Página 1 dos resultados de 4845 itens digitais encontrados em 0.069 segundos

Visita médica domiciliar: espaço para interação, comunicação e prática: estudo de caso no Programa Saúde da Família, município de Florianópolis - Santa Catarina; Domiciliary medical visit: space for interaction, communication and practice: case study in health family program, municipal district of Florianopolis Santa Catarina

Borges, Renata
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 20/08/2010 PT
Relevância na Pesquisa
75.89%
Este estudo discute a visita médica domiciliar, com base em pesquisa realizada no município de Florianópolis, Santa Catarina, tendo como cenário o Programa Saúde da Família. O objetivo principal foi compreender a visita médica como espaço de interação e instrumento potencializador da comunicação entre o profissional, o paciente e sua família. Adotaram-se metodologia qualitativa e estudo de caso com triangulação de técnicas, combinando entrevistas, observação participante e leitura de documentos. Realizaram-se entrevistas com roteiros semiestruturados, um para os profissionais e outro para o usuário e familiares. As entrevistas foram gravadas e transcritas com autorização de pacientes e profissionais, e o termo de consentimento livre e informado foi assinado por todos os participantes. Foram entrevistados um médico, seis médicas de família e dez usuários com seus familiares, os quais receberam visitas desses profissionais. Em etapa concomitante às entrevistas, realizou-se observação dos profissionais médicos no período de realização de visitas domiciliares, sendo observadas pela pesquisadora dez visitas domiciliares. A análise dos resultados constatou que a visita permite ao profissional médico refletir sobre sua prática...

A iconografia da AIDS: um estudo comparativo da comunicação impressa na prevenção à AIDS para o público adolescente no período de 1993 a 2007; A iconografia da AIDS: um estudo comparativo da comunicação impressa na prevenção à AIDS para o público adolescente no período de 1993 a 2007

Carvalho, Sonia Lidia Valentim de
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 10/02/2009 PT
Relevância na Pesquisa
75.86%
Na história dos meios visuais de comunicação de massa, o cartaz desempenha um papel importante no contexto das sociedades urbanas, mantendo um status privilegiado e duradouro na história da publicidade, das artes gráficas e do design. Desde seu surgimento, no séc. XIX , o cartaz dialoga com os espaços urbanos ao expressar em suas linguagens as narrativas dos contextos nos quais se insere. O presente estudo tem como objetivo entender a dinâmica da função comunicativa do cartaz voltada para as questões sociais, mais especificamente na área de saúde pública, bem como as peculiaridades de seu público alvo, o adolescente, no que se refere aos diferentes níveis de alfabetismo verbal e visual, assim como suas singularidades culturais. No percurso do desenvolvimento do projeto contextualizamos as políticas de comunicação em saúde, a questão da Aids e o perfil do adolescente. Por meio da leitura diacrônica dos principais períodos da evolução do cartaz e da análise de sua tipologia e funções, identificamos sua inserção como mídia dirigida para a educação em saúde. O estudo dos conceitos de imagem, visualização, percepção e significação envolvidos no processo de comunicação nos permitiu analisar os aspectos pertinentes à linguagem visual...

Comunicação, educação e saúde: a ação da Pastoral da Criança para a cidadania na Arquidiocese de São Paulo; Comunicação, educação e saúde: a ação da Pastoral da Criança para a cidadania na Arquidiocese de São Paulo

Reimberg, Cristiane Oliveira
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 12/11/2009 PT
Relevância na Pesquisa
75.89%
Esse estudo retrata a ação da Pastoral da Criança na Arquidiocese de São Paulo, analisando como funciona na prática o processo educativo e comunicativo idealizado pela organização. Autores que trabalham a relação entre comunicação, cidadania, jornalismo, educação popular e saúde da criança estão presentes no campo teórico. Na pesquisa de campo, ouvimos 61 pessoas que atuam na entidade sobre as ações que realizam, o uso que fazem do Jornal Pastoral da Criança e como veem ou vivem a questão da cidadania. Ainda entrevistamos outras dez pessoas ligadas à Coordenação Nacional ou programas específicos, das quais destacamos a fundadora da Pastoral da Criança, Zilda Arns, e a jornalista responsável pelo jornal, Sonia Prati. Paralelamente às entrevistas, optamos por uma pesquisa participante, com o intuito de aprofundar nosso conhecimento sobre as práticas estabelecidas no cotidiano do voluntariado. Também analisamos a acessibilidade do texto do Jornal Pastoral da Criança, além de relacionar as respostas de leitoras e leitores com o conteúdo apresentado nas matérias, buscando ver se havia uma contribuição efetiva para a construção da cidadania. Nesse percurso, pudemos perceber as políticas comunicativas da Pastoral da Criança e seus efeitos nas comunidades. Realiza-se uma comunicação popular ao mesmo tempo em que se preocupa com a imagem da organização na mídia. O diálogo é a base do processo educativo e da comunicação estabelecida pela Pastoral da Criança...

