Página 1 dos resultados de 910 itens digitais encontrados em 0.004 segundos

Expressão gênica e voláteis induzidos pela herbivoria de Spodoptera frugiperda (J. E. Smith) (Lepidoptera:Noctuidae) em milho, Zea mays L. (Poaceae); Gene expression and volatile compounds induced by herbivory of Spodoptera frugiperda (J. E. Smith) (Lepidoptera: Noctuidae) in corn, Zea mays L. (Poaceae)

Moreira, Laura Silveira Drummond
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 18/11/2010 PT
Relevância na Pesquisa
56.88%
Em resposta aos danos ocasionados por insetos, as plantas emitem voláteis que atraem os inimigos naturais desses herbívoros. Embora essa relação tritrófica venha sendo intensamente estudada, muitos mecanismos envolvidos nesta interação ainda permanecem inexplorados. Dentre os compostos voláteis induzidos por herbivoria e emitidos pelas plantas, os terpenos são os mais expressivos e abundantes. Em resposta ao dano ocasionado por um inseto, cascatas bioquímicas são iniciadas na planta, as quais podem alterar a expressão de genes envolvidos na resposta a tal dano. Este trabalho analisou as mudanças na expressão gênica e produção de compostos voláteis em plantas de milho, Zea mays (Poaceae)promovidas por lagartas Spodoptera frugiperda (Lepidoptera: Noctuidae) ao longo do tempo. Utilizando a técnica de PCR em tempo real (qRTPCR) foram verificadas respostas no nível da expressão gênica das plantas submetidas à indução por herbivoria. Foram analisados os genes de uma lipoxigenase e de três terpeno sintases, enzimas envolvidas na produção de compostos voláteis que atraem parasitóides de S. frugiperda. As plantas submetidas à herbivoria apresentaram níveis de expressão gênica e emissão de voláteis maiores do que as plantas sadias. Os resultados fornecem bases para o entendimento dos mecanismos endógenos responsáveis pela liberação de voláteis nas plantas visando o estabelecimento de novos fundamentos para o controle biológico de pragas.; In response to insect damage...

A influência da proximidade da biodiversidade da Mata Atlântica no perfil de compostos voláteis de bananas (Musa acuminata AAA cv. Nanicão) produzidas no Vale do Ribeira-SP; The influence of the proximity of the Atlantic Rainforest biodiversity in the profile of volatile compounds from bananas (Musa acuminate AAA cv. Nanicão) produced in Vale do Ribeira, SP

Calhau, Maria Fernanda Nobre dos Santos
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 17/09/2014 PT
Relevância na Pesquisa
66.95%
O principal polo produtor de banana no estado de São Paulo está na Divisão Regional e Agrícola de Registro, que se estende do Vale do Ribeira até o litoral sul do estado. Nesta região, a produção de banana é a principal atividade dos produtores rurais e é responsável pela principal demanda de insumos e serviços de comercialização. No entanto, o Vale do Ribeira se caracteriza por ser uma região com baixos níveis de tecnologia e mecanização e a qualidade de vida é bastante baixa, fatores que contribuem para a baixa produtividade da banana. Este trabalho teve como objetivo estabelecer os efeitos que a proximidade da biodiversidade nativa da Mata Atlântica promove nos atributos físico-químicos e bioquímicos do fruto da bananeira, em decorrência da proximidade da biodiversidade. Duas parcelas foram escolhidas para fornecer as amostras posteriormente analisadas quanto a parâmetros fisiológicos, químicos e bioquímicos: a parcela "Controle" plenamente inserida em um bananal convencional e a parcela "Biodiversidade" com 60% de seu perímetro rodeado pela biodiversidade da Mata Atlântica. Foram feitas as seguintes avaliações nos frutos colhidos destas parcelas: análise dos perfis de etileno e CO2 endógenos por cromatografia gasosa...

