Página 1 dos resultados de 13 itens digitais encontrados em 0.004 segundos

Os primórdios da doença

Prata, Aluízio; Dias, João Carlos Pinto; Coura, José Rodrigues
Fonte: Sociedade Brasileira de Medicina Tropical Publicador: Sociedade Brasileira de Medicina Tropical
Tipo: Artigo de Revista Científica
PT_BR
Relevância na Pesquisa
36.25%
A partir do ciclo enzoótico silvestre do Trypanosoma cruzi, a doença de Chagas humana (DCH) emergiu esparsa e focalmente em diferentes pontos do Continente Americano, havendo inícios de sua ocorrência em épocas pré cristãs. Dispersada por subsequentes hordas de migrações internas, a DCH instalou-se em locais onde os insetos vetores se domiciliavam e diferentes reservatórios se aproximavam dos assentamentos humanos. Ganhou maior expansão no período pós colombiano, em particular entre o final do século XIX e meados do século XX, quando atingiu seus picos de prevalência. Nos primórdios da doença há indícios esparsos de casos agudos, cardiopatia crônica e megacólon em diferentes pontos da Região, mas esses quadros se encontram sujeitos a confusão diagnóstica. Por outro lado, o megaesôfago se mostra o marcador de maior especificidade na DCH, havendo numerosos registros de sua ocorrência em vários pontos do Brasil, especialmente a partir do século XVIII. O peso médico social da DCH corresponde inequivocamente à ocorrência da cardiopatia chagásica crônica, tendo sido a partir justamente de sua caracterização que foram deflagradas em definitivo as ações de controle da enfermidade nos países endêmicos.

Alterações do pericárdio na fase crônica da tripanossomíase cruzi humana e nas fases aguda e crônica da moléstia experimental

Raso,P.; Tafuri,W. L.
Fonte: Sociedade Brasileira de Medicina Tropical - SBMT Publicador: Sociedade Brasileira de Medicina Tropical - SBMT
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/1971 PT
Relevância na Pesquisa
36.14%
Os Autores estudam as alterações do pericárdio, especialmente do pericárdio visceral na cardiopatia chagásica, confrontando-se com as alterações, observadas em outras cardiopatias (reumáticas e hipertensivas). Analisam as alterações pericárdicas no camundongo experimentalmente infectado e discutem especialmente a natureza e a gênese das lesões, a evolução e a correlação dos vários aspectos morfológicos entre si.

Evolução da cardiopatia experimentalmente induzida em coelhos infectados com Trypanosoma cruzi

Figueiredo,Florêncio; Rossi,Marcos A.; Santos,Ricardo R.
Fonte: Sociedade Brasileira de Medicina Tropical - SBMT Publicador: Sociedade Brasileira de Medicina Tropical - SBMT
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/09/1985 PT
Relevância na Pesquisa
56.58%
Coelhos jovens de ambos os sexos (1-2 meses de idade), outbred, inoculados com tripomastigotas da cepa Colômbia de Trypanosoma cruzi desenvolveram lesões cardíacas, macro e microscópicas, além de características parasitológicas e imunológicas, muito semelhantes às observadas na doença de Chagas humana, tanto na fase aguda como na fase crônica. Na fase aguda a síndrome cardíaca caracteriza-se macroscopicamente por discreta cardiomegalia, com dilatação de câmaras direitas, e miscroscopicamente por miocardite focal pouco acentuada; na fase crônica, por cardiomegalia moderada ou acentuada, com hipertrofia e dilatação de câmaras e adelgaçamento da ponta (aneurisma apical), predominantemente do ventrículo esquerdo, e por miocardite focal, cóm áreas de necrose miocitolítica e degeneração de miocélulas, associadas a infiltrado inflamatório, principalmente composto de linfócitos, e fibrose intersticial. Devido à reprodução de aspectos da doença cardíaca chagásica humana em tempo relativamente curto, à simplicidade, à disponibilidade para múltiplos pesquisadores e ao baixo custo, o modelo representado pelo coelho constitui uma alternativa para estudos dos mecanismos, patologia e tratamento da cardiopatia chagásica.