A prática dos articuladores da atenção básica: comunicação e mudança do modelo de atenção em saúde; The primary healthcare articulators practice: communication and healthcare model change.

Doricci, Giovanna Cabral
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 16/12/2014 PT
Relevância na Pesquisa
75.92%
O Programa Articuladores da Atenção Básica, iniciativa da Secretaria Estadual da Saúde de São Paulo (SES-SP), objetiva apoiar o processo de qualificação da Atenção Básica no estado e oferecer suporte técnico aos municípios na reorientação do modelo de atenção em saúde. O Programa estabeleceu uma nova função profissional, a do articulador da atenção básica. Destacam-se, dentre os pré-requisitos para execução dessa nova função, habilidades de comunicação e negociação. Devido à escassez de informações na literatura sobre o Programa, e à falta de clareza quanto ao papel desempenhado, na prática, por esses novos profissionais, delineamos este estudo com o objetivo de compreender e analisar a forma como os articuladores da atenção básica significam sua atuação profissional. Buscamos, ao mesmo tempo, oferecer contribuições da Psicologia sobre o processo de comunicação e sua relação com esta nova proposta. Participaram deste estudo treze articuladores alocados em quatro Departamentos Regionais de Saúde (DRS) que formam a Rede de Atenção à Saúde XIII do estado de São Paulo (DRS de Ribeirão Preto, Araraquara, Franca e Barretos). As entrevistas individuais e semiestruturadas foram gravadas em áudio e...

Comunicação em saúde : apenas remediar ou participar e prevenir?

Moura, Dione Oliveira
Fonte: Departamento de Ciência da Informação e Documentação (CID/UnB) Publicador: Departamento de Ciência da Informação e Documentação (CID/UnB)
Tipo: Parte de Livro
POR
Relevância na Pesquisa
75.83%
Quando observamos a divulgação de informações em saúde, distinguem-se pelo menos dois paradigmas antagônicos: um que aponta o caminho do “apenas remediar” (a ação pós-dano) e outro que aponta a alternativa da “participação e prevenção” (ação anterior ao dano). Iremos distinguir esses dois paradigmas dentro de um contexto da comunicação em saúde no Brasil e, ao final, iremos situar a “comunicação de risco” diante de ambos paradigmas.

Fontes e assessorias em saúde : duas faces da mesma moeda?; Information sources and health press offices : two sides of the same coin

Ruão, Teresa
Fonte: Universidade do Minho. Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade (CECS) Publicador: Universidade do Minho. Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade (CECS)
Tipo: Parte de Livro
Publicado em //2012 POR
Relevância na Pesquisa
75.96%
O campo da Comunicação na Saúde integra estudos de Comunicação Estratégica, ou a pesquisa sobre a utilização de estratégias de comunicação - organizacionais e mediáticas - destinadas a informar e influenciar as decisões individuais e coletivas relativas aos estados de saúde das populações. Este texto irá debruçar-se, precisamente, sobre as estratégias de comunicação desenvolvidas pelas organizações do sector da saúde em Portugal para acederem aos media, como forma de desenvolverem a literacia no campo, influenciarem decisões políticas ou promoverem a saúde individual e pública. Debater-se-á o aumento das atividades de relações públicas por parte das organizações médicas ou do sector da saúde, incluindo o governo, instituições de pesquisa, hospitais ou outras organizações prestadoras de cuidados de saúde. Estas apresentam-se, hoje, como fontes de informação acessíveis, fiáveis e especializadas, de modo a marcar a agenda mediática e a promover as suas ações. E as estratégias de assessoria de imprensa, as práticas de spin e a gestão de assuntos tornaram-se garantia de eficácia na comunicação de “estórias” sobre saúde aos media. Contudo, o aumento do profissionalismo das assessorias em saúde – da sua organização e programação -...

