Página 1 dos resultados de 1722 itens digitais encontrados em 0.009 segundos

Avaliação externa, autoavaliação e planos de melhoria

Afonso, Elias de Jesus Monteiro
Fonte: Instituto Politécnico de Bragança Publicador: Instituto Politécnico de Bragança
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
66.42%
O trabalho que seguidamente se apresenta procura perceber a forma como algumas das escolas/agrupamentos do nordeste transmontano respondem aos pontos fracos/aspetos a melhorar identificados pelas equipas de avaliação externa e pela autoavaliação desenvolvida nessas escolas. Para podermos chegar a esse conhecimento tivemos que, primeiramente, enquadrar essa questão no domínio teórico. Com esse objetivo, num primeiro momento, discorremos sobre a importância da avaliação em sentido lato e, seguidamente, enquadramo-la no contexto escolar. Aí, centramo-nos na avaliação externa, desenvolvida na escola/agrupamento pela equipa coordenada pela IGE/IGEC, e na avaliação interna, no nosso caso a autoavaliação, desenvolvida pela escola. Como o fim último da avaliação é a melhoria dos resultados dos alunos e dos processos das organizações, num segundo momento, debruçamo-nos sobre os movimentos de melhoria e, consequentemente, sobre os planos de melhoria. A investigação desenvolvida numa perspetiva multi-caso enquadrou-se no paradigma qualitativo, tendo sido utilizada, como estratégia metodológica, a análise documental, num primeiro momento, sobre os registos das equipas da IGE/IGEC e sobre os planos de melhoria e a análise de conteúdo semântico...

Reflexos da avaliação externa na organização escolar : um estudo num Agrupamento de Escolas do Baixo Alentejo

Pinho, Paulo Daniel Brandão de
Fonte: Universidade Aberta de Portugal Publicador: Universidade Aberta de Portugal
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2011 POR
Relevância na Pesquisa
66.47%
Dissertação de mestrado em Administração e Gestão Escolar apresentada à Universidade Aberta; A presente dissertação é o produto de uma investigação realizada num Agrupamento de Escolas do Baixo Alentejo. Focaliza-se nos processos de liderança praticados na organização-escola e na compreensão da relação existente entre o conhecimento dos resultados produzidos no âmbito do Programa da Avaliação Externa das Escolas e as mudanças operadas ao nível do funcionamento dessas lideranças. Centra-se em dois domínios fundamentais da organização escolar – avaliação e liderança – e pretende ser um contributo para o desenvolvimento e melhoria da qualidade nas escolas ao incentivar uma perspectiva reflexiva, necessária ao aperfeiçoamento contínuo. A sustentação teórica emergiu da explicitação de alguns conceitos considerados fundamentais, essenciais à caracterização dos domínios acima referenciados e eventuais relações entre ambos. À luz das experiências dos últimos anos, o processo de avaliação externa das escolas é hoje indicado como indispensável para a promoção de mecanismos de regulação que, muitas vezes associados a dinâmicas de auto-avaliação, conduzem à adopção de novas práticas e...

A avaliação externa da escola : contributo para a promoção da qualidade institucional : estudo num agrupamento de escolas

Inácio, Maria João Pina dos Santos
Fonte: Universidade Aberta de Portugal Publicador: Universidade Aberta de Portugal
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2013 POR
Relevância na Pesquisa
66.47%
Dissertação de Mestrado em Administração e Gestão Educacional apresentada à Universidade Aberta; A qualidade tem constituído um fator fundamental para o funcionamento e desenvolvimento das organizações. Em educação também essa preocupação se tem manifestado. A Lei nº 31/2002, de 20 de dezembro institui o sistema de avaliação do ensino não superior e tem como um dos seus objetivos a promoção da melhoria de qualidade do sistema educativo. O sistema de avaliação centra-se na autoavaliação, a realizar em cada escola ou agrupamento e na avaliação externa dos mesmos estabelecimentos de ensino. Em 2006 foi criado o Programa de Avaliação Externa das Escolas, no seguimento de outros programas, e pretende constituir-se como um contributo para o desenvolvimento organizacional e para a melhoria da qualidade educacional. Neste trabalho de investigação qualitativa procura-se identificar o contributo da avaliação externa na melhoria da qualidade das instituições e o modo como as influencia na adoção de ações e processos de mudança, no sentido de ultrapassarem os seus pontos fracos e constrangimentos. O estudo de caso, realizado num Agrupamento de Escolas partiu dos resultados constantes no relatório de avaliação externa da escola resultante da aplicação do Programa de Avaliação Externa das Escolas realizada pela Inspeção-Geral da Educação. Assentou na análise de documentos orientadores da ação educativa e em entrevistas realizadas a diferentes atores da comunidade educativa...

