.87 eventos hemorrágicos major por 100 pacientes-ano...

Considerações sobre transfusão de CEs

Barra, A
Fonte: Hospital Prof. Dr. Fernando Fonseca, E.P.E. Publicador: Hospital Prof. Dr. Fernando Fonseca, E.P.E.
Tipo: Aula
Publicado em //2015 POR
Relevância na Pesquisa
26.32%
Ciclo de Cursos organizado pela Coordenação do Internato Médico do HFF EPE

Exposición del antígeno T eritrocitario por acción de Ascaris lumbricoides

Ponce de León,Patricia; Di Vita,Santiago; Biondi,Claudia; Valverde,Juana
Fonte: Acta bioquímica clínica latinoamericana Publicador: Acta bioquímica clínica latinoamericana
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/09/2012 ES
Relevância na Pesquisa
36.86%
La poliaglutinabilidad de los glóbulos rojos puede deberse al desenmascaramiento del antígeno T críptico debido a la acción de neuraminidasas microbianas que eliminan residuos terminales de ácido siálico en la membrana del hematíe. En experiencias preliminares se demostró que Ascaris lumbricoides capta ácido siálico del eritrocito y que las suspensiones globulares en medio enzimático, incubadas con este parásito, pierden totalmente la capacidad de agregación. El objetivo fue estudiar la exposición del antígeno T eritrocitario, por acción de A. lumbricoides sobre la carga aniónica de glóbulos rojos deficientes en ácido siálico. Se trabajó con 48 extractos de ejemplares adultos del parásito ([EA]) y un concentrado de larvas L1/ L2 ([CLAL]):1300-1500 larvas/mL). Se utilizaron eritrocitos Grupo O en medio enzimático de bromelina (GRB) y eritrocitos Control en medio salino (GRC). El sedimento globular de GRB se incubó con igual volumen de [EA]/ [CLAL] y el de GRC con solución fisiológica durante 120 minutos a 37 ºC. Se realizaron Pruebas de Aglutinación en Placa y en Tubo, enfrentando los GRB y GRC a sueros humanos de adulto y de cordón. Los resultados mostraron que el 33...

Abordagem na artroplastia total primária da anca

Simões,Manuel Carvalho; Rebelo,António; Soares,Renato; Aguiar,Thiago; Tavares,Luís; Raposo,João Pedro
Fonte: Sociedade Portuguesa de Ortopedia e Traumatologia Publicador: Sociedade Portuguesa de Ortopedia e Traumatologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2014 PT
Relevância na Pesquisa
26.32%
Introdução: a via anterior estrita foi descrita inicialmente por Heuter e Schede, para drenagem de artrite séptica tuberculosa, e utilizada pela primeira vez para artroplastia total da anca por Robert Judet em 1947. Trata-se de uma via minimamente invasiva, já que aborda a anca de uma forma inter-muscular, requerendo uma mínima dissecção. Contudo, não foi um sucesso imediato porque os resultados iniciais não foram tão favoráveis quando comparados com outras vias, pelas dificuldades, particularidades e exigência técnica a ela inerentes, tendo sido abandonada. Contudo, na última década ressurgiu o interesse por esta via de abordagem, intrinsecamente relacionado com o advento da cirurgia minimamente invasiva. Objectivos: avaliar a abordagem anterior directa na artroplastia primária da anca do ponto de vista técnico e clínico. Material e métodos: efectuou-se um estudo retrospectivo entre Fevereiro de 2010 e Maio de 2013 (n=47). Os dados foram colhidos mediante entrevista clínica, consulta de processo clínico, avaliação imagiológica, caracterização dos doentes quanto ao sexo, idade, diagnóstico, lateralidade, tempo de internamento pós-operatório, perdas hemáticas, complicações intra e pós-operatórias, follow-up e satisfação/ outcome com os questionários Harris e Oxford Hip Score. O tratamento estatístico foi feito em SPSS v19.0...