Produção de compostos voláteis característicos do aroma em mamões (Carica papaya L. cv 'Golden') tratados com metil jasmonato e armazenados a baixa temperatura; Production of volatile representative aroma compounds of papaya (Carica papaya cv. 'Golden') treated with methyl jasmonate and stored at low temperature

De Fusco, Deborah Oliveira
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 24/02/2015 PT
Relevância na Pesquisa
56.99%
O Brasil destaca-se como um dos maiores produtores mundiais de mamão, fruto apreciado em todo o mundo pelo sabor e polpa delicada. Os compostos voláteis contribuem para a formação do aroma do fruto, o que faz deles essenciais para o desenvolvimento de características sensoriais que definem sua apreciação pelos consumidores. Os principais compostos de aroma do mamão incluem, principalmente, terpenos, ésteres, aldeídos, álcoois, ácidos orgânicos e cetonas, com destaque para o monoterpeno linalool que é o composto mais abundante na cultivar 'Golden'. Embora a biossíntese de compostos voláteis seja particularmente afetada pelos tratamentos para consevação pós-colheita, estes são essenciais para a comercialização do mamão, em vista de sua alta perecibilidade. O uso de baixas temperaturas tem sido um dos métodos mais empregados para extensão de vida pós-colheita do mamão. Precedentes da literatura indicam que o tratamento pós-colheita com metil jasmonato (MJ) é capaz de reduzir possíveis efeitos prejudiciais decorrentes do armazenamento a baixa temperatura. Além disso, a aplicação do metil jasmonato em frutos é capaz de estimular a atividade de enzimas das vias de produção de compostos voláteis. Desta forma...

Estudo dos compostos voláteis de algumas espécies de eucalipto através do uso de microextração em fase sólida no modo headspace (HS-SPME)

Zini, Claudia Alcaraz
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
56.94%
Neste trabalho utilizou-se a técnica de HS-SPME/GC/ITMS para o estudo qualitativo dos compostos voláteis (VOC) emitidos pelas folhas de três espécies de Eucalyptus (E.): E. citriodora, E. dunnii e E. saligna tanto em laboratório como in situ, além do estudo da relação entre folhas de eucalipto e rãs Litoria ewingi. Para este fim, foram desenvolvidos métodos análiticos. Os compostos tentativamente como (E,E)-a-farseno, (E)-4,8-dimetil-1,3,7-nonatrieno (DMNT),(E,E)-4,8,12-trimetil-1,3,7,11-tridecatetraeno (TMTT),B-cariofileno,a-cariofileno, gerrmacreno D e (E,E,E)-3,7,11,15-tetrametil-1,3,6,10,14-hexadecapentaeno (TMHP) foram encontrados no headspace de folhas picadas de eucalipto, sendo que os três primeiros também foram nas emissões áreas de E. saligna in situ, não tendo sido encontrados nos óleos voláteis das mesmas árvores, obtidos por hidrodestilação. Nas amostragens in situ, foram observados dois tipos de perfis circadianos nas emissões voláteis, incluindo compostos como cis-, trans-óxido de rosa, trans-B-ocimeno, citronelal, citronelol, entre outros. O comportamento dos compostos citados sugere que os mesmos sejam semioquímicos. Os resultados obtidos com HS-SPME (PDMS/DVB) mostraram que esta é uma ferramenta analítica relativamente simples...

Compostos voláteis da uvaia (Eugenia pyriformis cambess)

