Página 1 dos resultados de 310 itens digitais encontrados em 0.110 segundos

Indicadores sociais no processo orçamentário do setor público municipal de saúde: um estudo de caso

Varela, Patricia Siqueira
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 04/02/2005 PT
Relevância na Pesquisa
115.73%
Esta pesquisa teve como objetivo compreender e descrever o atual estágio de evolução do uso das informações e indicadores sociais no processo de planejamento e orçamento do setor público municipal de saúde, utilizando-se, como referencial teórico de análise, as concepções de reforma do aparelho do Estado das duas últimas décadas. Para consecução deste propósito, foi escolhida uma abordagem metodológica empírico-analítica com a condução de um Estudo de Caso da gestão da política de saúde do município de Brumadinho/MG. O processo de descentralização tem sido uma estratégia comum dos movimentos de redemocratização do país e de adoção das idéias neoliberais para combater a crise dos últimos anos, porém com objetivos e impactos diferentes sobre a gestão das políticas públicas. Na implantação do Sistema Único de Saúde (SUS), observam-se ações voltadas para garantia do acesso integral e universal a todos os cidadãos e promoção da participação social e, contraditoriamente, políticas de financiamento restritivas inerentes ao ajuste fiscal. Os critérios de distribuição da principal fonte de financiamento da área, recursos da União, restringem a autonomia dos municípios, haja vista o acesso a recursos adicionais ter como condição a aceitação de ações e programas predeterminados pelo Ministério da Saúde. Além disso...

A (re)construção do SUS no município de São Paulo (SP): uma avaliação sobre a incorporação da integralidade na política municipal de saúde; The reconstruction of the SUS into the County of São Paul (SP): an appraisal above the embodies from integralidade on policy municipal of health

Pinto, Nicanor Rodrigues da Silva
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 17/03/2009 PT
Relevância na Pesquisa
115.78%
Antecedentes. Alguns princípios e diretrizes organizativas do Sistema Único de Saúde (SUS) têm sido mais freqüentemente avaliados como a descentralização da gestão, a participação e controle sociais e a extensão de cobertura. A integralidade da atenção à saúde se destaca como um de seus princípios pouco estudado, particularmente no que se refere à sua dimensão sistêmica como a incorporação desse princípio na política e na gestão da saúde no âmbito municipal. Objetivo. Esta pesquisa foi desenvolvida com o objetivo de avaliar se e como a integralidade na assistência à saúde foi incorporada nas políticas de saúde priorizadas e implementadas no processo de (re)construção do SUS no Município de São Paulo (SP), no período de 2001 a 2008. Métodos. A estratégia metodológica utilizada foi a do estudo de caso, utilizando-se como dados e informações coletadas junto a distintas fontes de evidência: (a) atores sociais privilegiados, envolvidos no processo de gestão (informantes-chaves), por meio de entrevistas; (b) documentos de gestão (leis, decretos, portarias, normas técnicas, relatórios de gestão, atas de reunião); e (c) observação participante, desenvolvida em espaços institucionais e instâncias político-administrativas do SUS no município. A análise da incorporação da integralidade da assistência à saúde foi realizada prioritariamente nas dimensões da política de saúde e da gestão do sistema de saúde. Resultados. São apresentados três artigos formatados com recortes temáticos dos resultados da pesquisa e que pudessem ter consistência e densidade suficientes para serem submetidos a periódicos do campo da Saúde Pública/Coletiva. Os artigos elaborados são: (1) Política de saúde e gestão no processo de (re)construção do SUS em município de grande porte: um estudo de caso de São Paulo...

O Processo de Implantação do Sistema Único de Saúde (SUS): estudo de caso em município de gestão semi-plena; The process of implantation of the Single System of Health (SUS): study of case in a city of semiplenum management