Linhas para um projeto de formação em Comunicação na Saúde : as propostas do debate; Guidelines for a training project on Health Communication : the proposals that came out from the debate

Marinho, Sandra; Ruão, Teresa
Fonte: Universidade do Minho. Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade (CECS) Publicador: Universidade do Minho. Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade (CECS)
Tipo: Parte de Livro
Publicado em //2012 POR
Relevância na Pesquisa
95.89%
O contributo da formação para o desempenho profissional é inquestionável e o campo da produção noticiosa sobre saúde não é exceção: um melhor conhecimento de jornalistas e fontes sobre o território da saúde, e sobre as suas respetivas áreas e rotinas, contribuirá para uma informação com mais qualidade e, consequentemente, para a criação de públicos mais informados. Ainda que haja em Portugal um caminho a percorrer nesta matéria (e também ao nível da investigação sobre temas de saúde), não é dos países menos desenvolvidos no contexto europeu. Faremos aqui um breve, e ainda incompleto, mapeamento da formação em Comunicação na Saúde que existe em Portugal e daremos conta das propostas apresentadas por jornalistas e assessores para possíveis projetos de formação nessa área, durante o “Encontro Cientifico sobre Comunicação na Saúde”.; Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT)

A distribuição do conhecimento científico público em informação, comunicação e informática em saúde indexado nas bases de dados MEDLINE e LILACS

Packer,Abel Laerte; Tardelli,Adalberto Otranto; Castro,Regina Célia Figueiredo
Fonte: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva Publicador: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2007 PT
Relevância na Pesquisa
75.91%
Este artigo apresenta estudo exploratório sobre a distribuição da produção científica internacional, regional e nacional na área de informação e comunicação em saúde, referenciada nas bases de dados MEDLINE e LILACS, de 1996 a 2005. Para a seleção dos artigos, foi usada a estrutura hierárquica do vocabulário DeCS na área de Ciência da Informação. Foram determinados quatro domínios específicos: informação em saúde, informática médica, comunicação científica em saúde e comunicação em saúde. As variáveis analisadas foram: os assuntos e periódicos mais representativos, a produção por país de afiliação dos autores e por país de publicação e os idiomas, em ambas as bases de dados. Cerca de 5% dos artigos correspondeu à categoria Ciência da Informação. Os quatro domínios tiveram aumento relativo anual em MEDLINE. O domínio Informática Médica foi o que apresentou maior número de registros em MEDLINE, representando pouco mais da metade de todos os artigos indexados. A importância da Ciência da Informação é mais visível nas publicações dos países desenvolvidos e os resultados confirmaram a predominância dos Estados Unidos e o crescimento significativo da produção científica da China e Coréia do Sul e...

O que a saúde tem a ver com rádio comunitária?: uma análise de uma experiência em Nova Friburgo - RJ

Oliveira Neto,Alfredo de; Pinheiro,Roseni
Fonte: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva Publicador: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/02/2013 PT
Relevância na Pesquisa
85.9%
O campo da Comunicação e Saúde no Brasil vem se desenvolvendo e se fortalecendo a cada Conferência Nacional de Saúde (CNS). No relatório final da XII CNS, em 2003, torna-se claro o reconhecimento das rádios comunitárias como instrumento de divulgação e produção de temas relacionados ao SUS. O objetivo foi analisar as relações que se estabelecem entre profissionais de saúde, ouvintes/usuários e comunicadores envolvidos com uma rádio comunitária, de modo a entender como são constituídos os nexos entre um programa de rádio sobre saúde e os imaginários desses sujeitos. Para tal, uma abordagem metodológica qualitativa, fazendo-se uso da etnografia e do estudo de recepção. O campo se constituiu de um programa sobre saúde, o Bloco Mulher Saúde, transmitido pela rádio comunitária Rádio Comunidade FM 104,9 no município de Nova Friburgo, RJ. As discussões foram divididas em categorias analíticas. A comunicação comunitária pode contribuir como mediador político-cultural ampliando as possibilidades de expressão das demandas sobre saúde; existe a manutenção e reprodução do linguajar técnico hegemônico em saúde pelos médicos ao participarem de uma rádio comunitária; a comunicação comunitária pode auxiliar na construção de estratégias para ampliar o controle social no SUS.

