Página 1 dos resultados de 699 itens digitais encontrados em 0.003 segundos

Autopercepção da saúde e desempenho cognitivo em idosos residentes na comunidade; Self-perception of health and cognitive performance in community-dwelling elderly

FREITAS, Daniela Helena Machado de; CAMPOS, Fernanda Carolina Alves; LINHARES, Lorena Quintão; SANTOS, Carolina Ribeiro dos; FERREIRA, Cristina Barcelos; DINIZ, Breno Satler; TAVARES, Almir
Fonte: Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Publicador: Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica
POR
Relevância na Pesquisa
37.62%
CONTEXTO: A autopercepção de saúde contempla vários aspectos da saúde física, cognição e capacidade funcional. OBJETIVO: Comparar idosos com e sem evidência de declínio cognitivo/demência quanto a autopercepção de saúde e variáveis sociodemográficas, destacando as variáveis associadas à autopercepção de saúde positiva e negativa dentro destes grupos. MÉTODOS: Noventa e oito idosos residentes na comunidade foram avaliados em visitas domiciliares para este trabalho. A avaliação cognitiva e funcional foi feita por meio da aplicação do Mini-Exame do Estado Mental (MEEM), do Teste do Desenho do Relógio (TDR), da Escala de Demência de Blessed (EDB) e do Questionário do Informante de Declínio Cognitivo em Idosos (IQCODE). A autopercepção da saúde foi avaliada por intermédio de um questionário adaptado do Brazil Old Age Schedule. RESULTADOS: Vinte e seis idosos (26%) apresentaram quadro de declínio cognitivo. Autopercepção de saúde negativa e menor participação em atividades físicas e recreativas se associaram significativamente a declínio cognitivo nesta amostra (p = 0,006, p = 0,05, p = 0,03, respectivamente). No grupo de sujeitos sem evidência de declínio cognitivo, a história prévia de eventos cerebrovasculares se relacionou à maior frequência de autopercepção negativa da saúde. CONCLUSÃO: A autopercepção negativa da saúde está relacionada ao provável diagnóstico de demência. Nos idosos com declínio cognitivo...

Autopercepção das condições bucais em pessoas com 60 anos e mais de idade.; Self-perception of oral health status in persons aged 60 years and over.

Silva, Silvio Rocha Corrêa da
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 15/04/1999 PT
Relevância na Pesquisa
37.37%
Objetivo. Este estudo foi realizado com o objetivo de avaliar a autopercepção das condições bucais em idosos. Material e Métodos. Participaram do estudo 337 pessoas, com 60 anos e mais de idade, funcionalmente independentes, que freqüentavam um centro de saúde em Araraquara, SP. Foi aplicado formulário com questões sobre as características sócio-demográficas da amostra, autopercepção da condição bucal e o índice GOHAI. Realizou-se exame clínico para determinar a prevalência das principais doenças bucais. Os testes estatísticos realizados tiveram como objetivo determinar a associação entre as variáveis sócio-demográficas, clínicas e o índice GOHAI com a autopercepção e também identificar os preditores da auto-avaliação. Resultados. O exame clínico revelou que 40,4% das pessoas eram desdentadas, e entre os dentados a cárie e a doença periodontal tiveram grande prevalência. Entre os dentados, 42,7% avaliaram sua condição bucal como regular, enquanto 55,8% dos desdentados afirmaram que era boa. As variáveis associadas à auto-avaliação foram: a classe social, o GOHAI, os dentes cariados e com extração indicada entre os dentados, e a escolaridade e o GOHAI entre os desdentados. A análise multivariada mostrou que os preditores da auto-avaliação foram o GOHAI (em dentados e desdentados)...