A avaliação externa de escolas no ensino especializado da música : um estudo de caso

Marques, Helena Maria da Costa Queirós
Fonte: Universidade do Minho Publicador: Universidade do Minho
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2013 POR
Relevância na Pesquisa
66.45%
Dissertação de mestrado em Ciências da Educação (área de especialização em Desenvolvimento Curricular); O currículo no ensino especializado de música em Portugal, depara-se com uma referencialidade bastante ambígua. De um lado existe uma racionalidade situada entre os mundos da educação e os mundos das artes e da cultura, nos quais a afirmação das suas particularidades se enquadra numa perspetiva situada entre a individualização do trabalho formativo, artístico e pedagógico e a sua integração em coletivos de dimensões variáveis. Do outro, uma racionalidade, por parte do Estado, centrada na hegemonia de um determinado modelo curricular, assente no “modelo escolar” protagonizado na afirmação de um sistema educativo e de um currículo “unificado e coerente” (Vasconcelos, 2002; Fernandes, 2007.) O ensino especializado da música tem tido pouco destaque na literatura académica, havendo falta de estudos científicos nesta área (Domingues, 2007). Com esta investigação pretendemos estudar o impacto e os efeitos da avaliação externa (Pacheco, et al, 2014) no ensino especializado da música. Através de uma abordagem de investigação de natureza qualitativa (Bogdan & Bikle, 1999), constituída por entrevistas a diretores dos conservatórios (n=6) e da análise documental dos relatórios da avaliação externa...

O Programa de Avaliação Externa das Escolas em Portugal à luz de relatórios internacionais

Fialho, Isabel; Saragoça, José; Correia, Ana Paula; Silvestre, Maria José; Gomes, Sónia
Fonte: Universidade de Évora Publicador: Universidade de Évora
Tipo: Aula
POR
Relevância na Pesquisa
66.44%
Ao longo das duas últimas décadas, em contextos sociopolíticos muito diversos, a avaliação das organizações escolares, assumindo diferentes configurações e domínios de incidência, tem ocupado um lugar de destaque na agenda das políticas educativas. O Programa de Avaliação Externa das Escolas (PAEE), instituído em Portugal desde 2007, sob a responsabilidade da Inspeção Geral da Educação e Ciência (IGEC), resultou de um percurso, com mais de uma década, em programas e em projetos, nacionais e internacionais. A experiência portuguesa no que concerne aos processos de avaliação externa é ainda muito curta quando comparada com a de outros países da Europa. Todavia, o caminho percorrido tem conduzido à alteração de algumas práticas e evidenciou potencialidades e fragilidades nos processos de avaliação, que têm vindo a ser divulgadas em diversos estudos, pareceres e relatórios sobre a avaliação externa das escolas, tanto em Portugal como no restante espaço europeu. Nesta comunicação, apresentamos os resultados de uma análise desenvolvida no âmbito de um projeto de investigação financiado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT) - Impacto e Efeitos da Avaliação Externa nas Escolas do Ensino não Superior (PTDC/CPE-CED/116674/2010)...

O Programa de Avaliação Externa das Escolas em Portugal à luz de relatórios internacionais

Fialho, Isabel; Saragoça, José; Correia, Ana Paula; Silvestre, M. José; Gomes, Sónia
Fonte: Universidade de Évora Publicador: Universidade de Évora
Tipo: Aula
POR
Relevância na Pesquisa
66.44%
Ao longo das duas últimas décadas, em contextos sociopolíticos muito diversos, a avaliação das organizações escolares, assumindo diferentes configurações e domínios de incidência, tem ocupado um lugar de destaque na agenda das políticas educativas. O Programa de Avaliação Externa das Escolas (PAEE), instituído em Portugal desde 2007, sob a responsabilidade da Inspeção Geral da Educação e Ciência (IGEC), resultou de um percurso, com mais de uma década, em programas e em projetos, nacionais e internacionais. A experiência portuguesa no que concerne aos processos de avaliação externa é ainda muito curta quando comparada com a de outros países da Europa. Todavia, o caminho percorrido tem conduzido à alteração de algumas práticas e evidenciou potencialidades e fragilidades nos processos de avaliação, que têm vindo a ser divulgadas em diversos estudos, pareceres e relatórios sobre a avaliação externa das escolas, tanto em Portugal como no restante espaço europeu. Nesta comunicação, apresentamos os resultados de uma análise desenvolvida no âmbito de um projeto de investigação financiado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT) - Impacto e Efeitos da Avaliação Externa nas Escolas do Ensino não Superior (PTDC/CPECED/ 116674/2010)...

