Página 1 dos resultados de 232 itens digitais encontrados em 0.001 segundos

Caracterização cinemática do movimento básico de hidroginástica "polichinelo" a diferentes ritmos de execução

Costa, M.J.; Oliveira, C.; Teixeira, Genoveva; Marinho, D.A.; Silva, A.J.; Barbosa, Tiago M.
Fonte: Sociedade Portuguesa de Biomecânica Publicador: Sociedade Portuguesa de Biomecânica
Tipo: Parte de Livro
POR
Relevância na Pesquisa
27.65%
O estudo teve como objectivo analisar as relações entre a cadência musical e as características cinemáticas de um movimento básico de Hidroginástica. Cinco mulheres jovens com pelo menos um ano de experiência na condução de aulas de Hidroginástica foram filmadas no plano sagital por um par de câmaras, permitindo uma projecção dupla e simultânea de imagens (superfície e subaquática). As mesmas foram obtidas durante a execução do movimento básico “Polichinelo” ao longo de 5 patamares com intensidade crescente (120 b.min-1, 135 b.min-1, 150 b.min-1, 165 b.min-1, 180 b.min-1). Verificou-se uma diminuição do período de ciclo ao longo do protocolo incremental. A cadência musical apresentou uma relação significativa com o deslocamento vertical do centro de massa e da mão. O incremento da cadência induziu um aumento da velocidade lateral do pé. Desta forma, sujeitos experientes na execução do exercício básico de Hidroginástica “Polichinelo” parecem aumentar a velocidade de execução para assim manter o deslocamento dos segmentos inferiores (i.e., pés) com ênfase nos movimentos latero-mediais. No entanto, a mesma opção não se verifica relativamente ao centro de massa e para os segmentos superiores (i.e....

Influência do grupo etário na resposta fisiológica aguda durante a execução do movimento básico de hidroginástica “Cavalo Marinho”

Bartolomeu, Raul Filipe Barbosa
Fonte: Instituto Politécnico de Bragança Publicador: Instituto Politécnico de Bragança
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
27.74%
Introdução: Nos últimos anos a Hidroginástica tem sofrido um aumento significativo no número de praticantes, sendo hoje em dia uma das actividades físicas com maior espectro de idades entre os praticantes que procuram entre outros, uma melhoria da condição física. É no entanto não raramente conotada pela população mais jovem como sendo uma aula para populações idosas, que não podendo fazer parte de uma outra actividade física com uma maior intensidade, optam pela Hidroginástica. Para mudar esta mentalidade é necessário que o professor não só conheça as populações com quem trabalha mas também os níveis de intensidade que pode aplicar a cada uma delas, e como controlar esses níveis de modo a não correrem o risco de sistematicamente promoverem intensidades abaixo da capacidade de muitos praticantes. Objectivo: Aferir a influência do grupo etário nas respostas fisiológicas, durante a execução do exercício básico de Hidroginástica “Cavalo Marinho” com aumentos progressivos da cadência. Métodos: Foram submetidos a um protocolo de incremento progressivo da cadência musical de 15 bpm enquanto realizavam o exercício básico de Hidroginástica “cavalo marinho” 37 indivíduos. Estes estavam divididos estavam separados em dois grupos amostrais...

Caracterização da escolha da cadência preferida no ciclismo a partir de parâmetros biomecânicos e fisiológicos

