Página 1 dos resultados de 2585 itens digitais encontrados em 0.005 segundos

O impacto da separação mãe/bebé no período pós-parto - Perspectiva materna

Barros, Isabel Chaves
Fonte: [s.n.] Publicador: [s.n.]
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso
Publicado em //2010 POR
Relevância na Pesquisa
37.33%
Monografia apresentada à Universidade Fernando Pessoa para obtenção do grau Licenciada em Enfermagem.; A separação do bebé de sua mãe, logo após o nascimento, é uma situação que tem uma carga emocional muito forte nos pais, principalmente na mãe, que vivencia todos os acontecimentos na sua plenitude. Neste sentido, surge o trabalho de graduação intitulado: “O Impacto da Separação Mãe/Bebé no Período Pós-Parto, Perspectiva Materna”. Este estudo reportou-se a uma abordagem qualitativa, do tipo fenomenológico, sendo que a colheita de dados, foi efectuada através de uma entrevista semi-estruturada, em que o investigador teve o auxílio de um guião de entrevista e do gravador áudio. O processo de amostragem utilizado foi o não acidental e intencional, sendo que a amostra respeitou os critérios de exclusão (qualquer mãe que por motivos pessoais rejeita-se o uso do gravador áudio como instrumento de registo magnético de dados) e inclusão (o bebé estar internado numa UCINP e ter sido separado da sua mãe imediatamente após o nascimento). Deste modo, a população, foi constituída por nove mães que corresponde à amostra em estudo. A colheita de dados foi realizada no serviço de Obstetrícia de um Hospital da Região Norte...

Separações mãe-bebê: diversos sentidos na construção de uma relação.

Ferreira, Marisa Vasconcelos
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 08/12/2000 PT
Relevância na Pesquisa
37.34%
Os estudos sobre as separações mãe-bebê são fortemente influenciados pela Teoria do Apego de John Bowlby e Mary Ainsworth, que considera as separações entre figura de apego e bebê como fatores de risco para o desenvolvimento e enfatiza que, por natureza, o cuidado do bebê deve ser realizado por uma só pessoa, preferencialmente a mãe. Dessa teoria decorrem críticas aos cuidados de bebês e crianças pequenas em creche, que influenciam o imaginário social sobre as possíveis desvantagens do cuidado coletivo de bebês. Contrapõe-se à Teoria do Apego, uma perspectiva sócio-histórica de desenvolvimento que concebe a pessoa constituindo-se em relações sociais mais amplas, inseridas em contextos sócio-culturais, onde diversos parceiros significativos são possíveis ao bebê. Nessa perspectiva, a separação entre o bebê e seus parceiros significativos não constitui necessariamente fator de risco para o seu desenvolvimento. O objetivo deste trabalho é identificar, a partir de elementos do discurso de uma mãe, possíveis sentidos relacionados a eventos de separação, que permeiam sua relação com o bebê. Busca-se compreender como estes vão constituindo o papel dessa mãe que, contrariamente à visão naturalizada da Teoria do Apego...

Processos de estabelecimento da atenção conjunta em um bebê vidente e em outro com deficiência visual severa; Establishment of joint attention in a seer baby and in a severe visual impairment baby

Colus, Katia Miguel
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 26/10/2012 PT
Relevância na Pesquisa
37.28%
A atenção conjunta é considerada, na literatura específica, como sendo uma habilidade fundamental do bebê para que este possa, a partir dela, estabelecer um conjunto de dimensões básicas no seu desenvolvimento cognitivo, social e afetivo. A atenção conjunta se refere a comportamentos como olhar na direção do olhar do outro, observar a face, a intenção e os interesses do outro, mostrar e compartilhar interativamente objetos com outros. Episódios de atenção conjunta, portanto, podem quase ser denominados de episódios de atenção visual conjunta. Esta capacidade, como dado eminentemente visual, tem sido considerada como crucialmente importante para o desenvolvimento da capacidade interativa do bebê, sendo indispensável para que este se socialize. Entretanto, ao se pensar estes processos em crianças cegas ou com deficiência visual severa, depara-se com a pouca quantidade de informação disponível em dados de pesquisas. Assim, a meta desta pesquisa foi investigar se ocorreu e como ocorreu a construção, o estabelecimento e a manutenção do processo de atenção conjunta em um bebê vidente e um bebê com deficiência visual severa, ambos em interação com os parceiros em seu entorno. Para tal, partiu-se da verificação de quais pistas sensoriais o bebê ou os parceiros circundantes se utilizam nas interações (se pistas visuais...

