Página 1 dos resultados de 38 itens digitais encontrados em 0.354 segundos

Diante da morte: representações sociais da morte em enfermeiros

Teixeira, Pedro Fialho
Fonte: Universidade Aberta de Portugal Publicador: Universidade Aberta de Portugal
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2006 POR
Relevância na Pesquisa
45.92%
Dissertação de Mestrado em Comunicação em Saúde apresentada à Universidade Aberta; As atitudes perante a morte têm-se modificado ao longo dos tempos, acompanhando o desenvolvimento da cultura social, da religião, da ciência e da tecnologia. No séc. XX a morte deixou de ser um acontecimento social, público e comunitário, deixou de se morrer em casa, junto dos familiares e amigos, e passa-se a morrer no hospital, o que traduz uma verdadeira “hospitalização da morte". Consequentemente, um maior envolvimento dos profissionais de enfermagem com esta problemática. Assim, realizamos um estudo de opinião com desenho descritivo, de carácter essencialmente exploratório, com o objectivo de conhecer a forma como os enfermeiros percepcionam e representam a morte, procurando apreender as dimensões que estruturam as representações da morte, em enfermeiros de Cuidados de Saúde Primários (CSP) e de Cuidados de Saúde Diferenciados (CSD), considerando que as representações são estruturadas a partir de ideias ou pensamentos, emoções ou sentimentos e imagens ou símbolos, que estes sujeitos associam à morte. A amostra em estudo é constituída por 106 enfermeiros de CSP (53) e de CSD (53). A selecção dos sujeitos que integram a amostra foi obtida recorrendo a métodos de amostragem não probabilística intencional e de conveniência...

Religiosidade em alunos e professores portugueses

Ferreira, Ana Maria Mendes dos Santos Veríssimo
Fonte: Universidade Aberta de Portugal Publicador: Universidade Aberta de Portugal
Tipo: Tese de Doutorado
Publicado em //2005 POR
Relevância na Pesquisa
45.99%
Tese de Doutoramento em Ciências da Educação na especialidade de Educação Intercultural apresentada à Universidade Aberta; Esta tese pretende analisar a religiosidade em alunos e professores, sendo a religiosidade entendida como o grau de ligação ou aceitação que cada indivíduo tem face à instituição religiosa (Alston, 1875) e à forma como põe em prática as crenças e os rituais (Shafranske e Malony, 1990). Para medir a religiosidade foram utilizados diversos instrumentos – a escala de Atitudes face ao Cristianismo, a escala de Orientação Religiosa, a escala de Internalização Religiosa Cristã, a escala do Bem-estar Espiritual e a escala Comportamental da Religiosidade, que foram validados para a população portuguesa. O trabalho foi organizado em duas partes – o enquadramento teórico e estudos empíricos. No enquadramento teórico foram focados diversos aspectos da religiosidade, a influência das variáveis socio-psicológicas e a religiosidade, o envolvimento social e o bem-estar. No que se refere à segunda parte, foram realizados três estudos – o estudo piloto (com 323 alunos do ensino superior) que teve como principal objectivo validar em Portugal os instrumentos a utilizar nos estudos finais, um estudo sobre a religiosidade com 602 alunos e um sobre a religiosidade numa amostra de 743 professores. Nos estudos finais foram analisadas as influências de diversas variáveis nas medidas de religiosidade em estudo...

A visão da morte e do morrer dos profissionais da saúde de um hospital universitário terciário e quaternário de São Paulo; The vision of death and dying healthcare professionals of a university hospital tertiary and quaternary São Paulo