Morte súbita por ruptura espontânea do ventrículo direito em mulher chagásica crônica

Tostes Júnior,Sebastião; Lopes,Edison Reis; Chapadeiro,Edmundo
Fonte: Sociedade Brasileira de Medicina Tropical - SBMT Publicador: Sociedade Brasileira de Medicina Tropical - SBMT
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/1990 PT
Relevância na Pesquisa
66.52%
Mulher chagásica de 49 anos teve morte súbita devido a hemopericárdio conseqüente à ruptura espontânea do ventrículo direito. Em nosso conhecimento este é o terceiro relato de rotura cardíaca espontânea da cardiopatia chagásica humana. Neste caso os fatores que determinaram a ruptura foram o adelgaçamento, o grande raio de curvatura da parede anterior do ventrículo direito e, possivelmente, o aumento de pressão no interior desta câmara. Não havia infarto e o adelgaçamento da região rota foi causado pela miocardite crônica chagásica.

"Evolução da cardiopatia chagásica crônica humana no sertão do Estado da Paraíba, Brasil, no período de 4,5 anos"

Rassi,Anis
Fonte: Sociedade Brasileira de Medicina Tropical - SBMT Publicador: Sociedade Brasileira de Medicina Tropical - SBMT
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/1991 PT
Relevância na Pesquisa
46.06%

Evolução da cardiopatia chagasica crônica humana no sertão do Estado da Paraíba, Brasil, no período de 4,5 anos

Coura,José Rodrigues
Fonte: Sociedade Brasileira de Medicina Tropical - SBMT Publicador: Sociedade Brasileira de Medicina Tropical - SBMT
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/1992 PT
Relevância na Pesquisa
46.06%

Fatores de crescimento presentes no miocárdio de pacientes com cardiopatia chagásica crônica

Reis,Marcia Martins; Higuchi,Maria de Lourdes; Aiello,Vera Demarchi; Benvenuti,Luiz Alberto
Fonte: Sociedade Brasileira de Medicina Tropical - SBMT Publicador: Sociedade Brasileira de Medicina Tropical - SBMT
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2000 PT
Relevância na Pesquisa
106.55%
Neste trabalho, quantificamos fatores de crescimento em fragmentos de miocárdio de 19 cardiopatas chagásicos crônicos com insuficiência cardíaca congestiva, através da técnica da imunoperoxidase. Pesquisamos: antígenos de T. cruzi , fatores de crescimento (GM-CSF, TGF-beta1, PDGF-A e PDGF-B) e células inflamatórias (CD4+, CD8+, CD20+ e CD68+). A razão média CD4+/CD8+ foi 0,6 ± 0,3. O número médio de macrófagos (CD68+) foi 5,9±3,1; de células intersticiais PDGF-A+ foi 7,5 ± 4,3; PDGF-B+ 2,9 ± 2,7, TGF-beta1+ 2,2 ± 1,9 e GM-CSF+ 2,3 ± 1,9. A marcação para PDGF-A foi geralmente intensa, ocorrendo também em endotélio, células musculares lisas e sarcolema; não houve correlação dessa positividade com a quantidade de células intersticiais positivas para os mesmos fatores. TGF-beta1 ocorreu em baixa expressão em 100% dos casos. Em conclusão, PDGF-A e B são, provavelmente, os fatores de crescimento mais relacionados às lesões proliferativas na cardiopatia chagásica crônica e, conseqüentemente, à fibrose. GM-CSF e TGF-beta1 estão pouco expressos. Não houve correlação estatisticamente significante entre os fatores de crescimento e a quantidade de parasita.

Os primórdios da doença

Prata,Aluízio; Dias,João Carlos Pinto; Coura,José Rodrigues
Fonte: Sociedade Brasileira de Medicina Tropical - SBMT Publicador: Sociedade Brasileira de Medicina Tropical - SBMT
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/2011 PT
Relevância na Pesquisa
36.25%
A partir do ciclo enzoótico silvestre do Trypanosoma cruzi, a doença de Chagas humana (DCH) emergiu esparsa e focalmente em diferentes pontos do Continente Americano, havendo inícios de sua ocorrência em épocas pré cristãs. Dispersada por subsequentes hordas de migrações internas, a DCH instalou-se em locais onde os insetos vetores se domiciliavam e diferentes reservatórios se aproximavam dos assentamentos humanos. Ganhou maior expansão no período pós colombiano, em particular entre o final do século XIX e meados do século XX, quando atingiu seus picos de prevalência. Nos primórdios da doença há indícios esparsos de casos agudos, cardiopatia crônica e megacólon em diferentes pontos da Região, mas esses quadros se encontram sujeitos a confusão diagnóstica. Por outro lado, o megaesôfago se mostra o marcador de maior especificidade na DCH, havendo numerosos registros de sua ocorrência em vários pontos do Brasil, especialmente a partir do século XVIII. O peso médico social da DCH corresponde inequivocamente à ocorrência da cardiopatia chagásica crônica, tendo sido a partir justamente de sua caracterização que foram deflagradas em definitivo as ações de controle da enfermidade nos países endêmicos.

