Página 1 dos resultados de 60 itens digitais encontrados em 0.000 segundos

Embolização com molas revestidas com copolímero e molas não revestidas em modelo experimental de aneurisma cerebral em suínos

Mossmann, Gabriel
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Dissertação Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
47.03%
Objetivo: Desenvolver um modelo experimental de aneurisma cerebral em artéria de suínos. Secundariamente, avaliar o processo de organização do trombo e de formação de tecido fibrocelular dentro do aneurisma com o tratamento endovascular utilizando molas revestidas (Matrix) comparadas às sem revestimento (GDC). Materiais e Métodos: Em 10 suínos sadios, com peso variando entre 16 e 20 kg, sendo 6 machos e 4 fêmeas, foi realizada a cirurgia de formação de aneurisma nas carótidas bilateralmente, através de arteriotomia e anastomose término-lateral com segmento de veia jugular. O diâmetro médio dos aneurismas era de 3 mm (variação de 2 a 4mm). Procedia-se então ao tratamento endovascular dos aneurismas divididos do seguinte modo: grupo I, embolização do aneurisma da carótida esquerda com mola de platina (GDC); grupo II, embolização do aneurisma da carótida direita com mola de platina revestida com copolímero - PGLA 90/10 (Matrix). Após 14 dias, eram retiradas as lesões e analisadas microscopicamente, comparando-se a formação de trombo recente ou trombo organizado no interior de cada aneurisma. Para isso, foi criada uma escala de caracterização das fases do processo de trombose (Escores de 1 a 4). O Escore 1 era definido como a presença de trombo inicial ou recente; o Escore 2 era categorizado como a presença de leucócitos em diferenciação contendo fibrina e absorção das hemácias e plaquetas...

Modelo suino de aneurisma de aorta abdominal com bolsa de pericárdio bovino; The aortic pericardium sac: new model of abdominal aortic aneurysm in pigs

Perini, Sílvio César
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Dissertação Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
46.92%
Introdução: A correção do aneurisma pela técnica endovascular ganha mais espaço com o aprimoramento do material utilizado, buscando-se um sistema ideal. Os estudos com esses dispositivos necessitam de modelos experimentais que devem apresentar características anatômicas e fisiopatológicas similares aos aneurismas em humanos. Apresentamos um novo modelo com bolsa de pericárdio bovino em suínos, com abordagem cirúrgica por via retroperitonial. Materiais e métodos: Estudo prospectivo, de coorte, avaliado pelo comitê de bioética, utilizando 11 suínos de raça Large White e do sexo feminino, com idade de 12 semanas, dividido em duas fases. A fase I consistiu na confecção do aneurisma, abordando a aorta retroperitonial com anestesia geral; na fase II, após 15 dias, realizou-se a arteriografia, eutanásia e retirada da peça para estudo anatomopatológico. Resultados: Em todos os animais, observou-se formação de trombos murais, como ocorre em aneurismas verdadeiros que comprometem de 30 a 90% da luz. À microscopia foram observadas calcificações na região do trombo em 82% dos animais. Havia infiltrado linfoplasmocitário no enxerto e região perienxerto, com fibrose em nove animais. Em três suínos havia espessamento miointimal considerável...

Aneurisma Intracraniano na Criança

Martins, L; Nunes, S; Marques, A; Vieira, JP; Gonçalves, V; Barata, D
Fonte: Sociedade Portuguesa de Pediatria Publicador: Sociedade Portuguesa de Pediatria
Tipo: Artigo de Revista Científica
Publicado em //2009 POR
Relevância na Pesquisa
57.16%
Os aneurismas cerebrais são raros na criança, embora a sua ruptura seja a principal causa de hemorragia subaracnoideia neste grupo etário. Apresenta-se o caso de uma criança de 11 anos de idade, que recorreu ao hospital por cefaleia súbita e intensa, sem história prévia de traumatismos ou infecções. O estudo clínico e imagiológico realizado foi sugestivo de hemorragia subaracnoideia. A angiografia cerebral permitiu o diagnóstico de aneurisma da bifurcação da artéria carótida interna esquerda. Foi submetida a cirurgia, com boa evolução pós-operatória. Pretende-se com este caso alertar para as dificuldades no diagnóstico diferencial de ruptura de aneurisma cerebral na criança e salientar que um diagnóstico correcto e precoce permite melhorar o prognóstico.