Seminário Avaliação externa de escolas. Percursos, consensos e divergências

Fialho, Isabel; Saragoça, José; Silvestre, Maria José; Correia, Ana paula; Gomes, Sónia
Fonte: Universidade de Évora Publicador: Universidade de Évora
Tipo: Conferência ou Objeto de Conferência
POR
Relevância na Pesquisa
66.43%
Este seminário insere-se no Projeto Impacto e Efeitos da Avaliação Externa nas Escolas do Ensino não Superior, financiado pela FCT (PTDC/CPE-CED/116674/2010) e desenvolvido por equipas das Universidades do Minho, Porto, Coimbra, Lisboa, Évora e Algarve. O programa de Avaliação Externa das Escolas, iniciado em 2006/2007, sob a responsabilidade da Inspeção Geral de Educação justifica-se, entre outros, pelo objetivo de promover processos de melhoria da educação, articulando-se com a autoavaliação, a regulação do sistema educativo e a participação social nas escolas. Este Projeto tendo como fim estudar o impacto e efeitos da avaliação externa das escolas sobre as escolas e a comunidade, recorre a um quadro teórico e metodológico que permite responder às seguintes questões: A Avaliação Externa das Escolas produz impacto e efeitos na melhoria da escola ao nível organizacional, curricular e pedagógico?; na consolidação da autoavaliação institucional?; na participação da comunidade na vida social da escola?; na apropriação pela escola e comunidade dos referentes utilizados na avaliação institucional? Neste seminário pretende-se divulgar algum do trabalho já realizado no âmbito do projeto e aprofundar o quadro metodológico da investigação...

Avaliação externa das escolas em Portugal. Que impacto e efeitos na escola e na sala de aula?

Fialho, Isabel; Saragoça, José; Silvestre, Maria José; Gomes, Sónia
Fonte: Universidade de Évora Publicador: Universidade de Évora
Tipo: Aula
POR
Relevância na Pesquisa
66.4%
Portugal iniciou, em 2007, um Programa de Avaliação Externa das Escolas, sob a responsabilidade da Inspeção-Geral de Educação. Atualmente está em curso o segundo ciclo de avaliação. Desta avaliação externa resulta um Relatório que é enviado para as escolas ao qual estas podem responder com um Contraditório. O trabalho que apresentamos é parte de um estudo desenvolvido no âmbito de um projeto de investigação em curso, intitulado «Impacto e Efeitos da Avaliação Externa nas Escolas do Ensino não Superior». A partir da análise dos Contraditórios aos Relatórios oficiais procurámos respostas para duas questões: A avaliação externa teve impacto na escola e conduziu as escolas a implementarem mudanças na organização e em contexto de sala de aula? Se sim, que mudanças foram planeadas e/ou implementadas? Metodologicamente, recorremos à análise de conteúdo dos Contraditórios, a partir de uma matriz de categorização previamente estabelecida em torno de duas variáveis: «impacto e efeitos do Relatório na escola» e «impacto e efeitos do Relatório na sala de aula». Os principais resultados evidenciam que, em geral, os Relatórios produzem impactos e efeitos maioritariamente positivos, sendo globalmente assumidos como um instrumento potenciador de autorregulação escolar e de aprendizagem e melhoria contínuas.