Terapia celular na doença de Chagas

Lima,Ricardo S.; Soares,Milena B. P.; Santos,Ricardo R.
Fonte: Associação Brasileira de Hematologia e Hemoterapia e Terapia Celular Publicador: Associação Brasileira de Hematologia e Hemoterapia e Terapia Celular
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/05/2009 PT
Relevância na Pesquisa
46.44%
A doença de Chagas, que ocorre no México e nas Américas Central e do Sul, continua representando um grave problema de saúde pública. A prevalência global da infecção humana pelo Trypanosoma cruzi foi estimada em 16-18 milhões de casos no ano de 2005, sendo corrigida para aproximadamente 28 milhões de pessoas no ano de 2007, segundo a Organização Mundial de Saúde. A cardiopatia chagásica crônica é a forma mais comum de cardiomiopatia nas Américas Central e do Sul e a principal causa de morte por doença cardiovascular em áreas endêmicas. Até o momento não existe nenhum tratamento eficiente para esta doença a não ser o tratamento farmacológico ou o transplante cardíaco nos indivíduos que desenvolvem um quadro mais grave da doença. Trabalhos atuais têm mostrado o uso de células-tronco de várias origens em modelos animais e humanos de doenças do coração, como infarto do miocárdio, destacando uma melhora em aspectos como neovascularização, regeneração do músculo cardíaco, aumento da fração de ejeção e melhora na qualidade de vida dos indivíduos tratados. Estes dados induziram os pesquisadores a investigar os efeitos terapêuticos do transplante de células mononucleares de medula óssea em um modelo murino e em indivíduos chagásicos crônicos. Esta revisão tem por objetivo mostrar os trabalhos realizados usando a terapia celular na cardiopatia chagásica crônica.

Evolução da cardiopatia chagásica crônica humana no sertão do Estado da Paraíba, Brasil, no período de 4,5 anos

Pereira,José Borges; Cunha,Rivaldo Venâncio da; Willcox,Henry P. Faraco; Coura,José Rodrigues
Fonte: Sociedade Brasileira de Medicina Tropical - SBMT Publicador: Sociedade Brasileira de Medicina Tropical - SBMT
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/09/1990 PT
Relevância na Pesquisa
106.73%
Foram desenvolvidos dois estudos seccionais sobre a doença de Chagas crônica, com intervalo de 4,5 anos, envolvendo as populações urbanas dos municípios de Água Branca, Catingueira, Emas, Imaculada, Mãe D'Àgua, Olho D'Àgua, Piancó e São José de Caiana, situados na região do Sertão do Estado da Paraíba. A evolução da cardiopatia foi avaliada em um grupo de 125 pares de pacientes chagásicos crônicos e não-chagásicos do mesmo sexo, idade e município de origem, através do exame eletrocardiográfico (ECG) de repouso. Foram considerados os seguintes tipos de evolução: inalterada - quando não havia mudança no padrão inicial do ECG; progressiva - quando havia mudança no padrão do ECG de normal para alterado ou pelo agravamento das alterações e normalização do ECG. No grupo de chagásicos a evolução inalterada ocorreu em 101 (80,8%)pacientes, progressiva em 13 (10,4%) e normalização do ECG em 11 (8,8%), enquanto no grupo de não-chagásicos foram observadas as mencionadas evoluções respectivamente em 117 (93,6%), 6 (4,8%) e 2 (1,6%) pacientes. Com esses dados podemos afirmar que a proporção de participação do componente etiológico exclusivamente chagásico na progressão da cardiopatia chagásica crônica foi de 5...