Da gestação ao primeiro ano de vida do bebê : apoio social e ingresso na creche

Rapoport, Andrea
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
37.35%
O contexto familiar modifica-se com o nascimento do primeiro filho e exige novas formas de lidar com as inúmeras situações que cercam a parentalidade. A rede de apoio social é fundamental para a adaptação a estas novas circunstâncias, especialmente para a mãe. Neste sentido, o presente estudo investigou o apoio social dado às mães, o ingresso dos bebês em cuidados alternativos e a relação com o emprego materno, ao longo do primeiro ano bebê. Participaram 44 mães, entrevistadas na gestação, terceiro e décimo segundo mês do bebê. Os dados foram inicialmente examinados através de análise de conteúdo e, num segundo momento, analisou-se as diferenças estatísticas nas freqüências de respostas de cada categoria. Os principais provedores de apoio social mencionados nos três momentos investigados foram as avós, a creche e o pai do bebê. Na gestação poucas mães referiram que não iriam contar com nenhum apoio, o que se confirmou ao longo do primeiro ano. De uma forma geral, a mãe foi a principal cuidadora do bebê no seu primeiro ano, seguida pela creche. Análise estatística revelou diferença significativa no terceiro e no décimo segundo mês quanto a associação entre o principal cuidador e o emprego materno - o cuidador diferiu quando a mãe trabalhava fora ou não. As mães receberam geralmente apoio de um ou dois provedores...

O envolvimento paterno com o bebê na gestação e aos doze meses de idade

Bolli, Ana Cristina von Bock
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Dissertação Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
37.28%
O momento de transição para a paternidade traz consigo implicações que podem ser diferentes daquelas que ocorrem nas famílias onde o pai já possui outros filhos. Outro fato relevante é o de que o pai vai conferir diferentes significados a sua função como pai, e esta significação conferida à paternidade poderá influenciar o envolvimento do pai com seu bebê. Modelos de paternidade também são considerados, uma vez que estes parecem influenciar nas expectativas e no tipo de envolvimento que o pai terá em relação ao seu bebê. O presente estudo tem como objetivo examinar o envolvimento paterno com o bebê em dois momentos desenvolvimentais, focalizando as expectativas de envolvimento do pai com seu bebê durante a gestação, e o tipo de envolvimento do pai com seu bebê, aos doze meses de idade. São estudados dois grupos, com quatro participantes cada: pais de primeiro filho, e pais que já possuem outro filho. O envolvimento é analisado a partir de três dimensões propostas por Lamb e cols. (1985, 1987): acessibilidade, engajamento e responsabilidade. No tocante às expectativas de envolvimento do pai com seu filho, observou-se que todos os pais de primeiro filho mostraram expectativas de acessibilidade, além de engajamento...

A qualidade da interação pai-mãe-bebê em situação de depressão materna

Frizzo, Giana Bitencourt
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Dissertação Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
37.3%
O presente estudo examinou as eventuais diferenças na interação triádica (pai-mãe-bebê) e diádica (mãe-bebê, pai-bebê e mãe-pai) em famílias com e sem depressão materna, com bebês de um ano de idade. Participaram do estudo 19 famílias, das quais 9 de mães deprimidas e 10 de mães não-deprimidas. A designação aos grupos foi baseada no escores das mães no Inventário Beck de Depressão. Foi utilizada uma sessão de interação livre pai-mãe-bebê, realizada numa sala de brinquedo da universidade, durante a qual se examinou padrões de interação triádico e diádico através de um protocolo envolvendo diversas categorias. Contrariando a hipótese do estudo, o teste Mann-Whitney não indicou diferenças significativas nas interações entre as famílias com e sem depressão materna. Para examinar as interações diádicas mãe-bebê e pai-bebê, dentro de cada grupo de famílias, utilizou-se o teste de Wilcoxon que revelou algumas diferenças significativas apenas no grupo sem depressão materna, em que a categoria afeto positivo apareceu significativamente mais intensa no contexto interativo mãe-bebê do que pai-bebê. Tendência semelhante, mas marginalmente significativa, também apareceu na categoria sensibilidade...