Cezario, Edenise Piccoli
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 09/08/2012 PT
Relevância na Pesquisa
75.97%
Objetivo: A morte, que pode ainda ser considerada um tema tabu, e como os profissionais da saúde lidam com ela é algo a ser explorado neste estudo que o trata através de uma investigação com entrevistas à profissionais da medicina e enfermagem das Unidades de Terapia Intensiva (UTI) de um hospital universitário terciário e quaternário de São Paulo com o objetivo de apurar a visão da morte e do morrer face às atitudes propostas pela Dra. Elisabeth Kubler-Ross. Métodos: A metodologia se baseou em uma análise qualitativa de conteúdo dos dados apurados. Foram entrevistados 51 sujeitos dentre os quais 12 que não desejaram participar do estudo alegando não querer falar sobre morte. A pesquisa transcorreu entre os meses de outubro à dezembro de 2011 nas dependências das UTIs e foi previamente aprovada pelo Comitê de Ética em Pesquisa com Humanos. Também foram apurados dados sociodemográficos como sexo, idade, tempo de trabalho em UTI, se o entrevistado segue alguma filosofia religiosa e se tem algum conhecimento em cuidados paliativos. Na entrevista buscou-se detalhar a visão da morte dos profissionais segundo o que pensam sobre morte, como lidam com a morte, se gostariam de fazer ou dizer algo para quem está morrendo...

Tempos difíceis: familiares vivenciando o processo de morrer no mundo do hospital; Tough times: families experiencing the death process in the hospital setting

Comassetto, Isabel
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 18/02/2014 PT
Relevância na Pesquisa
55.84%
Introdução: O processo de morrer é uma experiência vinculada a considerações significativas para a existência do ser, principalmente quando sobrevêm no contexto familiar. Objetivo: compreender a experiência do familiar de pacientes em fase terminal de vida, que enfrentam o processo de morrer no mundo do hospital. Método: Com esta proposta, optei por realizar uma pesquisa qualitativa, norteada pela Fenomenologia existencial de Martin Heidegger. Os sujeitos do estudo foram 15 familiares que estavam acompanhando seus pacientes adultos, em fase terminal de vida, que enfrentavam o processo de morrer em um hospital universitário de Maceió, Alagoas. Os depoimentos foram obtidos por meio de entrevista, no período de fevereiro a maio de 2013, a partir da seguinte questão norteadora: Conte-me como é para você vivenciar a situação do seu familiar atualmente. Resultados: Da análise dos depoimentos dos familiares emergiram três estruturas, denominadas unificações ontológicas: Manifestação de Angústia dos familiares, que envolve a possibilidade do ser assumir-se como um ser-para-a-morte; Manifestação do Cuidado e da Solicitude, que compreende o momento de cuidar como algo significativo na existência; e Ser-aí no mundo do hospital...

O acadêmico de medicina frenta á morte : questões para se (re)pensar a formação; The Medicine student before the death : questions to (re) think the graduation

Azeredo, Nára Selaimen Gaertner de
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Dissertação Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
75.82%
Este estudo teve o propósito de analisar o quanto a graduação prepara os acadêmicos de Medicina para o enfrentamento com a morte, assim como buscou compreender o que significa para os alunos, sujeitos desta pesquisa, o enfrentamento com a morte em sua prática educativa no cotidiano hospitalar. Realizou-se uma pesquisa com abordagem quantitativa e qualitativa. Primeiro foi aplicado um questionário semi-estruturado, com os alunos do oitavo semestre do curso de Medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Posteriormente, foram ouvidos, através de entrevistas gravadas, cinco alunos entre o décimo primeiro e décimo segundo semestre do curso. Através da análise de conteúdos das respostas, foi possível conhecer suas expectativas e frustrações em relação às temáticas da morte e do morrer. Pela análise dos questionários e das entrevistas, pode-se perceber o medo, o sentimento de impotência e até mesmo a banalização da morte, o que implica a necessidade de um ensino mais apropriado sobre este tema, bem como espaços de discussão e de aproximação com a morte e o morrer dos pacientes dentro dos campos das práticas educativas. Os acadêmicos referem o desejo de uma formação capaz de re (pensar) a emoção e razão...

