Página 1 dos resultados de 6766 itens digitais encontrados em 0.027 segundos

Percepção da vulnerabilidade entre mulheres com diagnóstico avançado do câncer do colo do útero; Perceiving vulnerability among women with advanced diagnosis of uterine cervical cancer; La percepción de la vulnerabilidad entre mujeres con diagnóstico de cáncer cervical avanzado

PIMENTEL, Angela Vieira; PANOBIANCO, Marislei Sanches; ALMEIDA, Ana Maria de; OLIVEIRA, Iácara Santos Barbosa
Fonte: Universidade Federal de Santa Catarina, Programa de Pós Graduação em Enfermagem Publicador: Universidade Federal de Santa Catarina, Programa de Pós Graduação em Enfermagem
Tipo: Artigo de Revista Científica
POR
Relevância na Pesquisa
56.23%
Estudo descritivo, de abordagem qualitativa, que objetivou compreender a percepção da vulnerabilidade à doença, entre mulheres com diagnóstico avançado do câncer do colo do útero, tendo como referencial, a vulnerabilidade. Participaram doze mulheres que estavam em atendimento ambulatorial hospitalar, para tratamento do câncer cérvico-uterino avançado. Os dados foram coletados por entrevistas e analisados por Análise de Conteúdo. Dos resultados emergiram duas categorias temáticas: Percebendo-se vulnerável na descoberta da doença e Percebendo-se vulnerável na realização do tratamento. Fatores relacionados à cliente, profissionais, serviços, entre outros, tornaram a mulher suscetível aos problemas e danos de saúde, relativos ao câncer cérvico-uterino, exacerbando sua vulnerabilidade à doença. É necessário superar deficiências no modelo de assistência e humanização do atendimento, no grau de compromisso e qualidade das instituições, dos recursos, gerenciamento e monitoramento dos programas de prevenção e detecção do câncer do colo do útero, nos diferentes níveis de atenção.; This descriptive qualitative study aimed to comprehend perceptions of vulnerability to disease among women diagnosed with advanced cervical cancer. Twelve women who were receiving outpatient hospital care in treating advanced cervical cancer participated in the study. Data was collected through interviews and analyzed via content analysis. The results highlight two themes: Perceiving oneself as vulnerable in discovering the disease; and Perceiving oneself vulnerable in carrying out treatment. Factors related to the client...

Prevalência do HPV em mulheres rastreadas para o câncer cervical; Prevalence of genital HPV infection among women screened for cervical cancer

RAMA, Cristina Helena; ROTELI-MARTINS, Cecilia Maria; DERCHAIN, Sophie Françoise Mauricette; LONGATTO FILHO, Adhemar; GONTIJO, Renata Clementino; SARIAN, Luís Otávio Zanatta; SYRJANEN, Kari Juhani; ALDRIGHI, José Mendes
Fonte: São Paulo Publicador: São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica
POR; ENG
Relevância na Pesquisa
56.17%
OBJETIVO: Analisar a prevalência da infecção genital por papilomavírus humano (HPV) de alto risco por faixa etária e fatores associados. MÉTODOS: Estudo transversal com amostra de 2.300 mulheres (15-65 anos) que buscaram rastreamento para o câncer cervical entre fevereiro de 2002 e março de 2003 em São Paulo e Campinas, estado de São Paulo. Aplicou-se questionário epidemiológico e realizou-se coleta cervical para citologia oncológica e teste de captura híbrida II. As análises estatísticas empregadas foram teste de qui-quadrado de Pearson e análise multivariada pelo método forward likelihood ratio. RESULTADOS: A prevalência total da infecção genital por HPV de alto risco foi de 17,8%, distribuída nas faixas etárias: 27,1% (<25 anos), 21,3% (25-34 anos), 12,1% (35-44 anos), 12,0% (45-54 anos) e de 13,9% (55-65 anos). Participantes com maior número de parceiros sexuais durante a vida apresentaram maior freqüência da infecção. Relacionamento estável, idade de 35 a 44 anos e ex-fumantes foram associados à proteção da infecção. A infecção genital por HPV de alto risco ocorreu em 14,3% das citologias normais, em 77,8% das lesões escamosas de alto grau e nos dois (100%) casos de carcinoma. CONCLUSÕES: A prevalência da infecção genital por HPV de alto risco na amostra estudada foi alta. Houve predomínio de casos abaixo dos 25 anos e tendência a um novo aumento após os 55 anos...