Comunicação e saúde: a experiência da assessoria de comunicação da secretaria municipal de saúde de Goiânia

Garcia, Isabel Carolina Dias
Fonte: Universidade federal de Goiás; brasil; UFG; Faculdade Informação e Comunicação (RG); Curso de Especialização em Assessoria de Comunicação e Marketing (RG) Publicador: Universidade federal de Goiás; brasil; UFG; Faculdade Informação e Comunicação (RG); Curso de Especialização em Assessoria de Comunicação e Marketing (RG)
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso
POR
Relevância na Pesquisa
105.93%
A importância da comunicação nas organizações está cada dia mais evidente e nas organizações que trabalham na área de saúde não é diferente. O Sistema Único de Saúde, SUS, há algum tempo observou essa importante relação entre comunicação e saúde. Recentemente a Secretaria Municipal de Saúde de Goiânia, SMS, iniciou sua experiência nessa área e montou uma assessoria de comunicação baseada na comunicação integrada. Este trabalho tem como objetivo estudar a experiência da assessoria de comunicação da SMS e foi elaborado por meio de pesquisas bibliográfica, documental e estudo de caso.

A promoção da saúde nas mídias sociais – uma análise do perfil do ministério da saúde no twitter

Almeida e Almeida, Marília de
Fonte: Universidade Federal de Goiás; Brasil; UFG; Faculdade Informação e Comunicação (RG); Curso de Especialização em Assessoria de Comunicação e Marketing (RG) Publicador: Universidade Federal de Goiás; Brasil; UFG; Faculdade Informação e Comunicação (RG); Curso de Especialização em Assessoria de Comunicação e Marketing (RG)
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso
POR
Relevância na Pesquisa
75.89%
As áreas da comunicação e da saúde sempre se foram interdependentes, de forma que é impossível pensar a promoção da saúde sem a utilização dos meios de comunicação. Com o surgimento das novas mídias, nasceu também a necessidade de se estudar a aplicação de maneiras mais eficientes de se promover conhecimento e conscientização na população sobre sua saúde. Com o objetivo de responder ao questionamento: “como as mídias sociais podem atuar de forma positiva na educação para a saúde?”, esta pesquisa buscou avaliar a presença do Ministério da Saúde no Twitter por meio da análise de 509 mensagens publicadas em seu perfil oficial, @minsaude, dentre 4 e 18 de agosto.

Comunicação em Saúde: Evitar o Contágio da Doença por Vírus Ébola nos PALOP – Metodologia KISS & KEYWORDS; Health Communication: Preventing the Spread of Ebola Virus Disease in the Portuguese Spoken African Countries - Methodology KISS & KEYWORDS

De Santiago, Isabel; Investigadora em Comunicação em Saúde. Instituto de Medicina Preventiva & Saúde Pública. Faculdade de Medicina. Universidade de Lisboa. Lisboa. Portugal. Assistente Convidada. Instituto de Medicina Preventiva & Saúde Pública. F
Fonte: Ordem dos Médicos Publicador: Ordem dos Médicos
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion Formato: application/pdf
Publicado em 29/05/2015 POR
Relevância na Pesquisa
85.97%
Neste trabalho, a Comunicação em Saúde é considerada como uma disciplina importante para a Medicina e ciências da saúde pelo seu papel como verdadeiro determinante da saúde. Destaca-se o seu contributo para a promoção da saúde e prevenção da doença. Assim, o Plano de Comunicação em Saúde: Evitar o contágio da doença por vírus Ébola nos Países de Língua Oficial Portuguesa – Metodologia KISS & KEYWORDS é um instrumento que tem por objetivos minimizar o risco de contágio por vírus Ébola nos Países de Língua Oficial Portuguesa e ainda, capacitar para uma melhoria geral das condições sanitárias das populações visadas. No delineamento do Plano de Comunicação em Saúde são, especialmente, considerados os contextos sociais e culturais das populações-alvo, com destaque para os costumes, tradições e religião. A Comunicação em Saúde é encarada como uma Função Essencial da Saúde Pública e nessa medida visa sobretudo a abordagem populacional. O alvo das ações de comunicação são os grupos populacionais em complemento da comunicação individual, os públicos-alvo são populações sem acesso a meios de comunicação, na Guiné Bissau, Cabo-Verde e São Tomé e Príncipe. No âmbito do Plano de comunicação recorre-se a metodologia...