Um Caso de Sucesso no Tratamento Concomitante de Rotura de Aneurisma Intracraniano e Aneurisma Visceral

Diogo, C; Baltazar, J; Fernandes, M
Fonte: Centro Editor e Livreiro da Ordem dos Médicos Publicador: Centro Editor e Livreiro da Ordem dos Médicos
Tipo: Artigo de Revista Científica
Publicado em //2012 POR
Relevância na Pesquisa
67.46%
A associação entre aneurismas intracranianos e viscerais é extremamente rara, com mau prognóstico. A situação de rotura surge habitualmente no contexto de urgência e implica um tratamento imediato. Relata-se o caso de uma doente com rotura de aneurisma da artéria comunicante anterior e da artéria pancreaticoduodenal anterior. A actuação concertada das várias especialidades permitiu a abordagem cirúrgica dirigida ao aneurisma visceral, sem o agravamento da hemorragia cerebral que a eventual clampagem da Artéria Aorta poderia provocar. A manutenção da estabilidade hemodinâmica foi essencial para a posterior realização de embolização do aneurisma intracraniano.

Aneurisma Intracraniano na Criança

Martins, L; Nunes, S; Marques, A; Vieira, JP; Gonçalves, V; Barata, D
Fonte: Sociedade Portuguesa de Pediatria Publicador: Sociedade Portuguesa de Pediatria
Tipo: Artigo de Revista Científica
Publicado em //2009 POR
Relevância na Pesquisa
57.16%
Os aneurismas cerebrais são raros na criança, embora a sua ruptura seja a principal causa de hemorragia subaracnoideia neste grupo etário. Apresenta-se o caso de uma criança de 11 anos de idade, que recorreu ao hospital por cefaleia súbita e intensa, sem história prévia de traumatismos ou infecções. O estudo clínico e imagiológico realizado foi sugestivo de hemorragia subaracnoideia. A angiografia cerebral permitiu o diagnóstico de aneurisma da bifurcação da artéria carótida interna esquerda. Foi submetida a cirurgia, com boa evolução pós-operatória. Pretende-se com este caso alertar para as dificuldades no diagnóstico diferencial de ruptura de aneurisma cerebral na criança e salientar que um diagnóstico correcto e precoce permite melhorar o prognóstico.

Um Caso de Sucesso no Tratamento Concomitante de Rotura de Aneurisma Intracraniano e Aneurisma Visceral

Diogo, C; Baltazar, J; Fernandes, M
Fonte: Centro Editor e Livreiro da Ordem dos Médicos Publicador: Centro Editor e Livreiro da Ordem dos Médicos
Tipo: Artigo de Revista Científica
Publicado em //2012 POR
Relevância na Pesquisa
67.46%
A associação entre aneurismas intracranianos e viscerais é extremamente rara, com mau prognóstico. A situação de rotura surge habitualmente no contexto de urgência e implica um tratamento imediato. Relata-se o caso de uma doente com rotura de aneurisma da artéria comunicante anterior e da artéria pancreaticoduodenal anterior. A actuação concertada das várias especialidades permitiu a abordagem cirúrgica dirigida ao aneurisma visceral, sem o agravamento da hemorragia cerebral que a eventual clampagem da Artéria Aorta poderia provocar. A manutenção da estabilidade hemodinâmica foi essencial para a posterior realização de embolização do aneurisma intracraniano.