Idade e prevalência da infecção genital por papilomavírus humano de alto risco em mulheres submetidas a rastreamento para câncer cervical; Age and prevalence of high risk human papilomavirus genital infection in women submitted to cervical cancer screening

Rama, Cristina Helena
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 06/07/2006 PT
Relevância na Pesquisa
56.25%
Introdução: A relação causal entre infecção genital por papilomavirus humano (HPV) de alto risco e o câncer do colo uterino está bem estabelecida; porém, há controvérsias em diferentes populações quanto à prevalência e distribuição da infecção em relação à idade. Objetivos: Caracterizar, pela Captura Híbrida II (CHII), a prevalência da infecção genital por HPV de alto risco e sua estratificação por idade. Verificar a associação da infecção com fatores de risco, resultados da citologia oncológica (CO), da colposcopia e da biópsia cervical. Casuística e Métodos: Em estudo transversal estudou-se 2300 mulheres (15-65 anos) que buscaram rastreamento para o câncer cervical. Aplicou-se questionário epidemiológico e foi feita a coleta da CO e da CHII, no caso de alteração em destes exames ou ambos indicou-se colposcopia e, nos casos anormais, procedeu-se à biópsia cervical. Resultados: A prevalência da infecção genital por HPV de alto risco em toda amostra foi de 17,8%: 27% (<25 anos), 21% (25-34 anos), 12% (35-54 anos) e de 14% (55-65 anos). Participantes com maior número de parceiros sexuais durante a vida apresentaram uma maior chance de infecção, relacionamento estável, idade entre 30 a 54 anos e ser ex-fumante foram fatores associados à proteção da infecção. Encontrou-se 204 (8...

Consumo alimentar e concentrações séricas de micronutrientes: associação com lesões neoplásicas e câncer cervical; Diet and serum micronutrientes: association with cervical neoplasia and cancer

Tomita, Luciana Yuki
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 19/10/2007 PT
Relevância na Pesquisa
66.3%
O câncer cervical é o segundo câncer mais comum entre as mulheres em todo o mundo. A infecção por Papilomavirus (HPV) do tipo oncogênico é causa necessária. Estudos internacionais sugerem importante papel de carotenóides e tocoferóis séricos e dietéticos na redução do risco para lesões precursoras, mas os resultados dos estudos prévios são inconsistentes. Indivíduos e métodos: O presente estudo de casos e controles de base hospitalar conduzido na cidade de São Paulo analisou a associação entre concentrações séricas de carotenóides (licopeno, β-caroteno), tocoferóis (α- e γ-), consumo alimentar e casos incidentes, com confirmação histopatológica, de neoplasia intraepitelial cervical (NIC) graus 1,2,3 e câncer cervical. O estudo incluiu 453 mulheres do grupo controle (sem lesões de colo uterino) e 4 grupos de casos (NIC1, n=140; NIC2, n=126; NIC3, n=231; câncer cervical, n=108) recrutadas em dois hospitais públicos de referência entre 2003 e 2005. Resultados. A concentração sérica de licopeno foi inversamente associada à NIC1, NIC3 e câncer cervical com os seguintes Odds Ratio (OR) (intervalo de confiança de 95%), respectivamente: 0,53 (0,27-1,00; p de tendência=0,05); 0,48 (0...

Existe câncer cervical HPV negativo?; Does HPV negative invasive cervical cancer exist?

Oliveira, Cristina Mendes de
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 14/12/2011 PT
Relevância na Pesquisa
56.27%
O câncer no colo do útero é o segundo tipo de neoplasia maligna mais prevalente nas mulheres no mundo todo e o seu rastreamento é realizado através do exame microscópico das células esfoliadas da mucosa cervical, o teste de Papanicolaou. Partindo-se da premissa que a infecção por Papilomavírus Humano oncogênico (HRHPV) é condição necessária para o desenvolvimento desta neoplasia, tem-se avaliado a possibilidade de empregar-se para a mesma finalidade, o rastreio, métodos que detectam o material genético viral. Estudos recentes demonstraram que estes testes moleculares apresentam maior sensibilidade e a substituição do teste citológico pelos moleculares vem ocorrendo em alguns países. O monitoramento da resposta ao tratamento das pacientes com câncer cervical é realizado por meio de testes inespecíficos como exames de imagem. Portanto, é desejável o desenvolvimento de um teste específico, não invasivo capaz de detectar precocemente a recidiva. Este estudo investigou a freqüência e os tipos de HPV presentes em tumores cervicais de pacientes brasileiras, e verificou a ocorrência de resultados HPV-negativos pelos testes moleculares, procurando investigar as causas de possíveis falhas dos testes. Além disso...