Castro, Claudio Gastão Junqueira de
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 12/04/1999 PT
Relevância na Pesquisa
145.81%
Objetivo. Este trabalho está inserido no campo de estudos do processo de implantação do Sistema Único de Saúde, tendo como referência um dos seus princípios básicos, o da descentralização da gestão para o poder municipal. Para tanto foi escolhido o município de São José dos Campos, no Estado de São Paulo, por sua participação ativa no processo da Reforma Sanitária no sentido de formulação e implantação do SUS e sua habilitação como gestor do Sistema Municipal de Saúde na condição de gestão semi-plena, em final de 1994, conforme os termos da Norma Operacional Básica SUS n° 1/93 (NOB SUS n° 1/93). O pressuposto básico é o de que os termos da NOB SUS n° 1/93, na medida em que exigia requisitos e conferia responsabilidades e prerrogativas para o gestor municipal, era uma estratégia válida para implementar o processo de implantação do SUS, dando concretitude aos princípios e diretrizes do mesmo. Método. A metodologia adotada para este estudo é a de um Estudo de Caso Único, e tem como referencial teórico ou conceitual a Pesquisa Avaliativa, nas categorias de Análise da Implantação e Análise dos Efeitos, envolvendo o eixo das mudanças estruturais e organizacionais visando o modelo de gestão e o eixo das mudanças no processo de trabalho...

Gestão publica participativa : a experiencia do Conselho Municipal de Saude de Belo Horizonte

Takamatsu, Sueli Leiko
Fonte: Fundação Getúlio Vargas Publicador: Fundação Getúlio Vargas
Tipo: Dissertação
PT_BR
Relevância na Pesquisa
115.75%
Este estudo tem como tema central a participação social na gestão pública de saúde, garantida fonnalmente desde a edição da Lei Orgânica da Saúde (1990). Procura avaliar em que medida a criação do Conselho Municipal de Saúde de Belo Horizonte possibilitou a descentralização política e institucional, e a democratização da gerência do sistema de saúde na esfera municipal. Examinou-se a participação dos conselheiros de saúde, sobretudo dos cidadãos/usuários, na fonnulação e implementação de políticas de saúde, a partir das recomendações realizadas por Souto-Maior & Gondim (1992). Assim sendo, dêu-se ênfase à avaliação da participação social como processo político de intervenção nas decisões governamentais. Partiu-se do princípio que a participação direta em instâncias colegiadas de gestão de políticas públicas pode se constituir um meio eficiente de controle dos cidadãos sobre as ações do Poder Público, bem como um caminho para a democratização da relação governo e sociedade. Utilizou-se o método estudo de caso, tendo como população os 28 membros efetivos do Conselho Municipal de Saúde de Belo Horizonte no período 1994-95. Os resultados obtidos sugerem que a atuação desse Conselho de Saúde...

As contribuições da elaboração do plano municipal de saúde 2010-2013 como instrumento de planejamento junto à gestão em saúde do município de Osório

Fraga, Pablo Assis Almeida
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
125.77%
Este estudo objetivou demonstrar as contribuições da elaboração do Plano Municipal de Saúde (PMS) 2010-2013 como instrumento de planejamento junto à gestão em saúde no município de Osório. Utilizou-se como metodologia a abordagem qualitativa, cuja coleta de dados abrangeu pesquisa documental do Relatório de Gestão Municipal de Saúde 2009, 2010, Plano Plurianual 2010-2013 e Plano Municipal de Saúde 2010-2013, além da realização de um questionário com o gestor municipal em saúde. O resultado apontou que o PMS 2010- 2013 priorizou ações e metas que facilitaram a avaliação e desempenho dos indicadores de saúde junto à gestão em saúde municipal. O PMS mostrou coerência com as ações previstas junto à gestão pública municipal de Osório; o PMS enfatizou em sua escrita o mapeamento municipal, bem como aspectos organizacional e estrutural da SMS de Osório. Através dele foram identificados problemas enfrentados pela gestão em saúde e propôs-se estratégias de enfrentamento para os mesmos. O PMS possibilitou o cumprimento das atribuições e responsabilidades referentes ao planejamento do SUS; facilitou a identificação das referências regionais de atendimento em saúde de média e alta complexidade junto ao município e contribuiu para a demonstração do quantitativo de recursos financeiros próprios aplicados no setor saúde e das transferências recebidas de outras instâncias do SUS.; This study has aimed to demonstrate the contributions of the formulation of Municipal Health Care Plan - “Plano de Saúde Municipal (PSM)” - from 2010 to 2013 - as a planning tool concerning the healthcare management in Osório city. The qualitative approach was used as the methodology...