Tornar-se mãe : a maternidade da gestação ao primeiro ano de vida do bebê

Gianlupi, Andrea Ferrari
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
37.28%
Este estudo investigou o processo de tornar-se mãe em mulheres primíparas. Foram examinados quatro estudos de casos em três momentos: no final da gestação e no terceiro e oitavo mês de vida do bebê. As entrevistas realizadas nestes momentos foram analisadas com base na teoria psicanalítica, utilizando-se de quatro eixos teóricos interpretativos. O primeiro deles, o narcisismo, refere-se à necessidade de a mãe atualizar e reeditar o narcisismo infantil na relação com o seu bebê. O segundo, o mito familiar, refere-se ao lugar revelado através do discurso dirigido ao personagem que o bebê encarna e que será determinante para a constituição subjetiva dessa criança em particular. O terceiro, o Complexo de Édipo, refere-se ao destino possível para a maternidade esboçado pela herança identificatória infantil. Por fim, o quarto, o bebê imaginado (na gestação) e características do bebê (depois do nascimento), relacionam-se ao processo imaginativo materno sobre o futuro bebê e às atualizações do bebê imaginado ao bebê da realidade. Além de enfatizarem o momento atual, os relatos das mães durante as entrevistas acentuaram questões da própria infância e a relação com os próprios pais ou substitutos, o que permitiu compreender as atualizações e reedições da sua história constitutiva na relação com o bebê. Discutidos à luz da literatura os relatos e análises permitem pensar o processo de tornar-se mãe como uma reconstituição psíquica das mães pela atualização e reedição da própria constituição infantil.

O desenvolvimento emocional de um bebê em uma família numerosa : uma aplicação do método bick

Vivian, Aline Groff
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Dissertação Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
37.23%
O presente estudo investigou o desenvolvimento emocional durante o primeiro ano de vida de um bebê, em uma família numerosa. Foi realizado um estudo de caso único, de caráter longitudinal, com uma família participante composta pela mãe, pelo pai e seus quatro filhos meninos, de até 4 anos de idade, acompanhada em observações semanais, com uma hora de duração, no período de doze meses. Foi aplicado o Método Bick de Observação da Relação Mãe- Bebê, em seus três momentos: observação, relato e supervisão em grupo. Os resultados foram organizados em três eixos: 1) o bebê e seu ambiente; 2) o desenvolvimento emocional do bebê; e 3) a observadora. Apesar das condições economicamente desfavoráveis do ambiente, foi surpreendente o desenvolvimento emocional do bebê na família, bem como a riqueza do ambiente em termos emocionais. A mãe se mostrou atenta e afetiva no cuidado dos filhos, apresentando uma capacidade inesgotável de discernir e atender às múltiplas demandas dos mesmos, revelando sua preponderante identidade materna. O bebê recebia especial atenção e a mãe costumava relatar suas habilidades e aquisições ao longo do primeiro ano de vida. Alguns aspectos típicos do desenvolvimento de um bebê no primeiro ano de vida foram observados...

A interação pai-bebê entre pais adolescentes e adultos; The father-baby interaction between adolescent and adult fathers

Levandowski, Daniela Centenaro; Piccinini, Cesar Augusto
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
37.23%
Embora muitos estudos investiguem a maternidade na adolescência, poucos têm investigado a paternidade adolescente. Uma vez que o adolescente precisa cumprir diversas tarefas próprias da fase na qual se encontra, ele tenderia a ficar sobrecarregado com as tarefas adicionais decorrentes da paternidade. Em virtude disso, sua interação com o bebê seria menos responsiva do que a de pais adultos. Nesse sentido, o objetivo deste estudo foi examinar eventuais diferenças entre pais adolescentes e adultos na interação com o bebê aos 3 meses de vida. Participaram do estudo 20 pais, sendo 9 adolescentes e 11 adultos, que esperavam seu primeiro filho. Quando o bebê completou 3 meses, foi realizada uma observação domiciliar da interação da díade pai-bebê. As análises não revelaram diferenças significativas na interação pai-bebê entre adolescentes e adultos. Estes resultados sugerem que a idade não é necessariamente um fator determinante da responsividade do pai em relação ao bebê. Ao contrário da expectativa inicial, estes adolescentes mostraram-se tão responsivos ao bebê quanto os pais adultos.; Although many studies have investigated adolescent motherhood, only a few have focused on adolescent fatherhood. It is believed that since the adolescent already has several tasks to deal with concerning his own adolescent period...