Regeneração aberrante do nervo oculomotor secundária a aneurisma intracraniano: relato de caso

Damasceno,Renato Wendell Ferreira; Corrêa,Maria Alice Rodrigues
Fonte: Conselho Brasileiro de Oftalmologia Publicador: Conselho Brasileiro de Oftalmologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2008 PT
Relevância na Pesquisa
67.31%
Relatar um caso de regeneração aberrante secundária à paralisia aguda do nervo oculomotor causada por aneurisma intracraniano. Paciente atendida em fevereiro de 2006 queixando-se de dor de cabeça acompanhada de visão dupla e queda da pálpebra no olho direito. Na avaliação da motilidade ocular extrínseca, verificou-se incapacidade da adução, da supradução e da infradução associada à blefaroptose no olho direito. Com relação à motilidade intrínseca, midríase paralítica no olho direito. Formulou-se diagnóstico de paralisia aguda de nervo oculomotor no olho direito e solicitou-se avaliação neurológica. No Departamento de Neurocirurgia, após ser diagnosticada presença de aneurisma de artéria comunicante posterior, a paciente foi submetida a tratamento cirúrgico. Em dezembro de 2006, observou-se melhora relativa da adução, mantendo a incapacidade da supradução e da infradução com blefaroptose melhorada à adução do olho direito. Com relação à motilidade intrínseca, miose no olho afetado. O diagnóstico de regeneração aberrante do nervo oculomotor pós-paralisia aguda foi formulado baseando-se na anamnese e nos exames oftalmológicos seqüenciais.

Edema pulmonar agudo neurogênico: relato de caso

Brito,José Correia De Farias; Diniz,Maria Cerly Almeida; Rosas,Roberto Ramalho; Silva,José Alberto Gonçalves Da
Fonte: Academia Brasileira de Neurologia - ABNEURO Publicador: Academia Brasileira de Neurologia - ABNEURO
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/1995 PT
Relevância na Pesquisa
46.96%
Os autores apresentam um caso de edema pulmonar agudo numa paciente de 28 anos de idade acometida de hemorragia subaracnóidea secundária à rotura de aneurisma intracraniano. A sintomatologia respiratória ocorreu durante o agravamento do quadro neurológico. Alguns aspectos etiológicos e fisiopatogênicos do edema pulmonar agudo neurogênico são analisados.

Desempenho cognitivo em pacientes operados de aneurisma cerebral

FOBE,JEAN-LUC; HADDAD,LUCIANO; SOUZA,ANGELA MARIA COSTA DE
Fonte: Academia Brasileira de Neurologia - ABNEURO Publicador: Academia Brasileira de Neurologia - ABNEURO
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/1999 PT
Relevância na Pesquisa
46.92%
Vinte e cinco pacientes operados de aneurisma cerebral foram submetidos a avaliação cognitiva pós operatória tardia para linguagem, praxia, orientação, lógica, compreensão, memória, depressão, demência e gnosia visual. Os resultados foram correlacionados com idade, escala de Hunt-Hess à admissão, lado, local e tamanho do aneurisma, sangue à TC (Fisher), vaso-espasmo angiográfico (George). Déficit cognitivo tardio estava ausente em 8 pacientes (32%), era leve em 5 (20%), moderado em 6 (24%) e grave em 6 (24%). A função cognitiva isoladamente mais alterada foi a da lógica com acometimento moderado e grave em 7 pacientes (28%), seguida de praxia em 6 (24%), orientação em 5 (20%), linguagem e memória em 4 (16%). A alteração gnósica visual, demência e depressão foram pouco frequentes. A compreensão estava levemente alterada em 3 pacientes. Na faixa etária 25-50 anos ocorreu melhor resultado cognitivo com sequela inexistente ou leve em 9 pacientes (75%). Os aneurismas da artéria comunicante posterior direita apresentaram déficit cognitivo tardio ausente ou leve em 5 pacientes (71,42%), os da artéria cerebral média direita apresentaram resultado equivalente em 2 (66,66%). Os aneurismas de artéria cerebral média esquerda apresentaram o pior resultado com sequela cognitiva moderada e grave em 5 pacientes (71...

Anastomose entre a artéria carótida externa e a artéria carótida interna supraclinóidea utilizando enxerto de veia safena para tratamento de aneurisma gigante do segmento cavernoso da carótida interna: relato de caso