Financiamento, gasto e gestão do Sistema Unico de Saude (SUS) : a gestão descentralizada semiplena e plena do sistema municipal no Estado de São Paulo (1995-2001)

Aquilas Nogueira Mendes
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 13/12/2005 PT
Relevância na Pesquisa
115.87%
A análise empreendida nesta tese aborda o processo de descentralização da Saúde em que os municípios foram levados à condição de gestores do Sistema Único de Saúde (SUS), executando todas as ações e os serviços de saúde em seu território. Esse tipo de modalidade de gestão foi definido pelo SUS como gestão municipal semiplena e plena do sistema municipal. Esta tese avalia esse tipo de gestão do SUS no Estado de São Paulo, entre 1995 e 2001, com o objetivo de verificar se ocorreu melhoria da capacidade de gasto e maior eficiência, eficácia e gestão dos recursos financeiros para o adensamento do sistema municipal de saúde. Para tanto, analisa os 11 primeiros municípios paulistas que se enquadraram na gestão semiplena em 1995 ? de acordo com a NOB 93 ? e que continuaram habilitados na gestão plena do sistema municipal do SUS a partir de 1998, na vigência da NOB 96 até 2001. Com a finalidade de aprofundar o estudo da avaliação da eficiência, eficácia e gestão dos recursos locais, analisa-se, de forma geral, a problemática trajetória do financiamento do SUS, a partir da Constituição de 1988 até os primeiros anos de 2000, e o quadro de referência da gestão municipal descentralizada no Estado de São Paulo. De maneira específica...

Epidemiologia e saude publica : reflexões sobre os usos da epidemiologia nos serviços do sistema unico de saude em nivel municipal

Marcos Drumond Junior
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 17/08/2001 PT
Relevância na Pesquisa
115.71%
A crise do paradigma científico dominante moderno tem suscitado debates sobre as características de um paradigma emergente adequadas a abordar a complexidadedos objetos científicos. A integração de pólos freqüentemente isolados, a articulação dos diferentes níveis de aproximação com os objetos, o estabelecimento das mediações, a interdisciplinaridade e a necessidade do diálogo permanente com o senso comum, são algumas destas características que buscam aproximar o conhecimento científico de sua aplicação prática emancipadora e solidária. Este debate está presente também na área da saúde pública que tematiza objeto complexo, expresso tanto pelo quadro sanitário que afeta as populações, quanto pela necessidade de produzir intervenções que modifiquem estes quadros. Na epidemiologia, disciplina básica da saúde pública, o debate predominante se refere a insuficiênciado seu paradigma dominante, a epidemiologia moderna, em abordar a complexidade do quadro sanitário atual. As diferentes características dos paradigmas e modelos de abordagem epidemiológicos são discutidos, assim como as propostas de ampliação da capacidade de produzir conhecimento adequado a modificar positivamente o estado de saúde da população. No entanto...

Atendimento a gestantes no Sistema Único de Saúde; Antenatal care within Brazil’s Unified Health System

Guilhem, Dirce; Costa, Ana Maria; Walter, Maria Inêz Machado Telles
Fonte: Universidade de Brasília Publicador: Universidade de Brasília
Tipo: Artigo de Revista Científica
PT_BR
Relevância na Pesquisa
115.77%
Objetivo Analisar o atendimento ao pré-natal em unidades de saúde, com o intuito de obter uma linha de base que subsidie futuros estudos avaliativos. Métodos Realizou-se estudo exploratório para avaliação da atenção do Sistema Único de Saúde à saúde de mulheres grávidas, por meio de inquérito auto-aplicado em gestores municipais de saúde sobre amostra probabilística do tipo aleatória estratificada de 627 municípios que, submetida à técnica de expansão, permitiu análises para 5.507 municípios. O período de coleta de dados foi de outubro de 2003 a abril de 2004. O questionário captou informações sobre a prioridade às distintas modalidades de atenção, além de dados sobre a oferta de atenção e estimativa declarada de atendimento de demanda. Foram realizados os testes de qui-quadrado e t de Student para verificação de independência entre variáveis qualitativas e a igualdade entre médias, respectivamente. Resultados Dos municípios analisados, 43,8% (n=2.317) não atendiam ao risco gestacional; 81% (n=4.277) e 30,1% (n=1.592) referiram atender acima de 75% da demanda do prénatal de baixo e alto risco, respectivamente; 30,1% (n=1.592) atendiam acima de 75% da demanda de alto risco. Atenção ao baixo risco (χ2=282...