O bebê imaginado na gestação : aspectos teóricos e empíricos; The imagined baby during pregnamcy: theoretical an empirical aspects; El bebé imaginado en el embarazo: aspectos teóricos y empíricos

Ferrari, Andrea Gabriela; Piccinini, Cesar Augusto; Lopes, Rita de Cassia Sobreira
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
37.38%
Com base na literatura, discute-se neste artigo a construção do bebê imaginado feita pela mãe durante a gestação. São apresentados relatos de quatro gestantes que no início do estudo se encontravam no terceiro trimestre gestacional. Elas foram entrevistadas, no final da gestação e no terceiro e oitavo mês de vida do bebê. Nestas entrevistas abordavam-se os sentimentos e expectativas sobre a maternidade e sobre o bebê. A partir da teorização psicanalítica analisaram-se os relatos das gestantes sobre o bebê imaginado no qual a mãe investe a sua libido no intuito de constituir espaço subjetivo para receber o bebê da realidade. A partir deste estudo sugere-se que o bebê imaginado tem um importante impacto para a futura interação mãe-bebê.; Based on the literature, the mother’s construction of the imagined baby during pregnancy is discussed. Reports of pregnant women who were in the third trimester of pregnancy at the beginning of the study are presented. They were interviewed at the end of pregnancy and in the baby’s third and eighth month. In these interviews the feelings and expectations concerning motherhood and the baby were explored. Based on psychoanalytic theory we analyzed the pregnant women’s reports concerning the imagined baby in whom the mother invests her libido in order to constitute a subjective space to receive the baby of reality. From this study it is suggested that the imagined baby has an important impact on the future mother-infant interaction.; Con base en la literatura...

Vinculação materna : contributo para a compreensão das dimensões envolvidas no processo inicial de vinculação da mãe ao bebé

Figueiredo, Bárbara
Fonte: Universidade do Minho Publicador: Universidade do Minho
Tipo: Artigo de Revista Científica
Publicado em //2003 POR
Relevância na Pesquisa
37.35%
As transformações sociais e tecnológicas que aconteceram nos últimos anos obrigaram a importantes modificações no comportamento dos pais para com os bebés, cujas repercussões sobre a qualidade da relação emocional e dos cuidados parentais estão ainda muito por investigar. A vinculação materna ao bebé, uma relação emocional única, específica e duradoura, que se que se estabelece de um modo gradual, desde os primeiros contactos entre a mãe e o bebé, traduz-se num processo de adaptação mútua no qual mãe e bebé activamente participam, como esclarece o presente artigo. Este estudo teórico pretende essencialmente responder à questão fundamental de saber “o que estimula ou promove o vínculo dos pais com o bebé?”. Visa assim contribuir para melhorar a nossa compreensão das diversas dimensões envolvidas no processo inicial de vinculação ao bebé, procurando em particular esclarecer a importância dos factores hormonais, cujo papel não tem sido suficientemente considerado neste processo. O papel de outros factores é igualmente analisado, como seja o tipo de parto, a dor no parto e os métodos usados com vista à sua redução, a quebra no contacto precoce da mãe com o bebé e as competências e disponibilidade interactiva do recém-nascido.; Recently implemented social and technological changes have several implications for the parental behavior toward the baby...

O bebê imaginado na gestação: aspectos teóricos e empíricos

Ferrari,Andrea Gabriela; Piccinini,Cesar A.; Lopes,Rita Sobreira
Fonte: Departamento de Psicologia - Universidade Estadual de Maringá Publicador: Departamento de Psicologia - Universidade Estadual de Maringá
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/08/2007 PT
Relevância na Pesquisa
37.26%
Com base na literatura, discute-se neste artigo a construção do bebê imaginado feita pela mãe durante a gestação. São apresentados relatos de quatro gestantes que no início do estudo se encontravam no terceiro trimestre gestacional. Elas foram entrevistadas, no final da gestação e no terceiro e oitavo mês de vida do bebê. Nestas entrevistas abordavam-se os sentimentos e expectativas sobre a maternidade e sobre o bebê. A partir da teorização psicanalítica analisaram-se os relatos das gestantes sobre o bebê imaginado no qual a mãe investe a sua libido no intuito de constituir espaço subjetivo para receber o bebê da realidade. A partir deste estudo sugere-se que o bebê imaginado tem um importante impacto para a futura interação mãe-bebê.