Soares, Denise Paschoal
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Dissertação Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
27.8%
No ciclismo, existe um fenômeno muito discutido que se relaciona com o ritmo de pedalada: ao contrário do que acontece em situações de caminhada onde os seres humanos utilizam para caminhar uma combinação de comprimento/freqüência de passada que minimiza o gasto energético, vários estudos já demonstraram que a cadência (ritmo de pedalada) preferida é sempre superior a cadência que minimiza o consumo de oxigênio. Os objetivos deste estudo foram: a) caracterizar a escolha da cadência preferida no ciclismo a partir de parâmetros biomecânicos e fisiológicos; e b) analisar o comportamento do momento flexor no joelho com o aumento da cadência. Foi apresentada uma proposta metodológica para o cálculo das variáveis biomecânicas de interesse (momento muscular, potência muscular e eficiência mecânica). Para a obtenção das variáveis, foi utilizado o sistema de vídeo Peak Performance (versão 5.3) a 120Hz; pedal dinamométrico (1880 Hz) e Eletromiógrafo Bortec (1880 Hz), Ergoespirômetro (Medical Graphics Corp.). Foram avaliados sete ciclistas nas cadências de 60, 75, 90 e 105 rpm e na sua cadência preferida, com uma carga correspondente ao limiar ventilatório individual. Os resultados mostraram que a cadência preferida parece estar mais associada a parâmetros biomecânicos do que fisiológicos. Além disso...

Projeto e desenvolvimento de robô cartesiano de baixo custo para manipulação de produtos em linhas de média cadência

Preti, Jeferson
Fonte: Universidade Estadual Paulista (UNESP) Publicador: Universidade Estadual Paulista (UNESP)
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: 134 p. : il.
POR
Relevância na Pesquisa
27.05%
Pós-graduação em Engenharia Elétrica - FEB; Este trabalho apresenta a análise, o projeto e o desenvolvimento de um manipulador robótico industrial de baixo custo, para linhas de produção que demandem menos de 10 ciclos de manipulação por minuto, denominadas de média e baixa cadência. O aparato proposto possui potencial para contribuir na melhoria das condições de utilização de células robóticas no cenário industrial nacional, auxiliando na superação dos desafios existentes para Implantação de células robóticas por pequenas e médias empresas, nomeadamente, custos de implantação, manutenção e reprogramação/reconfiguração. O manipulador robótico industrial foi projetado considerando uma estrutura metálica leve de baixo custo, com elementos mecânicos de precisão média e não dedicados, facilmente encontrados no mercado nacional. Além disso, o manipulador robótico foi projetado para ser capaz de alcançar velocidades médias provendo tempos de ciclo de operação quase equivalentes aos apresentados por robôs polares articulados convencionais, nas mesmas aplicações. O sistema de controle foi concebido para não entregar o dispendioso sistema convencional de hardware centralizado de controle de eixos...

Efeitos da cadência de pedalada nas respostas fisiológicas e no tempo de exaustão do exercício realizado a 100 e 105% da potência crítica em ciclistas treinados

Souza, Kristopher Mendes de
Fonte: Universidade Federal de Santa Catarina Publicador: Universidade Federal de Santa Catarina
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: 95 p.| grafs., tabs.
POR
Relevância na Pesquisa
27.52%
Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Desportos, Programa de Pós-graduação em Educação Física, Florianópolis, 2011; Introdução: A potência crítica (PC) é estabelecida como sendo o limite superior do domínio pesado. Além disso, tem sido demonstrado que a cadência de pedalada influencia nas respostas fisiológicas e no tempo de exaustão (tlim) do exercício realizado nos domínios pesado e severo. Sendo assim, o objetivo deste estudo foi analisar os efeitos de diferentes cadências de pedalada nas respostas fisiológicas e no tlim do exercício realizado na PC e em 105%PC de ciclistas treinados. Metodologia: Participaram deste estudo 13 ciclistas treinados (20 ± 5,1 anos; 70,8 ± 12,2 kg e 179,1 ± 7,2 cm) que realizaram os seguintes testes: um teste incremental para determinação do consumo máximo de oxigênio (VO2max), intensidade correspondente ao VO2max (IVO2max) e limiar anaeróbio (LAn); três testes para determinar o tlim a 95, 100 e 110%IVO2max; seis testes (duas intensidades vs. três cadências) até a exaustão voluntária na PC e 105%PC em diferentes cadências de pedalada (Cadpref-25%, Cadpref e Cadpref+25%) para determinar as respostas fisiológicas consumo de oxigênio (VO2)...