Controle social : construindo a gestão participativa do Sistema Único de Saúde no município de Cacoal - Rondônia

Ferreira Júnior, Olinto
Fonte: Universidade de Brasília Publicador: Universidade de Brasília
Tipo: Dissertação
POR
Relevância na Pesquisa
125.84%
Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Faculdade de Ciências da Saúde, 2008.; A participação da sociedade é uma das diretrizes fundamentais, fixada na Constituição Brasileira de 1988, para a criação do Sistema Único de Saúde (SUS). O princípio da participação social, como instrumento de ação controladora da sociedade sobre as políticas de saúde, por meio de mecanismos próprios específicos em relação ao SUS está no contexto do que chamamos controle social. Os mecanismos para o seu exercício se estruturam na forma de conferências e conselhos de saúde. As Conferências de Saúde reúnem os representantes da sociedade (os usuários do SUS), do governo, dos profissionais de saúde, dos prestadores de serviços, parlamentares e outros para avaliar a situação da saúde e propor as diretrizes para a formulação da política de saúde nos municípios, nos estados e no país. Os Conselhos de Saúde são as instâncias de controle do SUS pela sociedade nos níveis municipal, estadual e federal. Eles foram criados para permitir que a população possa interferir na gestão da saúde, defendendo os interesses da coletividade, ou seja, a participação da sociedade na avaliação, modificação e definição das políticas de saúde a serem implementadas e desenvolvidas no município. Como tem se organizado esse espaço de participação no contexto dos municípios? Analisar a experiência do controle social e da gestão participativa do Conselho Municipal de Saúde (CMS) de Cacoal - RO...

Auditoria como estratégia para o fortalecimento do controle interno do SUS

Andrade, Amelia de
Fonte: Universidade de Brasília Publicador: Universidade de Brasília
Tipo: Dissertação
POR
Relevância na Pesquisa
115.72%
Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Faculdade de Ciências da Saúde, Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva, 2013.; A concepção sistêmica do Sistema Único de Saúde – SUS pressupõe que ele seja permanentemente avaliado e, consequentemente, que os resultados dessas avaliações ofereçam realimentação para o seu aperfeiçoamento. A Constituição Federal previu que o SUS deveria ser regulamentado, fiscalizado e controlado. A responsabilidade de controle e fiscalização do SUS é do Sistema Nacional de Auditoria – SNA, organizado de forma descentralizada com atribuições definidas para os três entes federativos. Passados 20 anos desde a criação do SNA, em 1993, temos o componente federal – Departamento Nacional de Auditoria do SUS – Denasus estruturado e funcionando; os componentes estaduais com a informação de estruturação; e os municipais com somente 64 dos 5.565 municípios informando ter componente municipal estruturado e funcionando. Dessa forma, podemos afirmar a inexistência do controle interno no SUS. Identificamos mediante resultados de auditorias realizadas pelo Denasus que as consequências da inexistência do controle interno podem contribuir para fragilidades em ações estruturantes para o SUS. Foram identificadas não conformidades no planejamento...

Processo de prestação de contas e controle social por meio de pesquisa participante : uma análise do conselho municipal de saúde de Anápolis/GO

Rezende, Ricardo Borges
Fonte: Universidade de Brasília Publicador: Universidade de Brasília
Tipo: Dissertação
POR
Relevância na Pesquisa
115.76%
Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Universidade Federal da Paraíba, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Programa Multi-institucional e Inter-Regional de Pós-Graduação em Ciências Contábeis, 2013.; O controle social na saúde é uma importante ferramenta de acompanhamento da gestão dos recursos do Sistema Único de Saúde (SUS), sendo exercido pelos conselhos de saúde dentre outros meios, por instrumentos de accountability, que buscam garantir a transparência das informações geradas pelos gestores públicos. Nesse sentido, nos termos dos arts. 36 e 37 da Lei Complementar n° 141/2012, a referida prestação de contas deverá retratar as tomadas de decisões realizadas para melhoria do SUS, em consonância com os instrumentos de planejamento. Neste contexto, o presente estudo tem por objetivo analisar o processo de prestação de contas e controle social da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) ao Conselho Municipal de Saúde (CMS) de Anápolis/GO, por meio de pesquisa participante. Entende-se o processo de prestação de contas como o ciclo que envolve a apresentação e elaboração do relatório de prestação de contas da SMS ao CMS, bem como leitura, análise e manifestação por parte do conselho de saúde. A pesquisa participante dividiu-se nas seguintes fases: fase exploratória...

