Página 1 dos resultados de 10 itens digitais encontrados em 0.002 segundos

Study of oligoclonal bands restricted to the cerebrospinal fluid in multiple sclerosis patients in the city of São Paulo; Estudo de bandas oligoclonais restritas ao líquido cefalorraquidiano em pacientes com esclerose múltipla na cidade de São Paulo

GAMA, Paulo Diniz da; MACHADO, Luís dos Ramos; LIVRAMENTO, José Antonio; GOMES, Hélio Rodrigues; ADONI, Tarso; LINO, Angelina Maria Martins; MARCHIORI, Paulo Eurípedes; MORALES, Rogério de Rizo; LANA-PEIXOTO, Marco Aurélio; CALLEGARO, Dagoberto
Fonte: Academia Brasileira de Neurologia - ABNEURO Publicador: Academia Brasileira de Neurologia - ABNEURO
Tipo: Artigo de Revista Científica
ENG
Relevância na Pesquisa
67.35%
The frequency of oligoclonal bands (OCB) restricted to the cerebrospinal fluid (CSF) from patients with multiple sclerosis (MS) varies widely in different populations. The objective of this study was to determine the frequency of these OCB in a group of MS patients in the city of São Paulo. Techniques used to detect OCB consisted of isoelectric focusing followed by immunoblotting. Oligoclonal bands were found in 49 (54.4%) out of 90 patients with clinically definite MS; in (31.2%) of the 16 patients with clinically isolated syndrome; in 7 (17.9%) of 39 patients with inflammatory disorders of the central nervous system (IDCNS), and in none of the individuals with no neurological condition (control group). The specificity of the method was 100% when compared to the control group and 82.1% when compared to the IDCNS group. These results suggest that the frequency of CSF OCB is much lower in Brazilian MS patients from São Paulo city than that reported in MS series from Caucasian populations.; A frequência da detecção de bandas oligoclonais (BOC) restritas ao líquido cerebrorraquidiano (LCR) em pacientes com esclerose múltipla (EM) varia amplamente em diferentes populações. O objetivo deste estudo foi determinar a frequência destas BOC em pacientes com EM em amostra de população da cidade de São Paulo. A técnica utilizada para a detecção das BOC foi a focalização isoelétrica...

Estudo de bandas oligoclonais restritas ao líquido cefalorraquidiano em pacientes com esclerose múltipla na cidade de São Paulo; Study of oligoclonal bands restricted to the cerebrospinal fluid in multiple sclerosis patients in the city of São Paulo

Gama, Paulo Diniz da
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 02/10/2009 PT
Relevância na Pesquisa
67.35%
Introdução: O diagnóstico da esclerose múltipla (EM) embora seja clínico, se completa com os resultados de imagem de ressonância magnética, somados ainda com a análise do líquido cefalorraquidiano (LCR), que se constituem em ferramentas indispensáveis. A presença das bandas oligoclonais (BOC) no LCR faz parte do estudo da EM, assim como auxilio no diagnóstico. Existem grandes variações quanto à frequência de BOC em pacientes com EM nas diferentes populações, desde 90% em países nórdicos europeus, até 30 a 60% no Japão, China, Índia e Líbano. O presente estudo tem o objetivo de estabelecer o valor da análise do LCR para o diagnóstico da EM em nossa população, com ênfase na pesquisa de BOC. O estudo também objetiva correlacionar os resultados destas análises com as características clínicas e demográficas da amostra selecionada. Casuística e Métodos: Foram estudados 145 pacientes selecionados do Centro de Referência de Doenças Desmielinizantes do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Universidade de São Paulo, no período de agosto de 2005 a janeiro de 2008. Foram registrados para o estudo os dados demográficos, clínicos e da evolução da doença. O diagnóstico da EM foi estabelecido segundo o painel internacional de McDonald...