Biomecânica do apoio plantar na subida a ¾ de ponta em dança: Análise da influência da cadência

Jerónimo, Joana Catarina Lourenço
Fonte: Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro Publicador: Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
27.52%
Dissertação de Mestrado em Ciências do Desporto e Educação Física; O pé é o meio através do qual contactamos o solo. Através dele, percepcionamos as alterações do terreno, o que nos permite manter o equilíbrio, fundamental em dança (Pedersen, 2006). Por isso é um dos seus instrumentos mais importantes, e também um dos mais sobrecarregados. Os bailarinos permanecem a maior parte do tempo em ponta (flexão plantar máxima) ou ¾ de ponta (flexão plantar submáxima), submetendo-o a cargas repetidas, em posições nem sempre anatomicamente correctas (Picon, 2002). O objectivo deste estudo foi analisar a influência da cadência na biomecânica do apoio plantar, durante a subida aos ¾ de ponta. Para isso pedimos a uma amostra de 5 bailarinos da CDA com idades compreendidas entre os 20 e 26 anos de idade de ambos os sexos, que realizassem uma subida a ¾ de ponta, ao quarto tempo nas cadências, 92 Moderato, 108 Allegretto, 120 Marcha, 132 Allegro, no metrónomo da marca Kanako. Foram recolhidos dados temporais, dados de pressão, impulsos absolutos e relativos, para todas as regiões anatómicas, foi ainda recolhido o tempo total de contacto do pé da tarefa e calculados dois ratios de pressão médio-lateral. A análise dos dados revelou a diminuição do tempo de contacto do apoio plantar das diferentes regiões com o aumento da cadência. Os resultados deste estudo demonstram a influência da cadência na pressão plantar. No entanto não ajudam a explicar o elevado número de lesões existentes nesta actividade física e artística...

Caracterização e Comparação Cinemática de Movimentos Básicos de Hidroginástica a Diferentes Ritmos de Execução: Análise do “Balanço lateral”

Teixeira, Genoveva Manuela Lobo Marques Coelho
Fonte: Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro Publicador: Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
27.65%
Dissertação de Mestrado em Ciências do Desporto - Actividades de Academia; A Hidroginástica é uma actividade física que, reúne características que estimulam o desenvolvimento das principais componentes da aptidão física [100]. Para Rocha [90], esta é uma actividade que por ser realizada dentro de água, pode ser praticada por indivíduos de diversas faixas etárias, pois oferece uma reduzida carga mecânica sobre o aparelho locomotor, num ambiente supostamente descontraído e agradável do ponto de vista psicológico. O objectivo geral do presente estudo consistiu em analisar a associação entre a cadência e o padrão cinemático, um movimento básico de Hidroginástica “balanço lateral” a diferentes Cadências. A amostra estudada foi constituída por 6 instrutoras de Hidroginástica, do sexo feminino, com pelo menos um ano de experiência na leccionação deste tipo de programas, sem qualquer patologia músculo-esquelética nos últimos seis meses e não grávidas. A metodologia por nós utilizada, consistiu num registo em vídeo no plano frontal, do exercício básico de Hidroginástica “Balanço Lateral”, recorrendo a um par de câmaras, proporcionando assim uma dupla projecção do desempenho acima e abaixo do nível da água...

Caracterização e Comparação Cinemática de um Movimento Básico de Hidroginástica a Diferentes Ritmos de Execução - Análise do Pontapé Lateral

Oliveira, Cristiana da Silva
Fonte: Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro Publicador: Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
27.52%
Dissertação de Mestrado em Ciências do Desporto – Actividades de Academia; O objectivo deste estudo foi analisar as relações entre a cadência musical e as características cinemáticas de um exercício básico de Hidroginástica, quando imerso ao nível do apêndice xifóide. Seis mulheres jovens com pelo menos um ano de experiência na condução de classes de Hidroginástica foram filmadas no plano frontal, com um par de câmaras (uma subaquática e uma de superfície), fornecendo uma projecção dupla superior e inferior ao nível da água, realizando cinco patamares incrementais (120 b.min-1, 135 b.min-1, 150 b.min-1, 165 b.min-1 e 180 b.min-1) do exercício básico Pontapé Lateral. O processamento dos dados e o cálculo das variáveis foram executados usando o software Ariel Performance Analysis System (APAS) e aplicação do algoritmo DLT. Os dados obtidos permitem-nos concluir que houve uma diminuição do período de ciclo ao longo do protocolo incremental. Qualquer relação entre os deslocamentos horizontais ou verticais, com a cadência musical não foi significativa. Relativamente à velocidade e aceleração nas componentes horizontal e vertical, demonstraram um aumento significativo ao longo do protocolo incremental. Assim...