Efeitos da avaliação externa das escolas nos resultados escolares e na qualidade do serviço educativo prestado

Silvestre, Maria José; Fialho, Isabel
Fonte: Universidade de Évora Publicador: Universidade de Évora
Tipo: Aula
POR
Relevância na Pesquisa
66.42%
A escola é hoje entendida como um locus privilegiado para potenciar desenvolvimento a médio e longo prazo, considerando-se a sua capacidade para intervir no crescimento sustentável da sociedade, por via da prestação de um serviço educativo de qualidade, focalizado, sobretudo, nos resultados escolares dos alunos. O referencial avaliativo do programa de Avaliação Externa das Escolas (AEE), levado a cabo pela Inspeção-Geral de Educação e Ciência (IGEC), integra atualmente três domínios, subdivididos em fatores. Da AEE resulta um Relatório enviado para as escolas. O trabalho que apresentamos integra a nossa Tese de Doutoramento, a qual se insere num estudo maior, desenvolvido no âmbito de um projeto de investigação nacional em curso, intitulado «Impacto e Efeitos da Avaliação Externa nas Escolas do Ensino não Superior». Centrámo-nos nos domínios «Resultados» e «Prestação do Serviço Educativo», para, a partir da análise dos Relatórios, procurarmos respostas para a questão central: Quais os efeitos que a Avaliação Externa das Escolas operou nos resultados educativos e na qualidade do serviço educativo prestado? (domínios «Resultados» e «Prestação do Serviço Educativo» do Quadro de Referência da AEE do 1.º ciclo avaliativo). Metodologicamente...

Mudanças fomentadas pelo processo de avaliação externa no Agrupamento de Escolas M

Matos, Conceição; Fialho, Isabel; Neto, Antonio
Fonte: Universidade de Évora Publicador: Universidade de Évora
Tipo: Aula
POR
Relevância na Pesquisa
66.44%
Este estudo empírico teve como fundamento a identificação das mudanças fomentadas pelo processo de avaliação externa, no Agrupamento em análise. Para tal foram definidos como objectivos o conhecimento do ponto de situação da escola antes da avaliação externa; a constatação da existência de alterações/mudanças motivadas pela avaliação externa; a identificação dos aspectos que foram mudados/melhorados; e a percepção se as mudanças introduzidas conseguiram influenciar os resultados alcançados pelos alunos. Tratou-se de um estudo de caso, com a utilização de uma metodologia qualitativa através da análise de conteúdo das entrevistas, de modo a permitir aproveitar a diversidade de reflexões pela proximidade dos sujeitos, enriquecendo as respostas obtidas e complementando as ideias. Utilizámos a técnica da entrevista semi-estruturada e com recurso ao grupo focal por permitir a recolha de dados descritivos na linguagem do próprio sujeito e possibilitar a captação dos significados da informação, pela interacção que se consegue gerar e pela pluralidade de ideias. Entrevistámos quatro grupos organizados a partir dos órgãos de gestão e de funcionamento a que pertenciam. Foram participantes neste estudo a direcção do agrupamento...

Avaliação externa das escolas em Portugal. Que impacto e efeitos na escola e na sala de aula?/

Fialho, Isabel; Saragoça, José; Silvestre, Maria José; Gomes, Sónia
Fonte: Uni-CV Publicador: Uni-CV
Tipo: Artigo de Revista Científica
POR
Relevância na Pesquisa
66.4%
Portugal iniciou, em 2007, um Programa de Avaliação Externa das Escolas, sob a responsabilidade da Inspeção-Geral de Educação. Atualmente está em curso o segundo ciclo de avaliação. Desta avaliação externa resulta um Relatório que é enviado para as escolas e ao qual estas podem responder com um Contraditório. O trabalho que apresentamos é parte de um estudo desenvolvido no âmbito de um projeto de investigação em curso, intitulado «Impacto e Efeitos da Avaliação Externa nas Escolas do Ensino não Superior». A partir da análise dos Contraditórios aos Relatórios oficiais procurámos respostas para duas questões: A avaliação externa teve impacto na escola e conduziu as escolas a implementarem mudanças na organização e em contexto de sala de aula? Se sim, que mudanças foram planeadas e/ou implementadas? Metodologicamente, recorremos à análise de conteúdo dos Contraditórios, a partir de uma matriz de categorização previamente estabelecida em torno de duas variáveis: «impacto e efeitos do Relatório na escola» e «impacto e efeitos do Relatório na sala de aula». Os principais resultados evidenciam que, em geral, os Relatórios produzem impactos e efeitos maioritariamente positivos, sendo globalmente assumidos como um instrumento potenciador de autorregulação escolar e de aprendizagem e melhoria contínuas / Portugal a commencé...