Miyazawa, Tamara Miranda
Fonte: Universidade Estadual Paulista (UNESP) Publicador: Universidade Estadual Paulista (UNESP)
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: xi, 97 f.
POR
Relevância na Pesquisa
67.02%
Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES); Pós-graduação em Alimentos e Nutrição - FCFAR; A uvaia (Eugenia pyriformis cambess) é uma fruta exótica que apresenta sabor adocicado e ácido, típica da Mata Atlântica. A revisão da literatura mostrou que, até o presente momento, não existe estudo sobre a composição de voláteis de uvaia, assim como não se conhece os compostos voláteis odoríferos importantes para a sua qualidade sensorial. Os parâmetros físico-quimicos da polpa da uvaia foram avaliados. A polpa de uvaia apresentou teor de sólidos solúveis de 5,0 ºBrix, pH 3,80, ratio de 4,65, teor de ácido ascórbico 54,06 mg/100 mL de polpa, teor de compostos fenólicos totais de 79,94 mg de ácido gálico/100 mL e foi caracterizada como uma fruta de baixa acidez (1,08 g de ácido cítrico/100 mL), conteúdo de açúcares predominantemente de açúcares redutores (açúcares redutores 2,81 g de glicose/100 mL, açúcares totais 2,81 g de glicose/100 mL) e elevada atividade antioxidante total (656,29 μmol de Trolox/100 mL de polpa). Os compostos voláteis da uvaia foram isolados usando a técnica de headspace dinâmico. As condições para o isolamento dos compostos voláteis de uvaia foram a captura por 3 horas e eluição com hexano. O isolado obtido foi representativo da amostra original de uvaia. Os compostos voláteis foram separados por cromatografia gasosa de alta resolução e identificados por cromatografia gasosa-espectrometria de massas...

Compostos volateis e qualidade dos vinhos secos jovens varietal cabernet suavignon produzidos em diferentes regiões do Brasil.; Volatile compounds and quality of cabernet sauvignon wines from different regions of Brazil.

Betania Araujo Cosme dos Santos
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 22/02/2006 PT
Relevância na Pesquisa
67.03%
Apesar da importância do aroma e sabor para determinar a qualidade dos vinhos, praticamente não existe nenhum estudo sobre a composição de voláteis dos vinhos nacionais. Os poucos que existem utilizam ainda coluna empacotada e outros traçam apenas o perfil sensorial dos vinhos, sem fazer correlações dos dados com qualquer outro parâmetro. No presente trabalho estudou-se 11 vinhos seco varietal Cabernet Sauvignon oriundos das principais regiões produtoras do país: Serra Gaúcha e Campanha, no Rio Grande do Sul; do Vale do Rio do Peixe, em Santa Catarina e do Vale do São Francisco, região de Pernambuco/Bahia. Foram efetuadas análises dos constituintes químicos e minerais presentes, após a homogeneização de três garrafas de vinho. Os parâmetros físico-químicos foram determinados pelos métodos clássicos e os teores dos minerais cálcio, magnésio, ferro, cobre e zinco foram analisados por absorção atômica; potássio, lítio, sódio e rubídio por emissão de chama e o fósforo por colorimetria. As características sensoriais das amostras foram determinadas pelo uso da Análise Descritiva Quantitativa através de nove provadores selecionados e treinados. As amostras foram avaliadas em quintuplicata, em 11 sessões...

Compostos voláteis em vinhos Chardonnay (Vitis vinifera L.) produzidos em diferentes regiões brasileiras; Volatile compounds in Chardonnay (Vitis vinifera L.) wines produced in different regions of Brazil

Sabrina de Bona Sartor
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 26/02/2014 PT
Relevância na Pesquisa
67%
O aroma final de um vinho é formando por um grande número de compostos químicos voláteis, presentes em concentrações variáveis e detectáveis pelo sistema olfativo humano. O estudo da fração volátil de vinhos tem sido o objetivo de muitas iniciativas de estudo, sendo que as metodologias de pesquisa de compostos voláteis em vinhos compreendem etapas fundamentais, tais como: a extração dos compostos, a separação das diferentes moléculas por cromatografia gasosa acoplada à um sistema de detecção e posteriormente, a identificação e quantificação dos compostos voláteis. O objetivo deste trabalho foi extrair, identificar e quantificar os compostos voláteis de vinhos Chardonnay produzidos em diferentes regiões brasileiras utilizando microextração em fase sólida no modo de headspace (HS-SPME) e cromatografia gasosa acoplada à espectrometria de massas tandem (GC-MSMS). As amostras foram produzidas nas principais regiões vitícolas brasileiras: Serra Gaúcha e Campanha (Rio Grande do Sul), Serra Catarinense e Região de Altitude (Santa Catarina) e Sul de Minas (Minas Gerais). O método de extração de compostos de aroma foi desenvolvido usando a técnica de HS-SPME e GC-MS/MS e análise multivariada com delineamento composto central rotacional (CCRD) e metodologia de superfície de resposta para obtenção de um ponto ótimo de extração. As condições otimizadas foram temperatura (°C) e tempo (minutos) de extração. A otimização multivariada das condições de extração por HS-SPME permitiu avaliar os efeitos de tempo e temperatura de extração nesta metodologia...