Escala de autopercepção de harter para adolescentes : um estudo de validação; Harter Self Perception Scale for Adolescents: A validation study a validation study

Bandeira, Denise Ruschel; Arteche, Adriane Xavier; Reppold, Caroline Tozzi
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
37.37%
O presente estudo objetivou investigar a validade convergente da escala de Autopercepção de Harter. Foram participantes 291 adolescentes da Região Sul, com idade média de 17 anos, de ambos os sexos e estudantes do Ensino Médio. Os instrumentos utilizados foram a Escala de Autopercepção de Harter para Adolescentes (EAPH-A), a Escala de Auto-Estima de Rosenberg, a Escala Multidimensional de Satisfação de Vida e o Inventário de Depressão Infantil. Os resultados indicam que a EAPH-A apresentou boa qualidade psicométrica. A análise de fidedignidade apontou índices de consistência interna adequados (α=0,60 a α=0,88). A validade de construto foi comprovada por análises de correlação com os demais instrumentos, sendo que todos os índices foram significativos e na direção esperada. A alta correlação entre os instrumentos aponta a necessidade de haver outros estudos que investiguem as dimensões da autopercepção e diferencie esse conceito de outros construtos, como auto-estima, satisfação de vida e autoconceito.; The present paper’s purpose was to investigate the Harter Self-Perception scale thru a convergent validity analysis. The participants were 291 southern adolescents, mean age 17 years, from both sexes and high school students. The instruments were the Harter Self Perception Scale (HSPS-A)...

Avaliação das condições de saude bucal, autopercepção e conhecimento de cuidadores de idosos institucionalizados; Evaluation of oral heath conditions, self perception and knowledge of caregivers of institutionalized elderly

Clicia dos Santos Rodrigues de Oliveira
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 02/07/2008 PT
Relevância na Pesquisa
37.37%
O objetivo deste estudo foi avaliar as condições de saúde bucal, a autopercepção e o conhecimento de cuidadores de idosos. A amostra foi constituída por 70 cuidadores de duas instituições geriátricas do município de Piracicaba-SP, Brasil. A prevalência das doenças bucais foi determinada de acordo com as normas da Organização Mundial de Saúde. O índice Oral Health Impact Profile (OHIP-14) foi utilizado para mensurar a autopercepção em saúde bucal. Um questionário abordando aspectos sócio-demográficos, condições de saúde, práticas e conhecimento de saúde bucal foi aplicado. Os dados foram analisados com o uso dos testes Qui-quadrado e Exato de Fischer. A maioria dos cuidadores eram mulheres, com idade média de 41,7 anos, trabalhavam há mais de 7,5 anos com idosos, sendo que 11,4% eram técnicos em enfermagem. O CPO-D encontrado foi alto, sendo o componente perdido responsável por 62%. Uma associação significante foi encontrada na análise bivariada para gênero e idade (p<0,0001). Esta perda dentária influenciou o CPI (Community Periodontal Index), com 30,4% dos sextantes excluídos. As demais condições encontradas foram higidez (25,1%), cálculo (20,0%) e sangramento (18,8%). Do total de participantes...

Fatores associados com multimorbidades e autopercepção de saúde em mulheres com 50 anos ou mais : estudo de base populacional no município de Campinas, São Paulo = Factors associated with multimorbidities and self-perception of health in women of 50 years of age or more: a population-based study in Campinas, São Paulo; Factors associated with multimorbidities and self-perception of health in women of 50 years of age or more : a population-based study in Campinas, São Paulo

Vanessa de Souza Santos Machado
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 18/10/2013 PT
Relevância na Pesquisa
37.65%
Objetivos: Avaliar a presença de multimorbidades e autopercepção de saúde e seus fatores associados em mulheres brasileiras com 50 anos ou mais em uma cidade do sudeste brasileiro. Métodos: Foi realizado um estudo transversal de base populacional, utilizando entrevista domiciliar em uma amostra de 622 mulheres com 50 anos ou mais. Os dados foram obtidos através de autorrelato. O número de doenças crônicas referidas foram avaliadas (hipertensão arterial, artrose, catarata, diabetes mellitus, osteoporose, glaucoma, bronquite crônica ou asma, acidente vascular cerebral, incontinência urinária, câncer, infarto agudo do miocárdio, enfisema pulmonar) e classificadas em nenhuma, uma ou duas ou mais morbidades (multimorbidades). A autopercepção da saúde foi avaliada como muito boa, boa, regular, ruim ou péssima Os fatores sociodemográficos, comportamentais e clínicos associados também foram avaliados. O teste qui-quadrado e a regressão de Poisson foram utilizados para selecionar os principais fatores associados com o número de morbidades e a autopercepção de saúde, com nível de significância de 5%. Resultados: Nesta amostra, 15,8% não reportaram nenhuma doença crônica, 26% referiram apenas uma doença crônica e 58...

