Página 1 dos resultados de 4 itens digitais encontrados em 0.003 segundos

Anticapitalismo e inserção social dos mercados; Anticapitalism and the social insertion of the marketplace

ABRAMOVAY, Ricardo
Fonte: Departamento de Sociologia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo Publicador: Departamento de Sociologia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica
POR
Relevância na Pesquisa
17.07%
O artigo estabelece uma comparação entre André Gorz e alguns dos mais importantes autores da nova sociologia econômica. É verdade que se trata de um diálogo que nunca ocorreu de maneira explícita. O que torna a comparação relevante, porém, é que ela abre caminho para expor duas maneiras alternativas de encarar o tema sociológico básico da inserção dos mercados na vida social. Para Gorz, mercado e sociedade civil são termos antinômicos e não há tarefa política mais relevante que impedir a invasão, a colonização da vida social e das relações afetivas pelo mercado. Já para a sociologia econômica, ao contrário, os mercados estão completamente mergulhados na vida social, são por ela explicados e não podem ser considerados esferas institucionais autônomas. Dessa diferença na maneira de conceber a relação entre economia e sociedade decorrem consequências políticas fundamentais: para Gorz, as redes sociais que marcam a expansão dos softwares livres representam, potencialmente, o início de uma sociedade, não capitalista. Para a nova sociologia econômica, no próprio mercado é possível encontrar redes sociais baseadas em laços não mercantis. Além disso, a inserção social dos mercados convida a que a ação política se dirija não apenas ao setor público e associativo...

Autonomia e comunicação: a articulação de coletivos anticapitalistas em rede; -

Almeida, Vanessa Macedo da Silva
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 07/11/2014 PT
Relevância na Pesquisa
17.07%
Este trabalho busca compreender as amarras e as potencialidades em torno do uso das mídias digitais por ativistas autônomos anticapitalistas. O objetivo é partir da discussão sobre a potência democratizante que a Internet ativa e chegar à análise de coletivos autônomos que produzem e divulgam no espaço digital um discurso anticapitalista. Embora as novas mídias façam parte da indústria na qual a informação é mercadoria e meio de reprodução da lógica de produção vigente, a existência de grupos que usufruem das mídias digitais para criticar o atual modelo político, econômico e social contribui para o crescimento descentralizado da construção e difusão do pensamento antissistêmico. Portanto, interessa a esta pesquisa refletir sobre as origens desse ativismo e seu potencial de transformação social. A narração de episódios recentes da trajetória do movimento autônomo - o levante zapatista, a Ação Global dos Povos e as ocupações de 2011- vai ajudar na compreensão de elementos encontrados nos protestos de junho de 2013 e na formação de uma rede de coletivos em espaços físicos e virtuais. A coleta de dados de redes sociais e entrevistas com militantes basearão a descrição das ações comunicativas empreendidas por esses ativistas.; This paper seeks to understand the limits and potentialities surrounding the use of digital media by autonome anticapitalist activists. The purpose is to depart from the discussion about the democratizing potency that Internet activates and reach the analysis of autonome movements that produce and publish in the digital environment an anticapitalist speech. Although new media takes part of industry where information is merchandise and way of reproducing the logic of the current production...

Material/Queer Theory: Performativity, Subjectivity and Affinity-Based Struggles in the Culture of Late Capitalism

Cover, R.
Fonte: Routledge Publicador: Routledge
Tipo: Artigo de Revista Científica
Publicado em //2004 EN
Relevância na Pesquisa
17.07%
This paper examines the return to an anticapitalist approach within lesbian/gay and queer antihomophobic activist struggles. Arguing that notions of queer identity are governed by a triumvirate of approaches which take into account economic structuration variously, I make a case for a stronger link between marxian and queer theory approaches by discussing the ways in which queer performative identities are constituted within a matrix of coherence that is implicated in late capitalist culture.

Anticapitalismo e inserção social dos mercados; Anticapitalism and the social insertion of the marketplace

Abramovay, Ricardo
Fonte: Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas Publicador: Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; ; ; ; ; Formato: application/pdf
Publicado em 01/01/2009 POR
Relevância na Pesquisa
17.07%
O artigo estabelece uma comparação entre André Gorz e alguns dos mais importantes autores da nova sociologia econômica. É verdade que se trata de um diálogo que nunca ocorreu de maneira explícita. O que torna a comparação relevante, porém, é que ela abre caminho para expor duas maneiras alternativas de encarar o tema sociológico básico da inserção dos mercados na vida social. Para Gorz, mercado e sociedade civil são termos antinômicos e não há tarefa política mais relevante que impedir a invasão, a colonização da vida social e das relações afetivas pelo mercado. Já para a sociologia econômica, ao contrário, os mercados estão completamente mergulhados na vida social, são por ela explicados e não podem ser considerados esferas institucionais autônomas. Dessa diferença na maneira de conceber a relação entre economia e sociedade decorrem consequências políticas fundamentais: para Gorz, as redes sociais que marcam a expansão dos softwares livres representam, potencialmente, o início de uma sociedade, não capitalista. Para a nova sociologia econômica, no próprio mercado é possível encontrar redes sociais baseadas em laços não mercantis. Além disso, a inserção social dos mercados convida a que a ação política se dirija não apenas ao setor público e associativo...