Perfil de compostos voláteis e propriedades físicas e químicas de iogurte probiótico mantido sob refrigeração

Tanello, Ana Cristina
Fonte: Florianópolis, SC Publicador: Florianópolis, SC
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: 109 p.| il., grafs., tabs.
POR
Relevância na Pesquisa
56.99%
Dissertação (mestrado)- Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências Agrárias, Programa de Pós-Graduação em Ciência dos Alimentos, Florianópolis, 2011; O objetivo deste trabalho foi avaliar as propriedades físicas e químicas e o perfil de compostos voláteis de iogurte probiótico adicionado de Bifidobacterium BB-12 e de iogurte controle. Para tanto, os iogurtes foram analisados quanto ao teor de sólidos totais, proteína, pH, composição volátil e comportamento reológico durante armazenamento refrigerado por 28 dias. O iogurte probiótico foi analisado também quanto à viabilidade da bifidobactéria. Uma pós-acidificação e decréscimo do conteúdo de proteína foram observados em ambos os iogurtes durante o período de armazenamento. O iogurte elaborado foi considerado probiótico, pois apresentou contagens da bifidobactéria superiores a 106 UFC/mL durante os 28 dias de armazenamento. A metodologia de superfície de resposta (MRS) foi empregada para determinar a condição ótima de extração de compostos voláteis das amostras de iogurte através da microextração em fase sólida por headspace (HS-SPME) combinada com cromatografia gasosa acoplada à espectrometria de massa (GC-MS). Através do Delineamento Central Composto (DCC) foram avaliadas as seguintes variáveis independentes: temperatura de extração (40 a 60 ºC)...

Compostos voláteis associados a defeitos de cortiça de Quercus suber L. - estudo dos efeitos de matriz por micro-extracção em fase sólida na região de espaço de cabeça

Neto, Paula Maria da Costa Vieira
Fonte: Universidade de Aveiro Publicador: Universidade de Aveiro
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
66.89%
A cortiça é o material de eleição para o fabrico de vedantes para garrafas de vinho. No entanto, sendo um produto natural, a cortiça pode ser contaminada e atacada de diferentes formas, o que pode promover alterações nas suas propriedades. Um dos problemas mais críticos é o aparecimento de alterações organolépticas em vinhos, cujas causas têm vindo a ser atribuídas à migração de compostos de aroma indesejável, existentes na cortiça. Estes compostos, na sua maioria relacionados com a actividade microbiológica, podem ter a sua origem no facto da cortiça, desde a floresta até ao engarrafamento, ser susceptível de sofrer degradações microbiológicas com consequente formação de metabolitos secundários voláteis, alguns dos quais com aromas indesejáveis. A grande maioria dos estudos sobre este problema tem incidido na quantificação do 2,4,6-tricloroanisole (TCA), considerado um marcador de defeito pois ocorre em cerca de 80% dos casos de alteração organoléptica. A técnica de microextracção em fase sólida na região de espaço de cabeça (HS-SPME) tem vindo a ser utilizada na análise da fracção volátil de vinhos e no controlo da qualidade das rolhas de cortiça. Esta técnica tem sido, ainda, utilizada na análise de vinhos e cortiças com defeitos organolépticos...