Percepções do paciente em lista de espera para o transplante renal; Feelings of patients on the waiting list for a kidney transplant; Percepciones del paciente en lista de espera para el transplante renal

Flores, Rosiele Vemdrame; Thomé, Elisabeth Gomes da Rocha
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
65.7%
Estudo exploratório descritivo, com abordagem qualitativa cujo objetivo foi: conhecer as percepções dos pacientes em lista de espera para transplante renal. O local da pesquisa foi a Unidade de Hemodiálise de um hospital universitário de Porto Alegre. Os participantes foram os pacientes ativos na lista de espera para fazer o transplante renal, sendo a amostra constituída de 09 portadores de IRC, que realizam hemodiálise. Como resultados identificou-se as seguintes percepções: esperança, ansiedade, liberdade, ambivalência, medo, culpa e fé. A dependência da diálise para sobreviver remete o paciente ao confronto com a morte e a descrença, ao mesmo tempo em que busca força e fé para lutar e manter-se na espera por um doador.; A descriptive and exploratory study with a qualitative approach whose aim was to get to know the feelings of patients on the waiting list for a kidney transplant. The research was conducted at the Hemodialysis Unit of a university hospital of Porto Alegre. The participants were the active patients on the waiting list for a kidney transplant. The sample comprised 9 patients affected with chronic renal insufficiency who undergo hemodialysis. The following feelings have been identified: hope, anxiety...

O enfrentamento da morte e do morrer na formação de acadêmicos de medicina; Dealing with death and dying in undergraduate medical training

Azeredo, Nára Selaimen Gaertner de; Rocha, Cristianne Maria Famer; Carvalho, Paulo Roberto Antonacci
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
65.81%
Este estudo teve como objetivo conhecer como os acadêmicos de Medicina percebem que a graduação os prepara para o enfrentamento da morte, bem como compreender o que significa para estes alunos o enfrentamento da morte e do morrer em sua prática formativa. Trata-se de estudo qualitativo de caráter exploratório e descritivo. Foram utilizadas, como técnica de coleta de dados, entrevistas semiestruturadas com cinco estudantes de Medicina que já estão no internato, analisadas a partir da técnica de Análise de Conteúdo de Bardin. Os resultados aqui apresentados se referem apenas a uma das categorias de análise criadas para o estudo — “sentir-se preparado frente à morte e ao morrer”. Como principal conclusão deste estudo, em relação a esta categoria, podemos citar o sentimento de não preparação assinalado pelos acadêmicos entrevistados, sobretudo em função da necessária objetividade e do distanciamento “profissional” do paciente que está morrendo.; This study focuses on how medical students perceive the way that undergraduate medical education prepares them to deal with death, and to understand what it means to these students to deal with death and dying in their training. This was a qualitative, exploratory...

Cuidando de pacientes em fase terminal: a perspectiva de alunos de enfermagem

Sadala, Maria Lúcia Araújo; Silva, Fernanda Machado da
Fonte: Universidade de São Paulo (USP), Escola de Enfermagem Publicador: Universidade de São Paulo (USP), Escola de Enfermagem
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: 287-294
POR
Relevância na Pesquisa
65.82%
Este estudo busca compreender como alunos de graduação em Enfermagem percebem a si mesmos ao cuidar de pacientes em fase terminal e expor os significados da experiência vivida. Foram entrevistados 14 alunos, respondendo à questão: Como se mostra a você o cuidar do paciente na fase terminal? Para os alunos, é sempre uma experiência dolorosa, que os coloca face a face com suas fragilidades e inseguranças. Eles atribuem suas dificuldades à própria incapacidade de aceitar a morte e ao despreparo e inexperiência. Relatam que falta apoio dos profissionais com quem compartilham esse cuidado. No que se refere à formação profissional, para alguns a experiência foi positiva, apesar das dificuldades; outros a avaliam negativamente, resultando em rejeição a situações semelhantes. Novas investigações sobre o tema são necessárias para aprofundar e ampliar a reflexão para o âmbito da formação dos enfermeiros em nível nacional.; Este estudio busca comprender como los alumnos del curso de Enfermería perciben el cuidar de pacientes en fase terminal y exponer los significados de la experiencia vivida. Fueron entrevistados 14 alumnos, respondiendo a la pregunta: ¿Qué le parece a usted cuidar de un paciente en fase terminal? Para los alumnos...