Comunicação e saúde na enfermagem: um estudo bibliométrico

Pessoni, Arquimedes; Coppen, Yolanda Martin
Fonte: Juliana Gonçalves Reis Publicador: Juliana Gonçalves Reis
Tipo: Artigo de Revista Científica
PT_BR
Relevância na Pesquisa
95.93%
O artigo mostra o resultado do estudo bibliométrico realizado com o objetivo de mapear o perfil das publicações acadêmicas de pesquisadores da área de enfermagem na temática comunicação e saúde. Constatou-se que dos 1.185 artigos identificados nos cinco anos pesquisados, apenas 196 (16,5%) estavam relacionados à área de comunicação e saúde; as palavras comunicação, comunicar e comunicando estavam presentes em 8,2% dos títulos e em 11,7% dos descritores. Observou-se que 83,2% dos estudos foram publicados em periódicos científicos e os anais de eventos científicos contribuíram com a difusão de 16,8% estudos. A comunicação profissional-paciente e a comunicação interpessoal em outras esferas foram as abordagens temáticas principais, contando com 75% das publicações em comunicação e saúde na enfermagem. Formar pessoas passa pelo transmitir experiências, vivências, além de conhecimentos técnicos. Tal processo de ensino faz parte da atuação do(a) enfermeiro(a), e por este motivo acredita-se que as abordagens formação do profissional em saúde (12,7%) e a comunicação para educação em saúde (9,2%) estão presentes nas publicações analisadas.; sim

Comunicação e sociedade : mediatização jornalística do campo da saúde [2012]

Universidade do Minho. Instituto de Ciências Sociais. Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade
Fonte: CECS - Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade, Universidade do Minho Publicador: CECS - Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade, Universidade do Minho
Tipo: Outros
Publicado em //2012 ENG
Relevância na Pesquisa
95.97%
A referência teorico-metodológica de enquadramento desta publicação é o campo da Comunicação na Saúde. Trata-se de uma área de investigação, integrada nas Ciências da Comunicação, que emergiu nos anos 80 e que se preocupa com a influência da comunicação humana mediada na prestação e promoção de cuidados de saúde às populações. Este é um campo científico extremamente vasto, que inclui o estudo de diferentes níveis e canais de comunicação, aplicados a uma grande variedade de contextos sociais. Segundo Kreps et al. (1998), os níveis primários de análise da Comunicação na Saúde incluem a comunicação intrapessoal, interpessoal, grupal, organizacional e social. Nesta edição da revista Comunicação & Sociedade, enfatizamos a análise social, preocupada com o processo de disseminação de informação sobre saúde, incluindo investigações que procuram compreender a construção social da saúde em textos noticiosos. Um dos seus interesses de pesquisa é conhecer o impacto dos media e da informação mediática na saúde, proporcionando uma contextualização ao tratamento social dos temas deste campo. Neste contexto, destacamos aqui o Jornalismo de Saúde e pretendemos contribuir para a divulgação da produção científica nesta área...

Comunicação e Saúde – contribuições teóricas e metodológicas para o estudo de políticas de comunicação nos espaços decisórios dos conselhos gestores de saúde; Comunicação e Saúde – contribuições teóricas e metodológicas para o estudo de políticas de comunicação nos espaços decisórios dos conselhos gestores de saúde; Comunicação e Saúde – contribuições teóricas e metodológicas para o estudo de políticas de comunicação nos espaços decisórios dos conselhos gestores de saúde