Avaliação dos compostos fenólicos e voláteis ao longo da vinificação

Silva, Ana Sofia Gomes da
Fonte: Universidade de Aveiro Publicador: Universidade de Aveiro
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
56.9%
Os compostos fenólicos e os compostos voláteis têm um papel muito importante em enologia devido à sua contribuição direta para as propriedades organolépticas do vinho e também pela sua participação em diversas reações químicas durante o processo de vinificação, que originam novos compostos com propriedades sensoriais diferentes. As castas tinta Touriga Nacional e a branca Encruzado são duas das variedades de Vitis vinífera L. com importância na Região Demarcada do Dão e, consequentemente, para a empresa Dão Sul, S.A., local de realização do Estágio em que se insere este trabalho. O objetivo do trabalho foi a quantificação dos compostos fenólicos e a caracterização da composição volátil ao longo da vinificação das castas Touriga Nacional e Encruzado. Para a casta branca foram analisados mostos e vinhos obtidos com e sem prensagem. Na análise dos compostos fenólicos das uvas, mosto e vinho da casta tinta, foram quantificados os compostos fenólicos totais, antocianinas totais e livres, taninos, atividade antioxidante e cor. O vinho apresentou uma maior quantidade de compostos fenólicos totais (4 g/L), incluindo também uma quantidade superior de antocianinas totais (639 mg/L) e livres (128 mg/L), assim como de atividade antioxidante (29 mM equivalentes de Trolox)...

Determinação e identificação dos compostos voláteis no queijo de Évora ao longo da maturação

Torres, Maria Giraldes Pietra
Fonte: Universidade de Évora Publicador: Universidade de Évora
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
66.81%
As características do aroma do queijo estão associadas aos compostos voláteis formados durante a maturação. A microextracção em fase sólida permite o isolamento destes compostos da matriz. Avaliaram-se as fibras carboxeno/polidimetilsiloxano, polidimetilsiloxano /divinilbenzeno e polidimetilsiloxano, efectuando a extracção do espaço de cabeça de uma mistura modelo. Seleccionou-se a fibra polidimetilsiloxano/divinilbenzeno para a extracção dos compostos voláteis do queijo, a sua separação e identificação realizou-se por cromatografia gasosa - espectrometria de massa. Na identificação recorreu-se à ionização por impacto electrónico, ionização química e à espectrometria de massa em múltiplas etapas. A composição volátil do queijo de Évora foi avaliada em três fases da maturação; encontraram-se 20 compostos. Entre a primeira e as restantes fases observam-se diferenças qualitativas, entre a segunda e a terceira detectam-se apenas diferenças quantitativas. Para comparação do perfil global do aroma nas diferentes fases, recorreu-se ao nariz electrónico. Obteve-se uma diferenciação entre a primeira fase e as duas restantes. ***/Abstract - The character of cheese aroma is related to volatile compounds formed during ripening. Solid phase microextraction allows the isolation of these compounds from the matrix. The carboxen/polydimethylsiloxane...

Identificação de compostos voláteis de maçãs (Malus domestica) cultivar Fuji, por cromatografia gasosa-espectrometria de massas

JANZANNTTI,Natália S.; FRANCO,Maria Regina B.; LANÇAS,Fernando M.
Fonte: Sociedade Brasileira de Ciência e Tecnologia de Alimentos Publicador: Sociedade Brasileira de Ciência e Tecnologia de Alimentos
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/08/2000 PT
Relevância na Pesquisa
66.92%
Os compostos voláteis da maçã cultivar Fuji foram estudados durante 2 anos consecutivos (1994 e 1995). O isolamento dos compostos voláteis da maçã Fuji foi feito utilizando-se uma técnica de enriquecimento dos voláteis do "headspace" em Porapak Q e eluição com hexano. Foram detectados 84 componentes voláteis na maçã Fuji, por cromatografia gasosa de alta resolução, dos quais trinta foram identificados por cromatografia gasosa-espectrometria de massas, aliada aos índices de Kovats. Os compostos majoritários foram os ésteres acetato de butila, acetato de 2-metil butila, acetato de hexila e o terpeno µ-farneseno. A classe química predominante, entre compostos voláteis na maçã Fuji, foi a dos ésteres.