A vida e a morte de recém nascidos em unidades de neonatologia: experiências das mães e dos profissionais de saúde

Pinheiro, Maria José Fonseca
Fonte: Universidade de Évora Publicador: Universidade de Évora
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
55.84%
Introdução - O nascimento e a morte são dois acontecimentos sociais, que suscitaram desde sempre no homem curiosidade, preocupação, medo ou paixão. Assim, nos afastamos ou aproximamos do acto e do indivíduo que nasce ou morre, consoante a interpretação social e pessoal, evidente nos costumes, rituais, crenças e atitudes. A sabedoria antiga, que terá influenciado o pensar e viver do mundo ocidental, aconselha a reflectir tanto no nascimento como na morte. Salomão de acordo com o registo bíblico disse " Há tempo para nascer e tempo para morrer". Nascer e morrer são, pois, um processo universal que se alterou no seu significado e ritual ao longo dos séculos e singular em diferentes contextos socioculturais. Até ao século XX, mais precisamente nas décadas trinta a cinquenta, as mudanças foram lentas e mantiveram como principal actor deste processo o próprio moribundo, que morria no seu contexto habitacional rodeado da família e amigos e até mesmo da comunidade local. As alterações havidas até então, nunca provocaram mudanças de fundo, mantendo o local e os actores presentes e actuastes neste processo. Contudo, variaram alguns rituais e a forma de partilha de sentimentos no leito da morte, em função do seu significado...

Cuidador informal: sobrecarga e atitudes face à morte

Lopes, Anabela Silva Cardoso Almeida; Martins, Rosa Maria Lopes, orient.
Fonte: Instituto Politécnico de Viseu, Escola Superior de Saúde de Viseu Publicador: Instituto Politécnico de Viseu, Escola Superior de Saúde de Viseu
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2011 POR
Relevância na Pesquisa
86%
Curso de mestrado em enfermagem de reabilitação; A sobrecarga do cuidador informal (CI) tem-se tornado numa importante preocupação para a enfermagem de reabilitação, não só pela sua influência na qualidade de vida destas pessoas e independência funcional, como também pelos elevados custos sociais associados (Goodhead e McDonald, 2007; Petronilho, 2010, Cruz et al., 2010). Apesar de as questões relacionadas com a morte terem adquirido nas últimas décadas estatuto relevante nas ciências sociais e humanas (Loureiro, 2010), estas tem merecido pouca atenção quando se estuda a sobrecarga do CI (Reimer, 2007). Realizou-se um estudo quantitativo descritivo-correlacional com os objetivos principais de: analisar a influência das variáveis sociodemográficas e contextuais na sobrecarga do CI; analisar a influência da sobrecarga do CI nas suas atitudes perante a morte. Utilizou-se para o efeito o Questionário de Avaliação da Sobrecarga do Cuidador Informal (QASCI) e a Escala de Avaliação do Perfil de Atitudes Acerca da Morte (EAPAM). Foram inquiridas através de questionário 32 cuidadores informais. Os resultados evidenciaram correlações significativas entre : “idade” e atitude de “Evitamento”; “anos de cuidado” e atitude de “Neutralidade”; “estado civil” e as dimensões “Reações a Exigências” e “Perceção de Mecanismos Eficácia e Controlo”; “motivo da dependência” e atitude de “Medo”...

Vivências dos enfermeiros relativamente a cuidados post mortem em unidades de medicina