Acumulação diária e pico da cadência de passos, aptidão física e índice de massa corporal de pessoas idosas independentes

Ricardo, Ana Cristóvão
Fonte: Universidade Técnica de Lisboa Publicador: Universidade Técnica de Lisboa
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2014 POR
Relevância na Pesquisa
37.52%
Mestrado em Exercício e Saúde; A preservação ou aumento da atividade física habitual tem constituído uma estratégia de prevenção da saúde e da independência funcional nas pessoas idosas. No entanto, a atividade física pode estar mais ou menos limitada pela aptidão física. O objetivo deste trabalho foi analisar as associações entre a atividade física habitual e a aptidão física de pessoas idosas independentes. Metodologia: A amostra incluiu 472 pessoas idosas independentes (313 mulheres e 159 homens) com idades compreendidas entre os 65 aos 103 anos. O funcionamento físico foi avaliado através do Composite Physical Function (Rikli & Jones, 2013), a atividade física (passos acumulados por dia, cadência máxima de passos num minuto e em 30 minutos) através de acelerometria (ActiGraph, GT1M model, Fort Walton Beach, Florida) e a aptidão física (capacidade aeróbia, força muscular e flexibilidade dos membros superiores e inferiores e agilidade) através do Senior Fitness Test (Rikli & Jones, 1999). Resultados: Foram observadas associações negativas entre as variáveis da atividade física e a idade, tanto nos homens como nas mulheres. O IMC correlacionou-se também negativamente com a atividade física mas somente nas mulheres. Quanto melhor a capacidade aeróbia maiores são os valores das variáveis da atividade física com ou sem ajustamento para a idade e IMC. Comparativamente à capacidade aeróbia...

Estendendo o conceito de cadência para o repertório pós-tonal

Corrêa,Antenor Ferreira
Fonte: Escola de Música da UFMG Publicador: Escola de Música da UFMG
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2012 PT
Relevância na Pesquisa
27.34%
Toma-se o conceito de cadência, tópico do campo da harmonia, com um duplo objetivo: refletir sobre o uso da terminologia musical, expondo certa falta de consenso observada entre autores brasileiros, e exemplificar a permanência do conceito de "cadência" no repertório pós-tonal. Inicia-se com uma revisão histórico/conceitual do tema, investigando como esse assunto é tratado em livros selecionados, seus pontos de contato e divergência, sugerindo, ao final, uma abordagem para a classificação das progressões acórdicas. A seguir, partindo desses entendimentos, intenta-se estender a ideia de função cadencial para o repertório não-tonal, exemplificada com progressões conclusivas e de artifícios de tonicização em obras do século XX.

Amplitude e cadência do passo e componentes da aptidão muscular em idosos: um estudo correlacional multivariado

Farinatti,Paulo de Tarso Veras; Lopes,Leonardo Nobre Codeceira
Fonte: Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte Publicador: Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/10/2004 PT
Relevância na Pesquisa
27.34%
O estudo teve por objetivo verificar a associação de amplitude e cadência do passo com componentes da aptidão muscular (CAM) (flexibilidade, força e resistência muscular de membros inferiores), em 25 mulheres de 60 a 86 anos de idade (média = 79 ± 7 anos), fisicamente independentes e cujas condições clínicas não contra-indicassem a realização dos testes propostos. As seguintes variáveis foram estudadas: a) amplitude e cadência do passo (AMP e CAP); b) peso, estatura e altura sentada em um banco com medida padronizada (44cm); c) marcha estacionária de dois minutos (número de repetições) (RESISR); d) força máxima relativa de extensão de joelhos (carga/peso corporal) (FORCAR); e) flexibilidade de tornozelo e quadril (graus) (FLEXT e FLEXQ). A AMP e CAP foram comparadas com as variáveis dos CAM por meio de técnicas de correlação simples e multivariada. Os resultados indicaram que: a) AMP e CAP associaram-se significativamente com o conjunto das variáveis de força e flexibilidade, conforme sugerido pela boa correlação canônica (r can = 0,79; p < 0,05); b) A AMP teve correlação mais forte com a força máxima e endurance de força que com a flexibilidade de membros inferiores; c) a associação conjunta das variáveis dos CAM (FLEXT...