Análise dos compostos voláteis da aguardente de cana por concentração dinâmica do "headspace" e cromatografia gasosa-espectrometria de massas

Nóbrega,Ian Carneiro da Cunha
Fonte: Sociedade Brasileira de Ciência e Tecnologia de Alimentos Publicador: Sociedade Brasileira de Ciência e Tecnologia de Alimentos
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/08/2003 PT
Relevância na Pesquisa
66.93%
Os compostos voláteis da aguardente de cana foram extraídos por meio da concentração dinâmica do "headspace" em armadilhas contendo Tenax-TA e analisados por cromatografia gasosa-espectrometria de massas. Cerca de 100 compostos voláteis, com número de carbonos que variavam de 5 a 18, foram detectados. Destes, 22 foram selecionados, sendo 18 ésteres, com base nas suas quantidades no extrato ou nas suas características sensoriais obtidas na literatura. Os compostos presentes em maiores quantidades foram o 3-metil-1-butanol (álcool isoamílico), 1,1-dietoxi-etano (acetaldeído dietil acetal) e os ésteres acetato de 3-metilbutila, hexanoato de etila, octanoato de etila, decanoato de etila e dodecanoato de etila. Dentre os compostos identificados em menor quantidade, destacou-se, devido a sua natureza química, o composto sulfurado 4,5-de-hidro-2-metil-3(2H)-tiofenona. Esta é a primeira vez que este e outros compostos voláteis são reportados em aguardente de cana. Conclui-se que a metodologia empregada neste trabalho permitiu a identificação de compostos voláteis da fração C5-C18, que potencialmente contribuem para o aroma da aguardente de cana.

Efeito do processamento na composição de voláteis de suco clarificado de maçã Fuji

Janzantti,Natália S.; Franco,Maria Regina B.; Wosiacki,Gilvan
Fonte: Sociedade Brasileira de Ciência e Tecnologia de Alimentos Publicador: Sociedade Brasileira de Ciência e Tecnologia de Alimentos
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2003 PT
Relevância na Pesquisa
56.99%
Os compostos voláteis são responsáveis pelo sabor característico dos alimentos, são termolábeis e também facilmente perdidos ou modificados durante o processamento. Este estudo teve como objetivo verificar o efeito do processamento na composição de voláteis do suco clarificado de maçãs Fuji. O isolamento dos voláteis foi feito por enriquecimento do "headspace" em polímero poroso e eluição com hexano. Oitenta e quatro compostos voláteis foram detectados na maçã Fuji, por cromatografia gasosa de alta resolução, dos quais 30 foram identificados por espectrometria de massas, aliada aos índices de Kovats. A classe química predominante na maçã Fuji, dentre os compostos identificados, foi a dos ésteres, compreendendo ao todo 28 voláteis. Os compostos majoritários na fruta foram a-farneseno, acetato de 2-metil butila, acetato de butila e acetato de hexila. Após a prensagem, o aldeído hexanal aumentou drasticamente e se tornou majoritário. A clarificação foi a etapa que menos causou modificações na composição de voláteis, mantendo o aldeído como majoritário. A pasteurização foi a etapa crítica do processamento, como esperado. Nesta etapa, além de ocorrer a diminuição da área de todos os componentes voláteis...

Identificação de compostos voláteis da cúrcuma empregando microextração por fase sólida e cromatografia gasosa acoplada à espectrometria de massas

Mata,Adriana R.; Nelson,David L.; Afonso,Robson J. C. F.; Glória,Maria Beatriz A.; Junqueira,Roberto G.
Fonte: Sociedade Brasileira de Ciência e Tecnologia de Alimentos Publicador: Sociedade Brasileira de Ciência e Tecnologia de Alimentos
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/03/2004 PT
Relevância na Pesquisa
66.89%
Compostos voláteis da cúrcuma (Curcuma longa L.) cultivada no Brasil foram isolados por microextração por fase sólida. Os rizomas foram cozidos em solução de bicarbonato de sódio 0,1%, fatiados, secos e triturados. Visando estabelecer o sistema ideal para a microextração, fibras de polidimetilsiloxano de 100µm de espessura foram expostas ao headspace de frascos de 10mL. Estudou-se a influência das seguintes variáveis sobre o rendimento dos compostos voláteis obtidos: amostras em pó (0,1 a 1,0g) e em solução (40mg/L), diferentes temperaturas (40 a 70ºC) e tempos (2 a 20min) de partição. O efeito da temperatura (210 a 240ºC) e do tempo (3 e 5min) de dessorção também foi avaliado. As melhores condições para a partição dos compostos voláteis foram 0,1g do pó, 70ºC e 5min. A temperatura de 220ºC e o tempo de 5 minutos foram os de maior eficiência para a dessorção. A cromatografia gasosa foi conduzida em coluna capilar, detecção por ionização de chama e identificação por espectrometria de massas. A análise dos espectros de massas obtidos para os nove compostos voláteis predominantes indicou a presença de ar-curcúmeno, ar-turmerona, zingibereno, beta-sesquifelandreno, sabineno, 1,8-cineol e 1,4-terpineol.