Análise de anticorpos antiparasitários dosados em soro sanguíneo e sua relação com a presença de bandas oligoclonais em pacientes com esclerose múltipla; Analysis of antiparasitic antibodies measured In Blood serum and their selationship with the presence of oligoclonal bands in patients with multiple Sclerosis

Papavero, Fabiana Cruz Gomes da Fonseca
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 17/06/2013 PT
Relevância na Pesquisa
67.35%
Introdução: A frequência de detecção de bandas oligoclonais (BOC) em doentes com esclerose múltipla (EM) na cidade de São Paulo é significativamente mais baixa do que em outras cidades do Brasil e de outros países, principalmente da Europa e da América do Norte. Não se conhece o motivo pelo qual isso ocorre. Uma das hipóteses mais interessantes relacionada à imunopatogenia da EM é a chamada Hipótese Higiênica, que postula uma relação inversamente proporcional entre a prevalência de infecções por parasitas e a frequência da EM. Objetivo: verificar se há relação entre a ocorrência de anticorpos contra parasitas no soro sanguíneo e a detecção de BOC em pacientes diagnosticados com EM na cidade de São Paulo. Métodos: Foram estudados 164 pacientes do Ambulatório de Doenças Desmielinizantes da Divisão de Neurologia Clínica e da Divisão de Anestesia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo dos quais foram obtidas as amostras de LCR e de soro em que foi realizado este estudo. Esses pacientes foram separados em 4 grupos (EM, CIS, Grupo Controle com Pacientes de DNI e Grupo Controle com Pacientes sem Queixas Neurológicas) nos quais foram identificadas as presenças de BOC e de anticorpos parasitários. Para a detecção de anticorpos parasitários...

Esclerose multipla : mediadores da resposta inflamatoria associadas a ressonancia magnetica quantitativa; Quantitative MRI and CSF inflammatory mediators in a sample of brazilian multiple sclerosis population : a prospective study

Carlos Otavio Brandão
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 23/07/2009 PT
Relevância na Pesquisa
27.05%
Esclerose múltipla é uma doença inflamatória crônica, desmielinizante e neurodegenerativa do sistema nervoso central (SNC) que apresenta intensa variabilidade clínica e prognóstico imprevisível. Este é um estudo prospectivo com o objetivo de investigar o perfil da resposta inflamatória e a neurodegeneração em uma amostra de pacientes brasileiros com esclerose múltipla, comparando marcadores no líquido cefalorraquiano (LCR) e na imagem por ressonância magnética (IRM) quantitativa. Um grupo de 54 pacientes com esclerose múltipla remitente-recorrente (EMRR) foi recrutado para este estudo, de acordo com os critérios diagnósticos de Poser. Os exames de IRM foram processados e as amostras de LCR coletadas durante o processo diagnóstico e após tratamento com imunomodulador (beta-interferona ou acetato de glatirâmer). IgG e albumina no LCR e soro foram analisadas pelo método da nefelometria e a pesquisa de bandas IgG oligoclonais (BO) pela focalização isoelétrica. Citocinas, anticorpos para o vírus Epstein-Barr (EBV) e proteínas Tau foram quantificados através de kits comerciais pelo método ELISA. Os exames de IRM foram realizados com a utilização de um programa semi-automático. Os resultados demonstraram que pacientes com EMRR...

Diagnóstico diferencial das lesões tumefativas desmielinizantes do sistema nervoso central na infância e adolescência: revisão sistemática da literatura