Percepção da qualidade do apego parental e da amizade entre pares como fatores preditores da autopercepção em pré-adolescentes

Manfroi, Edi Cristina
Fonte: Florianópolis Publicador: Florianópolis
Tipo: Tese de Doutorado Formato: 156 p.| il., tabs.
POR
Relevância na Pesquisa
37.62%
Tese (doutorado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Filosofia e Ciências Humanas. Programa de Pós-Graduação em Psicologia; A autopercepção, um construto central da personalidade, tem sido associado de forma consistente ao funcionamento social da criança, tanto no ambiente familiar como no grupo de pares facilitando/ dificultando o estabelecimento de relacionamentos e interações sociais de qualidade. Particularmente, na pré-adolescência, quando a rede de interações sociais se amplia, os pares e amigos passam a representar, além da família, uma importante fonte de referencia, de trocas sociais, de aprendizado, de afeto e de amizade, contribuindo para adaptação e o bem estar psicossocial da criança. Nesse sentido, o objetivo desse estudo foi investigar como a percepção da qualidade do vínculo de apego parental e da qualidade das amizades predizem, de forma independente e combinada, a autopercepção na pré-adolescência. Para responder a este propósito foi realizada uma pesquisa descritiva e correlacional. Os dados foram obtidos de um total de 289 crianças selecionadas em quatro escolas públicas (grande Porto Alegre e Santa Catarina). Os participantes responderam a Escala de Segurança de Apego e ao questionário da Qualidade da Amizade e a Escala da Autopercepção. Os resultados apontam que as crianças que percebem como satisfatória a relação de vínculo de apego com ambos os pais...

A autopercepção de alunos com deficiência intelectual em diferentes espaços-tempos da escola

Chicon,José Francisco; Sá,Maria das Graças Carvalho Silva de
Fonte: Colégio Brasileiro de Ciências do Esporte Publicador: Colégio Brasileiro de Ciências do Esporte
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2013 PT
Relevância na Pesquisa
37.26%
Estudo de caso com aproximações etnográficas, objetivando conhecer e analisar a autopercepção de três alunos com deficiência intelectual em diferentes espaços-tempos da escola, com ênfase na Educação Física. Os instrumentos se pautaram nas entrevistas, observações e diário de campo. Os resultados denunciam uma autopercepção negativa dos sujeitos foco, especialmente quando associada aos processos de ensino/aprendizagem vividos nos diferentes espaços-tempos da escola, inclusive na Educação Física. Entretanto, a participação em um projeto intitulado "A Trupe do Palhaço Caramelo" operou positivamente nos modos de simbolização/percepção dos envolvidos, visto que eles saíam da condição de figuração vivida anteriormente para experimentar o protagonismo de suas respectivas histórias de vida.

Autopercepção da saúde e desempenho cognitivo em idosos residentes na comunidade

Freitas,Daniela Helena Machado de; Campos,Fernanda Carolina Alves; Linhares,Lorena Quintão; Santos,Carolina Ribeiro dos; Ferreira,Cristina Barcelos; Diniz,Breno Satler; Tavares,Almir
Fonte: Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Publicador: Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/2010 PT
Relevância na Pesquisa
37.62%
CONTEXTO: A autopercepção de saúde contempla vários aspectos da saúde física, cognição e capacidade funcional. OBJETIVO: Comparar idosos com e sem evidência de declínio cognitivo/demência quanto a autopercepção de saúde e variáveis sociodemográficas, destacando as variáveis associadas à autopercepção de saúde positiva e negativa dentro destes grupos. MÉTODOS: Noventa e oito idosos residentes na comunidade foram avaliados em visitas domiciliares para este trabalho. A avaliação cognitiva e funcional foi feita por meio da aplicação do Mini-Exame do Estado Mental (MEEM), do Teste do Desenho do Relógio (TDR), da Escala de Demência de Blessed (EDB) e do Questionário do Informante de Declínio Cognitivo em Idosos (IQCODE). A autopercepção da saúde foi avaliada por intermédio de um questionário adaptado do Brazil Old Age Schedule. RESULTADOS: Vinte e seis idosos (26%) apresentaram quadro de declínio cognitivo. Autopercepção de saúde negativa e menor participação em atividades físicas e recreativas se associaram significativamente a declínio cognitivo nesta amostra (p = 0,006, p = 0,05, p = 0,03, respectivamente). No grupo de sujeitos sem evidência de declínio cognitivo, a história prévia de eventos cerebrovasculares se relacionou à maior frequência de autopercepção negativa da saúde. CONCLUSÃO: A autopercepção negativa da saúde está relacionada ao provável diagnóstico de demência. Nos idosos com declínio cognitivo...