Compostos voláteis de três cultivares de manga (Mangifera indica L.)

Franco,M.R.B.; Rodriguez-Amaya,D.; Lanças,F.M.
Fonte: Sociedade Brasileira de Ciência e Tecnologia de Alimentos Publicador: Sociedade Brasileira de Ciência e Tecnologia de Alimentos
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2004 PT
Relevância na Pesquisa
66.86%
Os compostos voláteis de três cultivares de manga (Haden, Tommy-Atkins e Keitt) procedentes do Estado de São Paulo, foram isolados por uma técnica de headspace dinâmico, envolvendo sucção em polímero poroso. A separação da mistura complexa de voláteis foi efetuada por cromatografia gasosa de alta resolução. Alguns compostos voláteis foram identificados por cromatografia gasosa-espectrometria de massas e índices de Kovats. Os hidrocarbonetos monoterpênicos foram os compostos mais abundantes no headspace das amostras. Car-3-eno foi o componente majoritário dos cultivares Haden e Keitt, enquanto a Tommy-Atkins mostrou predominância de car-3-eno e alfa-pineno. Outros compostos identificados foram alfa-fencheno, alfa-canfeno, p-cimeno, beta-mirceno, beta-felandreno, limoneno, alfa-terpinoleno, beta-cariofileno e alfa-humuleno. Os três lotes analisados para cada cultivar mostraram grande homogeneidade, não havendo diferença significativa ao nível de 5%.

Compostos voláteis dos frutos de maracujá (Passiflora edulis forma Flavicarpa) e de cajá (Spondias mombin L.) obtidos pela técnica de headspace dinâmico

Narain,Nerendra; Almeida,Juliana das Neves; Galvão,Mércia de Souza; Madruga,Marta Suely; Brito,Edy Souza de
Fonte: Sociedade Brasileira de Ciência e Tecnologia de Alimentos Publicador: Sociedade Brasileira de Ciência e Tecnologia de Alimentos
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2004 PT
Relevância na Pesquisa
66.86%
Entre as inúmeras frutas tropicais e subtropicais produzidas no Brasil, duas que se destacam do ponto de vista do aroma da polpa são maracujá amarelo (Passiflora edulis forma Flavicarpa) e cajá (Spondias mombin L.). Os voláteis da polpa destas frutas foram capturados pela técnica de headspace dinâmico e analisados no sistema de cromatografia gasosa de alta resolução e espectrometria de massa. Foram identificados 48 e 33 compostos voláteis na polpa de maracujá e cajá, respectivamente. Os compostos voláteis predominantes na polpa de maracujá pertenceram às classes de ésteres (59,24%), aldeídos (15,27%), cetonas (11,70%) e álcoois (6,56%), enquanto na polpa de cajá as principais classes de compostos foram de ésteres (48,76%), álcoois (21,69%), aldeídos (11,61%) e cetonas (4,19%). Outros compostos aromáticos característicos foram para maracujá: beta-ionona e linalol e para cajá: gama-octalactona e ácidos butírico e hexanóico.