Concepção do adulto sobre o desenvolvimento do bebê na comunicação através do uso da Internet : procedimento de classificação múltipla

Bernardino Corrêa Sobral, Avany; da Conceição Diniz Pereira de Lyra, Maria (Orientador)
Fonte: Universidade Federal de Pernambuco Publicador: Universidade Federal de Pernambuco
Tipo: Outros
PT_BR
Relevância na Pesquisa
37.28%
O presente estudo teve como objetivo investigar como o adulto compreende o desenvolvimento do bebê no processo de comunicação no início da vida. Desta forma, este trabalho explorou a concepção do adulto acerca do desenvolvimento humano na faixa etária do primeiro ano de vida. Visando tal objetivo, esta investigação utilizou como instrumento a criação de uma Web site que foi hospedada na seguinte URL: www.maebebe.eti.br, para coletar os dados. Foi realizado um questionário para receber informações pessoais e aplicado um Procedimento de Classificação Múltipla (PCM) baseada na escolha de 20 fotos digitalizadas (10 fotos referentes às trocas Face-a-Face e 10 fotos referentes às trocas Mãe- Objeto-Bebê) referentes à comunicação mãe-bebê durante os oito primeiros meses de vida do bebê. Este estudo baseia-se na perspectiva de que o estudo do desenvolvimento do bebê implica no estudo de um processo de mudança que ocorre na comunicação, proposto por Lyra e cols. (Lyra, 1988; 1999; 2000; Lyra & Chaves, 2001; Lyra & Rosseti-Ferreira, 1995; Lyra & Souza, no prelo; Lyra & Winegar, 1997; Souza, Lyra & Lyra, 1998; Souza, Lyra & Roazzi, 2001), no qual esse desenvolvimento se dá através de três períodos de quase-estabilidade: Estabelecimento...

Vínculo mãe-bebê: os encontros possíveis em uma UTI neonatal

Medeiros, Julliana de Paula
Fonte: Universidade Federal de Uberlândia Publicador: Universidade Federal de Uberlândia
Tipo: Dissertação
POR
Relevância na Pesquisa
37.28%
Esse estudo teve como objetivo compreender como se constitui a função materna em situação de internação de bebês pré-termo em uma Unidade de Terapia Intensiva Neonatal (UTIN). A pesquisa foi realizada no Hospital das Clínicas da Universidade Federal do Triângulo Mineiro no período entre março e junho de 2009. Foram entrevistadas cinco mães, casadas, com idades entre 28 e 34 anos. A abordagem utilizada nesse trabalho foi de orientação psicanalítica e funda-se no fenômeno transferencial. A pesquisa ocorreu em uma perspectiva dialógica e a intersubjetividade se constituiu um elemento fundamental dessa investigação psicanalítica. A UTIN pode ser pensada como um espaço simbólico para a ressignificação da vivência traumática do nascimento pré-termo na medida em que puder transitar entre as funções materna e paterna dos bebês que ali estão internados. A construção da função materna depende da relação dessa mãe com sua própria infância, da forma como o bebê foi antecipado ao longo da gestação e da capacidade de investir seu desejo em seu filho e para além dele. A maternagem se dá a partir de uma série de atribuições maternas ao seu bebê, pela imersão do bebê em um universo de palavras, que o inscrevam em uma linhagem familiar e o reconheçam como um ser desejante. Isso só pode ocorrer se a mãe conseguir investir narcisicamente em seu filho real...

A massagem no desenvolvimento do bebé e das competências parentais

Bárcia, Sónia Cristina da Silva Vicente Cascão
Fonte: ISPA - Instituto Universitário Publicador: ISPA - Instituto Universitário
Tipo: Tese de Doutorado
Publicado em //2010 POR
Relevância na Pesquisa
37.34%
Tese de Doutoramento em Psicologia Aplicada especialidade Psicologia Educacional, apresentada ao ISPA - Instituto universitário; O primeiro ano de parentalidade é um ano de crescimento e de adaptação na vida da mulher. Inerentes a esta fase estão uma série de transformações que terão que ocorrer a vários níveis, para que mãe e bebé aprendam a conhecer-se e a ajustar-se em conjunto. Esta primeira relação servirá de modelo no futuro. Saber identificar as necessidades do bebé e conseguir dar respostas adequadas é o objectivo de qualquer mãe. A relação está assim dependente dos protagonistas do processo, ou seja da mãe, do bebé e ainda do ambiente onde se relacionam. Neste processo vários factores podem contribuir para que a ligação na díade seja vivida de uma forma mais tranquila, entre eles destacamos o papel da massagem no bebé como veículo facilitador da relação. A massagem apresenta benefícios tanto para o bebé como para a mãe, a nível psicológico e fisiológico. Este estudo longitudinal pretendeu avaliar as implicações da massagem do bebé na relação mãe-bebé, desde o final da gravidez até aos 12 meses de vida do bebé. Os parâmetros a medir foram: as atitudes relativas à maternidade através do CAQ-P...

