Página 1 dos resultados de 11 itens digitais encontrados em 0.004 segundos

A polícia e os “black blocs”: percepção dos policiais sobre junho de 2013 (versão preliminar)

Fundação Getulio Vargas. Diretoria de Análise de Políticas Públicas
Fonte: DAPP Publicador: DAPP
Tipo: Relatório
PT_BR
Relevância na Pesquisa
66.63%
A mobilização coletiva operada nas ruas e organizada através dos canais de redes sociais é um fenômeno social relativamente recente. No caso brasileiro, junho de 2013 foi singular porque tomou proporções inéditas ao propagar novos movimentos a partir desses canais, criando uma espécie de efeito cascata. Considerando esses eventos, este estudo visa, principalmente, à construção de um quadro interpretativo a partir do olhar do policial sobre essas manifestações e os black blocs, explorando questões relacionadas às instituições de segurança e ao Estado, os procedimentos operacionais e legais, assim como a compreensão sobre as demandas de cidadania. A parte final da análise se ocupa em delinear nexos entre as varáveis abordadas.

Policiais dizem não ter recebido treinamento para lidar com black blocs, segundo survey

Luz, Margareth da
Fonte: Fundação Getúlio Vargas Publicador: Fundação Getúlio Vargas
Tipo: Relatório
PT_BR
Relevância na Pesquisa
66.63%
Policiais militares e civis consideram não ter recebido orientações e treinamento adequados para lidar com as manifestações e enfrentar os black blocs, segundo pesquisa realizada pela DAPP. De acordo com a websurvey 63% dos profissionais afirmam não possuir o preparo necessário para enfrentar ao manifestantes adeptos à tática de manifestação, contra 24% que dizem se considerar preparados. A pesquisa foi realizada pela internet no mês de dezembro e ouviu 5.304 de policiais civis e militares de todo o Brasil.

Em pesquisa, 64% dos policiais assumem não ter treinamento adequado para lidar com protestos

OGLOBO
Fonte: Fundação Getúlio Vargas Publicador: Fundação Getúlio Vargas
Tipo: Relatório
PT_BR
Relevância na Pesquisa
46.43%
Apenas 10% apontaram como correto o comportamento dos policiais nas manifestações Outros 19% responderam que ‘alguns colegas não agiram da forma certa, mas não se pode generalizar’ Manifestantes fugindo de bombas de gás lacrimogêneo e vandalismo eram cenas finais de um enredo que se tornou conhecido no fim de muitos protestos, desde de junho do ano passado. Sete meses depois de a população tomar as ruas, uma pesquisa da Fundação Getulio Vargas ( FGV ) revela como as próprias forças de segurança se sentem despreparadas para agir diante dos grandes atos — que prometem se repetir durante a Copa do Mundo. Ao todo, 64% dos policiais militares e civis entrevistados admitiram não ter recebido orientação e treinamento adequado para lidar com as manifestações e os black blocs.

Policiais admitem não saber agir em protestos

Diário de São Paulo
Fonte: Fundação Getúlio Vargas Publicador: Fundação Getúlio Vargas
Tipo: Relatório
PT_BR
Relevância na Pesquisa
26.04%
Pesquisa da FGV mostra que 69% reclamam da falta de orientação e treinamento adequado Uma pesquisa da FGV ( Fundação Getulio Vargas ) com 5.304 policiais em todo o país (4.499 militares e 805 civis) mostrou que 64% dos agentes de segurança dos estados admitem não estar preparados para agir durante uma manifestação popular. Eles reclamam, principalmente, da falta de orientação e treinamento adequado para atuar nessas situações.

Policiais não sabem como conter protestos violentos

OGLOBO
Fonte: Fundação Getúlio Vargas Publicador: Fundação Getúlio Vargas
Tipo: Relatório
PT_BR
Relevância na Pesquisa
46.49%
A pesquisa sobre a percepção dos policiais a respeito dos manifestantes e do movimento black bloc, produzida pela Diretoria de Análise de Políticas Públicas (DAPP- FGV ) e obtida pelo GLOBO, fez um raio X do que pensam os policiais sobre os protestos, os black blocs e sua própria forma de agir diante deles. Foram feitas 5.304 entrevistas, sendo 4.499 com policiais militares e 805 com policiais civis de todas as regiões do país. O levantamento foi realizado pela internet, a partir de um cadastro que reúne nomes desses profissionais de todo o Brasil, entre 26 de novembro de 2013 e 14 de janeiro deste ano.

Black Bloc, mídia e identidade: um estudo sobre como o jornal O Estado de S. Paulo propôs uma identidade ao grupo de manifestantes Black Blocs

Quadrado, Cinthia Yumi Hirakawa
Fonte: Universidade Estadual Paulista (UNESP) Publicador: Universidade Estadual Paulista (UNESP)
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso
POR
Relevância na Pesquisa
36.27%
O presente trabalho busca analisar a identidade proposta pelo jornal impresso O Estado de S. Paulo ao grupo manifestante Black Bloc durante o segundo semestre de 2013, período seguinte às Jornadas de Junho na cidade de São Paulo. Serão analisadas as notícias veiculadas no portal de notícias do jornal, assim como as publicações do grupo de manifestantes na página oficial do Black Bloc SP do Facebook na mesma época. O objetivo é mostrar qual a relação entre a identidade atribuída pela grande mídia ao indivíduo e a identidade reivindicada pelo mesmo na rede social