Escala de autopercepção de harter para adolescentes: um estudo de validação

Bandeira,Denise Ruschel; Arteche,Adriane Xavier; Reppold,Caroline Tozzi
Fonte: Instituto de Psicologia, Universidade de Brasília Publicador: Instituto de Psicologia, Universidade de Brasília
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/09/2008 PT
Relevância na Pesquisa
37.37%
O presente estudo objetivou investigar a validade convergente da escala de Autopercepção de Harter. Foram participantes 291 adolescentes da Região Sul, com idade média de 17 anos, de ambos os sexos e estudantes do Ensino Médio. Os instrumentos utilizados foram a Escala de Autopercepção de Harter para Adolescentes (EAPH-A), a Escala de Auto-Estima de Rosenberg, a Escala Multidimensional de Satisfação de Vida e o Inventário de Depressão Infantil. Os resultados indicam que a EAPH-A apresentou boa qualidade psicométrica. A análise de fidedignidade apontou índices de consistência interna adequados (∝=0,60 a ∝=0,88). A validade de construto foi comprovada por análises de correlação com os demais instrumentos, sendo que todos os índices foram significativos e na direção esperada. A alta correlação entre os instrumentos aponta a necessidade de haver outros estudos que investiguem as dimensões da autopercepção e diferencie esse conceito de outros construtos, como auto-estima, satisfação de vida e autoconceito.

Autopercepção de saúde em adolescentes, adultos e idosos

Reichert,Felipe Fossati; Loch,Mathias Roberto; Capilheira,Marcelo Fernandes
Fonte: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva Publicador: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2012 PT
Relevância na Pesquisa
37.51%
O objetivo deste estudo foi verificar a prevalência e os fatores associados a autopercepção de saúde regular/ruim em adolescentes, adultos e idosos. O estudo foi transversal, de base populacional, realizado em Pelotas. A amostra compreendeu 820 adolescentes, 2715 adultos e 385 idosos. Autopercepção de saúde foi investigada pela pergunta: "Como o Sr(a) considera sua saúde?" Características demográficas, socioeconômicas, comportamentais e de saúde foram coletadas. Razões de prevalência ajustada foram estimadas pela Regressão de Poisson. A prevalência de autopercepção regular ou ruim de saúde foi de 12,1%, 22,3% e 49,4% entre adolescentes, adultos e idosos, respectivamente. Adolescentes com menor nível econômico e com escolaridade não adequada relataram pior autopercepção de saúde. Entre os adultos e idosos, relataram pior autopercepção de saúde: as mulheres, aqueles com maior faixa etária, menor nível econômico e os que possuíam alguma morbidade. Conclui-se que a população percebe saúde não apenas como ausência de doença, mas também como um constructo relacionado com aspectos sociais e demográficos, e em menor magnitude, com aspectos comportamentais. Abordagens em saúde devem superar o modelo simplista onde saúde é dicotomizada em doente e não-doente.