Avaliação da qualidade do serviço prestado pela Unidade Municipal de Saúde da Marambaia sob a perspectiva dos usuários

Alencar, Sandra Maria Ferreira de
Fonte: Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro Publicador: Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
115.76%
Dissertação de Mestrado em Gestão; A criação do Sistema Único de Saúde (SUS) em 1988 tem sido analisada como uma das mais bem sucedidas reformas da área social, tendo em vista o seu caráter universal e igualitário. A inclusão de grande parte da população anteriormente excluída do acesso aos serviços e ações de saúde, em todos os níveis de complexidade, sem dúvida constitui-se em grande avanço. No entanto, em rápido olhar para o cotidiano dos serviços de saúde é suficiente para identificar as deficiências desse sistema. Esta pesquisa objetiva avaliar a qualidade do serviço prestado pela Unidade Municipal de Saúde da Marambaia sob a perspectiva dos seus usuários. A Unidade de Saúde se encontra localizada no bairro do mesmo nome, na cidade de Belém – PA – Brasil. A referida avaliação foi efetivada através da mensuração da satisfação dos usuários em relação aos serviços prestados pela referida Unidade de Saúde, através da relação entre expectativa e percepção do usuário, com relação ao serviço oferecido, utilizando para esse fim a Escala SERVQUAL, instrumento através do qual se avalia qualidade em cinco dimensões: tangibilidade, empatia, garantia, confiança e presteza. Em todas as dimensões...

Financiamento descentralizado da saúde: a contribuição dos municípios paulistas

Mendes,Áquilas Nogueira; Santos,Suzana B. de Souza
Fonte: Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo.; Associação Paulista de Saúde Pública. Publicador: Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo.; Associação Paulista de Saúde Pública.
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2000 PT
Relevância na Pesquisa
115.68%
Nas discussões sobre o processo de implantação do Sistema Único de Saúde cada vez mais se evidencia a questão do seu financiamento. O processo de descentralização do SUS só pode ser concebido se forem considerados, de um lado, os recursos financeiros adequados ao governo municipal e, de outro, a própria gestão desses recursos, em termos de eficácia dos serviços. Nesta perspectiva, este trabalho, preocupado com a necessidade de informações constantes sobre o financiamento do SUS no Estado de São Paulo, criou um sistema permanente de coleta de dados -"Sistema de Informação sobre o Financiamento de Saúde nos Municípios" -, para subsidiar o exercício dos gestores municipais; esse trabalho tem dados sobre as receitas e despesas municipais com saúde, nos períodos 1995/96/97. O "Sistema" registrou 442 municípios e possibilitou aos gestores de saúde o acesso a um instrumento que incorpora informações e relatórios importantes para os momentos de planjemento, acompanhamento, controle e avaliação dos recursos alocados em saúde.

Monitoramento do processo de assistência pré-natal entre as usuárias do Sistema Único de Saúde em município do Sudeste brasileiro; Monitoring the prenatal care process among users of the Unified Health Care System in a city of the Brazilian Southeast

COUTINHO, Tadeu; MONTEIRO, Mário Francisco Giani; SAYD, Jane Dutra; TEIXEIRA, Maria Teresa Bustamante; COUTINHO, Conrado Milani; COUTINHO, Larissa Milani
Fonte: Federação Brasileira das Sociedades de Ginecologia e Obstetrícia Publicador: Federação Brasileira das Sociedades de Ginecologia e Obstetrícia
Tipo: Artigo de Revista Científica
POR
Relevância na Pesquisa
135.73%
OBJETIVOS: avaliar a evolução da adequação do processo de atendimento às gestantes usuárias do Sistema Único de Saúde (SUS) e consolidar metodologia para monitoramento da assistência pré-natal. MÉTODOS: estudo de séries temporais múltiplas, com auditoria em cartões de gestantes que realizaram pré-natal em município do Sudeste brasileiro (Juiz de Fora, Minas Gerais) nos semestres iniciais de 2002 e 2004 (370 e 1.200 cartões, respectivamente) e utilizaram o SUS no atendimento ao parto a termo (p < 0,05). Obedeceu-se a uma sequência em três níveis complementares: utilização do pré-natal (início e número de atendimentos) no nível 1; utilização do pré-natal e procedimentos clínico-obstétricos obrigatórios em uma consulta pré-natal [aferições de pressão arterial (PA), peso, altura uterina (AU), idade gestacional (IG), batimentos cardiofetais (BCFs) e apresentação fetal] no nível 2; e utilização, procedimentos clínico-obstétricos obrigatórios e exames laboratoriais básicos, segundo o Programa de Humanização no Pré-natal e Nascimento/PHPN [tipagem ABO/Rh, hemoglobina/hematócrito (Hb/Htc), VDRL, glicemia e exame comum de urina] no nível 3. RESULTADOS: confirmou-se a alta cobertura pré-natal (99%)...