Análise da coinfecção entre ureaplasmas e o vírus do Papiloma Humano (HPV) em amostras cervicais e em um modelo de estudo "in vitro" de queratinócitos primários humanos (PHK).; Analysis of co-infection among ureaplasmas and the Human Papilloma Vírus (HPV) in cervical samples and in a infection model in vitro in primary human keratinocytes (PHK).

Amorim, Aline Teixeira
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 30/04/2015 PT
Relevância na Pesquisa
56.19%
O desenvolvimento do câncer cervical depende da exposição ao HPV, fator necessário, mas não suficiente. Outras bactérias, tais como ureaplasmas, têm sido associadas como cofatores. O objetivo deste estudo foi avaliar a presença de ureaplasmas em mulheres com lesão cervical, e observar alterações em PHK causadas pela infecção por ureaplasmas. 140 swabs vaginais foram coletados. O material foi submetido a PCR para a detecção de HPV, Mollicutes, U. urealyticum, U. parvum e seus sorotipos, e outras bactérias de importância ginecológica; e qPCR para U. urealyticum e U. parvum. Também foi realizada a infecção de ureaplasmas em PHK transformados com HPV. As células foram contadas e realizou-se a dosagem das citocinas IL1-β, IL-6 e TNF-α. HPV, Mollicutes, U. parvum, sorotipos 1 e 6 de U. parvum, T. vaginalis e G. vaginalis, além de alguns fatores socioeconômicos, foram associados com lesão cervical. Verificou-se maior carga de U. parvum entre mulheres com lesão. Houve diminuição do número de células e maior liberação de IL-6 e TNF-α nos grupos infectados. Com os resultados obtidos neste estudo, foi possível verificar uma associação entre os ureaplasmas e HPV no início das lesões cervicais...

Avaliação da relação da dppiv/cd26 com mecanismos tumorais em células de câncer cervical humano

Beckenkamp, Aline
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Dissertação Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
56.21%
O câncer cervical é uma das neoplasias mais prevalentes, sendo a segunda mais frequente em mulheres no Brasil. A exoprotease dipeptidil-peptidase IV (DPPIV), também conhecida como CD26, é uma enzima encontrada em uma diversidade de células, e sua atividade enzimática e interação com outras proteínas parecem ser fundamentais para o controle da transformação maligna e progressão tumoral. Esta enzima é encontrada ancorada na membrana celular e também como uma isoforma solúvel (DPPIV/sCD26), ativa em fluidos biológicos. Pesquisas demonstram que alterações em sua expressão e atividade têm sido observadas em diversos tumores. Tendo em vista a relação entre a DPPIV/CD26 e o câncer, neste estudo investigamos a atividade e expressão da DPPIV/CD26 em linhagens celulares de câncer cervical (SiHa, HeLa and C33A) e de queratinócitos imortalizados (HaCaT). A atividade enzimática também foi monitorada na presença do inibidor específico da DPPIV/CD26, o fosfato de sitagliptina. Avaliamos também a relação desta enzima com os mecanismos de migração e adesão celular. Nossos resultados demonstram que todas as linhagens estudadas apresentam atividade enzimática DPPIV/CD26 ligada à membrana e solúvel, sendo superior nas linhagens SiHa e HaCaT. Confirmamos que esta atividade é atribuída à DPPIV/CD26 pela inibição da sua atividade enzimática na presença de fosfato de sitagliptina. Uma maior expressão do gene da DPPIV/CD26 foi observada nas linhagens HaCaT e SiHa...