O impacto da avaliação externa numa escola da Marinha Portuguesa

Frade, Ana Sílvia Bernardo Vinhas, 1982-
Fonte: Universidade de Lisboa Publicador: Universidade de Lisboa
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2010 POR
Relevância na Pesquisa
66.51%
Tese de mestrado, Ciências da Educação (Avaliação em Educação), Universidade de Lisboa, Instituto de Educação, 2010; Os sistemas sociais são realidades essencialmente dinâmicas, o que reclama dos sistemas educativos, em permanência, a capacidade de adaptação aos processos de mudança e de reorientação. Neste sentido urge equacionar a importância da Avaliação Externa das escolas e as consequências da sua utilização na identificação e promoção da melhoria da Instituição Escolar. Torna-se, assim, pertinente responder à questão “que impacto tem a avaliação externa numa escola da Marinha de Guerra Portuguesa, mais especificamente na Escola de Tecnologias Navais (ETNA)?”. Acresce, ainda, o facto das Escolas e Centros de Formação da Marinha, que integram o Sistema de Formação Profissional da Marinha (SFPM), estarem a desenvolver esforços para a renovação da Acreditação, sendo que, a avaliação externa se afigura aqui como um processo para esta renovação. Os objectivos gerais deste trabalho requerem a descrição dos processos e acções da dinâmica inspectiva da avaliação externa e a identificação de alterações ao funcionamento da ETNA, com base na percepção dos formadores desta escola...

O impacto da avaliação externa na escola

Nunes, João Manuel Pires Martins, 1957-
Fonte: Universidade de Lisboa Publicador: Universidade de Lisboa
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2012 POR
Relevância na Pesquisa
66.46%
Trabalho de projeto de mestrado, Ciências da Educação (Administração Educacional), Universidade de Lisboa, Instituto de Educação, 2012; O enquadramento teórico do presente projeto de intervenção profissional enfatiza a inter-relação entre autonomia, avaliação e melhoria do processo de ensino e de aprendizagem, no âmbito da prestação do serviço público de educação. Com o objetivo de contribuir para o conhecimento do impacto da avaliação externa enquanto instrumento de consolidação de uma cultura de avaliação na escola, foi recolhida e analisada informação arquivística, bem como informação veiculada em entrevistas informais pelos diretores das duas unidades organizacionais da amostra, as quais foram intervencionadas no âmbito da Avaliação Externa de Escolas em 2006- 2007. A análise e as conclusões foram organizadas segundo os domínios do referencial da avaliação externa, procurando, numa abordagem construtivista, pôr em evidência a ligação entre o desenvolvimento da qualidade e da avaliação, inerente a um sistema descentralizado e profissionalizado, em que as escolas assumem e aceitam que os resultados da sua autoavaliação sejam postos em causa a partir dos resultados da avaliação externa. Paralelamente...

As representações das equipas de avaliação externa da IGEC na dimensão relativa à autoavaliação das escolas

Gonçalves, Ana Filipa Ferreira, 1991-
Fonte: Universidade de Lisboa Publicador: Universidade de Lisboa
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2014 POR
Relevância na Pesquisa
66.45%
Relatório final de Estágio de mestrado, Ciências da Educação (Especialização em Administração Educacional), Universidade de Lisboa, Instituto de Educação, 2014; O presente relatório de estágio resulta de um estágio realizado na Inspeção-Geral da Educação e Ciência durante oito meses. Integra as atividades que desenvolvi com a Equipa Multidisciplinar da Educação Pré-escolar e dos Ensinos Básico e Secundário e com um membro da Assessoria para as Relações Externas e Internacionais, e inclui a caracterização da IGEC segundo um olhar pela sua cultura organizacional. O enfoque do relatório dá-se no estudo realizado sobre as representações que equipas de avaliação externa da IGEC detém sobre a autoavaliação das escolas e teve como finalidade identificar os referenciais implícitos nos relatórios de avaliação externa das escolas e a perceção das equipas de avaliação externa da IGEC. A metodologia insere-se no âmbito da investigação naturalista, inserida no tipo de estudos descritivos, sendo os seus procedimentos de recolha e análise de dados assentes na análise documental/pesquisa arquivista dos relatórios de avaliação externa realizada durante o ano letivo 2012/2013 das escolas pertencentes...