Relações sociais e autopercepção da saúde: projeto envelhecimento e saúde

Nunes,Ana Paula Nogueira; Barreto,Sandhi Maria; Gonçalves,Luana Giatti
Fonte: Associação Brasileira de Saúde Coletiva Publicador: Associação Brasileira de Saúde Coletiva
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2012 PT
Relevância na Pesquisa
37.51%
OBJETIVO: Investigar a associação entre as relações sociais e a autopercepção da saúde em idosos. MÉTODOS: Estudo transversal de amostra representativa de idosos cobertos pelo Programa de Saúde da Família e residentes em uma área de alta vulnerabilidade para a saúde em Belo Horizonte, MG. As informações foram obtidas por meio de entrevista estruturada. Idosos que relataram autopercepção ruim ou muito ruim da saúde foram comparados aos demais e os fatores associados foram determinados por meio de regressão logística múltipla. RESULTADOS: 363 dos 371 idosos elegíveis participaram do estudo. A autopercepção ruim da saúde foi relatada por 17,1% dos idosos e foi positivamente associada com o número de doenças crônicas e o grau de dificuldade para realizar as atividades de vida diária, apresentando um gradiente dose resposta. Idosos com auto-avaliação negativa dos relacionamentos pessoais e que não podiam contar com alguém caso ficassem acamados tiveram mais chance de autoperceber sua saúde como ruim. Trabalhar foi associado negativamente com a autopercepção ruim da saúde. CONCLUSÃO: Os resultados encontrados corroboram a estrutura multidimensional da autopercepção da saúde englobando fatores sociodemográficos...

Avaliação da autopercepção estética e qualidade de vida em pessoas vivendo com HIV/AIDS com síndrome lipodistrófica (SLD) em uso de antirretrovirais

Silva, Carla Glenda Souza da
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Norte; BR; UFRN; Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde; Ciências da Saúde Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Norte; BR; UFRN; Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde; Ciências da Saúde
Tipo: Dissertação Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
37.26%
Em 1996 com a introdução no Brasil da Highly Active Antiretroviral Therapy (HAART) melhorando a sobrevida e diminuindo o número de óbitos entre os portadores do HIV/Aids, surgem relatos de alterações metabólicas e morfológicas - Síndrome Lipodistrófica (SLD). Portanto, este estudo busca avaliar a partir da autopercepção estética de pessoas que vivem com HIV/AIDS (PVHA) em uso de terapia antirretroviral (TARV) o impacto da SLD na qualidade de vida. Pesquisa exploratória observacional com dados quantitativos e qualitativos, que contou com a multidisciplinaridade, a partir dos critérios de inclusão os voluntários eram captados pelo médico infectologista assistente. Foi realizada com base nos princípios da Resolução 196/96-CNP. A amostra foi composta por 48 PVHA, com idade entre 32 a 66 anos. 89,6% demonstraram interesse em mudar partes do corpo que perceberam enquanto alteradas ou comprometidas pela SLD, dado reforçado quando estes afirmam que se percebem (35,4%) e sentem (35,4%) que as outras pessoas os vêem de forma diferente. Quanto a qualidade de vida o domínio da espiritualidade, religião e crenças pessoais alcançou maior média (14,7) com DP 4,0 neste estudo. A pesquisa permitiu uma publicação internacional (Journal of Public Health and Epidemiology-JPHE) e várias participações com publicação em eventos (nacionais e internacionais). O estudo sugere que a infecção por HIV e a presença da SLD a partir da autopercepção dos sujeitos entrevistados pode afetar a qualidade de vida. E destaca a importância de ações que ressaltem o suporte social como motivador para o autocuidado

Encontro clínico no modelo biopsicossocial: autopercepção dos acadêmicos de medicina da Pontifícia Universidade Católica de Goiás; Pacient-physician encounter in biopsychosocial model: selfconcept of medicine students on Pontifical Catholic University of Goiás

CARVALHO, Gélcio Sisteroli de
Fonte: Universidade Federal de Goiás; BR; UFG; Doutorado em Ciencias da Saude; Ciencias da Saude Publicador: Universidade Federal de Goiás; BR; UFG; Doutorado em Ciencias da Saude; Ciencias da Saude
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
37.51%
Introduction: The Pontifical Catholic University of Goiás pedagogical project for its medical course has stemmed from a thirty year long dream. It came into existence in 2005 following the authorization granted by the National Council of Education after the homologation of the National Curricular Guidelines. The present study shows the need to further investigate the development of assessment processes which are used to identify, follow and materialize changes in medical training. The theory used lies on the possibility of quantifying the medical performance in the patient-physician encounter. Objective: to evaluate some components of the patient-physician encounter based on biopsychosocial model; to create an assessment tool to measure the self-perception of this encounter; to test the effectiveness of this tool in this scenario; and to quantify the category variables of the research in a Pontifical Catholic University of Goiás medical course. Materials and Methods: This was a quantitative, longitudinal and cohort study. The study group presented 39 medical students from 5th Class of the Pontifical Catholic University of Goiás Medical School Course and the investigation was divided into two stages with a year interval between the application of the required academic protocols preceded by a medical semiological conclusion. The dimensions under observation were the following: biomedical...