Contribruição da inspeção visual com acido acetico e da captura hibrida II como metodos adjuntos a colpocitologia oncologica na detecção das lesões precursoras e/ou do cancer cervical

Joana Froes Bragança Bastos
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 06/07/2004 PT
Relevância na Pesquisa
56.12%
OBJETIVO: avaliar a contribuição da inspeção visual com ácido acético e da captura híbrida II como métodos adjuntos à colpocitologia oncológica na detecção das lesões precursoras ou câncer cervical. SUJEITOS E MÉTODOS: realizou-se inicialmente um estudo descritivo de corte transversal e posteriormente validação de teste diagnóstico. Foram incluídas 809 mulheres (18 a 64 anos) atendidas no Centro de Atenção Integral à Saúde da Mulher da Universidade Estadual de Campinas, de janeiro de 2002 a julho de 2003. Na primeira consulta, as mulheres responderam a um questionário pré-estruturado e todas foram submetidas a exame ginecológico que consistiu em coleta de material para olpocitologia oncológica com espátula de Ayres e escova endocervical; coleta de material para detecção de papilomavírus humano de alto risco oncogênico por captura híbrida II; inspeção visual, com aplicação de ácido acético a 5% e colposcopia com biópsia dirigida das áreas anormais. Para avaliar a associação entre o resultado de cada exame de rastreamento e o resultado da colposcopia foi calculada a razão de prevalência com intervalo de confiança a 95%. Para avaliar o desempenho dos exames de rastreamento na detecção de lesão histológica foram calculadas a sensibilidade e a especificidade...

Detecção molecular do DNA e RNAm do HPV e sua aplicabilidade na triagem do câncer cervical

Martins, Toni Ricardo
Fonte: Universidade Federal de Santa Catarina Publicador: Universidade Federal de Santa Catarina
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: 130 p.| il., grafs., tabs.
POR
Relevância na Pesquisa
56.25%
Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências da Saúde, Programa de Pós-Graduação em Farmácia, Florianópolis, 2011; O câncer de colo uterino representa o segundo tipo de câncer mais comum entre as mulheres. As estimativas mundiais sobre incidência e mortalidade por este câncer são de 493.000 casos/ano e 288.000 óbitos/ano, sendo a incidência maior em países em desenvolvimento. No Brasil, para o ano de 2010, segundo dados do Instituto Nacional do Câncer (INCA) estimou-se 18.430 novos casos. O rastreamento do câncer cervical é baseado na citologia oncótica, entretanto este é um método subjetivo, com um grau variável de resultados falso-negativos e falso-positivos. Estudos epidemiológicos e experimentais demonstram importante associação entre o Papiloma Vírus Humano (HPV) e o câncer de colo uterino, observando que este agente está presente em 99,7% dos casos. Este estudo detectou o DNA do HPV pela PCR (PCRHPV) utilizando os iniciadores consenso MY09/MY11 e nested PCR com os iniciadores GP5+/GP6+, a expressão de E6/E7 RNAm dos tipos de HPVs de alto risco 16, 18, 31, 33 e 45 pela metodologia NASBA (NucliSens ® HPV EasyQ 1.0-BioMérieux, France) e identificou os principais tipos virais: 6...

Prevalência do HPV em mulheres rastreadas para o câncer cervical

RAMA, Cristina Helena; ROTELI-MARTINS, Cecilia Maria; DERCHAIN, Sophie Françoise Mauricette; LONGATTO-FILHO, Adhemar; GONTIJO, Renata Clementino; SARIAN, Luís Otávio Zanatta; SYRJÄNEN, Kari; ALDRIGHI, José Mendes
Fonte: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo Publicador: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica
POR
Relevância na Pesquisa
56.14%
OBJETIVO: Analisar a prevalência da infecção genital por papilomavírus humano (HPV) de alto risco por faixa etária e fatores associados. MÉTODOS: Estudo transversal com amostra de 2.300 mulheres (15-65 anos) que buscaram rastreamento para o câncer cervical entre fevereiro de 2002 e março de 2003 em São Paulo e Campinas, estado de São Paulo. Aplicou-se questionário epidemiológico e realizou-se coleta cervical para citologia oncológica e teste de captura híbrida II. As análises estatísticas empregadas foram teste de qui-quadrado de Pearson e análise multivariada pelo método forward likelihood ratio. RESULTADOS: A prevalência total da infecção genital por HPV de alto risco foi de 17,8%, distribuída nas faixas etárias: 27,1% (<25 anos), 21,3% (25-34 anos), 12,1% (35-44 anos), 12,0% (45-54 anos) e de 13,9% (55-65 anos). Participantes com maior número de parceiros sexuais durante a vida apresentaram maior freqüência da infecção. Relacionamento estável, idade de 35 a 44 anos e ex-fumantes foram associados à proteção da infecção. A infecção genital por HPV de alto risco ocorreu em 14,3% das citologias normais, em 77,8% das lesões escamosas de alto grau e nos dois (100%) casos de carcinoma. CONCLUSÕES: A prevalência da infecção genital por HPV de alto risco na amostra estudada foi alta. Houve predomínio de casos abaixo dos 25 anos e tendência a um novo aumento após os 55 anos...