Avaliação externa e sucesso escolar

Veloso, Luisa; Abrantes, Pedro; Craveiro, Daniela; Quintas, Helena; Gonçalves, José Alberto; Vitorino, Teresa; Caixeirinho, Telma
Fonte: Mundos Sociais, CIES Publicador: Mundos Sociais, CIES
Tipo: Parte de Livro
Publicado em //2013 POR
Relevância na Pesquisa
66.47%
Investigação que integrou o ISCTE, a Universidade do Algarve e a Associação de Desenvolvimento Local "Barafunda"; O presente texto resulta de uma investigação que teve como objeto de estudo principal os contextos institucionais das escolas do ensino básico e secundário em Portugal, abordando a relação entre as políticas educativas, os modelos de organização, os processos de avaliação e o sucesso escolar. O estudo incide sobre a análise da informação contemplada na totalidade dos relatórios da avaliação externa das escolas realizada pela Inspeção Geral da Educação e Ciência nos anos letivos de 2006/2007, 2007/2008 e 2008/2009 das regiões de Lisboa e Vale do Tejo, Alentejo e Algarve (298 relatórios de escolas e agrupamentos de escolas). A seleção destas três regiões prende-se com a preocupação em contemplar regiões com características distintas e que são constituídas, na sua maioria, por territórios urbanos, rurais e semiurbanos , respetivamente. O estudo analisou o programa de avaliação externa das escolas, criado em 2006, enquanto promotor de concepções de sucesso educativo (e de organização), com impacto no trabalho das escolas. Desta forma, não se abdicou de compreender esta iniciativa...

Avaliação externa e auto-avaliação das escolas

Quintas, Helena; Vitorino, Teresa Cristina Moura
Fonte: Mundos Sociais, CIES Publicador: Mundos Sociais, CIES
Tipo: Parte de Livro
Publicado em //2013 POR
Relevância na Pesquisa
66.55%
Em Portugal, a questão da avaliação das escolas tem vindo a ser cada vez mais debatida e as atitudes dos vários intervenientes do setor educativo, nomeadamente das escolas, têm vindo a ser objeto de algumas transformações. Apesar de não ser ainda uma prática consistente e estabelecida na cultura organizacional dos nossos estabelecimentos de educação e ensino, nos últimos anos têm sido desenvolvidas algumas atividades e projetos que têm possibilitado uma certa tomada de consciência relativamente à importância dos procedimentos de avaliação das escolas. Aideia que subsisteéadeque a avaliação externa tem como principal função a prestação de contas, no sentido de devolver às escolas um balanço sobre o seu desempenho e a educação e o ensino que proporcionam, enquanto a auto-avaliação, como refere MacBeath, “é um mecanismo crucial para a aquisição de qualquer tipo de desenvolvimento da escola” (1999:40). Esta complementaridade não é fácil de concretizar e razões de ordem vária explicam a dificuldade. Por umlado, e emmuitos casos, os processos avaliativos não fazem parte da cultura organizacional das escolas. Por outro lado, e para que haja uma relação de parceria que rentabilize as potencialidades do binómio avaliação externa/auto-avaliação...

Livro Explicativo do Programa Nacional de Avaliação Externa da Qualidade – 2014

Faria, Ana; Correia, Helena; Cardoso, Ana; Brito, Cristina
Fonte: Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, IP Publicador: Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, IP
Tipo: Livro
Publicado em /10/2013 POR
Relevância na Pesquisa
66.4%
O Programa Nacional de Avaliação Externa da Qualidade (PNAEQ), conforme Regulamento Interno do INSA I. P. (Regulamento n.º 329/2013, publicado no Diário da República, 2.ª série, n.º 165, de 28 de agosto de 2013), está inserido no Departamento de Epidemiologia como Unidade de Avaliação Externa da Qualidade, a quem compete: a) Promover, organizar e coordenar programas de avaliação externa da qualidade nas diferentes áreas laboratoriais (nomeadamente clínica, ambiental, microbiologia de alimentos, microbiologia de águas, anatomia patológica, point-of-care), b) Contribuir para a formação dos participantes, promovendo a melhoria do desempenho laboratorial, aumentando o nível da qualidade, beneficiando diretamente o doente e o público em geral e promovendo prospectivamente boas práticas e políticas adequadas de saúde pública; c) Divulgar a informação e os indicadores gerados nos relatórios de avaliação às entidades envolvidas em todo o processo e aos decisores em saúde.