Sardinha, Antonio Carlos
Fonte: Universidade de São Paulo. Escola de Comunicações e Artes Publicador: Universidade de São Paulo. Escola de Comunicações e Artes
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; ; ; Formato: application/pdf
Publicado em 15/01/2013 POR
Relevância na Pesquisa
85.98%
The article aims to present theoretical methodological contributions to the study of political communication in the context of deliberative, with a focus on management councils in public health policies. From empirical research and literature, suggest a model case study could point to a communicational dimension of deliberative processes within the council’s policy makers.DOI: 10.5841/extraprensa.v2i11.463; El artículo tiene como objetivo presentar contribuciones teóricas metodológicas para el estudio de la comunicación política en el contexto deliberativo, se centró en la gestión de los consejos de las políticas de salud pública. De la investigación empírica y la literatura, sugieren modelo de casos de estudio podría apuntar a una dimensión comunicacional de los procesos de deliberación en los consejos políticos. DOI: 10.5841/extraprensa.v2i11.463; O artigo se propõe a apresentar contribuições teóricas e metodológicas para o estudo de políticas de comunicação no contexto deliberativo, com foco nos conselhos gestores de políticas públicas de saúde.  A partir de pesquisa empírica e bibliográfica, sugerimos modelo de estudo de caso capaz de apontar para uma dimensão comunicacional dos processos deliberativos no interior dos conselhos gestores de políticas .DOI: 10.5841/extraprensa.v2i11.463

La salud en los medios de comunicación brasileños: en busa de la superación de las semejanzas entre el local y lo nacional; La salud en los medios de comunicación brasileños: en busa de la superación de las semejanzas entre el local y lo nacional; La salud en los medios de comunicación brasileños: en busa de la superación de las semejanzas entre el local y lo nacional

Bortoliero, Simone Terezinha
Fonte: Universidade de São Paulo. Escola de Comunicações e Artes Publicador: Universidade de São Paulo. Escola de Comunicações e Artes
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; Pesquisa acadêmica; Investigación académica; Formato: application/pdf
Publicado em 01/06/2014 SPA
Relevância na Pesquisa
75.86%
El presente artículo tiene por objetivo presentar  el  “estado del arte”  sobre las investigaciones que analizan las visiones  de salud vinculadas en los medios comunicación  brasileiras producidas en la última década en la Universidad Federal de la Bahia. Los resultados de tres investigaciones baianas: 1) el conocimiento de los periodistas sobre salud y su representación en el jornal A Tarde (2008), 2) la cobertura en el uso de embriones humanos en las investigaciones con células madre, que culminó en el juzgamiento de la acción directa de inconstitucionalidad (ADI 3150) por el Supremo tribunal Federal – STF (2010) y 3) la divulgación del uso de células madre para tratamiento de enfermedades de chagas en la Bahia vinculado en la TV Bahia y el periódico A Tarde (2006) – mostraron semejanza a pesar del uso de métodos distintos, con las demás investigaciones en este campo realizadas en el Brasil desde la década de los 80. Investigadores pioneros en esta temática en la Bahia apuntan la necesidad de superarnos el modelo biomédico que dá atención a las enfermedades para que la divulgación científica en los medios de comunicación nacionales puedan de forma efectiva tratar de salud.DOI: 10.5841/extraprensa.v1i14.689; O presente artigo tem por objetivo tratar do “estado da arte” pelas pesquisas que enfocam como a saúde é vinculada nos meios de comunicação brasileiros...

Quem Fala do quê nas Notícias de Saúde do Público em 2009: Uma Análise Crítica

Tomé, Bruno; Universidade do Minho, Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade; Lopes, Felisbela; Universidade do Minho, Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade
Fonte: Universidade Federal de Santa Catarina Publicador: Universidade Federal de Santa Catarina
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; Pesquisa bibliográfica. Formato: application/pdf
Publicado em 31/08/2012 POR
Relevância na Pesquisa
85.91%
http://dx.doi.org/10.5007/1984-6924.2012v9n2p326A ciência e a saúde ocupam um lugar de destaque no contexto da cobertura mediática, levando os meios de comunicação social a apresentar diariamente um vasto leque de notícias desse âmbito. Inúmeras vozes e opiniões são escritas e expressas nos vários meios de comunicação social, lançando para as audiências visões e experiências sobre as duas temáticas. Este artigo propõe-se a analisar, de um ponto de vista crítico, que tipo de vozes e assuntos são marcantes nas notícias sobre saúde no Público, um jornal de referência no contexto nacional.  