Azevedo Filho,Hildo; Martins,Carolina; Carvalho,Antonio; Geraldo,Sá; Grassi,Giovanni; Cardoso,Claudiana; Vilaça,Gilberto; Rodrigues,Cícero
Fonte: Academia Brasileira de Neurologia - ABNEURO Publicador: Academia Brasileira de Neurologia - ABNEURO
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/03/2001 PT
Relevância na Pesquisa
46.92%
Procedimentos cirúrgicos alternativos para o tratamento de aneurismas "não clipáveis" da carótida intracavernosa incluem ligadura do vaso ou exclusão do segmento que origina a lesão. Essas técnicas estão associadas a riscos de complicações isquêmicas, mesmo em pacientes com sistema de colaterais funcionante. Portanto, um tratamento adequado requer revascularização encefálica para manter o fluxo sanguíneo nos territórios envolvidos. Relatamos o caso de uma paciente de 47 anos com sintomas e sinais isquêmicos embólicos e paralisia do III nervo craniano causados por aneurisma gigante, parcialmente trombosado, do segmento cavernoso da carótida interna. A paciente foi submetida a ponte anastomótica entre a carótida externa cervical e a carótida interna supraclinoidea utilizando enxerto de veia safena, seguido de exclusão do segmento vascular contendo o aneurisma, com bom resultado e sem complicações.

Ruptura aneurismática intraoperatória junto ao colo: sugestão de manuseio cirúrgico

Andrade,Guilherme Cabral de; Braga,Fernando Menezes
Fonte: Academia Brasileira de Neurologia - ABNEURO Publicador: Academia Brasileira de Neurologia - ABNEURO
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/09/2002 PT
Relevância na Pesquisa
47.21%
A ruptura aneurismática intraoperatória de um aneurisma intracraniano pode comprometer dramaticamente um procedimento neurocirúrgico delicado, diminuindo as chances de uma evolução favorável do paciente. A ruptura ordinariamente se dá junto ao domus do aneurisma, causando icto.Com menor frequência, a ruptura pode se processar junto ao colo, em um ponto entre o vaso principal e o saco aneurismático. Isso causa um grande problema ao neurocirurgião; a colocação de um clipe de aneurisma neste local só irá aumentar a hemorragia. Nossa sugestão técnica resume-se à clipagem do aneurisma sobre um pequeno fragmento de músculo temporal colocado no local da ruptura. É bastante simples mas bastante útil, devendo ser lembrada no momento da ruptura. Não encontramos descrição semelhante nos principais livros e artigos que se referem à ruptura aneurismática durante a cirurgia.

Aneurisma de hiperfluxo próprio da artéria comunicante posterior decorrente de efeito hemodinâmico em paciente com oclusão da artéria subclávia tratado por angioplastia

Freitas,José Maria Modenesi; Pieruccetti,Marcos Antônio; Andrade,Guilherme Cabral de; Listik,Ségio; Costa,Ricardo J.; Rodrigues Jr,José Carlos; Haikel Jr,Luis F.; Gregorini,Marcos Rogério; Pereira,Clemente Augusto B.
Fonte: Academia Brasileira de Neurologia - ABNEURO Publicador: Academia Brasileira de Neurologia - ABNEURO
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/09/2005 PT
Relevância na Pesquisa
47.25%
Aneurismas próprios da artéria comunicante posterior são extremamente raros possuindo uma incidência que varia de 0,1 a 2,8% de todos os aneurismas. O surgimento de aneurisma intracraniano em virtude de alterações de fluxo por oclusão arterial é descrito na literatura. Apresentamos o caso de homem de 69 anos, vítima de hemorragia subaracnóidea, com diagnóstico de aneurisma próprio da artéria comunicante posterior direita. Havia também, oclusão da artéria subclávia esquerda com roubo de fluxo da artéria vertebral direita pela vertebral esquerda. Realizou-se tratamento endovascular com angioplastia e colocação de stent na artéria subclávia esquerda com conseqüente oclusão do aneurisma. Discutimos o restabelecimento do fluxo arterial intracraniano como forma de tratamento deste aneurisma.

Aneurisma intracraniano gigante em menino de três anos: relato de caso

Tella Jr,Osvaldo Inácio de; Crosera,João Francisco; Herculano,Marco Antonio; Paiva Neto,Manoel Antonio de
Fonte: Academia Brasileira de Neurologia - ABNEURO Publicador: Academia Brasileira de Neurologia - ABNEURO
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2006 PT
Relevância na Pesquisa
57.08%
Aneurismas cerebrais são raros na faixa etária pediátrica. A apresentação destas lesões difere significativamente em relação á população adulta no que se refere a tamanho, localização e incidência. Relatamos caso de menimo de três anos de idade que apresentou quadro de hemorragia subaracnóidea sem história de infecções ou traumatismos prévios sendo, posteriormente, diagnosticado aneurisma gigante localizado na artéria cerebral média. Foi submetido a tratamento cirúrgico com boa evolução pós-operatória.