Santos, Stella de Aparecida Ederli Pinto dos
Fonte: Instituto Nacional de Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente Fernandes Figueira Publicador: Instituto Nacional de Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente Fernandes Figueira
Tipo: Dissertação
PT_BR
Relevância na Pesquisa
26.49%
Introdução: As lesões tumefativas desmielinizantes (LTD) do SNC apresentam extrema dificuldade diagnóstica em virtude da similaridade clínica e radiológica com outras entidades nosológicas, incluindo doenças neoplásicas, inflamatórias e infecciosas. Frequentemente, o caráter indefinido das lesões aponta para a necessidade de biópsia cerebral com alto risco de morbidade. Portanto, o reconhecimento das características neurorradiológicas da LTD é fundamental para evitar a utilização de procedimentos invasivos. Na prática clínica, os exemplos das formas tumefativas não tumorais são os seguintes: esclerose múltipla (EM), neuromielite óptica (NMO), doença de Schilder e encefalomielite agudadisseminada (ADEM). Objetivo e Métodos: Analisar, através de revisão sistemática da literatura, quais ferramentas diagnósticas clínicas, radiológicas e laboratoriais são utilizadas pelos autores na investigação da etiologia das LTDs do SNC na infância. Resultados: As doenças desmielinizantes encontradas foram as seguintes: EM em 36% dos casos; LTD, sem classificação específica, em 27%; ADEM 17%;doença de Schilder 13 % e NMO 7%. De todos os casos estudados, em 45% houve recorrência de eventos desmielinizantes. Não há protocolo definido em relação aos tipos de exame solicitados nem a sequência apropriada ou oportunidade de indicá-los. Os exames mais realizados pelos autores foram os seguintes: RM de crânio...

Diagnóstico diferencial das lesões tumefativas desmielizantes do sistema nervoso central na infância e adolescência: revisão sistemática da literatura

Santos, Stella de Aparecida Ederli Pinto dos
Fonte: Instituto Fernandes Figueira Publicador: Instituto Fernandes Figueira
Tipo: Dissertação
Relevância na Pesquisa
26.49%
As lesões tumefativas desmielinizantes (LTD) do SNC apresentam extrema dificuldade diagnóstica em virtude da similaridade clínica e radiológica com outras entidades nosológicas, incluindo doenças neoplásicas, inflamatórias e infecciosas. Frequentemente, o caráter indefinido das lesões aponta para a necessidade de biópsia cerebral com alto risco de morbidade. Portanto, o reconhecimento das características neurorradiológicas da LTD é fundamental para evitar a utilização de procedimentos invasivos. Na prática clínica, os exemplos das formas tumefativas não tumorais são os seguintes: esclerose múltipla (EM), neuromielite óptica (NMO), doença de Schilder e encefalomielite agudadisseminada (ADEM).Objetivo e Métodos: Analisar, através de revisão sistemática da literatura, quais ferramentas diagnósticas clínicas, radiológicas e laboratoriais são utilizadas pelos autores na investigação da etiologia das LTDs do SNC na infância.Resultados: As doenças desmielinizantes encontradas foram as seguintes: EM em 36% dos casos; LTD, sem classificação específica, em 27%; ADEM 17%;doença de Schilder 13 % e NMO 7%. De todos os casos estudados, em 45% houve recorrência de eventos desmielinizantes. Não há protocolo definido em relação aos tipos de exame solicitados nem a sequência apropriada ou oportunidade de indicá-los. Os exames mais realizados pelos autores foram os seguintes: RM de crânio...

Esclerose múltipla: correlação clínico-laboratorial

Puccioni-Sohler,Marzia; Lavrado,Fabiola Passeri; Bastos,Reizer Reis Gonçalves; Brandão,Carlos Otávio; Papaiz-Alvarenga,Regina
Fonte: Academia Brasileira de Neurologia - ABNEURO Publicador: Academia Brasileira de Neurologia - ABNEURO
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/03/2001 PT
Relevância na Pesquisa
47.05%
Aspectos clínicos e demográficos de 86 pacientes com o diagnóstico de esclerose múltipla (EM) forma clinicamente definida foram comparados aos achados do líquido cefalorraqueano. Do grupo total 30% encontrava-se em surto, 41% em remissão e 29% na forma crônica progressiva. Os pacientes com a forma crônica progressiva apresentavam índice de IgG sugestivo de imunoliberação intratecal em 76% dos casos, enquanto que aumento deste parâmetro foi observado em apenas 46% e 49%, das formas em surto e remissão, respectivamente (p<0,005). Os dados obtidos no estudo quantitativo da síntese intratecal de IgG contribuem para a demonstração de diferenças imunológicas entre ambas as formas de EM, surto-remissão e crônica progressiva. O uso de corticóides reduz quantitativamente a síntese intratecal de IgG mas não a síntese de bandas oligoclonais.