Parece, Ana Maria de Gusmão Guimarães Mota, 1983-
Fonte: Universidade de Lisboa Publicador: Universidade de Lisboa
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2010 POR
Relevância na Pesquisa
75.84%
A morte continua a ser um grande mistério, e por vezes está associada ao horror, absurdo e sofrimento. Por isso, reflectir sobre a morte e o morrer, numa perspectiva de enfermagem, significa dedicar algum tempo a pensar como os enfermeiros vivenciam a morte de um doente, a quem prestam os cuidados post mortem. O tema a que nos propusemos estudar foi as vivências dos enfermeiros relativamente aos cuidados post mortem em unidades de medicina; Este estudo foi inspirado nos trabalhos intitulados “Cuidar em Fim de Vida” (Magalhães, 2009) e “A aprendizagem do cuidar e a morte: um desígnio do enfermeiro em formação” (Frias, 2003), já que do trabalho destes dois autores se concluiu acerca da necessidade de aprofundar este assunto. Enquanto enfermeira que desenvolveu a sua actividade em serviço de medicina, inserida numa equipa de cuidados continuados, e actualmente desenvolve actividade em hospital de dia médico, em oncologia, o confronto com o doente em fase terminal e a morte é muito comum. Após a observação de colegas, apercebi-me que a morte e a prestação dos cuidados post mortem podem influenciar a vida profissional e pessoal, e por isso existe a necessidade de reflectir sobre a morte, sobre a nossa conduta e sobre as estratégias de coping utilizadas para conseguir ultrapassar estas situações...

O rosto social da morte : as representações sociais da morte no doente paliativo

Neves, Susana Maria Ribeiro das, 1977-
Fonte: Universidade de Lisboa Publicador: Universidade de Lisboa
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2010 POR
Relevância na Pesquisa
45.84%
Tese de mestrado, Cuidados Paliativos, Faculdade de Medicina, Universidade de Lisboa, 2010; Neste trabalho desenvolvemos uma investigação empírica, com uma população de 83 sujeitos, de ambos os sexos e idades compreendidas entre os 30 e os 95 anos, considerando ainda dois grupos, conforme o contexto: doentes paliativos – em unidades de internamento de cuidados paliativos – e doentes crónicos não (diagnosticados como) paliativos – em internamento de lar e/ou apoio domiciliário, em I.P.S.S., sem cuidados paliativos. Tivemos por principal objectivo analisar e compreender como os doentes paliativos pensam e como se sentem em relação à morte, à própria morte e à vida. Esta pesquisa foi enquadrada na teoria das representações sociais (Moscovici, 1961), centrada na forma como pensamos, sentimos e agimos face a uma realidade, como a morte. Os dados foram recolhidos através de um questionário individual, utilizando a técnica de associação livre de palavras. Identificámos os universos semânticos associados a cada conceito, em função de Análises Factoriais de Correspondências. O sexo influi nas representações sociais da morte (e.g., Oliveira, 2008). As mulheres revelam uma atitude mais simbólica e um maior envolvimento emocional...

Ansiedade face à morte em idosos: Influência de variáveis sócio-demográficas e do bem-estar subjectivo

Santos, Joana Cardo Pinto da Costa Alves dos
Fonte: Instituto Superior de Psicologia Aplicada Publicador: Instituto Superior de Psicologia Aplicada
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2005 POR
Relevância na Pesquisa
86.08%
Dissertação em Psicopatologia e Psicologia Clínica; A partir de temas como, envelhecimento, sucesso no envelhecimento, bem-estar subjectivo e ansiedade face à morte, foi possível a criação de um modelo preditor de ansiedade face à morte em idosos (MPAMI). Pretendeu-se estudar a influência da idade (3a idade vs 4a idades), do género, da religião, da institucionalização e do bem-estar subjectivo sobre a ansiedade face à morte. A amostra foi constituída por 145 idosos, residentes no distrito de Lisboa (amostragem de conveniência), com idades compreendidas entre os 65 e 98 anos (M= 76). Foram utilizados a PANAS (Positive and Negative Affect Schedule - PANAS; Watson, Clark & Tellegen, 1988), a Revised Philadelphia Geriatric Center Morale Scale (R-PGCMS; Lawton, 1975; Paul, 1991; Costa, Diniz & Barrambana, 2004) e o Death Anxiety Questionnaire (DAQ; Conte, Weiner & Plutchik, 1982; Barros, 1998; Santos, Diniz & Costa, 2004). O primeiro estudo deste trabalho consistiu na validação do modelo que define a estrutura factorial da PANAS, recorrendo à análise factorial confirmatória. O segundo, consistiu em testar o MPAMI, recorrendo à análise de trajectórias (path analysis). Verificámos que os modelos estavam bem ajustados aos dados empíricos. Como principais resultados do teste do MPAMI salienta-se que o facto do corte etário considerado (80 anos de idade ou mais vs. menos de 80 anos) não se ter mostrado relevante para a generalidade dos critérios do modelo. No entanto...