Tornar-se mãe de um bebê prematuro na adolescência : uma condição de dupla imaturidade

Leão, Lívia Caetano da Silva
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Dissertação Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
37.3%
O presente estudo buscou investigar a experiência de tornar-se mãe de um bebê prematuro na adolescência, em particular, a relação que a mãe adolescente estabelece com o bebê prematuro, durante a internação hospitalar do bebê. Participaram quatro mães adolescentes entre 17 e 18 anos de idade, que tiveram seus bebês prematuros em dois hospitais públicos de Porto Alegre, as quais foram entrevistadas em três momentos da internação do bebê na UTI Neonatal (aproximadamente no 15º dia de vida do bebê, uma semana após este contato e no momento de pré-alta hospitalar do bebê). Os resultados apontaram para um somatório de crises concomitantes como a adolescência, a maternidade e a prematuridade, o que representou um impacto importante neste momento de transição para as adolescentes. Para algumas mães foi possível recuperar-se do choque inicial causado pelo nascimento prematuro de seu bebê, fato relacionado à variação no grau de desenvolvimento individual e nos modos de funcionamento psíquico de cada uma. Além disso, aspectos típicos do funcionamento adolescente mostraram-se evidenciados, mesmo com a exigência de que as mães interrompessem seu processo de adolescer para cuidar do bebê na UTI Neo. Assim também...

Repercussões do comportamento interativo de mães com depressão no desenvolvimento do comportamento exploratório do bebê; Repercussions of depressive mothers'interactive behaviours on the development of the infant´s exploratory behaviour

Alfaya, Cristiane; Lopes, Rita de Cássia S.
Fonte: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública Publicador: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; ; ; ; ; Formato: application/pdf
Publicado em 01/08/2005 POR
Relevância na Pesquisa
37.36%
O impacto da depressão materna para o desenvolvimento infantil tem sido amplamente estudado e vem sendo compreendido a partir de um referencial teórico interacionista, em que a qualidade da interação mãe-bebê é o foco de atenção nestes estudos. Os comportamentos interativos das mães com depressão costumam ser caracterizados como intrusivo ou retraído. Para os autores, ambos os estilos podem repercutir de maneira negativa no desenvolvimento do bebê, pois a estimulação e a modulação do estado de alerta que a mãe oferece são inadequadas para a regulação emocional do bebê. Pouco ainda se sabe sobre as repercussões dos estilos de comportamento interativo materno para o desenvolvimento do comportamento exploratório do bebê durante o primeiro ano de vida. Nesse sentido, o presente artigo procura refletir teoricamente acerca do desenvolvimento emocional do bebê e, em particular, sobre o comportamento exploratório do bebê no contexto da depressão materna. Inicialmente, busca-se descrever alguns estudos sobre a interação mãe-bebê e o desenvolvimento sócio-emocional no primeiro ano de vida, em seguida, estudos empíricos sobre o desenvolvimento do bebê no contexto da depressão materna, e finalmente, os estudos empíricos sobre os comportamentos interativos mãe-bebê no contexto da depressão materna. Para tanto...