Determinantes da autopercepção de saúde entre mulheres freqüentadoras do Centro de Práticas Esportivas da Universidade de São Paulo (CEPEUSP); Determinants of self-rated health status among frequenter women of the Sporting Practices Center at the University of São Paulo (CEPEUSP/USP)

Sobral, Cinthia Roman Monteiro
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 09/01/2007 PT
Relevância na Pesquisa
37.37%
A saúde é um dos principais elementos da qualidade de vida dos indivíduos. As pesquisas direcionadas às mulheres a respeito deste tema preocupavam-se quase exclusivamente com os problemas de caráter reprodutivo e doenças ginecológicas. Todavia, nos dias atuais, outros aspectos têm sido estudados em decorrência das mudanças significativas de seu papel na sociedade contemporânea. Além de grande parcela da população feminina estar no mercado de trabalho, elas continuam assumindo a responsabilidade da maternidade e do cuidado da família. Nesse contexto, a autopercepção de saúde vem sendo aplicada como uma das formas de se avaliar o estado de saúde, refletindo os diversos aspectos do estilo de vida. O objetivo deste estudo é investigar os determinantes socioeconômicos, demográfico, nutricional, de saúde e de estilo de vida que interferem na própria percepção de saúde entre mulheres freqüentadoras do Centro de Práticas Esportivas da Universidade de São Paulo (CEPEUSP). Este trabalho foi realizado no âmbito do PRINUTHA e caracterizado como um estudo transversal do tipo exploratório. A amostra foi composta por 162 mulheres adultas e, para associar a autopercepção de saúde com os fatores que poderiam influenciá-la...

Autopercepção da saude, co-morbidades e uso de medicamentos em idosos chagasicos, acompanhados no grupo de estudos em doença de chagas, GEDOCH, UNICAMP; Health self-perception, co-morbidities and use of medications in chagasic elderly, followed in study group in Chagas' disease, GEDOCH, UNICAMP

Rosalia Matera de Angelis Alves
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 25/03/2008 PT
Relevância na Pesquisa
37.45%
Introdução/Justificativa: O processo de envelhecimento constitui um fenômeno complexo e progressivo que afeta o homem e a sociedade de modo singular. Observam-se um decréscimo na capacidade de adaptação e um aumento na vulnerabilidade do indivíduo, associados às perdas evolutivas e à probabilidade de adoecer. Por outro lado, o crescimento da população idosa brasileira pode representar um grave problema se os anos de vida adicionais não forem vividos em condições de saúde adequadas. Uma forma de conduzir esta avaliação é o levantamento de informações sobre a percepção dos idosos em relação ao seu estado de saúde. Neste estudo, destaca-se a associação da doença de Chagas, de caráter infeccioso e crônico, ao processo de envelhecimento dos indivíduos portadores dessa enfermidade, abordando o tema da autopercepção de saúde de idosos chagásicos, atendidos em Ambulatório de Referência, no HC/UNICAMP. A autopercepção da própria saúde é um indicador robusto da qualidade de vida percebida porque prediz de forma consistente a mortalidade e a subseqüente sobrevida dessa população. Objetivos: Investigar as relações entre saúde percebida, gênero, idade, escolaridade, renda econômica, co-morbidades...