Conduta anestésica em cesariana em gestante com aneurisma intracraniano não roto

Carvalho,Luciana de Souza Cota; Vilas Boas,Walkiria Wingester
Fonte: Sociedade Brasileira de Anestesiologia Publicador: Sociedade Brasileira de Anestesiologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2009 PT
Relevância na Pesquisa
67.56%
JUSTIFICATIVA E OBJETIVOS: O manuseio anestésico para cesariana programada em gestante com aneurisma intracraniano não roto é particularmente interessante, pois apresenta diversas particularidades relacionadas às alterações fisiológicas da gestação acrescida dos riscos de ruptura do aneurisma durante o procedimento anestésico. A literatura é escassa nesse assunto, sendo assim importante a divulgação dos casos. RELATO DO CASO: Gestante de termo, 31 anos, com aneurisma intracraniano não roto submetida à cesariana programada sob anestesia peridural simples. O procedimento evoluiu sem intercorrências para mãe e filho. CONCLUSÕES: Recomendações baseadas em evidências para anestesia obstétrica em pacientes portadoras de aneurisma intracraniano não roto não existem. Não há dados experimentais ou clínicos que confirmem ou refutem anestesia geral ou regional nesse contexto. Dessa forma, a decisão de qual técnica utilizar deve ser feita com bases individuais, ponderando os riscos e benefícios de cada procedimento e a experiência do profissional que irá conduzi-la.

Trombólise intra-arterial pulmonar no pós-operatório de clipagem de aneurisma cerebral: relato de caso

Rojas,Salomón Soriano Ordinola; Veiga,Viviane Cordeiro; Carvalho,Júlio César de; Campodônico,Luis Enrique Amaya; Assis,Fabrizio Rodrigues; Shimizu,Sandra Patrícia; Morais,Elaine Aparecida; Buesio,Roberto; Marchesini,Andréia Maria; Junqueira,Ligia Ma
Fonte: Associação de Medicina Intensiva Brasileira - AMIB Publicador: Associação de Medicina Intensiva Brasileira - AMIB
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/09/2008 PT
Relevância na Pesquisa
47.16%
O tromboembolismo pulmonar (TEP) é uma importante causa de morbimortalidade nos pacientes submetidos a procedimentos neurocirúrgicos. O objetivo deste estudo foi apresentar um caso de trombólise intra-arterial pulmonar em pós-operatório recente de neurocirurgia. Paciente do sexo masculino, sendo submetido a clipagem de aneurisma de artéria comunicante anterior, apresentou como complicação no sétimo dia de pós-operatório, tromboembolismo pulmonar maciço, apresentando instabilidade hemodinâmica, sendo optado pela trombólise intra-arterial pulmonar com alteplase. Apresentou evolução satisfatória, sem complicações hemorrágicas, recebendo alta hospitalar. O tromboembolismo pulmonar é uma condição com alta morbi-mortalidade no pós-operatório de neurocirurgia, devendo ser a trombólise ser uma alternativa terapêutica nos casos refratários ao tratamento clínico.

Estudo comparativo da memória vertebral e da linguagem relacionado com o tratamento cirúrgico ou endovascular nos pacientes portadores de aneurisma intracraniano