Co-fatores do HPV na oncogênese cervical

PINTO,ÁLVARO P.; TULIO,SIUMARA; CRUZ,OLÍVIA RUSSO
Fonte: Associação Médica Brasileira Publicador: Associação Médica Brasileira
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/03/2002 PT
Relevância na Pesquisa
55.99%
O papilomavírus humano (HPV) exerce um papel central na carcinogênese do colo uterino. Em torno a ele orbitam outros fatores que influenciam direta ou indiretamente a instalação deste mecanismo no epitélio escamoso cervical. Investigações a respeito dos mecanismos de atuação e interação desses co-fatores com os elementos virais encontram-se na literatura dos últimos 20 anos. O presente artigo de revisão explora os possíveis co-fatores do HPV na gênese do carcinoma escamoso do colo uterino, levando em conta apenas os fatores cuja associação com o vírus ou câncer cervical tenha sido documentada experimentalmente, e não apenas clínica ou epidemiologicamente. Dentre os parâmetros abordados estão os fatores imunológicos (resposta imune local e humoral), a associação com a Síndrome da Imunodeficiência Adquirida Humana, fatores genéticos como o polimorfismo da proteína p53, o tabagismo e o uso de contraceptivos orais. Todos estes fatores interagem em menor ou maior intensidade com oncoproteínas e outros elementos do HPV, potencializando a ação do vírus na célula hospedeira e facilitando o desenvolvimento dos processos de imortalização e carcinogênese.

Biologia molecular do câncer cervical

Rivoire,Waldemar Augusto; Corleta,Helena Von Eye; Brum,Ilma Simoni; Capp,Edison
Fonte: Instituto de Medicina Integral Prof. Fernando Figueira Publicador: Instituto de Medicina Integral Prof. Fernando Figueira
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/2006 PT
Relevância na Pesquisa
56.11%
A carcinogênese é um processo de múltiplas etapas. Alterações no equilíbrio citogenético ocorrem na transformação do epitélio normal a câncer cervical. Numerosos estudos apoiam a hipótese de que a infecção por HPV está associada com o desenvolvimento de alterações malignas e pré-malignas do trato genital inferior. Neste trabalho são apresentadas as bases para a compreensão da oncogênese cervical. O ciclo celular é controlado por proto-oncogenes e genes supressores. Quando ocorrem mutações, proto-oncogenes tornam-se oncogenes, que são carcinogênicos e causam multiplicação celular excessiva. A perda da ação de genes supressores funcionais pode levar a célula ao crescimento inadequado. O ciclo celular também pode ser alterado pela ação de vírus, entre eles o HPV (Human Papiloma Virus), de especial interesse na oncogênese cervical. Os tipos de HPV 16 e 18 são os de maior interesse, freqüentemente associados a câncer cervical e anal. O conhecimento das bases moleculares que estão envolvidas na oncogênese cervical tem sido possível devido a utilização de técnicas avançadas de biologia molecular. A associação destas técnicas aos métodos diagnósticos clássicos, poderão levar a uma melhor avaliação das neoplasias cervicais e auxiliar no desenvolvimento de novas terapias...