O papel do bebê no processo de acesso à subjetivação; El papel del bébe en los processos de acesso a la subjectivacion; The role the baby in the process of accesses to subjectivation

Saboia, Camila
Fonte: Universidade de São Paulo. Instituto de Psicologia Publicador: Universidade de São Paulo. Instituto de Psicologia
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Artigo Avaliado pelos Pares Formato: application/pdf
Publicado em 01/12/2006 POR
Relevância na Pesquisa
37.28%
A imagem do recém-nascido outrora visto como um ser passivo passa a ser substituída pela imagem de um bebê ativo, dotado de capacidades inatas que se manifestam desde suas primeiras interações com o mundo. Essa nova compreensão do bebê nos convida a abordar um tempo primitivo do psiquismo e da formação do inconsciente. Este trabalho deixa de lado a idéia de um inconsciente primitivo para falar da existência de um núcleo narcísico primário, conceito winnicottiano que oferece um novo paradigma que corresponde à idéia desse bebê participativo frente ao processo da subjetivação.; La imagen del recien nacido pasivo tiende a ser subsituida por la imagen de un bebé activo. Dicho bebé estaría dotado de capacidades innatas que se que manifestarían a partir de sus primeras interacciones con el mundo.Esta nueva concepción del bebé nos conduce a considerar un tiempo primitivo de la vida psíquica y la construcción del inconsciente.Este trabajo sin embargo deja a un lado la idea de un inconsciente originario, basandose en conceptos winicotianos del núcleo narcisico primario. Dicho concepto nos oferece un paradigma ligado a la idea de que el bébé forma parte activa en el proceso de subjectivacion.; The newly born considered as an passive being tends to be substituted by the image of an «active baby». This baby would be endowed with innate potentials expressed from the very first interactions with the environment...

Transition to fatherhood: from pregnancy to the second month of life of the baby; Transition à la paternité: de gestation au second mois du bébé; A transição para a paternidade: da gestação ao segundo mês de vida do bebê; Transición hacia la paternidad: de la gestación al segundo mes de vida del bebé

Krob, Adriane Diehl; Piccinini, Cesar Augusto; Silva, Milena da Rosa
Fonte: Universidade de São Paulo. Instituto de Psicologia Publicador: Universidade de São Paulo. Instituto de Psicologia
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; ; ; Formato: application/pdf
Publicado em 01/06/2009 POR
Relevância na Pesquisa
37.38%
O presente estudo longitudinal teve como objetivo compreender a transição para a paternidade, investigando as expectativas e sentimentos dos pais, durante a gestação, e a experiência da paternidade após o nascimento do bebê. Participaram do estudo 20 homens casados, primíparos, com idade entre 20 e 40 anos, entrevistados no final da gestação de sua esposa e dois meses após o nascimento do filho. A análise de conteúdo qualitativa das entrevistas revelou que a gestação foi vivida como emocionalmente intensa, marcada por alegria, ansiedade e conflitos. Preocupações com a saúde da esposa e do bebê e sentimentos de exclusão mostraram-se presentes. No segundo mês de vida do bebê, os pais relataram sentimentos positivos e satisfação, confirmando as expectativas construídas durante a gestação, embora o sentimento de exclusão persistisse. Já a participação nos cuidados do bebê não se mostrou tão efetiva quanto planejado, embora houvesse grande proximidade e afeto na relação pai-bebê.; The present longitudinal study aimed at understanding the transition to fatherhood, investigating the expectations and feelings of fathers during pregnancy, and the experience of fatherhood after the birth of the baby. Twenty married fathers...

Escalas de avaliação da interação mãe-bebé: Versão portuguesa das interaction rating scales

Figueiredo,Bárbara; Dias,Cláudia
Fonte: Sociedade Portuguesa de Psicologia da Saúde Publicador: Sociedade Portuguesa de Psicologia da Saúde
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/11/2013 PT
Relevância na Pesquisa
37.28%
As Escalas de Avaliação da Interação Mãe-Bebé constituem a versão portuguesa das Interaction Rating Scales, propostas por Field (1980), e têm por objetivo avaliar a interação mãe-bebé, aos 3 meses de idade do bebé. As Escalas de Avaliação da Interação Mãe-Bebé foram administradas a 51 díades mãe-bebé aos 3, 6 e 12 meses pós-parto. A versão portuguesa das escalas mostrou elevados índices de consistência interna - Alfa de Cronbach 0,85 (IRSff bebé), 0,91 (IRSff mãe), 0,87 (IRSal bebé), 0,82 (IRSal mãe), assim como elevada fidelidade e validade concorrente e preditiva. As Escalas de Avaliação da Interação Mãe-Bebé assume-se, assim, como um instrumento robusto na avaliação da interação mãe-bebé, na situação de interação face-a-face e na situação de interação alimentar, podendo ser utilizadas em diferentes amostras e contextos, clínicos e de investigação.