Compostos Voláteis da Rolha e Sua Incidência no Vinho

Alice Vilela, Valeria Mazzoleni; Osvaldo Colagrande, Arlete Mendes Faia
Fonte: Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária, I.P. / Ex-Estação Vitivinícola Nacional 2565-191 Dois Portos, Portugal Publicador: Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária, I.P. / Ex-Estação Vitivinícola Nacional 2565-191 Dois Portos, Portugal
Tipo: Artigo de Revista Científica
POR
Relevância na Pesquisa
66.79%
Neste trabalho foram avaliados os constituintes voláteis de rolhas de diferente qualidade e proveniência e determinados os compostos que poderão ser cedidos ou absorvidos pela rolha, quando em contacto com o vinho. Verificámos que os compostos voláteis da rolha variam consoante a sua qualidade. Identificámos entre outros o acetato de etilo, o álcool isoamílico, o linalol, o a-terpineol, 1,2-diclorobenzeno, clorobenzeno e clorofórmio. A rolha pode absorver alguns dos constituintes voláteis do vinho, tais como os ésteres propanoato, hexanoato e octanoato de etilo. Das substâncias cedidas ao vinho, embora em concentrações reduzidas, identificámos o guaiacol, 4-vinil-guaiacol, a-terpineol, vanilina e etilvanilina.

Caqui cv. 'Mikado': análise de compostos voláteis em frutos adstringentes e destanizados

Martineli,Maristella; Alves,Andréa Aparecida Ribeiro; Figueiredo,Gisele Machado de; Rezende,Claudia Moraes de; Fonseca,Marcos José de Oliveira
Fonte: Universidade Federal de Santa Maria Publicador: Universidade Federal de Santa Maria
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/08/2013 PT
Relevância na Pesquisa
66.79%
O objetivo do presente trabalho foi determinar os compostos voláteis em frutos de caqui Mikado adstringentes e destanizados, em dois períodos de armazenamento, utilizando microextração em fase sólida (MEFS, fibra DVB/CAR/PDMS) por cromatografia gasosa acoplada à espectrometria de massas (CG-EM). A partir dos resultados foi possível observar diferenças na composição volátil em frutos adstringentes e destanizados de caqui Mikado, com perdas em ambas as amostras. A remoção da adstringência com exposição ao álcool promoveu aumento dos voláteis no 1o dia após a destanização. Os compostos voláteis de caqui Mikado são representados, majoritariamente, por hidrocarbonetos terpênicos, seguidos de ésteres de cadeia linear.

Teores em Taninos Elágicos e Compostos Voláteis Presentes na Madeira de Carvalho da Espécie Quercus pyrenaica Willd. Utilizada na Indústria de Tanoaria

Jordão,António Manuel
Fonte: Unidade de Silvicultura e Produtos Florestais Publicador: Unidade de Silvicultura e Produtos Florestais
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2007 PT
Relevância na Pesquisa
66.84%
Com o objectivo de aprofundar o conhecimento sobre o potencial da madeira de carvalho pertencente à espécie Quercus pyrenaica Willd. (proveniente da região do Gerês, Portugal), com vista ao fabrico de barricas utilizadas na conservação dos vinhos, procedeu-se à quantificação dos teores em taninos elágicos (vescalagina, castalagina, roburina D, roburina E e grandinina), ácido elágico e em alguns compostos voláteis (furfural, 5-hidroximetilfurfural, cicloteno, furaneol, cis e trans b-metil-g-octalactona, guaiacol, metil-guaiacol, eugenol, isoeugenol, vanilina e siringaldeído) presentes. Os valores dos compostos estudados para a espécie Quercus pyrenaica Willd., foram comparados com os valores quantificados para os mesmos compostos nas duas espécies de madeira de carvalho mais utilizadas na indústria de tanoaria em Portugal, o Quercus alba L. e o Quercus petraea Liebl., oriundas dos Estados Unidos da América e da França, respectivamente. Os resultados obtidos, permitiram constatar a existência de valores similares em taninos elágicos entre as espécies Quercus pyrenaica Willd. e Quercus petraea Liebl., tendo ambas as espécies apresentado valores mais elevados destes compostos relativamente à espécie Quercus alba L.. No que diz respeito aos teores em compostos voláteis quantificados...