Avaliação de 4 tipos de Papilomavírus humano na região metropolitana do Recife (PE) e a incidência de câncer cervical: discussão da relação entre os tipos virais com as vacinas profiláticas

Fernanda Piffer Tomasi Baldez da Silva, Maria; Beçak, Willy (Orientador)
Fonte: Universidade Federal de Pernambuco Publicador: Universidade Federal de Pernambuco
Tipo: Outros
PT_BR
Relevância na Pesquisa
66.03%
Existe uma relação bem definida entre os diferentes tipos de papilomavirus humano e a incidência de câncer cervical na região metropolitana do Recife, Pernambuco assim como em outras Regiões do Brasil. O conhecimento que se tem hoje a respeito do papilomavírus humano é muito amplo quando se fala de genoma viral, modo de infecção, estágios de progressão da doença e atualmente processos vacinas. Porém, quando se fala de um vírus tão comumente disseminado pela população, mas que apresenta diferentes aspectos em relação a características específicas quanto ao país, tipo celular e tipo viral, os estudos têm de ser diferentemente estruturados. Nosso estudo avaliou a incidência dos diferentes tipos de HPV e sua relação com tipo de lesão em amostras de material cervical de pacientes recebidas em unidade do Serviço de Saúde Publico da região metropolitana de Recife para os tipos mais prevalentes. Pudemos comprovar que existe uma alta incidência do HPV 16, seguidos pelos tipos 31 e 33, diferentemente das demais regiões brasileiras. Tais dados colocam em questão se as vacinas profiláticas lançadas atualmente no mercado podem ou não atender as necessidades da região metropolitana do Recife (PE); Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico

Cervical Cancer: Analysis of the Quality of a Program; Cáncer de cuello uterino: análisis de la calidad de un programa; Câncer cervical: análise da qualidade de um programa

Noreña Quiceno, Cielo; Tamayo Acevedo, Lucía Stella
Fonte: Aquichan Publicador: Aquichan
Tipo: Artigo de Revista Científica
SPA
Relevância na Pesquisa
66.23%
Objetivo: evaluar la calidad del Programa de detección temprana y control del cáncer de cuello uterino en una Unidad Prestadora de Servicios de Salud, de la Empresa Social del Estado Metrosalud, Medellín, Colombia, 2006-2008. Metodología: estudio descriptivo transversal. Se siguió el método de evaluación de programas de salud en los componentes problema, estructura, procesos y resultados propuesto por Avedis Donabediam, a partir de diferentes técnicas de recolección de información. Se hizo análisis estadístico descriptivo univariado y bivariado, y cualitativo de textos. Resultados: aunque este cáncer se considera un problema de salud pública, se carece de un programa estructurado para la intervención. Las actividades se centran en la detección y la prevención. Para su ejecución se dispone, en general, de los recursos humanos, físicos, materiales y económicos requeridos; la auxiliar de enfermería desarrolla la mayor parte de las actividades; el médico ordena tratamientos y remite usuarias a otro nivel según la red de servicios. Todas las usuarias reconocen la importancia del programa, la mayoría expresó satisfacción con la atención recibida. Conclusiones: el programa de detección temprana y control de cáncer de cuello uterino debe fortalecer todos sus componentes con mayor eficiencia y eficacia para lograr mejor impacto en la salud de las mujeres...

Estudo genético e epigenético no prognóstico do câncer cervical por meio da verificação de HPV de baixo e alto risco e da metilação e não metilação dos genes RARβ, TIMP3, CDH1 E MGMT; Study genetic and epigenetic on prognosis of cervical cancer by means of verification of HPV of low and high risk and methylation and unmethylation genes RARβ, TIMP3, CDH1 E MGMT

D'Alessandro, Aline Almeida Barbaresco
Fonte: Universidade Federal de Goiás; Brasil; UFG; Programa de Pós-graduação em Medicina Tropical e Saúde Publica (IPTSP); Instituto de Patologia Tropical e Saúde Pública - IPTSP (RG) Publicador: Universidade Federal de Goiás; Brasil; UFG; Programa de Pós-graduação em Medicina Tropical e Saúde Publica (IPTSP); Instituto de Patologia Tropical e Saúde Pública - IPTSP (RG)
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
66.27%
The human papillomavirus (HPV) is a major etiologic factor in the development of cervical cancer, DNA virus primarily infects the epithelium and may induce benign and malignant lesions of the mucous membranes and skin. Carcinogenesis is a multistep process that involves both changes genetic and epigenetic. The two changes epigenetic most studied are DNA methylation and histone acetylation. DNA methylation may be related development to cancer, and their presence or absence can affect the prognosis. The objective of this study was to evaluate the prognosis of patients with cervical cancer in stages I and II through the verification of HPV high and low risk, and the presence and absence of genes methylated and unmethylated RARβ, TIMP3, CDH1 and MGMT. We analyzed 129 records and samples of paraffin embedded biopsies of patients with cervical cancer in stages I and II. Detection of HPV - DNA was performed by PCR for HPV DNA of low and high oncogenic risk and MSP-PCR to detect the genes methylated or not, RARβ, TIMP3, CDH1 and MGMT. The calculation of survival used the Kaplan-Meier method and the log-hank test to compare means of survival between the prognostic factors for cervical cancer. The overall survival at 60 months of patients with the presence of RARβ...