Cuidando de pacientes em fase terminal: a perspectiva de alunos de enfermagem

Sadala,Maria Lúcia Araújo; Silva,Fernanda Machado da
Fonte: Universidade de São Paulo, Escola de Enfermagem Publicador: Universidade de São Paulo, Escola de Enfermagem
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2009 PT
Relevância na Pesquisa
65.77%
Este estudo busca compreender como alunos de graduação em Enfermagem percebem a si mesmos ao cuidar de pacientes em fase terminal e expor os significados da experiência vivida. Foram entrevistados 14 alunos, respondendo à questão: Como se mostra a você o cuidar do paciente na fase terminal? Para os alunos, é sempre uma experiência dolorosa, que os coloca face a face com suas fragilidades e inseguranças. Eles atribuem suas dificuldades à própria incapacidade de aceitar a morte e ao despreparo e inexperiência. Relatam que falta apoio dos profissionais com quem compartilham esse cuidado. No que se refere à formação profissional, para alguns a experiência foi positiva, apesar das dificuldades; outros a avaliam negativamente, resultando em rejeição a situações semelhantes. Novas investigações sobre o tema são necessárias para aprofundar e ampliar a reflexão para o âmbito da formação dos enfermeiros em nível nacional.

La muerte y el proceso de morir: sentimientos manifestados por los enfermeros; A morte e o processo de morrer: sentimentos manifestados por enfermeiros; Death and the dying process: feelings expressed by nurses

Souza e Souza, Luis Paulo; Mota Ribeiro, Juliana; Barbosa Rosa, Renata; Ribeiro Gonçalves, Renata Cristina; Oliveira e Silva, Carla silvana; Barbosa, Dulce Aparecida
Fonte: Murcia: Servicio de Publicaciones de la Universidad de Murcia Publicador: Murcia: Servicio de Publicaciones de la Universidad de Murcia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: application/pdf
SPA; POR
Relevância na Pesquisa
75.87%
El estudio pretende conocer los sentimientos experimentados por los enfermeros frente a la muerte y el proceso de morir. Investigación cualitativa, realizada con siete enfermeros de una UCI de un hospital en Montes Claros, Minas Gerais. Se utilizó entrevista no estructurada para la recolección de datos, que se analizaron mediante la técnica de análisis de contenido. La confrontación de los encuestados frente a la muerte está impregnada de sentimientos tales como: impotencia, angustia, sufrimiento, miedo, que interfieron en la asistencia prestada al enfermo y a su familia. Por otro lado, a pesar de la vivencia constante con la muerte, las enfermeras aún se sensibilizan con el proceso de muerte.; RESUMO O estudo objetivou conhecer os sentimentos vivenciados pelos enfermeiros diante da morte e o processo de morrer. Pesquisa qualitativa, realizada com sete enfermeiros de uma UTI de um hospital em Montes Claros, Minas Gerais. Utilizou-se entrevista não estruturada para coleta dos dados, os quais foram analisados utilizando a técnica de análise do conteúdo. O enfrentamento dos entrevistados diante da morte é permeado por sentimentos como: impotência, angústia, sofrimento, medo, os quais interferiram na assistência prestada ao enfermo e sua família. Por outro lado...