Efeito da cadência de pedalada sobre as respostas metabólica e cardiovascular durante o exercício incremental e de carga constante em indivíduos ativos

Denadai,Benedito Sérgio; Ruas,Vinícius Daniel de Araújo; Figueira,Tiago Rezende
Fonte: Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte Publicador: Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/10/2005 PT
Relevância na Pesquisa
37.85%
O objetivo central deste estudo foi analisar o efeito da cadência de pedalada (50 x 100rpm) sobre a freqüência cardíaca (FC) e a resposta de lactato sanguíneo durante o exercício incremental e de carga constante em indivíduos ativos. Nove indivíduos ativos do sexo masculino (20,9 ± 2,9 anos; 73,9 ± 6,5kg; 1,79 ± 0,9m) submeteram-se a dois testes incrementais e a 6-8 testes de carga constante para determinação da intensidade correspondente à máxima fase estável de lactato sanguíneo (MLSSintens) nas duas cadências. A potência máxima (Pmax) atingida no teste incremental e a MLSSintens foram significativamente menores a 100rpm (240,9 ± 12,6W; 148,1 ± 15,4W) quando comparada a 50rpm (263,9 ± 18,6W; 186,1 ± 21,2W), respectivamente. A FCmax não se alterou em função da cadência (50rpm = 191,1 ± 8,8bpm; 100rpm = 192,6 ± 9,9bpm). Independentemente da cadência, os percentuais da FCmax (70, 80, 90 e 100%) determinaram as mesmas concentrações de lactato durante o teste incremental. Entretanto, quando a intensidade foi expressa em percentuais da Pmax ou da potência absoluta, os valores de lactato e FC foram sempre maiores na cadência mais alta. A FC correspondente a MLSSintens foi semelhante para as duas cadências analisadas (50rpm = 162...

Comparação das técnicas de alongamento estático e manter-relaxar sobre a flexibilidade, mobilidade, equilíbrio e cadência de idosas hígidas

Dal Paz, Claudinara Botton
Fonte: Universidade Federal do Paraná Publicador: Universidade Federal do Paraná
Tipo: Teses e Dissertações Formato: application/pdf
PORTUGUêS
Relevância na Pesquisa
27.65%
Resumo: O envelhecimento e a diminuição das demandas motoras podem resultar em disfunções músculo esqueléticas, que podem ser minimizadas através de exercícios de alongamento. O presente trabalho teve como objetivo avaliar os efeitos das técnicas de Alongamento Estático (AE) e Manter-Relaxar (MR) sobre a amplitude de movimento (ADM), equilíbrio, mobilidade e cadência de idosas hígidas. Foram selecionadas 29 mulheres com idade de 68 ± 11 anos. As participantes foram divididas aleatoriamente em três grupos: grupo controle (GC) (n=8), grupo AE (GAE) (n=10) e grupo MR (GMR) (n=11). O GC participou juntamente com os demais grupos, de atividades lúdico-culturais. O GAE realizou uma repetição de alongamento mantida por 60 s de AE passivo e o GMR, uma repetição de alongamento mantida por 60 s do alongamento MR. Os exercícios de alongamento foram realizados nos músculos isquiotibiais de ambos os membros inferiores, posteriormente a 10 min de aquecimento, duas vezes por semana, durante quatro semanas consecutivas. Foram realizadas avaliações pré e pós intervenção da ADM dos isquiotibiais por meio de fotogrametria, do equilíbrio, através da escala de equilíbrio de Berg (EEB), da mobilidade, utilizando-se o teste Timed up and go (TUG) e da cadência...