Self-perception of health and cognitive performance in community-dwelling elderly; Autopercepção da saúde e desempenho cognitivo em idosos residentes na comunidade

Freitas, Daniela Helena Machado de; Campos, Fernanda Carolina Alves; Linhares, Lorena Quintão; Santos, Carolina Ribeiro dos; Ferreira, Cristina Barcelos; Diniz, Breno Satler; Tavares, Almir
Fonte: Universidade de São Paulo. Faculdade de Medicina. Instituto de Psiquiatria Publicador: Universidade de São Paulo. Faculdade de Medicina. Instituto de Psiquiatria
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; ; ; ; Formato: application/pdf
Publicado em 01/01/2010 POR
Relevância na Pesquisa
37.62%
CONTEXTO: A autopercepção de saúde contempla vários aspectos da saúde física, cognição e capacidade funcional. OBJETIVO: Comparar idosos com e sem evidência de declínio cognitivo/demência quanto a autopercepção de saúde e variáveis sociodemográficas, destacando as variáveis associadas à autopercepção de saúde positiva e negativa dentro destes grupos. MÉTODOS: Noventa e oito idosos residentes na comunidade foram avaliados em visitas domiciliares para este trabalho. A avaliação cognitiva e funcional foi feita por meio da aplicação do Mini-Exame do Estado Mental (MEEM), do Teste do Desenho do Relógio (TDR), da Escala de Demência de Blessed (EDB) e do Questionário do Informante de Declínio Cognitivo em Idosos (IQCODE). A autopercepção da saúde foi avaliada por intermédio de um questionário adaptado do Brazil Old Age Schedule. RESULTADOS: Vinte e seis idosos (26%) apresentaram quadro de declínio cognitivo. Autopercepção de saúde negativa e menor participação em atividades físicas e recreativas se associaram significativamente a declínio cognitivo nesta amostra (p = 0,006, p = 0,05, p = 0,03, respectivamente). No grupo de sujeitos sem evidência de declínio cognitivo, a história prévia de eventos cerebrovasculares se relacionou à maior frequência de autopercepção negativa da saúde. CONCLUSÃO: A autopercepção negativa da saúde está relacionada ao provável diagnóstico de demência. Nos idosos com declínio cognitivo...

Autopercepção de saúde bucal conforme o Perfil de Impacto da Saúde Bucal (OHIP) e fatores associados: revisão sistemática

Gabardo,Marilisa Carneiro Leão; Moysés,Simone Tetu; Moysés,Samuel Jorge
Fonte: Organización Panamericana de la Salud Publicador: Organización Panamericana de la Salud
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2013 PT
Relevância na Pesquisa
37.45%
OBJETIVO: Avaliar sistematicamente a literatura a fim de identificar a existência de associação entre fatores sociais, demográficos, econômicos, psicossociais e comportamentais e a autopercepção da condição de saúde bucal aferida pelo Oral Health Impact Profile (OHIP). MÉTODOS: Nesta revisão sistemática da literatura, foram adaptados os critérios de qualidade Preferred Reporting Items for Systematic Reviews (PRISMA), sem metanálise, mas como proposta principal de uma metassumarização qualitativa. Foram selecionados artigos sobre saúde bucal e fatores associados com implicações na qualidade de vida, com foco no instrumento para análise da autopercepção do processo saúde-doença bucal, o OHIP. As bases acessadas foram a PubMed/National Library of Medicine (NLM) e a Biblioteca Virtual em Saúde, BVS/BIREME. Foram incluídas publicações compreendendo o período de 2001 a 2011 com o uso de descritores padronizados (Medical Subject Headings, MeSH): oral health, quality of life, sickness impact profile e socioeconomic factors. RESULTADOS: Dos 57 artigos localizados, 20 foram selecionados de acordo com os critérios de inclusão adotados. A metassumarização permitiu identificar que a pior autopercepção da saúde bucal foi associada a fatores sociais...