Caracterização do eletrocardiograma basal de ratos infectados pelo T. cruzi; The resting electrocardiogram of t. cruzi-infected rats

Bestetti, Reinaldo B.; Soares, Edson G.; Sales-Neto, Vicente N.; Araújo, Rosaly Corrêa de; Oliveira, J. Samuel M.
Fonte: Universidade de São Paulo. Instituto de Medicina Tropical de São Paulo Publicador: Universidade de São Paulo. Instituto de Medicina Tropical de São Paulo
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; ; ; ; Formato: application/pdf
Publicado em 01/08/1987 ENG
Relevância na Pesquisa
46.38%
Cento e vinte e cinco ratos Wistar foram infectados pelo T. cruzi, cepa Colômbia, 2000 parasitas/kg peso corporal, via intraperitoneal, logo após o desmame. Cinqüenta e oito animais sobreviveram à fase aguda da infecção e foram utilizados no presente experimento. Vinte e oito animais semelhantes mas não infectados serviram como controles. O eletrocardiograma basal de cada animal foi registrado quando o rato estava com 6 meses de idade. Para tanto, utilizamos 3 derivações precordials bem como as derivações clássicas a fim de obtermos o mais completo ECG basal possível. Alterações eletrocardiográficas semelhantes às encontradas na Cardiopatia Chagásica Crônica humana, que não tinham sido descritas previamente neste modelo, foram observadas em 44% dos ratos infectados pelo T. cruzi: Desvio do SÂQRS à esquerda (22%). desvio do SÂQRS à direita (7%), complexo QRS bizarro e/ou alargado (14%), supradesni-velamento do ponto J (3%). Com base nestes resultados, acreditamos que o ECG basal constitui importante metodologia para o estudo da, Cardiopatia Chagásica Crônica experimental do rato.; A total of 125 rats were infected with the Colômbia strain of T. cruzi (2000 parasites/g) shortly after weaning. Of these, 58 survived the acute phase and were used in the present experiment. Twenty eight similar but not infected rats served as controls. All rats were submitted to the resting ECG When they were 6 months old. Classic and 3 precordial leads were employed in order to record the ECG as completely as possible. Electrocardiographic changes similar to those found in human chronic Chagas' heart disease and not previously described in this model were found in 44% of the T. cruzi-infected rats: left axis deviation (22%)...

Estudo funcional dos linfócitos T CD8+ na cardiopatia chagásica crônica humana; Functional study of t lymphocytes CD8 + in the human chronic Chagasic cardiopathy

FONSECA, Simone Gonçalves da
Fonte: Universidade de São Paulo. Instituto de Medicina Tropical de São Paulo Publicador: Universidade de São Paulo. Instituto de Medicina Tropical de São Paulo
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; ; ; ; Formato: application/pdf
Publicado em 01/04/2002 ENG
Relevância na Pesquisa
46.06%

Análise quantitativa das lesões cardíacas na cardiomiopatia chagásica crônica canina; Quantitative analysis of cardiac lesions in chronic canine chagasic cardiomyopathy

CALIARI, Marcelo Vidigal; MACHADO, Raquel do Pilar; LANA, Marta de; CAJÁ, Rosângela Aparecida França; CARNEIRO, Cláudia Martins; BAHIA, Maria Teresinha; SANTOS, César Augusto Bueno dos; MAGALHÃES, Gustavo Albergaria; SAMPAIO, Ivan Barbosa Machado; T
Fonte: Universidade de São Paulo. Instituto de Medicina Tropical de São Paulo Publicador: Universidade de São Paulo. Instituto de Medicina Tropical de São Paulo
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; ; ; ; Formato: application/pdf
Publicado em 01/10/2002 ENG
Relevância na Pesquisa
66.52%
As lesões observadas na cardiopatia chagásica crônica frequentemente produzem alterações eletrocardiográficas e afetam a função cardíaca. Através de uma análise morfométrica computadorizada nós quantificamos as áreas ocupadas por músculo cardíaco, tecido conjuntivo fibroso e tecido adiposo no átrio direito de cães experimentalmente infectados pelo Trypanosoma cruzi. Todos os cães infectados apresentaram miocardite crônica fibrosante com graus variáveis de redução de músculo cardíaco, fibrose e substituição por tecido adiposo. No miocárdio atrial dos cães infectados pelas cepas Be78 e Be62 foram observados 34 e 50% de músculo cardíaco, 28 e 32% de fibrose e, 38 e 18% de tecido adiposo, respectivamente. A fibrose observada era tanto difusa quanto focal e, principalmente intrafascicular interrompendo total ou parcialmente o percurso dos feixes musculares. Tais alterações histológicas provavelmente contribuiram para o surgimento dos distúrbios eletrocardiográficos verificados em 10 dos 11 cães estudados e que são comuns na cardiopatia chagásica crônica humana. De todos os achados microscópicos encontrados, a fibrose foi a mais importante por produzir rearranjos na fibras colágenas em relação aos miocardiócitos...