Cláudia de Carvalho Vieira, Ana; Rocha Cirne Azevedo Filho, Hildo (Orientador)
Fonte: Universidade Federal de Pernambuco Publicador: Universidade Federal de Pernambuco
Tipo: Outros
PT_BR
Relevância na Pesquisa
57.46%
Introdução: Aneurismas intracranianos saculares constituem a principal causa de hemorragia subaracnóidea (HSA) espontânea. A presença de sangue no espaço subaracnóideo, possivelmente, proporciona alterações das funções cerebrais. Por outro lado, os riscos dos procedimentos cirúrgicos ou endovasculares podem também serem determinantes de prejuízos cognitivos tais comodéficits na memória, nas funções executivas, na atenção, na praxia de construção e na linguagem. Poucos estudos conseguiram relacionar a perda cognitiva com os prejuízos ocasionados pela hemorragia subaracnóidea ou com o tratamento que o indivíduo foi submetido, pelo simples fato de não ter sido realizado uma avaliação neuropsicológica no período pré-operatório. Objetivo: Avaliar os desempenhos da linguagem, memória e fluência verbal nos pacientes que apresentaram hemorragia subaracnóidea decorrente de ruptura de aneurismas intracraniano, no período pré e pós-operatório, comparar os resultados de acordo com o território do aneurisma e verificar o procedimento para oclusão que ofereça menores prejuízos cognitivos ao paciente. Método: 193 pacientes do Hospital da Restauração com HSA aneurismática foram submetidos à avaliação da linguagem pelo Protocolo Montreal Toulose versão Alpha e memória e fluência verbal pela bateria CERAD no período pré-operatório os resultados foram confrontados com um grupo controle e pareados nos grupos divididos pela localização do aneurisma. Desses pacientes 152 tiveram uma segunda avaliação após o procedimento de oclusão do aneurisma. Esses pacientes foram divididos em cirúrgicos e embolizados e tiveram os resultados das duas avaliações confrontados. A pesquisa foi realizada no período de maio de 2007 a novembro de 2009. Resultados: Foram evidenciados comprometimentos da linguagem...

Cefaléia sentinela: sinal de alerta da hemorragia subaracnóidea por ruptura de aneurisma intracraniano

Guescel C. Asano, Amdore; Farias da Silva, Wilson (Orientador)
Fonte: Universidade Federal de Pernambuco Publicador: Universidade Federal de Pernambuco
Tipo: Outros
PT_BR
Relevância na Pesquisa
67.43%
A cefaléia é uma queixa de alta prevalência no mundo. Dentre as várias causas de cefaléia, a hemorragia subaracnóidea por ruptura de aneurisma é uma das mais importantes pela sua elevada taxa de morbidade e mortalidade. Cerca de um terço dos pacientes com hemorragia subaracnóidea por ruptura de aneurisma apresenta um episódio de cefaléia, não usual, de início súbito e forte intensidade, precedendo horas, dias, semanas e meses a hemorragia subaracnóidea, que corresponde a um sangramento em pequena proporção do aneurisma, chamada também de cefaléia sentinela. Participaram do estudo 50 pacientes portadores de hemorragia subaracnóidea por ruptura de aneurisma internados em três hospitais da rede pública e um da rede privada, no período de abril a dezembro de 2005. Foram incluídos apenas os pacientes que estavam conscientes e capazes de relatarem suas queixas, sendo excluídos os portadores de aneurismas intracranianos não rotos. Dos 50 pacientes internados, 9 (18,4%) apresentaram cefaléia sentinela, com predominância do gênero feminino (77,7%) e idades variando entre 32 a 73 anos. O intervalo entre a cefaléia sentinela até a hemorragia subaracnóidea variou de 2 a 60 dias (média de 17,2 dias). Dos nove pacientes com cefaléia sentinela...

Análise dos distúrbios hormonais na hemorragia subaracnóidea, por ruptura de aneurisma intracraniano

Carlos de Moura, José; Rocha Cirne Azevedo Filho, Hildo (Orientador)
Fonte: Universidade Federal de Pernambuco Publicador: Universidade Federal de Pernambuco
Tipo: Outros
PT_BR
Relevância na Pesquisa
67.37%
OBJETIVO: Já é conhecido que nos traumatismos cranioencefálicos graves ocorre hipopituitarismo. Alguns estudos avaliam que essas alterações também ocorrem na hemorragia subaracnóidea por ruptura de aneurisma cerebral. Este estudo tem por objetivo avaliar as alterações hormonais ocorridas em 21 pacientes, com hemorragia subaracnóidea e correlacionar tais alterações com a gravidade da hemorragia, analisada pela escala de Hunt & Hess, com os achados tomográficos de acordo com a escala de Fisher, com localização dos aneurismas e com a presença de vasoespasmo cerebral. CASUÍSTICA E MÉTODO: Foi realizado um estudo prospectivo com delineamento de série de casos em 21 pacientes, com hemorragia subaracnóidea por ruptura de aneurisma cerebral, em um período não superior a 30 dias após o evento. Foram dosados os hormônios T3, T4, TSH, T4 livre, FSH, LH, prolactina, estradiol, testosterona, GH e cortisol. Em todos os pacientes, foi realizado teste de estímulo de tolerância à insulina (ITT), para se estudar as reservas de GH e cortisol. Os resultados foram comparados com os valores de referência de cada teste, confirmados pelas dosagens de hormônios, em 12 voluntários sadios (grupo controle). Esses resultados foram correlacionados com a avaliação clínica...