Jornalismo de Saúde: Prevenir ou Remediar?

Gomes, Emiliana Sofia; Centro de Estudos em Comunicação e Sociedade
Fonte: Universidade Federal de Santa Catarina Publicador: Universidade Federal de Santa Catarina
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; Pesquisa Empírica Formato: application/pdf
Publicado em 07/10/2012 POR
Relevância na Pesquisa
75.89%
http://dx.doi.org/10.5007/1984-6924.2012v9n2p340Neste artigo trabalhou-se o tema da prevenção na imprensa portuguesa, procurando-se responder à seguinte questão de partida: “Até que ponto os artigos de saúde dos jornais Público, Jornal de Notícias e Expresso revelam um papel de prevenção por parte destes meios de comunicação?”.O estudo revelou que poucos são os textos publicados com o intuito de prevenir a doença e promover a saúde, registando-se apenas 43 artigos preventivos num universo de 1890 textos publicados sobre saúde. O trabalho comprovou também a existência de um perfil estereotipado da fonte de informação em saúde.As questões da Comunicação em Saúde, Promoção da Saúde e Educação para a Saúde são os alicerces que permitiram estudar a prevenção no campo da saúde.

O que a saúde tem a ver com rádio comunitária?: uma análise de uma experiência em Nova Friburgo - RJ

Oliveira Neto,Alfredo de; Pinheiro,Roseni
Fonte: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva Publicador: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/02/2013 PT
Relevância na Pesquisa
85.9%
O campo da Comunicação e Saúde no Brasil vem se desenvolvendo e se fortalecendo a cada Conferência Nacional de Saúde (CNS). No relatório final da XII CNS, em 2003, torna-se claro o reconhecimento das rádios comunitárias como instrumento de divulgação e produção de temas relacionados ao SUS. O objetivo foi analisar as relações que se estabelecem entre profissionais de saúde, ouvintes/usuários e comunicadores envolvidos com uma rádio comunitária, de modo a entender como são constituídos os nexos entre um programa de rádio sobre saúde e os imaginários desses sujeitos. Para tal, uma abordagem metodológica qualitativa, fazendo-se uso da etnografia e do estudo de recepção. O campo se constituiu de um programa sobre saúde, o Bloco Mulher Saúde, transmitido pela rádio comunitária Rádio Comunidade FM 104,9 no município de Nova Friburgo, RJ. As discussões foram divididas em categorias analíticas. A comunicação comunitária pode contribuir como mediador político-cultural ampliando as possibilidades de expressão das demandas sobre saúde; existe a manutenção e reprodução do linguajar técnico hegemônico em saúde pelos médicos ao participarem de uma rádio comunitária; a comunicação comunitária pode auxiliar na construção de estratégias para ampliar o controle social no SUS.

A distribuição do conhecimento científico público em informação, comunicação e informática em saúde indexado nas bases de dados MEDLINE e LILACS

Packer,Abel Laerte; Tardelli,Adalberto Otranto; Castro,Regina Célia Figueiredo
Fonte: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva Publicador: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2007 PT
Relevância na Pesquisa
75.91%
Este artigo apresenta estudo exploratório sobre a distribuição da produção científica internacional, regional e nacional na área de informação e comunicação em saúde, referenciada nas bases de dados MEDLINE e LILACS, de 1996 a 2005. Para a seleção dos artigos, foi usada a estrutura hierárquica do vocabulário DeCS na área de Ciência da Informação. Foram determinados quatro domínios específicos: informação em saúde, informática médica, comunicação científica em saúde e comunicação em saúde. As variáveis analisadas foram: os assuntos e periódicos mais representativos, a produção por país de afiliação dos autores e por país de publicação e os idiomas, em ambas as bases de dados. Cerca de 5% dos artigos correspondeu à categoria Ciência da Informação. Os quatro domínios tiveram aumento relativo anual em MEDLINE. O domínio Informática Médica foi o que apresentou maior número de registros em MEDLINE, representando pouco mais da metade de todos os artigos indexados. A importância da Ciência da Informação é mais visível nas publicações dos países desenvolvidos e os resultados confirmaram a predominância dos Estados Unidos e o crescimento significativo da produção científica da China e Coréia do Sul e...