Autopercepção de saúde em adolescentes, adultos e idosos

Reichert,Felipe Fossati; Loch,Mathias Roberto; Capilheira,Marcelo Fernandes
Fonte: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva Publicador: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2012 PT
Relevância na Pesquisa
37.51%
O objetivo deste estudo foi verificar a prevalência e os fatores associados a autopercepção de saúde regular/ruim em adolescentes, adultos e idosos. O estudo foi transversal, de base populacional, realizado em Pelotas. A amostra compreendeu 820 adolescentes, 2715 adultos e 385 idosos. Autopercepção de saúde foi investigada pela pergunta: "Como o Sr(a) considera sua saúde?" Características demográficas, socioeconômicas, comportamentais e de saúde foram coletadas. Razões de prevalência ajustada foram estimadas pela Regressão de Poisson. A prevalência de autopercepção regular ou ruim de saúde foi de 12,1%, 22,3% e 49,4% entre adolescentes, adultos e idosos, respectivamente. Adolescentes com menor nível econômico e com escolaridade não adequada relataram pior autopercepção de saúde. Entre os adultos e idosos, relataram pior autopercepção de saúde: as mulheres, aqueles com maior faixa etária, menor nível econômico e os que possuíam alguma morbidade. Conclui-se que a população percebe saúde não apenas como ausência de doença, mas também como um constructo relacionado com aspectos sociais e demográficos, e em menor magnitude, com aspectos comportamentais. Abordagens em saúde devem superar o modelo simplista onde saúde é dicotomizada em doente e não-doente.

Satisfação com a vida, experiência odontológica e autopercepção da saúde bucal entre idosos

Rigo,Lilian; Basso,Kenny; Pauli,Jandir; Cericato,Graziela Oro; Paranhos,Luiz Renato; Garbin,Raissa Rigo
Fonte: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva Publicador: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2015 PT
Relevância na Pesquisa
37.37%
Resumo O objetivo deste artigo é analisar a relação existente entre a satisfação com a vida e a autopercepção em saúde bucal e a experiência com cirurgiões-dentistas. A pesquisa tem um delineamento epidemiológico transversal, com uma amostra de 326 idosos acima de 60 anos de idade, moradores de um município do norte do Rio Grande do Sul, Brasil. Para o instrumento de coleta de dados foi utilizado um questionário autoaplicativo com questões referentes à autopercepção em saúde bucal (OHIP – Perfil de Impacto na Saúde Oral), Escala de Satisfação com a Vida e dados sociodemográficos. Os resultados mostraram que idosos com maiores níveis de satisfação com a vida apresentaram uma melhor percepção de sua própria saúde bucal, bem como possuem uma melhor imagem percebida dos cirurgiões-dentistas e sentem menos ansiedade em relação à experiência com o dentista. Comprova-se que tanto a autopercepção que os idosos possuem da saúde bucal quanto a experiência com cirurgiões-dentistas possuem uma associação com a satisfação com a vida. Os resultados possuem implicações importantes para tomadores de decisões e formuladores de políticas públicas.

Relações sociais e autopercepção da saúde: projeto envelhecimento e saúde

Nunes,Ana Paula Nogueira; Barreto,Sandhi Maria; Gonçalves,Luana Giatti
Fonte: Associação Brasileira de Pós -Graduação em Saúde Coletiva Publicador: Associação Brasileira de Pós -Graduação em Saúde Coletiva
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2012 PT
Relevância na Pesquisa
37.51%
OBJETIVO: Investigar a associação entre as relações sociais e a autopercepção da saúde em idosos. MÉTODOS: Estudo transversal de amostra representativa de idosos cobertos pelo Programa de Saúde da Família e residentes em uma área de alta vulnerabilidade para a saúde em Belo Horizonte, MG. As informações foram obtidas por meio de entrevista estruturada. Idosos que relataram autopercepção ruim ou muito ruim da saúde foram comparados aos demais e os fatores associados foram determinados por meio de regressão logística múltipla. RESULTADOS: 363 dos 371 idosos elegíveis participaram do estudo. A autopercepção ruim da saúde foi relatada por 17,1% dos idosos e foi positivamente associada com o número de doenças crônicas e o grau de dificuldade para realizar as atividades de vida diária, apresentando um gradiente dose resposta. Idosos com auto-avaliação negativa dos relacionamentos pessoais e que não podiam contar com alguém caso ficassem acamados tiveram mais chance de autoperceber sua saúde como ruim. Trabalhar foi associado negativamente com a autopercepção ruim da saúde. CONCLUSÃO: Os resultados encontrados corroboram a estrutura multidimensional da autopercepção da saúde englobando fatores sociodemográficos...