A Case of Successful Treatment of Concomitant Ruptured Intracranial Aneurysm and Visceral Aneurysm; Um Caso de Sucesso no Tratamento Concomitante de Rotura de Aneurisma Intracraniano e Aneurisma Visceral

Diogo, Cláudia; Serviço de Cirurgia Geral. Hospital de São José.Centro Hospitalar de Lisboa Central, EPE. Lisboa. Portugal.; Baltazar, José; Serviço de Cirurgia Geral. Hospital de São José.Centro Hospitalar de Lisboa Central, EPE. Lisboa. Portugal
Fonte: Ordem dos Médicos Publicador: Ordem dos Médicos
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; other; info:eu-repo/semantics/publishedVersion Formato: application/x-pdf
Publicado em 28/01/2013 POR
Relevância na Pesquisa
47.21%
The association between intracranial and visceral aneurysms is very rare, with a bad prognosis. The rupture usually appears in theEmergency Room, and it implies an immediate treatment.We describe the case of a woman with rupture of an anterior communicant artery aneurysm and rupture of a pancreatic duodenal arteryaneurysm. The actuation of all specialties allowed the direct surgical treatment of the visceral aneurysm, without the aggravation ofthe cerebral hemorrhage that the eventual Aorta Artery clamping could provoke. The maintenance of the hemodynamic stability wasessential for the posterior treatment of the intracranial aneurysm.; A associação entre aneurismas intracranianos e viscerais é extremamente rara, com mau prognóstico. A situação de rotura surgehabitualmente no contexto de urgência e implica um tratamento imediato.Relata-se o caso de uma doente com rotura de aneurisma da artéria comunicante anterior e da artéria pancreaticoduodenal anterior.A actuação concertada das várias especialidades permitiu a abordagem cirúrgica dirigida ao aneurisma visceral, sem o agravamentoda hemorragia cerebral que a eventual clampagem da Artéria Aorta poderia provocar. A manutenção da estabilidade hemodinâmica foiessencial para a posterior realização de embolização do aneurisma intracraniano.

Aneurisma gigante do segmento intracavernoso da carótida interna associado a doença renal policística autossômica dominante: relato de caso

Ponte,Keven F.; Mont'Alverne,Francisco J.A.; Ribeiro,Espártaco M.L.; Pinto,Paulo V.B.; Cristino Filho,Gerardo; Martins Neto,João; Salles Junior,Luiz D.
Fonte: Academia Brasileira de Neurologia - ABNEURO Publicador: Academia Brasileira de Neurologia - ABNEURO
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/09/2006 PT
Relevância na Pesquisa
46.87%
Apresenta-se o caso de mulher de 60 anos com doença renal policística autossômica dominante (DRPAD) que desenvolveu quadro de cefaléia e oftalmoplegia completa à direita. A TC levantou a hipótese de um aneurisma gigante do segmento intracavernoso da carótida interna direita, o que foi confirmado pela arteriografia. Realizou-se, então, tratamento endovascular por oclusão do vaso parental com molas destacáveis no segmento supraclinóideo. A paciente evoluiu com a interrupção da cefaléia e com redução parcial da ptose e da oftalmoplegia. Neste artigo, enfatiza-se a relação entre DRPAD e aneurismas intracranianos. Comenta-se a história natural dos aneurismas originados no segmento intracavernoso da artéria carótida interna e comparam-se as opções terapêuticas no manejo destas lesões.