Cadência de pedalada no ciclismo: uma revisão de literatura; Pedaling Cadence in the Ciclism: A Review

Dias, Marcelo Ricardo; Lima, Jorge R. Perrout de; Novaes, Jefferson da Silva
Fonte: Edições Desafio Singular Publicador: Edições Desafio Singular
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: application/pdf
Publicado em 01/03/2007 POR
Relevância na Pesquisa
27.65%
Após décadas de estudos e inúmeras discussões, ainda não há um consenso sobre a cadência ideal de pedalada no ciclismo. O presente estudo teve o objetivo de revisar, de forma sistematizada, estudos científicos que investigaram a eficiência mecânica através das cadências de pedalada no ciclismo. Tais experimentos demonstraram diversos fatores que poderiam ser capazes de alterar a cadência de pedalada ideal e preferida, com isso alterar a eficiência de pedalada. O ponto conclusivo da literatura define as baixas cadências de pedalada como mais econômicas e eficientes que as altas. A cadência ideal para a maioria dos praticantes é, geralmente, mais baixa do que a cadência preferida pelos ciclistas treinados.; After decades of studies and innumerable quarrels, there is not still a consensus on the optimal pedaling rate in the cycling. The present study aimed to review systematically the scientific studies that investigated the mechanical efficiency through the pedaling rates in cycling. Such experiments have demonstrated that diverse factors could be capable to modify the optimal pedaling preferred rate and pedaling efficiency as well. The conclusive point of literature defines the low pedaling cadences as more economic and efficient that the high ones. The ideal cadence for the majority of the practitioners is generally lower than the cadence preferred by the trained cyclists.

Implicações da cadência de pedalada sobre a potência mecânica e o período de contração muscular no ciclismo; Pedaling cadence effects on mechanical power and muscle contraction timing during cycling

JACQUES, Tiago Canal; LANFERDINI, Fábio Juner; BINI, Rodrigo Rico; VAZ, Marco Aurélio
Fonte: Universidade de São Paulo. Escola de Educação Física e Esporte Publicador: Universidade de São Paulo. Escola de Educação Física e Esporte
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Formato: application/pdf
Publicado em 01/09/2014 POR
Relevância na Pesquisa
27.65%
The mechanical energy required to propel the crank may depend on eccentric and concentric muscle actions. However, it is uncertain whether pedaling cadence would elicit changes in concentric and eccentric contributions. Therefore, the purpose of the present study was to investigate the effects of alterations in pedaling cadence on the eccentric and concentric muscle actions. Joint power production and absorption were calculated to assess potential effects from variations in pedaling cadence on joint kinetics. Twenty-one cyclists participated in this study (VO2pico: 64.1 ± 5.0 ml/kg/min; training volume: 368.2 ± 69.5 km/week). In their first session, maximal power output (POMAX) and power output related to the second ventilation threshold (POVT2) were determined during an incremental maximal cycling test to exhaustion. In their second session, cyclists performed two 2-min trials with workload from their POVT2 at two different cadences (70 and 90 rpm). Muscle activation of six muscles, pedal forces and lower limb joint kinematics were evaluated. Longer eccentric contraction at 70 rpm for vastus medialis (8%; p < 0.01) and biceps femoris (20%; p = 0.04) were observed compared to 90 rpm. Longer concentric contraction for vastus medialis muscle (10%; p = 0.04) at 90 rpm was observed compared to 70 rpm. There were no differences in joint power production and absorption among pedaling cadences. No alterations in joint power could indicate maintenance of movement when pedaling cadence is changed. Eccentric contractions from knee muscles could be related to joint control...