A amplitude da participação da comunidade no Conselho Municipal de Saude de Porto Alegre (RS) : visão dos conselheiros

Silva, Andrea de Oliveira
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Dissertação Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
115.72%
O estudo trata da amplitude da participação da comunidade no Conselho Municipal de Saúde de Porto Alegre – CMS/POA - sob o ponto de vista de seus conselheiros. O trabalho foi realizado através de pesquisa qualitativa, optando-se por um estudo de caso observacional, tendo como principais referências teóricas de RIFKIN et al (1989); LIKERT (1975) e DEMO (1996). Os resultados, obtidos através de análise documental e de conteúdo apontaram que a amplitude da participação da comunidade tende a ser aberta no conselho, ou seja, o CMS/POA é ativo, tem iniciativa; a comunidade avalia as necessidades e controla a utilização de recursos bem como participa da supervisão das atividades do gestor. O estudo apresenta uma dimensão histórica que fundamenta a dimensão amplitude da participação. A dimensão histórica demonstrou que o processo de implantação do CMS/POA se deu através de legislação e, já no final da década de 80, há o engajamento da população. A partir do surgimento de novas demandas, agregaram-se novas estruturas. A dimensão amplitude da participação abordou dois aspectos: a tradução de demandas da comunidade no CMS/POA e a gestão do CMS/POA. Na tradução de demandas, foram estudadas a avaliação de necessidades...

Gestão e avaliação na Estratégia Saúde da Família

Calvo, Maria Cristina Marino; Magajewski, Flavio Ricardo Liberali; Andrade, Selma Regina de
Fonte: Universidade Aberta do SUS Publicador: Universidade Aberta do SUS
Tipo: Texto Formato: Texto no formato PDF. 90 páginas
PT_BR
Relevância na Pesquisa
115.67%
Este módulo busca proprocionar o aprofundamento dos conhecimentos acerca da gestão e da avaliação da Atenção Básica e da Estratégia Saúde da Família no sentido de desenvolver competências importantes para o bom desempenho de sua função. Tem por objetivo compreender a gestão do sistema municipal de saúde, a gestão local em saúde, suas operações de funcionamento e de trabalho em equipe, no cotidiano das UBS e ESF, bem como aproximar-se dos conceitos e técnicas de avaliação em saúde.; 1.0; Ministério da Saúdes/OPAS/OMS

Mudanças significativas no processo de descentralização do sistema de saúde no Brasil

Viana,Ana Luiza d'Ávila; Heimann,Luiza S.; Lima,Luciana Dias de; Oliveira,Roberta Gondim de; Rodrigues,Sergio da Hora
Fonte: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz Publicador: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/2002 PT
Relevância na Pesquisa
115.67%
O artigo discute as tendências e os limites do processo de descentralização da política de saúde no Brasil, identificando os três elementos constitutivos da indução estratégica conduzida pelo gestor nacional, nos preceitos das Normas Operacionais do SUS: racionalidade sistêmica, financiamento intergovernamental e dos prestadores de serviço e modelo de atenção à saúde. Os efeitos das regulações federais são analisados com base nos resultados da Pesquisa de Avaliação da Instituição da Gestão Plena do Sistema Municipal. A estratégia de descentralização, induzida pela Norma Operacional Básica 96, vem conseguindo melhorar as condições institucionais, de autonomia gerencial e de oferta ­ aferidas pelos recursos financeiros federais transferidos, capacidade instalada, produção e cobertura dos serviços ambulatoriais e hospitalares ­ nos sistemas de saúde dos municípios habilitados em gestão plena, sem alterar os padrões de iniqüidade existentes na distribuição dos recursos para os municípios mais carentes.