Reflexões de estudantes de enfermagem sobre morte e o morrer; Reflexiones de los estudiantes de enfermería sobre la muerte y el morir; Nursing Students' reflections on death and dying

Brêtas, José Roberto da Silva; Oliveira, José Rodrigo de; Yamaguti, Lie
Fonte: Universidade de São Paulo. Escola de Enfermagem Publicador: Universidade de São Paulo. Escola de Enfermagem
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Artigo Avaliado pelos Pares Formato: application/pdf
Publicado em 01/12/2006 POR
Relevância na Pesquisa
45.8%
Trata-se da apresentação da primeira fase de uma pesquisa sobre as representações de estudantes de enfermagem sobre a morte e o morrer. A mesma tem caráter exploratório e foi realizada junto a estudantes do primeiro ano do curso de graduação em Enfermagem da Universidade Federal de São Paulo. Teve por objetivos conhecer as impressões dos estudantes acerca do assunto "morte e o morrer" e subsidiar a segunda fase da pesquisa. Foi realizada por meio de uma dinâmica com uma questão norteadora, junto ao programa da disciplina curricular Psicologia Aplicada à Saúde. Para interpretação dos dados foi utilizado o método da Análise de Conteúdo, obtendo as seguintes categorias: medo da morte; conceitos; atitude diante da morte e o morrer; crença enquanto elemento interveniente.; Se trata de la presentación de la primera fase de una investigación sobre las representaciones de estudiantes de enfermería respecto a la muerte y al morir. La misma tiene carácter exploratorio y fue realizada con estudiantes del primer año del pregrado en Enfermería de la Universidad Federal de São Paulo. Tuvo por objetivos conocer las impresiones de los estudiantes acerca del asunto "muerte y morir" y subsidiar la segunda fase de la investigación. Fue realizada por medio de una dinámica con una pregunta orientadora...

Taking care of terminal patients: nursing student's perspective; El cuidando de pacientes en fase terminal: la perspectiva de los alumnos de enfermería; Cuidando de pacientes em fase terminal: a perspectiva de alunos de enfermagem

Sadala, Maria Lúcia Araújo; Silva, Fernanda Machado da
Fonte: Universidade de São Paulo. Escola de Enfermagem Publicador: Universidade de São Paulo. Escola de Enfermagem
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Artigo Avaliado pelos Pares Formato: application/pdf; application/pdf
Publicado em 01/06/2009 POR; ENG
Relevância na Pesquisa
65.82%
Este estudio busca comprender como los alumnos del curso de Enfermería perciben el cuidar de pacientes en fase terminal y exponer los significados de la experiencia vivida. Fueron entrevistados 14 alumnos, respondiendo a la pregunta: ¿Qué le parece a usted cuidar de un paciente en fase terminal? Para los alumnos, siempre es una experiencia dolorosa, que los coloca frente a frente con sus fragilidades e inseguridades. Atribuyen sus dificultades a la propia incapacidad de aceptar la muerte y a la falta de preparación e inexperiencia. Relatan que les falta apoyo de los profesionales con quien comparten ese cuidado. En lo que se refiere a la formación profesional, para algunos la experiencia fue positiva, a pesar de las dificultades; otros la evalúan negativamente, resultando en rechazo a situaciones semejantes. Nuevas investigaciones sobre el tema son necesarias, en el sentido de profundizar y ampliar la reflexión dentro del ámbito de formación de los enfermeros a nivel nacional.; The aim of this study is to understand how nursing undergraduates perceive themselves while care delivery to terminal patients and expose the meaning of the experience they have. Fourteen students were interviewed, and answered the following question: What is the image you have about caring for a terminal patient? Students always consider this to be a painful experience...

O processo de morrer e a morte no enfoque dos profissionais de enfermagem de UTIs; El proceso de morir y la muerte en el enfoque de los profesionales de enfermeria de UCIs; Dying and death seen by intensive care unit nursing professionals