Effect of pedal cadence on mechanical power output and physiological variables; Efeitos da cadência de pedalada sobre a potência mecânica e variáveis fisiológicas

Cabral Dias, Marcelo Ricardo; Universidade Castelo Branco, RJ.; Calil e Silva, André; Universidade Castelo Branco, RJ.; Marques Novo Júnior, José; Universidade Federal de Juiz de Fora, MG; Batista, Luiz Alberto; Universidade Castelo Branco, RJ.; Perrou
Fonte: Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, SC. Brasil Publicador: Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, SC. Brasil
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; "Avaliado por Pares",; Avaliado por Pares Formato: application/pdf; application/pdf
Publicado em 05/09/2007 POR; ENG
Relevância na Pesquisa
27.52%
The objective of this study was to compare the responses of the variables maximal power output (POmax), heart rate (HR), rating of perceived exertion (RPE), systolic blood pressure (SBP), diastolic blood pressure (DBP) and double product (DP) in the maximum reached load and during 60 and 90 rev.min-1 tests. The study sample consisted of 14 men (26.5 ± 3.5 years, 78.5 ± 7.8 kg and 178.1 ± 7.0 cm) engaged in indoor cycling classes, who undertook two tests of maximum effort using Balke’s incremental protocol. The fi rst test (test60) consisted of a pedal cadence of 60 rev.min-1 throughout the test, until voluntary exhaustion or the appearance of signs or symptom limits. The second test (test90) was at a pedal cadence of 90 rev.min-1. There were no signifi cant difference between the cadences tested in terms of HRmax (test60: 189.7±12.0 beats.min-1; test90: 190.9±10.7 beats.min-1), RPEmax (test60: 20.0±0.3; test90: 20.0±1.0) or DBPmean (test60: 76.7±4.9 mmHg; test90: 79.1 ± 5.3 mmHg). On the other hand, the values of POmax (test60: 344.6±70.1 W; test90: 285.7±61.8 W), SBPmax (test60: 186.1±14.7 mmHg; test90: 202.1±21.5 mmHg) and DPmax (test60: 35402.9±4431.7; test90: 38655.0±5270.5) were different. In relation to the behavior of the variables during the tests...

La cadencia de la interpretación en la clínica de la urgencia de la neurosis

Fazio,Vanesa P; Mazzia,Valeria²; Sotelo,M. Inés
Fonte: Anuario de investigaciones Publicador: Anuario de investigaciones
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2013 ES
Relevância na Pesquisa
37.34%
El presente trabajo se enmarca en la investigación UBACyT 2012-2015 “Los dispositivos para alojar la urgencia, desde la mirada de los profesionales, psiquiatras y psicólogos, que intervienen en ellos”, dirigida por Inés Sotelo. El propósito es trazar estrategias para la atención a la demanda en urgencia en Salud Mental y su prevención. En esta oportunidad, nos proponemos poner en consideración la interpretación analítica como orientadora de la atención a la demanda en urgencias en casos de neurosis. Para ilustrar la lógica de la intervención del analista, recurriremos a un término tomado de la música: la cadencia. Pensamos que este término puede ser representativo de cómo la labor interpretativa del analista puede convocar la producción de un significante en el cual el sujeto se represente, aún en los momentos de crisis. Asimismo, se harán referencias respecto de la cuestión del tiempo y su relación con la clínica de la urgencia. La intervención del analista, en la clínica de la urgencia de la neurosis, posibilitará que aquello que se presenta como ajeno al sujeto, la crisis, pueda subjetivarse e inaugurar un nuevo tiempo. Tiempo de resolución de la urgencia y de apertura de una eventual demanda de análisis.

¿Es suficiente recomendar a los pacientes salir a caminar?: importancia de la cadencia