Sistema Integrado de Saúde em região de fronteira: desafios do acesso da população aos serviços de atenção primária à saúde

Lemões, Marcos Aurélio Matos
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
115.8%
A problemática de saúde nas fronteiras do Brasil envolve fatores que se relacionam com a gestão local de um município fronteiriço, sua articulação política e diplomática com o país adjacente e, a desejada adequação do sistema de saúde regional as demandas dos usuários, considerando a oferta de serviços disponibilizados na atenção primária à saúde. Foi realizado um estudo de caso em um município localizado em linha de fronteira entre Brasil e Uruguai no extremo sul do estado do Rio grande do Sul com base em um questionário respondido pelo secretário municipal de saúde. A captação e analise dos dados foi realizada no período de janeiro à março de 2012. Buscou-se identificar a formação do gestor local em saúde e sua contribuição para contexto fronteiriço, adequação da atenção primária à saúde para as demandas dos usuários, o modelo de gestão municipal do Sistema único de Saúde, a disponibilidade da secretaria municipal de saúde possuir um núcleo dedicado à avaliação de serviços de saúde ou de doenças e/ou agravos importantes para região de fronteira e estratégias de cooperação entre Brasil e Uruguai no intuito de qualificação das ações loco-regionais de saúde, sendo estas identificadas podem servir de apoio para ampliar a discussão sobre acesso aos serviços de saúde e a qualificação destes em região fronteiriça.; The health problem in Brazil's borders involves factors that are related to local management of a border town and its political and diplomatic coordination with the adjacent country. It was sought to verify the adequacy of the regional health system according to user demands...

Atendimento a gestantes no Sistema Único de Saúde; Antenatal care within Brazil's Unified Health System

Costa, Ana Maria; Guilhem, Dirce; Walter, Maria Inêz Machado Telles
Fonte: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública Publicador: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; ; ; ; Formato: application/pdf; application/pdf
Publicado em 01/10/2005 POR; ENG
Relevância na Pesquisa
115.68%
OBJETIVO: Analisar o atendimento ao pré-natal em unidades de saúde, com o intuito de obter uma linha de base que subsidie futuros estudos avaliativos. MÉTODOS: Realizou-se estudo exploratório para avaliação da atenção do Sistema Único de Saúde à saúde de mulheres grávidas, por meio de inquérito auto-aplicado em gestores municipais de saúde sobre amostra probabilística do tipo aleatória estratificada de 627 municípios que, submetida à técnica de expansão, permitiu análises para 5.507 municípios. O período de coleta de dados foi de outubro de 2003 a abril de 2004. O questionário captou informações sobre a prioridade às distintas modalidades de atenção, além de dados sobre a oferta de atenção e estimativa declarada de atendimento de demanda. Foram realizados os testes de qui-quadrado e t de Student para verificação de independência entre variáveis qualitativas e a igualdade entre médias, respectivamente. RESULTADOS: Dos municípios analisados, 43,8% (n=2.317) não atendiam ao risco gestacional; 81% (n=4.277) e 30,1% (n=1.592) referiram atender acima de 75% da demanda do pré-natal de baixo e alto risco, respectivamente; 30,1% (n=1.592) atendiam acima de 75% da demanda de alto risco. Atenção ao baixo risco (chi2=282...

Financiamento descentralizado da saúde: a contribuição dos municípios paulistas; Health financing in the municipalities of the State of São Paulo

Mendes, Áquilas Nogueira; Santos, Suzana B. de Souza
Fonte: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública Publicador: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; Formato: application/pdf
Publicado em 01/12/2000 POR
Relevância na Pesquisa
115.77%
Nas discussões sobre o processo de implantação do Sistema Único de Saúde cada vez mais se evidencia a questão do seu financiamento. O processo de descentralização do SUS só pode ser concebido se forem considerados, de um lado, os recursos financeiros adequados ao governo municipal e, de outro, a própria gestão desses recursos, em termos de eficácia dos serviços. Nesta perspectiva, este trabalho, preocupado com a necessidade de informações constantes sobre o financiamento do SUS no Estado de São Paulo, criou um sistema permanente de coleta de dados -"Sistema de Informação sobre o Financiamento de Saúde nos Municípios" -, para subsidiar o exercício dos gestores municipais; esse trabalho tem dados sobre as receitas e despesas municipais com saúde, nos períodos 1995/96/97. O "Sistema" registrou 442 municípios e possibilitou aos gestores de saúde o acesso a um instrumento que incorpora informações e relatórios importantes para os momentos de planjemento, acompanhamento, controle e avaliação dos recursos alocados em saúde.; During the discussions about the implementation process of the Unified Health System (SUS) the matter of financing has become explicit. The decentralization process of SUS can only be conceived only if we take into account...