Relative Returns to Policy Reform : Evidence from Controlled Cross-Country Regressions

de Castro, Alexandre Samy; Goldin, Ian; Pereira da Silva, Luiz A.
Fonte: World Bank Publicador: World Bank
Tipo: Publications & Research :: Policy Research Working Paper; Publications & Research
ENGLISH
Relevância na Pesquisa
16.43%
The authors aim at contributing to understand the dispersion of returns from policy reforms using cross-country regressions. The authors compare the "before reform" with "after reform" GDP growth outcome of countries that undertook import-liberalization and fiscal policy reforms. They survey a large sample (about 54) of developing countries over the period 1980-99. The benefits of openness to trade and fiscal prudence have been extensively identified in the growth literature, but the evidence from simple cross-section analysis can sometimes be inconclusive and remains vulnerable to criticism on estimation techniques, such as identification, endogeneity, multi-colinearity, and the quality of the data. The authors use a different analytical framework that establishes additional controls. First, they construct a counterfactual control group. These are countries that-under specific thresholds-did not introduce policy reforms under scrutiny. Second, the authors also try to use the most appropriate variable of policy reform...

Can Institutions Resolve Ethnic Conflict?

Easterly, William
Fonte: World Bank, Washington, DC Publicador: World Bank, Washington, DC
Tipo: Publications & Research :: Policy Research Working Paper; Publications & Research
ENGLISH; EN_US
Relevância na Pesquisa
16.16%
High-quality institutions -- reflected in such factors as rule of law, bureaucratic quality, freedom from government expropriation, and freedom from government repudiation of contracts -- mitigate the adverse economic effects of ethnic fractionalization identified by Easterly and Levine (1997) and others. Ethnic diversity has a more adverse effect on economic policy and growth when a government's institutions are poor. But poor institutions have an even more adverse effect on growth and policy when ethnic diversity is high. In countries where the institutions are good enough, however, ethnic diversity does not lessen growth or worsen economic policies. Good institutions also reduce the risk of wars and genocides that might otherwise result from ethnic fractionalization. However, these forms of violence are not the channel through which ethnic fragmentation and its interaction with institutions affect economic growth. Ethnically diverse nations that want to endure in peace and prosperity must build good institutions.

The Middle Class Consensus and Economic Development

Easterly, William
Fonte: World Bank, Washington, DC Publicador: World Bank, Washington, DC
Tipo: Publications & Research :: Policy Research Working Paper; Publications & Research
ENGLISH; EN_US
Relevância na Pesquisa
16.16%
Modern political economy stresses "society's polarization" as a determinant of development outcomes. Among the most common dorms of social conflict are class polarization, and ethnic polarization. A middle class consensus is defined as a high share of income for the middle class and a low degree of ethnic polarization. A middle class consensus distinguishes development successes from failures. A theoretical model shows how groups - distinguished by class or ethnicity - will under-invest in human capital and infrastructure when there is "leakage" to another group. The author links the existence of a middle class consensus to exogenous country characteristics, such as resource endowments, along the lines of the provocative thesis of Engerman and Sokoloff (1997), that tropical commodity exporters are more unequal than other societies. The author confirms this hypothesis with cross-country data. This makes it possible to use resource endowments as instruments for inequality. A higher share of income for the middle class and lower ethnic polarization...

Close pairs: keys to comprehension of the evolution of star clusters

Vanbeveren, Dany
Fonte: Universidade Cornell Publicador: Universidade Cornell
Tipo: Artigo de Revista Científica
Publicado em 18/09/2009
Relevância na Pesquisa
16.04%
In this review I first summarize why binaries are key objects in the study of stellar populations, key objects to understand the evolution of star clusters, key objects to understand galaxies and thus the universe. I then focus on 4 specific topics: 1. the formation (via binaries) and evolution of very massive stars in dense clusters and the importance of stellar wind mass loss. I discuss preliminary computations of wind mass loss rates of very massive stars performed with the Munich hydrodynamical code, and the influence of these new rates on the possible formation of an intermediate mass black hole in the cluster MGG 11 in M82 2. the evolution of intermediate mass binaries in a starburst with special emphasis on the variation of the SN Ia rate (the delayed time distribution of SN Ia). A comparison with SN ia rates in elliptical galaxies may provide important clues on the SN Ia model as well as on the evolution of the SN Ia progenitors 3. the evolution of the double neutron stars mergers in a starburst (the delayed time distribution of these mergers) and what this tells us about the suggestion that these mergers may be important production sites of r-process elements 4. the possible effect of massive binaries on the self-enrichment of globular clusters.; Comment: Summary of two reviews presented at the meeting Binaries - key to comprehension of the universe...

A dupla máscara da anarquia: Black Blocs, Anonymous e outros fenômenos │ The double mask of anarchy: Black Blocs, Anonymous and other phenomena

Capeller, Ivan
Fonte: Ibict Publicador: Ibict
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; Formato: application/pdf
Publicado em 27/05/2014 POR
Relevância na Pesquisa
66.95%
RESUMO Uma tentativa de determinar o verdadeiro sentido das manifestações de 2013 no Brasil por de uma dupla articulação entre as contradições sociais e políticas dos próprios manifestantes, de um lado, e as contradições estéticas e culturais expressas pela grande mídia, assim como pela chamada mídia independente, durante a cobertura dos eventos acima mencionados, por outro. Nessa análise, tentamos interpretar o conceito de “violência divina” de Walter Benjamin, alinhado ao conceito de “poder constituinte” tal como analisado por Antonio Negri, com o auxílio do estudo de Giorgio Agamben sobre o “estado de exceção”, para uma nova abordagem da questão da violência nas manifestações e da forma ambígua com que a grande mídia, assim como a chamada mídia independente, lidou com esta questão. Nosso texto acaba com uma análise crítica de dois fenômenos distintos, errônea ou corretamente associados como “anarquistas”: os vários grupos de anonymous e de black blocs que então surgiram...