Prevalência do HPV em mulheres rastreadas para o câncer cervical; Prevalence of genital HPV infection among women screened for cervical cancer

Rama, Cristina Helena; Roteli-Martins, Cecilia Maria; Derchain, Sophie Françoise Mauricette; Longatto-Filho, Adhemar; Gontijo, Renata Clementino; Sarian, Luís Otávio Zanatta; Syrjänen, Kari; Aldrighi, José Mendes
Fonte: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública Publicador: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; ; ; ; Formato: application/pdf; application/pdf
Publicado em 01/02/2008 POR; ENG
Relevância na Pesquisa
56.14%
OBJETIVO: Analisar a prevalência da infecção genital por papilomavírus humano (HPV) de alto risco por faixa etária e fatores associados. MÉTODOS: Estudo transversal com amostra de 2.300 mulheres (15-65 anos) que buscaram rastreamento para o câncer cervical entre fevereiro de 2002 e março de 2003 em São Paulo e Campinas, estado de São Paulo. Aplicou-se questionário epidemiológico e realizou-se coleta cervical para citologia oncológica e teste de captura híbrida II. As análises estatísticas empregadas foram teste de qui-quadrado de Pearson e análise multivariada pelo método forward likelihood ratio. RESULTADOS: A prevalência total da infecção genital por HPV de alto risco foi de 17,8%, distribuída nas faixas etárias: 27,1% (; OBJECTIVE: To assess the prevalence of high-risk genital human papillomavirus (HPV) infection by age group and risk factors associated. METHODS: Cross-sectional study in a sample of 2,300 women (15-65 years old) who self-referred to cervical cancer screening in Sao Paulo and Campinas, Southeastern Brazil, between February 2002 and March 2003. An epidemiological questionnaire was applied and cervical specimens were obtained for cytology and hybrid capture II test (HCII) for HPV detection. Statistical analysis included Pearson Chi-square and unconditional multiple logistic regression model (forward likelihood ratio). RESULTS: High-risk genital HPV infection prevalence in this sample was 17.8% and age distribution was as follows: 27.1% (

Detecção precoce de câncer cervical segundo discursos de parteiras na atenção primária em Segóvia, Espanha; Detección precoz de cáncer de cérvix según los discursos de las matronas de atención primaria en Segovia, España; Early detection of cervical cancer according to the discourses of primary care midwives in Segovia, Spain

Otero, Laura; Sanz, Belén; Blasco, Teresa
Fonte: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública Publicador: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; ; ; ; Formato: application/pdf; application/pdf
Publicado em 01/10/2011 SPA; ENG
Relevância na Pesquisa
56.25%
OBJETIVO: Analisar os discursos das parteiras atuantes na atenção primária sobre o acesso e utilização do Programa Preventivo de Câncer Cervical. PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS: Estudo qualitativo realizado em Segóvia, em uma área de baixa densidade populacional na Espanha, com alta proporção de populações rurais e imigrantes, de 2008 a 2009. Utilizou-se a entrevista semi-estruturada para coleta de informações. Foram entrevistadas dez parteiras das 16 Zonas Básicas de Saúde. A análise da informação baseou-se nas propostas da Teoria Fundamentada. ANÁLISE DOS RESULTADOS: O acesso e utilização do Programa Preventivo de Câncer Cervical relacionam-se a mulheres atendidas pela parteira, as vivências das mulheres em relação os resultados do exame de citologia vaginal e sua percepção de risco de sofrer um câncer de colo uterino. A barreira percebida é a distância para comparecer à consulta com a parteira. Para as mulheres imigrantes há ainda a possibilidade de não dispor de carteira de saúde e desconhecer o programa. A exclusão social também está relacionada a barreiras de acesso e utilização. O principal facilitador identificado foi o aconselhamento dos médicos de família para participar do programa. CONCLUSÕES: As parteiras percebem desigualdades de acesso e utilização do Programa Preventivo de Câncer Cervical que se relacionam tanto com características individuais das mulheres como com o meio geográfico em que vivem e com a própria estrutura do Programa. Há situações de vulnerabilidade da eqüidade de grupos de mulheres pouco representadas em nível de inquéritos populacionais...