Cristi-Montero,Carlos
Fonte: Nutrición Hospitalaria Publicador: Nutrición Hospitalaria
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; journal article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion Formato: text/html; application/pdf
Publicado em 01/08/2013 SPA
Relevância na Pesquisa
37.65%
Introducción: Existe fuerte evidencia científica sobre los beneficios que conlleva seguir un estilo de vida activo. La actividad física más característica e inherente al ser humano es la marcha, la que hoy en día es promovida por diversos profesionales para mejorar el estado de salud de la población. No obstante, al parecer no solo basta con sugerir "salga a caminar" pues es necesario alcanzar cierta cantidad de pasos y cadencia con la finalidad de inducir en el organismo una serie de efectos beneficiosos. Objetivos: El objetivo del presente trabajo es dar a conocer los últimos avances relacionados con esta materia, con el propósito de poder entregar a la población y pacientes recomendaciones más detalladas a la hora de prescribir y sugerir caminar. Métodos: Se realizó una búsqueda bibliográfica en Pubmed y Scielo, así como una búsqueda manual entre las referencias de los estudios seleccionados. Resultados: Tras analizar la literatura se puede señalar que no solo parece ser importante cumplir cierta cantidad de pasos durante el día con la finalidad de mejorar el estado de salud de las personas, además parece ser indispensable sugerir la cadencia a la que se debiera caminar. Conclusiones: "Salga a caminar" es una efectiva y contrastada recomendación para lograr beneficios en la salud de la población...

Efeito da cadência de pedalada sobre arelação entre o limiar anaeróbio e máxima fase estável de lactato em indivíduos ativos do sexo masculino

Ruas,VDA; Figueira,TR; Caputo,F; Barbeitos,DF; Denada,BS
Fonte: Faculdade de Desporto da Universidade do Porto Publicador: Faculdade de Desporto da Universidade do Porto
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/2006 PT
Relevância na Pesquisa
27.34%
O objetivo deste estudo foi analisar a influência da cadência de pedalada na validade do limiar anaeróbio (LAn) em predizer a carga correspondente à máxima fase estável de lactato (MLSScarga), durante o exercício realizado no cicloergômetro. Vinte e oito indivíduos, fisicamente ativos, do sexo masculino (21,7 + 3,5 anos, 72,7 + 10,1 kg, 177,0 + 4,5 cm) realizaram em uma bicicleta de frenagem mecânica um teste incremental máximo, para determinar o LAn e de 2 a 4 testes de carga constante, para determinar a MLSScarga. Os testes foram realizados nas cadências de 50, 60, 70 e 100 rpm. O LAn foi determinado como sendo a carga correspondente a 3,5 mM de lactato sanguíneo. A MLSScarga foi definida como a maior carga na qual a concentração de lactato sanguíneo não aumentou mais do que 1,0 mM entre o 10º e o 30º minuto do teste de carga constante. Não houve diferença significante entre a MLSScarga (50 rpm = 187,1 + 26,7 ; 60 rpm = 182,8 + 31,0; 70 rpm = 180,2 + 24,5 e; 100 rpm =154,5 + 24,8 Watts e o LAn (50 rpm = 189,8 + 31,5; 60 rpm = 175,2 + 37,8; 70 rpm = 187,2 + 28,0 e; 100 rpm = 142,9 + 23,9 Watts ) em nenhuma das cadências analisadas. Com exceção da cadência de 100 rpm (r = 0,59; p > 0,05), o LAn foi significantemente correlacionado com a MLSScarga(50 rpm - r = 0...

Cadência de Pedalada no Ciclismo: Uma Revisão de Literatura

Dias,Marcelo Ricardo; Lima,Jorge R. Perrout de; Novaes,Jefferson da Silva
Fonte: Edições Desafio Singular Publicador: Edições Desafio Singular
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/2007 PT
Relevância na Pesquisa
37.74%
Após décadas de estudos e inúmeras discussões, ainda não há um consenso sobre a cadência ideal de pedalada no ciclismo. O presente estudo teve o objetivo de revisar, de forma sistematizada, estudos científicos que investigaram a eficiência mecânica através das cadências de pedalada no cilcismo. Tais experimentos demonstraram diversos fatores que poderiam ser capazes de alterar a cadência de pedalada ideal e preferida, com isso alterar a eficiência de pedalada. O ponto conclusivo da literatura define as baixas cadências de pedalada como mais econômicas e eficientes que as altas. A cadência ideal para a maioria dos praticantes é, geralmente, mais baixa do que a cadência preferida pelos ciclistas treinados.