Panencefalite esclerosante subaguda: de novo uma velha doença

Pinto, Susana; Campos, M. M.; Lavandeira Pimenta, M. Teresa
Fonte: Sociedade Portuguesa de Pediatria Publicador: Sociedade Portuguesa de Pediatria
Formato: application/pdf
Publicado em 28/08/2014 POR
Relevância na Pesquisa
26.49%
ResumoA panencefalite esclerosante subaguda (PEES), é uma doença progressiva do sistema nervoso central, causada por infecção persistente pelo vírus do sarampo. A apresentação clínica é variável e subtil, vários anos após a infecção inicial, o que, aliado à redução da incidência da doença nas últimas décadas, pela vacinação regular, torna a suspeição clínica fundamental para o estabelecimento do diagnóstico.Descreve-se o caso clínico de uma criança de nove anos, com sequelas neurológicas de meningite tuberculosa aos quatro meses de idade (atraso global, hemiparésia esquerda e epilepsia). Nesse internamento, foi registado sarampo, de evolução benigna. Evoluiu com atraso de desenvolvimento, mas com aquisições progressivas e estabilidade da epilepsia. Pelos oito anos, foi tendo insidiosamente menor autonomia nas tarefas básicas, regressão da linguagem, seguido por mioclonias. O estudo complementar revelou bandas oligoclonais em espelho (sangue e líquido cefaloraquidiano), descargas periódicas no electroencefalograma, e evidência de positividade de anticorpos anti-sarampo, confirmativo do diagnóstico de PEES. O tratamento baseou-se na instituição de medidas de suporte gerais adequadas a uma doença crónica debilitante e já com sequelas neurológicas prévias.APEES é uma doença de evolução progressiva e inevitável para a deterioração neurológica e morte. Apesar de diversas tentativas terapêuticas...

Esclerose multipla : correlação clinica, liquido cefalorraquiano e neuroimagem

Ernane Pires Maciel
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 09/08/2003 PT
Relevância na Pesquisa
27.35%
A esclerose múltipla (EM) é uma doença crônica do sistema nervoso central (SNC) de etiologia desconhecida cujas manifestações iniciais ocorrem na adolescência e no adulto jovem, secundárias à desmielinização multifocal por mecanismo autoimune e inflamatório. O curso clínico pode assumir a forma surto-remissão, progressão secundária, progressão primária. O diagnóstico é feito com base no quadro clínico evolutivo com o suporte dos exames de líquor, potencial evocado visual, ressonância magnética de crânio e medula, excluindo-se outras doenças de natureza inflamatória ou infecciosa. O exame de líquor na EM mostra pleocitose linfomonocitária, elevação do índice de IgG (imunoglobulina G) e presença de bandas oligoclonais. O quociente de albumina é alterado infrequentemente na doença. A ressonância magnética mostra lesões de hipersinal em seqüências T2, DP e FLAIR (Fluid-attenuated inversion recovery magnetic resonance imaging) e hipossinal em T1 na substância branca cerebral, nervo óptico, tronco cerebral e medula espinal. A captação de contraste indica lesão recente. O propósito do presente trabalho foi o de avaliar as correlações entre número de células no liquor, índice de IgG, síntese diária intratecal de IgG (imunoglobulina G)...

Análise de bandas oligoclonais no líquido cerebroespinal de pacientes com diagnóstico de esclerose múltipla

Petter, Luana Caroline
Fonte: Universidade Federal do Paraná Publicador: Universidade Federal do Paraná
Tipo: Monografia Graduação Formato: 23 f. : il.; application/pdf
PORTUGUêS
Relevância na Pesquisa
26.49%
Orientador: Murilo Sousa de Meneses; Co-orientador: Djanira Aparecida da Luz Veronez; Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado) - Universidade Federal do Paraná. Setor de Ciências Biológicas. Curso de Graduação em Biomedicina