Virus del papiloma humano, respuesta inmune y cáncer cervical: una relación compleja

Rincón,Olga L; Pareja,Luis René; Jaramillo,Sergio; Aristizábal,Beatriz H
Fonte: Revista Colombiana de Obstetricia y Ginecología Publicador: Revista Colombiana de Obstetricia y Ginecología
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/09/2007 ES
Relevância na Pesquisa
56.06%
El cáncer de cuello uterino se considera como un grave problema de salud pública con una alta incidencia en los países en desarrollo. La infección, permanencia y replicación del virus de papiloma humano (HPV, por sus siglas en inglés) de alto riesgo a nivel cervical están relacionadas con el desarrollo del cáncer de cuello uterino. En condiciones normales, el sistema inmune es capaz de controlar y eliminar la infección por acción de la inmunidad innata, la activación de una respuesta tipo celular y la creación de anticuerpos dirigidos principalmente a las proteínas de la cápside del virión (L1 y L2). A pesar de toda la maquinaria de protección inmune del hospedero, el virus posee estrategias de evasión, conservando un número reducido de copias en las células basales proliferantes y aprovechando la corta vida natural del queratinocito. En esta revisión se tratarán los diferentes mecanismos inmunológicos del hospedero en la respuesta a la infección por el HPV.

El virus del papiloma humano y el cáncer cervical: Una revisión de la historia actualizada sobre la investigación del cáncer del cuello uterino en Venezuela

García-Tamayo,Jorge; Molina,Julia; Blasco-Olaetxea,Eduardo
Fonte: Universidad del Zulia Publicador: Universidad del Zulia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2010 ES
Relevância na Pesquisa
66.04%
Se examinó la historia de la relación entre la infección con el VPH, las lesiones intraepiteliales y el cáncer del cuello uterino. Inicialmente los hallazgos fueron descritos en Maracaibo (1971), luego en México en 1973 y posteriormente los estudios sobre la ultraestructura e inmunohistoquímica de este virus y su importancia en la génesis del cáncer cervical. Se describió la ultraestructura de los viriones y sus diferentes proteínas señalando el rol de ellas en la incorporación del genoma viral a los queratinocitos del cérvix. La cubierta glicoproteica de los queratinocitos ha sido objeto de estudios y se señaló la importancia de la misma durante la infección con el VPH y su relación con p16, los antígenos de grupos sanguíneos y alteraciones tempranas en diferentes genes, las que conllevan cambios en el ciclo celular con pérdida de la heterocigosis, fenómenos que estimulados por la infección con el VPH de alto riesgo, conducen al cáncer del cuello uterino.

Importancia de los estudios de inmunohistoquímica en el diagnóstico y la evaluación pronóstica de la neoplasia intraepitelial y el cáncer cervical: Revisión

García-Tamayo,Jorge; Molina,Julia; Blasco-Olaetxea,Eduardo
Fonte: Universidad del Zulia Publicador: Universidad del Zulia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2009 ES
Relevância na Pesquisa
56.05%
Se evaluó la expresión de proteínas dependientes de genes en el epitelio cervical, en la neoplasia intraepitelial cervical (NIC) y en el carcinoma del cuello uterino (CC) a través de diversos estudios de inmunohistoquímica (IHQ). Se examinó la detección de ciertas proteínas como p53, bcl2, C-Myc, Ki 67, Ciclinas, P16 INK4a, p21, p27, b-catenina, Wnt y MCM, en relación con la evolución de la neoplasia intraepitelial, el carcinoma cervical y la infección con el virus del papiloma humano (VPH). Se señaló como la actividad transcripcional de diversos genes provoca alteraciones de la heterocigosis y pérdida de regiones cromosómicas que influyen en la sobrexpresión de proteínas o en la pérdida parcial de la expresión de algunas glicoproteínas en la superficie celular por la activación de genes del VPH.