Estudo do impacto da avaliação externa das escolas e intervencionadas pela Inspecção-Geral da Educação, Delegação Regional do Centro, em 2006-2007

Lopes, Georgina Florbela Fernandes Dinis de Campos
Fonte: Universidade de Coimbra Publicador: Universidade de Coimbra
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
66.4%
A Avaliação Externa das Escolas (AEE), levada a efeito por equipas da Inspecção-Geral da Educação (IGE), nas quais se incluem outros avaliadores externos, provenientes, na sua maioria, do Ensino Superior, constitui-se como elemento regulador e promotor da qualidade educativa. Considerando verosímil a premissa enunciada, impõe-se viabilizar uma análise específica e rigorosa do impacto dessa Avaliação Externa na aprendizagem profissional e organizacional das Unidades de Gestão (UG) intervencionadas pela IGE, na área da Delegação Regional do Centro (DRC), no decurso do ano lectivo de 2006/2007. Esta investigação versa, especificamente, sobre as acções de melhoria efectuadas pelas UG, com vista à superação das debilidades, indicadas pelos Relatórios de Avaliação Externa e quais os resultados provindos dessas diligências. Caso não tenham sido tomadas quaisquer medidas, quais os motivos dessa inércia. A população-alvo contemplada neste estudo abrange todas as dezanove UG intervencionadas pelas equipas de avaliação externa, no período em análise, todavia, são treze as constituintes da amostra. Um Agrupamento de Escolas não se dispôs a participar e as restantes cinco UG, nunca nos remeteram os dados solicitados...

O contributo da avaliação externa na autoavaliação da escola. Um estudo de caso.

Pires, Ana da Soledade Canete
Fonte: Universidade de Évora Publicador: Universidade de Évora
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
66.47%
Os processos de avaliação das escolas, tal como de outras instituições, implicam várias fases que vão desde o diagnóstico da situação até à concretização de mudanças. Avaliação externa e a autoavaliação estão intimamente ligadas; enquanto a avaliação externa emite um juízo de valor, a autoavaliação tem como principal objetivo o diagnóstico para a mudança e melhoria da prestação do serviço educativo e dos resultados da escola. Pretendeu-se, neste trabalho, conhecer o modo como decorreu o processo de avaliação numa escola secundária com 3.º ciclo, não agrupada, à qual convencionamos chamar de Escola S, do distrito de Évora. O estudo reporta-se ao período temporal que se situa entre o ano letivo de 2006/2007 e o ano de 2010/2011. Conhecer as melhorias e as mudanças percecionadas pela comunidade escolar face à avaliação externa e ainda conhecer o impacto da avaliação externa na mudança de práticas de autoavaliação, constituíram os objetivos desta dissertação. Através da análise de documentos da escola e da análise do conteúdo das entrevistas efetuadas a elementos representantes da comunidade escolar foi possível responder às questões que nortearam o estudo. Os resultados do estudo empírico apontam para a existência de um dispositivo de autoavaliação na escola S como resposta à avaliação externa. A comunidade escolar conhece a importância do processo embora a disponibilidade para mudar as práticas não seja efetiva. A autoavaliação é considerada importante tal como a avaliação externa mas...

Lideranças curriculares intermédias no contexto da avaliação externa das escolas em Portugal

Machado, Maria da Graça Marques Dias
Fonte: Universidade do Minho Publicador: Universidade do Minho
Tipo: Tese de Doutorado
Publicado em 24/07/2015 POR
Relevância na Pesquisa
66.42%
Tese de Doutoramento em Ciências da Educação (área de especialização em Desenvolvimento Curricular).; No contexto supra e transnacional, a avaliação sistemática dos estabelecimentos de ensino não superior é uma preocupação recente. Em Portugal o processo, no seu formato atual, teve início com a publicação da Lei nº31/2002, mas só em 2006 foi lançado um projeto-piloto, com 24 escolas, desenvolvido por um Grupo de Trabalho e, finalmente, em 2007, entrou-se no 1º ciclo avaliativo, denominado Avaliação Externa das Escolas (AEE), a cargo da Inspeção Geral de Educação (IGE). O modelo desenhado pelo Grupo de Trabalho inspirou-se no modelo escocês How Good Is Our School, em linha com políticas educativas descentralizadoras, assentes em finalidades dicotómicas: sumativas, porque centradas nos resultados escolares e na prestação de contas, e formativas, por visarem a melhoria da qualidade do ensino/aprendizagem. Cumprido o 1º ciclo de AEE (2006/07 – 2010/11) e tendo-se iniciado o 2º ciclo, com um referencial remodelado, sem que para tal tenha havido meta-avaliação, ganhou consistência e urgência investigar o impacto e efeitos que o 1º ciclo da AEE provocou nas mais de mil escolas intervencionadas...