Gutierrez, Beatriz Aparecida Ozello; Ciampone, Maria Helena Trench
Fonte: Universidade de São Paulo. Escola de Enfermagem Publicador: Universidade de São Paulo. Escola de Enfermagem
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Artigo Avaliado pelos Pares Formato: application/pdf
Publicado em 01/12/2007 POR
Relevância na Pesquisa
75.79%
Em relação ao processo de morrer e a morte, cada sociedade tem sua própria cultura, hábitos, crenças e valores, que a aproxima ou a diferencia de outras, oferece aos indivíduos uma orientação de como devem se comportar e o que devem ou não fazer diante desse fato. O objetivo deste estudo foi identificar as concepções culturais relacionadas ao processo de morrer e à morte no contexto de trabalho dos profissionais de enfermagem de UTIs. Os dados foram coletados por meio de entrevistas individuais e grupo focal e analisados segundo técnicas qualitativas. As narrativas mostram múltiplas dimensões determinantes das atitudes e ações profissionais, que vão além do conhecimento técnico. Fica evidente que esses profissionais procuram refúgio nas suas crenças e valores para suportar um trabalho que lhes impõe tantas cargas.; En relación al proceso de morir y la muerte, cada sociedad tiene su propia cultura, hábitos, creencias y valores, que la aproxima o la diferencia de otras, ofrece a los individuos una orientación de cómo deben comportarse y lo que deben o no hacer delante de ese hecho. El objetivo de este estudio fue identificar las concepciones culturales relacionadas al proceso de morir y a la muerte en el contexto de trabajo de los profesionales de enfermería de las Unidades de Cuidados Intensivos (UCIs). Los datos fueron colectados por medio de entrevistas individuales y grupo focal y analizados según técnicas cualitativas. Las narrativas mues-tran múltiplas dimensiones determinantes de las actitudes y acciones profesionales...

BEING-FOR-DEATH: THE QUOTIDIAN AND THE AUTHENTIC; SER-PARA-A-MORTE: O COTIDIANO E O AUTÊNTICO

Damasceno, Marta Maria Coelho; Loureiro, Maria Francilita Frota; Lopes, Regina Lúcia Mendoça
Fonte: Universidade Federal do Paraná Publicador: Universidade Federal do Paraná
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; ; ; Formato: application/pdf
Publicado em // POR
Relevância na Pesquisa
75.81%
A phenomenological analysis on the theme death performed in a movie entitled “Whose life is this after all?”. The study has the purpose of understanding the behaviors manifested by the actors regarding patient’s option towards his death. The movie picture occurs in an hospital environment. Scenes that envolve a tetraplegic patient, the medical and nursing team that take care of him, and his girlfriend. The analysis was based on Martin Heidegger’s thoughts about human existence. It showed that health professionals are used to face death as a failure and as an enemy to win. As a result of the analysis the authors bring up reflections concerning nurses behaviors in coping with death situations in their daily practice.; Estudo fenomenológico que trata da análise do tema “morte” através do enredo do filme: “De quem é a vida afinal?” Tem como objetivo compreender os comportamentos manifestados pelos personagens diante da opção de um paciente pela morte. A película se desenrola no ambiente hospitalar da qual foram destacadas para a compreensão, cenas que envolvem um tetraplégico, a equipe médica e de enfermagem que dele cuida e a namorada desse paciente. A análise fundamentou-se no pensamento de Martin Heidegger sobre a existência humana e procurou mostrar que os profissionais de saúde costumam encarar a morte como um insucesso e uma inimiga a ser vencida. Diante da análise empreendida...

A Ideia de morte: do medo à libertação

Guerreiro,Emanuel
Fonte: Centro de Estudos Humanísticos da Universidade do Minho Publicador: Centro de Estudos Humanísticos da Universidade do Minho
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/2014 PT
Relevância na Pesquisa
45.81%
Este estudo desenvolve uma reflexão sobre a ideia de Morte: desde a perspetiva de fim e dissolução, aliada à angústia e ao medo, até à visão de uma entrada noutro espaço, lugar de absoluta paz ou redenção, alcançando o absoluto, abordam-se, aqui, vários mitos associados à ideia de Morte e de que forma o homem estruturou o seu pensamento e a sua relação com o mistério do seu próprio desaparecimento. Desde os Gregos até à contemporaneidade, ler-se-á como a evolução da sociedade e a tomada de consciência do homem implicam uma estruturação mental da Morte face à individualidade e à mudança do corpo, portador, desde o nascimento, de um "ser-para-a-morte". Abordar-se-á, também, de que modo o ato de "dar-se a si próprio" a Morte, procurando a liberdade, é reflexo de uma atitude que questiona a sociedade.